Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook

Moreira JR Editora

Eficácia da radiofrequência de 27,12 MHz bipolar no rejuvenescimento do dorso das mãos
Effectiveness of bipolar radiofrequency of 27.12 MHz back in the hands of rejuvenation


Patrícia Borges Cardoso Ishida, Michele Pereira da Silva
Especialistas em MBA em Dermatofuncional, Estética e Cosmética - CEFAI.
Renata Michelini Guidi
Especialista em MBA em Dermatofuncional, Estética e Cosmética - CEFAI. Especialista em Fisioterapia Músculo-esquelética. Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - IBRAMED.
Thamiris Dantas Bueno
Especialista em MBA em Dermatofuncional, Estética e Cosmética - CEFAI. Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - IBRAMED.
Estela Maria Correia Sant'Ana
Doutora em Ciências Fisiológicas UFSCar - São Carlos. Mestre em Interunidades em Bioengenharia USP - São Carlos. Pesquisadora do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - IBRAMED.
Endereço para correspondência: Estela Maria Correia Sant’Ana. Av. Dr. Carlos Burgos, 2800 - Jd. Itália - CEP 13901-080 - Amparo - SP - Tel.: 19 3817-9633 - E-mail: estela@ibramed.com.br

RBM Jul 13 V 70 Especial Cosmiatria 3
págs.: 10 à 17

Unitermos: radiofrequência, bipolar, pele, rejuvenescimento, mãos.
Unterms: radiofrequency, bipolar, skin, rejuvenation, hands.


Sumário
Nos últimos anos vários dispositivos de radiofrequência (RF) não ablativos foram introduzidos para o tratamento de diversas condições estéticas, especialmente, rugas e flacidez de pele, bem como para o tratamento da celulite e da gordura localizada, porém nenhum estudo que usasse RF bipolar capacitiva para tratamento da flacidez de pele do dorso das mãos foi encontrado. Assim, este estudo teve como objetivo avaliar a eficácia do uso da RF bipolar para tratamento da flacidez e promoção do rejuvenescimento da pele do dorso das mãos. Foram selecionadas aleatoriamente 12 voluntárias com média de idade de 54±4 anos. A avaliação inicial incluiu anamnese, fotografia digital e aferição da viscoelasticidade da pele através do aparelho Cutometer® MPA580, sendo a variável utilizada para este estudo o R0. Cada voluntária recebeu cinco sessões de RF bipolar no dorso de ambas as mãos. Após as cinco sessões, as voluntárias foram reavaliadas e responderam aos questionários de satisfação e de tolerância ao tratamento. As análises dos dados pelo teste de Wilcoxon apresentaram significância estatística (p<0,05), 67% das voluntárias declararam estar muito satisfeitas com o tratamento e 33% satisfeitas; 33% consideraram a técnica tolerável, 42% confortável e 25% muito confortável. Diante dos dados apresentados, concluiu-se que o uso da RF bipolar atenuou de forma significativa a flacidez da pele do dorso das mãos e que o tratamento aplicado pode ser considerado confortável e tolerável.

Sumary
In recent years, various devices and radiofrequency (RF) non ablative were introduced for the treatment of various aesthetics conditions, especially wrinkles and sagging skin, and for treating cellulite and localized fat, but no study that uses RF for treatment of bipolar capacitive sagging skin on the dorsum of the hand was found. This study aimed to evaluate the efficacy of treatment for bipolar RF and promotion of sagging skin rejuvenation of the dorsum of the hands. We randomly selected 12 volunteers with a mean age of 54 ± 4 years. The initial evaluation included clinical history, digital photography and measurement of viscoelasticity of the skin through the apparatus Cutometer MPA580®, and the variable used for this study the R0. Each volunteer received 5 sessions of bipolar RF on the back of both hands. After five sessions, subjects were re-evaluated and responded to questionnaires of satisfaction and tolerance to treatment. Data analyzes using the Wilcoxon test showed statistical significance (p <0.05), 67% of volunteers reported being very satisfied with the treatment and 33% satisfied, 33% considered tolerable technique, 42% comfortable and 25% comfortable very comfortable. From the data presented, it was concluded that the use of bipolar RF attenuated significantly sagging skin of the dorsum of the hands and that the treatment applied can be considered comfortable and tolerable.

Resumo

Nos últimos anos vários dispositivos de radiofrequência (RF) não ablativos foram introduzidos para o tratamento de diversas condições estéticas, especialmente, rugas e flacidez de pele, bem como para o tratamento da celulite e da gordura localizada, porém nenhum estudo que usasse RF bipolar capacitiva para tratamento da flacidez de pele do dorso das mãos foi encontrado. Assim, este estudo teve como objetivo avaliar a eficácia do uso da RF bipolar para tratamento da flacidez e promoção do rejuvenescimento da pele do dorso das mãos. Foram selecionadas aleatoriamente 12 voluntárias com média de idade de 54±4 anos. A avaliação inicial incluiu anamnese, fotografia digital e aferição da viscoelasticidade da pele através do aparelho Cutometer® MPA580, sendo a variável utilizada para este estudo o R0. Cada voluntária recebeu cinco sessões de RF bipolar no dorso de ambas as mãos. Após as cinco sessões, as voluntárias foram reavaliadas e responderam aos questionários de satisfação e de tolerância ao tratamento. As análises dos dados pelo teste de Wilcoxon apresentaram significância estatística (p<0,05), 67% das voluntárias declararam estar muito satisfeitas com o tratamento e 33% satisfeitas; 33% consideraram a técnica tolerável, 42% confortável e 25% muito confortável. Diante dos dados apresentados, concluiu-se que o uso da RF bipolar atenuou de forma significativa a flacidez da pele do dorso das mãos e que o tratamento aplicado pode ser considerado confortável e tolerável.

Introdução

O envelhecimento cutâneo é um processo fisiológico com causas intrínsecas inerentes ao aumento da idade cronológica. Fatores externos como a exposição solar, a alimentação, o tabagismo e o estresse são determinantes para acelerar esse processo1. A pele, que se encontra exposta constantemente, desenvolve os sinais de envelhecimento mais precocemente que as regiões do corpo protegidas pelas roupas e, por esse motivo, a busca por tratamentos faciais é tão intensa. Neste contexto, a procura pelo tratamento da pele do dorso das mãos se mostra crescente, a fim de evitar que a aparência das mãos esteja em desarmonia com o restante do corpo.
A flacidez da pele e as hipercromias são as alterações mais comuns no dorso das mãos e incomodam principalmente as mulheres2. Mesmo com a modernização da sociedade e a tendência da divisão igualitária das tarefas domésticas, a mulher ainda está mais exposta a fatores adversos, provenientes dos cuidados com a casa e com os filhos e, em contrapartida, a apresentação de mãos bem cuidadas é um indicativo de asseio e feminilidade. Com foco nesta preocupação, a fisioterapia dermatofuncional apresenta recursos eletroterápicos, já utilizados em face e corpo, para cuidar também das mãos3.

Seguindo os princípios do aquecimento tecidual por diatermia, a radiofrequência (RF) tem sido extensamente usada na medicina há mais de 50 anos. O efeito da RF no corpo humano depende da frequência aplicada. Em baixas frequências a RF induz uma corrente que causa aquecimento nos tecidos que estão em contato com o eletrodo e é utilizada, por exemplo, no bisturi elétrico. As frequências de gerador de RF definidas como altas variam entre 0,3 e 100 MHz, sendo o equipamento de diatermia por ondas curtas, usado na fisioterapia, um exemplo clássico dessa aplicabilidade terapêutica4-6. De acordo com a FCC (Federal Communication Commission) e a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), 13,56 MHz, 27,12 MHz e 40,68 MHz são frequências específicas designadas para a construção de equipamentos eletromédicos6.
Nos últimos anos vários novos dispositivos de RF não ablativos foram introduzidos para o tratamento de diversas condições estéticas, especialmente, rugas e flacidez de pele, bem como para o tratamento da celulite e da gordura localizada5,7-13. Dentro deste contexto, insere-se o sistema de RF Hooke®. Trata-se de um equipamento para tratamento médico, estético e cosmético com aplicação da energia de RF através de dois aplicadores cutâneos; o aplicador bipolar capacitivo para uma aplicação superficial (até 4 mm de profundidade) e o aplicador indutivo monopolar para uma penetração volumétrica profunda (15 a 20 mm de profundidade), ambos com uma frequência de operação do gerador de radiofrequência de 27,12 MHz.
Ruiz-Esparza14 aponta que a temperatura de 57 a 61oC é frequentemente descrita como a temperatura de retração do colágeno e que a quantidade de contração é determinada por uma combinação de tempo e temperatura. A temperatura superficial da pele, avaliada constantemente por um termômetro infravermelho (IR), deve ser mantida entre 40 e 42°C. Diversos estudos descrevem pesquisas clínicas sobre o uso proposto da RF para medicina estética e cosmética e fundamentam sua aplicabilidade no tratamento da flacidez de pele e rejuvenescimento5,7-13. No entanto, nenhum estudo foi encontrado que tenha investigado o tratamento da flacidez de pele do dorso da mão com o uso de RF.

Assim, esta pesquisa teve por objetivo investigar a eficácia do uso da RF de 27,12 MHz bipolar para tratamento da flacidez de pele e rejuvenescimento do dorso das mãos.

Materiais e métodos

Foram selecionadas aleatoriamente 12 voluntárias com média de idade de 54±4 anos e cada uma das mãos foi considerada uma área tratada, totalizando, para comparação entre pré-tratamento e pós-tratamento, 24 áreas. Foram excluídos deste estudo indivíduos com hipertensão arterial e diabetes descompensada, pacientes que fizeram uso de isotretinoína há menos de seis meses, gestantes e indivíduos com histórico de tumor ou portadores de doenças de pele no local de tratamento. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Humanos (00716112.7.0000.5490) e seguiu rigorosamente as normas da Resolução CNS 196/96, Lei 6.638/79 e Resolução Normativa 04/97. Todas as voluntárias leram e assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). A região tratada foi o dorso das mãos e, antes de cada sessão de tratamento, as áreas foram inspecionadas. Na primeira sessão um pré-teste demonstrativo foi feito no dorso de um dos braços para esclarecimentos e conhecimento da técnica por parte da voluntária.
O equipamento utilizado neste estudo foi a RF Hooke® com gerador de RF de 27,12 MHz (Anvisa: 10360310034), marca Ibramed (Indústria Brasileira de Equipamentos Médicos EIRELI - Amparo, São Paulo, Brasil). Neste estudo foi utilizado o aplicador de RF bipolar para as sessões de tratamento, além do dispositivo criogênico denominado cooling, que tem como função produzir resfriamento superficial antes e após o tratamento para conforto térmico e proteção da epiderme. O programa de tratamento foi composto por cinco sessões com intervalos de dez dias entre cada sessão. O protocolo de tratamento foi realizado da seguinte forma: após a higiene do local com clorexidina alcoólica a 0,2% foi aplicado o dispositivo de resfriamento por um minuto, seguido de cinco minutos de aplicação de RF bipolar com potência de 40 W. A temperatura superficial da pele foi monitorada com termômetro IR (modelo Extech Advantage®, ExtechInstuments Company, USA - Made in China) e mantida entre 40 e 42°C. A potência foi ajustada durante a aplicação de acordo com a resposta individual de cada voluntária, considerando a sensibilidade ao calor e o alcance da temperatura terapêutica necessária. Imediatamente após o tratamento com a RF foi utilizado o aplicador de resfriamento por um minuto, tempo necessário para a temperatura superficial da pele voltar à temperatura basal.

A aplicação da RF foi dinâmica, com movimentos circulares, de forma que o aplicador de RF não parasse durante a aplicação, para, assim, evitar a concentração da energia em um mesmo ponto e o potencial risco de queimaduras. Para o deslizamento do aplicador sobre o dorso das mãos foi utilizado óleo vegetal com semente de uva (50%), amêndoas doces (50%) da marca Frequência (RMC - Gel Clínico, Amparo - SP - Brasil).

As voluntárias foram avaliadas clinicamente pelas fisioterapeutas responsáveis pela pesquisa, utilizando como roteiro fichas específicas. O dorso das mãos de todas as voluntárias foi fotografado com máquina digital (Canon, modelo EOS Rebel T3i), na vista superior, no pré-tratamento e dez dias após a quinta sessão para ilustrar a melhora do aspecto da pele.

A viscoelasticidade da pele foi avaliada com o equipamento Cutometer® MPA580 (Courage & Khazaka Electronic GmbH, Cologne, Germany), sob condições ambientais da sala de teste muito bem controladas (22±2oC, umidade relativa 50±0%), e logo após um período de acondicionamento das voluntárias de dez minutos. O funcionamento do equipamento se baseia em medidas das propriedades mecânicas, firmeza e elasticidade da pele através de uma leve sucção controlada. Foram avaliados três pontos anatômicos, conforme demonstrado na Figura 1A. O equipamento utilizado é mostrado na Figura 1B. O software do equipamento fornece os dados, conforme Figura 1C, calculados a partir desta curva de sucção/interrupção da pele. A curva típica é definida de R0 a R9 e, apesar do equipamento fornecer múltiplas variáveis, a medida usada neste estudo foi R0=Uf, sendo que essa variável se relaciona à extensibilidade da pele. Os parâmetros selecionados foram: modo de medição 1, pressão 450 mbar, tempo ligado de 5 segundos e tempo desligado de 3 segundos. As medições foram feitas em triplicata.

Questionários sobre o índice de satisfação e o índice de tolerância foram aplicados após a quinta sessão de tratamento. O questionário de satisfação foi composto por uma escala numérica de 0 a 4, em que 0 é muito insatisfeito, 1 insatisfeito, 2 indiferente, 3 satisfeito, 4 muito satisfeito. O questionário de tolerância foi composto por uma escala numérica de 0 a 3, em que 0 era intolerável, 1 tolerável, 2 confortável e 3 muito confortável.
Para a análise estatística foi utilizado o software BioEstat 5.0 e aplicado o teste t Wilcoxon (Signed-Rank Test) com nível de significância p<0,05.



Figura 1 - A) pontos anatômicos avaliados no dorso das mãos; B) equipamento Cutometer® MPA 580 utilizado na coleta de dados; e C) curva típica da avaliação da viscoelasticidade da pele por Cutometer® MPA 580 de R0 a R9.


Figura 2 - A, C e E, fotografias ilustrativas do aspecto da pele pré-tratamento (controle) e B, D e F, fotografias ilustrativas do aspecto da pele pós-tratamento (dez dias após a quinta sessão de tratamento com RF bipolar).

Resultados

Todas as 12 voluntárias completaram o estudo e cada uma recebeu as cinco sessões de RF bipolar em ambas as mãos, conforme proposto no protocolo, com intervalos de dez dias entre as sessões. A Figura 2 ilustra o aspecto da pele pré e pós-tratamento com RF bipolar.
A avaliação comparativa da viscoelasticidade da pele do dorso das mãos pré-tratamento (controle) e pós-tratamento (dez dias após a quinta sessão de tratamento com RF) foi realizada através do Cutometer® MPA580. O parâmetro utilizado neste estudo foi o R0, referente à extensibilidade da pele, no qual valores menores indicam maior resistência à sucção e maior firmeza da pele. A extensibilidade da pele nos pontos anatômicos representados pelos números de 2 a 6 na Figura 3 demonstrou significância estatística, sendo p=0,01 quando comparados os valores do pré e pós-tratamento. Além disso, a média e o erro padrão da média de todos os pontos anatômicos pós-tratamento também se mostraram significativos (p<0,05), quando comparados ao pré-tratamento.

A Figura 4 mostra os resultados por voluntária, levando em consideração todos os pontos anatômicos avaliados, sendo que cinco voluntárias apresentaram diferença estatística (p=0,01), quando comparados pré e pós-tratamento. A média e o erro padrão da média de todas as voluntárias pós-tratamento demonstraram diferença estatística (p<0,05), quando comparados ao pré-tratamento.


Figura 3 - Variável R0 (extensibilidade da pele) avaliado por Cutometer® MPA 580. A, média e erro padrão da média de cada ponto anatômico avaliado e B, média e erro padrão da média dos seis pontos anatômicos avaliados no dorso das mãos. A e B foram avaliados pré-tratamento e pós-tratamento (dez dias após a quinta sessão de tratamento com RF bipolar), quando p<0,05.

Os dados referentes aos questionários relacionados aoíndice de satisfação e ao índice de tolerância ao tratamento com RF bipolar no dorso das mãos estão mostrados nas Figuras 5 e 6, respectivamente. A Figura 5 mostra que, do total de voluntárias tratadas, 33% responderam estar satisfeitas com o tratamento, 67% responderam estar muito satisfeitas, nenhuma voluntária (0%) relatou estar indiferente ou insatisfeita ou ainda muito insatisfeita com o tratamento.

Os dados referentes ao índice de tolerância ao tratamento com RF bipolar no dorso das mãos demonstraram que, do total de voluntárias tratadas, 33% consideraram o tratamento tolerável, 42% consideraram o tratamento confortável, 25% das voluntárias consideraram o tratamento muito confortável e 0% considerou o tratamento intolerável (Figura 6).


Figura 4 - Variável R0 (extensibilidade da pele) avaliado por Cutometer® MPA 580 por paciente, avaliados pré-tratamento e pós-tratamento (dez dias após a quinta sessão de tratamento com RF bipolar), quando p<0,05.


Figura 5 - Percentual do índice de satisfação das voluntárias após cinco sessões de tratamento com RF bipolar no dorso das mãos.


Figura 6 - Percentual do índice de tolerância das voluntárias durante as sessões de tratamento do dorso das mãos com RF bipolar.

Discussão

A pele exposta à radiação solar apresenta sinais de envelhecimento mais precocemente que as regiões do corpo protegidas pelas roupas e, por esse motivo, a busca por tratamentos faciais é tão intensa. Neste contexto, as mãos também se tornaram alvo dos tratamentos estéticos a fim de evitar que a aparência delas esteja em desarmonia com o restante do corpo1. Recursos como o laser e a luz intensa pulsada (LIP) e ainda os peelings químicos são amplamente utilizados nos tratamento estéticos, objetivando solucionar manchas e estimular a síntese de colágeno e elastina15-17. Essas modalidades de tratamento podem apresentar bons resultados em tratamentos faciais, porém, geralmente não podem ser aplicadas em pacientes com fototipos altos, sob risco de promoverem queimaduras, além de causarem desconforto significativo. Ademais, há que se considerar que, em tratamentos que buscam o rejuvenescimento do dorso das mãos, há ainda maior complexidade na aplicação dos mesmos por serem direcionados a uma região mais suscetível à contaminação devido ao manuseio diário. Um estudo desenvolvido por Salles et al.18 sobre rejuvenescimento do dorso das mãos utilizando a luz intensa pulsada (LIP) avaliou 56 mulheres com média de idade de 54,6 anos. O estudo apresentou resultados significativos referentes ao clareamento das manchas e melhora da pele como um todo, embora ocorrências, como bolhas, crostas e ardor durante e após as sessões, tenham aparecido. Além disso, o tratamento ainda impôs o uso de luvas até 30 dias após o término das sessões. Diferente do laser e da LIP, a RF bipolar não tem atração pelos cromóforos, vantagem adicional, já que pode ser aplicada em qualquer fototipo. A RF promove o aquecimento tecidual em profundidade controlada e permite que mecanismos de resfriamento da camada superficial da pele possam ser associados para preservar a integridade da epiderme19. Os preenchedores dérmicos também são utilizados nas mãos para reposição do volume perdido, conferindo ao dorso da mão uma aparência mais uniforme. A aplicação de hidroxiapatita de cálcio, para fins de rejuvenescimento do dorso das mãos, foi avaliada em um estudo com 16 mulheres entre 46 e 73 anos. Embora o estudo tenha apresentado 75% de satisfação pelas pacientes, a aplicação gerou eritema por dois dias na maioria das voluntárias, sendo que, em quatro mulheres, o efeito adverso só desapareceu em 15 dias e uma outra paciente ainda apresentou dor persistente por um mês20. Recentemente foi publicado um estudo realizado no Japão onde 185 mãos foram tratadas com uma única aplicação intradérmica de fator de crescimento e avaliados no pré e pós-tratamento através do Cutometer®. As pacientes não apresentaram efeitos colaterais relevantes e a avaliação da viscoelasticidade apresentou relevância estatística. O estudo ressalta que a dor provocada pela administração da substância talvez exija anestesia local para minimizar o desconforto21.

Neste estudo, para avaliação do efeito da radiofrequência, foram realizadas cinco sessões de RF bipolar com intervalo de 15 dias entre as sessões. A viscoelasticidade da pele da área tratada foi avaliada por Cutometer® MPA 580 e as análises pós-tratamento demonstraram diferenças estatisticamente significativas quando comparadas às análises pré-tratamento. A variável R0 escolhida para este estudo fornece dados relativos à firmeza da pele à tração por sucção. Os dados comparativos foram coletados dez dias após a quinta sessão de tratamento e evidenciaram uma diminuição da extensibilidade da pele (p<0,05), indicando maior firmeza dela após o tratamento. Esse dispositivo de RF bipolar de aplicação dinâmica superficial não é invasivo. As reações transitórias também são eritema e leve edema, porém desaparecem totalmente algumas horas após a sessão e, como a pele não tem solução de continuidade, não há riscos de contaminação e o paciente pode voltar às suas atividades de vida diária imediatamente após o tratamento.
Os estudos que sustentam essa aplicabilidade descrevem que o campo eletromagnético da RF se forma quando um fluxo de partículas carregadas passa através de um circuito fechado. Os efeitos ocorrem nos tecidos porque a passagem do campo eletromagnético em alta frequência causa a polarização e oscilação das moléculas de água. A fricção entre as moléculas transforma a energia eletromagnética em calor e induz termicamente a contração e remodelação do colágeno, promovendo alterações de contorno da derme, sem necessidade de período de recuperação e sem riscos de efeitos adversos graves5,9. Segundo Ruiz-Esparza14, a elevação e manutenção da temperatura subcutânea entre 57°C e 61°C são os objetivos da terapia com RF. O comportamento do tecido conjuntivo depende da temperatura atingida e do tempo de exposição à RF e a resposta térmica do tecido é dependente de variáveis, dentre elas, a idade e a hidratação da pele5,9,21.

A aplicação da RF bipolar de 27,12 MHz se baseia no princípio da remodelagem por indução térmica e termolesão mediada e controlada. A temperatura terapêutica usada se manteve entre 40°C e 42°C e cada sessão de tratamento durou cinco minutos. O sistema Hooke® é dotado de um dispositivo resfriamento e este foi usado antes e ao final de cada sessão por cerca de um minuto. O balanço entre o aquecimento profundo e resfriamento superficial dos tecidos cria um gradiente térmico inverso e o desconforto sensorial é minimizado, o que torna o tratamento bastante tolerável.

No presente estudo nenhuma das voluntárias relatou intolerância ou insatisfação com o tratamento. Segundo Elsaie5, por tratar-se de uma técnica com baixo risco de complicações e bem tolerável pelos pacientes, a RF vem ganhando espaço como alternativa para os procedimentos invasivos, especialmente para o tratamento da flacidez da pele.

Conclusão

O tratamento com a RF bipolar de 27,12 MHz demonstrou, por meio do protocolo estabelecido no estudo, ser uma alternativa eficaz para o rejuvenescimento da pele do dorso das mãos, com melhora na extensibilidade e textura da pele. Complicações e desconforto não foram relatados e todas as voluntárias apresentaram satisfação com o tratamento, sendo assim, pode-se afirmar que este demonstrou ser seguro e confiável. Mais estudos se fazem necessários para validar novos protocolos e avaliar os efeitos da RF bipolar de 27,12 MHz a médio e longo prazo.

Declaração de conflito de interesse

Patrícia Borges Cardoso Ishida e Michele Pereira da Silva declaram não apresentar conflitos de interesse. Renata MicheliniGuidi, Thamiris Dantas Bueno e Estela Maria Correia Sant'Ana são colaboradoras da Ibramed - Indústria Brasileira de Equipamentos Médicos.



Bibliografia
1. Callaghan TM, Wilhelm KP. A review of ageing and an examination of clinical methods in the assessment of ageing skin. Part 2: Clinical perspectives and clinical methods in the evaluation of ageing skin: Review Article. Int J CosmeticSci. 2008; 30: 323-332.
2. Borelli SS. As idades da pele, orientação e prevenção. 2ª Ed. São Paulo: Senac; 2004.
3. Carreiro EM, Soares ILO, Silva MV, Oliveira GMC, Santos GGC, Sales MM, Meyer P. Tratamento de rejuvenescimento facial pela estética e fisioterapia Dermato-Funcional: um pré-teste. Revista Catussaba, v. 1, p. 47-53, 2012.
4. del Pino ME, Rosado RH. Azuela A, Guzmán MG, Argüelles D, Rodríguez C Rosado GM. Effect of controlled volumetric tissue heating with radiofrequency on cellulite and the subcutaneous tissue of the buttocks and thighs. J Drugs Dermatol. 2006; 5(8):714-22.
5. Elsaie, M.L. Cutaneous remodeling and photorejuvenation using radiofrequency devices. Indian J Dermatol. 2009 Jul-Sep; 54(3): 201-205.
6. Cameron MH. Agentes Físicos na reabilitação, da pesquisa a prática. 3ª Ed Rio de Janeiro: Elsevier; 2009.
7. Alster TS, Tanzi E. Improvement of neck and cheek laxity with a nonablative radiofrequency device: a lifting experience. Dermatol Surg. 2004; Apr; 30(4 Pt 1):503-7.
8. Romero C, Caballero N, Herrero M, Ruíz R, Sadick NS, Trelles MA. Effects of cellulite treatment with RF, IR light, mechanical massage and suction treating one buttock with the contralateral as a control. J Cosmet Laser Ther. 2008 Dec; 10(4):193-201.
9. Goldberg DJ, Fazeli A, Berlin AL. Clinical, Laboratory, and MRI Analysis of cellulite treatment with a unipolar radiofrequency device. Dermatol Surg. 2008 Feb; 34(2):204-9
10. van der Lugt C, Romero C, Ancona D, Al-Zarouni M, Perera J, Trelles MA. A multicenter study of cellulite treatment with a variable emission radiofrequency system.DermatolTher. 2009 Jan-Feb; 22(1):74-84.
11. Brightman L, Weiss E, Chapas AM, Karen J, Hale E, Bernstein L, Geronemus RG. Improvement in arm and post-partum abdominal and flank subcutaneous fat deposits and skin laxity using a bipolar radiofrequency, infrared, vacuum and mechanical massage device. Lasers Surg Med. 2009 Dec; 41(10):791-8.
12. Anolik R, ChapasAM, Brightman LA, Geronemus RG. Radiofrequency devices for body shaping: a review and study of 12 patients. Semin Cutan Med Surg. 2009 Dec; 28(4):236-43.
13. Atiyeh BS, Dibo SA. Nonsurgical nonablative treatment of aging skin: radiofrequency technologies between aggressive marketing and evidence-based efficacy. Aesthetic Plast Surg. 2009 May; 33(3):283-94.
14. Ruiz-Esparza J. Near painless, nonablative, immediate skin contraction induced by low-fluence irradiation with new infrared device: a report of 25 patients. Dermatol Surg. 2006 May; 32(5):601-10.
15. Doshi SN, Alster TS. Combination radiofrequency and diode laser for treatment of facial rhytides and skin laxity. J Cosmet Laser Ther. 2005 Mar; 7(1):11-5.
16. Goel A, Krupashankar DS, Aurangabadkar S, Nischal KC, Omprakash HM, Mysore V. Fractional lasers in dermatology - current status and recommendations. Indian J Dermatol Venereol Leprol. 2011 May-Jun; 77(3):369-79.
17. Rondon MI, Berson DS, Cohen JL, Roberts WE, Starker I, Wang B. Evidence and considerations in the application of chemical peels in skin disorders and aesthetic resurfacing. J Clin Aesthet Dermatol. 2010 July; 3(7):32-43.
18. Salles AG, Camargo CP, Gimenez R, Isaac C, Ferreira MC. O uso da luz intensa pulsada (LIP) no tratamento do fotoenvelhecimento de dorso das mãos. 2009 [acesso em 25 de novembro de 2012]. Disponível em: http://cabescientifica.files.wordpress.com/2009/10/ipl-tto-fotoenvelhecimento-de-dorso-das-maos.pdf
19. Hantash BM, Ubeid AA, Chang H, Kafi R, Renton B. Bipolar fractional radiofrequency treatment induces neoelastogenesis and neocollagenesis. Lasers Surg Med. 2009 Jan; 41(1):1-9.
20. Shono MM, Niwa ABM, Osório NES. Tratamento para rejuvenescimento das mãos com hidroxiapatita de cálcio. Surg Cosmetic Dermatol. 2012,4(2):186-8.
21. Carvalho GFS, Marcel R, Mesquita FJ, Meyer PF, Ronzio OA, Medeiros JO, Nóbrega MM,Barichello PA, Mendonça WCM et al. Avaliação dos efeitos da radiofrequência no tecido conjuntivo. Rev Bras Med. 2011; 10-25.