Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



GANEPÃO 2013
INTERESSE CIENTÍFICO - IC
GANEPÃO 2013

IC01 - OFICINA COM O USO DA BIOMASSA DE BANANA VERDE EM SUCOS FUNCIONAIS PARA PACIENTES EM RADIOTERAPIA ATENDIDOS NA LIGA NORTERIOGANDENSE CONTRA O CÂNCER

Instituição: Universidade Potiguar (UNP), Natal - RN
Autores: Lima WP, Rocha IMG, Dantas MBVC, Nyberg ACS.

Objetivos: Diante das possibilidades de utilização da biomassa de banana verde na terapia nutricional de pacientes oncológicos, o presente trabalho tem o objetivo de relatar a realização de uma oficina de sucos funcionais com o uso da biomassa de banana verde, ocorrida em 18 de maio de 2012 no Centro Avançado de Oncologia, hospital integrante da Liga Norte-Riograndense Contra o Câncer, localizado em Natal - RN. Materiais e Métodos: Para a realização da oficina foram confeccionados materiais didáticos contendo a descrição dos benefícios da biomassa de banana verde para a saúde dos pacientes oncológicos em tratamento de radioterapia, bem como as alternativas para incluí-la nas preparações, além da Ficha Técnica de Preparação e a informação nutricional. Selecionaram-se quatro receitas de sucos para degustação durante a oficina e elaborou-se, ainda, um folder explicativo contendo a utilização da biomassa e as 4 receitas para serem entregues aos pacientes. Resultados: A oficina contou com a participação de aproximadamente 50 pacientes do Centro Avançado de Oncologia e abordou a explicação dos efeitos da biomassa de banana verde no organismo, a técnica de preparo com o passo-a-passo do processo de cozimento e do armazenamento. Conclusão: Foi possível obter êxito com a atividade e os objetivos foram alcançados. Foi mostrado aos ouvintes que a alimentação saudável e uma terapia nutricional adequada se faz de suma importância para que se obtenha sucesso durante e após o tratamento clínico oncológico. Unitermos: Oncologia, Nutrição Funcional.

IC02 - VERIFICAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO CONSUMO DE LEITE FERMENTADO PROBIÓTICO NA IMUNIDADE DE IDOSOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA EM BLUMENAU/SC

Instituição: Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau - SC
Autores: Silva AA, Reiter MGR, Kuroski B, Feliciano RD.

Objetivos: Verificar os efeitos do consumo de leite fermentado probiótico do gênero Lactobacillus na imunidade de idosos; dividir os idosos em Grupo Controle e Grupo Teste; desenvolver placebo para o Grupo Controle; administrar leite fermentado probiótico ao Grupo Teste; solicitar exames laboratoriais ao início e ao final da pesquisa; verificar se houve aumento das células da imunidade inata. Materiais e Métodos: Foram avaliados 9 idosos, sexo masculino e feminino, entre 60 e 96 anos, divididos em Grupo Controle e Grupo Teste. Os idosos foram submetidos a administração de dieta placebo e dieta com bebida fermentada probiótica. Previamente e posteriormente ao consumo, realizaram-se exames laboratoriais para verificar possível proliferação de células relacionadas a imunidade inata. Realizou-se uma análise quantitativa e os grupos foram comparados através do teste t de student. Foram consideradas significativas diferenças se o valor p atingisse < 0,05. Resultados: Das células avaliadas, houve aumento significativo dos basófilos (p = 0,0497) e eosinófilos (p = 0,0497) no Grupo Teste. Outras células da imunidade inata dos idosos tiveram aumento, tanto no Grupo Controle quanto no Grupo Teste, entretanto não foi significativo na maioria dos resultados laboratoriais. Conclusão: O consumo de leite fermentado probiótico contendo Lactobacillus casei Shirota em idosos pode estar associado ao aumento da imunidade inata. Apesar de algumas células aumentarem significativamente, o período de consumo (um mês) pode ter influenciado negativamente ao acréscimo das células. Unitermos: Probiótico, Imunidade, Lactobacillus Casei Shirota, Idosos.

IC03 - EFEITO DA ADMINISTRAÇÃO DE PROBIÓTICOS SOBRE O ESTADO INFLAMATÓRIO DE MULHERES COM EXCESSO DE PESO

Instituição: Universidade Federal de Goiás, Goiânia - GO
Autores: Gomes AC, Mota JF.

Objetivos: Avaliar a influência da administração de probióticos sobre a composição corporal, peroxidação lipídica, capacidade antioxidante total, perfil lipídico, concentrações séricas de LPS, de citocinas pró-inflamatórias e modificação da microbiota intestinal em mulheres com excesso de peso. Materiais e Métodos: O estudo será realizado nos ambulatórios de nutrição geral e de nutrição em endocrinologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (HC/UFG).O projeto foi aprovado Comitê de Ética em pesquisa da Universidade Federal de Goiás (Protocolo 044/2012).A população do estudo será composta por mulheres com excesso de peso (Índice de Massa Corporal entre 25 e 39,9 kg/m2), com idade entre 20 e 64 anos, que recebem atendimento nos ambulatórios de nutrição geral e HC/UFGs. As 60 mulheres com excesso de peso serão divididas aleatoriamente em dois grupos: GP: 30 mulheres que receberão cápsulas contendo 200mg de maltodextrina; GS: 30 mulheres que receberão cápsulas contendo 2,5x10^10 UFC de B. bifidum e 2x10^9 UFC L. Fermentum. As variáveis analisadas no estudo serão: peso, estatura, massa livre de gordura, percentual de gordura corporal, colesterol total, HDL-c, LDL-c, triacilglicerol, AST, GGT, ALT, PCR, adiponectina, TNF-a, IL-6, LPS, MDA, FRAP e microbiota intestinal. Resultados: Com a administração do suplemento probiótico é esperada redução das concentrações plasmáticas de LPS. A redução da endotoxina plasmática diminui a ativação do TLR4 e consequentemente seria observada diminuição das concentrações de TNF-h1e IL-6. Em sequência à redução do estresse inflamatório, poderá ser observada diminuição das concentrações plasmáticas de glicose e insulina ao final do estudo. Um provável aumento das concentrações de adiponectina ocorrerá, visto que existe correlação negativa entre as concentrações desse hormônio e as de marcadores inflamatórios. Com a redução da via de sinalização inflamatória ocorreria uma diminuição da indução de espécies reativas ao oxigênio e nitrogênio. Dessa forma, ao final do estudo seria verificada menores concentrações de MDA no GS. Com a redução dos marcadores inflamatórios e oxidativos haverá uma regularização da atividade mitocondrial e das enzimas responsáveis pela beta-oxidação, podendo ser observadas alterações positivas no % gordura corporal e IMC. Conclusão: A partir da redução do estresse inflamatório surge a possibilidade de uma nova terapêutica no tratamento da obesidade, prevenindo o desenvolvimento de complicações cardiovasculares e melhorando a qualidade de vida de mulheres com excesso de peso. Trata-se de um projeto de mestrado a ser desenvolvido no ano de 2013 com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás. Unitermos: não informado.

IC04 - FRUTO-OLIGOSSACARÍDEOS E ESTADO NUTRICIONAL DE FERRO E ZINCO DE PRÉ-ESCOLARES

Instituição: Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre - ES
Autores: Vaz Tostes MG, Viana ML, Pedrosa RG, Grancieri M, Costa NMB.

Objetivos: A Yacon (Smallanthus sonchifolius) é uma raiz, que contem alto teor de frutooligossacarídeos (FOS). FOS promovem alterações morfológicas, redução de pH e produção de ácidos graxos de cadeia curta no intestino, importantes na biodisponibilidade de minerais. Este trabalho visou avaliar os efeitos do consumo de batata Yacon sobre o estado nutricional de ferro e zinco em pré-escolares. Materiais e Métodos: Foram selecionadas crianças entre 2 e 5 anos, de duas creches municipais de Alegre - ES, sendo uma o grupo experimental, com oferta de Yacon (Y) e a outra, o grupo controle (C). Para oferta de Yacon, foi obtida a farinha, acrescentada em preparações em quantidade adequada ao fornecimento de 0,14 g/kg/dia de FOS (Genta et al., 2009). As preparações foram ofertadas de segunda a sexta-feira, por 18 semanas. Foram colhidas amostras de aproximadamente 6 mL de sangue, para realização do eritrograma e dosagem de ferritina, ferro sérico e zinco plasmático e eritrocitário. A determinação de hemoglobina e ferro sérico foi realizada pelo método colorimétrico, ferritina sérica por imunoturbidimetria e zinco por espectrofotometria de absorção atômica. A comparação entre os dois momentos foi realizada pelo teste t pareado, e entre grupos teste t (p<0,05), utilizando o programa estatístico SPSS, versão 19.0. O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética, protocolo nº 028/2012. Resultados: Os parâmetros bioquímicos foram analisados em 60 crianças: 34 do grupo Y e 26 do grupo C. Não houve alteração significativa (p>0,05) nos níveis de hemoglobina, ferro sérico, ferritina e zinco plasmático e eritrocitário ao início do período experimental (13,34±1,54g/dL; 62,45±29,97mg/dL; 35,47±25,39mg/L; 105,64±29,70mg/dL; 38,72±13,28 mg/gHg, respectivamente) e ao final (11,26±1,70g/dL; 62,23±25,16mg/dL; 36,34±36,89mg/L; 109,68±28,30 mg/dL; 31,38±10,89mg/gHg, respectivamente). No grupo-controle houve redução nos níveis de ferro sérico, comparando os dois momentos (92,51±69,97mg/dL; 61,56±31,95mg/dL). Os níveis de hemoglobina, ferritina e zinco plasmático e eritrocitário foram semelhantes nos dois momentos estudados (início: 13,64±2,53g/dL; 37,37±27,37mg/L; 146,92±35,24mg/L; 43,49±10,42mg/dL e final: 12,94±1,84g/dL; 28,43±33,08mg/L; 131,21±48,99mg/L; 40,60±10,25mg/dL, respectivamente). Na comparação entre grupos observou-se que houve diferença significativa (p<0,05) no ferro sérico e zinco plasmático no início, bem como de zinco plasmático e eritrocitário ao final do estudo. Conclusão: Apesar dos potenciais benefícios da farinha de Yacon na biodisponibilidade de minerais, no presente estudo não foram observados efeitos no estado nutricional de ferro e zinco de pré-escolares. Unitermos: Frutooligossacarídeos, Biodisponibilidade, Ferro, Zinco, Pré-escolares.

IC05 - ALIMENTO FUNCIONAL COM BAIXO TEOR DE GORDURA E RICO EM FIBRAS: UMA OPÇÃO SAUDÁVEL PARA O LANCHE INFANTIL

Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis - SC
Autores: Kuntz MGF, Fiates GMR, Teixeira E, Fernandes R, Beserra BTS.

Objetivos: Desenvolver alimento funcional com baixo teor de gordura e rico em fibras destinado à população infantil. Materiais e Métodos: Após a realização de grupos focais para definição das características desejadas no produto pela população alvo, foram desenvolvidos muffins utilizando os ingredientes maçã, farinha de trigo integral, aveia, farelo de trigo, gérmen de trigo, cacau em pó, canela em pó e castanha-do-pará, onde o óleo vegetal da preparação padrão foi substituído por inulina em concentração de 8% no produto funcional. Foram determinados os teores de gordura total, fibra alimentar e o valor energético e realizada análise sensorial (aceitação global) com escolares de 7 a 10 anos. Resultados: O muffin com inulina apresentou redução da quantidade de gordura (58%) e do valor calórico (16,5%) e aumento do conteúdo de fibra alimentar (475%) em relação ao muffin padrão (com óleo vegetal). A aceitação global não diferiu em relação à amostra padrão (p>0,05). Conclusão: A inclusão de inulina como ingrediente funcional nas preparações é uma opção para a melhoria da qualidade nutricional das mesmas, mantendo a aceitação. Unitermos: Inulina, Desenvolvimento de Produtos Alimentares, Muffin, Escolares.

IC06 - RESULTADO DO USO DE SIMBIÓTICO EM DOIS LACTENTES COM FIBROSE CÍSTICA

Instituição: Instituto da Criança - Hospital das Clínicas FMUSP, São Paulo - SP
Autores: Neri LCL, Veiga CS, Silva Filho LVRF, Murakami DK, Cardoso AL.

Objetivos: Descrever os efeitos do uso de simbiótico nas manifestações gastrintestinais de dois lactentes com Fibrose Cística. Materiais e Métodos: Dois lactentes com fibrose cística e problemas gastrintestinais de difícil controle foram atendidos no ambulatório de lactentes com fibrose cística do ICR-HC-FMUSP. PEFS - apresentou íleo meconial ao nascimento. Foi realizada uma ileostomia com 9 dias de vida e evoluiu com elevado número de evacuações, apesar de receber doses preconizadas de enzimas pancreáticas. O uso de um produto obtido pela associação da fibra prebiótica frutooligossacarídeo (3,4 g) com duas cepas de probióticos (Lactobacillus acidophilus e Bifidobacterium lactis - ambos em 108 a 109 UFC) - resultando em um simbiótico (LactoFiber®) - ajudou a diminuir o número de evacuações, e a criança passou a ter uma boa evolução ponderal. LF - evoluía com número aumentado de evacuações diárias e não evoluía no seu ganho de peso e estatura. Introduzido o simbiótico, houve melhora do quadro em menos de 10 dias. Resultados: Houve melhora da consistência e diminuição do número aumentado de evacuações nos dois pacientes com a introdução do simbiótico. Além disso, as crianças passaram a receber menos enzimas pancreáticas e tiveram melhora significativa no desenvolvimento clínico. Conclusão: Em lactentes com fibrose cística com perdas gastrintestinais aumentadas apesar do uso adequado de enzimas pancreáticas, o uso de simbiótico parece ser uma alternativa para melhora clínica e sintomática. Unitermos: Fibrose Cística, Simbiótico, Manifestações Gastrintestinais, Lactentes.

IC07 - SENSIBILIDADE DE BIFIDOBACTERIUM E LACTOBACILLUS GASSERI A ANTIBIÓTICOS COMUMENTE UTILIZADOS EM UTI NEONATAL

Instituição: Universidade Federal de Viçosa, Viçosa - MG
Autores: Martins JFL, Rocha AL, Alvarenga MB, Rafael VC, Ferreira CLLF.

Objetivos: Avaliar a tolerância de estirpes probióticas de Bifidobacterium e Lactobacillus gasseri (L. gasseri) aos antibióticos mais utilizados em UTI neonatal no Brasil. Materiais e Métodos: As análises envolveram três estirpes de Bifidobacterium da American Type Culture Collection (ATCC): B. breve 15700, B. longum 15708 e B. bifidum 29521; e um pool de sete estirpes de L. gasseri originadas de criança alimentada com leite humano e sem uso de medicamentos, depositadas no Banco de Culturas do Laboratório de Culturas Láticas (Universidade Federal de Viçosa, Brasil): L. gasseri 02, 10, 18, 22, 24, 32 e 35. Estas foram ativadas com inoculação a 1% em caldo MRS, com o meio modificado para Bifidobacterium, por três vezes e incubação em anaerobiose (37°C / 18 - 24 h). As culturas foram mantidas a - 80°C nos meios com 30% de glicerol a 20 %. Adicionou-se 0,1 mL de cada inóculo na superfície de placas de Petri contendo os meios. Utilizou-se o método de discos impregnados de antibióticos, com sua fixação nas placas e incubação em anaerobiose (37°C / 48 h). Os halos formados foram medidos e analisados conforme normas NCCLS M7-A6. Resultados: As bactérias bífidas foram 100 % sensíveis à metade dos antibióticos avaliados (penicilina, oxacilina, amoxicilina, gentamicina, vancomicina, sulfonamidas e ciprofloxacina). Cerca de 90 % demonstraram sensibilidade para cefalexina e cefalotina e aproximadamente 70 % não resistiram à ceftriaxona, meropenem e ampicilina. Por outro lado, o pool de L. gasseri mostrou-se mais resistente à maioria dos antibióticos avaliados, justificando uma reavaliação para conhecimento da sensibilidade destas estirpes aos antibióticos avaliados. Conclusão: As bactérias probióticas de Bifidobacterium e Lactobacillus avaliadas neste estudo indicaram diferentes níveis de sensibilidade aos 14 antibióticos mais utilizados em UTI Neonatal, no Brasil. Este estudo direciona para a necessidade do conhecimento da sensibilidade de micro-organismos com potencial probiótico para garantir a segurança de sua aplicação. Unitermos: Bifidobacterium, Lactobacillus Gasseri, Antibióticos, Probióticos.

IC08 - VIABILIDADE DO L. CASEI (LC-1) EM BEBIDAS POTENCIALMENTE SIMBIÓTICAS À BASE DE EXTRATOS AQUOSOS DE QUINOA (CHENOPODIUM QUINOA WILLD) E SOJA

Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas- Unesp, Araraquara - SP
Autores: Bianchi F, Rossi EA, Gomes RG, Sivieri K.

Objetivos: Avaliar a viabilidade do L. casei em bebidas potencialmente simbióticas com diferentes proporções de extrato aquoso de soja e de quinoa durante 28 dias de armazenamento refrigerado, bem como verificar se as diferentes proporções de extratos utilizados e, mudanças no pH e na acidez durante este período, podem influenciar a sobrevivência do microrganismo probiótico nas bebidas. Materiais e Métodos: A viabilidade do L. casei, assim como os valores de pH e de acidez das bebidas, foram avaliados nos tempos 0, 7, 14, 21 e 28 dias de armazenamento à 5°C. As formulações estudadas continham em sua formulação, 100% de extrato de quinoa (F1), 70% de extrato de quinoa-30% de extrato de soja (F2), 50% de extrato de quinoa-50% de extrato de soja (F3), 30% de extrato de quinoa - 70% de extrato de soja (F4) e 100% de extrato de soja (F5). Todas foram preparadas com 2% de L. casei (Lc-1), 6% de sacarose, 0,8% de óleo de soja, 1% de lactose, 0,14% de estabilizante, 2,5% de leite em pó desnatado e 3% de Fruto-oligossacarídeo. Para a contagem do microrganismo foi utilizado o meio de cultura MRS Agar. As placas foram incubadas a 37ºC por 48 horas, sob condições anaeróbias. Os valores de acidez e de pH das bebidas foram obtidos por titulação e pHmetro digital, respectivamente. Foi calculado também o potencial de sobrevivência do L. casei em cada uma das bebidas. Resultados: Foi observado um aumento na acidez de 0,46 ± 0,09 para 1,14 ± 0,23 e uma redução no pH de 4,43 ± 0,03 para 3,50 ± 0,08 durante os 28 dias de armazenamento, entretanto, não houve alteração na viabilidade do L. casei em nenhuma das bebidas durante todo experimento, mantendo o microrganismo uma população de 108 UFC.mL-1. A formulação F3 foi a que proporcionou o menor potencial de sobrevivência ao L. casei após 28 dias de armazenamento (91,48%). Entretanto, todas as bebidas estudadas verificou-se alto potencial de sobrevivência do microrganismo durante o armazenamento (96,88; 98,60; 91,48; 99,78; 97,41%, para F1, F2, F3, F4 e F5, respectivamente). Conclusão: Não houve perda de viabilidade do L. casei durante 28 dias de armazenamento refrigerado em nenhuma das bebidas avaliadas. As alterações observadas no pH e na acidez das formulações durante o experimento não afetou o número de população do microrganismo, indicando resistência do L. casei em meios ácidos, principalmente na bebida F4, a qual ofereceu maior potencial de sobrevivência ao micro-organismo. Unitermos: L. Casei, Viabilidade, Bebida Fermentada, Quinoa.

IC09 - DESENVOLVIMENTO DE UMA SOBREMESA DE TOFU TIPO PETIT SUISSE PROBIÓTICA

Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas - Unesp Araraquara, Araraquara - SP
Autores: Kuba EE, Rossi EA.

Objetivos: Desenvolver uma nova sobremesa probiótica mista de tofu e extrato hidrossolúvel de soja fermentado com Enterococcus faecium CRL 183 e Lactobacillus helveticus 416, e avaliar suas características químicas, sensoriais e a viabilidade dos cultivos probióticos. Materiais e Métodos: O material correspondeu ao extrato hidrossolúvel de soja, processado na Unidade de Desenvolvimento e Produção de Derivados de Soja, e as cepas de E. faecium CRL 183 e L. helveticus 416. Ao todo, foram elaboradas três formulações de sobremesa probiótica com diferentes proporções de tofu e "iogurte" de soja: "A" (50%/ 50%), "B" (70%/ 30%) e "C" (80%/ 20%). Todas continham 0,3% de NaHCO3; 15% de creme de soja; 7,7% de polpa de morango; 0,1% de aroma de leite em pó; 0,1% de corante natural carmim de colchonilha; 0,4% de goma carragena e 8% de açúcar. Testes sensoriais de aceitação e de intenção de compra foram realizados para selecionar a melhor formulação, à qual foi submetida a análises físico-químicas, microbiológicas e sensoriais a cada 15 dias durante o período de estocagem de 28 dias a ±5ºC. Também foram determinados o valor calórico e a composição centesimal. Os dados foram avaliados por análise de variância e as médias comparadas entre grupos pelo teste de Tukey (p<0,05). Resultados: A sobremesa contendo a maior proporção de "iogurte" ("A") foi a melhor em termos sensoriais, em especial quanto à intenção de compra, pois 47% dos julgadores afirmaram que certamente ou provavelmente comprariam o produto. Sendo assim, ela foi selecionada para a continuidade do estudo. A formulação "A" apresentou 72,2% de umidade; 4,4% de proteínas; 3,1% de lipídios; 0,6% de cinzas e 19,6% de carboidratos; e o seu valor calórico foi de 124,3 Kcal/ 100g. Quanto à viabilidade celular, observou-se que as cepas de E. faecium CRL 183 e de L. helveticus 416 mantiveram-se viáveis ao longo do período de armazenamento, com contagens entre 108 e 109 UFC. g-1. Durante o tempo de estocagem foi verificada uma redução do pH e concomitante aumento da acidez titulável. Também constatou-se a ocorrência de sinerése, pois parte dos julgadores relatou a presença de soro nas análises sensoriais dos tempos de 14 e 28 dias de estocagem. Os resultados de intenção de compra foram semelhantes nos 3 tempos avaliados e também não houve variação (p<0,05) dos resultados de aceitação, com médias entre 6 e 7,6. Conclusão: O desenvolvimento de uma nova sobremesa probiótica à base de tofu e adicionada de "iogurte" de soja mostrou-se viável, uma vez que esta apresentou características físico-químicas e sensoriais satisfatórias, além de ter sido considerada um veículo apropriado para carrear microrganismos probióticos. Unitermos: Probióticos, Sobremesa, Tofu, "iogurte" de soja.

IC10 - ANTAGONISMO DE LACTOBACILLUS GASSERI SOBRE O PATÓGENO CRONOBACTER SAKAZAKII

Instituição: Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG
Autores: Martins JFL, Rocha AL, Bonnet M, Rafael VC, Ferreira CLLF.

Objetivos: Avaliar a capacidade antagonista de estirpes de Lactobacillus gasseri (L. gasseri) contra estirpes de Cronobacter sakazakii (C. sakazakii). Materiais e Métodos: Estudaram-se sete estirpes de L. gasseri do Banco de Culturas do Laboratório de Culturas Láticas (UFV, BR): 02, 10, 18, 22, 24, 32 e 35, isoladas de criança alimentada com leite humano (LH) e sem uso de medicamentos. As oito estirpes de C. sakazakii foram: ATCC 0015 (ATCC, Rockville, Maryland, USA); IAL 0138 e 0139 (IAL, RJ, RJ); e FUN 139, 140, 149, 154 e 157 (FUNED, BH, MG). Todas foram mantidas a - 80 °C, em caldo MRS para os Lactobacilos e BHI para Cronobacter, com 30% de glicerol a 20 %. Ativações ocorreram por três vezes a 1% nos meios, com incubação a 37 °C por 18 a 24 h. Procedeu-se às análises in vitro nos meios sólidos e líquidos (células viáveis e sobrenadante livre de células). A presença de ácidos orgânicos foi avaliada no meio sólido com o agente neutralizante bicarbonato de sódio (resultado positivo para a reversão dos halos). A natureza dos inibidores foi determinada com proteinase K, tripsina e catalase nos meios sólidos, com a observação da reversão dos halos. Resultados: O antagonismo de todas as estirpes de L. gasseri frente a cada um dos patógenos testados foi confirmada em meio sólido com a observação da formação de halos de inibição. Todavia, as análises evidenciaram que o pH local é imprescindível aos mecanismos de inibição, confirmando a produção de ácidos orgânicos. Outros mecanismos como a produção de peróxido de hidrogênio e substâncias de natureza proteica, possivelmente bacteriocinas, contribuíram para a inibição observada. Por outro lado, a análise no meio líquido não inibiu as estirpes de C. sakazakii. Conclusão: Confirmou-se o potencial das estirpes de L. gasseri a C. sakazakii. O patógeno tem sido isolado de fórmulas infantis destinadas à recém-nascidos, grupo de maior risco e que apresenta altos índices de mortalidade. Sugere-se a continuidade das pesquisas com os probióticos de L. gasseri, visando sua adição nestes produtos, além da suplementação de LH dos Bancos de Leite Humano. Unitermos: Cronobacter Sakazakii, Lactobacillus Gasseri, Antagonismo, Probióticos, Fórmulas Infantis.

IC11 - AVALIAÇÃO DA ADIÇÃO DE FARELO DE ARROZ EM IOGURTE PROBIÓTICO

Instituição: Estadual de Maringá - UEM, Maringá - PR
Autores: Gomes RG, Tórmena T, Carvalho CCP.

Objetivos: O vigente trabalho tem como objetivos: Estudar o efeito da adição do farelo de arroz tostado no tempo de acidificação do iogurte probiótico; Realizar a caracterização microbiológica dos iogurtes para contagem dos probióticos; Pesquisar a aceitabilidade do iogurte através de análise sensorial. Materiais e Métodos: Foram elaboradas três formulações com diferentes percentuais de farelo de arroz tostado (5g/L e 10g/L) e uma formulação sem farelo. Em todas formulações foram adicionados 3% de cultura mista contendo Streptococcus thermophilus, Lactobacillus delbrueckii ssp. bulgaricus, Bifidobacterium e Lactobacillus acidophilus. E aroma de coco queimado para mascarar sabor do farelo de arroz. Para aviabilidade dos micro-organismos foram utilizados os seguintes métodos IDF (1997) para os primeiro e segundo micro-organismos citados, Chs Hansen (1999) para o terceiro e IDF (1999) para quarto. Os iogurtes foram submetidas à análise sensorial por meio de uma equipe de no mínimo 100 provadores não treinados, que avaliaram os parâmetros: cor, aroma, sabor, textura e aparência global, utilizando uma escala hedônica de 9 pontos (variando de gostei muitíssimo a desgostei muitíssimo). Resultados: As acidificações dos iogurtes aconteceram num período de 4 a 6 horas, onde foi observado um aumento conforme maior o percentual de farelo de arroz adicionado na elaboração das formulações. A viabilidade do micro-organismo foi mantida a 108log UFC/mL, para todos os iogurtes durante o período testado (3, 8 e 15 dias após preparo dos produtos mantidos sob refrigeração). A análise sensorial apresentou boa aceitabilidade do produto, destacando a formulação com 5g/L, mas com pouca diferença em relação a outra formulação com maior porcentagem de farelo de arroz. Conclusão: Pelos benefícios à saúde de um produto com micro-organismo probiótico e substância prebiótica, os iogurtes contendo farelo de arroz podem ser uma boa alternativa de consumo deste produto, além de aproveitamento de sub-produto descartado pela indústria, pois a viabilidade dos micro-organismos mantiveram-se dentro do esperado de 108log UFC/mL, com boa acidificação e aceitabilidade sensorial. Unitermos: Iogurte, Probiótico, Farelo de Arroz, Sensorial.

IC12 - IOGURTE PROBIÓTICO COM ADIÇÃO DE AMARANTO

Instituição: Universidade Estadual de Maringá - UEM, Maringa - PR
Autores: Gomes RG, Carvalho CCP, Bianchi F, Sivieri K, Vital AC.

Objetivos: O vigente trabalho teve como objetivos: Estudar o efeito da amaranto no tempo de acidificação do iogurte probiótico; Realizar a caracterização microbiológica dos iogurtes para população de probióticos; Estudar o comportamento reológico dos iogurte durante um período. Materiais e Métodos: Foram elaborados 4 formulações de iogurte com 3% de cultura com micro-organismos probióticos, sendo uma formulação padrão (sem adição de amaranto) e 3 formulações contendo amaranto nas proporções de 2,0, 5,0 e 7,0%. A cultura mista continha Streptococcus thermophilus, Lactobacillus delbrueckii ssp. bulgaricus, Bifidobacterium sp e Lactobacillus acidophilus, que foram enumerados nos dias 1, 7, 14, 21, 28 e 35 após elaboração dos produtos e mantidas por este período sob refrigeração, sendo que nos mesmos dias foram realizadas as análises de reologia. Para viabilidade dos microrganismos Streptococcus thermophilus e Lactobacillus delbrueckii ssp. bulgaricus foi utilizado método IDF(1997), Bifidobacterium método Chr. Hansen (1999), e Lactobacillus acidophilus IDF (1999). As placas foram incubadas a 37ºC/48 horas e os resultados expressos log UFC.mL-1. Os parâmetros reológicos foram obtidos a 10 e 25°C, usando-se um reômetro de cone e placa, modelo MARS III, marca THERMO SCIENTÍFIC. Resultados: Através da análise de reologia medidas a 10 e 25°C observou-se um aumento da viscosidade e consequentemente no índice de consistência que pode ter ocorrido devido ao aumento na porcentagem de amaranto nos iogurtes. O mesmo ocorreu com o tempo de fermentação. A viabilidade dos probióticos foram mantidas a 109log UFC/mL, em todos os iogurtes até o período de 21 dias, sendo que depois as populações foram diminuindo 1 ciclo logarítmico até o final dos tempos testados. Conclusão: A adição do amaranto aumentou o tempo de fermentação, a viscosidade e o índice de consistência dos iogurtes. Os micro-organismo apresentaram boa viabilidade, em todas os iogurtes durante o armazenamento. Sob o ponto de vista dos benefícios com relação à saúde do produto contendo micro-organismo probiótico e a adição amaranto, os iogurtes simbióticos podem ser uma boa alternativa de consumo. Unitermos: Iogurtes, Probióticos, Amaranto, Viscosidade, Tempo de Fermentação.

IC13 - SIMULAÇÃO DE UMA CONTAMINAÇÃO DE UMA BEBIDA PROBIÓTICA A BASE DE SUCO DE UVA E FIBRAS POR ESCHERICHIA COLI, SALMONELLA ENTERITIDES E LISTERIA MONOCYTOGENES

Instituição: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - RJ
Autores: Dias JF, Simbras BD, Cabral LMC, Dos Santos KMO, Miguel MAL.

Objetivos: O objetivo deste estudo foi simular uma contaminação pelas bactérias Escherichia coli, Salmonella enteritides e Listeria monocytogenes em um suco de uva probiótico enriquecido com fibras e avaliar, durante o tempo de armazenamento suas viabilidades. Materiais e Métodos: Para tal estudo, as bactérias foram ativadas em caldo BHI e MRS, para enriquecimento, encubadas por 24 horas e depois em ágar TSA e Agar MRS, também encubado por 24 horas, respectivamente para as bactérias patogênicas e para a bactéria probiótica. A bactéria probiótica utilizada foi a Lactobacillus rhaminosu. A simulação da contaminação aconteceu em dois momentos, sendo o primeiro antes da fermentação do suco, e o segundo após a fermentação com a probiótica no suco. Todas as formulações do suco foram previamente pasteurizadas para reduzir a carga microbiana existente. Após o preparo das fórmulas foi feito o inóculo das bactérias por suspensão de Mc Farland sendo de 107 células das bactérias patogênicas e de 109 células da bactéria probiótica. A viabilidade foi avaliada durante 28 dias, através de contagem em ágar TSA e ALOA para as bactérias patogênicas, sendo o último seletivo para Listéria, e em Agar MRS para o probiótico. Resultados: Os resultados obtidos mostraram uma queda da população de patógenos, variando de 8,4 a 8,3 log UFC/mL para a Escherichia coli; 7,9 a 7,0 log UFC/mL para a Salmonella enteritides; 7,2 a 6,1 log UFC/mL para a Listeria monocytogenes; respectivamente para, e, enquanto a população da bactéria probiótica teve uma queda da população, variando de 8,5 a 8,3 log UFC/mL, durante o tempo de armazenamento. As variações de população da bactéria probiótica se mostraram estáveis e dentro do recomendado pela legislação. As análises de pH ainda estão em andamento. Conclusão: Esses resultados são favoráveis, pois, mostram uma competitividade positiva para a bactéria probiótica, em detrimento de uma negativa para as bactérias patogênicas, porém a contaminação por esses patógenos ainda apresenta risco à saúde humana. Unitermos: Probiótico, Patógenos, Contaminação.

IC14 - AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE RÓTULOS DE QUITOSANA FRENTE AOS VALORES DE FIBRAS ALIMENTARES OBTIDOS EM ANÁLISE LABORATORIAL

Instituição: UFMG, Belo Horizonte - MG
Autores: Labanca RA, Vieira VRM, Gonçalves SARO, Souza TLA, Goddard CL.

Objetivos: A utilização das alegações de propriedades funcionais e/ou de saúde para a quitosana são permitidas desde que sua porção de consumo forneça quantidade de fibras estabelecida pela Anvisa (1). O presente trabalho tem por objetivo avaliar e comparar os valores de fibras declarados no rótulo e os encontrados em análise laboratorial, de acordo com a Resolução RDC 360/03/ANVISA. Materiais e Métodos: Foram avaliadas 27 amostras de quitosana. As amostras foram coletadas no ano de 2012 pelo Programa de Monitoramento de Alimentos (PROG VISA-MG) e enviadas para Fundação Ezequiel Dias (FUNED-MG). As amostras coletadas foram analisadas pelo laboratório de rotulagem (ROT) e pelo laboratório de química bromatológica e cromatográfica (QBC). O ROT avaliou os rótulos de quitosana de acordo com as legislações pertinentes à rotulagem de alimentos. Em relação ao conteúdo de fibras alimentares, verificou-se os valores declarados estão em conformidade com os resultados obtidos em análise laboratorial do QBC, no que tange ao ensaio de fibra alimentar. O QBC quantificou a fibra alimentar constante nas amostras e utilizou o critério de aprovação/reprovação, com base no limite de mais ou menos 20% do valor declarado no rótulo, conforme Resolução RDC nº 360/2003/Anvisa (2). Resultados: Das 27 amostras analisadas, todas foram reprovadas na análise de rotulagem geral pelo ROT e 8 foram reprovadas pelo QBC na análise do conteúdo de fibras alimentares, constituindo 100% e 29,62% de reprovação, respectivamente. Entre as 8 amostras reprovadas pelo QBC, verificou-se que 3 (37,5%) apresentaram conteúdo de fibras com desvio superior ao limite de +20% em relação ao declarado no rótulo, enquanto 5 amostras (62,5%) apresentaram desvio superior ao limite de -20%. Os resultados que apresentaram valores superiores a +20% demonstraram apenas a inadequação em relação à divergência entre os valores declarados nos rótulos e os obtidos em análise pelo QBC. Entretanto, para as amostras que apresentaram desvio superior a -20%, os rótulos não poderiam utilizar as alegações de propriedades funcionais, uma vez que o uso destas só é permitido mediante cumprimento do mínimo estabelecido pela Anvisa (1). Conclusão: Analisando os dados, verificou-se que a divergência entre os valores de fibras alimentares declarados no rótulo e os encontrados em análise laboratorial representando uma inadequação frente às legislações vigentes. Essas assumem um papel importante principalmente uma vez que esta não conformidade engana e induz o consumidor ao erro. Unitermos: Quitosana.

IC15 - ISOLAMENTO DE MICRO-ORGANISMOS COM POTENCIAL PROBIÓTICO DA SUPERFÍCIE DE UVA VITIS VINIFERA

Instituição: UFRJ, Rio de Janeiro - RJ
Autores: Beres C, Santos AC, Miguel MAM.

Objetivos: O papel biotecnológico dos micro-organismos na vitivinicultura, permite novos estudos, uma vez que os processos são intimamente dependentes de características da região produtora, assim como das variedades de uvas utilizadas. Desta forma este estudo teve como objetivo isolar microrganismos da superfície de uvas que apresentem potencial de uso biotecnológico e características probióticas. Materiais e Métodos: Uma amostra de 1,5 quilos de uvas provenientes de uma vinícola de Bento Gonçalves-RS, foi transportada refrigerada e analisada no laboratório na UFRJ. As uvas foram lavadas em água estéril e 20 unidades íntegras foram incubadas por 12 horas, à 30oC em caldo MRS. Alíquotas do caldo foram semeadas por esgotamento em Agar MRS, incubadas em microaerofilía por 5 dias. Para determinação do potencial probiótico, as culturas foram testadas em relação à resistência ao pH ácido, à presença de sais biliares e a atividade antimicrobiana contra os patôgenos Staphylococcus aureus ATCC 6538 e Bacillus cereus F4433. A presença da enzima pectinase foi testada utilizando a técnica de spot test em meio de cultura sólido contendo pectina. As estirpes que apresentaram atividade biotecnológica de interesse foram identificadas a nível molecular. Foi realizada amplificação do material genético por PCR, ARDRA para análise de restrição do RNAr 16S e sequenciamento dos perfis representativos de cada espécie. Resultados: Foram isoladas em Agar MRS 485 micro-organismos. Estes foram caracterizadas presuntivamente como: BAL (189), fungos e leveduras (202) e bastonetes Gram negativos (69). Destes, 94 estirpes produziram pectinase e 9 estirpes foram presuntivamente caracterizadas como potenciais probióticas por apresentar resistência aos sais biliares, resistência ao pH 3,5 e produzir antimicrobiano contra o patógeno Staphylococcus aureus ATCC 6538, ao mesmo tempo. Na identificação molecular foram identificadas 12 estirpes de Paenibacillus sp., 2 de Bacillus sp., 2 Bacillus subtilis, 1 Klebsiela pneumoniae, 16 Klebsiela sp., 12 Leuconostoc e 1 Cellulosimicrobium funkei. Dentre as cepas de Leuconostoc isoladas, uma delas identificada como Leuconostoc mesenteroides (U275) apresentou potencial probiótico e produção da enzima pectinase. Conclusão: Desse modo essa cultura pode ser usada no beneficiamento do suco de uva atuando no processo de clarificação, além de promover a produção de um suco probiotizado. Este resultado é relevante já que os alimentos não lácteos com características probióticas têm apresentado uma crescente demanda no mercado. Unitermos: Uva Vitis Vinifera, Probióticos, Leuconostoc, Isolamento, Biotecnologia, Pectinase.

IC16 - ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SORVETES DE IOGURTE COMERCIALIZADOS EM SANTA CATARINA

Instituição: Universidade Regional de Blumenau - FURB, Blumenau - SC
Autores: Milanese FMM, Silva AAS, Reiter MGRR, Freygang JF.

Objetivos: Verificar a presença de Lactobacillus delbrueckii subsp. bulgaricus e Streptococcus salivarius subsp. thermophilus em sorvetes de iogurte, aos níveis exigidos pela legislação que comprovem a fermentação, determinar o número total de bactérias mesófilas aeróbias e verificar se os sorvetes são feitos de iogurte, caracterizando-os como probióticos. Materiais e Métodos: Oito amostras de sorvete de iogurte foram obtidas em estabelecimentos comerciais distintos de Santa Catarina. Assepticamente, amostras de 25g de sorvete de iogurte foram homogeneizadas em água peptonada estéril a 0,1% através de Stomacher. A partir deste procedimento, obteve-se a primeira diluição. Com uma pipeta graduada, foi adicionado 1,0mL da primeira diluição ao tubo de ensaio contendo água peptonada, tendo assim, a diluição 10-2. Esse tubo de ensaio foi homogeneizado em Vórtex. Posteriormente, foram realizadas diluições decimais de até 10-4 necessárias a análise do produto. Ao final deste procedimento, retirou-se 1,0mL de cada diluição da amostra por metodologia Pour Plate. Posteriormente, inocularam-se as placas com os meios específicos para cada microrganismo de interesse. Por último, realizou-se a contagem de Lactobacillus delbrueckii subsp. bulgaricus, Streptococcus salivarius subsp. thermophilus e bactérias mesófilas. Resultados: Através de testes aplicados para detectar morfologia bacteriana, observou-se que todos os isolados selecionados mostraram resultados satisfatórios. Todos os sorvetes eram compostos por Lactobacillus delbrueckii subsp. bulgaricus e Streptococcus salivarius subsp. thermophilus. Entretanto, em apenas uma das amostras não foi constatada a presença de lactobacilos. Nos casos em que cultura láctica não foi encontrada, os produtos foram considerados fraudulentos, vez que o nome que levam (sorvete de iogurte), induz o consumidor ao erro. Através de análises estatísticas, os resultados encontrados mostraram diferença significativa entre o crescimento microbiano em todas as amostras de sorvete. Esse resultado significa que existe um desequilíbrio entre as bactérias, o que não deveria ocorrer no iogurte. Das oito marcas analisadas, apenas duas apresentaram-se dentro dos padrões de contagem exigidos pela National Yogurt Association de 106 UFC/g de culturas vivas e ativas na hora do consumo. Quando analisado o número total de mesófilas aeróbias, encontrou-se um resultado satisfatório. Conclusão: Através das análises microbiológicas realizadas, são poucos os sorvetes que podem levar o rótulo "sorvete de iogurte". Em todas as marcas não ocorreu similaridade no crescimento da cultura láctica, pois a proporção cocos: bacilos estava alterada. Contudo, 6 dos produtos avaliados podem ser considerados probióticos, já que apresentaram o mínimo de células viáveis (105UFC/g) como dose terapêutica. Unitermos: Streptococcus Salivarius Subsp, Thermophilus, Lactobacillus Delbrueckii Subsp, Bulgaricus.

IC18 - REVISÃO DE LITERATURA DOS PROBIÓTICOS E SUAS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO E PREVENÇÃO DA DIARREIA INFANTIL E DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL

Instituição: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN
Autores: Andrade ME, Dantas MBVC, Rocha IMG, Rodrigues JP.

Objetivos: Avaliar como a atuação dos probióticos na microbiota intestinal pode ter efeitos na diarreia e nas Doenças Inflamatórias Intestinais (DII) por meio da produção científica sobre esse tema. Materiais e Métodos: Foi realizada uma pesquisa em bases de dados (Scientific Eletronic Library Online - Scielo, Google Acadêmico, Lilacs virtual); em publicações de laboratórios de fábricas alimentícias e em livros acadêmicos da área de nutrição clínica funcional e da área de microbiologia médica. Optou-se preferencialmente pela literatura produzida nos dez últimos anos. Resultados: Proveniente das pesquisas relatadas, tanto os pacientes de diarreia como de DII que tiveram probióticos incluídos na sua alimentação apresentaram resultados positivos no que diz respeito à atenuação dos sintomas decorrentes das patologias. Conclusão: Apesar de uma relativa confusão em relação ao grau das evidências sobre o efeito benéfico no caso de uma condição específica na literatura e da predominância de artigos de revisão, percebeu-se que os probióticos podem auxiliar na prevenção ou atenuação de doenças que atingem o trato gastrointestinal, como a diarreia e as Doenças Inflamatórias Intestinais. Unitermos: Probióticos, Microbiota Intestinal, Diarreia, Doenças Inflamatórias Intestinais.