Home Agenda Cápsulas Publicações Fale Conosco
Contact Us
Links Livros Mapa do Site

 

 

 
 
 

 

 

RBM Revista Brasileira de Medicina

Baixar revista Flip,
impressão de artigos

Seção Médicos

Login | Esqueci a senha

Cadastro

 


BUSCA

 
 

Fique conectado:

       

       

Normas de Publicação

Enviar artigo para publicação

     

Publicidade
 

Dia Mundial da Esclerose Múltipla

Enfermidade neurológica e crônica, a E.M. acomete cerca de 35 mil pessoas no país

A Edição
23/05/2016 17:58

Dia Mundial da Esclerose Múltipla: entenda um pouco mais sobre a doença

Enfermidade neurológica e crônica, a E.M. acomete cerca de 35 mil pessoas (1) no país

O Dia Mundial da Esclerose Múltipla (E.M.) é lembrado na última quarta-feira do mês de maio (25) e, este ano, tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância da independência do paciente com E.M. A doença acomete cerca de 35 mil pessoas no Brasil (1) e 2,3 milhões de pessoas no mundo², sendo a maioria jovens, em especial mulheres, na faixa etária de 20 a 40 anos (3).

A E.M é uma doença neurológica inflamatória crônica³, na qual células do sistema imunológico do paciente passam a atacar a bainha de mielina, revestimento dos neurônios4, causando lesões no cérebro e também na medula (1).

Os sinais da enfermidade se manifestam de acordo com a área do cérebro que foi afetada. “A esclerose múltipla é uma doença muito particular e, por isso, a evolução da doença acontece de forma individualizada, variando de paciente para paciente”, explica Jefferson Becker, médico neurologista e presidente do Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla e Doenças Neuroimunológicas (BCTRIMS). Porém, entre os sintomas mais comuns estão a fadiga, formigamentos, tremores, fraqueza, desequilíbrio, alterações visuais, espasticidade (1) e até mesmo atrofia cerebral, que se caracteriza pela perda acelerada e precoce do volume do cérebro (5).

“Existem quatro tipos de esclerose múltipla, mas o mais comum é o remitente-recorrente, que se manifesta em aproximadamente 85% dos casos. Neste quadro, há alguns períodos de exacerbação da doença, os chamados surtos, que duram mais do que 24h e podem deixar ou não sequelas no paciente”, ressalta o especialista.

Infelizmente, a esclerose múltipla não tem cura, mas já existem terapias no mercado capazes de controlar a evolução da doença. “Quanto mais cedo forem feitos o diagnóstico e o tratamento, maiores as chances de controlar a enfermidade, retardar os seus efeitos e viver com mais qualidade de vida”, afirma o Dr. Jefferson Becker.

Para mais informações, acesse o site.

Sobre o BCTRIMS

Criado em 28 de agosto de 1999, o Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla e Doenças Neuroimunológicas (BCTRIMS) é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos, que tem por finalidades promover o estudo, a educação, a pesquisa e a divulgação de informações sobre esclerose múltipla e outras doenças neuroimunológicas. Para mais informações, acesse o site.


Referências

1. ABEM. O que é Esclerose Múltipla. Disponível em . Último acesso em 16 de maio de 2016.

2. Atlas da Esclerose Múltipla 2013. Disponível em . Último acesso em 02 de maio de 2016.

3. BCTRIMS. O que é Esclerose Múltipla. Disponível em < http://www.bctrims.com.br/esclerose-multipla>. Último acesso em 02 de maio de 2016.

4. Esclerosemultipla.com.br. Sinais e Sintomas. Disponível em < http://esclerosemultipla.com.br/sobre-em/sinais-e-sintomas/>. Último acesso em 02 de maio de 2016.

5. Esclerosemultipla.com.br. Importância da avaliação e controle da atrofia cerebral na esclerose múltipla. Disponível em < http://esclerosemultipla.com.br/2015/04/06/importancia-da-avaliacao-e-controle-da-atrofia-cerebral-na-esclerose-multipla/>. Último acesso em 18 de maio de 2016.

     
SEÇÕES:  Artigos Médicos | Agenda | Cápsulas Expediente  |  Fale Conosco/Contact Us Mapa do Site  |  Publicidade
Moreira Jr Editora 2013
Todos os direitos reservados.