Home Agenda Cápsulas Publicações Fale Conosco
Contact Us
Links Livros Mapa do Site

 

 

 
 
 

 

 

Moreira Jr Editora nas redes sociais

RBM Revista Brasileira de Medicina

Moreira Jr Editora

Baixar revista Flip,
impressão de artigos

Seção Médicos

Login | Esqueci a senha

Cadastro

 


BUSCA

 
 

Fique conectado:

       

       

Normas de Publicação

Enviar artigo para publicação

     

Publicidade
 

Dia Mundial da Esclerose Múltipla

Enfermidade neurológica e crônica, a E.M. acomete cerca de 35 mil pessoas no país

A Edição
23/05/2016 17:58

Dia Mundial da Esclerose Múltipla: entenda um pouco mais sobre a doença

Enfermidade neurológica e crônica, a E.M. acomete cerca de 35 mil pessoas (1) no país

O Dia Mundial da Esclerose Múltipla (E.M.) é lembrado na última quarta-feira do mês de maio (25) e, este ano, tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância da independência do paciente com E.M. A doença acomete cerca de 35 mil pessoas no Brasil (1) e 2,3 milhões de pessoas no mundo², sendo a maioria jovens, em especial mulheres, na faixa etária de 20 a 40 anos (3).

A E.M é uma doença neurológica inflamatória crônica³, na qual células do sistema imunológico do paciente passam a atacar a bainha de mielina, revestimento dos neurônios4, causando lesões no cérebro e também na medula (1).

Os sinais da enfermidade se manifestam de acordo com a área do cérebro que foi afetada. “A esclerose múltipla é uma doença muito particular e, por isso, a evolução da doença acontece de forma individualizada, variando de paciente para paciente”, explica Jefferson Becker, médico neurologista e presidente do Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla e Doenças Neuroimunológicas (BCTRIMS). Porém, entre os sintomas mais comuns estão a fadiga, formigamentos, tremores, fraqueza, desequilíbrio, alterações visuais, espasticidade (1) e até mesmo atrofia cerebral, que se caracteriza pela perda acelerada e precoce do volume do cérebro (5).

“Existem quatro tipos de esclerose múltipla, mas o mais comum é o remitente-recorrente, que se manifesta em aproximadamente 85% dos casos. Neste quadro, há alguns períodos de exacerbação da doença, os chamados surtos, que duram mais do que 24h e podem deixar ou não sequelas no paciente”, ressalta o especialista.

Infelizmente, a esclerose múltipla não tem cura, mas já existem terapias no mercado capazes de controlar a evolução da doença. “Quanto mais cedo forem feitos o diagnóstico e o tratamento, maiores as chances de controlar a enfermidade, retardar os seus efeitos e viver com mais qualidade de vida”, afirma o Dr. Jefferson Becker.

Para mais informações, acesse o site.

Sobre o BCTRIMS

Criado em 28 de agosto de 1999, o Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla e Doenças Neuroimunológicas (BCTRIMS) é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos, que tem por finalidades promover o estudo, a educação, a pesquisa e a divulgação de informações sobre esclerose múltipla e outras doenças neuroimunológicas. Para mais informações, acesse o site.


Referências

1. ABEM. O que é Esclerose Múltipla. Disponível em . Último acesso em 16 de maio de 2016.

2. Atlas da Esclerose Múltipla 2013. Disponível em . Último acesso em 02 de maio de 2016.

3. BCTRIMS. O que é Esclerose Múltipla. Disponível em < http://www.bctrims.com.br/esclerose-multipla>. Último acesso em 02 de maio de 2016.

4. Esclerosemultipla.com.br. Sinais e Sintomas. Disponível em < http://esclerosemultipla.com.br/sobre-em/sinais-e-sintomas/>. Último acesso em 02 de maio de 2016.

5. Esclerosemultipla.com.br. Importância da avaliação e controle da atrofia cerebral na esclerose múltipla. Disponível em < http://esclerosemultipla.com.br/2015/04/06/importancia-da-avaliacao-e-controle-da-atrofia-cerebral-na-esclerose-multipla/>. Último acesso em 18 de maio de 2016.

     
SEÇÕES:  Artigos Médicos | Agenda | Cápsulas Expediente  |  Fale Conosco/Contact Us Mapa do Site  |  Publicidade
Moreira Jr Editora 2013
Todos os direitos reservados.