Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



GANEPÃO 2013
PRÁTICA CLÍNICA - PC
GANEPÃO 2013

PC001 - APLICAÇÃO DO ÂNGULO DE FASE NO MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES SUBMETIDOS AO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA: UMA REVISÃO

Instituição: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba - PR
Autores: Oliveira M, Santos JC, Perini CC.

Objetivos: O objetivo desse trabalho foi realizar um levantamento bibliográfico da utilização do ângulo de fase no acompanhamento nutricional dos pacientes com doenças graves, buscando relacionar a importância de sua aplicação no transplante de medula óssea (TMO). Materiais e Métodos: Trata-se, portanto, de uma revisão bibliográfica, utilizando-se artigos publicados entre 2000 e 2011 obtidos a partir do acesso às bases de dados virtuais Annual Rewiews, HighWire Press, JAMA & Archives, Journals@Ovid, Mary Ann Liebert, Nature Internacional Wekly Journal of Science, Oxford Journals, Science, SpringerLink e Wiley Online Library pelo portal da CAPES. Esta revisão aborda o transplante de medula óssea, o impacto do transplante de medula óssea no perfil nutricional nos pacientes, descrição da utilização da bioimpedância e o ângulo de fase na avaliação nutricional empregados no acompanhamento de pacientes submetidos a transplante de medula óssea, usando os descritores: transplante de medula óssea, avaliação nutricional, transplante de células-tronco, ângulo de fase, bioimpedância elétrica, nos idiomas inglês e português. Resultados: A partir da revisão realizada, pode-se afirmar que o ângulo de fase (AF), determinado a partir dos valores da reactância e resistência obtidos com a bioimpedância elétrica, pode ser utilizado como indicador de massa celular e prognóstico de complicações clínicas, sendo que menores valores sugerem morte celular ou decréscimo na integridade e função da membrana celular, desequilíbrio no balanço de fluídos como também refletem negativamente na sobrevida dos pacientes. Ele tem sido considerado um forte indicador de prognóstico em pacientes com diferentes complicações clinicas, como por exemplo, sepse, doença renal crônica e hepatite viral. Conclusão: Os pacientes submetidos ao TMO estão suscetíveis a desnutrição calórica-proteica na fase do tratamento. O ângulo de fase tem grande relevância para avaliar o risco nutricional e a desnutrição, com isso apontando os pacientes que estão na faixa de risco precocemente e possibilitando uma TN adequada e individualizada caso a caso, prevenindo riscos de infecções e mortalidade para o individuo. Unitermos: TMO, Avaliação Nutricional, Transplante de Células-Tronco, Ângulo de Fase, Bioimpedância Elétrica.

PC002 - ESTUDO SOBRE A PREVALÊNCIA DOS ÍNDICES DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA'S NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

Instituição: Uniasselvi, Campo Grande - MS
Autores: Araújo TF.

Objetivos: O presente trabalho tem como objetivo, avaliar e discutir por meio de revisão bibliográfica os índices das Doenças transmitidas por alimentos (DTA) no estado de Mato Grosso do Sul durante o período de 2008 à 2011. Comparando os valores encontrados em estudos anteriores e outras pesquisas e discutir e questionar as possíveis variáveis dos resultados encontrados. Materiais e Métodos: Esta revisão literária sobre a Prevalência de dos índices de DTA_no estado de Mato Grosso do Sul foi dividida em duas etapas: A primeira etapa consistiu na procura de artigos em sites como: SCIELO e GOOGLE ACADÊMICO relatando outros levantamentos relacionados ao tema e a problemática. Também foram realizados levantamentos bibliográficos explorando o tema sobre as DTA_ seus causadores e fatores que contribuem para a proliferação destas doenças. Na segunda etapa foi realizado um levantamento de dados estatísticos e informações prontuários coletados e disponibilizados pelos órgãos públicos. Após este levantamento realizado houve a comparação destes dados e discussão sobre assuntos abordados. Resultados: Segundo os dados levantados pelo Baco de Dados DATASUS foi observado a ocorrência de cerca de 49.482 casos de internação por doenças infecciosas e parasitárias (CID-10: A00 a A09) entre os anos de 2008 a 2011. Somente em Campo Grande, a capital, foram registradas 11.076 internações a cidade com o maior número de registros, seguida de Dourados com 4.145 internações e Corumbá com 2.511 internações. Estas internações geraram para o governo do estado um custo para os cofres públicos de R$ 27.877.459,58 durantes os anos de 2008 a 2011. Somente em Campo Grande foram gastos R$11.853.038,85. Com relação à faixa etária por idade os dados registrados no DATASUS mostram que os maiores números no período pesquisado foram de criança de 1 a 4 anos com 8.820 internações. Outros dados interessantes foram os valores encontrados em adultos de 20 a 29 anos com 4.886 internações, adultos de 30 a 39 anos com 5.230 e adultos de 40 a 49 anos com 4.949 internações, resultados diferenças pequenas entre si, mas com valores acima do que as demais faixas etárias. Conclusão: Os levantamentos realizados comprovam o grau de importância que o controle e prevenção das DTA e o prejuízo financeiro que internações por esta enfermidade podem causar aos governos. Mesmo assim, ainda é necessário investir em medidas preventivas, fiscalização, controle e orientação. Essas medidas são importantes para que possamos diminuir os riscos de contaminação alimentar. Unitermos: Não informado.

PC003 - INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA SOBRE A SAÚDE DA CRIANÇA

Instituição: Universidade Gama Filho, São Paulo - SP
Autores: Castro BP.

Objetivos: O presente trabalho faz uma revisão das evidências atuais que embasam as recomendações sobre amamentação e alimentação complementar, com objetivo de descrever a influência da alimentação na primeira infância sobre a saúde da criança. Materiais e Métodos: O estudo foi realizado a partir da pesquisa no banco de dados Scielo, Google Acadêmico, Lilacs, Livros técnicos e publicações de órgãos nacionais e internacionais no período de dezembro de 2011 a setembro de 2012, considerando as publicações dos últimos 12 anos e idiomas de consulta em português e inglês. Resultados: Dentre os resultados encontrados na pesquisa pode-se destacar que apesar do incentivo ao aleitamento materno exclusivo até os seis meses e que só depois comece a introdução de alimentos associada à oferta do leite materno até os dois anos ou mais, ainda ocorre à prevalência marcante do desmame precoce e da introdução errônea de alimentos, tendo consequências na saúde infantil como infecções respiratórias, diarreia, alergias alimentares, desnutrição, obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes e outras doenças crônicas. Conclusão: Pode-se concluir que o governo e os serviços de saúde devem elaborar e colocar em pratica, mais programas educativos, principalmente no pré-natal e pós-natal, para orientar e motivar as famílias de como proceder de maneira correta na alimentação de crianças menores de dois anos, ressaltando a importância da alimentação nesta época da vida. Unitermos: Amamentação, Aleitamento Materno, Alimentação Complementar, Introdução de Alimentos.

PC004 - A PERCEPÇÃO DO RESIDENTE MULTIPROFISSIONAL SOBRE A CAPTAÇÃO DE POSSÍVEIS DOADORES DE ÓRGÃOS A PARTIR DO PROTOCOLO DE MORTE ENCEFÁLICA

Instituição: Universidade Federal do Amazonas, Manaus - AM
Autores: Brandão DM, Reis VP, Moura CSS, Pereira ZRF.

Objetivos: Descrever a aplicabilidade do protocolo de morte encefálica para captação de possíveis doadores de órgãos em pacientes no Hospital Universitário do Amazonas. Materiais e Métodos: A metodologia é qualitativa descritiva e análise documental por meio dos formulários em processo de implantação da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Universitário Getúlio Vargas. Amostra documental dos dados foi por conveniência durante o mês de fevereiro de 2013. Para análise dos dados optou-se por verificar aplicabilidade dos protocolos por morte encefálica confrontados com o levantamento encontrados nas novas diretrizes dos protocolos de 2012 regulamentados pelo Ministério da Saúde. Resultados: Foi observado que a equipe do Hospital Universitário Getúlio Vargas realiza o protocolo de morte encefálica, segundo a normatização e declara conhecer o formulário. Todavia, o critério de notificação considerado um dos critérios do protocolo para que o paciente se apto, possa ser doador apresenta-se ausente na maioria das amostras observadas. O procedimento deve ser realizado pelo plantonista da UTI. Conclusão: É visível a necessidade de qualificar os profissionais que atuam na Rede de Atenção à Saúde para aplicabilidade e importância dos protocolos padronizados para cada região. Quando o processo é realizado com o protocolo de morte encefálica adequadamente, o hospital reduz custos e otimiza leitos. Além de ofertar a outras pessoas oportunidade de melhorar a qualidade de vida quando um órgão é captado. Unitermos: Transplante, Transplante de Órgãos, Morte Encefálica.

PC005 - A INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO PARA O TRATAMENTO NÃO MEDICAMENTOSO E PREVENÇÃO DA ENXAQUECA

Instituição: Universidade Nilton Lins, Manaus - AM
Autores: Meurer KP, Formiga DCVP.

Objetivos: Identificar alimentos que possuem efeito comprovado, benéfico ou não, para o tratamento da enxaqueca. Materiais e Métodos: A partir de uma revisão bibliográfica que tem como definição ser um processo sistemático de construção do conhecimento tendo como metas principais gerar novos conhecimentos e/ou confirmar ou contestar algum conhecimento pré-existente. Abordagem: Dedutiva. Procedimento: Estruturalista. Resultados: Foi comprovado que alguns alimentos podem aumentar a intensidade e a incidência das dores, assim como outros podem ajudar a prevenir as crises. As enxaquecas podem ser reduzidas com a ingestão de ácidos graxos ômega-3 provenientes de óleo de peixe e do consumo de azeite de oliva. Além disso, a utilização de cápsulas de magnésio também podem ser utilizadas, pois diminui o número de dias de dor, pois o magnésio possui ações no organismo que incluem a neutralização do vasoespasmo, inibição da agregação plaquetária, redução na formação de eicosanoides e estabilização das membranas celulares, todas envolvidas na patogênese da enxaqueca. Assim como o magnésio, a suplementação com riboflavina também se mostrou eficaz em estudos realizados. O triptofano também foi estudado, pois mulheres portadoras de enxaqueca no período menstrual foram estudadas e a quantidade de serotonina excretada na urina foi superior ao normal, sugerindo uma deficiência de triptofano, precursor da serotonina. Os anti-histamínicos inibem a produção de prostaglandina, responsável pela sensação de dor. Conclusão: A retirada e inclusão de alimentos do cotidiano a fim de evitar a enxaqueca é uma forma de profilaxia, porém há a necessidade de acompanhamento nutricional, para evitar o déficit ou excesso de nutrientes e a realização de uma reeducação alimentar personalizada a fim de dificultar a incidência e intensidade da dor. Unitermos: Enxaqueca, Cefaleia, Dor de Cabeça, Alimentação, Nutrição, Terapia Nutricional.

PC006 - SUPORTE NUTRICIONAL EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Instituição: Universidade do Estado da Bahia, Salvador - BA
Autores: Oliveira RS, Lopes DD.

Objetivos: Compreender como o tema Suporte Nutricional em oncologia pediátrica vem sendo abordado, buscar conhecer as alterações nutricionais e metabólicas nos processos oncológicos e ainda analisar, com base nas evidencias científicas, como o manejo nutricional, no tratamento de crianças com câncer, vem sendo usado na pediatria clinica. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de revisão da literatura, de natureza descritiva, através de pesquisa bibliográfica. Para localizar as produções científicas, a busca bibliográfica foi efetuada na base de dados da Revista Brasileira de Cancerologia, Revista Brasileira de Nutrição (RBNC), Scielo, PubMed, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e a MEDLINE. O estudo procedeu-se em setembro de 2010 até novembro de 2010, a partir da associação das palavras criança, câncer e nutrição. Para selecionar as produções científicas, Os critérios de inclusão foram: artigo na temática de nutrição no câncer pediátrico; resumo disponível na base de dados e o acesso on-line ao artigo na sua íntegra. Dentro da temática selecionou-se um total de quarenta artigos, sendo trinta e quatro nacionais e seis internacionais. Desse total, foram selecionados dezesseis que estavam em concordância com os critérios definidos. Resultados: A importância da terapia nutricional em criança com câncer baseia-se na constatação de que o funcionamento dos sistemas orgânicos vitais é mantido mais adequadamente quando o estado nutricional do paciente é preservado. A escolha do método mais adequado para a terapia nutricional dependerá da situação que envolve o paciente. Sendo assim, o melhor método é aquele que, considerando as diferentes circunstâncias, proporciona menor risco e maior eficiência para a obtenção do melhor custo-benefício, além da complacência do paciente e seus familiares e a experiência da equipe multidisciplinar. Portanto, a implantação de protocolos de terapia nutricional (adaptados à realidade da nossa população) deve ser efetuada para que esses pacientes tenham a chance de receber o tratamento planejado. Com isso, busca-se evitar a redução da dose das drogas, o atraso dos ciclos de quimioterapia ou da cirurgia, o aumento do risco de toxicidades e das infecções e a morte. Conclusão: A escolha do melhor método da terapia nutricional, nessa população pediátrica, deve considerar fatores relacionados ao tipo de câncer e sua terapêutica e que este além de fornecer às necessidades nutricionais do paciente deve, acima de tudo, oferecer prazer e conforto e junto com outras medidas terapêutica deve contribuir com a manutenção da qualidade de vida da criança com câncer. Unitermos: Câncer Pediátrico, Criança, Câncer Nutrição, Suporte Nutricional.

PC007 - PERFIL CLÍNICO-ANTROPOMÉTRICO DE PACIENTES PORTADORES DE ESTEATOSE HEPÁTICA EM TRATAMENTO AMBULATORIAL

Instituição: Nutrir Prestadora de Serviços Médicos Ltda, Belém - PA
Autores: Santos GCP, Pantoja MS, Silva MHS, Costa LCR, Frazao MA, Nazare TAS.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional antropométrico dos pacientes com Esteatose. Materiais e Métodos: Foi realizado estudo transversal em Ambulatório de Nutrição com um total de 28 pacientes com Esteatose hepática no período de maio a agosto de 2012, realizando análise ficha de avaliação nutricional contendo a história clínica e dados antropométricos. Resultados: Observou-se que de um total de 28 pacientes, 53,57% do sexo feminino, com média de idade geral de 43,07anos. Prevalência de Esteatose grau I (78,57%), quanto ao estado nutricional observou-se que: 3 eutróficos (10,71%), 8 sobrepesos (28,57%), 9 obesos grau I (32,14%), 6 obesos grau II (21,42%) e 2 obesos grau III (7,14%). Apresentaram-se como principais doenças associadas a obesidade (60,71%), diabetes (21,42%) e hipertensão (21,42%). Conclusão: A incidência de doenças associadas, principalmente a obesidade foi elevada na casuística estudada, comprovando que quanto maior o nível de obesidade aumentam-se os riscos de complicações clínico-nutricionais podem vir a interferir na morbimortalidade dessa população. Unitermos: Esteatose Hepática, Estado Nutricional, Avaliação Nutricional.

PC008 - RECEITAS FUNCIONAIS NA PRÁTICA CLÍNICA NUTRICIONAL EM ONCOLOGIA

Instituição: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN
Autores: Aquino SLS, Pereira GTC, Rolim PM.

Objetivos: Elaborar um Guia de Receitas Funcionais contendo sugestões de preparações que auxiliem na terapia nutricional do câncer, sendo um instrumento facilitador em orientações nutricionais. Materiais e Métodos: Foram selecionadas preparações que continham ingredientes com propriedades funcionais e em seguida estas foram testadas durante 11 dias não consecutivos, em uma Unidade de Alimentação e Nutrição de um Hospital Oncológico. Foi realizada degustação das receitas com os funcionários e nutricionistas da Unidade de Produção. Características como cor, sabor, aparência e textura foram avaliadas pelos degustadores. Apos avaliação das receitas, foi realizada a Ficha Técnica de Preparação (FTP), nas quais continham os ingredientes e quantidades em gramatura e medida caseira, custo total e a informação nutricional referente à porção média de consumo. Foram elaboradas 14 preparações contendo ingredientes funcionais, a saber: frango crocante, filé de merluza assado, caponata, coquetel antioxidante, arroz integral à grega, bolo de tapioca, pudim de tapioca, tapioca colorida, broa nutritiva, pão caseiro de castanha de caju, farofa funcional, bolo de maçã, pudim de beterraba e laranja e guacamole. Resultados: Foram utilizados nas preparações ingredientes funcionais, como por exemplo: peixe, alimento fonte de ácidos graxos ômega-3 e 6 e estes auxiliam na intervenção da coagulação do sangue, bem como no controle de processos inflamatórios; Cenoura e Beterraba, alimentos-fonte de betacaroteno, no qual possui função antioxidante; Tomate, alimento-fonte de licopeno, em que auxilia na proteção de câncer de pulmão, próstata e estômago; Cereais integrais (arroz integral, aveia e linhaça), os quais são fontes de fibra alimentar e estas ajudam na prevenção de câncer de cólon e auxiliam na redução do colesterol. O Guia foi confeccionado contendo todas as receitas funcionais testadas e aprovadas pelos funcionários e nutricionistas da Unidade de Alimentação. O material foi entregue aos pacientes e seus respectivos cuidadores, atendidos no referido hospital, tanto a nível ambulatorial como hospitalar. O nutricionista em sua prática clínica deve estimular aos seus pacientes o consumo de alimentos saudáveis, com evidências convincentes e prováveis, no que concerne à ingestão de nutrientes específicos. Conclusão: Com esta pesquisa, ressalta-se a importância do nutricionista inovar na prática clínica, por meio de condutas que estejam ao alcance dos pacientes, promovendo o desenvolvimento tecno-funcional na terapia nutricional, por meio da produção de novos alimentos. Considera-se uma estratégia valiosa para a terapia nutricional do câncer, além do acesso à informação para pacientes e acompanhantes. Unitermos: Alimentos Funcionais, Câncer, Terapia Nutricional, Guia de Receitas.

PC009 - PERFIL DE SAÚDE DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

Instituição: UFF, Rio de Janeiro - RJ
Autores: Costa SO, Siqueira KS, Tavares CM, Muniz PT, Gevú JCA.

Objetivos: Verificar o perfil de saúde dos servidores técnico administrativos da Universidade Federal do Acre.
Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo de corte transversal de caráter censitário. Foram entrevistados os servidores do quadro efetivo da Universidade Federal do Acre (UFAC), sendo considerados inelegíveis apenas aqueles cedidos a outras instituições ou licenciados por motivos não relacionados à saúde. A coleta de dados se processou no período compreendido entre final do ano 2011 e início do ano 2012. A análise descritiva foi apresentada através de medidas de proporção. O estudo teve como variáveis de interesse as socioeconômicas, demográficas, algumas doenças crônicas auto-referidas e características do estilo de vida como atividade física de lazer e consumo de álcool e fumo. Resultados: Foram pesquisados 312 servidores da Universidade Federal do Acre, sendo 68,0% do sexo masculino e 32% do sexo feminino. Grande parte dos entrevistados se encontrava na faixa etária acima dos 30 anos (78,2%), possuíam uma renda familiar maior do que 3.000 reais (65,6%) e possuíam graduação ou pós-graduação (57,0%). Os servidores relataram percepção de saúde boa ou muito boa (72,7%), a maioria não relatou hipertensão (64,6%), diabetes (92,9%) e colesterol alterado (72,1%), eram praticantes de atividade física (51,0%), não fumavam (92,3%) e não consumiam bebida alcoólica (61,5%). Conclusão: Conhecer a prevalência de colesterol e diabetes e as características socioeconômicas e demográficas além da frequência de variáveis como atividade física de fazer e consumo de cigarros e álcool, da referida população, possibilita a elaboração e proposição de ações mais direcionais e reiterar a continuidade de ações direcionadas a área de atividade física de lazer que já tem sido realizada na UFAC. Unitermos: Não informado.

PC010 - PERFIL NUTRICIONAL DE PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN DA APAE DE COLATINA -ES

Instituição: Unesc, Colatina - ES
Autores: Lima SSO, Pereira LR.

Objetivos: Definir o estado nutricional dos portadores de síndrome de Down e identificar possíveis riscos cardiovasculares nos alunos matriculados na instituição. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, transversal e quantitativo, realizado na APAE de Colatina-ES cuja amostra contou com 11 indivíduos portadores de Síndrome de Down, compreendendo crianças, adolescentes e adultos com faixa etária entre 10 e 37 anos. Foram aferidas as seguintes medidas antropométricas: peso, altura, circunferência da cintura (CC) e circunferência do braço (CB).Os equipamentos utilizados foram: balança com estadiomêtro embutido marca Filizola e fita antropométrica, marca Cardiomed. Para avaliação do estado nutricional foram utilizadas curvas de crescimento criadas por CRONK (1988): estatura por idade (E/I) e peso por idade (P/I) segundo sexo, ambas para crianças e adolescentes entre 2 e 18 anos. Para a classificação de IMC, utilizou a tabela com pontos de corte estabelecidos para adultos do SISVAN (2008). Para a classificação da existência de risco cardiovascular, seguiu-se a tabela da OMS (1998), onde classifica a CC de acordo com o sexo. Resultados: Na classificação de P/I, dos 6 portadores avaliados, a metade (50%) apresentou eutrofia, 33% (2) sobrepeso e apenas 17% (1) obesidade. Na classificação de E/I, 67% (4) dos avaliados possuem estatura adequada para a idade, os outros 33% (2) apresentaram estatura acima do normal para a idade, sendo estes todos do sexo masculino. Os adultos avaliados segundo o IMC apresentaram os seguintes percentuais: 40% (2) com sobrepeso e 60% (3) com obesidade. Nenhum apresentou eutrofia e baixo peso. A avaliação realizada segundo CC obteve-se como resultados pelo sexo feminino 20% (1) apresentando CC normal, não apresentando riscos; 20% (1) com risco moderado e 60% (3) com alto risco de desenvolvimento de problemas cardíacos; e pelo sexo masculino: 67% (4) normal e 33% (2) com alto risco para cardiopatias. Nenhum apresentou risco moderado neste grupo. Segundo a avaliação da CB, 73% (8) encontram-se eutróficos, não apresentando risco de doenças e 27% (3) apresentam risco de doenças relacionadas ao excesso de peso. Nenhum portador de Down apresentou risco de doenças associadas à desnutrição. Conclusão: Uma alimentação balanceada que atenda as necessidades nutricionais específicas de cada indivíduo é essencial para uma boa qualidade de vida. Assim, podemos concluir a importância do acompanhamento nutricional dos portadores de SD desde o início da vida, a fim de manter o peso corporal saudável e prevenir as diversas doenças que se encontram relacionadas a esse grupo. Unitermos: Síndrome de Down, Avaliação Nutricional, Risco Cardiovascular.

PC011 - USO DE PREBIÓTICOS NA ABSORÇÃO DE FERRO EM CIRURGIA BARIÁTRICA

Instituição: Centro Universitário de Volta Redonda, Volta Redonda - RJ
Autores: Maia APS, Neves ASN.

Objetivos: Investigar se os prebióticos estimulam a absorção de ferro em pacientes submetidos à gastrectomia. Materiais e Métodos: Este trabalho baseia-se em uma revisão de literatura, incluindo publicações nacionais e internacionais dos últimos quatro anos, livros de nutrição e publicações de órgãos oficiais. Resultados: Estudo de revisão. Conclusão: Os prebióticos parecem ser importantes aliados no aumento da biodisponibilidade do mineral, pois ao serem fermentados no intestino grosso, produzem ácidos graxos de cadeia curta diminuindo o pH do cólon acarretando em uma maior absorção do ferro. Logo o uso de prebióticos em indivíduos gastrectomizados parece aumentar a absorção de ferro. Unitermos: Prebiótico, Ferro, Gastrectomia.

PC012 - ANÁLISE DA EFETIVIDADE NA SUPLEMENTAÇÃO DIETÉTICA ORAL NA PRÁTICA CLÍNICA EM PEDIATRIA HOSPITALAR

Instituição: Centro Universitário São Camilo, São Paulo - SP
Autores: Santos MCA, Pereira MAG.

Objetivos: O objetivo desta revisão integrativa foi de investigar sobre a efetividade e potenciais benefícios da suplementação nutricional oral no estado nutricional em crianças hospitalizadas, e sua real necessidade na adequação da Terapia Nutricional. Materiais e Métodos: A metodologia empregada foi de revisão integrativa. Foram identificados e selecionados estudos nas bases de dados PubMed, SciELO, e Biblioteca Virtual em Saúde (Bireme), com os seguintes descritores: Suporte nutricional, Nutrição Enteral, Terapia Nutricional, Crianças, Adolescentes, nos idiomas português, inglês e espanhol. Como critérios de inclusão consideraram-se os ensaios clínicos (caso controle e randomizados duplos cegos, meta análise, prospectivo, retrospectivo); revisões sistemáticas com desfecho definido; pacientes a partir de dois meses de idade até 19 anos. Como critérios de exclusão consideraram-se revisão literária (sem desfecho); população adulta. Dos noventa e sete artigos dos últimos dezesseis anos, e cinco dissertações de teses de mestrado, somente doze foram selecionados. Como limitações do estudo, apontamos um número muito pequeno de pacientes em ensaios clínicos randomizados, e falta de clareza sobre a eficácia da suplementação oral. Resultados: Ao avaliar o tratamento da desnutrição, estudos clínicos randomizados recomendaram a intervenção nutricional com o uso de suplementos orais industrializados, de alta densidade energética e proteica, a fim de melhorar a resposta nutricional como forma de prevenção e tratamento da desnutrição energético proteico hospitalar em crianças e adolescentes. Verificou-se rápido catch-up por meio de ganho de peso em crianças com diarreia aguda; recuperação de peso 3,5 vezes maior e 88,3 % do índice de P/E; 90% das crianças com doença de Crohn apresentaram estado nutricional recuperado; o aumento dos níveis séricos de pré-albumina em pacientes com fibrose cística; recuperação do índice P/E e diminuição do número de infecções em crianças com paralisa cerebral; ganho de peso de 76,5% dos casos em crianças com desnutrição grave; queda do percentual de desnutrição grave para leve; eficácia na recuperação com a associação da terapia oral e uso de corticosteroides. Conclusão: Estudos sugerem que a intervenção nutricional com o emprego de suplementos orais de alta densidade energética e proteica em crianças hospitalizadas, pode ser um fator determinante para a recuperação e manutenção do estado nutricional. O tratamento é efetivo, orientando ações ao minimizar casos de desnutrição, assim como perdas nutricionais com possível melhora e resposta ao tratamento. Unitermos: Suplementação Dietética, Nutrição Enteral, Terapia Nutricional, Crianças, Adolescentes.

PC013 - SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL E INTOLERÂNCIA À LACTOSE: AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS DA SINTOMATOLOGIA

Instituição: IMEN Educação, São Paulo - SP
Autores: Yassunaga SL, Ramos S, Guedes NNG.

Objetivos: Diferenciar os sintomas entre a Síndrome do Intestino Irritável e a Intolerância à lactose. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal descritivo, onde a investigação da pesquisa bibliográfica foi realizada no período de maio de 2011 a junho 2012. O levantamento de dados foi realizado através de artigos científicos, textos de publicações nacionais e internacionais, com o objetivo de obter informações atuais sobre a Síndrome do Intestino Irritável (SII) e Intolerância à lactose. Para a realização da revisão bibliográfica, foi feita uma busca de confiabilidade científica. Utilizaram-se as bases de dados Bireme, Scielo, Medline, onde foram selecionados artigos científicos do período de 1996 a 2011. Foram utilizados os seguintes indexadores em português: Lactose, síndrome do intestino irritável, lactase, diarreia. E lógicas boleanas: AND e/ou OR, nos idiomas português e inglês. Cada artigo científico foi lido e analisado na tentativa de esclarecer sobre a síndrome do intestino irritável e intolerância à lactose. Resultados: A prevalência de intolerância alimentar percebida em indivíduos com a SII relatadas em estudos é alta, onde 20-65% atribuem seus sintomas para reações adversas do alimento. Não há recomendações dietéticas específicas para serem aplicadas na terapêutica da SII, devem-se respeitar as intolerâncias de cada paciente, assim, ajustes individualizados. Indivíduos com SII podem confundir os seus sintomas com intolerância a lactose, mas não por falta da enzima lactase e sim por substâncias que contém no leite que podem estimular o trato gastrointestinal, tais como gorduras e açúcares. A intolerância à lactose se caracteriza pela deficiência da enzima lactase, que é responsável por digerir o açúcar do leite e transformá-la em seus constituintes (glicose e galactose). O tratamento consiste em não ingerir ou diminuir alimentos onde a lactose está presente. Excluir o leite e derivados pode ser um risco para a saúde, já que a ingestão de cálcio pode ser comprometida. Atualmente muitos profissionais da saúde se confundem no momento do diagnóstico, acarretando complicações ao paciente. Conclusão: Concluiu-se, que os sintomas da intolerância a lactose podem confundir com a Síndrome do Intestino irritável, mas há diferença na intolerância alimentar. Caso ocorra o erro ao diagnosticar, haverá implicância no estado nutricional. É imprescindível que profissionais da área da saúde saibam reconhecer como proceder da forma mais adequada para não submeter o paciente a maiores perdas nutricionais. Unitermos: Não informado.

PC014 - INDICADORES ANTROPOMÉTRICOS NA TRIAGEM DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM ALUNOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE JOÃO PESSOA

Instituição: Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba FCM-PB, João Pessoa - PB
Autores: Lisboa JVC, Campos DSMA, Falcone HPA, Soares TS, Barbosa ZFB.

Objetivos: O presente estudo tem como objetivo avaliar o desempenho de diferentes indicadores antropométricos de obesidade abdominal para discriminar o risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares em alunos do curso de Nutrição de uma Instituição em João Pessoa. Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva, quanto aos objetivos, de levantamento, segundo os procedimentos de coleta, de campo quanto às fontes de informação e com abordagem quantitativa. Participaram do estudo 81 alunos, devidamente matriculados no curso de graduação em Nutrição, entre o 1º ao 8º período do curso, sendo 90,1% do sexo feminino e 9,9% do sexo masculino, com idade entre 17 e 47 anos. Para obtenção dos resultados foi realizada a coleta de dados antropométricos e avaliados segundo o Índice de Massa Corporal (IMC), Circunferência da Cintura (CC), Relação Cintura Quadril (RCQ), Índice de Conicidade (IC) e Relação Cintura Estatura (RCEst). Para a caracterização da amostra foi utilizada a estatística descritiva expressa em valores médios e desvio padrão. A distribuição de frequência foi empregada para a classificação de cada variável. Todos esses procedimentos foram realizados através do software estatístico PASW Statistic version 18.0. Resultados: Pela avaliação antropométrica classificou-se o estado nutricional por meio do Índice de Massa Corporal (IMC), onde 4,9 % estavam com magreza, 74,1% estavam eutróficos, 17,3 % apresentaram sobrepeso e 3,7% obesidade. Quanto à avaliação da Circunferência da Cintura (CC) como preditora para doenças cardiovasculares, a maior proporção na população total foi favorável (86,4%), quanto ao Índice de Conicidade (IC), 84% foram considerados adequados, enquanto que 16% estavam acima do normal, em relação à Relação Cintura Quadril (RCQ) 48,1% foram considerados risco moderado e 39,5% apresentavam risco baixo e quanto à avaliação a Relação Cintura Estatura (RCEst) 85,0% foram considerados normais e 15,0% foram considerados acima do normal. Conclusão: Espera-se que estes resultados possam contribuir para a elucidação do fenômeno da obesidade, especialmente a abdominal na população, fornecendo informações para que os profissionais de saúde atuem na prevenção dessa condição clínica multifatorial evitando o aparecimento das doenças cardiovasculares. Unitermos: Doenças Cardiovasculares, Antropometria, Obesidade, Fatores de Risco.

PC015 - PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM PORTADORES DE SIDA ATENDIDOS A NÍVEL AMBULATORIAL

Instituição: Universidade Federal de Pernambuco, Recife - PE
Autores: Souza AFO, Amorim ACR, Nascimento ALV, Maio R, Burgos MGPA.

Objetivos: Avaliar as condições socioeconômicas, bem como o sobrepeso e obesidade em portadores de SIDA através de medidas antropométricas. Materiais e Métodos: O estudo foi do tipo transversal, realizado no ambulatório de Nutrição/Doenças Infecto-parasitárias (DIP) do HC/UFPE. A amostra foi composta de 144 pacientes, sendo 57% do sexo masculino, com diagnóstico de SIDA em uso de TARV, com idade entre 20 e 59 anos, sem dificuldade de locomoção, sem gravidez ou o puerpério, não estar em cuidados paliativos e estar sendo acompanhado a nível ambulatorial. Para a obtenção de dados foi utilizado fichas de avaliação contendo: dados pessoais, culturais e medidas antropométricas. Os dados foram analisados com SPSS (versão 17), com significância dos testes estatísticos de 5,0%, sendo utilizado teste exato de Fisher. A pesquisa foi iniciada após a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa do CCS/UFPE. Resultados: Tabelas 1 e 2.

Tabela 1 - Características socioeconômica e cultural de indivíduos com SIDA, tratados em Hospital Escola do Recife, Pernambuco (PE), 2011/2012
Característica socioeconômica e cultural n %
Sexo
Masculino 82 56,9
Feminino 62 43,1
Escolaridade
Analfabeto 10 6,9
Ensino fundamental 58 40,3
Ensino médio 59 41,0
Ensino superior 17 11,8
Renda (salários mínimos)
Menos de um 25 17,4
Um 77 53,5
Mais de um 42 29,2
n= número de pacientes; %= percentual

Tabela 2 - Risco Cardiovascular: marcadores antropométrico e clínico, em indivíduos portadores de SIDA, tratados em Hospital escola do Recife (PE), 2011/2012
Variável n %
Classificação do IMC
Excesso de peso 77 1,4
Eutrófico 65 53,5
Desnutrido 2 45,1
Classificação da CC
Risco muito elevado 46 31,9
Risco 53 36,8
Sem risco 45 31,3
Classificação da relação circunferência da cintura/altura
Alterada 119 82,6
Normal 25 17,4
n = número de pacientes; %= percentual

Conclusão: Diante dos resultados pode-se concluir que a maioria dos indivíduos estudados apresentou escolaridade média e baixa condição econômica. Na avaliação antropométrica detectou-se elevada prevalência de excesso de peso (segundo o IMC), obesidade abdominal (CC) e risco elevado de doenças metabólicas (RCEST), independente do sexo. Unitermos: Avaliação Nutricional, Estado Nutricional, Nutrição, HIV/AIDS.

PC016 - PERFIL NUTRICIONAL DE USUÁRIOS REGISTRADOS NO HIPERDIA DA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE MANDACARU VII EM JOÃO PESSOA

Instituição: Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba FCM-PB, João Pessoa - PB
Autores: Lisboa JVC, Campos DSMA, Falcone HPA, Soares TS, Barbosa ZFB.

Objetivos: o presente estudo tem como objetivo conhecer e analisar o perfil lipídico, determinando a prevalência de dislipidemias associadas ao estado nutricional de adultos do HiperDia, usuários da Unidade de Saúde da Família (USF) de Mandacaru VII, na cidade de João Pessoa. Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva, quanto aos objetivos, de levantamento, segundo os procedimentos de coleta, de campo quanto às fontes de informação e com abordagem quantitativa. Participaram do estudo 80 indivíduos com mais de 20 anos de ambos os gêneros, hipertensos e diabéticos, sendo 51% adultos e 49% idosos, com prevalência do sexo feminino (59%). Para obtenção dos resultados foi realizada a coleta de dados antropométricos, avaliados segundo o Índice de Massa Corporal (IMC) e analisado o Perfil Lipídico (PL): Colesterol Total (CT), HDL-colesterol (HDL-c), LDL-Colesterol (LDL-c) e Triglicerídeos (TG), registrados nos prontuários dos usuários da unidade. Para a caracterização da amostra foi utilizada uma análise descritiva expressa em valores médios. Resultados: Pela avaliação antropométrica classificou-se o estado nutricional, pelo IMC, tanto na população adulta quanto na de idosos com 44% e 56%, respectivamente, como obesidade. Na população estudada a prevalência foi de hipertensos (50%), a amostra apresentou níveis ótimos de Colesterol Total (CT) e LDL-Colesterol (LDL-c) com 69% e 70%, respectivamente, e dosagens baixas para o HDL-Colesterol (HDL-c) com 64% e 51% da amostra apresentaram níveis altos de Triglicerídeos (TG). Níveis elevados de CT (51%) e LDL-c (28%), para os idosos; já, para os adultos, níveis de TG alto (54%) e baixos níveis de HDL-c (32%). Níveis altos de CT, TG e os níveis baixos de HDL-c foram entre indivíduos hipertensos e diabéticos, mas para os níveis de LDL-c não houve diferença nos valores encontrados. Conclusão: Deste modo, espera-se que estes resultados possam contribuir para a elucidação do fenômeno das dislipidemias na população, fornecendo informações para que haja prevenção dessa condição clínica multifatorial evitando o aparecimento de doenças cardiovasculares, assim como seus fatores de risco, e de outras Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (DCNT). Unitermos: Dislipidemias, Prevalência, Perfil Lipídico, Hiperdia.

PC017 - A INFLUÊNCIA DOS COMPONENTES DA CASTANHA DO BRASIL NA EXPRESSÃO GÊNICA DA GLUTATIONA PEROXIDASE I NAS VIAS HEPÁTICAS E CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE OBESIDADE

Instituição: Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP, São Paulo - SP
Autores: Santos MCA, Ganen AP.

Objetivos: O presente estudo tem como objetivo avaliar a influência da castanha do Brasil e seu principal componente, o selênio, na expressão gênica da glutationa peroxidase I nas vias hepáticas e cardiovasculares em indivíduos portadores de obesidade. Materiais e Métodos: Este estudo consiste em revisão bibliográfica sistemática de artigos contendo estudos nacionais e internacionais que relacionam os efeitos do selênio e sua ação antioxidante na inflamação e no estresse oxidativo. A presente revisão da literatura foi realizada a partir dos periódicos disponíveis no portal da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e nas principais bases de dados em saúde: MedLine, Lilacs, PubMed e SciELO, utilizando os descritores: Estresse Oxidativo, Castanha do Brasil, Selênio, Glutationa Peroxidase I, Peroxidação Lipídica. Foi realizado o rastreamento sistemático, literário usando a técnica boleana (and, or, not) por meio dos descritores citados. O período considerado para inclusão dos artigos foi a partir 1993. Resultados: Na obesidade observa-se níveis aumentados de estresse oxidativo, sendo este, o principal fator contribuinte para a hiperglicemia, hiperlipidemia, inflamação crônica, as defesas antioxidantes inadequadas e a hiperleptinemia. O sistema de defesa antioxidante enzimático inclui superóxido dismutase, glutationa peroxidase (GPx1) e catalase. Estudos têm demonstrado que categorias de antioxidantes da dieta, dentre eles o selênio, podem ser efetivos em suprimir a ativação de vias pró-inflamatórios, através da quelação dos radicais livres. O selênio é um oligoelemento e propõe-se que sua ingestão reduza o risco de doenças crônicas resultantes do estado oxidativo e inflamatório. A castanha do Brasil é composta por substâncias bioativas, dentre eles o selênio. Uma das funções biológicas mais importantes deste oligoelemento é ser cofator constituinte da Gpx1. Concentrações baixas de selênio foram associadas à ocorrência de aterosclerose e hiperhomocisteinemia. os estudos demonstram efeitos positivos sobre biomarcadores específicos, sendo os relacionados à oxidação de lipídeos. Conclusão: A enzima à glutationa peroxidase exerce papel importante na resistência celular ao dano oxidativo e na metabolização e excreção de xenobióticos. Desta forma, a suplementação da castanha do brasil apresenta características nutricionais que contribuem para a manutenção adequada dos níveis sanguíneos de selênio, concomitante a enzima glutationa peroxidase I atuando na melhora do perfil metabólico. Unitermos: Estresse Oxidativo, Castanha do Brasil, Selênio, Glutationa Peroxidase I, Peroxidação Lipídica.

PC018 - PERFIL DA ACEITAÇÃO DE DIETAS HOSPITALARES PELOS PACIENTES ONCOLÓGICOS INTERNADOS DO HOSPITAL HAROLDO JUAÇABA DE FORTALEZA - CEARÁ

Instituição: Instituto do Câncer do Ceará, Fortaleza - CE
Autores: Costa ALS, Santos SS, Reges BDLO, Nogueira PD, Nogueira RF, Matos LM.

Objetivos: A desnutrição intra-hospitalar continua sendo a causa mais frequente do aumento da morbimortalidade. Entre os fatores causais, a alimentação é considerada um fator circunstancial em razão das mudanças alimentares, troca de hábitos e horários. O objetivo foi avaliar a aceitação de dietas de pacientes oncológicos internados no Hospital Haroldo Juaçaba de Fortaleza. Materiais e Métodos: A coleta de dados foi realizada no Hospital Haroldo Juaçaba de Fortaleza, no estado do Ceará, de janeiro a março do ano de 2013. Foi usado como instrumento o mapa de dietas das copeiras, onde foram sinalizados a aceitação como boa, regular e ruim. Resultados: Foram observados os seguintes resultados: 81% boa, 13% regular e 6% ruim. Conclusão: A partir dos resultados, observou-se a importância dos processos envolvidos na produção dessas refeições e das estratégias usadas para estimular a ingestão alimentar do paciente oncológico. Unitermos: Dieta Hospitalar, Aceitação, Oncologia.

PC019 - PERFIL DE PACIENTES COM PANCREATITE AGUDA INTERNADOS NO SERVIÇO DE CIRURGIA GERAL DE HOSPITAL PÚBLICO

Instituição: Hospital Miguel Arraes, Paulista - PE
Autores: Azevedo IG, Souza MS, Silva RA, Silva LMC, Barbosa AFM, Andrade AM.

Objetivos: Determinar o perfil de pacientes internados com pancreatite aguda no serviço de cirurgia geral do Hospital Miguel Arraes (HMA), Paulista - PE. Materiais e Métodos: Estudo observacional, transversal com coleta de dados a partir de prontuários. Realizado entre maio e outubro de 2012, em pacientes com diagnóstico de pancreatite aguda e idade superior a 18 anos. Foram excluídos pacientes com membros amputados e engessados, edemaciados, gestantes, puérperas, e os que apresentem algum comprometimento que impossibilite a avaliação do estado nutricional. Utilizamos IMC (OMS, 1997) onde as medidas de peso e altura foram realizadas por um único pesquisador para evitar erros significativos. A tabulação dos dados foi realizada através do Microsoft Office Excel 2007 e a análise estatística no software SPSS versão 13.0. Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética nº CAAE - 06058412.0.0000.5200. Resultados: Foram estudados 92 pacientes, sendo 54 do sexo feminino (58,7% da amostra), com idade média de 47,2 ± 17,5 anos, sendo a idade mínima de 18 e a máxima de 80 anos. Verificou-se em 84,83% dos casos (n=78) que a etiologia era biliar, 13% (n=12) alcoólica e 2,17% (n=2) outras causas (hipertrigliceridemia e medicamentosa). Com relação ao estado nutricional, o IMC médio = 27,1 ± 5,7 kg/m² e quanto a terapia nutricional, 87% (n=80) iniciaram com dieta via oral exclusiva, 9,7% (n=9) suporte nutricional enteral exclusivo e 3,3% nutrição parenteral total. Conclusão: O perfil detectado no estudo foi maior prevalência de mulheres adultas, com excesso de peso, pancreatite de origem biliar e com alimentação iniciada por via oral. Unitermos: Pancreatite, Estado Nutricional, Terapia Nutricional.

PC020 - HÁBITOS ALIMENTARES COMO FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM COLABORADORES DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA

Instituição: Universidade Regional de Blumenau/ FURB, Blumenau - SC
Autores: Campanella LCA, Feldmann JP, Busarello L.

Objetivos: Identificar no consumo alimentar de servidores técnicos administrativos de uma universidade pública de caráter privado, presença de fatores de risco para o desenvolvimento de doença cardiovascular (DCV). Materiais e Métodos: Coletaram-se de uma amostra significativa dos colaboradores dados demográficos, clínicos e alimentares. Para avaliação do padrão de consumo alimentar, foi aplicado o questionário de frequência alimentar de Fórnes (2002), em que o padrão de frequência alimentar foi categorizado em Grupo 1, que representou o consumo de alimentos de risco para o desenvolvimento de DCV, e Grupo 2, contendo alimentos com efeito protetor. A pontuação dos escores de cada grupo foi somada e o padrão alimentar classificado em aterogênico (quando a soma dos pontos do Grupo 1 foi maior que a soma do Grupo 2). Para análise de associação, categorizaram-se a frequência de consumo em: "consumo esporádico", quando não consumido, consumido uma vez ao mês ou de duas a três vezes por mês; "consumo habitual", quando houve frequência de ingestão de uma a quatro vezes por semana e "consumo frequente", quando consumidos de cinco a seis vezes por semana ou diariamente. Adotaram-se como significativas as relações com p<0,05. Resultados: Foram avaliados 226 colaboradores, sendo, 61,5% homens e 38,5% mulheres. Observou-se que 67,25% apresentaram soma de escores de consumo de alimentos do Grupo 2 (alimentos protetores) superior aos do Grupo 1 (alimentos aterogênicos) e maior consumo habitual de alimentos fritos, produtos de panificação (cucas, bolos e tortas), alimentos embutidos, industrializados e ovos. Houve correlação estatística positiva entre os anos de estudo e a soma de escores do Grupo 1 e associação entre referir HAS e consumir de forma frequente alimentos fritos e ovos. Além disso, os mais velhos referiram ingerir com maior frequência fontes de gordura animal e com menor frequência frituras. Quanto ao Grupo 2, houve maior percentual de avaliados com consumo frequente de frutas, hortaliças e legumes e cereais e derivados e de consumo esporádico para o azeite de oliva e oleaginosas. Mulheres apresentaram média de escores do grupo protetor maior que os homens, assim como se identificou correlação estatística positiva entre idade e a soma de escores do Grupo 2. Conclusão: Como fatores de risco, nesta amostra, identificaram-se consumo frequente de gordura animal (principalmente entre os mais velhos) e frituras (entre os mais jovens), produtos de panificação, embutidos e industrializados, apesar da ingestão frequente de frutas, vegetais e cereais, principalmente pelas mulheres. Unitermos: Dieta, Alimentos, Doenças, Cardiacas, Vasculares, Colaboradores, Universidade.

PC021 - USO DO SELÊNIO EM PACIENTES CRÍTICOS

Instituição: Hospital Naval Marcilio Dias, Rio de Janeiro - RJ
Autores: Pim SASC, Cincinatus R, Furtado RPC, Silva RP.

Objetivos: Revisar os conhecimentos atuais e os principais estudos sobre o uso da suplementação parenteral do selênio em pacientes críticos, com a finalidade de descrever os possíveis benefícios alcançados através da ação enzimatica antioxidante da glutationa peroxidase, tais como redução do tempo de internação e redução da mortalidade. Materiais e Métodos: Foram consultadas bases de dados nacionais (Scielo, Bireme) e internacionais (PubMed, Lilacs, ISI Web of Science (Science Citation Index Expanded), EMBASE, e Cochrane Library) O período de consulta foram artigos dos últimos 5 anos. Resultados: A revisão dos artigos selecionados demonstra que a suplementação diária com doses acima de 500 hcg de selênio inorgânico (selenito de sódio) intravenoso nos pacientes críticos pode desempenhar um importante papel na estratégia de defesa antioxidante, reduzindo assim o tempo de ventilação mecânica e a mortalidade dos pacientes críticos. Conclusão: Dentro deste contexto, as evidências atuais sobre o selênio não permitem fazer uma recomendação definitiva sobre a quantidade e tempo de duração para suplementação no paciente crítico, mas deixa claro a necessidade de realizar novos estudos com amostras maiores e metodologias apropriadas para que, além confirmar os benefícios, possam definir uma recomendação clara e concisa para sua suplementação. Unitermos: Antioxidantes, Selênio, Glutationa Peroxidase, Paciente Crítico, Estresse Oxidativo, Suplementação.

PC022 - USO DE NUTRIÇÃO ENTERAL SEMIELEMENTAR EM PACIENTE PEDIÁTRICO COM DOENÇA DE CHRON: RELATO DE CASO

Instituição: Instituto da Criança - HCFMUSP, São Paulo - SP
Autores: Bonfim MAC, Santos OR, Cardoso AL.

Objetivos: Descrever a intervenção nutricional realizada em paciente pediátrico portador de doença de Chron. Materiais e Métodos: Trata-se de relato de caso. Paciente G.P.S.B., 9 anos, diagnosticado com doença de Chron aos 8 meses de vida, associada a alergia a proteína do leite de vaca e a dermatite atópica. Com histórico de inúmeras internações prévias prolongadas por fístulas perianais. Foram aferidos periodicamente peso (kg), estatura (cm), circunferência do braço (CB) e dobra cutânea tricipital (DCT). O cálculo do Z escore do Índice de Massa Corpórea/Idade (IMC/I) foi realizado com o programa Antho Plus®(OMS). A conduta dietética adotada foi à oferta exclusiva de nutrição enteral semielementar, normocalórica, normoproteica, à base de proteína hidrolisada do soro do leite, com 46% de TCM, mix de carotenoides, suplementação de carnitina, taurina e colina, via sonda nasogástrica (em sistema fechado). Foram monitorados o volume infundido, hábito intestinal e possíveis complicações decorrentes da TNE. A prescrição dietética consistiu da oferta de 2000 mL/dia da dieta supracitada. Resultados: Na avaliação nutricional realizada na admissão o paciente apresentou: peso = 28,8 kg, estatura = 132 cm, CB = 15 cm, DCT = 7,0 mm, IMC/I = 16,5 kg/m2 (z escore = 0,08), sendo classificando como eutrófico. Ainda foi observada média de cinco evacuações líquidas por dia. A oferta exclusiva da nutrição enteral semielementar foi realizada por 16 dias consecutivos, atendendo em 100% as necessidades calóricas e proteicas. Após o término deste período foi possível observar discreta melhora no estado nutricional, com: peso = 29,9 kg, estatura = 132 cm, CB = 16 cm, DCT = 8,0 mm, IMC/I = 17,2 kg/m2( z escore=0,40), assim o paciente manteve-se eutrófico. Ocorreu melhora no número de evacuações e na consistência (média de três episódio semi-pastosa/ pastosa). Observou-se melhora progressiva das lesões perianais, porém sem resolução completa do quadro, assim o paciente recebeu alta com bom estado geral, e com programação de abordagem cirúrgica (colectomia à direita + ileostomia definitiva). Conclusão: Em pacientes pediátricos com doença de Chron, a terapia nutricional enteral (TNE) deve ser indicada para evitar atraso no crescimento, e com o objetivo de prevenir ou tratar a desnutrição proteico-calórica e/ou deficiências nutricionais. No paciente em questão a TNE exclusiva foi eficiente, propiciando manutenção do estado nutricional e melhora na qualidade de vida. Unitermos: Terapia Nutricional Enteral, Doença de Chron, Avaliação Nutricional.

PC023 - ELABORAÇÃO DE ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PACIENTES PEDIÁTRICOS COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

Instituição: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN
Autores: Rolim ML, Pereira RRL.

Objetivos: Avaliar um quadro de insuficiência renal na criança, bem como elaborar orientações pertinentes ao paciente. Materiais e Métodos: Foi realizada entrevista com a paciente e com a acompanhante para relatar seu consumo alimentar diário com o recordatório 24h, também foi feita avaliação antropométrica e pesquisa no prontuario da paciente. Resultados: As orientações elaboradas: Sua alimentação deve ser preparada apenas com a quantidade de sal recomendada em sua dieta, pois um rim doente não consegue eliminar o excesso, podendo ocorrer acúmulo de sal e líquido no corpo, causando inchaço e sua respiração poderá ficar mais difícil e exigir maior esforço do coração, aumente o consumo de verduras cozidas, legumes cozidos e frutas. As refeições devem ser feitas de 3 em 3 horas, nenhuma refeição deve ser pulada; O ideal é fazer três refeições principais (café da manhã, almoço e jantar) e duas intermediárias (lanches), se necessário uma ceia algumas horas antes de dormir; Evite o consumo em excesso alimentos ricos em proteínas tais como leite e derivados, carnes em geral, ovos, cereais integrais, feijão, soja, lentilha, grão de bico, castanhas e amendoim, eles contêm fósforo que em excesso no seu sangue causa a retirada de cálcio de seus ossos e alimentos como melão, laranja, abacate, água de coco, mamão são ricos em potássio, tanto o excesso como a falta de potássio pode ser prejudicial ao coração. Conclusão: Concluímos que com uma orientação bem direcionada para pacientes com insuficiência renal crônica pode-se melhorar a qualidade da dieta e de vida desses pacientes, levando a melhoria no prognostico desses pacientes. Unitermos: Orientações Nutricionais, Insuficiência Renal Cronica, Nutrição Pediátrica.

PC024 - APARÊNCIA FÍSICA E ESTADO EMOCIONAL NAS ESCOLHAS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES

Instituição: Pontificia Universidade Católica de Goiás, Goiânia - GO
Autores: Araújo KM, Almeida SDS.

Objetivos: Verificar se a escolha dos alimentos são realizadas quanto a aparência física (peso) e ao estado emocional dos adolescentes da 3ª série do Ensino Médio de oito escolas particulares de uma cidade de Goiás. Materiais e Métodos: O estudo foi realizado com 259 adolescentes que cursavam a 3ª série do Ensino Médio de oito escolas particulares de Goiânia. Estes responderam um questionário adaptado de Castelo Branco (2000), Jomori (2006) e Sanches (2007), composto por 26 perguntas, sendo três destas relacionadas às escolhas alimentares, dados coletados em novembro de 2011. Os resultados encontrados foram analisados por estatística descritiva por meio da distribuição de frequência absoluta e relativa acumulada. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Pontifícia Universidade Católica de Goiás sob protocolo CAAE 0140.0.168.168 - 11. Resultados: Ao avaliar os resultados encontrados, 55,98% (n=145) dos adolescentes relataram que a aparência física influenciava nas suas escolhas alimentares, sendo que deste percentual, 30,50% (n=79) são do sexo feminino e 13,13% (n=52) do masculino, ambos eutróficos; já os adolescentes que estavam acima do peso, percebe-se que a maioria 6,95% (n=18) são do sexo masculino. No que diz respeito ao estado emocional, 71,81% (n= 186) dos adolescentes afirmaram que faziam suas escolhas alimentares baseadas neste estado. Deste percentual, 44,02% (n=114) são adolescentes do sexo feminino e 11,97% (n=31) masculinos, também eutróficos. Da mesma forma, observou-se que a maioria, 8,88% (n=23) das adolescentes estavam acima do peso. Quanto ao estado emocional, a ansiedade (25,51%, n= 150) em ambos os sexos, é a mais citada, seguida do estresse e nervosismo (19,72%, n=116). Nestes períodos eles preferem consumir o chocolate (n=163, 57,40%) e as massas em geral (n=48; 16,90%). Conclusão: Conclui-se que a maioria dos adolescentes aqui estudados realizam suas escolhas alimentares baseados primeiramente no estado emocional e em segundo na aparência física, principalmente os adolescentes do sexo feminino e eutróficos. No estresse, no nervosismo e na ansiedade os adolescentes preferem consumir o chocolate e em seguida, as massas em geral. Unitermos: Alimentos, Consumo Alimentar, Estado Emocional, Peso.

PC025 - ALIMENTAÇÃO DOS VESTIBULANDOS NO DIA DO DE VESTIBULAR

Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia - GO
Autores: Araújo KM, Almeida SDS.

Objetivos: Identificar os alimentos consumidos antes, durante e após a prova do vestibular por alunos da 3ª série de escolas particulares de Goiânia. Materiais e Métodos: Dos 1023 alunos da 3ª série de oito escolas particulares de Goiânia, 259 responderam uma pergunta sobre os alimentos que consomem antes, durante e após a prova do vestibular em novembro de 2011.Os resultados encontrados foram analisados por estatística descritiva por meio da distribuição de frequência absoluta e relativa acumulada. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Pontifícia Universidade Católica de Goiás sob protocolo CAAE 0140.0.168.168 - 11. Resultados: Observaram-se, em ordem decrescente, os alimentos ou preparações mais consumidos no dia do vestibular: *antes da prova: refeição tipo almoço (n=185; 68,3%), fast-food (n=16; 6%) e misto quente (n=13; 4,6%). O almoço antes da prova é positivo, mas a refeição deve possuir preparações com baixa: densidade calórica, teores de lipídios e de glicídios, já que uma refeição hipercalórica e rica nestes nutrientes pode provocar estado de sonolência e cansaço. Barra de cereais (n=105; 38,9%), chocolate (n= 90; 32,9%), água (n= 49; 18%) e bolachas recheadas (n = 27; 9,9%) foram os mais consumidos durante a prova. Estes alimentos, com exceção da água, possuem alto índice glicêmico, o que pode melhorar o estado emocional e aliviar a tensão, mas são muito calóricos. Após a realização da prova os mais citados foram: massas (n=80; 30%), fast-food (n=51; 8,9%), salgados (n=18; 7,3%) e chocolate (n=13; 4,8%). Em decorrência do estresse e do cansaço após a prova do vestibular, os resultados sugerem que os adolescentes preferem comer alimentos mais saborosos e de maior praticidade. Conclusão: Os alimentos e preparações mais consumidos no dia do vestibular são: *antes da prova: almoço, fast-foods e misto quente; *durante a prova: bolachas recheadas, água, chocolate e barras cereais; *após a prova: massas, fast-foods, salgados e chocolate. Sendo que a maioria destes possui um grande aporte calórico. Unitermos: Alimentos, Vestibulandos, Lanche Escolar.

PC026 - VITAMINAS E MINERAIS ANTIOXIDANTES E SEUS EFEITOS NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES, DIABETES E CÂNCER

Instituição: Faculdade Santa Terezinha - CEST, São Luis - MA
Autores: Lacerda MSS.

Objetivos: O estudo teve como objetivo apresentar as principais vitaminas e minerais com propriedades antioxidantes e seus efeitos nas doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e no câncer. Materiais e Métodos: A revisão bibliográfica contemplou estudos nacionais e internacionais das bases de dados PubMed, SciELO e revistas eletrônicas que abordam vitaminas e minerais antioxidantes e seus efeitos nas doenças crônicas não-transmissíveis como as cardiovasculares, diabetes e câncer. Resultados: Os resultados dessa revisão mostraram que níveis séricos de vitamina A não foram diferentes em pacientes com e sem histórico de doenças cardiovasculares, porém mostrou efeito protetor coronariano, na inibição da oxidação lipídica e na displasia cervical. A vitamina E mostrou efeito redutor na oxidação lipídica e menor morbimortalidade cardiovascular, porém, não foi comprovada sua eficácia na prevenção de diabetes tipo 2 e apresentou resultados controversos no câncer. A vitamina C não apresentou efeito protetor nas doenças cardiovasculares, porém sua ingestão está associada na redução do estresse oxidativo. O mineral zinco mostrou efeitos positivos doenças cardiovasculares e na redução de marcadores do estresse oxidativo, porém não se mostrou eficiente na prevenção do diabetes tipo 2 e no câncer. Níveis circulantes de selênio mostraram-se eficaz no controle do colesterol total, no entanto, sua deficiência pode aumentar o risco de diabetes tipo 2. Conclusão: De acordo com a revisão bibliográfica apresentada as vitaminas A, C e E e os minerais zinco e selênio, possuem propriedades antioxidantes com efeito positivo na redução do estresse oxidativo, porém apresentam efeitos controversos nas doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e no câncer. Unitermos: Antioxidantes, Vitaminas, Minerais, Doenças.

PC027 - COMPLICAÇÕES NUTRICIONAIS NO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA, TÉCNICA SCOPINARO, UM RELATO DE CASO

Instituição: Hospital Universitário Prof. Miguel Riet Corrêa Jr, Rio Grande - RS
Autores: Aranalde LCR, Oliveira RG, Gonçalves CV, Brandão AF, Moreira MKV, Santos GKP.

Objetivos: Descrever pré e pós-cirúrgico de paciente submetido a cirurgia bariátrica pela técnica de Scopinaro sem acompanhamento nutricional. Materiais e Métodos: Estudo descritivo do tipo estudo de caso. Paciente do sexo masculino, 25 anos, com IMC 64,6 kg/m2, classificação obesidade mórbida (OMS, 2007). Interna em um hospital universitário para realizar cirurgia bariátrica pelo método Scopinaro. Coleta de dados: Realizada através do prontuário do assistencial, acompanhamento diário e relatos do próprio paciente no período de fevereiro de 2011 à dezembro de 2012. VARIÁVEIS COLETADAS: peso (P) e exames bioquímicos (hematócrito - Ht; hemoglobina - Hb; albumina - Alb). Foram respeitados os critérios éticos envolvidos na pequisa com seres humanos. Resultados: Paciente interna para procedimento cirúrgico com Ht 46%, Hb 15,1 g/dl, P = 198 kg. Alta hospitalar em 4 dias sem orientação nutricional. Após 41 dias paciente reinterna com P = 92 kg, Ht25% Hg 8,3 g/dl, Alb 2,0 g/dl com quadro de desnutrição, apresentando hipoproteinemia grave com comprometimento respiratório, derrame pleural e edema intersticial. Realizado acompanhamento nutricional durante a internação. Administrado albumina endovenosa durante 7 dias. Recebeu dieta hiperproteica (22,6% proteína - 1,2 g/kg de peso atual). Alta hospitalar após 13 dias, sem solicitação de orientação nutricional. Nova internação 2 meses e 24 dias depois para colecistectomia por complicação do procedimento cirúrgico. Peso = 83 kg, Ht 30%, Hg 9,1 d/l, Alb 2,0 g/dl, alta após 7 dias de internação. Em agosto paciente interna novamente com diagnóstico de Pancreatite, P = 73 kg, Ht 30%, Hg 9,8 g/dl, Alb 2,4 g/dl. Alta após 20 dias com orientação de dieta. Em novembro de 2012, interna com quadro de sepse de foco pulmonar, acidose metabólica, P = 70 kg, Ht 25% Hg 7,7 g/dl, Alb 1,6 g/dl, hemodinamicamente instável, evolui a óbito em 06/12/2012. Conclusão: É de suma importância o acompanhamento nutricional pré e pós-operatório para que o paciente esteja consciente das mudanças pós-procedimento cirúrgico e esteja receptivo as orientações nutricionais a fim de manter uma perda de peso saudável sem risco de desnutrição. É imprescindível um atendimento interdisciplinar para que se alcance o objetivo com qualidade de vida. Unitermos: Bariátrica, Scopinaro, Obesidade, Orientação Nutricional, Desnutrição.

PC028 - IMPACTO DA ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL NOCONSUMO ALIMENTAR E PERFIL CLÍNICO DE PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM TRATAMENTO CONSERVADOR

Instituição: Centro Universitário São Camilo, São Paulo - SP
Autores: Silva VAS, Martin TN, Frangella VS, Trecco S.

Objetivos: Avaliar o impacto da orientação nutricional frente ao consumo alimentar e perfil clínico de indivíduos com DRC em tratamento conservador. Materiais e Métodos: Estudo quantitativo retrospectivo analítico descritivo, realizado com 32 pacientes com DRC associada à diabetes e hipertensão arterial, atendidos no período de Janeiro/2007 a Novembro/2009 no ambulatório de nefrologia do Hospital das Clínicas de São Paulo. A coleta de dados ocorreu através da verificação de prontuários realizando-se as análises qualitativa, semi-quantitativa e quantitativa do consumo alimentar, bem como avaliação dos resultados laboratoriais antes e após a orientação nutricional. Resultados: A maioria da amostra compôs-se por idosos (53,1%) e homens (53,1%). Da totalidade estudada, 68,8% apresentaram comorbidades associadas, sendo a mais ocorrente obesidade mais dislipidemia. Observou-se melhora nos hábitos alimentares dos idosos quanto à análise semi-quantitativa, o que refletiu na melhor adequação do índice de massa corporal, perfil lipídico e fósforo; nos adultos, houve piora no perfil lipídico, reflexo do aumento do consumo de alimentos ricos em gordura. Conclusão: A orientação nutricional causou impacto no consumo alimentar especialmente dos idosos, ocasionando assim, mudanças nos resultados dos exames bioquímicos e estado nutricional dos pacientes. Unitermos: Insuficiência Renal Crônica, Consumo Alimentar, Estado Nutricional.

PC029 - PAPEL DA TERAPIA NUTRICIONAL ORAL NA CICATRIZAÇAO DE FERIDAS: UM RELATO DE CASO

Instituição: Hospital Dom Helder, Cabo de Santo Agostinho - PE
Autores: Lima RL, Moura NM, Muniz GM.

Objetivos: Observar o processo cicatricial na Terapia Nutricional Oral com uso de um suplemento enriquecido com nutrientes específicos (arginina, ácidos graxos ômega-3 e nucleotídeos. Materiais e Métodos: Foi realizada avaliação nutricional no momento da admissão na enfermaria através do índice de massa corporal (IMC) ou "Índice de Quelet", calculado por meio de medidas antropométricas (peso/estatura²). Ofertado terapia nutricional oral, suplemento normocalórico, hiperproteico, enriquecido com arginina, ácidos graxos ômega 3 e nucleotídeos, 200 ml duas vezes ao dia. Resultados: Paciente eutrófico, admitido após tratamento cirúrgico de fratura exposta de punho e mão direita. Apresentando lesão gravíssima de punho com perda óssea e partes moles. Sendo observada cobertura tegumentar, presença de fibrina, exsudato em moderada quantidade e tecido necrótico. Iniciou terapia nutricional oral no 2º dia, fazendo uso de suplemento normocalórico, hiperproteico, enriquecido com arginina, ácidos graxos ômega 3 e nucleotídeos. A utilização de curativos especiais (Alginato de cálcio, hidrogel, kérlix, curatec) e antibioticoterapia também fizeram parte do tratamento. Após 22 dias de TNO, o processo cicatricial evoluiu significativamente, expondo melhora de partes moles e cobertura tegumentar, redução de fibrina e exsudato, presença de tecido de granulação e pequena área necrótica. Conclusão: A Terapia Nutricional Oral utilizada neste caso mostrou-se benéfica em relação ao processo de cicatrização quando associada à intervenção de curativos, além da manutenção do estado nutricional e redução do risco a infecções. Unitermos: Cicatrização, Suplementação Oral, Feridas.

PC030 - LEITE: A INFLUÊNCIA NA PERDA DE PESO E NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES ACIMA DO PESO PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA AERÓBIA

Instituição: Universidade Gama Filho, São Paulo - SP
Autores: Silva VAS.

Objetivos: Verificar a influência de dois tipos de leite e seus derivados nas mudanças da composição corporal como diminuição da gordura e aumento da massa muscular. Materiais e Métodos: Pesquisa de campo experimental e observacional realizada com mulheres acima do peso, praticantes de exercícios físicos. Foram coletados dados de idade, antropométricos, hábito alimentar e a prática de exercícios físicos. As mulheres foram divididas em três grupos com diferentes dietas: 1 - leite de vaca; 2- leite de soja e 3- sem leite e derivados. Resultados: Observou-se cinco mulheres, com idade média de 38,6 anos (± 12,34) e peso inicial de 95,28 kg (±13,71). Após a intervenção dietoterápica, duas mulheres, sendo uma que recebeu leite bovino e outra com leite de soja, perderam peso, porcentagem de gordura corporal e ganharam massa magra, quando coletados dados a partir da balança; já com a mensuração das dobras cutâneas, além das duas alunas, outra participante que ingeriu leite de soja perdeu gordura corporal. Conclusão: Ocorreu perda de massa gorda e ganho de massa magra em participantes que receberam dietas com leite bovino e leite de soja, sem diferenças significativas entre elas; não podendo concluir que uma proteína seja melhor do que outra na alteração da composição corporal. Unitermos: Obesidade, Leite, Dieta, Massa Gorda.

PC031 - INDICAÇÃO DE PROBIÓTICOS PARA PACIENTES IMUNOCOMPROMETIDOS

Instituição: Instituto do Coração (INCOR) do HCFMUSP, São Paulo - SP
Autores: Unterkircher MV, Gomes TT, Cardoso E, Nakasato M, Vieira LP.

Objetivos: Verificar a segurança da ingestão de alimentos contendo probióticos por pacientes imunocomprometidos. Materiais e Métodos: Foi realizada uma ampla revisão bibliográfica sobre a segurança do uso de probióticos por pacientes imunocomprometidos. As fontes de informações utilizadas foram os bancos de dados MEDLINE/PUBMED, SciELO, Scirus e LILACS, independente da data de publicação. As palavras chaves usadas foram: Probiótico; Segurança; Infecção; Transplante; Imunidade; Terapia Imunossupressora; Lactobacillemia; Bacteraemia, limitando-se aos artigos em seres humanos e língua em inglês, espanhol e português. Em seguida, foi realizada pesquisa por referência cruzada nos artigos selecionados. Resultados: A busca inicial resultou em 1495 artigos, dos quais foram descartados 1476 por incompatibilidade com o tema. Aos artigos selecionados, adicionou-se 37 por referência cruzada, totalizando 56 artigos. Foram encontrados 20 casos de infecções por microrganismos probióticos em paciente com algum tipo de imunocomprometimento, como pós transplantados (7), leucemia mieloide aguda (4) e casos de infecção por HIV (3), entre outros. Quando mencionada a quantidade de probiótico ingerida, foi de 200mg a 1000mg ao dia, na forma de sachês, comprimidos e iogurtes contendo probióticos. O seu uso foi, principalmente, para o tratamento da diarreia. Treze casos não especificaram a quantidade nem a finalidade do uso. O evento adverso mais comum foi a bacteremia e febre (7 casos), seguido de fungemia (5 casos), septicemia e endocartide (ambos com 1 caso). Os microrganismos isolados mais comuns foram os Lactobacillus rhamnosus, Saccharomyces boulardii, Lactobacillus casei e Lactobacillus paracasei. Em 6 casos, especificou-se apenas seu gênero (Lactobacillus). Em 13 casos houve a cura do paciente. Conclusão: Embora não haja comprovação efetiva de prejuízos a imunocomprometidos, o uso de probióticos pode trazer riscos para essa população, de modo que se recomenda observação e cautela na sua indicação e avaliação cuidadosa dos efeitos adversos. Unitermos: Probióticos, Segurança, Imunidade, Infecção, Transplante.

PC032 - RELAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR DE FIBRAS COM O PERFIL SOCIOECONÔMICO DE PACIENTES DISLIPIDÊMICOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA SERRA - PI

Instituição: Centro de Ensino Unificado de Teresina, Teresina - PI
Autores: Lima CHR, Sabóia RCB.

Objetivos: Relacionar o consumo alimentar de fibras com o perfil socioeconômico dos pacientes dislipidêmicos; e caracterizar o perfil amostral. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo do tipo transversal, de caráter analítico, qualitativo e descritivo, no qual o perfil amostral foi de 54 pacientes, nessa pesquisa foram utilizados os seguintes métodos: utilização de um questionário de frequência alimentar composto de 36 itens e um questionário do tipo socioeconômico. Após a coleta dos dados, os mesmos foram analisados através de software como o Dietwin - versão profissional 2.0 (2008), e o programa SPSS versão 13 (2007) para as analises estatísticas, adotando um intervalo de confiança de p<0,05. Resultados: Em relação ao perfil amostral, 42,6% apresentaram grau de escolaridade até a 4ª serie do ensino fundamental, e 61,1% apresentaram renda familiar abaixo de um salário mínimo. A relação entre o consumo alimentar de fibras com o nível socioeconômico não foi estatisticamente significante, pois o valor de "p" apresentou-se maior que 0,05. Conclusão: O perfil socioeconômico da população não influenciou no consumo alimentar de fibras. Portanto, revelou que a aquisição dos alimentos fontes dessa substância não dependia da renda e nem do grau de escolaridade desses pacientes dislipidêmicos. Unitermos: Dislipidemias, Fibras Alimentares, Consumo Alimentar, Perfil Socioeconômico.

PC033 - SUPLEMENTAÇÃO DE VITAMINA D EM PACIENTES CRÍTICOS

Instituição: Hospital Naval Marcilio Dias, Rio de Janeiro - RJ
Autores: Pim SASC, Cincinatus R, Silva RP, Furtado RPC.

Objetivos: Instituir a dosagem de vitamina D dos pacientes críticos como rotina nas Unidades de Terapia Intensiva do HNMD, visando a suplementação em caso de deficiência a fim de reduzir a morbi mortalidade nestes pacientes. Materiais e Métodos: Foram consultadas bases de dados nacionais (Scielo, Bireme) e internacionais (PubMed, Lilacs, ISI Web of Science (Science Citation Index Expanded), EMBASE, e Cochrane Library.) utilizando as palavras-chave: deficiência de vitamina D, colecalciferol, 25-hidroxivitamina D, 1,25-di-hidroxivitamina D, pacientes críticos, hipocalcemia, sistema imune, sepsis. O período de consulta foram os últimos 5 anos. Resultados: Foram revisados artigos sobre o tema e os achados sobre o assunto reforçam a importância da avaliação e monitorização sérica de vitamina D em pacientes críticos como uma ferramenta útil no prognóstico de pacientes sob terapia intensiva. Conclusão: A vitamina D tem um papel importante na regulação do sistema imune. A sua deficiência antes da admissão hospitalar e durante a permanência em unidade de terapia intensiva é um preditor significativo de curto e longo prazo da mortalidade. Unitermos: Deficiência De Vitamina D, Colecalciferol, 25-hidroxivitamina D, Paciente Crítico, Sepse.

PC034 - PERFIL CLÍNICO-NUTRICIONAL DOS PACIENTES IDOSOS INTERNADOS NA UTI DO HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO EM RECIFE, PERNAMBUCO

Instituição: Hospital da Restauração, Recife - PE
Autores: Lins RAG, Belo GMS, Pereira APC, Duarte GB.

Objetivos: O aumento da expectativa de vida traz inúmeros desafios à saúde pública; O grau de morbidade está relacionado com a idade e o e os homens apresentam maior probabilidade de desenvolver complicações clínicas. O presente estudo tem por objetivo apresentar o perfil clínico-nutricional dos pacientes idosos internados na UTI de um hospital público, extra-porte, em Recife - PE. Materiais e Métodos: Constituiu-se a população de estudo os pacientes idosos internados na UTI do Hospital da Restauração (HR), em Recife-PE, no período de janeiro de 2011 a março de 2012. Os dados foram coletados das fichas de avaliação e acompanhamento nutricional, padronizadas do Serviço de Nutrição. A amostra compreendeu indivíduos idosos e as variáveis estudadas foram: idade, sexo, diagnóstico clínico e nutricional, comorbidades e destino dos pacientes. Os idosos foram avaliados de acordo com parâmetros físicos, bioquímicos e antropométricos. Resultados: Foram estudados 79 indivíduos, com idade média de 76 anos, sendo 52% homens e 48% mulheres. As patologias prevalentes foram: neurológicas 29,1%, seguidas das vasculares 25,3% e tumores gastrointestinais 8,86%. Em relação às co-morbidades e complicações associadas destacaram-se a hipertensão 44%, diabetes mellitus 29%, as úlceras por pressão 18% e a sepse 14%. A avaliação nutricional diagnosticou 5,06% de desnutridos, 6,30% sobrepeso e 89,0% eutróficos, porém em risco nutricional devido às patologias de base e a estarem vulneráveis numa UTI. Do total de indivíduos estudados, 38% foram a óbito e os demais de alta para a enfermaria. Conclusão: Os idosos internados na UTI do HR eram em sua maioria do sexo masculino, portadores de doenças neurológicas, eutróficos e a maioria teve alta para a enfermaria. Observa-se que é importante reconhecer e enfrentar os desafios do processo de envelhecimento e proporcionar melhorias na infraestrutura dos serviços de saúde promovendo mudanças expressivas nas condições de atendimento aos idosos. Unitermos: Idosos em UTI, Perfil Clínico-nutricional, Patologias, Complicações Associadas, Desfecho.

PC035 - CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA DO PROGRAMA SÃO LUÍS EM MOVIMENTO EM SÃO LUÍS - MA

Instituição: Faculdade Santa Terezinha - CEST, São Luís - MA
Autores: Lacerda MSS.

Objetivos: O objetivo do presente estudo foi caracterizar o estado nutricional de idosos praticantes de atividade física do Programa São Luís em Movimento. Materiais e Métodos: O estudo do tipo descritivo, quantitativo e analítico em desenho transversal envolveu 40 idosos de ambos os sexos, participantes do Programa São Luís em Movimento, investigados por meio de um questionário contendo dados pessoais, tipo de atividade física realizada, presença de patologias, indicadores antropométricos e frequência alimentar. Resultados: Os resultados mostraram prevalência do sexo feminino, maior número de idosos na faixa etária de 60 a 70 anos, mais aposentados, baixa escolaridade, baixa renda, a maioria não é tabagista nem faz consumo de bebidas alcoólicas, são praticantes de atividade física regular, sendo a ginástica e caminhada a atividade física com maior número de idosos. Na avaliação antropométrica, encontrou-se 57,5% dos idosos com sobrepeso, 32,5% eutróficos e 10% apresentaram baixo peso. A circunferência da cintura apresentou-se muito elevada em 42,5% dos idosos. Apresentam comorbidades como hipertensão arterial, hipercolesterolemia e diabetes, sendo a hipertensão arterial mais prevalente. As análises estatísticas foram significantes quando relacionado o índice de massa corporal com a circunferência da cintura (p<0,01) e quando relacionada à hipertensão arterial com a circunferência (p<0,03). Conclusão: A relação do consumo de salada crua, frutas e leguminosas com as comorbidades encontradas não foram estatisticamente significativas, a salada crua foi o alimento menos consumido pelos idosos com hipertensão arterial e hipercolesterolemia e as frutas foram o alimento mais consumido. Unitermos: Envelhecimento, Estado Nutricional, Atividade Física, Nutrição.

PC036 - PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS (DE 6 MESES A 6 ANOS E 11 MESES) BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATENDIDOS EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELÉM-PA. NO ANO DE 2010

Instituição: Sesma, Belém - PA
Autores: Brigida DCCS, Nascimento AMG, Simões AS, Moura CA, Pereira ISO.

Objetivos: O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) é um instrumento para obtenção de dados de monitoramento do Estado Nutricional das pessoas que frequentam as Unidades Básicas do SUS. O objetivo é avaliar o perfil nutricional de crianças (de 6 meses a 6 anos e 11 meses) beneficiárias do Programa Bolsa Família (PBF) atendidas em Unidades Básica de Saúde do Município de Belém-PA, em 2010. Materiais e Métodos: Estudo transversal prospectivo utilizando dados do SISVAN. A população de estudo foi composta de crianças beneficiárias do PBF atendidas em UBS, em 2010. Para avaliação do estado nutricional foi utilizado o Índice de Massa Corporal para idade. Para análise estatística foram aplicados métodos estatísticos descritivos e inferências. Resultados: A avaliação antropométrica foi realizada em 350 crianças. Na qual vimos que a maior parte apresentou algum tipo de inadequação em relação ao Índice de Massa Corporal: 0,57% apresentavam peso muito baixo; 6,28%, baixo peso; 9,0%, risco nutricional; 73,1%, eutróficos e 10,28% obesidade. Conclusão: A situação é preocupante, pois 26,13% do grupo apresentou IMC/idade inadequado. Isso ratifica a necessidade de implementar ações voltadas ao estímulo do consumo de alimentação saudável na infância, como forma de prevenir problemas de saúde e nutrição, principalmente beneficiários do PBF que tem que cumprir algumas condicionalidades de saúde. Unitermos: Brasil, Ministério da Saúde, Vigilância Alimentar e Nutricional, Sisvan, Brasília 2008

PC037 - PERFIL NUTRICIONAL DE ADULTOS ATENDIDOS EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE BELÉM - PA

Instituição: Sesma, Belém - PA
Autores: Brigida DCCS, Nascimento AMG, Simões AS, Moura CA, Pereira ISO.

Objetivos: O presente trabalho avaliou os usuários de uma Unidade de Saúde no município de Belém-Pa, com base nos índices de massa corporal, identificando os pacientes que estavam com obesidade, sobrepeso e eutrofia, para que fossem diagnosticados nos moldes do SISVAN, garantindo assim uma avaliação nutricional eficaz e atuante, com o objetivo de promoção de saúde e prevenção de doenças. Materiais e Métodos: Trata- se de um estudo transversal retrospectivo. Foram utilizados os formulários preenchidos nas consultas nutricionais, tendo como população alvo, a clientela de adultos que frequentaram as UBS do município de Belém, no período de janeiro/2007 a dezembro/2010. Foram excluídas da pesquisa mulheres gestantes. Para avaliação do estado nutricional foi utilizado o Índice de Massa Corporal. Resultados: Participaram da pesquisa 118.992 indivíduos, sendo 68,8% destes do sexo feminino e 31,2% do sexo masculino. No sexo masculino, 20,1% apresentaram obesidade e no sexo feminino 22,1%. Conclusão: Alguns estudos afirmam que a prevalência da obesidade nos homens, nas sociedades ocidentais, é de aproximadamente 20%, enquanto nas mulheres tende a apresentar alguns pontos percentuais acima³. No total, 45,3% dos pacientes apresentaram eutrofia; 29,3 sobrepesos e 21,5% obesidade. O estudo apresentou maior prevalência de eutrofia,porém destacamos 50,08% indivíduos com excesso de peso. Referência: Claudino AM, Zanella MTZ. Guia de Transtornos Alimentares e Obesidade. Manole, 2005. Barueri - SP. Unitermos: Não informado.

PC038 - ADEQUAÇÃO CALÓRICO-PROTEICA DA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL EM PACIENTES SOB CUIDADOS INTENSIVOS

Instituição: Hospital dos Servidores do Estado de Pernambuco, Recife - PE
Autores: Oliveira AEA, Costa MDS, Santos ACS, Lopes AFN, Silva LML, Ferreira KVS.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional, estimar as necessidades calórico-proteicas e verificar a adequação da oferta nutricional em até 72 horas do início da terapia nutricional enteral em pacientes sob cuidados intensivos. Materiais e Métodos: Estudo transversal, observacional, realizado de janeiro a abril de 2013 nas unidades de terapia intensiva do Hospital dos Servidores do Estado de Pernambuco. Participaram da pesquisa pacientes de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 20 anos em uso de terapia nutricional enteral exclusiva. Foi considerada oferta calórico-proteica adequada quando foram alcançadas as necessidades nutricionais estimadas em até 72 horas após o início da nutrição enteral. O estado nutricional foi avaliado através do Índice de Massa Corpórea (IMC) e Circunferência do Braço (CB) e as necessidades energético-proteicas foram calculadas pela recomendação da ESPEN (2009). Para a classificação do IMC dos adultos foi utilizado o padrão de referência descrito pela OMS e para idosos o proposto por Lipschitz. A medida da CB foi comparada aos valores do NHANES III demonstrados na tabela em forma de percentil por Frisancho. A adequação da CB foi classificada conforme proposto por Blackburn & Thorton. Resultados: A amostra foi composta por 26 pacientes não havendo predominância em relação a gênero, sendo 50% para cada um dos sexos. A idade média foi de 78,6 anos sendo 88,4% dos pacientes idosos (acima de 60 anos). De acordo com a medida da CB, 30,4% dos pacientes apresentaram algum grau de desnutrição. Já quando foi utilizado o IMC para a avaliação do estado nutricional, a prevalência da desnutrição alcançou 52% na amostra estudada. A adequação calórico-proteica em até 72 horas foi alcançada em 62% dos pacientes. O principal motivo para não se alcançar essa adequação nutricional foi a instabilidade hemodinâmica (60%). Conclusão: Altos índices de desnutrição são detectados em pacientes internados em centro de terapia intensiva. Além de seu estado hipermetabólico estes pacientes recebem com frequência terapia nutricional inadequada nas primeiras 72 horas, principalmente devido ao quadro de instabilidade hemodinâmica que retarda o início precoce ou a progressão da dieta conforme recomendado. Unitermos: Paciente Crítico, Adequação Calórico-proteica, Estado Nutricional.

PC039 - INFLUÊNCIA DO ESTADO NUTRICIONAL NA SOBREVIDA APÓS TRANSPLANTE CARDÍACO E PULMONAR

Instituição: Centro Universitário São Camilo, São Paulo - SP
Autores: Gomes TT, Costa HM.

Objetivos: Verificar a influência do estado nutricional no tempo e qualidade de vida do paciente após a realização do transplante cardíaco e pulmonar; Identificar as principais alterações metabólicas no primeiro ano pós-transplante. Materiais e Métodos: Revisão bibliográfica, com artigos entre 2000 e 2012, pesquisados nas bases de dados PubMed e USP- Dedalus e por meio do método de referência cruzada. Resultados: Pacientes que aguardam o transplante cardíaco e pulmonar apresentam graus variados de desnutrição, alteração de parâmetros bioquímicos e imunológicos. Após o transplante, cerca de 40% a 90% dos pacientes desenvolvem hipertensão e 15 a 20% diabetes; dentro de um ano, cerca de 28% dos transplantes cardíacos e 26% dos pulmonares se tornam dislipidêmicos. No cardíaco, a obesidade e o sobrepeso no período pré-operatório podem aumentar a sobrevida, enquanto que no pulmonar, os desvios do estado nutricional podem reduzir a expectativa de vida. Após o transplante cardíaco, a ocorrência da disfunção primária do enxerto é maior nos pacientes obesos. O desenvolvimento de diabetes, vasculopatia do enxerto, infecção e rejeição é diretamente proporcional ao aumento do índice de massa corpórea IMC. No pulmonar um aumento de 5 kg/m² no IMC elevou em 40% o risco de disfunção do enxerto, enquanto que outros estudos apresentaram maior mortalidade nos pacientes com IMC abaixo de 17 kg/m² e acima de 27 kg/m². Conclusão: Mediante as alterações nutricionais e metabólicas observadas no período perioperatório tanto do transplante cardíaco como pulmonar, é de fundamental importância que se faça avaliação nutricional e acompanhamento de forma individualizada destes pacientes, a fim de que se garanta uma melhor qualidade de vida. Unitermos: Transplante Pulmonar, Transplante Cardíaco, Obesidade, Estado Nutricional.

PC040 - AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR (GRA) PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DE UMA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP

Instituição: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto- FAMERP, São José do Rio Preto - SP
Autores: Freitas AF, Soares NG, Lima RM, Paes AG, Albertini S.

Objetivos: Avaliar os resultados de um Programa de Educação Nutricional voltado aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) de uma Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF), em relação às mudanças de hábitos alimentares e prática de atividade física. Materiais e Métodos: Foi realizado, de Outubro à Dezembro/2012, um programa denominado Grupo de Reeducação Alimentar, para 18 ACS da UBSF Cidade Jardim, de São José do Rio Preto/SP. Este programa faz parte do rol de atividades desenvolvidas no Programa de Residência Multiprofissional em Estratégia da Saúde da Família. Foram realizados 06 encontros, com aulas expositivas/vídeos relacionados à nutrição. No início de cada encontro foi aplicado o método Brainstorming e no final uma dinâmica em grupo para melhor fixação do tema. Para avaliação do programa foi empregado, na fase inicial, um questionário com perguntas dissertativas sobre alimentação e ativdade física. E na fase pós-intervenção foi realizado sorteio com questões sobre as mudanças no estilo de vida. As perguntas foram colocadas em uma caixa e sorteadas. Após o sorteio, voluntariamente, o agente respondia a questão, contando seus problemas e experiências. Os relatos obtidos dos participantes foram gravados e submetidos a uma análise qualitativa. Resultados: Dos 18 ACS avaliados, 2 homens e 16 mulheres (entre 22 e 52 anos), 08 (44,4%) eram obesos, 05 (27,8%) com sobrepeso, 4 (22,2%) eutróficos e 1 (5,6%) abaixo do peso. Quatroze (77,7%) eram sedentários e 72,3% apresentava risco alto ou muito alto de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Apenas 15 ACS participaram de todos os encontros. Na fase inicial a maioria (55,5%) considerou sua alimentação inadequada, com maior consumo de açúcares e gorduras saturadas e menor consumo de frutas e hortaliças. Os principais motivos alegados foram: baixo poder aquisitivo, falta de tempo e cansaço pelo tipo de trabalho. O restante, 33,4% e 11,1%, considerava sua alimentação como adequada e mais ou menos adequada, respectivamente. Na pós-intervenção 10 (66,7%) deles relataram não sentir dificuldade em mudar sua alimentação, 03 (20%) não mudaram nada e 02 (13,3%) relataram dificuldades nesta mudança. Todos os ACS relataram algum tipo de mudança em sua casa ou iniciativa de mudança com sua família. Somente 02 (13,3%) relataram ter iniciado atividade física, porém não conseguiram continuar. Conclusão: A maioria dos ACS apresentou mudança ou iniciativa de mudança alimentar pessoal e com sua família. Por sua vez, não foi possível observar mudança na prática de atividade física, embora conheçam sua importância e benefícios à saúde. Este tipo de ação de promoção à saúde, por meio de programas de educação nutricional é muito importante para a prevenção da obesidade e outras doenças crônicas. Unitermos: Obesidade, Hábitos Alimentares, Educação Nutricional, Atividade Física.

PC041 - ANTROPOMETRIA E ESTILO DE VIDA DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

Instituição: Universidade Federal de Pernambuco, Recife - PE
Autores: Queiroz PMA, Burgos MGPA.

Objetivos: Investigar o estado nutricional, sedentarismo e tabagismo de mulheres com diabetes mellitus gestacional (DMG), no período pré e gestacional. Materiais e Métodos: Estudo transversal prospectivo realizado com gestantes, atendidas no ambulatório de pré-natal de alto risco do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (HC/UFPE), no período de março a novembro de 2012. Os dados foram coletados através de entrevistas com aplicação de questionário próprio, após aprovação do comitê de ética e pesquisa do Centro de Ciências da Saúde/UFPE. Foram avaliados dados obstétricos - idade gestacional (semanas) e número de gestações; antropométricos - índice de massa corpórea (IMC); e de estilo de vida - sedentarismo (ausência da prática regular de atividade física) e tabagismo (uso regular de cigarros). Resultados: A idade média das 50 gestantes avaliadas foi de 32,8 + 5,6 anos, a maioria encontravam-se no 3º trimestre da gestação (74%) e eram multigestas (82%). De acordo com o IMC, pré-gestacional 56% estavam no sobrepeso, 32% na obesidade e 12% eutrofia. No entanto, no período gestacional o percentual de sobrepeso diminuiu para 28%, de obesidade aumentou para 60% e o de eutrofia permaneceu em 12%. Em relação ao estilo de vida, 86% e 98% da amostra referiram o sedentarismo antes e durante a gestação, respectivamente. O tabagismo foi registrado em 22% no período pré e em 6% no gestacional. Conclusão: As frequências de excesso de peso, de sedentarismo e tabagismo foram relevantes, no período pré e gestacional. Contudo, mais estudos são necessários para elucidar a relação dessas variáveis no DMG. Os achados sugerem a necessidade de uma assistência nutricional especializada desde o início da gestação, em especial para as gestantes com esse perfil. Unitermos: Diabetes Gestacional, Gestação, IMC, Sedentarismo, Tabagismo na Gestação.

PC042 - ACEITABILIDADE DE BOLO DE CHOCOLATE ENRIQUECIDO COM FÍGADO BOVINO POR CRIANÇAS COM IDADES ENTRE 6 E 10 ANOS

Instituição: Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre - MG
Autores: Pereira HCR, Soares LR, Tiengo A.

Objetivos: Elaborar e avaliar a composição química e sensorial de um bolo de chocolate enriquecido com fígado bovino junto às crianças de duas escolas municipais na cidade de Cambuí -- MG. Materiais e Métodos: O bolo desenvolvido foi submetido à avaliação físico-química através das análises de umidade, cinzas, proteínas, lipídeos, carboidratos em quadriplicata e ferro e vitamina A em triplicata, além do teste de aceitação feito por 185 alunos não treinados, com faixa etária de 6 a 10 anos, que receberam 80 g do bolo de chocolate. Os alunos responderam posteriormente uma ficha que indicava através de escala hedônica facial de 5 pontos representada por "carinhas" o grau que as mesmas gostaram ou desgostaram do bolo. Para o cálculo do índice de aceitabilidade, foi considerada a somatória das porcentagens de respostas dadas às "carinhas" gostei (4) e adorei (5). Os dados foram analisados e apresentados em tabelas como média ± desvio padrão e comparados com os resultados de outros trabalhos científicos. Resultados: As análises físico-químicas, revelaram 20,6% de umidade, 2,5% de cinzas, 7,1% de lipídeos, 55,4% de carboidratos, 14,5% de proteínas, 4,1 mg de ferro e 10227 µg de vitamina A para 100g do bolo de chocolate com fígado bovino. A porção servida aos escolares (80g), atende à 68,2% da recomendação do PNAE para carboidratos, 92,8% para proteína, 25,3% para lipídeos, 200% de ferro e 6818 vezes a quantidade recomendada para vitamina A, uma vez que a merenda deve fornecer 20% das necessidade nutricionais diárias dos alunos beneficiados. A análise sensorial obteve 79% de aprovação, 12% de rejeição enquanto 9% ficaram indiferentes, tornando o resultado satisfatório uma vez que muitas crianças conheciam o conteúdo do bolo, sendo recomendado que o teste de aceitação tivesse sido cego. O custo do bolo foi de R$ 0,34 ficando pouco acima do valor disponibilizado pelo PNAE, para o ensino fundamental. Conclusão: É possível a partir de ingredientes de baixo custo fortificar alimentos, conservando suas características organolépticas, favorecendo a prevenção de patologias e garantindo o desenvolvimento infantil. Unitermos: Fortificação de Alimentos, Ferro, Vitamina A.

PC043 - INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL EM FAMÍLIAS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA ATENDIDAS PELO PROGRAMA MESA BRASIL / SESC - ES

Instituição: Faculdade Católica Salesiana do ES, Vitória - ES
Autores: Soares ACO, Santos MA, Melo ZM.

Objetivos: Analisar os diferentes níveis de Segurança Alimentar das famílias beneficiadas pelo programa Mesa Brasil SESC/ES, residentes em Cariacica - ES, estabelecendo associações entre Insegurança Alimentar, características socioeconômicas e de nutrição das famílias. Materiais e Métodos: Estudo transversal quantitativo de caráter exploratório desenvolvida com dados do Programa Mesa Brasil/SESC/ES. Os dados foram coletados por meio de questionários estruturados aplicados durante as reuniões dos representantes das famílias, à pessoa adulta. Resultados: O estudo realizado mostrou que, das 47 pessoas que compunham a amostra, 89,4% (n= 42) eram do sexo feminino e apenas 10,6% (n= 5) do masculino, observou-se que 51,1% (n= 24) dos indivíduos apresentaram excesso de peso (sobrepeso e/ou obesidade), 42,6% (n= 20) encontravam-se eutróficos e apenas 6,4% (n= 3) em baixo peso Segundo a classificação socioeconômica da ABEP 2008, 61,7% (n= 29) das famílias pertenciam a classe D e 38,3% (n= 18) ás classes B1, C1 e C2. O estudo revelou que 10,6% (n= 5) estão em Segurança Alimentar, 48,9% (n= 23) em Insegurança Alimentar leve, 27,7% (n= 13) em Insegurança Alimentar moderada e 12,8% (n= 6) em Insegurança Alimentar grave. Conclusão: Os resultados do presente estudo apresentam informações importantes sobre a situação de Insegurança Alimentar de famílias que fazem parte de programas sociais no município de Cariacica ES. Sugere-se que associado a uma pesquisa quantitativa, faça se também uma pesquisa qualitativa, que estimulará os entrevistados a pensarem livremente. Mostrando aspectos subjetivos e de maneira espontânea. Unitermos: Segurança Alimentar, Fome, Consumo Alimentar, Perfil Socioeconômico, Programas Sociais.

PC044 - INGESTÃO CALÓRICA EM PACIENTES ONCOLÓGICOS NO PERÍODO PÓS-OPERATÓRIO

Instituição: Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - ICESP, São Paulo - SP
Autores: Silvestre AA, Cavalvanti MAN, Balchiúnas RE, Cardenas TC.

Objetivos: Observar a ingestão alimentar de pacientes oncológicos no período pós-operatório de cirurgias do aparelho digestivo. Verificar o tempo médio de internação dos pacientes no peri-operatório. Verificar o tempo médio de jejum pré e pós-operatório. Verificar a importância da introdução da Terapia Nutricional Oral (TNO) na diminuição do déficit calórico dos pacientes. Materiais e Métodos: Ensaio clínico realizado no período de março a abril de 2013 no ICESP. Foram incluídos 35 pacientes de ambos os gêneros, com idade indiferente, que passaram por cirurgias do Aparelho Digestivo, independente do diagnóstico oncológico. Os dados foram coletados pelo período de até dez dias após a cirurgia. Obteve-se os dados de nome, idade, gênero, cirurgia realizada, data da cirurgia, porte cirúrgico, uso de estomas, data da internação, data da alta, prescrição médica, tempo de jejum pré e pós-operatório através do prontuário eletrônico. Os dados do valor energético total, prescrição dietética e uso de complementos foram obtidos do prontuário do nutricionista responsável por cada paciente e da empresa terceirizada responsável pela cozinha do ICESP. A porcentagem de aceitação foi obtida através da descrição dos registros em prontuário. Os valores estimados das dietas foram calculados a partir da média dos valores do cardápio de um mês. Os dados foram tabulados no programa Excel. Resultados: Dos 35 pacientes estudados a maioria é do gênero masculino (54,3%) e idoso (62,9%).Com relação à triagem nutricional 21 pacientes (60%) sem risco nutricional (SRN) e 14 (40%) com risco nutricional (RN). Os 14 pacientes com RN foram classificados de acordo com o resultado da Avaliação Subjetiva Global em escore A (35,7%), B (57,1%) e C (7,2%). A média geral da necessidade energética total foi de 1963,74 kcal/dia. Observou-se que a média do tempo de internação dos pacientes acompanhados foi de 15 dias envolvendo o período pré e pós-operatório. O período de jejum pré-operatório foi 11 horas. Já o tempo médio de jejum pós-operatório dos pacientes foi de dois dias e meio antes da reintrodução alimentar. Dos 35 pacientes, 31 (88,6%) utilizaram a via oral como via de alimentação exclusiva, sendo que destes, 13 (42%) receberam terapia nutricional oral (TNO) em algum momento do período pós-operatório. Os pacientes que receberam TNO apresentaram um déficit energético menor ou um superávit energético maior em todos os dias do acompanhamento comparados aos pacientes que não receberam TNO. Conclusão: Verificou-se que o uso de terapia nutricional oral (TNO) é de extrema importância para aumentar o aporte calórico, diminuir o déficit energético, acelerar a recuperação além de contribuir na reconstrução dos tecidos. A atuação do nutricionista é imprescindível para auxiliar na recuperação do quadro geral do paciente visando à melhora do estado nutricional por meio da alimentação e suplementação. Unitermos: Terapia Nutricional, Oncologia, Suplementos Dietéticos.

PC045 - NÍVEL DE CONHECIMENTO DE GESTANTES E PUÉRPERAS SOBRE IMPORTANCIA DE ALEITAMENTO MATERNO

Instituição: FCSES (Faculdade Católica Salesiana do ES), Vitória - ES
Autores: Soares ACO, Pimentel SG, Rabelo LPNO.

Objetivos: Avaliar o nível de conhecimento de mães e gestantes com relação à importância do aleitamento materno e os possíveis fatores que interferem neste processo. Materiais e Métodos: Foi feito um estudo transversal com 56 gestantes, por meio de aplicação de questionário com perguntas sobre aleitamento materno. O presente estudo foi realizado na Maternidade Pró Matre, situada na cidade de Vitória (ES). Foram inclusas na pesquisa gestantes e puérperas que assinarem o termo de consentimento livre e esclarecido.Após concordarem em participar do estudo, as mães e gestantes responderam, oralmente, à questionários, que foram aplicado em dias de consultas do pré-natal e em quartos com as puérperas. Os questionários tiveram como objetivo, obter dados de identificação, sócio-demográficos e de conhecimento sobre a importância do aleitamento materno. Resultados: Ao se tratar dos conhecimentos dos benefícios para o bebê, a maioria, com 59,1% (n = 39) referiu conhecer os benefícios do aleitamento materno, sendo o de maior prevalência, foi a prevenção de doenças, compreendendo 43,58%, sendo resposta de 17 mães. Conclusão: A maioria das mães e gestantes entrevistadas não possuem conhecimento sobre os benefícios do aleitamento materno, pois muitas responderam conhecer, porém não sabiam explicar de forma sucinta, quais seriam estes benefícios. A prevalência de aleitamento materno, observada através do tempo de amamentação dos filhos anteriores, foi em sua maioria, com tempo ideal. Unitermos: Gestantes, Aleitamento Materno, Puérperas.

PC046 - PERFIL DE PACIENTES OBESOS SUBMETIDOS À GASTROPLASTIA EM "Y DE ROUX" EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Instituição: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Núcleo do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedros, Campo Grande - MS
Autores: Leite APN, Palacio BM, Faria EHS, Oliveira MCF, Freitas KC, Guimarães RCA.

Objetivos: Analisar o perfil de pacientes obesos submetidos à gastroplastia em ''Y de Roux" no Hospital Universitário da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campo Grande - MS. Materiais e Métodos: Foi realizado estudo retrospectivo, com análise de prontuários de 33 pacientes que realizaram gastroplastia no período de janeiro de 2011 a 2012. Foram avaliados dados demográficos, acompanhamento nutricional, uso de medicamentos para emagrecer e prática de atividade física antes da cirurgia, índice de massa corporal (IMC), prevalência de superobesidade e a presença de comorbidades. Resultados: Dos 33 pacientes, 78,7% eram do sexo feminino e 21,2% do sexo masculino, com mediana de idade de 30 anos. Constatou-se que 78,7% haviam feito acompanhamento nutricional antes da cirurgia e 21,2% não fizeram. Quanto à prática de atividade física, 29% relataram praticar a mesma, enquanto que 12,1% não praticavam. Em relação ao uso de medicamentos para emagrecer, 54,5% referiram ter feito o uso e 45,4% não usaram. As medianas de IMC e excesso de peso foram 47,3 kg/m² e 124,5 kg, respectivamente. A superobesidade (IMC >50 kg/m²) foi observada em 33,3% dos pacientes. Houve predomínio das comorbidades: Dispneia (81,8%), artrose (78,7%), HAS (60,6%), DRGE (54,5%), apneia do sono (48,4%) e depressão (36,3%). Conclusão: Observou-se que a cirurgia foi realizada em sua maioria por mulheres. A mediana do IMC apresentou-se superior a 45 kg/m², com elevada presença de comorbidades associadas. Observou-se também que os pacientes buscaram tratamentos convencionais sem sucesso, o que provavelmente contribuiu para realização da cirurgia para perda de peso. Unitermos: Obesidade, Estado Nutricional, Gastroplastia.

PC047 - PERFIL NUTRICIONAL, EPIDEMIOLÓGICO E ESTILO DE VIDA DE PACIENTES ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ONCOLÓGICA DA CIDADE DO RECIFE - PE

Instituição: Instituto de Tratamento e Diagnóstico Oncológico (IDTO), Recife - PE
Autores: Melo AMAB, Ponzi FKAX, Lima LOL, Silva VLC, Lima DMC.

Objetivos: Caracterizar e avaliar o estado nutricional e o estilo de vida dos pacientes na admissão para tratamento oncológico no Instituto de diagnóstico e tratamento oncológico (IDTO), Recife - PE. Materiais e Métodos: No presente estudo foram avaliados os dados de 40 pacientes de ambos os sexos, coletado através de prontuários dos pacientes admitidos para tratamento oncológico entre Março de 1997 a Março de 2009. A coleta de dados foi realizada na primeira consulta com o Oncologista Clínico. Para caracterização da amostra foram levantadas informações referentes à idade, sexo, tabagismo, tipo histológico, etilismo, relato de perda de peso, além de indicadores antropométricos, como peso e altura, utilizados para calcular o Índice de Massa Corpórea (IMC). Para obter o diagnóstico nutricional foi analisado o IMC, com os pontos de corte utilizados os determinados pela OMS em 1998 e para idosos o de Lipschitz de 1994. Como o percentual entre os sexos dos pacientes não foram equivalentes, os dados foram avaliados todos juntos, sem a separação por sexo. Para a determinação do peso e estatura foi utilizada a Balança profissional digital antropométrica com estadiômetro do fabricante Balmak. Resultados: Houve predomínio de homens (72,5%). A idade mínima foi de 21 anos e a idade máxima foi de 80 anos, sendo a faixa etária mais prevalente entre 61-70 anos (39,5%) e observou-se ainda que 50% dos pacientes eram idosos, ou seja, com idade superior a 60 anos. Em relação à localização de tumores houve maior incidência do tipo histológico Carcinoma Epidermoide (92,5%). De acordo com a validação antropométrica, observou-se maior prevalência de pacientes eutróficos (44,12%) e pacientes com baixo peso foram encontrados (8,82%) na amostra, quando considerado o IMC. Analisando o percentual de perda de peso, constatou que 21,05% da amostra relataram perda de peso nos últimos meses, sem levar em consideração seu IMC. Quanto ao tabagismo e etilismo, a maioria da amostra era tabagista (67,57%) e etilista (78,38%), o que demonstra que os pacientes não praticavam hábitos de vida saudáveis. Conclusão: O tratamento oncológico é complexo e envolve: cirurgia, quimio e/ou radioterapia. Somando-se, existe um risco aumentado para a desnutrição por motivos, como: hábitos alimentares inadequados associados com o consumo excessivo de álcool e tabaco. Identificar estes pacientes em risco e inseri-los num programa de terapia nutricional é o caminho para minimizar a deterioração do estado nutricional. Unitermos: Perfil Nutricional, Pacientes Oncológicos, Estilo de Vida.

PC048 - PERFIL NUTRICIONAL, DIETÉTICO E BIOQUÍMICO DE PACIENTE COM GIST E SÍNDROME DO INTESTINO CURTO EM USO DE TERAPIA NUTRICIONAL PARENTERAL EXCLUSIVA

Instituição: Nutrir Prestadora de Serviços Médicos Ltda, Belém - PA
Autores: Pantoja MS, Silva SCM, Silva MHS, Santos GCP, Nazare TAS.

Objetivos: Avaliar o perfil nutricional, dietético e bioquímico de paciente com GIST e síndrome do intestino curto em TNP exclusiva. Materiais e Métodos: Foi realizado estudo transversal prospectivo em paciente internado em Hospital da Rede Pública em uso de Terapia Nutricional Parenteral exclusiva, por um período de acompanhamento pela equipe multiprofissional de terapia nutricional (EMTN) de 49 dias. Os dados foram registrados no prontuário do paciente e em fichas de triagem, avaliação e acompanhamento clínico e nutricional, levando-se em consideração exames bioquímicos, parâmetro antropométrico (variação de peso), e análise da TNP, preestabelecidos, pela EMTN. A tabulação dos dados foi feita através do software Microsoft Office Excel versão 2010. Resultados: Na análise bioquímica o eritrograma permaneceu abaixo da valores de referencia em 100% para hemoglobina e 95,4% para hematócrito. Os linfócitos apresentaram-se diminuídos em 95,4% dos exames, porém com episódios de leucocitose durante a internação. O ionograma manteve a normalidade para Cálcio, Magnésio, Fósforo; Potássio e Sódio. O perfil lipídico permaneceu normal, em 100%, para colesterol total e frações, apesar de os triglicerídeos estarem limítrofes em 50% dos exames. As provas de função hepática mostraram-se alteradas, com taxas elevadas de TGP, TGO e Bilirrubina direta, com percentuais respectivamente de 100%, 75% e 100%. A função renal apresentou-se normal em 57,9% para a creatinina e elevada em 89,5% para ureia. A análise das proteínas totais e albumina apresentaram-se dentro da normalidade com 71,4% para ambas, com média glicêmica limítrofe em 66,7% dos dias. Tangente ao parâmetro antropométrico, o peso manteve média de 75,2 kg. Quanto a TNP observou-se médias diárias de 1715,5 kcal, 92,2g de proteínas, 377,3g de carboidratos, 52,1g de lipídios e volume de 1.582,4 ml. Conclusão: O paciente manteve-se anêmico, infectado provável pela dificuldade da troca do cateter na instituição não seguindo o prazo sugerido pela EMTN. A NPT atingiu suas necessidades diárias após 5 dias de TNP culminando na melhora bioquímica e manutenção/ganho de peso. Portanto, a NPT concomitante a avaliação clínico-nutricional minuciosa e individual permite manutenção ponderal e das reservas corpóreas. Unitermos: Nutrição Parenteral Total, Síndrome do Intestino Curto, Hospitais Públicos, Manutenção Ponderal.

PC049 - PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 24 MESES DE UMA INSTITUIÇÃO PUBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO

Instituição: Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá - MT
Autores: Lima TR, Souza M, Ferreira SP, Avila E.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional de crianças de 0 a 24 meses abrigadas em uma instituição pública da cidade de Cuiabá- MT. Caracterizar as crianças de acordo com o sexo e a faixa etária. Identificar o perfil nutricional de crianças com idade entre 0 e 24 meses de idade. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo de característica descritiva, do tipo transversal. As crianças avaliadas foram admitidas no Abrigo Estadual do Mato Grosso, localizado na cidade de Cuiabá, MT entre os meses de janeiro e julho de 2012. Foram selecionadas crianças de ambos os sexos, com idade entre 0 e 24 meses que permaneciam institucionalizadas durante o período supracitado. Foram excluídas todas as crianças prematuras, ou que apresentassem comprovadamente a partir de diagnóstico médico algum tipo de patologia crônica, tais como, síndromes, deficiência física ou mental, doenças metabólicas crônicas e/ou agudas, edemas, entre outros. As crianças foram divididas em dois grupos, de 0 a 12 meses e de 13 a 24 meses com o intuito de facilitar a interpretação dos resultados. Os dados como peso, comprimento, idade e sexo foram coletados pelas fichas de acompanhamento semanal de peso e evolução feita com cada criança que se encontrava no momento da avaliação com idade entre 0 e 24 meses. Resultados: Participaram do estudo 58 crianças que no momento das avaliações permaneciam abrigadas em uma instituição estadual localizada na cidade de Cuiabá - MT. A média da idade das crianças foi de 6,07±5,38 meses, e deste total (56,9%) eram do sexo masculino e (43,1%) do sexo feminino. Os indicadores do estado nutricional foram avaliados segundo as curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006. 48,5% dos meninos e 20% das meninas estão com a estatura abaixo do esperado para a idade, apresentando uma tendência à maior prevalência de déficit estatural entre os meninos. 56,9% da população estudada era do sexo masculino e 43,1% do sexo feminino, 89,7% tinham idade entre 0 e 12 meses, a avaliação do estado nutricional através do peso/comprimento observamos que 79,3% das crianças estão eutróficas. Em relação ao peso/idade 75,9% estão com peso adequado para idade. E no parâmetro comprimento/idade 63,8% estão com estatura adequada para idade. Conclusão: Foram avaliadas 58 crianças abrigadas, sendo a maioria do sexo masculino e com idade entre 0 e 12 meses (89,7%). É evidente a importância do acompanhamento antropométrico seriado, porém se faz necessário a correlação dos mesmos com os exames clínicos e bioquímicos no caso em destaque. Unitermos: Não informado.

PC050 - PERFIL NUTRICIONAL DOS COLOBORADORES DA REITORIA DA UNIVERSIDADE TIRADENTES - ARACAJU - SERGIPE

Instituição: Universidade Tiradentes, Aracaju - SE
Autores: Santos HJX, Mendonça J, Santos TMP, Souza MSG, Andrade TAS.

Objetivos: O presente trabalho teve como objetivo avaliar a prevalência de sobrepeso e obesidade nos colaboradores da reitoria da Universidade Tiradentes e destacar a forte correlação destes dados com riscos de DCV. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de corte transversal, cuja amostra foi composta por 102 colaboradores, dos quais, 45,09% são do gênero masculino e 54,91% do gênero feminino, que labutam na reitoria da Universidade Tiradentes. A coleta de dados foi realizada com formulário padronizado em planilha eletrônica, composto pelas seguintes variáveis: idade, sexo, peso, estatura e índices antropométricos, incluindo a circunferência da cintura. O projeto do estudo foi aprovado pelo Comitê de ética em pesquisa da Universidade Tiradentes com o protocolo de número 030113. Essas medidas foram utilizadas para cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), segundo a formula de Quetelet: peso (Kg)/altura (m2), e em seguida seus resultados serão classificados de acordo com OMS. A classificação do estado nutricional dos colaboradores, segundo o ponto de corte para obesidade androide, foi classificada de acordo com os critérios do IDF. Resultados: A partir da análise dos dados obtidos, foi possível traçar um perfil nutricional dos colaboradores, onde 34,13% destes foram classificados com sobrepeso e 12,76% com obesidade. Outro parâmetro avaliado foi a relação entre a CC e o risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, onde 45 avaliados (44,11%) apresentaram obesidade do tipo androide. De forma não surpreendente, o excesso de peso tem sido considerado o principal fator de risco metabólico para os problemas cardíacos, para o aumento de casos de hipertensão e hiperglicemia e para o aumento do colesterol de baixa densidade lipoproteica e dos triglicerídeos. A gordura abdominal extra, indica gordura excessiva dentro e ao redor dos órgãos internos, uma situação intensamente ligada à doença metabólica e cardiovascular. As consequências nefastas dessas comorbidades embora não tenham impacto nos índices de mortalidade do adulto obeso, acarretam grande ônus à saúde publica, pois provocam incremento da morbidade, interferem na produtividade e deterioram a qualidade de vida nessa faixa etária. Conclusão: Considerando a tendência crescente do sobrepeso e obesidade na população brasileira, principalmente em mulheres e a sua associação com fatores de risco cardiovasculares reforça-se nesse estudo, a necessidade de intervenções precoces visando à redução da massa corporal total, em especial a gordura central. Unitermos: Sobrepeso, Obesidade Abdominal, Avaliação Antropométrica, Doenças Crônicas.

PC051 - NUTRIÇÃO NO IDOSO: CONHECIMENTO NUTRICIONAL X ANTROPOMETRIA

Instituição: Universidade Tiradentes, Aracaju - SE
Autores: Santos HJX, Santos JEOM, Mendonça J, Souza MSG, Andrade TAS.

Objetivos: O presente trabalho teve como objetivo avaliar o nível de conhecimento nutricional de idosas participantes de um grupo de convivência de uma instituição particular de ensino superior em Aracaju/SE e correlacionar esse conhecimento com o estado nutricional destas. Materiais e Métodos: O estudo caracteriza-se por ser transversal, sendo a amostra composta por 30 idosas, com idade média de 74,5 anos. O convite foi feito verbalmente e após esclarecimentos sobre a metodologia e objetivos do trabalho as mesmas assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido.O projeto do estudo foi aprovado pelo Comitê de ética em pesquisa da Universidade Tiradentes com o protocolo de número 150312. Para a avaliação do estado nutricional foram mensurados peso, estatura, dobras (PCT) e circunferências (CB, CC e CP). A escala escolhida para mensuração do conhecimento nutricional neste estudo foi aquela desenvolvida por Harnack e cols e posteriormente traduzida, adaptada e validada para o Brasil por Scagliusi e cols. Para classificação do conhecimento nutricional foi utilizado o seguinte critério: pontuações totais entre zero e seis indicam baixo conhecimento nutricional; entre sete e 10 indicam moderado conhecimento nutricional e acima de 10 indicam alto conhecimento nutricional. Resultados: A partir da análise dos parâmetros antropométricos utilizados (peso, estatura, dobras e circunferências), foi possível traçar um perfil nutricional para o grupo assistido, onde 63% dos indivíduos possuíam excesso de peso, 20% magreza e 17% foram classificados como eutróficos. É importante ressaltar que existem fatores que dificultam a avaliação nutricional do idoso, tais como alterações fisiológicas da própria idade e alterações da composição corporal que afetam os parâmetros de antropometria. No que tange o QCN, obtivemos como média 11,06 pontos. Das 30 idosas interrogadas, 19 tinham conhecimento nutricional elevado, 10 moderado e apenas 1 detinha de baixo conhecimento da área. Em concordância com o trabalho apresentado por O'Brien e Davies (2007), onde foram avaliados 500 indivíduos adultos por meio de um questionário de conhecimento nutricional e verificaram que o alto nível de conhecimento não se correlacionou com o IMC. Indicando que esse pode não ser o fator mais importante para que indivíduos com excesso de massa corporal adotem hábitos saudáveis. Conclusão: Foi possível concluir que a amostra avaliada apresentou conhecimento nutricional elevado e em contra partida, 63% da amostra foi classificada com excesso de peso, divergindo a respeito da tríade conhecimento nutricional, hábitos alimentares e estado nutricional. Sendo de grande valia nesse contexto, práticas contínuas de educação nutricional, a fim de consolidar o conhecimentos teórico na prática. Unitermos: Conhecimento, Estado Nutricional, Idoso, Questionário.

PC052 - AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES EM USO DE DIETA ENTERAL

Instituição: Universidade de Franca - UNIFRAN, Patrocinio Paulista - SP
Autores: Peixoto AS.

Objetivos: Avaliar estado nutricional de pacientes em uso de dieta enteral internados em Santa Casa do interior de São Paulo. Materiais e Métodos: Estudo transversal que avaliou história clínica, antropometria e ingestão alimentar. Foram estimados peso e altura e aferidas circunferência do braço (CB) e da panturrilha (CP). O estado nutricional dos pacientes foi classificado segundo o índice de massa corporal (IMC) e classificação da adequação da CB. A ingestão alimentar foi avaliada por história alimentar e questionário de frequência alimentar. Os resultados foram analisados considerando a pirâmide alimentar brasileira. Resultados: Foram avaliados 51 pacientes com idade entre 13 e 91 anos (mediana = 69), sendo 32 em uso de sonda enteral de forma exclusiva e 19 com associação da via oral. De acordo com os dados levantados metade dos pacientes eram tabagistas e estilistas. Sessenta e um porcento apresentavam coordenação motora afetada e 39 % estavam desidratados no momento da internação. Em relação às comorbidades, 41% eram hipertensos e o principal motivo de internação foi quadro de acidente vascular cerebral (19/51, 37%). Quanto à antropometria, 22 pacientes (43%) apresentavam desnutrição de acordo com o IMC e 33 (65%) segundo adequação de CB. Sinais de depleção muscular ao analisar a CP foram encontrados em 28 pacientes (55%). Em relação à alimentação, 12 pacientes (23%) já vieram para hospital com alteração de consistência. Ao analisar a alimentação atual, antes de internar, todos os grupos alimentares leite/derivados, verduras, legumes, frutas, cereais e carnes estavam inadequados pelo falta de ingestão calórica. Conclusão: A avaliação nutricional e a introdução precoce de SNE são fundamentais para recuperação do estado nutricional e melhora no quadro clínico patológico. Unitermos: Dieta Enteral, Avaliação Nutricional.

PC053 - PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E NUTRICIONAL DE IDOSOS PORTADORES DE HIV-1 ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM BELÉM - PA

Instituição: Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB)/UFPA, Belém - PA
Autores: Guterres AS, Torres RS, Miranda RNA, Portal RL, Dias MSD, Aviz GR.

Objetivos: O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil epidemiológico e nutricional de idosos portadores de HIV-1/AIDS, atendidos no Serviço de Atendimento Especializado (SAE) de um hospital de referência em Belém - PA. Materiais e Métodos: Realizou-se estudo transversal, descritivo e retrospectivo, no ambulatório do SAE do Hospital Universitário João de Barros Barreto da Universidade Federal do Pará, um centro de referência para doenças infecciosas e parasitárias, onde foram coletados dados antropométricos como: peso atual e altura para cálculo do índice de massa corpórea (IMC), a prega cutânea tricipital (PCT) e circunferência do braço (CB) de portadores do HIV-1/AIDS. A amostra foi composta de oito (08) indivíduos na faixa etária acima de 60 anos de ambos os sexos, essa amostra compõe-se de todos os idosos cadastrados no SAE no período de 2011 a 2012. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos do HUJBB/UFPA, de acordo com as normas da resolução n° 196/96 e suas complementares do Conselho Nacional de Saúde/ Ministério da Saúde do Brasil. Participaram da pesquisa somente os pacientes que leram e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Resultados: A faixa etária dos indivíduos estudados foi entre 60-70 anos. Em relação ao gênero 50,0% pertenciam ao sexo feminino e 50,0% ao sexo masculino. 100% dos idosos residiam na capital do estado. A situação conjugal encontrada foi de 75,0% casados e a grande maioria (75%) eram aposentados. A pesquisa mostrou que em relação à opção sexual, (87,5%) eram heterossexuais. Em relação à categoria de exposição, (50,0%) foram infectados por via sexual. A transmissão heterossexual constituiu a principal via de transmissão do HIV entre pessoas idosas de ambos os sexos, apesar da transmissão entre homens com prática de natureza homo ou bissexual ser relevante. A maioria dos pacientes apresentava eutrofia quando classificados pelo IMC. Em relação à PCT a maioria dos pacientes avaliados apresentava desnutrição, evidenciando déficit de reserva adiposa. A maior prevalência em relação à CB referiu-se a desnutrição, representando um déficit nutricional geral. Conclusão: Os idosos vivendo com HIV/AIDS necessitam de maior atenção em saúde, pois pela idade avançada, têm demandas específicas, que devem ser consideradas. Além disso, é de fundamental importância para esses idosos a compreensão e o cuidado diferenciado dispensado pela equipe multiprofissional de saúde. Unitermos: Idosos, Avaliação Nutricional, HIV-1/AIDS, Antropometria, IMC.

PC054 - USO DA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL SUBJETIVA GLOBAL E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM PORTADORES DE HIV-1/AIDS HOSPITALIZADOS EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM BELÉM - PA

Instituição: Hospital Universitário João De Barros Barreto (HUJBB)/UFPA, Belém - PA
Autores: Guterres AS, Torres RS, Miranda RNA, Ribeiro SMM, Figueiredo AB, Rodrigues EC.

Objetivos: O objetivo deste estudo foi descrever o estado nutricional utilizando a Avaliação Nutricional Subjetiva Global (ANSG) e o Índice de Massa Corporal (IMC) em portadores do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV-1), internados no Hospital Universitário João de Barros Barreto/UFPA em Belém - PA. Materiais e Métodos: Estudo de corte transversal, prospectivo, descritivo com 68 pacientes adultos, na faixa etária compreendida entre 20 e 59 anos, de ambos os sexos, internados na clínica de doenças infecciosas e parasitárias do HUJBB/ Universidade Federal do Pará (UFPA), um hospital de referência para doenças infecciosas e parasitárias no estado do Pará. A coleta dos dados ocorreu durante o ano de 2008, onde foram coletados dados antropométricos como: peso atual e altura para cálculo do índice de massa corpórea (IMC) e aplicado o questionário de avaliação nutricional subjetiva global (ANSG) aos portadores do HIV-1/AIDS. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos do HUJBB/UFPA, de acordo com as normas da resolução n°196/96 e suas complementares do Conselho Nacional de Saúde/ Ministério da Saúde do Brasil. Participaram da pesquisa somente os pacientes que leram e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Resultados: Segundo o IMC, 52,9% dos indivíduos estavam eutróficos, sendo 35,3% mulheres 58,8% homens. Ao se aplicar o teste Z, não foi encontrada diferença estatística entre os sexos (p - valor = 0.2128). De acordo com este parâmetro o presente estudo apresentou um percentual de 35,4% de pacientes em vários graus de desnutrição. Em relação ao estado nutricional aferido na ANSG, verificou-se uma amostra de 64,7% pacientes com desnutrição leve ou moderada. Estando em concordância com Coppini, Waitzberg, Ferrini et al (1995) e Castellani e Duarte (2002), que asseguraram que a ANSG é um método muito eficaz no diagnóstico da desnutrição proteico-calórica. Ao discriminarmos as amostras por sexo, entre as 17 mulheres foi verificado um total de 12 com diagnóstico de desnutrição leve ou moderada, o que denota um percentual de 70,6%. Enquanto que, dos 51 homens analisados, 32 (62,7%) apresentavam o mesmo diagnóstico nutricional. O p-valor = 0.2749, obtido pelo teste t de Student, assegurou que não existiu diferença significativa entre homens e mulheres de acordo com a ANSG. Conclusão: O estudo mostrou que a maioria são do sexo masculino e estão em idade reprodutiva. Em ambas as avaliações realizadas, o diagnóstico nutricional aferido independe do sexo. A correlação de diagnóstico entre o IMC e a ANSG indicou uma associação negativa entre os dois diagnósticos. Considera-se que não é seguro realizar a avaliação de portadores do HIV a partir da utilização de apenas um método. Unitermos: Avaliação Nutricional Subjetiva Global, Indice de Massa Corpórea, HIV, AIDS.

PC055 - SUPORTE NUTRICIONAL DOMICILIAR EM PACIENTE SUBMETIDO À COLECTOMIA TOTAL, COM BOLSA ILEAL, COM DIAGNÓSTICO DE POLIPOSE MÚLTIPLA FAMILIAR: RELATO DE CASO

Instituição: Universidade Ceuma, Sao Luis - MA
Autores: Mendes EN, Sousa RML, Rabelo EJO, Lopes RSS, Gomes DA.

Objetivos: Associar os benefícios da terapia nutricional na progressão dos aspectos físicos e do quadro clínico de paciente submetido à colectomia total após diagnóstico de polipose múltipla familiar (PMF) em acompanhamento domiciliar. Avaliar o impacto da terapia nutricional em pós-cirúrgico de colectomia total. Identificar fatores determinantes que proporcionam a melhoria do quadro clinico. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo de caso clínico para relatar situações ocorridas no pós operatório de colectomia total e os efeitos da terapia nutricional instituída após internação hospitalar por PMF. O relato de caso é de extrema importância para observar posicionamentos, estratégias, procedimentos e instrumentos específicos que possam ser úteis no alcance de resultados. Para aquisição de informações foi realizado coleta de dados antropométricos (IMC- Índice de Massa Corpórea, peso e altura), exames físicos (face, tronco, membros superiores e inferiores e alterações por deficiência de nutrientes), registro da terapia nutricional prescrita e recebida e sinais e sintomas clínicos do paciente em tratamento domiciliar, todas as informações foram fornecidas pelo próprio paciente e por seus familiares. Resultados: T.S.P.O., 27 anos, sexo feminino. Na 28ª semana gestacional apresentou sangramento retal em grande escala com crises diarreicas. Os sintomas se agravaram no segundo mês após o parto, foram realizados exames de colonoscopia e endoscopia em que foi diagnosticado a PMF, com mais de mil pólipos em todo o intestino grosso. A cirurgia de colectomia total foi feita após o fim da lactação. Após a cirurgia a paciente perdeu 25kg, passando de estado de eutrófia para desnutrição. A alta hospitalar foi dada quatro meses depois da cirurgia, apresentando desnutrição, fístula de baixo debito, ulcera de pressão grau I e com bolsa ileal. Um mês após a alta hospitalar procuraram orientação nutricional o qual fora instituído tratamento de terapia nutricional na modalidade domiciliar por Nutricionista e graduandos em Nutrição. Foi prescrito dieta livre, hipercalórica e hiperproteica (suplementação alimentar), visando melhoria do quadro clínico. Ganho de peso, pele hidratada, boa diurese, redução da secreção da fistula, vitalidade além da autoestima da paciente foram constatados em sete dias de terapia. Conclusão: Um suporte nutricional, ainda que domiciliar, é capaz de promover melhoria da qualidade de vida de um paciente.Este relato, é um exemplo da importância de um acompanhamento nutricional adequado a nível de residência.Após alta hospitalar não há uma terapia nutricional adequada por parte da família, seja por condições financeira, por falta de conhecimento ou até mesmo rejeição pelo paciente. Unitermos: Polipose Múltipla Familiar, Colectomia, Estado Nutricional.

PC056 - ANTROPOMETRIA E NÍVEIS LIPIDÊMICOS DE PORTADORES DE HIV-1/AIDS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO ESPECIALIZADO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM BELÉM - PA

Instituição: Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB)/UFPA, Belém - PA
Autores: Guterres AS, Miranda RNA, Rodrigues MEL, Maués MCC, Rocha NOB, Valente JS.

Objetivos: O objetivo deste estudo foi correlacionar a antropometria e o perfil lipídico dos portadores de HIV-1/AIDS atendidos no Serviço de Atendimento Especializado (SAE) que funciona no ambulatório do Hospital Universitário João de Barros Barreto da Universidade Federal do Pará (HUJBB/UFPA). Materiais e Métodos: Tratou-se de um estudo descritivo, prospectivo de corte transversal com 130 pacientes, adultos entre 20 e 59 anos de ambos os sexos, atendidos no ano de 2011. A avaliação do estado nutricional foi realizada através do Indice de Massa Corpórea (IMC) e da Circunferência da Cintura (CC). A avaliação de exames bioquímicos contemplou o colesterol total (CT) e frações (HDL e LDL) e triglicerídios (TRIG), cujos resultados foram coletados dos prontuários. Resultados: Na correlação dos exames bioquímicos por sexo, tivemos as seguintes médias: masc. (CT: 173.0; HDL: 39.71; LDL: 103.12; TRIG: 192.62), fem.: (CT: 198.1; HDL: 44.58; LDL: 119.68; TRIG: 180.35), total (CT: 183.2; HDL:41,7; LDL: 110,2; TRIG: 187,6). Na correlação do IMC com os exames bioquímicos em geral, os pacientes com diagnóstico de desnutrição apresentaram as seguintes médias (CT: 145,4; HDL: 34,8; LDL: 89,0; TRIG: 156,3) quanto aos eutróficos as médias foram (CT:177,1 HDL; 44,5; LDL109,2; TRIG161,8), as médias dos pacientes com sobrepeso foram (CT: 190,9; HDL: 48,0; LDL: 101,1; TRIG: 245,8) e as médias de obesidade são: (CT: 155,0; HDL:48,0; LDL:135,1; TRIG:180,6).Na correlação entre exames bioquímicos e a circunferência da cintura tivemos as seguintes médias: (masc: 86,0;fem: 83,1). A associação entre as variáveis antropométricas (IMC, CC) e bioquímicas (CT, HDL, LDL, TRIG), apresentaram correlação positiva com significância estatística onde o p valor <0,0001. Os resultados encontrados mostraram prevalência de eutrofia. Conclusão: Ressalta-se a importância da avaliação nutricional, acompanhamento e orientação nutricional. A implementação de terapia nutricional especializada aos portadores de HIV-1/AIDS se faz necessário, assim como implantação de ações educativas, pois através desta é possível ampliar os conhecimentos dos pacientes a cerca de uma nutrição adequada para a manutenção ou melhora do seu estado nutricional. Unitermos: Antropometria, Indice de Massa Corpórea, HIV, AIDS, Avaliação Nutricional.

PC057 - O IMPACTO DO ESTADO NUTRICIONAL NO DESENVOLVIMENTO DE ÚLCERAS DE DECÚBITO: REVISÃO DE LITERATURA

Instituição: Universidade Ceuma, Sao Luis - MA
Autores: Mendes EN, Sousa RML, Rabelo EJO, Fontenelle AS.

Objetivos: Identificar na Literatura nacional e internacional produções científicas atuais sobre a úlcera de decúbito (UD) associando suas causas com o Estado Nutricional do paciente e o papel da nutrição como parte do tratamento. Materiais e Métodos: O estudo é de caráter revisão de literatura com intuito de resumir situações de conhecimentos sobre UD e sua associação com a condição nutricional do paciente. A revisão é de extrema importância para observar posicionamentos, estratégias, procedimentos e instrumentos específicos que possam ser úteis no alcance de resultados. Para aquisição de informações sobre a temática foi realizado um levantamento bibliográfico nas bases de dados: SciELO, PubMED e Bireme. Foram adotados os seguintes critérios: Artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais entre 2004 e 2010; Artigos indexados por palavras-chave: úlcera de decúbito e estado nutricional, úlcera de pressão e nutrição, escaras e desnutrição; Artigos referentes à prevenção de úlcera de decúbito. Resultados: Uma das principais complicações que acometem pacientes críticos hospitalizados são as UD's de difícil tratamento, prolongado e oneroso, o que reforça a prevenção. Em pesquisa de Moro et al.,2007 apresentaram maior prevalência de lesões por decúbito em pacientes idosos (63,9%). Estudos recentes têm mostrado a relação entre fatores de risco para desnutrição, perda involuntária de peso, anorexia, doença gastrointestinal, câncer, pobre oferta calórica e baixo índice de albumina sérica à formação de UD e interferindo em sua cicatrização (FISHER & WELLS & HARRISON, 2004; ROGENSKI & SANTOS,2005). Estudos destacam a desnutrição como fator importante no desenvolvimento de úlceras de decúbito.A anemia, conforme (SERPA & SANTOS, 2008), pode contribuir para formação de UD ao reduzir oxigênio para os fibroblastos, reduzindo a formação de colágeno e aumentando a suscetibilidade do tecido ao desenvolvimento da lesão. O zinco tem um espectro amplo de participação nos processos metabólicos, reconhecido por Perracini, 2007. Conclusão: Os estudos associam os baixos índices de IMC e de albumina sérica ao aparecimento de UD bem como déficites de vitaminas. É unanime estudos pesquisados apontarem as UD como uma das principais complicações que acometem os pacientes críticos hospitalizados. É importante avaliar todos os fatores de risco para o agravamento do quadro clínico do paciente, possibilitando intervenção precoce da equipe. Unitermos: Úlcera de Decúbito, Estado Nutricional, Desnutrição.

PC058 - PERFIL DE PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES, NATAL/RN SUBMETIDOS À TERAPIA DE NUTRIÇÃO ENTERAL

Instituição: Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal - RN
Autores: Machado CM, Costa KC, Araujo CRB.

Objetivos: Traçar o perfil clínico e nutricional dos pacientes hospitalizados no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), bem como verificar o percentual de adequação das dietas administradas no tratamento dietoterápico. Materiais e Métodos: Esta foi uma pesquisa de caráter retrospectivo e descritivo, envolvendo a análise dos dados de 51 pacientes, internados no Hospital Universitário Onofre Lopes em Natal/RN, de agosto de 2012 a janeiro de 2013. Foram utilizados os Protocolos de Atendimento Nutricional que continham diagnóstico, tipo de dieta e sua via de administração, motivos de interrupção bem como as medidas antropométricas e necessidades nutricionais dos pacientes. Resultados: Houve uma distribuição heterogênea quanto ao gênero, prevalecendo pessoas do sexo feminino (53%) com idade média de 63,9±18,4 anos. Dos pacientes avaliados, a maioria havia realizado algum tipo de cirurgia (27%), seguido por doenças neurológicas (14%), neoplasias (14%), problemas cardiovascular (12%) e do sistema respiratório (10%). Na terapia nutricional, 71% dos pacientes conseguiram atingir mais de 50% das suas necessidades energéticas e proteicas. Conclusão: Fatores importantes ao tratamento nutricional tornam a terapia um desafio, pois são perfis de pacientes diferentes, cada um com inúmeras patologias e suas comorbidades, idade avançada, dentre outras complicações. Desta forma, é essencial a identificação dos principais fatores de interferência, monitoramento clínico-nutricional para um eficiente suporte nutricional resultando em um prognóstico. Unitermos: Perfil, Terapia Nutricional, Energia, Proteínas.

PC059 - PREBIÓTICOS: EFICÁCIA NO TRATAMENTO DA CONSTIPAÇÃO INTESTINAL

Instituição: Universidade Gama Filho, São Paulo - SP
Autores: Silva SLC.

Objetivos: O objetivo deste estudo é verificar a eficácia na utilização de prebióticos em pacientes com constipação intestinal identificando os mecanismos de ação dos prebióticos e a posologia recomendada. Materiais e Métodos: O presente estudo consiste em uma breve revisão, sobre o tema, de artigos publicados principalmente em revistas indexadas nas bases de dados MedLine, Lilacs, Capes, Scielo, PubMed e Cochrane. Para definição das informações a serem retiradas das publicações, iniciou-se pela análise dos resumos seguindo-se à leitura textual resultando em 33 artigos selecionados. Integram produções em português e inglês datadas de 2000 a 2012. Os descritores para a busca foram: Prebióticos (Prebiotics), Constipação, (Constipation), Inulina (Inulin), Fruto-oligossacarídeos (Fructooligosaccharides) e oligofrutose (oligofructose). A palavra "prébiótico" foi utilizada combinada com os demais termos. Foram selecionados estudos transversais, observacionais, epidemiológicos, experimentais em animais e ensaios clínicos randomizados, controlados, duplo-cegos. Resultados: Alguns trabalhos mostraram que o uso de FOS diminui o conteúdo fecal e aumenta o tempo do transito intestinal mostrando a influência benéfica sobre na saúde do intestino (COSTA e col., 2012). Em dois de sete artigos publicados sobre o consumo de Prebióticos relacionado à normalização da microbiota intestinal, observa-se um aumento significativo na produção de fezes. Semelhantemente outros estudos mostram benefícios potencializados pela inulina sobre a microbiota intestinal diminuindo a quantidade de bactérias patogênicas do gênero Clostridium (Waitzberg, 2012). A dose diária recomendada, de acordo com Chakraborti (2011) é de 10 g de FOS ou inulina fracionando esta dosagem ao longo do dia. FOS e inulina estão disponíveis em suplementos nutricionais e em alimentos funcionais, onde a sua dose varia de 4 a 10 g/dia. Doses acima de 30g/dia de FOS ou inulina podem levar a significativo desconforto gastrointestinal (flatulência, distensão abdominal, cólicas e diarreia). A WGO (2012) recomenda o consumo de 20 a 40 g de lactulose e menos de 20 g de oligofrutose/dia. Conclusão: Conclui-se que o uso de prebióticos como FOS e inulina potencializa os efeitos sobre a microbiota intestinal mostrando a influência benéfica sobre a saúde do intestino. No entanto, o efeito terapêutico favorável exige investigação com uma amostra maior e de longo prazo de seguimento. Unitermos: Prebióticos, Constipação, Inulina, Frutooligossacarídeo, Oligofrutose.

PC060 - PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE NUTRIÇÃO PARENTERAL NO HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS

Instituição: Hospital Sírio Libanês, São Paulo - SP
Autores: Barbosa LMG, Miyahira MM, Faustino PP, Moreno GB, Carvalho DM.

Objetivos: Esse estudo teve o intuito de avaliar o perfil de utilização de nutrição parenteral, bem como identificar o desfecho relacionado ao suporte nutricional parenteral. Materiais e Métodos: O estudo de caráter retrospectivo, analítico e quantitativo foi realizado no Hospital Sírio Libanês SP. Os dados foram coletados durante o período de janeiro a março de 2013 e tratados em planilha Excel. Resultados: Foram identificados 49 pacientes em uso de nutrição parenteral neste período, sendo a média do período de 5,98 pacientes/dia. Sendo 29 (59%) do sexo masculino e 20 (40%) do sexo feminino. A idade média foi de 54,44, sendo 8 pediátricos e 41 adultos. O paciente mais jovem tinha 7 meses e o mais idoso tinha 97 anos. Com relação à criticidade, metade dos pacientes pertencia a unidades críticas (unidade de terapia intensiva, unidade critica e unidade semi critica) e a outra metada a unidades clínicas, sendo destas 14 (53,8) unidades oncológicas. Quanto ao consumo, total de 1112 bolsas (sendo janeiro 394, fevereiro 358 e março 360). O tempo de tratamento com nutrição parenteral variou de 1 a 28 dias, sendo a média de 10 dias. Do total de pacientes, 36 (73,47%) interromperam o uso por melhora clínica, 10 (20,41%) por piora clínica e 3 (6,12%) por evoluírem a óbito. Temos hoje um grande número de prescrições de nutrição parenteral no hospital e podemos observar que a maior parte dos pacientes se beneficia com seu uso (desfecho de melhora clínica). Conclusão: Com este estudo podemos concluir que a nutrição parenteral é importante para o paciente e tendo em vista o alto consumo deste produto observa-se uma oportunidade de participação do farmacêutico neste acompanhamento junto à equipe multidisciplinar com o foco na otimização da terapia do paciente. Estudos mais aprofundados são necessários para correlacionar o benefício clínico. Unitermos: Nutrição Parenteral, Hospital, Assistência ao Paciente.

PC061 - MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR SONDA: FERRAMENTA PARA PREVENÇÃO DE OBSTRUÇÃO ACESSO ENTERAL

Instituição: Hospital Sirio Libanês, São Paulo - SP
Autores: Barbosa LMG, Silva TAF, Ruotolo F, Ribeiro PC, Poltronieri MJA.

Objetivos: Desenvolver uma ferramenta capaz de orientar os profissionais de saúde envolvidos nesta prática, sobre as maneiras mais adequadas de administrar medicamentos através de acessos enterais. Materiais e Métodos: Foram levantados os medicamentos padronizados na instituição, avaliados os dados de bula e bancos de dados informatizados. Estes foram testados quanto: dureza, friabilidade, solubilidade e ao melhor volume a ser diluído. Foram testados volumes progressivos a partir de 10mL a fim de adequar a viscosidade da suspensão evitando sua adsorção à parede da sonda de calibre 12Fr. As informações levantadas foram tabuladas em planilha Excel e classificadas quanto: nome do medicamento referencia, nome do medicamento genérico, forma farmacêutica, fabricante, trituração, quantidade de resíduo e volume de água para diluir. Foram utilizadas cores para definir risco ocupacional (amarelo), risco de obstrução (laranja), não recomendado por alteração farmacocinética (vermelho) e medicamentos a serem utilizados por acesso enteral apenas em condições especiais (verde). Resultados: O manual elaborado contém uma parte teórica sobre o papel de cada profissional envolvido: médico, enfermeiro, nutricionista e farmacêutico. Informações sobre vias de acessos enterais, farmacotécnica, boas práticas de administração de medicamentos por sonda, interação medicamento-nutriente e tabela com as características dos medicamentos foram acrescentadas. Desta forma foi possível evidenciar os medicamentos obstrutores, os passíveis de alteração farmacocinética decorrentes da sua trituração, os que oferecem risco ocupacional ao manipulador e alternativas terapêuticas, assim como a forma mais adequada para o preparo e administração dos mesmos, com a finalidade melhorar a prática da enfermagem na administração de medicamentos por sonda e consequentemente reduzir a taxa de obstrução. Conclusão: O desenvolvimento e implementação do manual de medicamentos poderá instrumentalizar com conhecimento científico a equipe multidisciplinar, especialmente os profissionais de enfermagem responsáveis pela administração dos medicamentos, evitando as obstruções das sondas e aumento do tempo de permanência, a fim de minimizar a exposição do paciente aos riscos inerentes do procedimento de sondagem. Unitermos: Medicamentos, Sonda, Nutrição Enteral.

PC062 - O NUTRICIONISTA QUE ATUA EM SERVIÇO DE NUTRIÇÃO HOSPITALAR

Instituição: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto- Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto - SP
Autores: Gonçalves NEXM, Santos FC, Camelo SHH.

Objetivos: Este estudo teve como objetivo identificar e analisar o perfil do nutricionista que atua em serviços hospitalares, seu preparo e/ou formação acadêmica na área, bem como as suas atribuições na assistência aos pacientes hospitalizados. Materiais e Métodos: Para o alcance do objetivo deste estudo, optou-se pelo método da revisão integrativa, visto que ele possibilita sumarizar as pesquisas já concluídas e obter conclusões a partir de um tema de interesse. Uma revisão integrativa bem realizada exige os mesmos padrões de rigor, clareza e replicação utilizada nos estudos primários (Beyea; Nicoll, 1998). É a mais ampla abordagem metodológica referente às revisões, permitindo a inclusão de estudos experimentais e não experimentais para uma compreensão completa do fenômeno analisado além de combinar dados da literatura teórica e empírica (Whittemore; Knafl, 2005). A estratégia de busca utilizada foi à consulta as bases eletrônicas Literatura Latino-Americana em Ciências de Saúde- LILACS, na Medical Literature Analysis and Retrieval System Online- MEDLINE, Scientific Electronic Library Online- SCIELO e Biblioteca Cochrane. A coleta de dados foi realizada no período de julho a dezembro de 2012. Resultados: Foram selecionados 12 artigos, sendo 10 (90%) em português, um (5%) em inglês, um (5%) em espanhol, publicados no período entre 2003 a 2011. Os artigos são de revistas nacionais, alguns de circulação internacional, com predominância de periódicos vinculados a universidades públicas. Os descritores em Ciências da Saúde (Decs) mais utilizados pelos autores dos artigos foram: Nutricionista, Alimentação Coletiva, Serviços de Alimentação, Humanização da assistência e Dieta. Ao analisarmos os delineamentos de pesquisa mais frequentes, identificamos que oito estudos utilizaram a abordagem metodológica qualitativa e quatro quantitativas. Neste sentido, o objeto de pesquisa ora analisado pode ser estudado por diferentes delineamentos metodológicos. Analisando os artigos selecionados podemos depreender duas categorias relacionadas ao profissional nutricionista que atua no contexto hospitalar, descritas a seguir: 1) Perfil, tempo de formação e aprimoramento profissional; 2). O papel do nutricionista no contexto hospitalar e jornada de trabalho. Conclusão: A complexidade do atendimento na organização hospitalar tem provocado a necessidade de profissionais cada vez mais qualificados a fim de atender as demandas constantes deste ambiente. O presente estudo mostrou que, o nutricionista que atua na área hospitalar é um profissional experiente tendo atuado em outras áreas antes de sua inserção no hospital. Unitermos: Não informado.

PC063 - DESENVOLVIMENTO DE SUCOS NATURAIS PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS

Instituição: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN
Autores: Oliveira CVA, Dantas MBVC, Rocha IMG, Dantas CCS, Gomes CC, Nagashima YG.

Objetivos: Objetivando incluir os benefícios de sucos naturais foram desenvolvidas receitas de sucos naturais que apresentam propriedades funcionais direcionadas à redução dos sintomas apresentados pelos pacientes oncológicos internados em um hospital oncológico da cidade de Natal, capital do Rio Grande do Norte. Materiais e Métodos: Foram realizados testes de receitas de sucos naturais para pacientes oncológicos internados no hospital especializado, ao final foram elaboradas 20 receitas de sucos na própria Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) do local. A amostra foi composta pelos pacientes com alimentação via oral internados no hospital e que aceitaram participar da degustação. Os sucos foram oferecidos em dois sabores para cada paciente no horário do lanche, de modo que as 20 receitas foram oferecidas e ao final eles avaliaram as preparações através de uma escala hedônica. Para a revisão de literatura e pesquisa das preparações foi realizada uma pesquisa nas bases de dados Medline, ScieLo e Lilacs, utilizando como palavras chaves: Isotiocianatos, nutrição e câncer, e fitoquímicos. Foram confeccionadas Fichas Técnicas de Preparação (FTP) para as receitas testadas,incluindo o custo e valor nutricional da preparação. Resultados: As 20 receitas de sucos e vitaminas foram bem aceitas pelos pacientes, de modo que todas obtiveram mais de 50% de aprovação, e mais, 6 preparações tiveram 100% de aprovação e apenas 1 teve exato 50% de aprovação. Em relação ao custo, todas as preparações puderam ser consideradas com um custo acessível. Uma prova disso, é que elas variaram de R$0,15 per capita (Suco de Melancia com Gengibre) a R$ 1,02 per capita (Vitamina de Uva Diferente). Sendo assim, em sua maioria, chegaram até a alcançar um custo menor do que os sucos de apenas um sabor disponíveis nos cardápios da UAN do hospital, como o suco de maracujá, o qual custa em média R$1,02 per capita. Vale ressaltar que a composição nutricional das preparações atingiu cerca de 90% da recomendação de ingestão de nutrientes em relação às vitaminas A e C, os quais são potentes antioxidantes. Conclusão: O presente trabalho demonstrou o papel das frutas, verduras, legumes e outros alimentos na saúde humana, o que está baseado, sobretudo, na poderosa capacidade antioxidante desses alimentos em geral. Unitermos: Nutracêuticos, Alimentos Funcionais, Antioxidantes, Fitoquímicos.

PC064 - TERAPIA NUTRICIONAL EM PACIENTES IDOSOS EM ATENÇÃO DOMICILIAR

Instituição: Procare Serviços de Saúde Ltda, Rio de Janeiro - RJ
Autores: Lima GMP, Aguiar K, Não informado C, Girard VF.

Objetivos: Identificar os pacientes em atenção domiciliar (AD) - HOME CARE (HC) que apresentem risco nutricional, avaliando a resposta terapêutica nutricional estabelecida, associando a recuperação do estado nutricional e a cicatrização das úlceras por pressão (UPP) e o resultado da terapia estabelecida, no ano 2012. Materiais e Métodos: Avaliação retrospectiva de dados coletados no período de jan a dez 2012, obtidos durante o acompanhamento, onde analisou-se total de 76 pacientes em AD. foram avaliados os dados da admissão na AD. Na visita do nutricionista, com frequência quinzenal ou mensal, realizou-se a coleta de dados referente a avaliação antropométrica e história clínica para definição de diagnóstico nutricional IMC, circunferência de braço e circunferência de panturrilha, específico para internação domiciliar (ID), de acordo com a literatura. Todos os pacientes foram admitidos com indicação de TND após período de hospitalização. A primeira avaliação era feita na admissão ao domicílio e era mantido acompanhamento quinzenal ou mensal pelo nutricionista. Todos os pacientes recebiam avaliação antropométrica, a conduta nutricional foi validada em consenso médico e reavaliada nas visitas nutricionais, sendo definido o uso de dietas hipercalóricas e hiperproteicas, em TNE ou TNO com acréscimo de suplementos nutricionais. Resultados: Foram avaliados 76 pacientes, com idade 73,03±11,85,37 (48.7%) sexo feminino e 39 sexo masculino. As doenças neurológicas predominavam (72%). 59 (77.6%) pacientes foram admitidos com gastrostomia (GTT) e 17 pacientes eram alimentados exclusivamente por via oral, inicialmente. Destes, 9 necessitaram a realização de GTT durante o acompanhamento. 20 (26.3%) eram desnutridos pelo IMC e 47(61.8%) pela CB na avaliação inicial. Considerando os dados antropométricos, verificamos que obtivemos melhora do EN em 29 (38.2%) casos, manutenção do EN em 29 (38.2%) casos e 18(23.6%)casos apresentaram piora evolutiva do EN. o tipo de dieta oferecida foi: 27 (35.5%) DA, 18 (23.6%) DI e 31 (40.8) DAS. Dos pacientes que apresentaram piora do EN, 15 (83.3%) faziam DA, 3 faziam das e nenhum fazia DI. A oferta calórica era 1437±275 kcal/dia, com oferta proteica de 1,2±0,06 g/kg. As UPP eram bastante prevalentes na população, sendo que 44 (57.9%) as apresentavam na avaliação inicial e apenas 10 (13.2%) não cicatrizaram suas UPP após 6 meses de acompanhamento. 8 desenvolveram as UPP durante a AD e 2 permaneciam em AD. Conclusão: Evidenciou-se que as NE industrializadas e os suplementos nutricionais em TNO foram essenciais para o sucesso do resultado. É de fundamental adequado suporte nutricional, com plano terapêutico específico, associado as condições clínicas, assim como a importância de reavaliações contínuas, visando atingir metas estabelecidas, recuperação do estado nutricional e auxiliar no processo cicatrização UPP. Unitermos: Internação Domiciliar, Idosos, Terapia Nutricional, Ulceras por Pressão, Home Care.

PC065 - AVALIAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E NUTRICIONAL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL EM PARNAMIRIM/RN NO ANO DE 2012

Instituição: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN
Autores: Moura GF, Rocha IMG, Dantas MB, Costa TCPN, Bezerra RA.

Objetivos: O presente trabalho tem por objetivo avaliar o perfil epidemiológico dos pacientes atendidos pelo Programa de Suplementação e dispensação de fórmulas infantis no municípío de Parnamirim/RN no ano de 2012. Materiais e Métodos: A coleta de dados se deu por meio de análise dos prontuários de submissão e acompanhamento no programa, sendo selecionado os 44 pacientes inclusos no ano de 2012. Avaliou-se a prevalência de sexo, idade e diagnóstico clínico, além do perfil nutricional, através dos dados de peso e altura para a realização do IMC. Resultados: Através da coleta e análise dos dados observou-se que a média de idade dos pacientes atendidos foi de 42,25 anos, com prevalência de 56% de beneficiados do sexo feminino. O diagnóstico clínico de maior prevalência para indicação de suporte nutricional foi Câncer, seguido de intolerância à lactose. Com relação ao perfil nutricional encontrou-se que 42% apresentavam-se eutróficos e 23% com desnutrição. Conclusão: O presente trabalho foi de imensa importância, pois possibilitou ao setor de nutrição do município tomar as medidas relacionadas aos casos mais pertinentes. Unitermos: Câncer, Avaliação Nutricional, Epidemiologia.

PC066 - AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR DIFERENTES MÉTODOS EM IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL MILITAR DE NATAL - RN

Instituição: Hospital Naval de Natal, Natal - RN
Autores: Lira NRD, Morais TLSA, Tinôco LS.

Objetivos: Comparar métodos de avaliação nutricional para detecção precoce de desnutrição em idosos internados em um Hospital Militar de Natal - RN. Materiais e Métodos: Estudo descritivo de delineamento transversal, desenvolvido com pacientes idosos a partir dos 60 anos, de ambos os sexos, internados em um hospital militar de Natal/RN. Realizado no período de março a abril de 2013. Foram avaliados os idosos com até 72 horas de internação, pelos métodos da Mini Avaliação Nutricional Reduzida (MAN Reduzida), Circunferência da Panturrilha (CP) e Contagem Total de Linfócitos (CTL). A avaliação pela MAN Reduzida dos idosos que não se apresentavam conscientes e orientados, foi auxiliada por familiares ou acompanhantes. Para a circunferência da panturrilha, foi considerado como limite de eutrofia os valores > 31cm e como marcador de desnutrição valores d" 31 cm (Coelho et al., 2006). Quanto a avaliação bioquímica, foram colhidas os parâmetros linfócitos totais e leucócitos, para determinação da CTLs (Sampaio e Mannarino, 2002). A análise dos dados se deu por meio de estatística descritiva, utilizando o Excel 2010. Resultados: A população analisada compreendeu 27 idosos, sendo 8 destes excluídos do estudo, devido a ausência ou impossibilidade de coleta de dados. Dos 19 idosos avaliados 58% eram do sexo feminino e 42% eram do sexo masculino. A média de idade foi de 85 anos, sendo a idade mínima 60 anos e a máxima de 94. Segundo a MAN Reduzida, 42% dos participantes foram classificados com estado nutricional normal, 32% com risco de desnutrição e 26% apresentavam-se desnutridos. A avaliação da CP mostrou que 63% dos idosos estavam desnutridos, e 37% eutróficos. De acordo com os valores da CTL, verificou-se que 63% dos idosos apresentaram depleção leve, 16% não apresentaram depleção, 10,5% encontravam-se com depleção moderada e, igualmente, 10,5% com depleção grave. Dos métodos avaliados, a CP e a CTL foram mais sensíveis na detecção de desnutrição nos idosos avaliados, em relação à MAN reduzida. Conclusão: Os métodos CP e CTL são os mais sensíveis para detecção de desnutrição nos idosos avaliados. Por outro lado, embora tenha indicado desnutrição, a CP não classificou o grau em que se encontravam, o que pôde ser avaliado através da classificação da CTL. Este último, dessa forma, mostrou-se como um método rápido e prático para avaliação e classificação do estado nutricional dos idosos hospitalizados. Unitermos: Idosos, Desnutrição, Circunferência da Panturrilha, Contagem Total de Linfócitos, MAN.

PC067 - RELAÇÃO DO ESTRESSE OXIDATIVO COM AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES

Instituição: Faculdade Santa Terezinha Cest, Sao Luis - MA
Autores: Furtado SSC.

Objetivos: Os danos induzidos pelos radicais livres podem afetar muitas moléculas biológicas, incluindo os lipídeos, as proteínas, os carboidratos e as vitaminas presentes nos alimentos. As espécies reativas de oxigênio também estão implicadas nas várias doenças humanas. O objetivo do presente trabalho é descrever o estresse oxidativo, suas causas e a relação com as doenças cardiovasculares. Materiais e Métodos: A revisão bibliográfica do presente estudo foi elaborada a partir de artigos completos de revisão, estudos de coorte retrospectivos e prospectivos e monografias relacionadas a humanos, publicados em inglês e português nas bases de dados Lilacs, Pubmed, Google Acadêmico e Scielo. Os artigos foram encontrados através de pesquisas utilizando as seguintes palavras-chaves: "estresse oxidativo", "radicais livres", "consequências do estresse oxidativo", "causas do estresse oxidativo", exercício físico e estresse oxidativo", envelhecimento e estresse oxidativo", "teorias do envelhecimento". Foi utilizado um intervalo de sete anos (2004-2011) de publicação dos estudos utilizados para a elaboração dessa revisão de literatura. Obedecendo à metodologia proposta, foram encontrados 15 artigos que serviram para o embasamento teórico e explanatório deste estudo. Resultados: O estresse oxidativo decorre de um desequilíbrio entre a geração de compostos oxidantes e a atuação dos sistemas de defesa antioxidante. A geração de radicais livres e/ou espécies reativas não radicais é resultante do metabolismo de oxigênio. Com isso pode levar ao surgimento de várias doenças como o câncer, doenças pulmonares, cardiovasculares, entre outras. Conclusão: O resultado mostra que a formação de radicais livres é essencial para o funcionamento do organismo, entretanto é necessário manter o equilíbrio entre a produção de radicais livres e as defesas antioxidantes, para que haja o estresse oxidativo, e assim provocando o aparecimento de várias doenças. Unitermos: Estresse Oxidativo, Radicais Livres, Doenças Cardiovasculares.

PC068 - COMPARAR MÉTODOS DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL PARA DETECÇÃO PRECOCE DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL MILITAR DE NATAL - RN

Instituição: Hospital Naval de Natal, Natal - RN
Autores: Lira NRDL, Morais TLSAM, Tinôco LST.

Objetivos: Comparar métodos de avaliação nutricional para detecção precoce de desnutrição em idosos internados em um Hospital Militar de Natal - RN. Materiais e Métodos: Estudo descritivo de delineamento transversal, desenvolvido com pacientes idosos a partir dos 60 anos, de ambos os sexos, internados em um hospital militar de Natal/RN. Realizado no período de março a abril de 2013. Foram avaliados os idosos com até 72 horas de internação, pelos métodos da Mini Avaliação Nutricional Reduzida (MAN Reduzida), Circunferência da Panturrilha (CP) e Contagem Total de Linfócitos (CTL). A avaliação pela MAN Reduzida dos idosos que não se apresentavam conscientes e orientados, foi auxiliada por familiares ou acompanhantes. Para a circunferência da panturrilha, foi considerado como limite de eutrofia os valores > 31cm e como marcador de desnutrição valores d" 31 cm (Coelho et al., 2006). Quanto a avaliação bioquímica, foram colhidas os parâmetros linfócitos totais e leucócitos, para determinação da CTLs (Sampaio e Mannarino, 2002). A análise dos dados se deu por meio de estatística descritiva, utilizando o Excel 2010. Resultados: A população analisada compreendeu 27 idosos, sendo 8 destes excluídos do estudo, devido a ausência ou impossibilidade de coleta de dados. Dos 19 idosos avaliados 58% eram do sexo feminino e 42% eram do sexo masculino. A média de idade foi de 85 anos, sendo a idade mínima 60 anos e a máxima de 94. Segundo a MAN Reduzida, 42% dos participantes foram classificados com estado nutricional normal, 32% com risco de desnutrição e 26% apresentavam-se desnutridos. A avaliação da CP mostrou que 63% dos idosos estavam desnutridos, e 37% eutróficos. De acordo com os valores da CTL, verificou-se que 63% dos idosos apresentaram depleção leve, 16% não apresentaram depleção, 10,5% encontravam-se com depleção moderada e, igualmente, 10,5% com depleção grave. Dos métodos avaliados, a CP e a CTL foram mais sensíveis na detecção de desnutrição nos idosos avaliados, em relação à MAN reduzida. Conclusão: Os métodos CP e CTL são os mais sensíveis para detecção de desnutrição nos idosos avaliados. Por outro lado, embora tenha indicado desnutrição, a CP não classificou o grau em que se encontravam, o que pôde ser avaliado através da classificação da CTL. Este último, dessa forma, mostrou-se como um método rápido e prático para avaliação e classificação do estado nutricional dos idosos hospitalizados. Unitermos: Idosos, Desnutrição, Circunferência da Panturrilha, Contagem Total de Linfócitos, MAN.

PC069 - PARÂMETROS ANTROPOMÉTRICOS E DE COMPOSIÇÃO CORPORAL EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA

Instituição: Faculdade de Saúde Pública- USP, São Paulo - SP
Autores: Berhard MCC, Barros NERP, Castro AS, Araujo COD, Verde SML, Damasceno NRT.

Objetivos: Avaliar parâmetros antropométricos e de composição corporal em mulheres com câncer de mama.
Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo observacional, quantitativo e transversal, realizado com mulheres atendidas em um centro de referência em oncologia na cidade de Fortaleza-CE. Foram selecionadas por conveniência, de modo consecutivo e não probabilístico 66 pacientes, sendo distribuídas em Grupo I (casos) - pacientes com câncer de mama (n = 32); Grupo II (controle) - pacientes sem câncer de mama (n = 34) no período de Julho a Dezembro de 2012. Foram incluídas no grupo I, mulheres maiores de 19 anos, sem tratamento antineoplásico prévio e no Grupo II mulheres sem neoplasias prévias e que não tenham recebido orientação nutricional anterior. Para avaliação antropométrica foram utilizadas as medidas de peso atual (PA) e habitual (PH), altura, circunferência da cintura (CC) e o índice de massa corporal (IMC). Avaliou-se a composição corporal por bioimpedância elétrica. A análise estatística foi realizada com auxílio do programa SPSS versão 20.0 e considerados significativos os valores de p<0,05. Resultados: No grupo I o peso médio foi 67,9kg (±11,0) e no grupo II, de 65,3kg (±10,5), sem diferenças significativas (p=0,35). Porém, entre as paciente casos verificou-se aumento de 1,8kg entre o PA e o PH. Com relação ao IMC, a média do grupo I foi de 27,9kg/m² (±4,7) e do grupo II foi de 26,8kg/m²(±4,0), semelhantes entre os dois grupos (p=0,30). Avaliando o estado nutricional, se observou prevalência de sobrepeso e obesidade de 43,8% e 31,1%, respectivamente no grupo I. No grupo II, maior frequência de eutrofia e sobrepeso, com prevalência de 35,3% e 47,1%, respectivamente. O percentual de gordura corporal foi de 36,1% (±4,7) e 34,6% (±4,8) nos grupos I e II, respectivamente, estando acima do recomendado. Para os percentuais de massa magra os valores foram 64,1% (±4,7) e 65,3% (±4,8) nos grupos I e II, respectivamente. Conclusão: Pacientes com câncer de mama apresentaram maior média de peso, aumento de peso em relação ao peso habitual e maior média de IMC. A classificação segundo o IMC nessas pacientes mostrou prevalência de obesidade. Maiores valores de Massa Gorda e menores de Massa Magra foram encontrados no grupo de mulheres com câncer de mama. Unitermos: Câncer de Mama, Antropometria, Composição Corporal.

PC070 - PERFIL NUTRICIONAL DE MÃES DE RECÉM-NASCIDOS PREMATUROS ACOMPANHADOS NO PROJETO CANGURU

Instituição: UNIFOR, Fortaleza - CE
Autores: Bezerra LTC, Aquino CC, Henrique EMV, Araujo RVC, Albuquerque SP, Alencar E.S.

Objetivos: Avaliar o perfil nutricional de mães de prematuros acompanhados no Projeto Mãe Canguru. Materiais e Métodos: Tratou-se de um estudo transversal descritivo de abordagem quantitativa. O estudo foi realizado de fevereiro de 2011 a abril de 2012, envolvendo mães de recém-nascidos prematuros que se encontravam internadas no alojamento conjunto do Projeto Canguru da Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC). Os dados foram obtidos através de entrevistas com aplicação de um instrumento, que continha informações referentes aos aspectos sócio-econômicos (idade, ocupação, habitação, escolaridade e renda familiar), história reprodutiva e doenças associadas na gravidez. Para diagnóstico nutricional utilizou-se o índice de Massa Corporal (IMC) e na avaliação do consumo alimentar utilizou-se um questionário de frequência alimentar. Resultados: A faixa etária prevalente foi de 19-24 anos. A maioria das entrevistadas era casada ou viviam em um relacionamento estável, não trabalhavam fora de casa, tinham a renda de um salário mínimo e não concluíram o ensino fundamental e médio. Constatou-se que a maioria das mães estava na sua primeira gestação e que não tiveram nenhum aborto. Evidenciou-se que no período que vai da 32ª a 37ª semana gestacional houve maior ocorrência de patologias e que a mais comum foi a hipertensão arterial. As maiores frequências alimentares diárias foram, sal e óleo ambos com 100%; arroz (97,8%); feijão (76,1%); açúcar (73,9%); pão (67,4%); café (65,2%); margarina (60,9%). Em relação à RDA (Recommended Dietary Allowances) e a UL (Upper Intake Levels), 10,9% apresentavam a vitamina A acima do recomendado, 95,7% acima do recomendado de vitamina C, 97,8% estavam com a quantidade de ferro abaixo do recomendado e 100% delas estavam adequadas em relação ao cálcio. Conclusão: Mais da metade destas mulheres não trabalha fora de casa, estão no primeiro filho e não tiveram aborto. Os micronutrientes encontram-se inadequados e a alimentação está pobre em fruta e verduras, inadequada no uso de óleos, gorduras e açúcares. Unitermos: Perfil Nutricional, Nutrizes, Consumo Alimentar.

PC071 - IDENTIFICAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTE EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO AMBULATORIAL, EM BELÉM - PA

Instituição: Hospital Ophir Loyola, Belém - PA
Autores: Miranda TV, Neves FMG, Costa GNR, Menezes MA.

Objetivos: Verificar o diagnóstico nutricional e qualidade de vida de pacientes oncológicos em tratamento quimioterápico ambulatorial em um hospital de referência na cidade de Belém - PA. Materiais e Métodos: Estudo transversal, descritivo, observacional, no periodo de janeiro de 2012, cuja avaliação nutricional antropométrica, foi realizada por meio índice de massa corporal, circunferência do braço, circunferência muscular do braço e prega cutânea triciptal e foi calculado o percentual de perda de peso. Para avaliação da qualidade de vida foi utilizado o questionário QLQ-C30 (Quality of Life Questionnaire), validado pela Organização Europeia de Pesquisa e Tratamento do Câncer. Resultados: Foram avaliados 60 pacientes, sendo 68,3% do sexo feminino (p<0,05), com idade média de 52,7 anos (± 14,6). Em relação ao diagnóstico, verificou-se maior frequência de neoplasia ginecológica (28,3%), mama (18,3%) e trato gastrointestinal e cabeça e pescoço, ambos, com 16,7% cada. Por meio do IMC, 50% dos pacientes estavam eutróficos, pelo CB, PCT e CMB, 45,0%, 41,%5 e 40% dos pacientes respectivamente, foram identificados com presença de desnutrição; em relação à alteração de peso nos últimos seis meses, observou-se que 26,7% dos pacientes apresentaram perda de peso grave. O que mais afetou a qualidade de vida foi a função emocional, evocando sentimentos como raiva, perda e baixa auto-estima, ocasionando impacto relevante na satisfação da qualidade de vida. Ao analisar o escore do estado geral de saúde/QV, de acordo com o tipo de câncer verificou-se menor escore para os portadores de neoplasia de cabeça e pescoço, com média de 8.9000 (±3,03) e maior escore para os pacientes com neoplasia de mama, sendo a média 12,60 (±1,42). Conclusão: Obteve-se elevada depleção do estado nutricional nos parâmetros que avaliam o compartimento de massa muscular, além de baixos escores nos parâmetros de avaliação da qualidade de vida, o que irá refletir no tratamento e estado nutricional destes pacientes, demonstrando a importância da assistência multiprofissional nesta população. Unitermos: Diagnóstico Nutricional, Qualidade de Vida, Oncologia.

PC072 - PERFIL NUTRICIONAL NOS DOIS PRIMEIROS ANOS DE VIDA DE CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE SÃO LUIS - MA

Instituição: Faculdade Santa Terezinha Cest, São Luis - MA
Autores: Furtado SSC.

Objetivos: Teve como objetivo encontrar o período de aleitamento materno exclusivo dessas, o tipo de alimentos oferecidos e o estado nutricional dessas crianças. Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa quantitativa e estudo de caráter secundário, observacional, transversal, prospectivo e descritivo realizado num hospital público da cidade de São Luís, Maranhão. A pesquisa foi realizada nos meses de agosto e setembro de 2010. A população do estudo é constituída por crianças de 0 a 24 meses de ambos os sexos com pneumonia e diarreia internadas nos leitos do Hospital da Criança. Foi utilizado um questionário dividido em etapas, planejado para obter as informações necessárias à realização do estudo. O questionário foi composto por informações antropométricas como peso e altura, o tempo de amamentação e os alimentos consumidos pelas crianças e a frequência em que eram oferecidos. Resultados: Observou-se que o período predominante do aleitamento materno exclusivo, foi em crianças menores de um mês (28,57%). O chá e a água foram consumidos por 64,71% das crianças menores de 06 meses, verduras e bebidas com açúcar foram consumidos respectivamente por 92% e 88% das crianças entre 6 e 24 meses. De acordo com a relação entre a classificação do estado nutricional e o período do aleitamento materno exclusivo, foram encontradas 09 crianças eutróficas. Conclusão: Foi possível concluir que apesar do período de aleitamento materno exclusivo ser interrompido de forma muito precoce, alimentos de baixo valor nutricional serem oferecidos às crianças de 0-24 meses, grande parte das crianças estudadas estão eutróficas, não apresentam déficit de crescimento e não encontram-se desnutridas. Unitermos: Aleitamento Materno Exclusivo, Alimentação Complementar, Estado Nutricional.

PC073 - ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES CRÍTICOS EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL ADMITIDOS EM UM HOSPITAL DE URGÊNCIA

Instituição: Universidade Federal de Sergipe, Aracaju - SE
Autores: Rocha BRS, Santos CBA, Costa ML, Cardoso BCN.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional dos pacientes críticos admitidos na área vermelha do Hospital de Urgência de Sergipe. Confrontar o tempo para início da Terapia Nutricional Enteral com o estado nutricional. Materiais e Métodos: Foi realizada avaliação nutricional em 29 pacientes admitidos na ala vermelha de um hospital de urgência público, os dados foram coletados no período de 30 dias ininterruptos. A avaliação nutricional dos pacientes realizou-se nas primeiras 24 após a admissão na ala vermelha, medida importante para identificar a desnutrição nas suas fases iniciais, visto que durante o internamento a depleção do estado nutricional é factível, conforme observamos no IBANUTRI (1996), que demonstrou que desnutrição hospitalar atingia 61% após períodos de internamento superiores 15 dias. Para a avaliação do estado nutricional foram coletados dados sobre diagnóstico, tempo para início da dieta, exame físico, circunferência do braço, hemoglobina, hematócrito, ureia e creatinina. Foi traçado um perfil do quadro clínico, das condições na admissão e estado nutricional inicial. Resultados: Foram encontrados dados diagnósticos que coadunam com a maior preocupação da OMS, 83% dos internamentos críticos foram por doenças crônicas como base, como AVC e AVE, provocados por HAS, DM descompensado, insuficiência renal, câncer em fase terminal. Em segundo lugar, os traumas (acidentes), com 10%, as doenças infecciosas (HIV) perfizeram 7%. Em relação ao perfil, 62% eram homens, 38%, mulheres, entre os quais 62% era idosos, 31% adultos e 7% adolescentes, estes últimos por acidentes de motocicleta. O início da Terapia Nutricional Enteral (TNE) foi precoce, 86% até 48h de internamento. A TNE precoce foi importante, pois 51% dos pacientes encontrava-se desnutrido de acordo com a adequação da circunferência do braço, 41% apresentava depleção muscular e adiposa ao exame físico, 43% apresentava anemia, 24% foram admitidos desidratados. No total, 45% dos pacientes foram admitidos com um processo de desnutrição instalado. Conclusão: No Brasil as doenças crônicas constituem a principal causa de morte para a população adulta e idosa, infelizmente estamos nos encaminhando para cumprir as projeções da OMS que até 2015 haverá um aumento de 22% para as mortes por DC. Enquanto, os acidentes automobilísticos acometem a população jovem. Pacientes com patologias crônicas são hospitalizados já em desnutrição, comprometendo a recuperação. Unitermos: Desnutrição Hospitalar, Terapia Nutricional Enteral, Paciente Crítico.

PC074 - INVESTIGAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE IMPACTO NUTRICIONAL E ESTADO NUTRICIONAL EM PACIENTES, REALIZANDO TERAPIAS ANTINEOPLÁSICAS

Instituição: Hospital Ophir Loyola, Belém - PA
Autores: Miranda TV, Neves FMG, Costa GNR, Menezes MA.

Objetivos: Verificar a presença de sintomas de impacto nutricional em pacientes oncológicos durante o tratamento antineoplásico e a correlação com o estado nutricional. Materiais e Métodos: Estudo transversal, descritivo, observacional, realizado no período de outubro a novembro de 2011, no Hospital Ophir Loyola, em Belém-Pará. Realizou-se avaliação nutricional, por meio do índice de massa corporal, circunferência do braço, circunferência muscular do braço, prega cutânea triciptal e percentual de perda de peso. Foi também verificada a presença de sintomas de impacto nutricional relacionados ao tratamento antineoplásico. Resultados: Foram avaliados 60 pacientes, com idade média de 52,7 anos (± 14,6), sendo 68,3% do sexo feminino (p<0,05), destes, 53,3% realizavam tratamento quimioterápico adjuvante, 38,3% neoadjuvante e 8,3% realizavam quimioterapia paliativa (p<0,0001); 28,3% realizavam quimioterapia associada a radioterapia. Verificou-se maior frequência de neoplasia ginecológica (28,3%), mama (18,3%) e trato gastrointestinal (16,7%).Na avaliação nutricional, obteve-se 50% de eutrofia por meio do IMC, 45,0%, 41,%5 e 40% pelo CB, PCT e CMB,respectivamente. obteve-se 26,7% de perda de peso grave nos pacientes avaliados. Entre os sintomas decorrentes do tratamento, verificou-se que 88,3% dos pacientes apresentavam pelo menos um efeito colateral (p<0,0001), sendo mais frequente náuseas (65%), disgeusia (60%), fadiga (55%), inapetência 53,3%), xerostomia (50%) e vômitos (40%).Verificou-se associação entre náuseas, inapetência, xerostomia e presença de desnutrição. Conclusão: Embora metade da população tenha sido identificada com eutrofia pelo IMC, obteve-se alta depleção nutricional nos demais parâmetros avaliados, além de percentual considerável de sintomas de impacto nutricional, observando-se correlação positiva entre os que podem ser fatores limitantes na ingesta alimentar, contribuindo para o comprometimento nutricional nesta população. Unitermos: Estado Nutricional, Sintomas de Impacto Nutricional, Terapias Antineoplásicas.

PC075 - TERAPIA NUTRICIONAL NO PÓS-TRANSPLANTE CARDÍACO

Instituição: Hospital Dr Carlos Alberto Studart Gomes, Fortaleza - CE
Autores: Bezerra LTC, Araújo RVC, Aguiar IL, Vasconcelos GG, Alencar ES, Neto JDS.

Objetivos: O padrão ouro no tratamento da insuficiência cardíaca classe III ou IV é o transplante cardíaco. O cuidado nutricional é direcionado ao controle dos efeitos metabólicos da terapia imunossupressora. O objetivo do presente estudo é demonstrar a intervenção nutricional em paciente pós-transplante cardíaco com quadro de caquexia apresentando úlcera por pressão grau I. Materiais e Métodos: Paciente, M.P.S., 27 anos, sexo feminino, diagnostico de MCP, pós-operatório de DAV, transplante cardíaco e úlcera por pressão. Foi utilizado suporte nutricional hipercalórico, hiperproteico, adequado em macro e micronutrientes, enriquecido com imunomoduladores, no período de 14 de março a 16 de abril de 2013.Utilizou-se Harris Benedict, fator injúria para traumas múltiplos e caquexia. Realizou-se monitoramento antropométrico, por meio da adequação da dobra cutânea triciptal e das circunferências do braço e muscular do braço, IMC, e percentual de gordura corporal, evidenciado pelo somatório das dobras cutâneas triciptal, biciptal, subescapular e supra-ilíaca. Para o cálculo do Plano Alimentar estabelecido foi utilizada a Tabela de Equivalentes de Alimentos, segundo Philippi(2005), condizente com as necessidades nutricionais. Foram consideradas preferências e aversões alimentares, bem como intercorrências clínicas referentes à terapia medicamentosa imunossupressora. Resultados: A paciente foi submetida ao transplante cardíaco, realizou cinco sessões de plasmaférese e recuperou a integridade da epiderme em região sacral. Ao exame físico constatou-se melhora nos sinais de desnutrição. Observou-se pela aferição das medidas antropométricas ganho de peso por quilograma corporal e de massa magra, ocorrendo variação positiva das circunferências do braço e muscular do braço de 12,36% e 14%, respectivamente; o incremento de gordura subcutânea chegou a 2,5% considerando a aferição da dobra cutânea triciptal correlacionando com o efeito positivo do somatório das quatro dobras de 3,1%. O diagnóstico nutricional ascendeu de desnutrição grave a moderada. As ofertas calórica e proteica variaram de 2297 a 2453,5 kcal/dia e de 2,7 a 4,4g/ptn/kg de peso ao dia. Conclusão: A terapia nutricional agressiva torna-se efetiva para o ganho de massa magra e recuperação tecidual em detrimento da recuperação da gordura subcutânea em pacientes submetidos ao transplante cardíaco. Comprovando que a intervenção nutricional é valiosa na contribuição para um bom prognóstico e melhora da qualidade de vida desses individuos. Unitermos: Transplante Cardíaco, Terapia Nutricional Imunomuduladora, Caquexia.

PC076 - PROTOCOLO PARA INICIALIZAÇÃO DE SUPLEMENTAÇÃO ORAL EM ADULTOS E IDOSOS EM UM HOSPITAL DE NATAL - RN

Instituição: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN
Autores: Silva JGS, Rocha IMG, Dantas MBVC, Nascimento SB, Souza KF.

Objetivos: O presente trabalho tem como objetivo, determinar um protocolo de introdução de suplementação nutricional oral (SNO) em adultos e idosos para os pacientes hospitalizados em um hospital de Natal/RN, com o intuito de direcionar as prescrições dessa terapia para obtenção de resultados mais eficiente. Materiais e Métodos: Para a construção deste trabalho foi realizada uma revisão da literatura sobre a temática, considerando os descritores: suplementos orais, indicação de suplemento, protocolo de suplementação e prescrição nutricional. A determinação de risco nutricional e indicação de suplementação oral foram determinadas baseando-se nas analises antropométricas de IMC e percentual de perda de peso involuntária (%PP), bem como a ingestão alimentar (IA) e presença de intercorrências gastrointestinais, além da recusa de nutrição por sonda nasoenteral. Bem como, selecionadas doenças que apresentam uma maior probabilidade dos pacientes apresentarem risco nutricional. Resultados: Considerou-se que o SNO deveria ser associado à dieta via oral sempre que o paciente apresente um ou mais dos seguintes critérios: IMC < 18,5 kg/m², %PP acima que 10% nos últimos 6 meses, baixa IA, não atingindo 75% das recomendações nutricionais há mais de 5 dias ou < 60% de suas necessidades nutricionais por 3 dias consecutivos, disfagia, anorexia e, recusa de sonda nasoenteral. De acordo com o estado nutricional, seria importante avaliar para pacientes eutróficos, a baixa IA (< 75%) há mais de 5 dias consecutivos e %PP de 5% (últimos 3 meses); para pacientes desnutridos, o IMC < 18,5 kg/m², circunferência da panturrilha >31 cm, circunferência do braço > p 25; e para pacientes acima do peso, baixa IA (< 75%) há mais de 10 dias consecutivos e %PP acima de 10% (últimos 6 meses). Além disso, entre as patologias/condições clínicas que representam risco nutricional, encontrou-se: Câncer, Diabetes Mellitus, Insuficiência Renal e Respiratória, DPOC, problemas ou cirurgias gastrointestinais, transtornos alimentares, AIDS, pré e pós-operatório de grandes cirurgias e fratura da bacia. Conclusão: A execução do trabalho possibilitou identificar os critérios de risco nutricional, as principais patologias e condições clínicas de maior risco nutricional no hospital do estudo, o que permitiu direcionar terapias nutricionais mais eficazes no serviço e garantir um aporte nutricional adequado aos pacientes atendidos. Unitermos: Suplementação Oral, Terapia Nutricional, Protocolos Nutricionais, Desnutrição Hospitalar.

PC077 - AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL POR MEIO DE PARÂMETROS ANTROPOMÉTRICOS EM PACIENTES ONCOLÓGICOS REALIZANDO TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

Instituição: Hospital Ophir Loyola, Belém - PA
Autores: Miranda TV, Neves FMG, Costa GNR, Menezes MA.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional de pacientes oncológicos em tratamento quimioterápico, por meio de diferentes indicadores antropométricos. Materiais e Métodos: Estudo transversal, descritivo e observacional, realizado em um hospital de referencia em oncologia, em Belém - Pará, com pacientes adultos realizando tratamento quimioterápico. A avaliação nutricional antropométrica, foi realizada por meio do Índice de Massa Corporal (IMC), foram também aferidas as medidas da Circunferência do Braço (CB), Circunferência Muscular do Braço (CMB) e Prega Cutânea Triciptal (PCT),foi verificada também alteração ponderal e calculado o Percentual de Perda de Peso (%PP).Todos os resultados da avaliação antropométrica, após suas respectivas classificações, foram agrupados em presença de desnutrição, eutrofia e presença de excesso de peso. Resultados: Foram avaliados 60 pacientes, destes, 68,3% eram do sexo feminino (p<0,05), com idade média de 52,7 anos (± 14,6). Em relação ao diagnóstico, verificou-se maior frequência de neoplasia ginecológica (28,3%), mama (18,3%) e trato gastrointestinal e cabeça e pescoço, ambos, com 16,7% cada. Por meio do IMC, 50% dos pacientes estavam eutróficos, pelo CB, PCT e CMB, 45,0%, 41,%5 e 40% dos pacientes respectivamente, foram identificados com presença de desnutrição; na avaliação da alteração de peso nos últimos seis meses, observou-se que 26,7% dos pacientes apresentaram perda de peso grave. Conclusão: Observou-se elevado percentual de depleção nos parâmetros que avaliam o compartimento muscular, além do elevado percentual de perda de peso grave, demonstrando a necessidade de intervenção nutricional durante o tratamento. Unitermos: Estado Nutricional, Quimioterapia, Depleção de Compartimento Muscular.

PC078 - ESTUDO COMPARATIVO DE MÉTODOS DE TRIAGEM NUTRICIONAL EM PACIENTES ONCOLÓGICOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL ESPECIALIZADO DA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

Instituição: Uopeccan, Cascavel - PR
Autores: Lauffer SCI, Eckert RG, Beal R, Becker D, Cunha Junior AD, Sakr M.

Objetivos: O objetivo deste trabalho foi realizar a triagem nutricional de pacientes adultos com diagnóstico de câncer, internados em um hospital especializado, por meio das ferramentas NRS, 2002 e ASG. Materiais e Métodos: Este estudo caracteriza-se como exploratório e qualitativo, onde foram incluídos apenas pacientes adultos, com diagnóstico de câncer, admitidos na instituição para tratamento clínico e/ou cirúrgico, e excluídos pacientes que já estavam internados a mais de 48 horas. Foram realizadas medidas antropométricas necessárias para as ferramentas de triagem adotadas. Para aferição do peso corpóreo foi utilizado uma balança eletrônica portátil disponibilizada na beira do leito. A estatura foi aferida por meio da envergadura de cada paciente, utilizando uma fita métrica inelástica. Após a coleta destes dados, todos os pacientes foram triados utilizando duas ferramentas: Avaliação Subjetiva Global e NRS. Resultados: Foram avaliados 50 pacientes sendo 36% (18) do sexo masculino e 64% (32) do sexo feminino, sendo a idade média de 38±10,02 anos. Verificou-se que a ASG é mais sensível, ou ainda, detecta melhor indivíduos com carência nutricional, quando comparado aos resultados obtidos pela NRS. Na ASG 54% da amostra tinha desnutrição enquanto na NRS apenas 38% dos indivíduos apresentava risco nutricional. Esta afirmativa, porém, não pode ser comprovada para os pacientes com diagnóstico de câncer na região de cabeça e pescoço, sugerindo que novos estudos são necessários para verificar a melhor ferramenta para triagem nutricional destes indivíduos. Conclusão: A Avaliação Subjetiva Global detectou mais precocemente os indivíduos com comprometimento do estado nutricional, quando comparada ao teste da NRS. Entretanto, para pacientes com câncer na região de cabeça e pescoço a NRS detectou melhor estes indivíduos, sugerindo a necessidade de novos estudos para confirmar esta hipótese. Unitermos: Triagem Nutricional, Oncologia, Estado Nutricional.

PC079 - ELABORAÇÃO DE REGISTRO FOTOGRÁFICO DE PORÇÕES ALIMENTARES PARA USO NA PRÁTICA CLÍNICA EM AMBULATÓRIOS DO MUNICÍPIO DE NATAL - RN

Instituição: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN
Autores: Silva JGS, Rocha IMG, Dantas MBVC, Dantas RF, Azevedo GE, Evangelista KCMS.

Objetivos: O presente manual foi organizado com o intuito de avaliação do consumo alimentar de pacientes atendidos em ambulatórios do município de Natal - RN, bem como auxiliar os profissionais nutricionistas a demonstrarem para seus pacientes as porções de alimentos a serem consumidas. Materiais e Métodos: Para a construção deste trabalho tomou-se como referência o registro fotográfico desenvolvido por Zaboto et al (1996) e o livro de relação de medidas caseiras de Tomita e Cardoso (2002). A partir das gramaturas dessas duas referências, foi realizado um apanhado dos alimentos mais consumidos pelos pacientes dos locais: Ambulatório de Nutrição da Unidade de Saúde Familiar e Comunitária do Centro de Ciências da Saúde (CCS); Ambulatório do Serviço de Cirurgia da Obesidade e Doenças Relacionadas do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL); e na Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC), e então, feitas as preparações, pesadas as porções em balança digital e tiradas as fotografias. Resultados: Foram apresentados no registro fotográfico os utensílios comumente utilizados (colheres, copos e xícaras) e os alimentos foram divididos de acordo com os grupos alimentares. Para o grupo dos cereais, raízes e tubérculos, foram demonstradas as medidas caseiras e a analise química dos alimentos: arroz refogado, arroz de leite, batata doce, biscoito raiva, bolacha sertaneja, bolo simples, cuscuz, farofa, inhame, macarrão, macaxeira cozida e papa de aveia. Quanto às leguminosas: feijão e grão de bico. Para as frutas: abacaxi, mamão, melancia, melão e uva. Para as hortaliças, analisou-se a salada crua (alface e tomate), tomate, vinagrete, alface e couve. Em relação aos leites e derivados, os queijos: de coalho, manteiga, minas frescal, ricota, além do requeijão. Quanto às carnes, considerou-se a carne assada e moída, frango assado e cozido e peixe frito, além de outros alimentos como a castanha de caju, castanha do pará e granola. Conclusão: A elaboração do trabalho possibilitou uma maior precisão nas respostas aos questionamentos referentes à avaliação do consumo alimentar dos pacientes dos ambulatórios em estudo, auxiliando os profissionais nutricionistas e os pacientes destes locais e comprovando que o registro fotográfico de porções alimentares configura-se como ferramenta eficaz nos inquéritos alimentares e na prática clínica. Unitermos: Porções Alimentares, Registro Fotográfico, Consumo Alimentar, Medidas Caseiras.

PC080 - ESTILO DE VIDA E ESTADO NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DE UM HOSPITAL ESCOLA

Instituição: Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, Belém - PA
Autores: Torres RS, Pinho PM, Costa JCSM, Lobato TAA, Costa ACS, Gomes MN.

Objetivos: Avaliar o estilo de vida e o estado nutricional de trabalhadores de um Hospital Escola. Materiais e Métodos: A pesquisa é de caráter transversal e analítico, realizada na Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (FHCGV), localizado em Belém do Pará. A coleta de dados ocorreu no ano de 2011, com uma amostra constituída por 56 trabalhadores do FHCGV, de ambos os sexos. Por meio de um formulário de pesquisa foi realizada a anamnese onde foram coletados dados referentes à identificação: sexo e idade; ao perfil socioeconômico: faixa etária, renda familiar, situação conjugal, escolaridade; ao estilo de vida: etilismo, tabagismo e prática de atividade física; a antropometria: peso, estatura, índice de massa corporal (IMC), e a circunferência da cintura (CC). O peso foi obtido com uma balança mecânica e à estatura foi mensurada com estadiômetro acoplado a mesma. A CC foi mensurada com fita métrica não extensível. Os dados coletados foram analisados no Bioestat versão 5.0. Foi aplicado o teste estatístico Quiquadrado para comparação de proporções com nível de significância de 5% (p<0,05). Resultados: Foram avaliados 56 trabalhadores. Na tabela 01, constatou-se que houve diferença significativa entre as categorias das variáveis pesquisadas. Em relação à faixa etária, a maioria, 61% estava na faixa dos 31 a 40 anos. Quanto à renda familiar observou-se que a maioria 72% dos entrevistados ganhava até três salários mínimos. Com relação à escolaridade, 59 % apresentava nível médio. Na Tabela 2 constatou-se que houve diferença significativa entre as categorias relacionadas ao tabagismo, predominando 79% de trabalhadores que nunca fumaram. No que se refere ao etilismo e a atividade física, apesar de não haver diferença estatisticamente significativa entre as categorias, observou-se que a maioria, 52% referiu ingestão alcoólica e 61% sedentarismo. Na tabela 03 são apresentados dados que classificam o estado nutricional, observou-se que houve diferença significativa entre as categorias do IMC com predomínio de indivíduos com excesso de peso 64%. Observou-se ainda que apesar de não ter diferença significativa entre as categorias da CC, quase metade, 48%, apresentaram obesidade abdominal. Conclusão: Pode-se concluir que a maioria dos trabalhadores estava com alterações no estado nutricional e no estilo de vida. Isso pode estar contribuindo para estes funcionários apresentaram fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas. Isso ratifica a necessidade de intervenção nutricional imediata, com ações voltadas ao estímulo de hábitos saudáveis, como forma de prevenir tais comorbidades. Unitermos: Estilo de Vida, Estado Nutricional, Antropometria.

PC081 - MELHORIA DA ADEQUAÇÃO CALÓRICA ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DO PROTOCOLO DE NUTRIÇÃO PARENTERAL EM PACIENTES CRÍTICOS

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo - SP
Autores: Freitas BJ, Shima M, Santos KFF, Piovacari SMF, Ferraz L, Figueiredo E.

Objetivos: Avaliar o impacto de um protocolo de progressão de nutrição parenteral para pacientes críticos. Materiais e Métodos: Estudo conduzido na UTI geral adulto de hospital terciário. Protocolo consiste em prescrição médica da NPT e tipo de fórmula; sinalização da nutricionista para definir volume inicial pela enfermagem; avaliação e cálculo do Valor Calórico Total (VCT); inicio em 50% da meta estipulada e coleta de exames (eletrólitos) para controle. No segundo dia a NPT é evoluída para 75% VCT e no terceiro, para 100%, se exames normais. No caso de exames alterados não se evolui a NPT e são corrigidos os distúrbios hidroeletrolíticos. Protocolo implantado em Maio 2012. Análise retrospectiva foi realizada para comparar o período pré-implantação (Janeiro/Maio 2012) e pós-implantação (Junho/Dezembro 2012). Todos os pacientes que iniciaram NPT foram incluídos. Requerimento nutricional foi calculado na admissão dos pacientes na UTI através de fórmula de bolso. Calorias recebidas foram expressas como percentual de adequação no terceiro dia após início da NPT, em relação à meta calórica programada. Resultados: A adequação da meta calórica antes do protocolo foi de: 43% dos pacientes com NPT receberam menos 80% VCT; 39% receberam 80% a 100% e 18% receberam mais de 100% em relação à meta calórica. Após o protocolo os resultados foram: 24% dos pacientes com NPT receberam menos 80% VCT; 73% receberam 80% a 100% e 3% receberam mais de 100%. Conclusão: A implantação do protocolo foi associada com a melhora da adequação calórica da nutrição parenteral, contribuindo para a redução da subnutrição e superalimentação. Estes resultados demonstram a importância do processo de padronização e treinamento da equipe em relação aos cuidados de Terapia Intensiva para melhorar a qualidade e segurança do paciente crítico. Unitermos: Nutrição Parenteral, Terapia Nutricional, Protocolo Progressão, Paciente Crítico.

PC082 - PREVALÊNCIA DE INDICADORES RELACIONADOS À SÍNDROME METABÓLICA EM TRABALHADORES DE UM HOSPITAL ESCOLA

Instituição: Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, Belém - PA
Autores: Torres RS, Pinho PM, Guterres AS, Coutinho DB, Costa JCSM, Figueira YL.

Objetivos: Verificar a prevalência de indicadores relacionados à síndrome metabólica em trabalhadores de um Hospital Escola. Materiais e Métodos: A pesquisa é de caráter transversal e analítico, realizada na Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (FHCGV), localizado na área metropolitana de Belém do Pará. A coleta de dados ocorreu no ano de 2011, com uma amostra constituída por 56 trabalhadores do Serviço de Nutrição e Dietética do FHCGV, de ambos os sexos. Por meio de um formulário de pesquisa foi realizada a anamnese onde foram coletados dados referentes à identificação: sexo e idade; aos exames laboratoriais: glicemia de jejum, lipoproteína de alta densidade (HDL), e triglicerídeos (TG); a pressão arterial (PA); e a antropometria: circunferência da cintura (CC). Os parâmetros utilizados para o diagnóstico da Síndrome Metabólica (SM) foram os do International Diabetes Federation: IDF (2006).Os dados coletados foram analisados no Bioestat versão 5.0.Foi aplicado o teste estatístico Qui-Quadrado para comparação de proporções. Foi adotado o nível de significância de 5% (p<0,05). Resultados: Foram avaliados 56 trabalhadores. Na tabela 1, constatou-se que houve diferença significativa entre as categorias das variáveis pesquisadas. Em relação à faixa etária, a maioria, 61% estava na faixa dos 31 a 40 anos. Quanto à renda familiar observou-se que a maioria 72% dos entrevistados ganhava até três salários mínimos. Com relação à escolaridade, a maioria 59 % apresentava nível médio. A tabela 2 faz referência apenas aos trabalhadores que apresentaram obesidade abdominal, elevação da PA e anormalidades nos exames laboratoriais de HDL, TG e glicemia. A partir da mesma, constatou-se que houve diferença significativa entre os trabalhadores que foram positivos e negativos para SM em todas as variáveis pesquisadas. Assim, pode-se notar que do total de indivíduos avaliados que apresentaram valores para HDL abaixo do normal, 75% apresentaram SM; dos indivíduos que possuíam índices elevados de TG, 60% foram positivos para SM; dos que apresentaram PA alterada, 79% deles tinham SM; dos que possuíam valores de glicemia elevados, 82% apresentaram SM. Conclusão: Pode-se concluir que a maioria dos trabalhadores que estava com alterações nos parâmetros bioquímicos, PA e CC, apresentava Síndrome Metabólica. Desta forma, essa situação de saúde inadequada pode estar contribuindo para estes funcionários apresentaram agravos à saúde cada vez maiores. Isso ratifica a necessidade de intervenção nutricional imediata, com ações voltadas ao estímulo de hábitos saudáveis. Unitermos: Síndrome Metabólica, Saúde, Trabalhadores

PC083 - ASSOCIAÇÃO ENTRE INDICADORES DE OBESIDADE E TRIGLICIREDEMIA DE HIPERTENSOS PARTICIPANTES DO HIPERDIA, MACEIÓ - AL

Instituição: Universidade Federal de Alagoas, Maceió - AL
Autores: Macêdo PFC, Vasconcelos SML.

Objetivos: avaliar a associação entre obesidade corpórea, obesidade abdominal e o aumento dos triglicerídeos séricos. Materiais e Métodos: Foi conduzido um estudo transversal com 42 indivíduos selecionados a partir do banco de dados do estudo intitulado "Hábitos alimentares, ingestão de nutrientes e consumo de alimentos relacionados à proteção e risco cardiovascular em uma população de hipertensos do município de Maceió-AL" realizado em 2010/2011. Foram selecionadas informações antropométricas (peso, altura, índice de massa)e bioquímicas (triglicerídeos séricos e glicemia) para compor o banco de dados da presente pesquisa. Inicialmente, calculou-se as médias e desvios padrão para variáveis continuas, bem como foi obtida a frequência de algumas variáveis categóricas em seus pontos de corte. Anova e o teste qui quadrado foi usados para avaliar associação entre as variáveis. Resultados: Na amostra estudada todos os indivíduos eram portadores de HAS. Predominou o sexo feminino (73,8%) e idade superior a 60 anos (61,9%). Em relação aos indicadores antropométricos de obesidade foi visto que 35,7% dos indivíduos foram classificados como excesso de peso e 50% como obesos. A maior parte da amostra (95,24%) apresentava circunferência da cintura associada ao alto risco cardiovascular. O perfil metabólico revelou frequência significativa de hipertrigliceridemia (59,5%,). Ao medir a força de associação entre as variáveis estudadas e a chance de ter hipertrigliceridemia, foi visto associação positiva para idade acima de 60 anos (OD=1,88), porém a circunferência da cintura elevada e sobrepeso/obesidade não mostraram correlações positivas (OD = 0,56 e 0,7, respectivamente). Apesar dessas constatações, nenhuma associação entre as variáveis foi considerada estatisticamente significante (p>0,05). Conclusão: Apesar de não terem sido encontradas associação positiva entre indicadores de obesidade e hipertrigliceridemia é válido destacar que grande parte da amostra tinha tanto excesso de peso quanto circunferência da cintura elevada, bem como frequência significativa de hipertriglicedemia, sendo necessário amostra mais representativas e eliminação ao máximo de possíveis vieses. Unitermos: Dislipidemias, Hipertensão, Obesidade.

PC084 - HÁBITOS ALIMENTARES DE IDOSAS COM DIFERENTES CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS: HÁ DIFERENÇAS?

Instituição: Hospital das Clinicas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife - PE
Autores: Silva MS, Queiroz PM, Araujo ILSB, Silva BNS.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional, consumo de hortaliças e frutas, ingestão de água e frequência das refeições em idosas participantes de clubes sociais da terceira idade. Materiais e Métodos: Estudo transversal, realizado com idosas de dois diferentes clubes da cidade do Recife-Brasil. O primeiro, localizado num bairro de elevado poder aquisitivo da cidade e, o segundo, de baixo poder aquisitivo. Aplicou-se um questionário, sobre aspectos relacionados ao socioeconômico (idade, renda mensal) e aos hábitos alimentares (consumo semanal de hortaliças e frutas, ingestão de água e frequência das refeições diárias). Além da avaliação antropométrica, onde foram medidos o peso e a altura, calculado o IMC e seguindo a classificação de Lipschitz (1994). Resultados: O estudo foi composto por 81 idosas (47/clube privado e 34/público), de 60 a 92 anos. As idosas dos clubes privado e público apresentaram 14,89% e 44,11% < de 1 salário mínimo e 85,11% e 55,89% ³ 1 salário mínimo, respectivamente. Em relação a avalição antropométrica, observou-se o baixo peso (17,02% e 11,76%), a eutrofia (25,53% e 44,12%) e o sobrepeso em (57,45% e 44,12%), das participantes do clube privado e público, respectivamente. A maior frequência do consumo (4 a 7vezes na semana) de hortaliças ocorreu em 56,7% no público e 95,8% no privado. Enquanto para as frutas, 50% no público e 100% no privado consumiam-as de 4 a 7 vezes na semana. A ingestão de água (> 5 copos/dia) foi referida por 47% e 49% no público e privado, respectivamente. Entre as seis refeições diárias, houve diferença significativa para o lanche da manhã, público 33% e privado 62% (p= 0,015) e lanche da tarde, público 33% e privado 60% (p= 0,025). Conclusão: Observa-se que os percentuais de excesso de peso foram predominantes nos dois grupos. As idosas do clube privado apresentaram uma maior frequência no consumo de frutas/hortaliças, além de maior fracionamento das refeições diárias. Os achados sugerem intervenções/políticas nutricionais mais direcionadas para as características socioeconômicas desse grupo populacional. Unitermos: Idosas, Fatores Socio-economicos, Hábitos Alimentares.

PC085 - ÍNDICES ANTROPOMÉTRICOS X ALBUMINA NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM CARDIOPATIA CONGÊNITA: AVALIAÇÃO DA ACURÁCIA E RELAÇÃO COM DESFECHOS PÓS-OPERATÓRIOS

Instituição: Instituto de Cardiologia do RS, Porto Alegre - RS
Autores: Poloni S, Lentz S, Vian I.

Objetivos: Avaliar a relação de marcadores de estado nutricional (índices antropométricos e nível sérico de albumina) com a mortalidade hospitalar (desfecho primário) e o tempo de internação, taxa de complicações, tempo de ventilação mecânica e parâmetros gasométricos (desfechos secundários) no pós-operatório de cirurgia cardíaca em crianças com cardiopatias congênitas. Materiais e Métodos: Estudo longitudinal. Incluídas crianças de até 5 anos internadas para cirurgia cardíaca eletiva. Excluídos portadores de outras patologias e/ou síndromes genéticas. Avaliadas as variáveis pré-operatórias: peso para idade (P/I), estatura para idade (E/I), índice de massa corporal para idade (IMC/I) e nível sérico de albumina na internação; e pós-operatórias: óbito intra-hospitalar, tempo de internação total e dias de UTI, tempo de ventilação mecânica (VM), parâmetros gasométricos, presença de infecção e de complicações renais, respiratórias, cardíacas/hemodinâmicas e neurológicas. Os dados antropométricos foram classificados em escore Z no software Anthro v3.2.2. Resultados: Incluídos 115 pacientes (55% sexo masculino; mediana de idade: 13 meses); 51,3% apresentavam cardiopatias acianóticas. Na internação, as medianas de escore Z foram: -0,98 (P/I), -0,90 (E/I) e -0,89 (IMC/I). A frequência de escore Z < -2 foi de 31% para P/I, 28% para IMC/I e 27% para E/I. Apenas 5,5% dos pacientes apresentavam albumina <3,5mg/dL (mediana: 4,3mg/dL). Não houve diferença entre os parâmetros nutricionais conforme o tipo de cardiopatia. A taxa de mortalidade foi de 10,9%. Escores Z < -2 de P/I e IMC/I associaram-se a maior mortalidade (p<0,05). Os níveis de albumina não se associaram com os índices antropométricos ou com os desfechos. A pCO2 no pós-operatório imediato correlacionou-se inversamente com os escores Z de P/I (r-0,552, p=0,01) e E/I (r-0,521; p=0,01). Houve associação significativa entre a presença de desnutrição e complicações renais e cardíacas/hemodinâmicas no pós-operatório (p<0,05) e tendência de associação entre desnutrição e tempo de VM (p=0,07). Conclusão: A desnutrição é frequente e clinicamente relevante em crianças com cardiopatias congênitas - está associada à maior mortalidade e maior taxa de complicações hospitalares. Em nosso estudo, os melhores marcadores de estado nutricional foram os índices antropométricos P/I e IMC/I. A albumina não parece ser um bom indicador de desnutrição nesta população. Unitermos: Desnutrição, Albumina, Cardiopatias Congênitas, Antropometria, Avaliação Nutricional.

PC086 - CARACTERÍSTICAS CLÍNICO-NUTRICIONAIS DE MULHERES COM CÂNCER GINECOLÓGICO ATENDIDAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Instituição: Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife - PE
Autores: Silva MS, Queiroz PMA, Barbosa CMN, Oliveira SG.

Objetivos: Avaliar o perfil clínico-nutricional de mulheres com diagnóstico de câncer ginecológico atendidas em um hospital universitário. Materiais e Métodos: Estudo retrospectivo descritivo, com coleta de dados em prontuários e fichas de avaliação nutricional de pacientes internadas no HC/UFPE no período de fevereiro de 2012 a janeiro de 2013. As variáveis analisadas foram: idade, diagnóstico clínico, comorbidades, tratamento proposto, índice de massa corpórea (IMC), suporte nutricional e vias de administração. Os dados foram apresentados na forma de médias e desvio-padrão ou frequências absolutas e relativas. Resultados: Total de 48 pacientes, com idade média de 54,33 ± 13,14 anos e IMC médio de 29,04 ± 5,44 kg/m2. O câncer de colo de útero (56,0%) e o de ovário (21,0%) foram os diagnósticos mais frequentes, seguido do câncer de mama (13,0%), endométrio (8,0%) e vulva (2,0%), sendo observado em 10,0% da amostra câncer em estágio metastático. Em relação ao tratamento, 82,0% tinham indicação cirúrgica, 4,0% realizavam quimioterapia ou radioterapia, de forma isolada. Do total da amostra, 35% eram hipertensas e 15% hipertensas e diabéticas. Foram classificados de acordo com o IMC 27% obesas, 42% no sobrepeso, 27,0% eutróficas e 4% com baixo peso, conforme avaliação nutricional realizada no momento da admissão. Identificou-se que 96,0% receberam dieta via oral, 2,0% por sonda nasogástrica e 2,0% nutrição parenteral. O suporte nutricional foi ofertado em 16,0% da amostra, sendo o padrão hipercalórico/hiperproteico o mais utilizado (71,4%). Conclusão: Observa-se que a maioria dessas mulheres são adultas não jovens com excesso de peso, acometidas por tipo de câncer (colo de útero) de fácil prevenção. Além disso, foi comum a presença de doenças metabólicas associadas. Esses resultados sugerem a necessidade da assistência nutricional pós alta hospitalar. Unitermos: Câncer Ginecológico, Mulheres, Estado Nutricional.

PC087 - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE ESTATURA E A ESTATURA AFERIDA EM PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL ESPECIALIZADO DE FORTALEZA

Instituição: Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE
Autores: Carlos DMO, Montenegro JCG, Bezerra FMC, Dias MRMS, Cordeiro CGNC, Coelho GMP.

Objetivos: O presente estudo tem como objetivo comparar a estatura aferida e a estatura estimada em pacientes hospitalizados, identificando o método de estimativa que mais se aproxima da medida aferida. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal e analítico, realizado nos meses de abril e maio de 2012. Foram obtidas as medidas de estatura direta, altura do joelho, envergadura, hemienvergadura e altura recumbente. Os dados analisados foram descritos usando frequência percentual, média e desvio padrão e apresentados conforme o gênero e faixa etária. A estatística selecionada foi o teste T de Student para amostras pareadas. Resultados: Foram avaliados 100 pacientes entre 20 e 92 anos, com predomínio do sexo masculino (57%). No que se refere às médias globais da estatura aferida e estimadas dos pacientes, observou-se que a estatura aferida apresentou-se inferior a todas as demais medidas. Na faixa etária menor que 60 anos a estatura recumbente foi a medida mais adequada, enquanto que na faixa etária maior ou igual a 60 anos, a altura do joelho apresentou-se como a melhor medida de estimativa. No sexo masculino, nenhum dos métodos de estimativa mostrou-se equivalente à estatura aferida. Entre as mulheres, todas as estimativas de estatura foram equivalentes à estatura aferida em ambas as faixas etárias, com exceção da medida recumbente na faixa etária acima de 60 anos. As estimativas de estatura pela envergadura e hemienvergadura do braço, foram equivalentes à estatura aferida apenas para a população feminina. Conclusão: Pela análise estatística pode-se comprovar com relevância estatística, ou seja, com nível de acerto de 95%, que as estimativas de estatura pela altura do joelho e pela estatura recumbente foram as medidas que se mostraram mais equivalentes à estatura aferida em ambos os sexos e faixas etárias. Unitermos: Avaliação Nutricional, Antropometria, Estatura, Estimativa de Estatura

PC088 - COMPOSIÇÃO CORPORAL DE IDOSOS: ANÁLISE ATRAVÉS DA ANTROPOMETRIA E DA BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA

Instituição: Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE
Autores: Carlos DMO, Carvalho DN, Holanda IMM, Antunes MFR, França FCQ, Silva CAB.

Objetivos: O presente estudo tem como objetivo analisar a composição corporal de homens e mulheres, através dos métodos de antropometria e bioimpedância elétrica de idosos residentes em uma instituição geriátrica de Fortaleza. Materiais e Métodos: O estudo foi realizado nos meses de fevereiro e março de 2011 com 45 idosos institucionalizados. Foram consideradas as variáveis antropométricas: peso, estatura, índice de massa corporal, circunferências (braço, panturrilha, muscular do braço e área muscular do braço), dobras cutâneas (tricipital, bicipital, subescapular e suprailíaca), além do teste de bioimpedância elétrica. Os dados analisados foram descritos usando frequência percentual, média e desvio padrão e apresentados conforme o gênero. A estatística selecionada para comparação de médias foi a análise de variância com o teste Kruskal Wallis, adotada em função do uso da variável nominal gênero. Resultados: Entre os pesquisados 51% (23) eram mulheres. A média de idade de 72,20±30 anos para homens e 69±5,87 para mulheres. As médias do índice de massa corporal (27,03±6,31kg/m2), dobra cutânea tricipital (20,22±5,90mm) e % gordura pelas dobras cutâneas (38,79±4,20), além do % massa gorda pela bioimpedância (38,30±6,29), foram superiores nas mulheres. Em relação ao diagnóstico nutricional houve maior prevalência de eutrofia em quase todos os parâmetros antropométricos, seguida de obesidade no índice de massa corporal (15,6%) e circunferência do braço (17,8%), com predomínio nas mulheres e a dobra cutânea tricipital (20%) nos homens. Conclusão: Pode-se concluir que homens e mulheres idosos têm composição corporal diferente e que as mulheres apresentaram maior percentual de massa gorda pela antropometria e confirmada pela bioimpedância elétrica. Unitermos: Idoso, Avaliação Nutricional, Antropometria, Composição Corporal.

PC089 - ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO EM UM HOSPITAL ESCOLA DE PERNAMBUCO

Instituição: Hospital das Clínicas de Pernambuco, Recife - PE
Autores: Lima JCB, Arruda IKG, Ponzi FKAX.

Objetivos: Identificar o estado nutricional de pacientes com câncer de mama em tratamento quimioterápico, assim como suas principais queixas a fim de entender o ganho de peso, apesar do acompanhamento nutricional, em um hospital escola de Pernambuco. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo, realizado no período de julho a novembro de 2011. A coleta de dados foi realizada no setor de arquivos médicos (same). A seleção de prontuários encontrou 27 mulheres com diagnóstico de câncer de mama, em tratamento quimioterápico no ano de 2010 e acompanhadas pela nutricionista do serviço de quimioterapia do Hospital. Foram transcritas informações dos prontuários e registradas em formulário especialmente elaborado para o estudo. As informações incluíram dados sociodemográficos (sexo, idade, endereço residencial, escolaridade, renda das pacientes) colhidos a partir das entrevistas sociais; antropométricos (peso, altura); bioquímicos (colesterol total e suas frações, triglicerídios e a glicemia de jejum) e clínico (principais queixas gastrointestinais durante o tratamento) esses colhidos dos registros das consultas de nutrição. A base de dados foi compilada no programa Excel versão 2003. Para as análises estatísticas, foi empregado o SPSS versão 12.0. Resultados: Maior parte das pacientes apresentaram idade < 60 anos (66,7%), sendo a idade mínima encontrada de 38 anos e a máxima de 76 anos. A maioria era casada (40%) e do interior do estado (47,6%). A náusea, dentre os efeitos colaterais gastrointestinais ao tratamento, foi o de maior frequência entre as pacientes. Quanto ao perfil bioquímico das pacientes, esse se mostrou alterado na maioria dos parâmetros. Apenas o HDL - c teve em sua maioria (n = 10) se apresentado com níveis adequados. No caso da glicose de jejum e do triglicerídios houve semelhança nas proporções encontradas entre níveis adequados e não adequados. O Colesterol total (n=12) e a lipoproteína de baixa densidade (LDL -c) (n=13) foram os mais frequentemente alterados. No que diz respeito ao perfil antropométrico das pacientes, avaliado através do indicador IMC, temos que tanto nas mulheres adultas (< 60 anos) (74%), quanto nas idosas (>60 anos) o sobrepeso/obesidade (56%) foi mais prevalente. Quanto as pacientes que tiveram acompanhamentos nutricional (n = 14) durante o tratamento, 6 dessas mulheres tiveram aumento de peso. Conclusão: A obesidade e o ganho de peso foram fatores que acompanharam as pacientes de nossa amostra. No entanto a causa não ficou bem elucidada, podendo estar envolvido com diversos fatores como o estado nutricional prévio ao diagnóstico. Portanto o acompanhamento nutricional efetivo nessas pacientes é de suma importância para auxiliar no controle dos efeitos do tratamento e da doença. Unitermos: Estado Nutricional, Câncer de Mama, Quimioterapia, Colesterol, Ganho de Peso.

PC090 - OBESIDADE, PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE, DIABETES GESTACIONAL SUAS IMPLICAÇÕES CLÍNICAS E NUTRICIONAIS: UM ESTUDO DE CASO

Instituição: Maternidade Escola Assis Chateubriand, Fortaleza - CE
Autores: Nobre RG, Campos LF, Sousa VBG, Garcia MMCM, Frota JT, Meireles AVP.

Objetivos: Acompanhar e conhecer o desenvolvimento da combinação de diabetes gestacional, obesidade e pré-eclampsia na gestação e suas implicações clínicas nutricionais em uma gestante internada em uma maternidade pública de Fortaleza - Ceará. Materiais e Métodos: Para a coleta de dados, utilizaram-se informações de prontuário, Cartão da Gestante, Declaração de Nascido Vivo e relatos da própria paciente. Para a avaliação antropométrica utilizou-se balança previamente calibrada com antropômetro acoplado. Resultados: M. F. S., 39 anos, é procedente do interior, solteira, com ensino fundamental completo, dona-de-casa, sem antecedentes pessoais de patologia, apresentando 9 gestações e nenhum aborto. Durante os oito dias de internação, sua glicemia oscilou em níveis normais, considerando-se que neste período recebeu dieta com modificações para diabetes incluindo módulo de fibra solúvel nas refeições principais. A pressão arterial manteve-se oscilante, atingindo picos de 160 X 100 mmHg. A paciente foi submetida a parto cesárea, com feto à termo, sexo feminino, peso normal de 3.375 g, sem complicações clínicas. O estado nutricional pré-gravídico era de obesidade grau III (IMC= 46,61 kg/m2), que foi mantido na gestação (IMC = 49,46 kg/m2; 38 semanas), e no pós-parto (IMC = 45,66kg/m2), com ganho de peso total adequado (6 kg). A ingestão alimentar anterior a gestação era de 3004,63kcal/dia, com fracionamento e composição inadequados e deficiente em cálcio e vitamina D. O gasto energético total calculado para a gestante foi de 2.054,49 kcal/dia, e 107,8g/dia de proteína, 2g de sódio, e 30g de fibras. Conclusão: A paciente deixou o hospital em condições clínicas adequadas, com dieta específica para nutriz (2.035,77 kcal). Observou-se que o cuidado nutricional da paciente enquanto permaneceu na maternidade foi satisfatório e atendeu suas necessidades nutricionais de acordo com seu quadro clínico. Unitermos: Gestante, Obesidade, Diabetes Gestacional, Pré-eclâmpsia.

PC091 - PERFIL DE PACIENTES CIRÚRGICOS COM CÂNCER DE MAMA NO INSTITUTO DO CÂNCER DO ESTADO DE SÃO PAULO: FATORES DE RISCO E INGESTÃO DE GORDURAS

Instituição: ICESP, São Paulo - SP
Autores: Rolim SS, Rabechi NB, Cardenas TC, Alves-Almeida MMF.

Objetivos: Avaliar o perfil dos pacientes com diagnóstico de câncer (CA) de mama internados para cirurgia eletiva no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP); analisar os fatores de risco (FR) presentes e o consumo de gorduras saturada e poliinsaturada. Materiais e Métodos: Pacientes de uma das enfermarias cirúrgicas do ICESP, com CA de mama e internados para cirurgia eletiva em um período de 15 dias no mês de junho/2012. Observaram-se os fatores de risco: idade, peso (atual e anterior ao diagnóstico), histórico familiar de CA de mama, gestação, amamentação, menopausa e reposição hormonal. O consumo alimentar foi avaliado através de um Questionário de Frequência Alimentar validado para população brasileira e calculado em software VirtualNutri Plus. Resultados: Foram acompanhados 21 pacientes, todos do sexo feminino, sendo 61,4% com idade superior a 50 anos. Verificou-se que 67% das pacientes se encontravam em menopausa e 14% realizaram terapia de reposição hormonal. A maioria das mulheres (76%) passou por uma ou mais gestações e somente 12,5% não puderam amamentar. Anteriormente ao diagnóstico, 66,6% das pacientes apresentavam alteração do peso (sobrepeso/ obesidade). No pós-diagnóstico a prevalência foi a mesma para eutrofia, sobrepeso e obesidade. Analisando o consumo de gorduras, 57% das pacientes apresentou uma ingestão adequada de gordura total. Para os ácidos graxos saturados e poliinsaturados a adequação de consumo foi de 85,7% e 12,5%, respectivamente. A história familiar de CA de mama esteve presente em 38% das pacientes. Se comparados os grupos com presença ou ausência de histórico familiar de CA de mama, a inadequação do consumo de gorduras poliinsaturadas foi menor para o grupo que possuía casos na família, talvez demonstrando maior preocupação com a doença: 75% versus 92%. Conclusão: A idade, a presença de menopausa e o excesso de peso foram os FR mais prevalentes desta amostra. Ressalta-se a importância de prevenção de CA de mama por meio da adoção de uma alimentação saudável visando manutenção de peso corporal dentro dos padrões de eutrofia para a idade, e com aumento no consumo de gorduras poliinsaturadas dentro do padrão adequado de distribuição de gorduras totais. Unitermos: Neoplasia de Mama, Gordura Poliinsaturada, Gordura Saturada, Fatores de Risco.

PC092 - AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E FATORES QUE ALTERAM O ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DE UMA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICIPIO DE COLATINA - ES

Instituição: Centro Universitário do Espírito Santo - Unesc, Colatina - ES
Autores: Bastos JS, Dutra EC.

Objetivos: A pesquisa teve como objetivo avaliar o estado nutricional e fatores que alteram o estado nutricional de escolares de uma rede pública e privada do município de Colatina - ES. Materiais e Métodos: A amostra final foi constituída de 59 alunos de 7 a 10 anos de idade de um universo de 444 alunos matriculados em ambas as escolas. A coleta de dados antropométricos se deu a partir dos índices de peso, altura e circunferência da cintura, sendo peso e altura, classificados de acordo com parâmetros da OMS (2007) para crianças de 5 a 10 anos de idade como: P/I, E/I, IMC/I, a classificação da circunferência da cintura foi estabelecido segundo parâmetros de BECK et al apud Fernandéz (2007). Os pais e/ou responsáveis pelas crianças responderam um questionário baseado em Faria (2008) com perguntas sobre nível de escolaridade, renda média da família, alimentação saudável, situação profissional da mãe, tempo de aleitamento materno, alimentação complementar e peso ao nascer. Resultados: Da amostra final de 59 alunos foram encontrados 29 crianças com obesidade caracterizando (49,15%), 7 com sobrepeso, caracterizando (11,86%) e 23 com eutrofia (38,98%). Foi identificado que a maior parcela de crianças com excesso de peso foi encontrado na rede privada, cujos pais tinham melhores condições socioeconômicos e maior nível de escolaridade. Em contrapartida o maior percentual de eutrofia foi identificado na escola pública cujos pais apresentam menor renda média familiar, e menor nível de escolaridade. Conclusão: Os alunos da rede pública são beneficiados pelo Programa do Governo Federal PNAE, que incentiva através da alimentação a criação de hábitos saudáveis, assumindo importante papel na prevenção ao sobrepeso e obesidade na fase escolar. Ainda são poucos os programas para minimizar os efeitos do excesso de peso infantil, sendo de extrema importância a criação de ações de saúde para combate a obesidade. Unitermos: Excesso de Peso, Estado Nutricional, Escolares PC093 - DISTURBIO DE IMAGEM CORPORAL E COMPULSÃO ALIMENTAR EM GESTANTES ATENDIDAS EM UM AMBULATÓRIO DE ALTO-RISCO DE FORTALEZA - CEARÁ

Instituição: Maternidade Escola Assis Chateubriand, Fortaleza - CE
Autores: Nobre RG, Campos LF, Costa RMM, Garcia MMCM, Meireles AVP, Brito LC.

Objetivos: Investigar o comportamento alimentar e a percepção da imagem corporal em gestantes de alto risco atendidas em um ambulatório de uma maternidade pública de Fortaleza, Ceará. Materiais e Métodos: Estudo do tipo transversal retrospectivo com abordagem quantitativa, que abrangeu as gestantes obesas e com sobrepeso atendidas em primeira consulta no ambulatório de nutrição, nos meses de dezembro de 2010 a fevereiro de 2011. Para a coleta de dados utilizou-se um formulário pré-estabelecido e os questionários BSQ (Body Shape Questionnaire) e BES (Binge Eating Scale). Resultados: Analisou-se 28 gestantes, com média de 29,4±6,3 anos e idade gestacional média de 24,6±8,2 semanas. O resultado da aplicação do BSQ e do BES mostrou que 71,5% das mulheres apresentaram algum grau de distúrbio de imagem corporal e que 17,8% apresentavam compulsão alimentar moderada. Obteve-se uma correlação positiva e significativa entre BSQ e o BES. Conclusão: Observou-se, dentre a amostra estudada, uma alta taxa de insatisfação com o próprio corpo aliada a uma prevalência considerável de compulsão alimentar. Este quadro indica uma adaptação não favorável deste grupo às mudanças próprias da gestação, configurando, pois, um grupo de risco com necessidade de maior atenção por parte da equipe de profissionais. Unitermos: Gestantes, Imagem Corporal, Transtorno da Compulsão Alimentar.

PC094 - ALTERAÇÕES NA GLICEMIA CAPILAR E NA PRESSÃO ARTERIAL DE FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO REFERÊNCIA EM NEUROLOGIA E CARDIOLOGIA DO ESTADO DE PERNAMBUCO

Instituição: Hospital Pelópidas Silveira, Recife - PE
Autores: Lima JCB, Hipólito LSC, Vieira NFL, Silva EC, Silva LT.

Objetivos: Verificar alterações na glicemia capilar e na pressão arterial (PA) em funcionários de um hospital público referência em neurologia e cardiologia do estado de Pernambuco. Materiais e Métodos: Estudo do tipo transversal. Os dados foram coletados naqueles que se voluntariaram e neles aferidos a glicemia capilar e a pressão arterial. Foram coletados glicemias em 360 indivíduos e pressão arterial em 145 indivíduos. A população foi composta por adultos e idosos de ambos os sexos. Os dados coletados foram analisados usando o programa Microsoft Excel 2010. Os resultados foram estratificados de acordo com as Sociedades Brasileiras de Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus. Resultados: Das 360 amostras coletadas de glicemia capilar, 312 (87%) encontravam-se dentro da normalidade, e 48 (13%) acima dos valores normais, sete desses que obtiveram resultados de glicemia alterados declararam ser diabéticos, enquanto que os outros desconheciam suas alterações glicêmicas. As consequências do diabetes mellitus (DM) para a saúde incluem disfunções e falências em vários órgãos como rins, olhos, nervos e coração. Para as 145 medidas da pressão arterial verificaram-se 128 (88%) normais e 17 (12%) alteradas. A hipertensão arterial (HAS) é uma doença silenciosa o que dificulta seu diagnóstico precoce. É um dos principais fatores para o desenvolvimento das doenças cardiovasculares. Dentre as causas mais comuns associadas ao aparecimento da HAS temos obesidade, inatividade física, elevada ingestão de sódio e consumo abusivo de álcool. Conclusão: Apesar de parecer pequena a porcentagem de indivíduos com alterações na glicemia e na PA, a maior parte deles desconhecia pertencer essas condições. Assim, incentivos a programas institucionais com vista à prevenção e tratamento da HAS e DM, como também a pesquisas para identificar os principais fatores de risco, como má alimentação, em que está exposta nossa população devem ser realizados. Unitermos: Hipertensão Arterial, Diabetes Mellitus, Glicemia Capilar, Elevada Ingestão de Sódio.

PC095 - OS BENEFÍCIOS DO ACOMPANHAMENTO NUTRICIONAL EM PACIENTES PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA: RELATO DE CASO

Instituição: Centro Universitário do Espírito Santo - Unesc, Colatina - ES
Autores: Pereira CCA, Oliveira LRPN, Dutra EC.

Objetivos: Este estudo teve como objetivo descrever a importância do acompanhamento nutricional em pacientes pós operatório de cirurgia bariátrica por meio de um estudo de caso. Materiais e Métodos: O estudo foi elaborado por meio de um relato de caso quantitativo, de corte Transversal e conteve como base inicial a pesquisa bibliográfica, onde a obesidade e suas características foram destacadas. As informações relacionadas ao nutricionista e paciente foram coletadas por meio de entrevista aplicada a ambos os indivíduos, por meio dos entrevistados foram fornecidos exames bioquímicos e fórmulas para suplementação, os mesmos estão descritos abaixo por meio de tabelas e gráficos elaborados nos softwares Microsoft Word e Excel 7.0. Resultados: Com o acompanhamento nutricional foi possível controlar algumas deficiências de nutrientes, além de melhorias visíveis em relação á aparência dos cabelos, unhas menos quebradiças, melhoria na disposição execução de atividades diárias, manutenção do peso, além de melhorias nos resultados dos exames bioquímicos. Conclusão: Conclui-se que o profissional de nutrição atuou de forma eficaz, servindo como exemplo para outros tratamentos com pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. Unitermos: Cirurgia Bariátrica, Acompanhamento Nutricional, Benefícios da Nutrição no Pós-cirúrgico.

PC096 - FALHAS NOS REGISTROS ANTROPOMÉTRICOS DOS CARTÕES DA GESTANTE DE MULHERES ASSISTIDAS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE FORTALEZA - CE

Instituição: Maternidade Escola Assis Chateubriand, Fortaleza - CE
Autores: Nobre RG, Campos LF, Almeida PC, Garcia MMCM, Frota JT, Meireles AVP.

Objetivos: Avaliar os registros referentes a aspectos nutricionais dos cartões de pré-natal de puérperas internadas em uma instituição pública de Fortaleza - CE. Materiais e Métodos: Estudo transversal comparativo quantitativo realizado em uma maternidade pública de Fortaleza, envolvendo puérperas apresentando alguma patologia na gestação/parto/puerpério (grupo 1) ou saudáveis(grupo 2) internadas nos meses de maio e junho de 2011, que apresentavam cartão da gestante no prontuário. O preenchimento dos cartões foi avaliado a partir de um check-list baseado no modelo recomendado pelo Ministério da Saúde. Resultados: Analisou-se 221 puérperas, sendo 106 pertencentes ao grupo 1 e 115, ao grupo 2. Apenas 27,1% (n=60) da amostra apresentaram o modelo de cartão recomendado pelo Ministério da Saúde. A maioria dos cartões de pré-natal (67,4%, n=149) não apresentava a informação de peso pré-gravídico, e 39,8% (n=69), do parâmetro estatura. A idade gestacional apresentou-se com preenchimento incompleto em 26,2% (n=58) dos cartões, o peso atual, em 10,9% (n=24) e o gráfico de acompanhamento de peso apresentou-se não preenchido em 85,5% (n=189). Houve diferença significativa entre os grupos apenas com relação ao peso pré-gravídico, que apresentou maior preenchimento no grupo 1 (38,3%;n=44;p=0,005). Conclusão: Os resultados encontrados reforçam a necessidade da padronização dos modelos de cartão, de conscientização para o preenchimento completo e do acompanhamento nutricional no pré-natal. Unitermos: Puerpério, Cuidado Pré-natal, Nutrição Pré-natal, Gestante.

PC097 - AVALIAÇÃO DA INGESTÃO DA FARINHA DE AVEIA EM ADULTOS COM DIAGNÓSTICO DE CONSTIPAÇÃO INTESTINAL ATENDIDOS NA CLÍNICA UNESC SAÚDE NO MUNICÍPIO DE COLATINA - ES

Instituição: Centro Universitário do Espírito Santo - Unesc, Colatina - ES
Autores: Alves II, Oliveira LRPN, Dutra EC.

Objetivos: O presente trabalho visa avaliar a ingestão da farinha de aveia em adultos com diagnóstico de constipação intestinal, atendidos na Clínica Unesc Saúde no município de Colatina - ES, com o objetivo de verificar a eficácia dessa fibra no tratamento da constipação intestinal. Materiais e Métodos: A metodologia utilizada neste estudo se baseia em pesquisa experimental exploratória quantitativa, realizada por meio de um estudo clínico transversal envolvendo pacientes com diagnóstico de constipação intestinal, atendidos na Clínica Unesc Saúde. Este estudo foi realizado em duas etapas, de abril a junho de 2012 e teve como instrumento de pesquisa dois questionários para coleta dos dados. Resultados: Quanto ao grau de eficácia da farinha de aveia para tratamento da constipação intestinal nos pacientes avaliados, tem-se uma positividade de 93%, porém, melhores resultados foram conferidos quando aliados a ingestão de fibra, consumo adequado de líquidos e prática de atividade física. Conclusão: Para que se alcance sucesso na prevenção e tratamento dessa patologia, é necessário que haja uma reeducação alimentar baseada em uma dieta balanceada, a base de fibras, frutas, verduras, legumes e cereais integrais, assim como um maior consumo de líquidos e prática de atividade física, além de melhorar a constipação, esses fatores aliados conferem uma melhora significativa na qualidade de vida. Unitermos: Constipação Intestinal, Fibras Alimentares, Farinha de Aveia.

PC098 - A DOENÇA ENSINA SOBRE À SAÚDE: A INFLUÊNCIA DE HÁBITOS ALIMENTARES EM ESCOLARES ATENDIDOS NO PROGRAMA SAÚDE DO ESCOLAR EM MUNICÍPIOS DO AMAZONAS

Instituição: Universidade Federal do Amazonas, Manaus - AM
Autores: Paz AS, Souza CSM, Amaral JH.

Objetivos: Avaliar o consumo alimentar e estado nutricional de escolares na faixa etária de 9 anos, atendidos no programa saúde do escolar nos municípios de Itapiranga e Silves, Amazonas. Materiais e Métodos: Quanto à analise qualitativa, com caráter científico, seguindo o rigor para realizar a Análise Conteúdo, com o delineamento para responder o questionamento sobre o consumo e as escolhas dos alimentos. Sendo a análise de conteúdo por meio de eixo temático. Resultados: Todas crianças investigadas estavam com 9 anos de idade, sendo 145 do sexo feminino e 97 do sexo masculino. Na avaliação do estado nutricional, 56 % das crianças estavam eutróficas, 22%, com sobrepeso, 11%, com obesidade e 11% com baixo peso, de acordo com IMC/Idade, peso/altura a Circunferência de Cintura demonstrou que 55 % das crianças estavam dentro da recomendação para idade, porém 45% delas apresentaram valores elevados de circunferência. Os recordatórios alimentares tanto habitual quanto de 24h, evidenciaram elevado consumo de guloseimas, embutidos, enlatados e carboidratos refinados, baixo índice de fibras e elevando. Notou-se também alta ingestão de frituras, principalmente os peixes regionais. Os roteiros demonstraram muitas reclamações de azia e constipação. As crianças apresentaram resultados positivos nas avaliações realizadas com as dinâmicas. Conclusão: A população infantil estudada demonstrou que a cultura alimentar não faz parte do hábito diário. Apesar do alto índice de eutrofia, percebeu-se que pelos instrumentos que essas crianças apresentavam problemas de constipação, azia, sedentarismo e consumo de alimentos com baixa fonte de micronutrientes. Além do efeito de educação em saúde com crianças em consultório diminuir esses problemas. Unitermos: Consumo Alimentar, Estado Nutricional, Práticas Educativas.

PC099 - PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ADMITIDOS NA ENFERMARIA DE ONCO-HEMATOLOGIA DO INSTITUTO DO CÂNCER DO ESTADO DE SÃO PAULO - ICESP

Instituição: Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - ICESP, São Paulo - SP
Autores: Alvim RS, Ferrari MC, Cardenas TC, Trevisani VS, Silva VA.

Objetivos: Verificar o perfil nutricional e a incidência de desnutrição em pacientes internados pela onco hematologia em um hospital especializado em oncologia de São Paulo (SP). Materiais e Métodos: Foram avaliados 115 pacientes triados pelo Serviço de Nutrição e Dietética durante os anos de 2011, 2012 e janeiro e fevereiro de 2013. Essa amostra corresponde a 44,2% dos pacientes internados pela onco-hematologia e triados pelo SND e incluiu somente a primeira avaliação nutricional realizada para o paciente durante o período de internação nos anos supracitados. O SND triou, em média, no período 95,6% dos pacientes internados no setor. Foram selecionados pacientes com idade superior ou igual a 18 anos, de ambos os sexos. Utilizou-se o prontuário eletrônico do paciente para coleta dos dados do estudo. Para identificação do risco nutricional (RN) foi utilizada a Nutritional Risk Screening-NRS 2002, seguida da Avaliação Subjetiva Global-ASG, sendo A-não desnutrido, B-desnutrido moderado e C-desnutrido grave. O desfecho foi avaliado considerando como mês de referência abril/2013. Resultados: Dos 115 pacientes triados 39,1% apresentavam diagnóstico de linfoma, 45,2% leucemia e 15,6% mieloma múltiplo. A idade média é de 50,2 anos. Dos 115 pacientes avaliados, 80%apresentavam RN. Os pacientes em RN foram classificados em não desnutridos - 39,13%, desnutridos moderado - 39,13% e desnutridos grave - 1,74%. Em relação à porcentagem de perda ponderal, a média foi de 5,7% em 3 meses prévios a avaliação nutricional. Desta amostra de pacientes, analisando o desfecho, 54,8% mantém-se em tratamento antineoplásico (34,9% classificados como desnutridos), 44,34% foram a óbito (47,06% classificados como desnutridos) e 1,15% foram transferidos ao Núcleo Avançado de Cuidados Especias - NACE. Conclusão: O percentual dos pacientes internados na unidade da onco hematologia em risco nutricional é de 80%, sendo mais de 40% em desnutrição. Atualmente 54,78% estão em tratamento oncológico e 44,34% foram a óbito. Os resultados mostram que a ASG é uma ferramenta importante para o diagnóstico do estado nutricional dos pacientes onco hematológicos e pode ter relação com o prognóstico e o tratamento. Unitermos: Perfil Nutricional, Avaliação Nutricional, Onco Hematologia.

PC100 - ESTADO NUTRICIONAL DE FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO REFERÊNCIA EM NEUROLOGIA E CARDIOLOGIA DO ESTADO DE PERNAMBUCO

Instituição: Hospital Pelópidas Silveira, Recife - PE
Autores: Lima JCB, Hipólito LSC, Vieira NFL, Silva EC, Silva LT.

Objetivos: Identificar o estado nutricional, segundo o índice de massa corporal (IMC) dos funcionários de um hospital público referência em neurologia e cardiologia do estado de Pernambuco. Materiais e Métodos: Estudo do tipo transversal. A amostra foi composta por 154 indivíduos adultos, com idade entre 18 e 53 anos, de ambos os sexos. Foram avaliados aqueles que se voluntariaram e neles aferidos peso e altura para obtenção do IMC. Os dados coletados foram analisados usando o programa Microsoft Excel 2010. Foram considerados indivíduos com excesso de peso todo aquele que apresentou IMC acima de 25 kg/m², segundo recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1997. Resultados: Dos 154 funcionários analisados, 38 eram do sexo masculino e 116 do feminino. A média de idade foi de 32,9 anos, a da altura de 1,63 metros, a do peso de 70,35 quilos e a do IMC foi de 27,1 kg/m². Segundo a análise do IMC, 2% apresentaram baixo peso, 37% eutrofia, 36% sobrepeso e 25% obesidade. Temos então que a maior parte (61%) de nossa amostra apresentou excesso de peso o que nós revela um dado preocupante. Sabe-se que esse dado relevante não é exclusividade dessa instituição, segundo a mais recente Pesquisa de Orçamento Familiar (POF 2008/2009) temos que no Brasil a prevalência de excesso de peso é 48% para o sexo masculino e 50,1% para o sexo feminino. A POF ainda comparou os dados com os de outros inquéritos anteriormente realizados, e concluiu que essa prevalência aumento em três vezes em 34 anos para o sexo masculino e quase que o dobrou para o sexo feminino. Conclusão: Concluímos que, a maior parte dos funcionários avaliados encontrava-se com excesso de peso. A obesidade é uma doença crônica multifatorial e que se apresenta como fator de risco para outras doenças crônicas. Estamos dentro de um quadro grave de saúde pública e incentivo a programas institucionais com vista a prevenção e tratamento da obesidade devem ser realizados. Unitermos: Sobrepeso, Obesidade, Avaliação Nutricional

PC101 - DIETA NAS DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS: O QUE OS PACIENTES SABEM?

Instituição: Universidade Federal da Bahia, Salvador - BA
Autores: Factum CS, Rocha R, Santos LS, Menezes CA, Coqueiro F, Santana GO.

Objetivos: Esse estudo teve como objetivo avaliar o conhecimento de um grupo de pacientes com diagnóstico de doença inflamatória intestinal (DII) sobre os cuidados nutricionais específicos. Materiais e Métodos: Estudo descritivo tipo corte transversal realizado com pacientes adultos que tinham diagnóstico confirmado de DII e estavam sendo acompanhados ambulatorialmente, no período de Agosto e Dezembro de 2012. Analfabetos ou analfabetos funcionais foram considerados como não elegíveis para participação no estudo. Um questionário de conhecimentos composto por questões objetivas foi aplicado para avaliar o conhecimento prévio dos participantes sobre a alimentação para pacientes com DII. Dados clínico-nutricionais também foram coletados por meio de investigação de prontuário e avaliação nutricional antropométrica. Resultados: Dos 53 pacientes, 24 tinham doença de Crohn (DC) e 27 retocolite ulcerativa (RU). A média de idade foi 41,6 ± 8,5 anos. O sexo feminino (64,7%), a escolaridade acima do ensino médio completo (66,7%), a remissão da doença (86,3%), e a eutrofia (DC=58,3%;RU=53,9%), predominaram. Entretanto, encontraram-se percentuais elevados de excesso de peso (DC=37,5%;RU=48,1%). A maioria dos pacientes com RU nunca tiveram contato com nutricionistas (55,6%), enquanto muitos pacientes com DC já havia realizado consulta nutricional (66,7%). As respostas sobre nutrição foram semelhantes entre os grupos e a maioria dos participantes acreditava que: A dieta é importante na DII (DC=91,7%;RU=88,9%); portadores de DII podem consumir fontes alimentares de fibras (DC=70,8%;RU=66,7%); leite, doces e repolho podem piorar os sintomas na fase ativa (DC=100,0%;RU=70,4%); as restrições alimentares adotadas na fase ativa deveriam ser mantidas até na remissão (DC=54,2%;RU=55,6%). Para maioria dos com DC (58,3%), deve-se preferir hortaliças cozidas, já para aqueles com RU deve-se optar por cruas e cozidas (51,9%). Conclusão: Esse estudo mostra que pacientes com DII apresentam diversas crenças alimentares e podem adotar restrições dietéticas que os predispõem a um maior risco nutricional, independente do tipo da doença (DC ou RU); sendo necessário expandir o monitoramento e a intervenção nutricional, visto que a dieta desempenha um papel-chave no tratamento e qualidade de vida de pacientes com DII. Unitermos: Doença Inflamatória Intestinal, Nutrição, Crenças Alimentares.

PC102 - LATICÍNIOS NAS DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS: VISÃO DO PACIENTE

Instituição: Universidade Federal da Bahia, Salvador - BA
Autores: Factum CS, Rocha R, Santos LS, Menezes CA, Coqueiro F, Santana GO.

Objetivos: Esse estudo teve como objetivos identificar a frequência de restrição de laticínios e avaliar o conhecimento sobre o consumo de leite e derivados em um grupo de pacientes com diagnóstico de doença inflamatória intestinal (DII). Materiais e Métodos: Estudo descritivo tipo corte transversal. Pacientes com diagnóstico de DII, acompanhados ambulatorialmente no período de Agosto e Dezembro de 2012, que seriam submetidos a teste de intolerância à lactose (IL). Analfabetos ou analfabetos funcionais foram considerados como não elegíveis para participação no estudo. Um questionário de conhecimentos composto por questões objetivas foi aplicado para avaliar o conhecimento prévio dos participantes sobre a alimentação para pacientes com DII. Dados clínico-nutricionais também foram coletados por meio de investigação de prontuário e avaliação nutricional antropométrica. Resultados: Dos 53 pacientes, 24 tinham doença de Crohn (DC) e 27 retocolite ulcerativa (RU). A média de idade foi 41,6 ± 8,5 anos. A remissão da doença (86,3%) e a eutrofia (DC=58,3%;RU=53,9%), predominaram. A maioria dos pacientes com RU não teve contato prévio com nutricionista (55,6%), enquanto muitos com DC já haviam realizado consulta nutricional (66,7%). As respostas sobre laticínios foram semelhantes entre os grupos e a maioria acreditava que: A importância do leite é ser a melhor fonte de cálcio e contribuir para saúde óssea (DC=87,5%; RU=88,9%); deve-se excluir leite de vaca da alimentação quando há diarreia, dor abdominal e IL (DC=100%; RU=92,6%); deve-se evitá-lo na fase ativa da DII (DC=83,3%; RU=74,1%); na presença de IL, não podem ingerir nenhum alimento que contenha leite (DC=66,7%; RU=55,6%). Vários pacientes, após diagnosticados com DII, excluíram ou reduziram a ingestão de laticínios (DC=45,8%; RU=37%); destes, 81,8% dos pacientes com DC e 50% dos com RU relataram que foi por orientação de profissional de saúde, sendo o médico o profissional mais frequente (DC=77,8%; RU=60%). Conclusão: A restrição de laticínios por pacientes com DII é frequente, mesmo sem diagnóstico prévio de intolerância à lactose, e na maioria das vezes incentivada pelos próprios profissionais de saúde. Unitermos: Doença Inflamatória Intestinal, Nutrição, Crenças Alimentares, Laticínio.

PC103 - VARIABILIDADE GENÉTICA, DOENÇAS CARDIOVASCULARES, APOLIPOPROTEINA A1 E INGESTÃO DE ÔMEGA-3

Instituição: Centro Universitário São Camilo, São Paulo - SP
Autores: Pellozo GGC, Horst MA.

Objetivos: Discorrer sobre as variações genéticas relacionadas às respostas individuais, à ingestão de ácidos graxos ômega-3 em parâmetros clínicos e de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Materiais e Métodos: Esta pesquisa caracteriza-se como revisão bibliográfica integrativa, relacionando os temas doenças cardiovasculares, ácidos graxos ômega-3 e polimorfismos. Este trabalho de revisão de literatura foi realizado com emprego da técnica booleana para a busca de material referente ao tema e objetivos determinados no presente trabalho, nos sites eletrônicos de confiabilidade científica como: Lilacs, Medline, Pubmed, Scielo e American Journal of Clinical Nutrition. A pesquisa em livros foi realizada por meio de visitas ao Sistema Integrado de Biblioteca Padre Inocente Radrizziane. A pesquisa bibliográfica inclui artigos originais, artigos de revisão e livros a partir de 2003. Foram excluídos artigos científicos cuja abordagem não estava adequada totalmente ao assunto. Desta forma, o desenvolvimento do trabalho foi elaborado sob a forma de capítulos que visa abranger o tema trazendo melhor compreensão sobre a DCV, alteração lipídica da dieta e a influência de polimorfismos genéticos. Resultados: A fisiopatologia de doenças cardiovasculares (DCV) é a aterosclerose e fatores determinantes formam relação entre manifestações cardiovasculares, risco genético e fator ambiental. A interação gene-dieta descreve a resposta fenotípica de componente nutricional, mediada por polimorfismo genético (SNP). A principal função da Apo A1 é combinar receptores celulares para captar colesterol (CL) das membranas celulares e efetuar o efluxo do CL. O SNP mais comum ocorre na região intrônica do gene que codifica APOA1 (G - A na posição -75), ocasiona maior instabilidade no RNAm, e menores níveis de ApoA1, interferindo no transporte reverso do CL. Em estudo, portadores do alelo selvagem da ApoA1 (-75 G-A) têm maiores concentrações de HDL-c e diminui risco de DCV. Mulheres com maior consumo de gordura poli-insaturada portadoras do alelo A, obtiveram maiores valores de HDL-c. Indivíduos com alelo A de SNP que influencia o efeito da ingestão de ácidos graxos ômega-3 (PUFA) aumentou a concentração de HDL-c, enquanto que homozigotos para o alelo G têm redução do HDL-c com a ingestão de PUFA. Conclusão: O desenvolvimento de SNP promete uma revolução na área da saúde preventiva. Enquanto há evidências de interações gene-nutriente, há estudos inconsistentes que limitarão a aplicação da nutrigenética relacionando dieta e doença. A meta de longo prazo será fornecer recomendações dietéticas personalizadas com base na resposta aos nutrientes derivada da caracterização genética de cada indivíduo. Unitermos: Doenças Cardiovasculares, Ácidos Graxos, Polimorfismos, Genética, Nutrigenômica, Nutrigenética.

PC104 - PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES IDOSOS EM TERAPIA DE NUTRIÇÃO ENTERAL DE UM HOSPITAL PÚBLICO DE PERNAMBUCO

Instituição: Hospital Pelópidas Silveira, Recife - PE
Autores: Vieira NFL, Lima JCB, Silva EC, Hipólito LSC, Silva LT.

Objetivos: Traçar o perfil nutricional dos pacientes idosos em terapia nutricional enteral (TNE) admitidos em um hospital público especializado em neurologia e cardiologia do Estado de Pernambuco. Materiais e Métodos: Foram estudados 187 pacientes em TNE, internados no hospital especializado em cardiologia e neurologia, com idades maior que 60 anos, de ambos os sexos. O estudo foi do tipo transversal, retrospectivo de descritivo com dados coletados a partir de informações dos formulários de avaliação nutricional, preenchidos na rotina assistencial. Foram analisados os indicadores de índice massa corporal (IMC) e circunferência do braço (CB). Resultados: A idade média foi de 75,25 anos, sendo 52,4 do sexo feminino, a maior frequência do uso da TNE foi na clínica de neurologia (88,23%). Em relação ao IMC cerca de 38% dos pacientes encontravam-se com baixo peso segundo a classificação da OPAS 2002, e pela CB 37,4% apresentavam- se com desnutrição. Em torno de 15% dos pacientes apresentaram sobrepeso pelo IMC sendo o percentual maior no sexo feminino (9,6%). Conclusão: A alta prevalência de desnutrição encontrada em nosso estudo pode ser atribuída pela principal patologia apresentada, pelas baixas condições socioeconômicas e pela idade da população. Os resultados indicam um quadro preocupante de alterações nutricionais em idosos atendidos no hospital sendo necessárias intervenções nutricionais e maior monitorização da terapia. Unitermos: Terapia Nutricional Enteral, Idosos, Avaliação Nutricional, Desnutrição.

PC105 - ESTADO NUTRICIONAL ANTROPOMETRICO DE PACIENTES COM MEGAESÔFAGO

Instituição: Escola de Nutrição da Universidade Federal da Bahia - Enufba, Salvador - BA
Autores: Araújo LS, Novaes LN, Santos RR, Cruz RCS.

Objetivos: Determinar estado nutricional antropométrico dos pacientes com megaesôfago nos diferentes graus do megaesôfago. Materiais e Métodos: Estudo transversal, de amostra consecutiva, realizado em pacientes com megaesôfago, de ambos os sexos e acima de 18 anos. Foram realizadas medidas antropométricas (Índice de massa corporal (IMC), prega cutânea tricipital (PCT), circunferência do braço (CB)) e aplicado questionário semiestruturado contendo dados sociais, clínicos e dietéticos. Para avaliação da composição corporal foram consideradas: a circunferência muscular do braço (CMB) para identificação da massa magra (MM) e a PCT para massa gorda (MG). Os resultados foram obtidos através dos testes Quiquadrado, exato de Fisher, Shapiro Wilk, Kruskal-Wallis e Regressão logística multivariada. Resultados: Dentre os 69 pacientes avaliados, a maioria apresentava megaesôfago chagásico (85,5%), eram mulheres (73,9%) e idosos (58,0%). Apesar de apenas 31,9% apresentarem magreza, 43,5% tinham déficit de MG e 42,0% déficit de MM. Os pacientes com graus mais avançados apresentam perda significativa de MG (p<0,05), sendo que aqueles com megaesôfago grau IV tinham chance quase 5 vezes maior do que os pacientes com grau I de apresentarem déficit de MG (p=0,001). Observou-se que as mulheres tinham 4 vezes mais chance que os homens de apresentarem déficit de MM (p=0,017), já os pacientes com IMC baixo a chance de apresentarem depleção de MM é quase 6 vezes maior quando comparado com pacientes com IMC adequado (p=0,007). Observou-se também que pacientes com IMC baixo tinham chance 10 vezes maior de apresentarem déficit de MG em relação aos pacientes com IMC adequado. Conclusão: Os pacientes com megaesôfago em sua maioria apresentam-se eutrófico ou com excesso de peso, sendo que o estadiamento mais alto do megaesôfago está associado ao déficit de tecido adiposo. Assim, as diversas possibilidades de evolução nutricional dos pacientes com megaesôfago requerem monitoramento nutricional permanente a estes pacientes. Unitermos: Megaesôfago, Estado Nutricional, Antropometria.

PC106 - A UTILIZAÇÃO DO SCREENING DE RISCO NUTRICIONAL (NRS) COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO PARA DESFECHOS CLÍNICOS EM PACIENTES HOSPITALIZADOS

Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC - Campinas), Campinas - SP
Autores: Pinto PC, Leandro-Mehri VA, Aquino JLB.

Objetivos: Diagnosticar o estado nutricional do paciente hospitalizado pelo Screening de Risco Nutricional (NRS) e associar seu diagnóstico com desfechos clínicos no decorrer da internação. Materiais e Métodos: Realizou-se estudo transversal com 48 pacientes portadores de neoplasia colo retal, internados em um hospital universitário. Os dados foram coletados por meio de protocolo previamente estabelecido, com dados de identificação pessoal, diagnóstico e dados antropométricos. Verificaram-se também o tempo de internação, as complicações clínicas, a avaliação do risco nutricional e a ocorrência de óbito. Resultados: A faixa etária acima de 60 anos foi aquela de maior prevalência na amostra (54,17%).Quanto às complicações clínicas, 87,50% da população em estudo se mostrou ausente das mesmas. Com relação à alteração de peso, risco nutricional e Índice de Massa Corporal (IMC), pode-se verificar uma prevalência de ganho de peso (58,33%) na amostra, assim como ausência de risco nutricional (64,58%), sendo 47,92% da população em estudo, eutrófica. Verificaram-se associações positivas entre a presença de risco nutricional e o sexo feminino (18,75%), faixa etária acima de 60 anos (22,92%), perda de peso (16,67%), eutrofia (20,83%) e dias de internação de 7 a 10 dias (16,67%) e acima de 10 dias (10,42%). Conclusão: Apesar do Screening de Risco Nutricional (NRS 2002) ser considerado uma ferramenta de diagnóstico nutricional com boa predição de desfechos clínicos, altamente sensível e específica na triagem de desnutrição hospitalar, no presente estudo os pacientes identificados sem risco nutricional foram aqueles que apresentaram maior número de complicações clínicas. Unitermos: Desnutrição, Desfechos Clínicos, Triagem Nutricional, NRS-2002.

PC107 - PERDA PONDERAL RELACIONADA À LOCALIZAÇÃO DO TUMOR EM PACIENTES PORTADORES DE NEOPLASIA MALIGNA ASSISTIDO NA CLÍNICA CIRÚRGICA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM BELÉM - PA

Instituição: Universidade Federal do Pará, Belém - PA
Autores: De Souza MAM, Santos PGV, Silva SCME, Aires CN, Costa MIS, Da Silva ER.

Objetivos: Relacionar o estado nutricional de pacientes oncológicos e a localização do tumor. Materiais e Métodos: Realizou-se estudo prospectivo em um Hospital Universitário em Belém-PA, no período de março de 2012 a março de 2013. A amostra é composta de 70 pacientes oncológicos de ambos os sexos, internados na clínica cirúrgica. A avaliação nutricional foi realizada através da Avaliação nutricional Subjetiva Global- Produzida pelo Próprio Paciente (ASG-PPP) e avaliação de parâmetros antropométricos como peso, estatura, índice de massa corporal (IMC), e avaliação do percentual de perda de peso. Os dados sobre o diagnóstico, tipo de tumor e localização foram retirados do prontuário do paciente. Os dados foram analisados com os softwares Microsoft Excel 2010 e Bioestat, versão 5.0. As associações entre as variáveis independente e dependente (perda ponderal) foram verificadas pelo da correlação de Pearson. Resultados: Dos 70 pacientes analisados com idade média de 54,87 ± 14,10 anos, o sexo feminino foi mais prevalente com 52,85 % (n=37) bem como o câncer de fígado e glândulas anexas (48,37% ou n=35), seguido do câncer Gástrico (15 ou 21,42%). Segundo a triagem nutricional ASG-PPP 85,24 % (n=52) e a avaliação de dados antropométricos (IMC) 32,85% (n=23) caracterizam esses pacientes com algum grau de desnutrição. Apresentaram perda ponderal 80% (n=56), destes 57,14% (n=38) apresentaram perda que caracteriza desnutrição moderada e 22,85% (n=16) desnutrição leve ao serem avaliados no momento da internação. Verificou-se associação entre a perda ponderal e a localização do tumor entre os pacientes portadores de câncer de fígado e glândulas anexas com os portadores de câncer de cabeça e pescoço, porém, sem significância quando comparados entre si (p=0,059). Conclusão: O percentual de perda de peso recente pode ter correlação com a localização do tumor, sendo um agravo para o estado nutricional. Através desse conhecimento, estratégias nutricionais poderão ser desenvolvidas a fim de prevenir e ou proporcionar melhoria dessa condição. Unitermos: Neoplasia Maligna, Perda Ponderal, Localização do Tumor, Desnutrição.

PC108 - EXCESSO DE PESO E GORDURA CORPORAL EM PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN NO MUNÍCIPIO DE DIVINÓPOLIS - MG

Instituição: Universidade de Itaúna, Itaúna - MG
Autores: Souza ACNM, Rodrigues MC, Gonçalves RJM, Ferreira LG.

Objetivos: Os portadores de Síndrome de Down possuem alterações no desenvolvimento físico e mental e podem apresentar distúrbios da tireoide, alterações endócrinas e obesidade. Sendo assim o objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência de excesso de peso e gordura corporal, bem como caracterizar a ingestão alimentar de portadores de Síndrome de Down. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo transversal realizado em portadores de Síndrome de Down de uma Instituição de Divinópolis-MG. A prevalência de excesso de peso e gordura corporal foi avaliada por meio de medidas antropométricas (peso e altura e medida da circunferência da cintura), e análise de bioimpedância. A quantificação da ingestão alimentar foi obtida por meio de registro alimentar. Além disso, variáveis socioeconômicas e clínicas como idade materna na concepção, escolaridade, renda, número de pessoas que compõe a família, presença de síndrome entre os familiares, prática de atividade física e doenças associadas, foram pesquisadas para avaliação da associação com o excesso de peso e de gordura abdominal e total. Teste de qui-quadrado, teste T-Student e Mann-Whitney foram utilizados para avaliação da presença de excesso de peso e gordura corporal por diversos métodos com as variáveis do estudo. Foi considerado como significância estatística, p<0,05. Resultados: A amostra foi composta por 26 portadores, com idade mediana de 14 anos (3 a 33 anos), sendo 38,5% crianças, 26,9% adolescentes e 34,6% adultos. A prevalência de excesso de peso foi de 57,7% e 50% dos avaliados foram classificados como alto percentual de gordura, sendo que 100% das mulheres tinham percentual de gordura elevado. Todos os indivíduos do gênero feminino, e 33,3% no gênero masculino estavam com circunferência da cintura elevada (p<0,05). Com relação à ingestão alimentar, 57,9% dos avaliados ingeriram valores acima das necessidades energéticas. Não houve diferença significativa na ingestão de calorias, carboidratos, proteínas e lipídeos entre indivíduos com e sem excesso de peso, gordura abdominal e total (p>0,05). Alto percentual de inadequação de micronutrientes foi encontrado e pessoas com percentual de gordura corporal elevado tiveram estatisticamente menor ingestão de zinco que aqueles que tinham adequado percentual (p<0,05). Não houve associação significativa entre as variáveis socioeconômicas e clínicas com o excesso de peso e de gordura abdominal e total (p>0,05). Conclusão: O excesso de peso foi prevalente nessa população. Além disso, grande parte dos portadores ingeriram calorias acima das necessidades. Apesar de não serem encontradas associações significativas entre ingestão alimentar e excesso de peso, é necessário introduzir hábitos alimentares saudáveis, uma vez que essa população está mais propensa à obesidade. Unitermos: Síndrome de Down, Obesidade, Ingestão de Alimentos, Estado Nutricional.

PC109 - PERFIL NUTRICIONAL DOS PACIENTES EM TERAPIA DE NUTRIÇÃO ENTERAL INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE CARDIOLOGIA E NEUROLOGIA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

Instituição: Hospital Pelopidas Silveira, Recife - PE
Autores: Hipólito LSC, Silva ECS, Vieira NFL, Lima JCB, Silva LT.

Objetivos: O objetivo deste trabalho foi traçar o perfil nutricional dos pacientes em terapia nutricional enteral, admitidos em um hospital público especializado em neurologia e cardiologia do Estado de Pernambuco. Materiais e Métodos: O estudo foi do tipo transversal, retrospectivo e descritivo com dados coletados a partir de informações dos formulários de avaliação Nutricional, preenchidos na rotina assistencial. Foram avaliados 355 pacientes das clínicas de cardiologia e neurologia em terapia nutricional enteral no período de janeiro a dezembro de 2012, utilizando os indicadores antropométricos: Índice de Massa Corporal (IMC) e Circunferência do Braço (CB). Resultados: Dos pacientes avaliados, 11,80% pacientes (42) são da cardiologia e 88,20% dos pacientes (313) da neurologia. A média de idade dos pacientes estudados foi de 65,4 anos, caracterizando uma amostra de pacientes idosos. Segundo o IMC 29,6% dos pacientes encontravam-se com baixo peso/ risco nutricional, 52,9% como eutróficos e 17.5% com excesso de peso e/ou obesidade, levando em consideração a classificação da OPAS 2002 para população maior que 60 anos e segundo a classificação da OMS 2000 para pacientes < 60anos. Em relação à CB: 36,3% foram classificados como desnutridos, 50,1% eutróficos e 13,6% com excesso de peso/ ou obesidade. Conclusão: Apesar da alta prevalência de eutrofia nos pacientes internados, devemos destacar que houve um percentual considerável de pacientes com baixo peso/ risco nutricional. Vale ressaltar que a maioria desses pacientes já chega ao hospital em risco nutricional ou desnutrição segundo triagens realizadas na instituição. Unitermos: Terapia Nutricional, Avaliação Nutricional, IMC.

PC110 - ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ACOMPANHADAS PELO SISTEMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Instituição: Universidade de Itaúna, Itaúna - MG
Autores: Saldanha LF, Lagares EB, Fonseca PC, Gonçalves RJM, Anastacio LR.

Objetivos: O presente trabalho tem como objetivo a caracterização do estado nutricional de crianças menores de sete anos, beneficiárias do Programa Bolsa Família (PBF) acompanhadas pelo Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) no estado de Minas Gerais. Materiais e Métodos: O estado nutricional dessas crianças foi avaliado pelos índices antropométricos de peso/idade, estatura/idade e índice de massa corporal/idade (IMC/idade). Os dados foram obtidos por meio da plataforma SISVAN WEB a partir do banco de dados constituído por informações advindas das Unidades Básicas de Saúde deste estado referentes ao ano de 2008 a 2011. Resultados: O número de crianças beneficiadas na faixa etária de 0 a 7 anos no estado de Minas Gerais representou 10,5% do total de crianças residentes no estado nessa mesma faixa etária em 2008; 13,7%, em 2009; 19,8%, em 2010 e 18,6% em 2011. Observou-se que o maior distúrbio do estado nutricional entre os usuários é o excesso de peso (média de 26,5% conforme o indicador IMC/idade), o qual teve aumento em suas taxas ao longo dos anos, ao passo que o baixo peso e a baixa estatura para idade tiveram declínio. Conclusão: O estado nutricional de beneficiários do PBF é marcado por redução dos índices de baixo peso e aumentos dos índices de peso excessivo. Estes achados apontam para a necessidade de implementação de programas de educação nutricional às famílias beneficiárias do PBF. Unitermos: Estado Nutricional, Renda Familiar, Políticas Públicas.

PC111 - EVOLUÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS PACIENTES ACOMPANHADOS POR UMA EMTN

Instituição: Clinutri, Recife - PE
Autores: Silva PC, Santos LGC, Silva DL, Santos FG, Souza VC, Campelo EC.

Objetivos: Observar a evolução do estado nutricional e o tempo de internação dos pacientes em terapia nutricional (TN) acompanhados pela EMTN de um hospital particular de Recife que receberam alta hospitalar no período de janeiro a junho de 2012. Materiais e Métodos: Estudo observacional, do tipo retrospectivo realizado com pacientes adultos internados no hospital em questão, acompanhados pela EMTN por pelo menos 07 dias e que receberam alta hospitalar no primeiro semestre de 2012. Para elaboração do banco de dados utilizou-se as fichas de acompanhamento nutricional dos pacientes, sendo realizada a comparação do EN no momento da admissão (primeira avaliação nutricional) e no momento da alta da TN e/ou alta/transferência hospitalar. Os parâmetros nutricionais avaliados foram índice de massa corporal (IMC), circunferência do braço (CB) e circunferência da panturrilha (CP). Pacientes com desfecho clínico de óbito foram excluídos do estudo. Resultados: Foram incluídos no estudo 171 pacientes, sendo 54,4% do sexo feminino e 45,6% do sexo masculino. No momento da admissão 49,7% estavam eutróficos, 26,9% desnutridos e 23,4% com excesso de peso. No momento da alta e/ou transferência hospitalar os pacientes apresentavam a seguinte distribuição por EN: 48% eutróficos, 28,7% desnutridos e 23,4% com excesso de peso. O tempo médio de internação da população foi de 25,8 ± 48,7 dias. Quando avaliado o tempo de internação por classificação do EN no momento da admissão observou-se o seguinte resultado: eutrófico 28,9 ± 63,9 dias, desnutridos 21,7 ± 23,6 dias e excesso de peso 23,7 ± 29 dias. Não houve alteração significativa no EN na população estudada. Os pacientes admitidos com desnutrição receberam alta com o mesmo diagnóstico, dentre os pacientes admitidos eutróficos 3,5% decaíram o EN, já os pacientes com excesso de peso se mantiveram dentro dessa classificação. Segundo o IBRANUTRI, 61% dos pacientes admitidos eutróficos em hospitais após 15 dias de internação cursam com desnutrição, a média desse estudo foi 17 vezes inferior. Conclusão: Apesar do tempo médio de internação dos pacientes admitidos eutróficos ter sido em média o dobro do tempo avaliado no IBRANUTRI, observou-se a manutenção do EN da população. É importante o monitoramento/acompanhamento do EN na população hospitalizada, a fim de evitar a depleção do EN da mesma e colaborar para a diminuição das complicações clínicas e o tempo de internação hospitalar. Unitermos: Pacientes Hospitalizados, Estado Nutricional, Terapia Nutricional, EMTN.

PC112 - GANHO DE PESO E PREVALÊNCIA DO USO DE LEITE MATERNO E FÓRMULAS ARTIFICIAIS EM RECÉM-NASCIDOS PRÉ-TERMOS

Instituição: Hospital das Clínicas de Pernambuco, Recife - PE
Autores: Silva ARA, Luz MCL, Lima DSC.

Objetivos: Avaliar o ganho ponderal de RNPTs internados na UTI/UCI neonatal e a prevalência do aleitamento materno (AM) e uso de fórmulas artificiais. Materiais e Métodos: Dados coletados de 39 RNs que permaneceram internados por no mínimo 30 dias, nas unidades neonatais do Hospital das Clínicas de Pernambuco (HCPE) no período de novembro de 2012 a março de 2013. As variáveis analisadas foram: Idade gestacional (IG), peso, tempo de internamento e dieta recebida. Foram classificados como RNPT aqueles com idade Gestacional (IG) < 37 semanas. As medidas de peso foram registradas diariamente e comparadas semanalmente. As dietas padronizadas no serviço são: leite humano cru ou pasteurizado, fórmulas para recém-nascidos a termo e pré-termo e fórmula semi-elementar para casos especiais. Utilizamos as definições recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS): aleitamento materno exclusivo (AME), aleitamento materno misto (AMM) e aleitamento artificial (AA). Os dados foram analisados através do programa SPSS versão 2.0. Resultados: O peso ao nascer mínimo foi de 775g e o peso médio de 1576,79g (±797,84 DP). Na primeira semana observou-se uma perda de peso com média de 66,28g (± 156,2 DP) e nas subsequentes uma média de ganho de peso semanal de 133,38g e mensal de 314,92g (± 253,5 DP). Quanto à frequência das dietas, o que mais ocorreu foi a oferta do AMM com uma prevalência de 89,74% (n=35), onde o uso exclusivo do leite materno predominou por uma média de 9,27 dias. O tempo médio de internamento foi de 41,5 dias, e constatou-se que quanto maior o tempo de internação (>30 dias) dos prematuros, maior também foi a prevalência de AMM, seguido de AA (7,69), com menor frequência de AME (2,56%). Conclusão: A imaturidade fisiológica dos RNPTs, a ausência da mãe em UTI/UCI neonatal e longos períodos de internação, contribuem para as baixas taxas de AME. As dificuldades de se amamentar um prematuro e o incentivo a prática do AM devem ser trabalhadas visto que os RNPTs em geral, apresentam um déficit importante do crescimento no período pós-natal precoce. Unitermos: Recém Nascido Pré Termo, Ganho de Peso, Aleitamento Materno

PC113 - ESTILO DE VIDA E PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ALCOOLISTAS CRÔNICOS DE UM MUNICÍPIO DA ZONA DA MATA DE PERNAMBUCO

Instituição: Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Recife - PE
Autores: Andrade MIS, Santos PA, Soares BLM, Trigueiro JG, Costa MBM, Dourado KF.

Objetivos: Avaliar o estilo de vida e parâmetros antropométricos de indivíduos alcoolistas crônicos. Materiais e Métodos: Estudo do tipo transversal realizado no município de Vitória de Santo Antão/PE com 50 indivíduos alcoolistas crônicos, adultos e idosos, de ambos os sexos, internados em um hospital especializado no tratamento e recuperação de alcoolistas crônicos. Foram coletados dados referentes às condições socioeconômicas, de estilo de vida e antropometria (peso, altura, circunferência da cintura e circunferência do quadril), a partir dos quais foram calculados o índice de massa corporal (IMC), a razão cintura-quadril (RCQ), a razão cintura-estatura (RCest) e o índice de conicidade (IC). O IMC, CC e RCQ foram classificados de acordo com a World Health Organization (WHO). Quando idosos, os pacientes foram classificados por LIPSCHITZ segundo o IMC. Em relação à RCEst e ao IC foram adotados os pontos de corte obtidos em um estudo brasileiro de PITANGA & LESSA (2006). Resultados: Da amostra, 96% eram do sexo masculino, e a média de idade obtida foi 45 ± 10,21 anos. Com relação às variáveis socioeconômicas, 80% eram inativos, 72% eram tabagistas, 26% praticavam exercício físico, apenas 2% possuíam ensino superior e 70% não apresentavam comorbidades, sendo a hipertensão arterial sistêmica a mais prevalente (16%). Analisando as variáveis antropométricas, a maior parte dos alcoolistas se apresentava dentro dos valores normais de IMC, CC, RCQ e RCEst (72%, 86%, 76% e 64%, respectivamente). Apenas com relação ao IC, a maioria dos indivíduos (68%) apresentava valores elevados. Conclusão: Os parâmetros avaliados demonstraram maior normalidade provavelmente devido ao alcoolismo crônico resultar em hipermetabolismo e redução da ingestão alimentar. Por outro lado, o índice de conicidade mostrou ser um bom método para avaliar nesses pacientes obesidade abdominal e, consequentemente, risco cardiovascular. Unitermos: Alcoolismo, Circunferência da Cintura, Índice de Massa Corporal, Obesidade Abdominal.

PC114 - AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DE HIPOVITAMINOSE D EM PACIENTES PORTADORES DE SÍNDROME METABÓLICA DO CENTRO DE ESTUDOS E ATENDIMENTO DIETOTERÁPICO EM SALVADOR - BAHIA

Instituição: Universidade do Estado da Bahia, Salvador - BA
Autores: Santos LF, Araújo EMQ, Melo JB.

Objetivos: O presente estudo objetiva avaliar a prevalência da hipovitaminose D em pacientes portadores de Síndrome Metabólica, atendidos no Centro de Estudos e Atendimento Dietoterápico, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) do município de Salvador - Bahia. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo descritivo, transversal, de abordagem quali-quantitativa realizado com 22 indivíduos de ambos os sexos e com idade e" à 20 anos, portadores de SM. Foram utilizados como instrumentos de análise o Recordatório Alimentar de 24 horas associado com o Questionário de Frequência de Consumo Alimentar, o Questionário de Exposição Solar e realizada a dosagem sérica da 25 (OH) D. Resultados: A prevalência de hipovitaminose D no grupo estudado foi de 77,3%. Observou-se altas prevalências nos parâmetros da CC, PA e HDL-c. A maioria dos indivíduos avaliados possuíam um baixo consumo de alimentos fontes da vitamina e exposição solar considerada satisfatória. Conclusão: Conclui-se que existe uma suposta relação positiva entre a síndrome metabólica e a hipovitaminose D. Unitermos: Obesidade, Síndrome Metabólica, Vitamina D

PC115 - ELABORAÇÃO E ACEITAÇÃO DE PREPARAÇÕES COM ALTO TEOR DE PROTEÍNAS CONTENDO HIDROLISADO DE FRANGO PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS

Instituição: Instituto Paulista de Cancerologia, São Paulo - SP
Autores: Buschinelli LKO, Florido JMP, Codarin MAF, Silva MEMP, Geraldo APG.

Objetivos: Desenvolver preparações culinárias doces com alto teor proteico para pacientes oncológicos utilizando hidrolisado de frango, e avaliar a sua aceitação através de análise sensorial. Materiais e Métodos: As preparações foram elaboradas a partir da modificação de receitas encontradas em sites culinários, através do acréscimo de ingredientes fontes de proteína e do hidrolisado de frango, que é obtido através do cozimento do frango em suco de abacaxi in natura, cuja enzima proteolítica bromelina permite a extração da fração proteica da carne. Os cálculos nutricionais foram feitos usando os dados da Tabela Brasileira de Composição de Alimentos versão II e da Tabela de Composição Química de Alimentos traduzida. As preparações foram consideradas "fonte de proteínas" ou com "alto teor proteico", de acordo com o estabelecido pela Portaria nº 27 de 13 de janeiro de 1998 da ANVISA. A aceitação das preparações foi avaliada através de análise sensorial, com pacientes oncológicos, que atribuíram notas para o sabor e avaliação global, utilizando escala hedônica de 5 pontos. Resultados: Duas preparações doces, Deleite de Café e Creme Chocolícia, foram desenvolvidas utilizando-se o hidrolisado de frango e o leite em pó como ingredientes fonte de proteínas, sendo que os critérios para considerá-las como alto teor proteico foram atingidos. Nove pacientes participaram da análise sensorial. 44,4% atribuíram nota igual a 4 (gostei) para o sabor da bebida Deleite de Café, 33,3% nota 3 (não gostei nem desgostei) e 22,2% nota 2 (desgostei). O sabor do Creme Chocolícia recebeu notas 4 ou 5 (gostei e gostei muito) de 55,5% dos participantes, 33,3% atribuíram nota 3, e 11,1% nota 2. Sobre a avaliação global da preparação, 77,8 % dos pacientes atribuíram notas 4 ou 5 tanto para o Deleite de Café quanto para o Creme Chocolícia. Nenhum paciente afirmou ter percebido a presença de frango nas preparações. Conclusão: É possível aumentar o aporte proteico da dieta de pacientes oncológicos utilizando recursos dietéticos, como o hidrolisado de frango. Mesmo tendo avaliação positiva, as preparações podem ser aprimoradas a fim de obter melhor aceitação. O conceito de enriquecer preparações cotidianas é válido, plausível e deve ser difundido. Unitermos: Neoplasias, Análise Sensorial, Culinária.

PC116 - ACEITAÇÃO ALIMENTAR DE PACIENTES EM PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIAS OTORRINOLARINGOLÓGICAS E PLÁSTICAS DE FACE INTERNADOS NA CLÍNICA CIRÚRGICA

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo - SP
Autores: Rakovicius AKZ, Ramos BD, Piovacari SMF, Balchiunas RE.

Objetivos: Avaliar a aceitação alimentar e satisfação das dietas oferecidas aos pacientes no pós-operatório das cirurgias otorrinolaringológicas e plásticas faciais. Propor um plano de dietas especiais aos pacientes no pós-operatório de cirurgias otorrinolaringológicas e plásticas faciais. Materiais e Métodos: Estudo descritivo, transversal com coleta de dados primários desenvolvido na clínica cirúrgica de uma unidade hospitalar privada do município de São Paulo. A seleção dos pacientes foi de acordo com o tipo de cirurgia realizada, a saber: cirurgias otorrinolaringológicas e plásticas faciais. A técnica utilizada foi entrevista por meio de um formulário próprio elaborado pela nutrição onde, cada paciente relatou a aceitação alimentar em uma escala de 0 a 100% (0 - 25%, 25 - 50%, 50 - 75% e > 75%) e a satisfação da dieta em uma nota de 0 a 10 ( 0 a 5, 5 a 7 e >8), ambas variáveis correspondentes à duas refeições diárias o desjejum e o almoço, ofertadas no pós-operatório. Foram coletados dados sociodemográficos como gênero e idade. A classificação do estado nutricional dos pacientes foi realizada por meio do IMC e o padrão de referência utilizado foi o da OMS para adultos e NSI para idosos de acordo com o Ministério da Saúde. Os dados foram tabulados no programa Excel. Resultados: Do total dos 81 pacientes entrevistados, 48 (59,25%) são do gênero feminino, 61 realizaram cirurgias otorrinolaringológicas, sendo que desses 34 (55,73%) são do gênero feminino. De acordo com a idade, 54 (88,52%) encontram-se entre 18 a 65 anos. Segundo o diagnóstico nutricional, 37 (60,65%) apresentam-se em eutrófica. Em relação a aceitação alimentar, 60 pacientes (98,36%) relatam aceitação > 75%, no desjejum e 57 (93,44%) no almoço. No quesito satisfação da dieta ofertada, 59 pacientes (96,72%) relatam nota > 8. Com relação a cirurgia plástica facial 20 pacientes realizaram este procedimento sendo 14 (70%) do gênero feminino, 13 pacientes (65%) com idade entre 18 e 65 anos, e 13 (65%) encontram-se eutróficos, 17 pacientes (85%) relataram aceitação alimentar > 75%, tanto no desjejum quanto no almoço e com relação a satisfação da dieta ofertada 20 pacientes (100%) relataram nota acima de 8. Conclusão: A partir deste trabalho, foi possível compreender o grau de satisfação da dieta padronizada no hospital e observar a aceitação alimentar destes pacientes dentro das restrições e do tipo de cirurgia realizada. A atuação do nutricionista é imprescindível para avaliação, acompanhamento e prescrição dietética visando melhorar a aceitação alimentar e contribuir para a recuperação dos pacientes. Unitermos: Serviço Hospitalar de Nutrição, Dietoterapia, Alimentação.

PC117 - APLICAÇÃO DO NRS 2002 EM PACIENTES INTERNADOS NA CLÍNICA CIRÚRGICA DE UM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE SÃO PAULO

Instituição: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo - SP
Autores: Patané AMP, Pellozo GGC, Salimon CC, Evazian D.

Objetivos: Descrever a situação nutricional em pacientes admitidos em uma clínica cirúrgica de um hospital público da cidade de São Paulo, baseado no NRS 2002, que é um instrumento validado para avaliar o risco nutricional em pacientes hospitalizados. Materiais e Métodos: Estudo transversal, analítico e narrativo, realizado no período de 06 a 26 de fevereiro de 2013 na Unidade de Clínica Cirúrgica de um hospital público da cidade de São Paulo com pacientes admitidos na referida unidade e de ambos os sexos. Os critérios de inclusão para aplicação foram pacientes com até 72 horas de admissão, adultos e idosos com idade de 19 a 90 anos e pacientes com dieta via oral. Os critérios de exclusão foram pacientes com idade inferior a 19 anos, com edema ou anasarca e com dieta enteral. A partir dos dados de peso e altura, foi obtido o Índice de Massa Corporal (IMC). A classificação do estado nutricional foi feita pela OMS, 1995 e idosos por OPAS, 2002. Foi utilizado como instrumento de coleta de dados o questionário NRS 2002 (Nutritional Risk Score), desenvolvido para identificar o risco nutricional em pacientes hospitalizados em todas as faixas etárias e variedade de pacientes. Resultados: A amostra avaliada foi composta por 28 pacientes sendo 17 (60,7%) do sexo feminino e 11 (39,3%) do sexo masculino, sendo 11 idosos e 17 adultos. Em adultos, de acordo com IMC, foram encontradas maiores prevalências de pré obesidade e eutrofia em idosos. De acordo com a aplicação da NRS 2002, pode-se verificar que 60,7% dos pacientes tinham risco nutricional e 39,3% não apresentaram risco. Nos pacientes com risco nutricional 72,2% tiveram perda de peso no último mês. Dos 13 pacientes eutróficos conforme IMC, 10 apresentavam risco nutricional. Dos pacientes pré-obesos, nenhum estava em risco nutricional. Todos os pacientes com baixo peso apresentavam risco nutricional. Dos 4 pacientes com obesidade grau I, 2 apresentavam risco nutricional. Pacientes com sobrepeso somaram 3, sendo 1 com risco nutricional. O único paciente com obesidade grau III apresentou risco nutricional. Conclusão: Baseado nos resultados do estudo foi verificado que a maioria dos pacientes apresentava risco nutricional, o que reafirma a necessidade de controlar fatores que contribuem para problemas nutricionais tanto por carência alimentar como relacionados à obesidade. Assim, aprimorar técnicas de rastreamento nutricional e detectar o risco de desnutrição colabora na adequação do tratamento nutricional. Unitermos: Internados, Estado Nutricional, Perfil Nutricional, Cirurgia, NRS 2002.

PC118 - ACOMPANHAMENTO DA EVOLUÇÃO DA INGESTA ORAL SEGURA

Instituição: Hospital Nipo Brasileiro São Paulo, São Paulo - SP
Autores: Sousa ST, Nagato PNI, Okamoto CMM, Brant C.

Objetivos: Garantir através do registro informatizado a oferta das necessidades nutricionais,evolução e progressão da ingesta oral segura e adequação da dieta conforme a comorbidade do paciente.Avaliar a necessidade de terapia alternativa em pacientes com baixa aceitação via oral,otimizar a transição da terapia alternativa para dieta via oral objetivando a retirada de sonda com segurança. Materiais e Métodos: utilizamos legenda de aceitação alimentar onde classificamos por pontuação que vai de 1 a 4 conforme quantidade de colheres ofertadas.Critérios de inclusão paciente com dieta via oral e associado a terapia alternativa.Critérios de exclusão paciente em uso exclusivo de terapia alternativa(sondas) sem condições de ingesta via oral.Enfermagem realiza anotação de aceitação alimentar conforme horários das refeições através do sistema informatizado que sinaliza automaticamente a média de aceitação.|Nos casos de pacientes com sonda e que estão recebendo alimentação via oral quando atingir 75% da aceitação alimentar correlacionando ao grau da disfagia a via alternativa é retira seguramente. Nutricionista consegue visualizar e evoluir as dietas conforme aceitação, a fonoaudióloga acompanha e avalia a ingesta oral quantitativamente e o médico tem as informações gerais disponíveis em sistema informatizado. Resultados: Podemos observar que após a implantação do protocolo de aceitação alimentar os pacientes em uso de via alternativa teve sua retirada de maneira segura inclusive, os pacientes disfagicos foram melhor acompanhados quanto a evolução das fases da dieta dentro do prazo esperado. Através da legenda de aceitação alimentar conseguimos evidenciar alguns pacientes com baixa aceitação alimentar durante o período de hospitalização onde a enfermeira imediatamente comunica o médico através de levantamentos anteriores, caso paciente não consiga atingir a média a sugestão inicial será via alternativa evitando maior comprometimento clínico. Conclusão: Após a implantação da anotação de aceitação alimentar a segurança na retirada de sonda é precisa,pois, o registro mostra a evolução da aceitação alimentar pelo paciente favorecendo que toda equipe multidisciplinar acompanhe o aporte calórico. Outro fator importante é que com a padronização da legenda de aceitação alimentar o processo tornou-se uma rotina aplicada em todas as unidades do hospital. Unitermos: Cuidados de Enfermagem, Disfagico, Desnutrição.

PC119 - CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES EM TERAPIA NUTRICIONAL EXCLUSIVA, EM RISCO DE DESENVOLVER ÚLCERA POR PRESSÃO (UP) INTERNADOS EM UNIDADES SEMI-INTENSIVA DE UM HOSPITAL GERAL EM SÃO PAULO

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo - SP
Autores: Santos KFF, Moraes JR, Gil MF, Shima M, Freitas BJ, Piovacari SMF.

Objetivos: Caracterizar o perfil nutricional de pacientes submetidos a terapia nutricional enteral exclusiva (TNE), em risco de desenvolver úlcera por pressão (UP), internados em unidades semi-intensiva de um hospital geral em São Paulo. Materiais e Métodos: Estudo transversal e retrospectivo, onde foram analisados 129 pacientes com idade entre 19 e 104 anos, em uso de TNE, no período de janeiro a março de 2013. Os dados foram coletados do banco de dados dos pacientes internados, classicados em risco de desenvolver UP. Foram coletados dados como peso, altura, classificação de risco de UP (segundo Escala de BRADEN, 2007). A terapia nutricional foi classificada segundo a oferta proteica (normoproteica: até 1,0g/Kg/d e hiperproteica: a partir de 1,2 g/kg/d). Foram utilizados os parâmetros de Índice de Massa Corporal (IMC), classificados segundo a Organização Mundial de Saúde (2008) para adultos. Para idosos tiveram a classificação definida através da Organização Pan-Americana de Saúde (2002). O banco de dados foi elaborado no software Excel 2010 (Windows 7). Resultados: Da amostra analisada, em relação à classificação do estado nutricional, 43 dos pacientes apresentavam IMC para baixo peso (33%), 61 eutróficos (47%), 6 com sobrepeso (5%) e 19 obesos (15%). Em relação à terapia nutricional enteral, 78% dos pacientes (101 pacientes) seguiam com TNE hiperproteica e, 22% recebiam TNE normoproteica (28 pacientes), Sendo da amostra analisada, 90% dos pacientes apresentavam risco para desenvolver UP. A TNE foi estabelecida conforme diretrizes para recomendação das necessidades nutricionais dos pacientes, pautados nos diagnósticos de internação e risco para desenvolver UP. Conclusão: De acordo com os resultados observados, podemos concluir que os pacientes internados que apresentam risco para desenvolver UP, em sua maioria são idosos, eutróficos e recebem terapia nutricional enteral hiperproteica. Desta forma destaca-se a importância da equipe multidisciplinar estar atenta e integrada para identificar os riscos de UP. Unitermos: Risco de Ulcera por Pressão, Terapia Nutricional Enteral, Avaliação Nutricional.

PC120 - BIODISPONIBILIDADE DE SUPLEMENTOS DE VITAMINA D: REVISÃO SISTEMÁTICA

Instituição: Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre - RS
Autores: Raimundo FV, Faulhaber GAM, Furlanetto TW.

Objetivos: Sumarizar as evidências sobre biodisponibilidade de Vitamina D (VD), a partir de ensaios clínicos realizados em humanos com suplementos ou alimentos suplementados com vitamina D2 (ergocalciferol) ou vitamina D3 (colecalciferol). Materiais e Métodos: A revisão sistemática da literatura foi conduzida conforme o protocolo PRISMA (Preferred Reporting Items for Systematic reviews and Meta-Analyses). Foi realizada a busca sistemática de ensaios clínicos sobre absorção ou biodisponibilidade da vitamina D realizados em humanos, com suplementação de vitamina D2 ou vitamina D3, na forma de suplementos ou alimentos, cujo desfecho dos ensaios clínicos foram os níveis séricos de 25(OH)D. As buscas foram realizadas na base de dados PubMed, utilizando os termos "vitamin d", "supplements", "food", "absorption" e "bioavailability. Uma busca secundária foi realizada na lista de referências de duas revisões sobre biodisponibilidade de VD e as citações em duplicata foram removidas. Foram utilizados os seguintes critérios de elegibilidade: a) Delineamento: ensaio clínico; b) População: humanos; c) Intervenção: suplementação oral de VD ou alimento suplementado; d) Biodisponibilidade: mínimos dois grupos com mesma dose de VD. Resultados: Foram identificados 643 estudos, dos quais 12 ensaios clínicos foram avaliados. A biodisponibilidade da suplementação de VD em relação às possíveis alterações de absorção, transporte ou hidroxilação hepática no envelhecimento são controversas. A absorção de VD a partir de cogumelos é biodisponível e equivalente ao suplemento de vitamina D2, assim como o colecalciferol suplementado no pão. O teor de gordura no leite não afeta a biodisponibilidade da VD e o suco de laranja fortificado com vitamina Dé capaz de aumentar os níveis séricos de 25(OH)D3 em adultos. A relação da absorção da VD com a gordura associada ao suplemento ou ao alimento suplementado é controversa. Ensaio clínico randomizado com suplementação de dose oral única de 50.000UI de VD associada com diferentes quantidades de gordura (1,7g e 25,6g), concluiu que a refeição rica em gordura foi mais efetiva ao aumentar os níveis séricos de 25(OH)D em adultos jovens. Com relação aos excipientes de suplementos dietéticos de VD, a presença de ácidos graxos de cadeia longa facilita a absorção da vitamina D3 em jejum. Conclusão: Envelhecimento e composição nutricional do alimento associado ao suplemento de VD são fatores que podem alterar a biodisponibilidade e absorção intestinal de vitamina D. Novos ensaios clínicos randomizados são necessários para a definição de fatores que possam otimizar a absorção da VD, tais como a gordura e a presença ou não de alimentos. Unitermos: Vitamina D, Suplementos Dietéticos, Biodisponibilidade.

PC121 - PREVALÊNCIA DE DISLIPIDEMIA EM PACIENTES CONSTIPADOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER - CUIABÁ - MT

Instituição: Universidade Federal Do Mato Grosso, Cuiabá - MT
Autores: Duarte CR, Lopes BV, Pansonato R, Silva NE, Souza M, Arruda ISC.

Objetivos: Ainda que a genética e a idade tenham grande importância na evolução das DCV, a dislipidemia e a constipação intestinal parecem aumentar o risco desses eventos. Diante disso, o objetivo deste estudo foi determinar a prevalência de dislipidemia em um grupo de pacientes com quadro de constipação intestinal atendidos no ambulatório de Nutrição do Hospital Universitário Julio Muller - Cuiabá- MT. Materiais e Métodos: Foi realizado um ensaio clínico descritivo, de prevalência, com 44 pacientes, adultos, de ambos os sexos, portadores de constipação intestinal segundo o critério de ROMA III, atendidos no Ambulatório de Nutrição do Hospital Universitário Julio Muller no período de agosto a dezembro de 2012. Os pacientes foram submetidos a avaliação nutricional (antropometria e bioimpedância elétrica), exames bioquímicos (colesterol total, LDL-c, HDL-c, VLDL-c e TGL ) e hemograma. Para classificação da dislipidemia, foi utilizado os critérios da IV Diretriz Brasileira sobre dislipidemias e prevenção da aterosclerose do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2007. Resultados: 77,3% dos pacientes constipados eram acometidos por algum tipo de dislipidemia. O HDL-c baixo foi o tipo de dislipidemia mais prevalente, atingindo 45,5% da população estudada. A maior média dos percentuais de gordura total (41,99±5,30) e abdominal (9,5±2,92) foi encontrada nos indivíduos com dislipidemia mista do tipo E (hipertrigliceridemia isolada + HDL-c baixo). Conclusão: A maioria dos pacientes constipados atendidos no ambulatório de Nutrição do Hospital Universitário Julio Muller são portadores de dislipidemia. O percentual de gordura total e abdominal são mais elevados nos indivíduos portadores de dislipidemia mista sugerindo uma possível associação entre obesidade e pior perfil de gorduras sanguíneas. Unitermos: Constipação Intestinal, Dislipidemias, Fatores de Risco Cardiovascular.

PC122 - O GLÚTEN E A CASEÍNA NA ALIMENTAÇÃO DE AUTISTAS DO CAPSIJ DE IMPERATRIZ - MA

Instituição: Unidade de Ensino Superior do Sul Do Maranhão - Iesma/unisulma, Imperatriz - MA
Autores: Coutinho MA, Nascimento HS, Oliveira TS.

Objetivos: Este trabalho objetivou principalmente verificar a presença de alimentos fontes de glúten e caseína na alimentação de crianças e adolescentes autistas do Capsij de Imperatriz-Ma. Além de observar se a dieta isenta de alimentos fontes dessas proteínas melhoraram os sintomas do autismo e o desconforto gastrointestinal. Materiais e Métodos: Foi aplicado um questionário com perguntas abertas e fechadas sobre o consumo alimentar, a consistência das fezes e as características especificas do autismo, para 15 mães e/ou responsáveis de autistas frequentantes do serviço. Resultados: Observou que onze destes apresentam uma ingestão diária de algum alimento que contenha o glúten e/ou caseína tais como: produtos lácteos, pães, bolos, biscoitos entre outros. Apenas quatro entrevistados não consomem alimentos fonte dessas proteínas. Apesar da maioria não apresentar desconfortos gastrointestinais como flatulências, dor ou distensão abdominal, obstipação ou diarreia, e ainda consistência das fezes amolecidas ou ressecadas estão presentes em 40% da amostra. Entre as características especificas em relação às crianças e adolescentes com autismo foi visualizado a presença de ecolalia, hiperatividade, dificuldade no relacionamento, comportamento compulsivos, sensibilidade ao toque, incapacidade na comunicação. Conclusão: A pesquisa demonstrou que os entrevistados continuam ingerindo alimentos fontes de glúten e caseína o que pode está relacionado à presença de características expressas em autistas. Sendo, portanto o tratamento dietoterápico uma chave para abrir caminhos para que autistas possam responder melhor às terapias, e ter uma melhoria na relação com o mundo e tudo que o envolve. Unitermos: Autismo, Dieta Isenta de Glúten, Caseína.

PC123 - AVALIAÇÃO DIETÉTICA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES DE FUTSAL DE UMA ESCOLINHA DO NOROESTE DO RS

Instituição: Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Palmeira das Missões - RS
Autores: Ceni GC, De Jesus, Prestes CA, Tapia A, Peripolli J.

Objetivos: O objetivo é analisar o consumo alimentar de macronutrientes e micronutrientes, de crianças e adolescentes, com idades entre 5 e 13 anos praticantes de futsal, de uma escolinha do noroeste do Rio Grande do Sul, e comparar com as recomendações da Dietary Reference Intakes (DRIs). Materiais e Métodos: Este trabalho é resultado de uma pesquisa de âmbito longitudinal, de avaliação e acompanhamento de crianças e adolescentes. A coleta de dados foi realizada de setembro a dezembro de 2012, com 36 alunos, do sexo masculino, praticantes de futsal, de uma escolinha de futsal. A presente pesquisa aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da UFSM (no 76968). A avaliação dietética foi feita através do Recordatoório de 24 horas (R24h). Os participantes foram questionados quanto ao consumo de alimentos, em medidas caseiras, nas últimas 24 horas. A avaliação dietética das crianças menores de 7 anos foi realizada na presença dos pais e/ou responsáveis. A partir do inquérito, foi realizado a análise quantitativa utilizando o CalcNut: plataforma para cálculo de dieta. As análises foram realizadas utilizando estatística descritiva. Resultados: A avaliação dietética dos R24h dos participantes de 5 a 8 anos demonstrou consumo médio de 53,1% de carboidratos, 15,4% de proteínas e de 30,6% de lipídeos. Entre os participantes de 9 a 13 anos o consumo médio foi de 53,8% de carboidratos, 30,8% de proteínas e de 17,4% de lipídeos. Verificou-se que a média da ingestão de macronutrientes encontrou-se dentro dos valores previstos nas DRI's. Entre as crianças de 5 a 8 anos foi observado consumo de Retinol (346,9±246,5 µg), ácido ascórbico (44,9±37,6 mg), vitamina D (4,2±3,7 µg) e vitamina E (1,6±1,5 mg), Cálcio (894,9±547,1 mg), Ferro (9,8±4,4 mg) e Zinco (9,5±4,1 mg). Em média a ingestão de Cálcio, Ferro, Retinol e das vitaminas D e E apresentavam-se abaixo do recomendado. Com relação ás crianças e adolescentes de 9 a 13 anos foi encontrado ingestão de Retinol (224,3±207,2 µg), ácido ascórbico (51,5±63,6 mg), vitamina D (2,5±1,8 µg) e vitamina E (2,0±1,3 mg), Cálcio (621,1±293,7 mg), Ferro (9,6±3,5 mg) e Zinco (10,5±4,8 mg). Nesta faixa etária a ingesta média, de Cálcio, Retinol e das vitaminas D e E encontraram-se abaixo do indicado. Conclusão: De maneira geral, as crianças e adolescentes praticantes de futsal, demonstraram adequação no consumo alimentar de macronutrientes. O consumo dos micronutrientes, Cálcio, Retinol e das vitaminas D e E observou-se que estão abaixo do recomendado em ambas as faixas etárias, porém, nas crianças de 4 a 8 anos, percebeu-se ainda uma diminuição no consumo de Ferro. Unitermos: Crianças, Adolescentes, Macronutrientes, Micronutrientes, Futsal.

PC124 - ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA BARIÁTRICA DE FOBI-CAPELLA OU SCOPINARO

Instituição: Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Palmeira Das Missões - RS
Autores: Ceni GC, Salvi C, Serafini E, Spinelli RB, Zemolin GP.

Objetivos: Avaliar os parâmetros nutricionais de pacientes, conveniados a uma cooperativa de serviços de saúde do norte do RS, submetidos à cirurgia de obesidade do tipo Fobi-Capella ou Scopinaro. Materiais e Métodos: Estudo longitudinal retrospectivo, quanti e qualitativo, de 12 pacientes, de ambos os sexos, submetidos à cirúrgia bariátrica pela técnica Fobi-Capela (Bypass Gástrico em Y de Roux) e Scopinaro, no período de 2010-2011. A pesquisa foi aprovada pelo CEP da URI - Campus de Erechim (nº 070/PGH/11). Foi utilizada anamnese nutricional e Recordatório Alimentar de 24 horas (R24h), analisado utilizando o software AvaNutri®. O estado nutricional pré-operatório e pós-operatório foi realizado de acordo com os procedimentos recomendados pela SBCBM (2010). Foram avaliadas peso atual, estatura, circunferência abdominal (CA), Índice de Massa Corporal (IMC) e percentual de gordura. A análise estatística foi realizada com um software de domínio público. Para os dados dietéticos de pacientes submetidos à cirurgia de Scopinaro foi utilizado o teste não paramétrico de Kruskal-Wallis. Para as demais analises foi utilizado o teste de t de Student, para amostras pareadas. Resultados: Foram avaliados 5 mulheres e 7 homens, com idade de 40±17,3 anos. 58,3% realizaram cirúrgica de Fobi-Capella e 41,7% de Scopinaro. No pré-operatório 33,3% estavam em obesidade II e 66,7% em obesidade III. Após 6 meses 16,7% encontravam-se em eutrofia e 66,7% em obesidade I. A análise do R24h dos pacientes da cirurgia de Fobi-Capella foi observado no pré-operatório o consumo de 2114,8±743,7Kcal, 72,4±33,2g de proteína, 275,2±100,6g de carboidratos e 80,5±31,0g de lipídeos. No pós-operatório observou-se consumo de 452,3±187,2Kcal, 17,2±4,5g de proteínas, 64,5±35,5g de carboidratos e 13,9±4,4g de lipídeos. Para os submetidos à cirurgia de Scopinaro, o consumo pré-operatório foi de 2850,3±1615,4Kcal, 116,8±53,9g de proteínas, 281,9±116,6g de carboidratos e 139,5±111,7g de lipídios, e após 6 meses observou-se consumo de 956,6±331,7Kcal, 44,4±18,8g de proteínas, 132,7±57,3g de carboidratos e 27,6±13,8g de lipídios. Todos os valores diferiram significativamente. O consumo de fibras diminuiu em 67,2% entre os pacientes da cirurgia de Fobi-Capella e em 43,1% para os de Scopinaro. Conclusão: Os dados indicaram que a cirurgia bariátrica para obesos grau II e III promove resultados significativamente positivos pois promove a perda de peso ponderal. Quanto aos fatores dietéticos, possibilita a redução significativa no consumo calórico. Cabe ressaltar que a redução observada no consumo de nutrientes deve ser monitorada pela equipe multiprofissional especializada. Unitermos: Obesidade, Cirurgia de Fobi-capella, Cirurgia de Scopinaro, Avaliação Nutricional.

PC125 - SEGURANÇA NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTO AO PACIENTE DISFÁGICO

Instituição: Hospital Nipo Brasileiro, São Paulo - SP
Autores: Sousa ST, Kato L, Nagato PNI, Macedo MA, Ieiri RH, Brant C.

Objetivos: Estabelecer e padronizar os critérios para avaliação, monitorização e prevenção do risco de broncoaspiração na oferta de medicamento via oral ao paciente disfágico. Materiais e Métodos: O acompanhamento do paciente disfágico é realizado por: enfermeiros, fonoaudiólogas, nutricionistas, farmacêuticos e médicos de diferentes especialidades. Todos pacientes admitidos nas unidades de internação adulto, unidades de terapia intensiva e pronto-atendimento, são submetidos a triagem realizada pela enfermeira onde são identificados e classificados com fatores,sinais e situações de risco. De acordo com a ferramenta descrita no primeiro consenso brasileiro de nutrição e disfagia em idosos hospitalizados publicado em 2011. Identificado o risco, a enfermeira comunica equipe multidisciplinar e institui alerta ex: Filipeta descrita risco para broncoaspiração ao qual permanece fixada na cabeceira leito. Prescrição de enfermagem gerenciando risco. Nutricionista realizará adequação da dieta, fisioterapeuta avalia e acompanha juntamente com a fonoaudióloga. Farmácia garante a dispensãçao do medicamento na forma de solução ou comprimido com o espessante o médico avalia e acompanha. Resultados: Observamos que, com a instituição do protocolo prevenção do risco de broncoaspiração, conseguimos monitorar e aplicar uma assistência multidisciplinar de maneira segura ao paciente. Reforçamos aos familiares e cuidadores a importância da participação nas reuniões em que abordamos informações sobre cuidados na oferta do alimento e ou medicamento, posicionamento postural e higienização oral. Conclusão: Podemos concluir que, os pacientes admitidos em nosso hospital com riscos para broncoaspiração obrigatóriamente serão instituídas medidas de prevenção além do acompanhamento multidisciplinar, monitorização e supervisão continuadamente enquanto for considerado a permanência do risco. Unitermos: Disfagia, Mudança Forma Farmacêutica, Medicamentos, Broncoaspiração.

PC126 - ESTADO NUTRICIONAL DOS PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

Instituição: Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre - RS
Autores: Cruz LB, Micheli ET, Bastos NMRM.

Objetivos: Identificar o perfil antropométrico dos pacientes na internação hospitalar. Diagnosticar precocemente o estado nutricional e determinar o nível assistencial favorece o planejamento adequado da terapia nutricional podendo reduzir o número e a gravidade das complicações, acelerando na recuperação do paciente. Materiais e Métodos: Estudo observacional descritivo, com pacientes adultos e idosos, que internaram no Hospital de Clínicas de Porto Alegre nas unidades clínica e cirúrgica em condições de realizar avaliação antropométrica no período de julho de 2008 a dezembro de 2009. Os pacientes foram avaliados nas primeiras 72 horas da admissão hospitalar, através de avaliação antropométrica utilizando-se os dados: idade, sexo, peso atual, peso usual, porcentagem de perda peso e altura. A classificação do estado nutricional foi baseada no Índice de Massa Corporal (IMC) considerando-se os critérios da Organização Mundial da Saúde e para os pacientes idosos foram utilizados os critérios do SISVAN. Resultados: Foram arrolados para o estudo 460 indivíduos com média de idade de 52 anos (±16,14), sendo 164 (35,7%) idosos. Dos pacientes estudados, 152 (33%) chegaram ao hospital eutróficos, 216 (47%) com sobrepeso ou obesidade e 92 (20%) desnutridos. Entre os pacientes com sobrepeso e obesidade, 10 (4,6%) estavam com obesidade mórbida (IMC>40 kg/m²) e entre os desnutridos, 14 (15,2%) estavam com desnutrição grave (IMC<16 kg/m²). Os níveis assistenciais (NA) foram determinados conforme o diagnóstico nutricional, considerando percentual de perda de peso e IMC. Dos pacientes analisados, 12 (2,6%) foram classificados como NA 1, seguido por 325 (70,7%) como NA 2, 88 (19,1%) como NA 3 e 35 (7,6%) como NA 4. Pacientes idosos apresentaram maior percentual de desnutrição (26,2% vs 16,6%) quando comparados com os pacientes menores de 60 anos (p<0,014). Conclusão: A prevalência de risco e/ou desnutrição é elevada no ambiente hospitalar, demandando atenção dos profissionais da saúde, principalmente nos indivíduos com idade acima de 60 anos. A determinação de níveis assistenciais prioriza o atendimento conforme a gravidade, objetivando o tratamento nutricional que pode contribuir na redução no tempo de internação, complicações e dos custos hospitalares. Unitermos: Perfil Antropométrico, Estado Nutricional, Adultos, Hospitalização.

PC127 - DOENÇA CELÍACA, HÁBITOS ALIMENTARES NA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA

Instituição: Centro Universitário Uni Novafapi, Teresina - PI
Autores: Santos AFL, Vasconcelos SM, Costa AML, Machado LRB, Paula RRN, Vasconcelos NAG.

Objetivos: Realizar uma revisão de literatura sobre a doença celíaca demonstrando a prática alimentar para a qualidade de vida. Materiais e Métodos: O universo do estudo foi constituído por artigos científicos originais publicados no banco de dados do site SCIELO, e nas revistas PUBMED e MEDLINE. O intervalo de tempo estabelecido foi entre os anos de 2001 a 2010. As palavras-chave utilizadas foram: doença celíaca, enteropatia ao glúten. Resultados: Nos celíacos, a desnutrição é decorrente da má absorção de nutrientes e da dificuldade da ingestão alimentar em função dos sintomas apresentados. Conclusão: Por ser uma doença cujo tratamento é fundamentalmente dietético, a terapia durante a transição alimentar deve ser bem conduzida pelo nutricionista para melhor adesão do paciente à dieta, considerando que a inclusão de novas práticas alimentares. A qualidade de vida passa a ser um dos resultados esperados das práticas assistenciais em todos os âmbitos. Unitermos: Doença Celíaca, Enteropatia, Glúten.

PC128 - EFEITOS DE IMUNOMODULADORES NA DOENÇA DE CROHN - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Instituição: Centro Universitário Uni Novafapi, Teresina - PI
Autores: Vasconcelos SM, Santos ACA, Passos AA, Saraiva B, Lustosa MS, Teixeira RR.

Objetivos: Analisar mediante revisão de artigos os conhecimentos atuais sobre o uso de imunomoduladores na perspectiva dos seus efeitos sobre a melhora do processo inflamatório e tempo de remissão da doença. Materiais e Métodos: Utilizou-se como base de dados os sites: Scielo (http://www.scielo.com.br/), BVS (http://www.bvs.br/) e Google Acadêmico (http://scholar.google.com.br/shhp?hl=pt-Br), utilizando como palavras-chaves: Crohn, Dieta Monomérica, Enteral; com os estudos realizados entre os anos de 2008 e 2012. Resultados: Estudos sugerem que o uso de imunomoduladores possa promover a recuperação da resposta inflamatória, bem como recuperação da mucosa intestinal pela cicatrização e diminuição da translocação bacteriana. Conclusão: Mostrou-se positivo na recuperação dos processos inflamatórios e na reabilitação dos pacientes, sendo que, a arginina e probióticos demonstraram-se eficaz no prolongamento da remissão da doença. No entanto, existem poucas evidências na literatura relacionando a recomendação de imunonutrientes na reabilitação em pacientes com Crohn com resultados consistentes quanto ao tipo e quantidade definidas. Unitermos: Doença de Crohn, Imunomoduladores, Terapia Nutricional.

PC129 - DESVENDANDO A HIPONATREMIA NOS PACIENTES IDOSOS EM HOME CARE

Instituição: Nutrivida Ltda, Natal - RN
Autores: Menegassi M, Davim MC, Lima AM, Silvano LVM, Rocha LF, Lisboa FF.

Objetivos: Avaliar a incidência de hiponatremia em uma amostra de pacientes idosos, acamados, portadores de patologias crônicas, em uso de terapia nutricional enteral, internados em home care e suas possíveis associações. Materiais e Métodos: Foram avaliados 28 pacientes idosos (80,6 ±11,4 anos), com doenças crônicas, acamados, sem infecção, diarreia e vômitos, alimentados exclusivamente por terapia enteral domiciliar. As variáveis contínuas foram descritas por média e desvio padrão ou mediana e amplitude interquartílica e as categóricas por frequências absolutas e relativas. Para comparar médias entre os grupos, o teste t-student. Em caso de assimetria, o teste de Mann-Whitney foi utilizado. Para a comparação de proporções, o teste qui-quadrado de Pearson ou exato de Fisher. Para controle de fatores de confusão e análise de fatores independentemente associados com a hiponatremia, a Regressão de Poisson foi utilizada. Como medida de efeito foi calculada a Razão de Prevalências (RP) em conjunto com o intervalo de 95% de confiança. Foram mantidas no modelo final apenas as variáveis que apresentaram significância estatística. O nível de significância foi de 5% (pd"0,05) e as análises foram realizadas no SPSS 18.0. Resultados: As principais patologias encontradas foram: 85.7% Neurológicas, 42.9% HAS e 39.3% DM. Da amostra, 50% apresentou hiponatremia (Nad"135mEq/L). A oferta de sódio através da dieta enteral foi de 1363 d" 382mg. Não houve associação da hiponatremia com a idade, aporte hídrico (ofertado de 25-30mL/Kg PI estimado), tipo de dieta administrada (se industrializada ou semiartesanal), edema, níveis séricos de potássio, creatinina, hematócrito, proteína, albumina e triglicerídeos. Porém, os fatores que permaneceram associados significativamente com hiponatremia foram ser do sexo feminino, ter HAS e DM. As mulheres tiveram 2,42 vezes maior prevalência para a hiponatremia (IC 95%: 1,18-4,93), mesmo quando ajustado para hipertensão e DM. Os hipertensos tiveram 2,8 vezes mais prevalente o baixo consumo de sódio (IC 95%: 1,45-5,40) e não houve associação entre a hipertensão e o uso de diurético (p=1,000). Os diabéticos apresentaram 3,11 vezes mais prevalente a hiponatremia (IC 95%: 1,43-6,74), sem associação com os valores de glicemia e uso de hipoglicemiante oral. Conclusão: Nossos resultados sugerem que a hiponatremia em pacientes idosos acamados e com patologia crônica é mais prevalente nas mulheres diabéticas e hipertensas, indicando que a oferta de dieta hipossódica para pacientes hipertensos pode contribuir para o quadro hiponatrêmico. Unitermos: Hiponatremia, Idosos, Home Care.

PC130 - PREVALÊNCIA DE BAIXO PESO AO NASCER E TEMPO DE INTERNAMENTO NA UTI/UCI NEONATAL DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO RECIFE

Instituição: Hospital das Clínicas (HC-UFPE), Recife - PE
Autores: Silva ARA, Morais GQ, Lima DSC.

Objetivos: Avaliar a prevalência de baixo peso ao nascer e o tempo de internamento em uma UTI/UCI neonatal. Materiais e Métodos: Coletaram-se dados de 412 recém-nascidos (RNs) na maternidade do Hospital das Clínicas de Pernambuco (HCPE) e posteriormente internados na UTI/UCI neonatal do serviço, no período de novembro de 2012 a março de 2013. Foram classificados como baixo peso ao nascer (BPN) aqueles com peso < 2.500 g, muito baixo peso ao nascer (MBPN) aqueles com peso <1.500 g e peso adequado ao nascer (PAN) > 2.500 g. O tempo de internamento foi registrado e correlacionado com as faixas de peso ao nascer. Os RNs com peso <500 g e os gemelares foram excluídos do estudo. Analisaram-se os dados pelo programa SPSS, versão 20. Resultados: A prevalência de MPBN, BPN e PAN foram 10,9% (n=45), 30,3% (n=125), e 58,7% (n=242), respectivamente. A média de peso ao nascer foi de 2.679 g (± 878,07 DP), o tempo médio de internamento de 6 dias, porém quando estratificado pelos grupos de peso, os RNs com peso adequado, BPN e MBPN apresentaram tempo médio de internamento de 2,38 dias (± 5,8 DP), 7,48 dias (± 10,9 DP) e 26,71 dias (± 24,3 DP) respectivamente, apresentando uma correlação inversa com o peso ao nascer estatisticamente significante (p<0,0001). Conclusão: Os dados deste estudo demonstraram elevada frequência de recém-nascidos de baixo peso e muito baixo peso ao nascer, fato que resultou no aumento do tempo de internamento nestes grupos. Portanto a prevenção do nascimento de RNs de muito baixo peso deverá ser uma das prioridades na assistência pré-natal, pois, seguramente, é um dos aspectos mais importante na redução do tempo de internamento. Unitermos: Recém-nascido, Baixo Peso, Internamento, Pré-natal.

PC131 - FREQUÊNCIA DO USO DA SUPLEMENTAÇÃO ORAL HIPERCALÓRICA EM PACIENTES PORTADORES DE NEOPLASIA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO RECIFE - PE

Instituição: Hospital das Clínicas (HC-UFPE), Recife - PE
Autores: Luz MC, Morais GQ, Silva ARA, Holanda LS, Cabral PC.

Objetivos: Avaliar a frequência do uso de suplementação hipercalórica em pacientes portadores de neoplasia em um hospital universitário do Recife-PE Métodos: Estudo do tipo série de casos envolvendo 159 pacientes internados em todo o hospital no ano de 2012 que receberam suplemento hipercalórico fracionado em pequenos volumes. Materiais e Métodos: Os dados foram coletados a partir das prescrições dietéticas. A construção do banco de dados e a análise estatística foram realizadas no programa Epi-info versão 6.04 e SPSS versão 13.0. Resultados: 56% da população estudada eram do sexo feminino e 46,5% da amostra eram portadores de neoplasia. A média de volume fornecido foi de 104±30,6 ml por horário ofertando uma média de 650,87±258,3 calorias e 26±10,3 gramas de proteína numa média de 3,0±0,9 vezes ao dia.O tempo em que esses pacientes foram mantidos em uso desta suplementação foi tido em mediana de 7,0 dias com P25= 3,0 e P75=13,0. Conclusão: O uso da suplementação oral é muito frequente no âmbito hospitalar, principalmente em pacientes portadores de neoplasias, devido ao fato do tratamento quimio e radioterápico afetar diretamente a ingestão alimentar e o apetite levando a anorexia, sendo assim, o uso de um suplemento hipercalórico concentrado, fracionado em pequenos volumes se faz de suma importância como terapia clínica coadjuvante. Unitermos: Suplementação, Hipercalórica, Quimioterapia, Neoplasia, Radioterapia.

PC132 - CONSUMO DE GELATINA E REFRESCO E INGESTÃO DE CORANTES ARTIFICIAIS

Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio ddee Janeiro, Rio de Janeiro - RJ
Autores: Moraes MS, Azeredo DRP.

Objetivos: Avaliar o consumo de gelatina e preparado sólido para refresco e correlacioná-lo com a ingestão de corantes artificiais, por crianças de 2 a 10 anos, atendidas no serviço de Pediatria de uma Unidade Básica de Saúde localizada na região oceânica de Niterói - RJ. Materiais e Métodos: Foi feita aplicação de questionário de avaliação de consumo, frequência quantitativo e qualitativo de consumo de gelatina e preparado sólido para refresco com a população infantil atendida. Avaliaram-se também os dados antropométricos (peso e altura) do público pesquisado. Resultados: Observou-se que a partir dos seis meses de idade as crianças consomem tanto gelatina como refresco. Os principais fatores que motivaram a introdução precoce de gelatinas na alimentação infantil relatado pelas mães estão relacionados ao baixo custo do produto, facilidade de preparo e bom rendimento do produto. Os corantes artificiais presentes foram azul brilhante, bordeaux S(amaranto), FCF(fast green), azul de indigotina, amarelo tartrazina, e amarelo crepúsculo. O teor de sacarose da dieta corresponde a 13,7% da energia total disponível, contra um máximo recomendado de 10% para a população infantil. A ingestão de corantes apresentou-se acima da IDA para crianças. Conclusão: Faz necessário informar melhor a população sobre a importância da escolha de alimentos adequados para o público infantil, com a finalidade de reduzir o consumo dessas substâncias e promover hábitos alimentares saudáveis. Os estudos de consumo de aditivos alimentares deveriam servir de base para a elaboração de estratégias para a vigilância alimentar e nutricional da população infantil. Unitermos: Corantes Artificiais, Consumo, Crianças.

PC133 - ABORDAGEM TERAPÊUTICA NA OBESIDADE INFANTIL

Instituição: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - RJ
Autores: Moraes MS, Lacerda EMA.

Objetivos: Abordar os efeitos de terapias não farmacológicas no tratamento da obesidade infantil. Materiais e Métodos: Revisão sistemática sobre os efeitos das terapias nutricionais e/ou adjuvantes no tratamento da obesidade na infância. Foram pesquisados artigos científicos publicados entre 2007 e 2012 na base de dados PubMed, nos idiomas inglês, português e espanhol. As palavras chaves utilizadas foram: obesity; treatment; strategies. Foram selecionados vinte estudos. Resultados: Dentre os 5 estudos que realizaram intervenção com os pais, 3 apresentaram diminuição do índice de Massa Corporal (IMC) e colesterol sanguíneo e 2 apresentaram adesão ao programa alimentar. Dentre os 4 estudos cuja intervenção foi a prática de atividade física observou-se: redução do percentual de gordura no tronco e circunferência da cintura; redução do LDL-C; melhoria do condicionamento cardiovascular; melhoria das habilidades motoras e redução no IMC. O ambiente escolar foi oportuno para estimular a prática de atividade física. Em 4 estudos que realizaram intervenções dietéticas, todos apresentaram resultados satisfatórios, principalmente quando havia participação ativa da família: redução da ingestão de gordura e colesterol e manutenção de ingestão adequada de sacarose. O aumento da ingestão de água reduziu a prevalência de obesidade. Conclusão: Medidas não farmacológicas no tratamento da obesidade, baseadas em modificações dietéticas com apoio da família e fomento à atividade física, se mostraram eficazes para reduzir obesidade. Unitermos: Obesidade Infantil, Estratégias, Atividade Física.

PC134 - ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE NEOPLASIA

Instituição: Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Uri Erechim, Erechim - RS
Autores: Zanardo VPS, Ceni GC, Segat E, Sartori J, Rosa RD, Deon RG.

Objetivos: Determinar o estado nutricional de pacientes com neoplasia de uma clínica oncológica ao norte do estado do Rio Grande do Sul. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, observacional, descritivo, com uma amostra de conveniência, 32 pacientes da clínica de oncologia que realizavam tratamento de quimio e radioterapia. O estudo foi realizado no período de agosto de 2011 a julho de 2012. Este foi aprovado pelo Comite de Ética em Pesquisa da URI-Erechim. Para verificar o estado nutricional dos pacientes, foram coletados os dados antropométricos e de composição corporal (peso, estatura, circunferência da cintura e dobras cutâneas bicipital, trícipital, sebescapular e supra-ilíaca). O diagnóstico nutricional foi realizado através do Índice de Massa Corporal (IMC); risco de complicações metabólicas associados à obesidade através da avaliação da Circunferência da Cintura (CC); adequação da Dobra Cutânea Tricipital (DCT) e percentual de gordura corporal (%G). A análise dos dados foi realizada através de estatística descritiva, média e desvio padrão. Resultados: A idade dos pacientes avaliados variou de 37 a 89 anos, com média de 61,6(14,9) anos, 61,8% pertenciam ao sexo masculino e 38,2% ao sexo feminino. Segundo a classificação do estado nutricional pelo IMC verificou-se que em média as pacientes do sexo feminino (25,3±4,6) apresentaram-se em sobrepeso e o sexo masculino (22,6±3,2) eutrofia. A circunferência da cintura revelou nas mulheres (92±12,3) apresentaram risco elevado de complicações metabólicas associadas à obesidade e nos homens (89±9,3) não apresentaram este risco. Segundo a adequação da DCT, 60% dos participantes apresentaram eutrofia e apenas 4% foram classificados como desnutridos. Para o %G, as pacientes do sexo feminino apresentaram em média (34,3±5,3) percentual de gordura classificado como risco de doenças associadas à obesidade e o sexo masculino (22,1±6,7) acima da média. Conclusão: Os resultados sugerem acúmulo de gordura corporal, principalmente no sexo feminino, para as variáveis do IMC, CC e %G. Ressalta-se que conhecer o estado nutricional é de fundamental importância nessa modalidade de tratamento, visando sua manutenção e ou recuperação para uma evolução clínica favorável aos pacientes em tratamento oncológico. Unitermos: Estado Nutricional, Neoplasia, Quimioterapia, Radioterapia.

PC135 - AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL EM IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

Instituição: Universidade de Itaúna, Itaúna - MG
Autores: Gonçalves RJM, Souza MAP, Souza ACNM, Anastacio LR, Ferreira LG.

Objetivos: O objetivo do presente estudo foi realizar avaliação do estado nutricional de idosos abrigados em uma ILPI em Itaúna - MG segundo diversos métodos. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo transversal no qual os idosos residentes em uma ILPI no Município de Itaúna, Crasi - Centro de Referência Integrada, foram avaliados quanto ao estado nutricional (Mini Avaliação Nutricional - MAN - e antropometria). Os dados antropométricos consistiram em (peso, altura, dobra cutânea triciptal - DCT - e subescapular - DCSe, circunferência do braço - CB, panturrilha - CP, quadril - CQ e cintura -CC). Os dados obtidos foram classificados segundo a literatura (Frisancho,1981; Lipschitz, 1994; OMS 1998, Kamimura et al. 2005, Nestlê Nutrition Institute, 2009). Resultados: A amostra totatlizava 34 idosos com idade média de 76,7 anos no momento da avaliação, a maioria deles era do sexo feminino (61,8%) e analfabetos (50%). A desnutrição foi a alteração de estado nutricional mais prevalente, chegando a 85,3% dos avaliados segundo o critério de adequação da dobra cutânea tricipital. A MAN identificou 64,7% dos idosos como em risco nutricional ou desnutridos. Entretanto, 29,4% dos idosos foram classificados como sobrepeso, segundo o Índice de Massa Corporal e 52,9% possuíam algum grau de obesidade abdominal, segundo a circunferência de cintura.
Conclusão: Conclui-se que o estado nutricional dos idosos institucionalizados avaliados predominante, de acordo com diversos métodos avaliados, é de desnutrição e risco de desnutrição. Unitermos: Avaliação Nutricional, Estado Nutricional, Geriatria, Idoso, ILPI.

PC136 - PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ONCOLÓGICOS SEGUNDO DIFERENTES INDICADORES DE AVALIAÇÃO EM UM HOSPITAL PARTICULAR DE SÃO LUÍS - MA

Instituição: Faculdade Santa Terezinha - Cest, Sao Luis - MA
Autores: Nogueira MS.

Objetivos: O objetivo do estudo foi avaliar o perfil nutricional dos pacientes oncológicos de um hospital particular de São Luís/MA, segundo diferentes indicadores de avaliação nutricional. Materiais e Métodos: Realizou-se um estudo descritivo e transversal nos meses de agosto e setembro de 2010. Os pacientes responderam a um questionário com dados de identificação, localização do tumor, dados antropométricos e subjetivos. A determinação do estado nutricional dos pacientes foi realizada por meio do Índice de Massa Corpórea (IMC), Circunferência do Braço (CB) e Avaliação Subjetiva Global Produzida pelo Paciente (ASG-PPP) e o risco nutricional foi determinado por meio do Escore de Risco Nutricional e do escore total da ASG-PPP. O projeto desta pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital e Maternidade São Domingos através do processo nº 015/2010 de 12 de julho de 2010 atendendo aos requisitos fundamentais da resolução 196/96 e suas complementares do Conselho Nacional de Saúde/MS. Os dados foram analisados estatisticamente através do programa Stata v.10.0 utilizando os testes estatísticos adequados às variáveis do estudo, e adotando-se nível de significância de p<0,05. Resultados: Dos 34 pacientes avaliados, 61,76% estavam internados, 58,82% eram do sexo masculino, 44,12% eram adultos maduros ou idosos, 38,24% com nível de escolaridade fundamental ou médio. A maioria dos tumores apresentados estavam com metástases (35,29%) e os tumores hematológicos foram os mais prevalentes (26,47%). Em relação ao estado nutricional observou-se que, pelo IMC, a maioria dos pacientes encontrava-se em eutrofia (47,06%), pela CB, 58,82% dos pacientes apresentavam algum grau de desnutrição e segundo a ASG-PPP, a porcentagem de desnutridos foi de 52,94%. Na triagem nutricional, a maioria dos pacientes apresentava algum grau de risco nutricional: 88,23% pelo Escore de Risco Nutricional e 97,06% pelo escore total da ASG-PPP. Conclusão: Foram identificados diferentes percentuais de desnutrição nos pacientes oncológicos entre os indicadores utilizados, demonstrando a necessidade de uma investigação mais completa do estado nutricional desses pacientes, integrando diversos indicadores de avaliação nutricional para o diagnóstico correto do estado nutricional, para qualificar a assistência nutricional e a sobrevida desse paciente. Unitermos: Câncer, Triagem Nutricional, Avaliação Nutricional.

PC137 - ORIENTAÇÕES DIETÉTICAS NO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA

Instituição: Faculdade Santa Terezinha - Cest, São Luís - MA
Autores: Nogueira MS.

Objetivos: O objetivo do presente trabalho é descrever orientações dietéticas para pacientes no pós-operatório da cirurgia bariátrica. Materiais e Métodos: A metodologia utilizada foi o levantamento bibliográfico em publicações específicas de cirurgia bariátrica e seus aspectos nutricionais e nas bases de dados MedLine, Lilacs, Google Acadêmico e SciELO. Resultados: Os resultados apontam para o acompanhamento nutricional regular dos pacientes no pós-operatório com finalidade de evitar e/ou reduzir riscos cirúrgicos e nutricionais visando recuperar ou preservar o estado nutricional e as reservas corporais, respeitando os padrões alimentares e as condições socioeconômicas e culturais dos pacientes. O protocolo de progressão da dieta alimentar depende do tipo de cirurgia realizada, mas, como regra geral, o paciente deve realizar pequenas refeições balanceadas, diversas vezes ao dia, sem a ingestão simultânea de líquidos. Em relação aos macro e micronutrientes, nas cirurgias de maior restrição, há maior restrição calórica. Já aquela com maior componente disabsortivo, a ingestão calórica é maior, porém provoca a perda de calorias e de outros nutrientes pelas fezes. A suplementação nutricional é fundamental a todos os pacientes e deve incluir suplementos polivitamínicos diários. Conclusão: A dietoterapia adequada a cada técnica e necessária em cada fase propõe-se a nutrir de modo eficaz o paciente para uma rápida cicatrização, mantendo o prazer de comer e reduzindo os efeitos clínicos da rápida perda ponderal. Unitermos: Obesidade, Cirurgia Bariátrica, Orientações Nutricionais.

PC138 - PERFIL NUTRICIONAL E SINTOMAS GASTRINTESTINAIS DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDOS À QUIMIOTERAPIA

Instituição: Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Recife - PE
Autores: Soares BLM, Santos DRL, Burgos MGPA, Andrade MIS, Melo JSV, Carneiro ICLM.

Objetivos: Identificar o perfil nutricional e os sintomas gastrintestinais em pacientes com câncer de mama submetidos à quimioterapia (QT) no hospital do câncer de Pernambuco. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal, com avaliação de 83 pacientes, atendidos no setor de quimioterapia, de janeiro a março de 2011. Foram analisados parâmetros como: idade, peso, percentual de peso perdido (%PP), índice de massa corpórea (IMC) e avaliação subjetiva global produzida pelo próprio paciente (ASG-PPP). Resultados: Observou-se IMC médio de 25,66±5,76 kg/m², estando 5,3% com baixo peso, 32% eutróficos e 62,7% com excesso de peso. Em relação às alterações ponderais, 42,16% apresentaram ganho de peso após inicio da QT. Os sintomas gastrintestinais foram identificados em 100% dos pacientes analisados, sendo os mais prevalentes: náuseas (65,93%), anorexia (53,26%), xerostomia (51,31%) e disosmia (41,26%). Conclusão: As alterações gastrintestinais foram frequentes durante a QT, o que pode interferir no estado nutricional desses pacientes, o que reforça a importância do apoio nutricional. Ressalta-se também a importância de uma atenção criteriosa a estes pacientes a fim de melhor serem conhecidas as complexas e distintas alterações no estado nutricional e composição corpórea destes doentes, durante a QT. Unitermos: Neoplasias da Mama, Estado Nutricional, Trato Gastrointestinal.

PC139 - ASSOCIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES PONDERAIS E DOS SINTOMAS GASTROINTESTINAIS COM O TIPO DE NEOPLASIA EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

Instituição: Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Recife - PE
Autores: Soares BLM, Santos DRL, Burgos MGPA, Santos PA, Silva DJ, Gonçalves JT.

Objetivos: Associar as principais alterações gastrintestinais e as alterações ponderais com o tipo de neoplasias em indivíduos submetidos ao tratamento quimioterápico no Hospital do Câncer de Pernambuco. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal, com avaliação de 155 pacientes, atendidos no setor de quimioterapia, de janeiro a março de 2011. Foram analisados parâmetros como: idade, diagnóstico da neoplasia, peso, percentual de peso perdido e a avaliação subjetiva global produzida pelo próprio paciente.
Resultados: Fizeram parte do estudo 155 pacientes, 78,1% do sexo feminino, sendo 64,7% adultos e 35,3% idosos, com idade média de 52,3 ± 13,9 anos. Em relação à localização da neoplasia, o câncer de mama foi o mais frequente (53,5%), seguido das neoplasias situadas no colo do útero (9,7%), cabeça e pescoço (9,7%) e pulmão (5,9%); agrupadas como outras neoplasias, os de próstata (5,2%), ossos (5,2%), intestino (3,85%), sistema linfático (3,21%), estômago (1,9%) e pele (1,9%). Quanto às alterações ponderais, 45,8% apresentaram perda de peso (PP). Foi evidenciado ganho de peso em 42,9% da amostra, dentre estes 49,2% tinham neoplasia de mama. Do total de pacientes que tinham tumor em cabeça e pescoço, 66,6% exibiram PP (p=0,03) após início da QT. As alterações gastrintestinais mais frequentes foram náuseas (64,5%), anorexia (64,5%), xerostomia (63,2%) e disosmia (58,1%). Nos pacientes que apresentaram esses sintomas, a PP prevaleceu sobre o ganho e a manutenção do peso. Naqueles com doença do colo uterino, a anorexia esteve presente em 93,3%, refletindo em 53,33% com PP. Conclusão: As alterações gastrintestinais foram frequentes durante a QT, estando a PP interligada a estas desordens no trato digestório e as neoplasias de cabeça/pescoço. Enquanto que o GP foi principalmente associado às neoplasias de mama. Ressalta-se a necessidade de mais estudos objetivando verificar as alterações de peso e os sintomas gastrintestinais nos diferentes tipos de neoplasias e tratamentos. Unitermos: Neoplasia, Estado Nutricional, Trato Gastrointestinal, Perda de Peso.

PC140 - CONHECIMENTO POPULAR SOBRE ALIMENTOS FONTES DE FERRO UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA ANEMIA FERROPRIVA

Instituição: Faculdade São Miguel, Recife - PE
Autores: Lima CC, Santos DRL, Lima EWF, Fernandes TFS.

Objetivos: Esse trabalho objetivou avaliar o conhecimento sobre fontes naturais de ferro de mães com filhos atendidos no ambulatório pediátrico do Hospital Agamenon Magalhães (Recife - PE). Os dados coletados permitiram traçar o perfil socioeconômico das mães, identificar a ocorrência de anemia nos filhos e sua relação com as condições socioeconômicas, e apontar os alimentos considerados como fontes de ferro. Materiais e Métodos: O estudo do tipo transversal foi realizado no Ambulatório Pediátrico do Hospital Agamenon Magalhães (HAM). Foi aplicado um questionário com abordagem socioeconômica, alimentar e ocorrência de anemia nos filhos a 55 mães selecionadas de forma não probabilística, intencional e sem sorteio com filhos atendidos na unidade. O questionário aplicado continha 12 questões a partir do qual foi construído o banco de dados. Para análise estatística foi utilizado o programa Statistical Package for Social Science - SPSS for Windows, versão 12.0. As mães submetidas à pesquisa tinham que ter no mínimo um filho com idade acima de seis meses e que assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) autorizando a coleta de dados. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Agamenon Magalhães, com registro do Comitê n° 72. Foi garantindo sigilo e privacidade em relação ao nome, e informações das participantes, que eram livres para desistir da pesquisa a qualquer momento. Resultados: A maioria das mães era solteira, morava em casa própria, tinha o ensino médio completo, usava a TV como principal meio de informação e 43,6% das mães tinha apenas 01 filho. A ocorrência de anemia foi relatada em 34,5% das entrevistas e 70,9% em menores de 05 anos. Verificou-se uma prevalência de anemia em filhos de mães com idade <20 anos, casadas, com casa própria, que tinham apenas o ensino fundamental completo e renda familiar entre 1 e 2 salários mínimos. Para analisar o conhecimento das mães sobre os alimentos fontes de ferro, avaliou-se como "certo" os alimentos com mais de 0,7mg de ferro em sua composição e os alimentos listados pelo Programa Nacional de Alimentação e Nutrição como fontes de ferro. Das entrevistadas, 32,7% tiveram 100% de acerto ao citarem os alimentos que conheciam como sendo fonte de ferro. A maioria das mães conhecia boas fontes de ferro, porém tinha mais filhos com anemia. Os alimentos mais citados foram beterraba e feijão, ricos em ferro não-heme, que é pouco absorvido pelo organismo. Conclusão: Os dados obtidos se equiparam ao de outras pesquisas desenvolvidas no Estado e em outros Estados brasileiros e destacam a importância de um maior conhecimento das fontes naturais de ferro e a melhor forma de aproveitá-lo dos alimentos. Com a educação nutricional é possível aumentar o conhecimento da população sobre a deficiência de ferro. Unitermos: Anemia, Anemia Ferropriva, Conhecimento Popular, Alimentos Fontes de Ferro, Ferro.

PC141 - QUALIDADE DE VIDA EM RENAIS CRÔNICOS QUE REALIZAM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

Instituição: Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Uri Erechim, Erechim - RS
Autores: Zanardo VPS, Turski T, Zemolin GP, Spinelli RB, Rosa RD, Deon RG.

Objetivos: O presente estudo teve como objetivo analisar a qualidade de vida de pacientes renais crônicos que realizavam hemodiálise em um hospital público de uma cidade ao norte do estado do Rio Grande do Sul. Materiais e Métodos: Este estudo transversal foi do tipo quali-quantitativo, realizado com 30 pacientes renais crônicos. Para a realização do estudo, foi aplicado um questionário contendo os dados sociodemográficos e dados referentes ao tratamento, e o Questionário Genérico de Qualidade de Vida SF-36. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa de URI - Erechim sob o número 154-TCH-11. A análise dos dados foi realizada através de estatística descritiva percentual, com média e desvio padrão. Resultados: Foram avaliados 30 pacientes portadores de Insuficiência Renal Crônica, que realizavam sessões de Hemodiálise com idade entre 23 a 81 anos. Destes, a maioria (70%) eram adultos, e o restante (30%) idosos, e prevaleceu o sexo masculino, 56,7%. Ao serem abordados quanto ao estado civil, verificou-se que 18 (60,1%) eram casados, enquanto que 10 (33,3%) encontravam-se solteiros. Com relação ao nível de escolaridade, a maioria dos pacientes (53,3%) possuíam o primeiro grau incompleto, e somente 1 paciente (3,3%) havia concluído o 3º grau. Em relação à renda a maioria (56,7%) referiu que recebe entre 1 e 2 salários mínimos mensais, seguido por 3 a 5 salários (41%). A pontuação obtida em todos os domínios avaliados pelo questionário SF-36, no presente estudo, demonstram que os pacientes percebem o impacto da doença em sua Qualidade de Vida (QV), principalmente no que se refere aos aspectos físicos (23,3±23,37), estado geral de saúde (23,5±1,85) e aspectos emocionais (25,5±28,58), sendo os maiores escores apresentados relacionados a capacidade funcional (69,2±15,42) e dor (68,3±18,32). Conclusão: Na avaliação do questionário SF-36 pode-se observar que os pacientes apresentaram prejuízos da QV principalmente relacionadas aos aspectos físicos, estado geral de saúde e aspectos emocionais, enquanto que em outras dimensões, como capacidade funcional e dor os escores estiveram um pouco mais elevados indicando uma melhor QV para estas dimensões. Unitermos: Qualidade de Vida, Insuficiência Renal Crônica, Diálise Renal.

PC142 - ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA DIETÉTICOS DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA

Instituição: Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE
Autores: Maciel PMCT, Queiroga CS, Justa RMDE, Lira LG, Brayner BVA, Verde SMML.

Objetivos: Avaliar o Índice Glicêmico (IG) e Carga Glicêmica (CG) dietéticos e sua relação com o estado nutricional e estadiamento clínico (EC) de mulheres com neoplasia mamária. Materiais e Métodos: Estudo observacional de corte transversal, realizado com 100 mulheres com câncer de mama atendidas em um centro de referência em oncologia na cidade de Fortaleza - CE, sendo selecionadas, por conveniência, de modo consecutivo e não-probabilístico, no período de Julho a Dezembro de 2012, estando incluídas pacientes maiores de 19 anos, em tratamento clínico, sem neoplasias prévias. Renda familiar, escolaridade e estadiamento clínico (EC) foram coletados dos prontuários. Utilizou-se índice de massa corporal (IMC) para definição do diagnóstico nutricional e circunferência da cintura (CC) para risco cardiovascular. A partir do consumo alimentar, avaliado pelo questionário quantitativo de frequência alimentar (QQFA) validado por Lima et al (2007) para mulheres do nordeste brasileiro, foi possível calcular IG e a CG utilizando-se a tabela de Brand-Miller et al (2003). A análise estatística foi realizada com auxílio do programa SPSS versão 20.0 e considerados significativos valores de p<0,05. Resultados: As pacientes apresentaram idade média de 50,9 anos (±10,23). A maioria (n=59) recebia menos de 1 salário mínimo e 54% (n=54) apresentavam escolaridade de ensino fundamental incompleto. Clinicamente, Carcinoma com localização ductal foi mais prevalente (n=83; 83%) e, em EC III (n=60; 60%). Quimioterapia associada à radioterapia foi o tratamento de escolha para, 45% (n=45) das pacientes avaliadas. O IMC médio de 28,8 kg/m2 (±4,48) indicou sobrepeso e 76% (n=76) apresentou diagnóstico nutricional de excesso de peso. Segundo a CC, 89% (n=89) apresentou risco cardiovascular associado à obesidade, com valor médio de 98,7cm (±10,9). O IG médio foi de 59,9(±4,9), classificado como moderado, e a CG média foi de 176,2(±73,3), classificada como alta. As médias de IC e CG foram semelhantes nos diferentes diagnósticos nutricionais (p=0,64 e p=0,11) e EC (p=0,11 e p=0,28). Entretanto, houve diferença no IG entre as mulheres analfabetas e aquelas com superior completo (p=0,02). IG e CG não apresentaram correlação com peso, IMC e CC. Conclusão: O IG e CG glicêmica dietéticos estavam em nível moderado e elevado, respectivamente. Não verificamos relação entre IG e CG e o diagnóstico nutricional e estadiamento clínico. Unitermos: Câncer de Mama, Índice Glicêmico, Carga Glicêmica.

PC143 - MINI AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NO IDOSO: UMA FERRAMENTA PARA A DETECÇÃO DO RISCO NUTRICIONAL

Instituição: Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Poa - RS
Autores: Groth K, Brum RR, Fernades D, Paludo J.

Objetivos: Avaliar o risco nutricional e a aplicabilidade de instrumento de triagem em idosos hospitalizados. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal. A amostra foi composta por 70 idosos, de ambos os gêneros com idade superior ou igual a 60 anos, internados no Complexo Hospitalar da Santa Casa de Porto Alegre/RS. Para avaliação do risco nutricional foi utilizado o questionário MNA - Mini Avaliação Nutricional (MAN) utilizando a versão traduzida para o português pela Nestlé Services da Mini Avaliação Nutricional sendo esta a versão do método Short-form Mini Nutritional Assessment (Guigoz, 2006). A avaliação antropométrica foi realizada pelo Índice de Massa Corporal (IMC). Utilizou-se os pontos de corte propostos por Lipschitz (1994). A idade, gênero e o motivo da internação foram obtidos através do prontuário. As variáveis contínuas foram descritas por média e desvio padrão e as categóricas por frequências absolutas e relativas. A associação Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo e descritivo. A amostra foi composta por 70 idosos, de ambos os gêneros com idade superior ou igual a 60 anos. Resultados: Verificou-se pela MAN que: 17,1% da amostra encontravam-se eutrófica, 40% em risco para desnutrição e 42,9% com desnutrição. Conforme descrito na tabela abaixo, houve associação significativa do estado nutricional com a faixa etária (mais desnutrição na faixa de 70 a 79 anos e mais eutrofia nos de 60 a 69 anos) e com a classificação do IMC (desnutridos MAN associados com baixo peso IMC, risco para desnutrição MAN associado com eutrofia IMC e eutróficos MAN associados com excesso de peso IMC). Conclusão: Através da utilização da MAN, observamos uma alta prevalência de risco nutricional e desnutrição nos idosos hospitalizados pesquisados. A identificação precoce dos desvios do estado nutricional, por esta ferramenta, possibilita ao profissional nutricionista a realização pró-ativa de uma avaliação nutricional completa e de uma consequente intervenção nutricional efetiva. Unitermos: Triagem Nutricional, Idosos.

PC144 - PADRÃO DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS POR SONDA ENTERAL E VIA ORAL EM UTI ADULTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Instituição: Hospital Universitario de Londrina, Londrina - PR
Autores: Donegá SLZ, Moraes DSC, Rumiato AC, Silva KZ, Michelin AP.

Objetivos: Identificar as formas farmacêuticas prescritas por sonda enteral e via oral em adultos internados na UTI. identificar a prevalência das dietas prescritas por sonda e via oral em adultos internados na UTI. Materiais e Métodos: Esta é a primeira fase de um trabalho que visa identificar por meio das prescrições médicas dos pacientes adultos internados na UTI, no período de maio de 2012 a abril de 2013, as formas farmaceuticas prescritas por sonda enteral e via oral, as dietas mais prevalentes, e na segunda etapa, as interações medicamentosas que poderão ocorrer nas administrações visualizadas. Este trabalho faz parte do estágio do curso de farmácia, que preve o contato com várias áreas de atuação. Resultados: Os resultados parcias demonstram uma tendencia de prescrição de formulações farmaceuticas do tipo comprimido (cp) por sonda enteral. Com relação as dietas prescritas há um predominio de dietas enterais em sistema fechado de infusão. Nas prescrições de dieta por via oral, observa-se prescrição de medicamentos tanto por sonda quanto via oral. Conclusão: Há necessidade de se conhecer as formas de administração de medicamentos mais detalhadamente, uma vez que as formulações do tipo sólidas podem entupir as sondas e provocar trocas desnecessárias das mesmas. É importante o conhecimento da prescrição de medicações e dietas, pois independente da forma de administração do medicamento, pode haver interação prejudicial ao paciente. Unitermos: Medicamentos, Sonda Enteral, Dietas Enterais.

PC145 - HIPERTENSÃO: A IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DO TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS

Instituição: Inmetro, Duque de Caxias - RJ
Autores: Andrade MC, Braga KS.

Objetivos: O objetivo do presente estudo foi apresentar a população principalmente à hipertensa interpretar a informação nutricional presente na rotulagem de alimentos quanto ao alto teor de sódio e a importância atribuída a esse conhecimento. Materiais e Métodos: Estudo de revisão com levantamento bibliográfico nas bases de dados Medline (National Library of Medicine), Revistas de Saúde Pública, Revista Científicas Nutrição em pauta e Nutrição Brasil, SciELO (Scientific Eletronic Library On Line) e dos comitês nacionais e internacionais de saúde. Foram considerados artigos científicos e publicações institucionais referentes à temática hipertensos e conhecimento do sódio nos últimos 12 anos (1999-2012). Resultados: Em um estudo da ANVISA foram analisados vários alimentos quanto ao alto teor de sódio. Os dados revelam que existe a possibilidade de redução na quantidade de sódio em todas as categorias de alimentos avaliados. Reforçando a importância do acordo governamental com as associações das indústrias (ANVISA, 2012). Já em pesquisa realizada no município do Rio de Janeiro em 2009 verificou-se que continua alto o consumo de sódio e principalmente o desconhecimento por parte dos hipertensos em identificar tais alimentos. Foi um estudo observacional com questionário aplicável para 67 hipertensos e 50% não sabia identificar o teor de sódio nos alimentos e fazendo uso de pão de sal, embutidos, temperos, sopas prontas e sucos industriais diariamente (Andrade,2009).O sódio está presente nos alimentos in natura, no sal que é adicionado no preparo dos alimentos, no uso do saleiro à mesa, e, de modo bastante concentrado, nos alimentos industrializados (Ferreira, 2007). Conclusão: A intervenção educativa é primordial e deve existir, pois o hipertenso desconhece ou mesmo não presta atenção quanto ao uso do saleiro, consumo de sódio e compra de produtos industrializados. Somente com campanhas educativas e equipe multiprofissional atuante e também a mídia para funcionar como alerta para tal população. Adotar hábitos mais saudáveis é a melhor prevenção. Unitermos: Hipertensão Arterial, Sódio, Prevenção.

PC146 - EFEITOS DA GASTROPLASTIA REDUTORA COM DERIVAÇÃO INTESTINAL EM Y DE ROUX (GRDIYR) EM PACIENTES COM SÍNDROME METABÓLICA

Instituição: Universidade Paulista, Brasília - DF
Autores: Oliveira MRM, Fortes RC, Milhomem PD, Arruda SLM.

Objetivos: Analisar os efeitos da Gastroplastia Redutora com Derivação Intestinal em Y de Roux (GRDIYR) em pacientes com síndrome metabólica no pré e pós-operatório. Materiais e Métodos: Estudo retrospectivo analítico realizado em uma Clinica Particular Especializada em Cirurgia de Obesidade, em Brasília - DF, Brasil. Foram analisados quarenta prontuários de pacientes submetidos à GRDIYR com diagnóstico sugestivo de síndrome metabólica entre o segundo semestre de 2009 e o primeiro semestre de 2010, avaliando o pré e pós-cirúrgico. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da Universidade Paulista, Campus Indianópolis - SP sob o parecer nº 125.587. Resultados: Após análise constatou-se alto percentual de mulheres, idade entre 31 e 40 anos, sedentarismo e elevada prevalência de esteatose hepática. Observou-se redução importante do peso corporal, índice de massa corporal e percentual de perda de excesso de peso após dois anos de intervenção cirúrgica. Em relação aos exames laboratoriais, averiguou-se redução significativa de glicemia, circunferência abdominal, triglicérides, pressão arterial e aumento significativo da lipoproteína de alta densidade (HDL), com impacto positivo após cirurgia bariátrica. Conclusão: Os resultados indicam que a GRDIYR é eficaz em promover perda ponderal sustentada em obesos graves atingindo a base fisiopatológica da síndrome metabólica promovendo seu controle ou remissão. Unitermos: Obesidade, Cirurgia Bariátrica, Síndrome Metabólica.

PC147 - DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL DE PACIENTES EM ASSISTÊNCIA HOSPITALAR DE INFECTOLOGIA

Instituição: Instituto de Infectologia Emílio Ribas II - Baixada Santista, Santos - SP
Autores: Ferraz LF, Viriato A, Moura A.

Objetivos: Apresentar o diagnóstico nutricional de pacientes portadores de doenças infectocontagiosas na admissão hospitalar. Materiais e Métodos: Tratou-se de uma pesquisa transversal, através da revisão de prontuários de 139 pacientes hospitalizados. Para classificação do estado nutricional utilizou-se o IMC. Resultados: Os diagnósticos clínicos mais presentes foram: HIV/SIDA e Tuberculose Pulmonar. Os dois grupos analisados (adultos e idosos) apresentaram déficit no estado nutricional: o primeiro com 47,4% e o segundo com 87,5% abaixo do peso ideal. Quanto à terapia nutricional ofertada, 85% dos analisados receberam terapia nutricional por via oral, enquanto 12% por via enteral. O diagnóstico nutricional dos pacientes estudados foi caracterizado pela prevalência de baixo peso nos grupos segundo o IMC. Conclusão: Pode-se confirmar que é comum a presença de desnutrição entre os pacientes hospitalizados com doenças infectocontagiosas e que a avaliação nutricional é de extrema importância para o diagnóstico prévio deste estado e para que seja instituída a terapia nutricional adequada mais precocemente, melhorando assim a qualidade de vida dos pacientes. Unitermos: Estado Nutricional, Infectologia, Hospitalização

PC148 - PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES IDOSOS EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL DOMICILIAR DE UMA EMPRESA DA CIDADE DE FORTALEZA - CE

Instituição: Universidade de Fortaleza - UNIFOR, Fortaleza - CE
Autores: Anastácio AD, Carvalho DV, Antunes MFR, Silva CAB, Carlos DMO, Lima Verde SMM.

Objetivos: Caracterizar o perfil nutricional de pacientes idosos em terapia nutricional enteral domiciliar de uma empresa da cidade de Fortaleza - CE. Materiais e Métodos: Estudo descritivo e transversal, realizado com 40 pacientes acamados, com idade igual ou superior a sessenta anos, em terapia nutricional enteral domiciliar atendidos durante o período de fevereiro de 2007 a agosto de 2008. Foram avaliados dados clínicos, antropométricos e características da dieta. Resultados: A maioria (65%) dos pacientes era do sexo feminino. A idade média encontrada foi 85,5 ± 9,9 anos entre idosas e 82,3 ±1,4 anos entre idosos. O grupo das doenças neurológicas predominou como diagnóstico clínico em 60% da amostra. Identificou-se desnutrição em 47,5% dos idosos através da circunferência braquial, em 27,5% através da prega cutânea tricipital e em 65% através da circunferência muscular do braço. A média das necessidades nutricionais foi 1107,2 ± 169,8 Kcal e o consumo médio 1387 ± 291,4 Kcal. Quanto à localização da sonda, a gastrostomia predominou em 42,5% dos estudados. Conclusão: Nesse estudo, observou-se alta prevalência de desnutrição proteica que pode ser atribuído ao fato das alterações que ocorrem na composição corporal do idoso e ao diagnóstico clínico de doença neurológica a qual acarreta perda ponderal provavelmente decorrente do alto gasto energético e das alterações do córtex cerebral. Unitermos: Idoso, Estado Nutricional, Pacientes Domiciliares, Nutrição Enteral.