Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



Curiosidades
Alípio Corrêa Netto
(1898-1988)
Centenário de seu nascimento.
Prof. Carlos da Silva Lacaz
Professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Introdução
Curta biografia do grande cirurgião brasileiro


alípio corrêa netto, antigo professor catedrático de clínica cirúrgica da faculdade de medicina da universidade de são paulo (1935-1968), foi reitor da mesma, no período de 26 de fevereiro de 1955 a 28 de março de 1957. ensinou, também, a mesma disciplina, na escola paulista de medicina. nasceu a 14 de janeiro de 1898 em cataguazes (mg). diplomado, em 1923, pela antiga faculdade de medicina e cirurgia de são paulo, defendeu tese de doutorando em 1924, subordinada ao título "contribuição ao estudo dos cystos congenitos do pescoço", sendo aprovada com distinção.
mestre autêntico, chefe de escola, trabalhou ativamente, formando numerosos discípulos, como euryclides de jesus zerbini, eduardo etzel, arrigo antonio raia, irany novah moraes, rubens monteiro de arruda, jorge zaidam, joaquim vieira filho, antonio moreira cunha campos, ary do carmo russo, josé francisco monteiro, e. puech leão, walter henrique pinotti, victor spina, orlando loduvicci, masayaki okumura e tantos outros de renome internacional.

durante a ii guerra mundial exerceu intensa atividade cirúrgica, principalmente na itália, tendo como anestesista a singular figura de josé francisco monteiro, seu ex-aluno na faculdade de medicina. recebeu, pela sua marcada atuação, elogios do general mark w. clark, comandante das forças americanas. escreveu em 1983, pela almed, excelente volume: notas de um expedicionário médico.

colega de turma de jairo de almeida ramos, com este eminente mestre ensinou a seus alunos, dentre outros assuntos, a propedêutica cirúrgica do abdome, dividindo a clínica cirúrgica por setores, criando disciplinas dentro desta área. homem de vanguarda, foi político atuante, fundador, entre nós, do partido socialista.

discípulo do prof. joão alves de lima, diplomado em paris, escreveu, em 1969, alentado volume sobre seu mestre, com o título - "um mestre da cirurgia" (s. paulo, ed. mestre jou & edusp, 1969). no exercício da profissão, comportou-se sempre como um esteta, sabendo compreender e sentir toda a grandeza da medicina, com irreprimível vocação. o livro em apreço foi prefaciado pelo prof. pedro de alcântara. alves de lima se diplomou pela faculdade de medicina de paris, defendendo sua tese de doutorando sobre "de la fréquence des lesions annexièlles dans les rétrodeviations douloureuses de l'uterus" (1897).

no concurso a que se submeteu para professor catedrático de clínica cirúrgica (4º ano) - 16ª cadeira (patologia e propedêutica), com ele concorreram mario ottobrini costa e caetano zamitti mammana. a comissão julgadora foi constituída pelos professores sergio paiva meira filho (presidente) e edmundo vasconcelos, ernani alves de faria, fernando luz e antonio candido de camargo. diretor da faculdade: prof. joão de aguiar pupo.

com indiscutível liderança lançou as bases para a fundação da associação paulista de medicina e da associação brasileira de medicina (de 1951 a 1955). foi presidente desta associação, liderando a chapa união e diálogo. ao final de sua carreira, editou, com numerosos colaboradores, o livro clínica cirúrgica alípio netto, em cinco volumes. o primeiro volume foi publicado em 1965 pelo fundo editorial procienx. atualmente, a editora sarvier é a responsável pela publicação em quatro volumes, desta magnífica obra.

modelo de professor, com sabedoria e harmonia espiritual, alípio corrêa netto engrandeceu a faculdade de medicina e a própria cultura médica brasileira.

faleceu em são paulo a 24 de maio de 1988. seu corpo saiu da faculdade de medicina de são paulo para o crematório de vila alpina, conforme seu desejo.

a oração fúnebre foi pronunciada a 25 de maio de 1988, no teatro da faculdade de medicina, pelo seu discípulo e dileto amigo prof. irany novah moraes.

do alto de sua onipotência moral e científica, o trabalho do renomado mestre sempre cresceu sob o impulso de uma paixão silenciosa que nunca o abandonou, dispensando sagacidades e ardilezas para se afirmar e vencer. quando considerado em sua integral figura humana, o renomado professor mais se agiganta. de cada meta atingida, alípio corrêa netto fez sempre um novo ponto de partida.

participação do prof. alípio corrêa netto na feb

em "notas de um expedicionário médico"(são paulo, almed, 1983), o então major alípio corrêa netto, prestou impressionante depoimento sobre sua participação na ii guerra mundial. o livro do prof. alípio corrêa netto foi prefaciado pelo seu amigo reinaldo ramos de saldanha da gama. a viagem para a itália se iniciou a 20 de agosto de 1944, em um avião norte-americano, seguindo para acra, no golfo da guiné, libéria, dakar, casablanca e, finalmente, nápoles. participou o renomado mestre, cirurgião do 38º hospital de evacuação, do v exército norte-americano, sob as ordens do general mark clark. o hospital de campo, em pistóia, recebeu a visita do general joão batista mascarenhas de moraes. "a cobra está fumando" era o emblema da feb. significava, na giria militar, "uma situação de perigo", tal como os pracinhas encontraram na frente de batalha italiana. o rigoroso inverno de 1944-1945 caracterizou-se pela luta em torno do monte castello, posição alemã que deveria ser reconquistada pela 1ª die (divisão de infantaria expedicionária). os dois primeiros assaltos brasileiros foram repelidos pelos alemães, mas no dia 21 de fevereiro de 1945 se consagrou a vitória dos brasileiros.

no comando direto dos primeiros ataques estava presente o general zenóbio da costa.

a 3 de junho de 1945 alípio corrêa netto chegava ao brasil, vindo de nápoles.

devemos assinalar que vários outros médicos brasileiros participaram como oficiais da reserva na força expedicionária brasileira. josé alfio piason, meu querido colega de turma (1940), paulo dumangin santos e massaki udihara colaboraram na publicação de um excelente documentário sobre a participação dos mesmos e de outros colegas na ii guerra mundial (1949). o livro em apreço foi impresso nos estados unidos. a 30 de agosto de 1987 o museu histórico da faculdade de medicina prestou justificada homenagem aos médicos paulistas que participaram da feb, inaugurando em seu salão nobre placa comemorativa do evento. a saudação aos colegas homenageados foi feita pelo prof. carlos da silva lacaz, respondendo o dr. josé alfio piason. na placa em apreço constam os seguintes nomes: alípio corrêa netto (1924), joão batista pereira bicudo (1935), paulo canton (1945), paulo araújo homem de melo (1947), josé alfio piason (1940), massaki udihara (1939), oswaldo mendes leite (1941), paulo dumangin santos (1943), joão angelo abatayguara (1947), floresmundo plastino zaragosa (1939), josé monteiro (1942) e rubens dos santos alves (1952).

alípio corrêa netto possuía grande experiência como cirurgião de guerra. em 1934, o renomado mestre e edmundo etzel e francisco cerrutti publicaram nos an. fac. med. da usp (vol. x, 1934) excelente trabalho sobre a cirurgia de guerra no hospital de sangue de cruzeiro, refletindo a experiência dos mesmos nesse hospital, durante a revolução de 1932.

alípio corrêa netto e a pesquisa científica

alípio corrêa netto sempre se interessou pela pesquisa científica. com irany novah moraes publicou pela edigraf & edusp (s. paulo, 1970) excelente volume sobre a metodologia da pesquisa científica, com prefácio do prof. lucas nogueira garcez, o qual procurou demonstrar o valor social da pesquisa científica.

o grande cirurgião como escritor

assinale-se, também, o pendor que o prof. alípio corrêa netto tinha para com a historiografia médica e a literatura. assim, em 1965, pela editora mestre jou, escrevera interessante ensaio sobre "a doença do aleijadinho", achando que a angeíte obliterante teria sido a causa da enfermidade mutilante que torturou o famoso artista brasileiro, antônio francisco lisboa. paulo duarte prefaciou este trabalho do renomado cirurgião brasileiro.

sabe-se, hoje, que a causa mais provável das lesões apresentadas por aleijadinho, uma das mais curiosas, originais e belas figuras da cultura brasileira, tivesse sido a hanseníase em sua forma virchowiana ou, então, a porfiria, segundo o prof. paulo da silva lacaz.

quando o prof. euryclides de jesus zerbini praticou entre nós o primeiro transplante cardíaco, alípio corrêa netto escreveu "um ponto no infinito", apreciando em belo romance as alterações de personalidade e as mortificações da filosofia de vida do indivíduo submetido a um transplante cardíaco. januário lopes da silva recebia na "cidade grande" um "coração emprestado". sua alma fica cheia de dúvidas e de incertezas. o livro foi prefaciado pelo prof. euryclides de jesus zerbini e a capa é de benedito j. duarte, o grande artista brasileiro que se notabilizou na elaboração de filmes científicos, inclusive o do transplante cardíaco. vale referir que as cinzas de benedito j. duarte, por expresso desejo seu, estão colocadas em pequena urna nos jardins da faculdade de medicina.

no momento em que se comemora o centenário do nascimento do prof. alípio corrêa netto, há um pensamento que se aplica de maneira certa ao eminente professor, ao educador de raros méritos, cirurgião renomado, destacado homem público, ao cultor das boas letras e, acima de tudo, ao médico que soube sentir desde cedo a transcendência da arte divina, localizando-a dentro das grandes categorias do pensamento humano. "olhando bem, o tempo não se conta pelo tempo que passou, mas pelo que se fez do tempo. não se conta pelo que o tempo nos dá, mas pelo que nós damos ao tempo. a gente só possui da vida o que deu de si". nos elogios que fiz a personalidade do prof. alípio corrêa netto não existe menor exorbitância afetiva. o querido mestre merece muito mais. nas lições de sua vigorosa personalidade, pode-se ver um exegi monumentum laboriosamente edificado e que haverá de perdurar.