Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



GANEPÃO 2012
PRÁTICA CLÍNICA (PC)
GANEPÃO 2012

PC001 - O IMPACTO DA TERAPIA NUTRICIONAL EM PACIENTES ONCOLÓGICOS SUBMETIDOS AO TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO ACOMETIDOS COM NEOPLASIA ESOFÁGICA, GÁSTRICA E INTESTINAL NUM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM ONCOLOGIA NO AMAZONAS

Instituição: Universidade Nilton Lins, Manaus
Autores: Rosas KNS; Formiga DCVP; Laredo S.

Objetivos: O estudo aborda os principais fatores que interferem na recuperação do estado nutricional mediante o tratamento dietoterápico, expondo os aspectos positivos da terapia, sua importância e suas vantagens nos pacientes em quimioterapia antineoplásica. Materiais e Métodos: Foi realizada avaliação subjetiva global produzida pelo paciente (ASG-PPP), exame físico, avaliação antropométrica e avaliação de exames bioquímicos. Resultados: Foi realizada ASG-PPP, exame físico, avaliação antropométrica e avaliação de exames bioquímicos. Em uma amostra de 42 pacientes internados já diagnosticados 14,45% (n=6) são pacientes com câncer esofágico; 19,02% (n=8) possuem câncer intestinal e 66,53% (n=28) câncer gástrico, sendo este o de maior prevalência comparado com os cânceres do trato gastrointestinal. A determinação do estado nutricional dos pacientes foi realizada por meio IMC, CB, DCT, ASG-PPP. Em relação ao estado nutricional observou-se que, pelo IMC, a maioria dos pacientes encontrava-se com quadro de desnutrição leve (31%), segundo a DCT os pacientes apresentaram, em sua maioria, algum grau de desnutrição 71,4%. De acordo com a CB, 66,7% dos pacientes apresentaram 81% de desnutrição e apenas 14,3% encontravam-se em eutrofia, segundo a ASG-PPP a porcentagem de desnutridos foi de 83,3%. Os impactos nutricionais mais frequentes neste pacientes foram a desnutrição e a deficiência de algumas vitaminas, principalmente as do complexo B, visto que esta está relacionada com os quadros de anemia perniciosa. Conclusão: O presente estudo evidenciou acentuada perda de peso em ambos os sexos, e alta prevalência de desnutrição pelos parâmetros de CMB e ASG-PPP, e o consumo alimentar insuficiente. No entanto, foi os pacientes submetidos à dietoterapia e a suplementação de vitaminas recuperaram o quadro de deficiência, mostrando a importância da dietoterapia mediante ao tratamento quimioterápico e cirúrgico. Unitermos: impacto nutricional, colorretal, neoplasia, quimioterapia, desnutrição, terapia dietoterápica.

PC002 - AVALIAÇÃO DA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL AMBULATORIAL PARA CONTROLE DO PESO EM MULHERES PÓS-TRATAMENTO ANTINEOPLÁSICO DE CÂNCER DE MAMA EM USO DE TAMOXIFENO

Instituição: Hospital Erasto Gaertner, Curitiba
Autores: Adamante GIA; Silva PBS.

Objetivos: A causa do ganho de peso involuntária na neoplasia mamária ainda não está totalmente esclarecida, podendo continuar pós-quimioterapia adjuvante e estar relacionada ao uso de tamoxifeno. Neste caso, é recomendado o controle do peso. O objetivo foi avaliar a influência da dieta específica para o controle do peso, em mulheres pós-tratamento antineoplásico de câncer de mama, em uso de tamoxifeno. Materiais e Métodos: Estudo de caráter retrospectivo longitudinal, realizado no Hospital Erasto Gaertner, Curitiba/PR, com base na análise dos registros das consultas realizadas em Ambulatório da Nutrição (AN) de jan/09 a jun/11. Os dados foram coletados a partir dos registros da primeira consulta em AN, com dieta específica prescrita para perda de peso, em pacientes em uso de tamoxifeno. A coleta continuou sendo realizada respeitando um intervalo máximo de períodos de quatro meses entre dois atendimentos em AN, até a data da última consulta realizada com acompanhamento para perda de peso. As variáveis avaliadas são: idade, comorbidades, diagnóstico nutricional durante os atendimentos em AN, vigência de acompanhamento nutricional ambulatorial prévio, tipo de tratamento antineoplásico realizado, intervalo entre início do uso de tamoxifeno e início do controle do peso. A dieta específica consiste em dieta hipocalórica utilizando lista de substituição de alimentos. Resultados: No total, 18 pacientes foram incluídos no estudo. A média de idade foi de 53 anos, 22,2% idosas e 77,8% adultas. O número médio de períodos de coleta foi de n=6,3; 4 pacientes fizeram acompanhamento por mais de 10 períodos. Metade chegou ao sexto período de coleta dos dados. Acompanhamento nutricional prévio esteve presente em 66,7%. Na primeira consulta, obesidade grau 1 e sobrepeso foram os diagnósticos nutricionais mais frequentes. Toda população foi submetida à cirurgia da mama, 33,3% fizeram quimioterapia neoadjuvante e o tratamento adjuvante foi contra-indicado para 5%. A maioria dos pacientes foram encaminhados ao AN com 6-12 meses do início do uso de tamoxifeno. A perda de peso média foi de 3,01kg e redução média de IMC em 1,46kg/m². A perda de peso média entre as consultas da população foi de 0,78 kg. Houve aumento de peso em dois pacientes. O diagnóstico nutricional foi alterado 6 vezes durante toda a coleta e em todos os casos o diagnóstico melhorou, a índices próximos à eutrofia. Conclusão: O acompanhamento nutricional para perda de peso, utilizando dieta específica, mostra-se uma alternativa para uma vida mais saudável nesta população, auxiliando no tratamento do excesso de peso. Unitermos: câncer de mama, intervenção nutricional ambulatorial, controle de peso, tamoxifeno, obesidade.

PC003 - ESTUDO COMPARATIVO DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES ONCOLÓGICOS COLOSTOMIZADOS DEFINITIVOS E TEMPORÁRIOS

Instituição: Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, Brasília
Autores: Kimura CA; Monteiro TMR; Fortes RC.

Objetivos: Comparar a qualidade de vida de pacientes oncológicos colostomizados definitivos e temporários. Materiais e Métodos: Estudo transversal descritivo realizado em um hospital público do Distrito Federal. Amostra constituída por 39 pacientes com câncer colorretal, 76,9% homens, separados em dois grupos: colostomizados definitivos (n=26) e colostomizados temporários (n=13). Utilizou-se o questionário WHOQOL-bref para avaliar a qualidade de vida. Os dados foram analisados pelos programas Excel 2007 e SPSS 19.0. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Resultados: Observou-se que 50% dos colostomizados definitivos e 76,9% dos temporários referiram que a dor física não interferia nos afazeres. 38,5% dos definitivos e 46,2% dos temporários aceitavam bem a aparência física. 46,2% dos definitivos e 53,8% dos temporários relataram boa qualidade de vida. 84,6% dos definitivos e 46,2% dos temporários aproveitavam pouco a vida. 50% dos definitivos e 53,8% dos temporários estavam satisfeitos com o sono. 57,7% dos definitivos e 53,8% dos temporários consideravam os ambientes salutares. Mais de 70% e 50% dos definitivos e temporários tinham limitações financeiras e estavam insatisfeitos com as oportunidades de lazer, respectivamente. 69,2% dos definitivos e 46,2% dos temporários estavam insatisfeitos com a libido. 88,5% dos definitivos e 61,5% dos temporários frequentavam a igreja. Conclusão: Os resultados mostram que os colostomizados temporários sofrem as mesmas angústias que os colostomizados definitivos, o que afeta igualitariamente a qualidade de vida dos mesmos. Unitermos: qualidade de vida, câncer colorretal, estomia.

PC004 - CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES ONCOLÓGICOS INFANTO-JUVENIS

Instituição: UNIFOR, Fortaleza
Autores: Pinheiro DD; Antunes MFR; Meireles AVP; Albuquerque LS.

Objetivos: Avaliar o perfil epidemiológico e a qualidade de vida em crianças e adolescentes com câncer. Materiais e Métodos: Foram avaliados 100 pacientes na faixa etária de 4 a 12 anos, independente do sexo. Para a determinação do perfil epidemiológico e qualidade de vida da população foram utilizados dois instrumentos: caracterização epidemiológica (perfil socioeconômico e terapêutica mais empregada); e escala de AUQEI, para avaliar a qualidade de vida em relação ao tratamento, vida pessoal, autonomia e funções. Resultados: A média de idade da população em anos foi de 8,3 (± 4,25), prevalecendo o sexo feminino (56%). Quanto à procedência da população 67% (n=67) residiam no interior do estado. Observou-se que 59% possuíam uma renda média familiar > 3 salários mínimos, e 99% relataram habitar em casa de alvenaria. Quanto ao diagnóstico clínico prevaleceu à leucemia (64% n=64), seguido de tumores ósseos e neuroblastoma (9,09% n=7), linfoma (8,0% n=8) e tumor de Wilms (6,06% n=4). A terapêutica mais empregada foi a quimioterapia (67% n=67), sendo a anorexia (34,5% n=42) o sintoma mais prevalente em decorrência do tratamento. Ao analisar a qualidade de vida sob forma isolada, observou-se que esta não sofreu alterações; porém ao relacioná-la com outros fatores (sintomas e tratamento), observou-se alterações significativas na qualidade de vida da maioria em estudo (73,7%), prevalecendo o sentimento de infelicidade em todos os aspectos. Conclusão: Torna-se necessário um acompanhamento contínuo, pois o surgimento do câncer proporciona mudanças significativas no contexto psicossocial, emocional e nutricional promovendo prejuízos na qualidade de vida. Unitermos: não informado.

PC005 - PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES COM CÂNCER DE ESTÔMAGO NO PRÉ-OPERATÓRIO, SEGUNDO AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL PRODUZIDA PELO PRÓPRIO PACIENTE

Instituição: Instituto Nacional do Câncer, Rio de Janeiro
Autores: Lacerda MS; Pinho NV; Reis PF; Feijó PM; Martucci RB; Rodrigues VD.

Objetivos: Identificar o estado nutricional pré-operatório de pacientes com câncer de estômago que foram submetidos à gastrectomia, através da Avaliação Subjetiva Globar Produzida pelo próprio Paciente (ASG-PPP). Materiais e Métodos: O estudo foi quantitativo, longitudinal, retrospectivo, com pesquisa em prontuário de 55 pacientes com câncer de estômago submetidos à gastrectomia, no Instituto Nacional de Câncer, no período de janeiro de 2011 a outubro de 2011. Os dados coletados do pré-operatório foram: idade, sexo e classificação do estado nutricional segundo a ASG-PPP, no momento da internação ou até 48 horas após. A análise estatística dos dados foi realizada através do programa SPSS 17.0. Resultados: Dentre os pacientes estudados, 56,6% eram do sexo masculino, com idade média de 63,06±12,80, sendo 43,6% considerados bem nutridos (ASG-PPP=A), 45,5% considerados desnutridos moderados ou com suspeita de desnutrição (ASG-PPP=B) e 10,9% desnutridos graves (ASG-PPP=C). Em relação aos dados coletados durante a ASG-PPP, 47,3% dos pacientes relataram diminuição da ingestão alimentar, sendo que 5,5% dos pacientes tiveram perda de peso grave, 41,8% apresentaram alguma depleção de reserva de gordura corporal e 40% depleção de massa muscular. Conclusão: A maioria dos pacientes internados com câncer gástrico eram idosos com suspeita de desnutrição ou desnutridos (ASG-PPP B+C=56,4%). Os resultados confirmam que a ASG-PPP pode ser utilizada na identificação precoce do estado nutricional no pré-operatório. Unitermos: avaliação nutricional, estado nutricional, câncer gástrico.

PC006 - PERFIL NUTRICIONAL E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS DE PACIENTES IDOSOS COM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

Instituição: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Rio de Janeiro
Autores: Pinho NB; Gerude M; Martucci RB; Rodrigues VD.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional dos pacientes idosos de ambos os sexos, portadores de neoplasia maligna de cavidade oral, faringe e no pré-operatório e correlacionar com complicações cirúrgicas e clínicas, tempo de internação e taxa de mortalidade. Materiais e Métodos: Foi um estudo prospectivo, compreendendo pacientes em pré-operatório, portadores de neoplasia maligna de cavidade oral, faringe e laringe e submetidos à cirurgia com ou sem comunicação cervical, matriculados no Serviço de Cabeça e Pescoço do Instituto Nacional de Câncer, Hospital do Câncer I, no período de fevereiro a novembro de 2010. Os pacientes foram avaliados quanto ao estado nutricional e a evolução clínica, através das medidas antropométricas, níveis sérico de albumina, hemoglobina, hematócrito, tempo de internação, taxa de morbidade e de mortalidade. Foram estratificados quanto a idade, sendo distribuídos em 2 grupos, com idade inferior a 75 anos (<75) e indivíduos com idade igual ou superior a 75 anos (>75). A análise estatística dos dados foi realizada através do programa SPSS 17.0, utilizando-se os testes T student para as variáveis paramétricas e qui quadrado para as variáveis não paramétricas, considerando-se valores de p < 0,05 como estatisticamente significativos. Resultados: Foram analisados 52 pacientes, sendo 63,5% do sexo masculino e 65% com idade >75 anos, com tempo de internação de 10,8±12,2 dias. A maioria dos pacientes relataram ser etilistas (78,8%) e tabagistas (61,5%). A incidência de óbitos foi de 9,6% e o total de complicações foi de 44,2%, sem diferença entre os grupos, porém correlacionada positivamente com o tempo de internação (p>0,05). Em relação ao estado nutricional no pré-operatório, 30,8% apresentavam magreza, 36,5% eutrofia e 32,7% excesso de peso, sendo que entre os pacientes que apresentavam magreza, 45% tinha idade >75 anos. A maioria dos resultados avaliados foi significativamente menor no grupo com idade >75 anos (IMC, CB, DCB, DCSE, CP, DCSI, CMB), sendo que quando classificados pela CB e CMB, 95% e 75%, respectivamente, dos pacientes com idade >75 anos foram considerados desnutridos (p=0,01). Conclusão: Pacientes com idade >75 anos apresentaram maior incidência de desnutrição e o aumento de complicações no pós-operatório de pacientes idosos com câncer de cabeça e pescoço esta relacionado com o tempo de internação. Unitermos: avaliação nutricional, estado nutricional, câncer de cabeça e pescoço.

PC007 - PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES COM CÂNCER DE ESTÔMAGO NO PRÉ-OPERATÓRIO, SEGUNDO AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL PRODUZIDA PELO PRÓPRIO PACIENTE

Instituição: Instituto Nacional de Câncer José Alencar da Silva, Rio de Janeiro
Autores: Lacerda MS; Pinho NB; Reis PF; Feijó PM; Martucci RB; Rodrigues VD.

Objetivos: Identificar o estado nutricional pré-operatório dos pacientes com câncer de estômago que foram submetidos à gastrectomia através da Avaliação Subjetiva Global Produzida pelo próprio Paciente (ASG-PPP). Materiais e Métodos: O estudo foi quantitativo, longitudinal, retrospectivo, com pesquisa em prontuário de 55 pacientes com câncer de estômago submetidos à gastrectomia, no Instituto Nacional de Câncer, no período de janeiro de 2011 a outubro de 2011. Os dados coletados do pré-operatório foram: idade, sexo e classificação do estado nutricional segundo a ASG-PPP, no momento da internação ou até 48 horas após. A análise estatística dos dados foi realizada através do programa SPSS 17.0. Resultados: Dentre os pacientes estudados, 56,6% eram do sexo masculino, com idade média de 63,06 ± 12,80, sendo 43,6% considerados bem nutridos (ASG-PPP=A), 45,5% considerados desnutridos moderados ou com suspeita de desnutrição (ASG-PPP=B) e 10,9% desnutridos graves (ASG-PPP=C). Em relação aos dados coletados durante a ASG-PPP, 47,3% dos pacientes relataram diminuição da ingestão alimentar, sendo que 5,5% dos pacientes tiveram perda de peso grave. Foi encontrado depleção de massa muscular em 40% dos pacientes e de reservas de gordura em 41,8% dos pacientes. Conclusão: A maioria dos pacientes internados com câncer gástrico eram idosos com suspeita de desnutrição ou desnutridos (56,4%). Os resultados confirmam que a ASG-PPP pode ser utilizada na identificação precoce do estado nutricional no pré-operatório. Unitermos: avaliação nutricional, estado nutricional, câncer gástrico.

PC008 - PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM UM SERVIÇO DE ONCO-HEMATOLOGIA

Instituição: Serviço de Nutrição e Dietética - Hospital Nossa Senhora da Conceição, Porto Alegre
Autores: Guimarães TG; Ferreira DT; Marcadenti A.

Objetivos: Verificar o perfil nutricional, a presença de sintomas gastrintestinais e a prevalência de desnutrição, de pacientes admitidos em unidade de internação onco-hematológica de um hospital público de Porto Alegre. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal conduzido em 2011 com amostra de 96 pacientes em idade igual ou superior a 18 anos de ambos os sexos admitidos na unidade de internação onco-hematológica do Hospital Nossa Senhora da Conceição, Porto Alegre - RS. Aplicou-se um questionário para coleta de dados demográficos e foram aferido peso (kg) e Altura (cm). O risco nutricional foi detectado pela Nutritional Risk Screening - NRS 2002 (adultos) e Mini-Avaliação Nutricional - MAN (idosos). O estado nutricional foi determinado pelo Índice de Massa Corporal (IMC- kg/m2, OMS 2004) e pela Avaliação Nutricional Subjetiva Global Produzida pelo Próprio Paciente (ASG-PPP). Os dados foram analisados no programa SPSS 17. As variáveis foram apresentadas sob a forma de frequências e médias ± dp. Foram realizados os testes de quiquadrado de Pearson e ANOVA. Resultados: Os pacientes avaliados apresentaram idade média de 52,4 ± 13 anos, 59,4% eram do sexo masculino, 55,2% tinham o 1º grau incompleto. Os tumores mais prevalentes foram os do trato digestivo (22%), linfomas (22%) e de cabeça/pescoço (20,8%). Os tratamentos mais utilizados foram a quimioterapia exclusiva (50%) ou associada à cirurgia (15,6%). Observou-se risco nutricional em 51% dos pacientes e desnutrição em 6,3% (IMC) e 33,3% (ASG PPP). O IMC médio da amostra foi 25,7± 6 kg/m². Entre os pacientes eutróficos (ASG PPP), a média do IMC foi 27,2 ± 5,9, entre os gravemente desnutridos a média foi 19,1 ± 2,1 (p<0,001). Os principais sintomas relatados na ASG-PPP foram xerostomia (20,8%), constipação (18,8%), disgeusia (17,7%), enjôo aos cheiros (17,7%) e saciedade precoce (14,6%). Dos pacientes avaliados como desnutridos graves (ASG PPP), 60% relataram constipação, 80% enjôo aos cheiros e 60% saciedade precoce (p<0,001, p<0,001e p<0,002). Dos pacientes com diagnóstico de desnutrição moderada, 28,6% apresentavam disgeusia e 7,1% feridas na boca (p< 0,0001 e p= 0,02). Conclusão: A Avaliação Nutricional Subjetiva Global Produzida pelo Próprio Paciente identificou um maior número de pacientes desnutridos que o IMC. Observou-se uma maior frequência de sintomas do trato digestivo em pacientes com diagnóstico de desnutrição pela ASG PPP, enfatizando a importância de considerar estes fatores na conduta nutricional. Unitermos: avaliação nutricional, desnutrição, Oncologia.

PC009 - MUDANÇA DO HÁBITO ALIMENTAR EM CRIANÇAS SUBMETIDAS A TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO E/OU RADIOTERÁPICO NO HOSPITAL DO CÂNCER DE LONDRINA - PR

Instituição: Universidade Norte do Paraná, Londrina
Autores: Vaz DSS; Rumiato AC; Laranjeiras LLS.

Objetivos: Avaliar as mudanças ocorridas nos hábitos alimentares de crianças com leucemia em tratamento quimioterápico e radioterápico.Correlacionar o estado nutricional de crianças portadoras de neoplasias hematológicas em tratamento quimioterápico com as mudanças ocorridas nos hábitos alimentares. Avaliar o consumo de alimentos antioxidantes, vitaminas e minerais nessa população. Materiais e Métodos: A pesquisa foi realizada no ambulatório de quimioterapia do Instituto do Câncer de Londrina. Foram acompanhadas oito crianças no período de junho a setembro de 2011, com idade entre quatro anos a 16 anos e seus respectivos responsáveis, diagnosticadas com neoplasias hematológicas e que faziam consultas semanais e tratamento de câncer hematológico. O projeto de pesquisa teve aprovação do CONEP nº 268/11. Os dados foram obtidos através de uma entrevista que teve como referência um questionário semi-estruturado, com perguntas que coletaram tanto o depoimento das mães como os das crianças. Foi realizado um recordatório de 24 horas, que foi calculado com a utilização do programa Avanutri Online. A avaliação nutricional também foi incluída no momento da entrevista, envolvendo dados sobre a estatura, peso, IMC, prega cutânea do tríceps e circunferência do braço. Resultados: Participaram do estudo crianças e adolescentes com idade média de 8,7 anos, que estavam em fases distintas do tratamento quimoterápico e/ou radioterápico no Hospital do Câncer de Londrina. O diagnóstico apresentado pelos pacientes foram LLA (6 pacientes) e LMA (2 pacientes). A partir da avaliação nutricional dos pacientes os resultados obtidos foram: IMC de 37,5% sobrepeso, 12,5% obesidade e 50% eutrofia. Com a análise do recordatório 24 horas observou-se que 50% tiveram um consumo deficiente e 50% apresentavam um consumo elevado. Deficiências de vitamina A por 75% dos pacientes, vitamina C por 50% dos pacientes, adequação de vitamina E por 75% dos pacientes e deficiência de zinco por 62,5% das crianças. Pela fala das crianças e das mães foram avaliadas as mudanças de peso, dos hábitos alimentares, das preferências alimentares, consumo deficiente de verduras, os traços mais marcantes do tratamento como o enjôo e incomodo em relação à terapia endovenosa. Conclusão: Considerando os aspectos levantados durante a pesquisa, observou-se que a população estudada apresentava hábitos alimentares ruins o que agravava o estado de saúde, colocando em risco o crescimento e o desenvolvimento das crianças, o que gerou preocupação em relação à saúde desses indivíduos quando na fase adulta. Sendo assim, o acompanhamento nutricional durante o tratamento é fundamental. Unitermos: leucemia, hábitos alimentares, consumo de antioxidantes

PC010 - MUDANÇA DE HÁBITO ALIMENTAR EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM PACIENTES EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO EM UM HOSPITAL DE LONDRINA - PR

Instituição: UNOPAR- Londrina, Londrina
Autores: Casaçola LES; Rumiato AN; Laranjeiras LLS.

Objetivos: Avaliar a mudança de hábito alimentar em pacientes diagnosticadas com câncer de mama; avaliar o estado nutricional de pacientes com câncer de mama; estimar a ingestão alimentar média das pacientes com câncer de mama; avaliar o consumo de antioxidantes das pacientes com câncer de mama; verificar o tipo de gordura mais consumida durante o tratamento quimioterápico. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo de caso com quatro pacientes com câncer de mama cadastradas no Instituto do câncer de Londrina - PR, sendo usado o método qualitativo com entrevista gravada. Recordatório 24 horas e frequência alimentar, além de dados antropométricos como peso, altura, circunferência do braço, e pregas cutâneas, como método quantitativo. O número de pacientes foi alcançado pelo fato que as pacientes são cadastradas no hospital, mas não realizam todos os procedimentos no mesmo. Não sendo encontradas pacientes para o estudo. Resultados: Nesse estudo identificou-se as mudanças ocorridas pela quimioterapia nas pacientes com câncer de mama, passaram a consumir alimentos que antes não eram presentes na dieta como vegetais e frutas, essa mudança pode ser explicada pelo apoio da equipe quimioterápica do hospital para o consumo destes alimentos e uma melhor resposta ao tratamento, em contraponto, identificou-se a aversão alimentar adquirida pelo excesso no consumo dos mesmos, como foi relatado pela paciente 3: "Enjoei de bastante coisa, o brócolis mesmo eu estou comendo forçada, eu olho a beterraba, a cenoura e não sinto vontade, mas estou comendo não é." (P3). O consumo de antioxidantes, possível fator de pré disposição para o câncer, vemos que somente a vitamina C tem seu consumo adequado. Um dado alarmante é o consumo de banha de porco presente ainda na dieta destas pacientes. No estudo de Martins, ele relata que os ácidos graxos, ômega-3 são responsáveis pela promoção e progressão da patologia. Conclusão: A mudança do hábito alimentar está diretamente relacionada com o estado emocional das pacientes, ao se deparar com a doença elas buscam minimizar os efeitos do tratamento através da alimentação. Os antioxidantes são consumidos em baixa quantidade nas dietas, exceto a vitamina C, possivelmente por ter fontes de mais fácil acesso, é ideal, de acordo com as DRI's. Unitermos: hábito alimentar, câncer de mama, estado nutricional.

PC011 - ADESÃO DA SUPLEMENTAÇÃO ORAL EM PACIENTES ONCOLÓGICOS INTERNADOS EM CLÍNICA PARTICULAR

Instituição: Clínica São Vicente, Rio de Janeiro
Autores: Furniel DBC; Avolio DMB; Lobato CR; Pina CSAM; Salgueiro CL; Wollmann CR.

Objetivos: Avaliar a adesão da suplementação nutricional via oral em pacientes oncológicos internados na Clínica São Vicente da Gávea, RJ. Materiais e Métodos: O estudo foi desenvolvido com todos os pacientes admitidos na Clínica São Vicente da Gávea com diagnóstico de câncer, no período de 20/07/2011 à 31/08/2011. Foi realizada avaliação subjetiva do risco nutricional, nas primeiras 24h de internação, preenchendo a planilha da NRS 2002 e formulário próprio, através de entrevista ao paciente e/ou acompanhante. O suplemento nutricional foi indicado de acordo com as necessidades nutricionais e aceitação da dieta oral pelo paciente, obedecendo prescrição da nutricionista responsável pelo paciente. Foi avaliada a aceitação do suplemento proposto através de visita diária ao paciente e avaliação do restoingesta do suplemento pela nutricionista, durante 5 dias, obedecendo a escala de nula - recusa do suplemento; £50%; > 50% ou 100%. Resultados: O estado nutricional, segundo IMC, mais prevalente foi eutrofia (62%), porém a pontuação ³3 na triagem, segundo NRS 2002, foi de 54%. Mesmo entre os pacientes eutróficos, 50% apresentaram risco nutricional elevado pela NRS 2002.A suplementação não foi iniciada em 38,5% dos pacientes, fato este associado ao percentual encontrado de eutrofia (62%) e escore com pontuação 1 (31%). O início da suplementação foi entre o primeiro e o segundo dias de internação, obedecendo às recomendações de início precoce da terapia nutricional. 75% dos suplementos indicados foi hiperproteico e hipercalórico, visando prevenir perdas nutricionais comuns nestes pacientes e fornecer nutrientes adequados ao gasto metabólico acelerado. A maioria dos pacientes aceitou mais de 50% do suplemento prescrito tanto no primeiro quanto no quinto dia avaliado. Vale ressaltar que no quinto dia avaliado, um número maior de pacientes teve aceitação nula quando comparado com o primeiro dia, concluindo que a aceitação da suplementação pode diminuir ao longo dos dias. Conclusão: O presente estudo comprovou a importância de realizar uma triagem nutricional associada a outros métodos de avaliação. Verificou-se também a efetividade da indicação de suplementos nutricionais e uma tendência na utilização de suplementos hipercalóricos e hiperproteicos. A aceitação do suplemento reduziu ao longo dos dias de consumo. A assistência nutricional constante neste grupo é imprescindível. Unitermos: avaliação nutricional, estado nutricional, suplementação alimentar, paciente oncológico.

PC012 - PROMOÇÃO DA SAÚDE ACERCA DAS CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO COM MULHERES MASTECTOMIZADAS

Instituição: Universidade Federal do Ceará, Fortaleza
Autores: Carvalho CML; Moreira CB; Souto NF; Santos MCL; Fernandes AFC.

Objetivos: Descrever uma estratégia educativa segundo a metodologia de Paulo Freire com um grupo mulheres mastectomizadas identificando as crenças a respeito da nutrição saudável e a percepção dessas mulheres acerca dos benefícios e barreiras à sua realização. Materiais e Métodos: Estudo descritivo com abordagem qualitativa do tipo relato de experiência. Realizado em novembro de 2011, com oito mulheres mastectomizadas integrantes de um grupo de apoio. A estratégia educativa foi baseada no método de educação popular de Paulo Freire, método utilizado como forma de ensino/aprendizagem. No primeiro momento levantaram-se questões de interesse para o grupo e a problemática referida foi nutrição saudável. No segundo momento, houve a elaboração da estratégia educativa. O terceiro momento seguiu realização da intervenção educativa promovendo a participação das mulheres. Iniciou-se com uma dinâmica de apresentação e interação, foi proposta a montagem de um painel com figuras e nomes de alimentos. E explanou-se acerca da temática, com desmistificação de mitos e a construção de um conhecimento coerente com a literatura. No quarto momento foi realizada a dinâmica da pirâmide alimentar com afixação de figuras de alimentos conforme sua importância para uma alimentação saudável. Resultados: A estratégia educativa mostrou-se favorável quanto ao uso da educação popular como forma de construção e desconstrução do conhecimento. A metodologia proporcionou uma sensibilização da temática abordada, nutrição saudável, pelas participantes, confirmando positivamente a utilização desse método. As participantes expressaram medo de ingerir determinados alimentos, relatando anseio de possivelmente haver o desenvolvimento de efeitos como o linfedema, como é expressado na fala de uma dessas mulheres: "Acredito que não posso comer qualquer comida, sou mastectomizada tenho medo". Ao desenvolver a temática, o conhecimento equivocado acerca do assunto foi desconstruído, possibilitando um novo estilo de vida e uma alimentação saudável. As mulheres identificaram mais benefícios do que barreiras à alimentação saudável, deixando em evidência que os benefícios percebidos estão associados tanto ao corpo como à mente, pois para elas alguns alimentos trazem importantes contribuições para a saúde. Verificou-se que o grupo de mulheres estudadas tornou-se consciente acerca da adesão à nutrição saudável. Conclusão: A metodologia de Paulo Freire foi relevante para o êxito da estratégia educativa, favorecendo a construção pelo grupo de saberes sobre alimentação saudável. Percebeu-se melhora no conceito de nutrição das mastectomizadas. Ressalta-se a necessidade dos profissionais de saúde buscarem estratégias educativas que motivem à prática de nutrição saudável, visando promoção da saúde e qualidade de vida. Unitermos: Educação em Saúde, mastectomia, alimentação saudável, promoção da saúde.

PC013 - RISCO NUTRICIONAL DE PACIENTES ONCOLÓGICOS SUBMETIDOS AO TRATAMENTO RADIOTERÁPICO EM UM CENTRO DE REFERÊNCIA NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA - CE

Instituição: Centro Regional Integrado de Oncologia - CRIO, Fortaleza
Autores: Carneiro PCPDM; Santos EB; Alencar ES; Soares NT; Maia FMM.

Objetivos: Avaliar o risco nutricional de pacientes oncológicos submetidos ao tratamento radioterápico em um centro de tratamento de referência no município de Fortaleza/CE. Materiais e Métodos: A amostra foi composta de 50 pacientes adultos e idosos, admitidos em Casa de Apoio para tratamento antineoplásico. A avaliação do risco nutricional foi realizada por meio do Índice de Massa Corpórea (IMC) e da aplicação da Avaliação Subjetiva Global Produzida pelo Paciente (ASG-PPP). Resultados: Observou-se que a população estudada era predominantemente feminina (62%). A média de idade foi de 61,47 anos para o sexo masculino e 53,32 anos para o sexo feminino, ficando respectivamente, a mediana com valores de 52 e 44 anos. Segundo a categoria de avaliação global, o estado nutricional encontrado foi de 74% para pacientes bem-nutridos, seguido de 26% com má-nutrição moderada, enquanto o IMC apresentou-se na faixa do excesso de peso (26,8 kg/m²) e de eutrofia (22,8 kg/m²), respectivamente para tal ordem de estado nutricional, descartando assim a possibilidade de pacientes desnutridos. Dos pacientes avaliados, 40% referiram redução atual na ingestão alimentar e 72% relataram sintomas associados ao tratamento, sendo as dores abdominais as mais prevalentes, seguida de anorexia, náuseas e dores de cabeça. Conclusão: A triagem nutricional permite identificar os sinais e sintomas pelos quais o paciente vem passando, a fim de proporcionar uma completa avaliação nutricional, viabilizando a implementação de ações que possam prevenir ou minimizar o impacto do tratamento radioterápico, possibilitando assim uma melhor resposta à terapêutica oncológica, prognóstico e qualidade de vida desses indivíduos. Unitermos: câncer; radioterapia; risco nutricional.

PC014 - PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO EM RADIOTERAPIA

Instituição: Hospital Universitário Pedro Ernesto, Rio de Janeiro
Autores: Teixeira MB; Castanho IA.

Objetivos: Traçar o perfil nutricional de pacientes com diagnóstico de câncer de cabeça e pescoço submetidos à Radioterapia ou Quimioterapia concomitante, observando a variação da massa corporal total (MCT) durante o tratamento. Materiais e Métodos: Em 97 pacientes do sexo masculino foram analisadas medidas obtidas através da avaliação antropométrica e bioimpedância elétrica na pré-radioterapia. A associação do ângulo de fase (AF°) com as variáveis antropométricas foi determinada por teste de normalidade e coeficiente de correlação de Pearson. O teste t pareado foi utilizado para avaliação da história de perda de peso. A análise da variação da MCT durante o tratamento foi feita através de analise de variância. Resultados: A idade média foi de 56,74 ± 12,28 anos. Quanto à localização do tumor, 44,32% se situava na laringe, seguido pela de orofaringe, 24,74%. O tipo histopatológico mais representativo foi carcinoma epidermoide (89%). O tratamento combinado se deu em 68,81%. A média do AF° foi de 6,1 ± 1,26 e se correlacionou de forma positiva e significativa com as medidas corporais de massa livre de gordura. A média de peso habitual foi de 71,73 ± 13,93 kg, sendo a média do peso aferido no início do tratamento de 65,53 ± 16,42 kg (r=0,67; p=0,00364). Houve variação da MCT durante o tratamento, sendo a diferença entre as medidas significativas (r= 0,47; P<0,0001). As médias encontradas na primeira, segunda e terceira consultas foram respectivamente 64,05 ± 17,34kg, 61,80± 16,53kg e 59 ±16,58kg. Conclusão: Pacientes com este tipo de câncer cursam com comprometimento do estado nutricional antes e durante o tratamento. O correto diagnóstico nutricional contribui para intervenções mais adequadas às suas necessidades. Unitermos: câncer de cabeça e pescoço, radioterapia, avaliação nutricional, variação da massa corporal total.

PC015 - EXCESSO DE PESO EM MULHERES COM DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA EM HORMONIOTERAPIA COM TAMOXIFENO

Instituição: Universidade de Itaúna, Itauna
Autores: Santos KF; Lagares EB; Anastácio LR; Mendes RC; Moreira FA.

Objetivos: O ganho de peso excessivo é frequentemente relatado por pacientes com câncer de mama, em hormonioterapia com tamoxifeno. Por estar relacionado a vários fatores de risco, o estudo desse acometimento, bem como seus fatores associados faz-se necessário. Assim, o objetivo do presente estudo, foi avaliar o estado nutricional de mulheres com câncer de mama submetidas a hormonioterapia com tamoxifeno. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo analítico, descritivo e transversal realizado no período de fev/11 a fev/12 na Universidade de Itaúna - MG, sendo previamente aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa em seres humanos da referida Instituição. Mulheres com diagnóstico de câncer de mama que receberam ou estão submetidas à hormonioterapia com Tamoxifeno, que são acompanhadas pela Associação Voluntária de Apoio ao Combate de Câncer de Itaúna - MG foram avaliadas quanto a prevalência de sobrepeso e obesidade por diferentes métodos (Índice de Massa Corporal - IMC; circunferência da cintura e percentual de gordura corporal). Dados demográficos, socioeconômicos, de estilo de vida, clínicos, antropométricos e dietéticos (recordatório de ingestão dietética de 24 horas, registro alimentar de 72 horas) foram coletados. Para análise dos dados, utilizou-se a correlação de Pearson e teste T de Student (SPSS versão 17.0, o nível de significância adotado: 5%). Resultados: Foram avaliadas 24 pacientes entre a faixa etária de 36 a 73 anos, com tempo médio de uso do Tamoxifeno de 16,6 meses (variando de 4 a 60 meses). Considerando-se a classificação de IMC das pacientes, 52,4% (n=10) foram classificadas em sobrepeso, 45,8% (n=11) obesas e 1,8% (n=3) eutróficas. Quanto ao percentual de gordura corporal, 8,3% (n=2) foram consideradas com sobrepeso e 91,7% (n=22), obesas. Além disso, 87,5% (n=21) foram classificadas como tendo algum grau de obesidade abdominal. O IMC, a circunferência de cintura e o percentual de gordura corporal foram diretamente correlacionados (p<0,05) à idade cronológica, à idade de menopausa e ao tempo de menopausa. O maior IMC também foi correlacionado (p<0,05) ao maior IMC anterior à doença, à menor ingestão de quilocalorias, proteínas, lipídeos totais e saturados, colesterol e cálcio (recordatório de 24 horas), bem como ao maior tempo despendido em atividades assentadas e ao menor tempo despendido em exercícios físicos. Conclusão: A maioria das pacientes apresentou sobrepeso ou obesidade após o uso de tamoxifeno. Assim, as pacientes, principalmente aquelas que já apresentam histórico de excesso de peso, devem receber orientações nutricionais desde o início da hormonioterapia, e se engajar em programas de mudanças no estilo de vida. Unitermos: câncer de mama, tamoxifeno, avaliação nutricional, obesidade.

PC016 - PERFIL DOS PACIENTES SUBMETIDOS À TERAPIA NUTRICIONAL PARENTERAL TOTAL COM TRIGLICERÍDEOS DE CADEIA MÉDIA EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO

Instituição: Liga Paranaense de Combate ao Câncer - Hospital Erasto Gaertner, Curitiba
Autores: Rodrigues R; Tsujuguchi EA; Tomporoski GG; Carneiro MB; Carlos ML.

Objetivos: Identificar o perfil dos pacientes que foram submetidos à Nutrição Parenteral Total (NPT) pronta pra uso contendo triglicerídeos de cadeia média em um hospital oncológico. Materiais e Métodos: O estudo consiste em um levantamento retrospectivo, de janeiro a julho de 2011, por meio da análise das prescrições e prontuários eletrônicos, onde foi realizada a identificação do perfil dos pacientes oncológicos que utilizaram (NPT) pronta pra uso contendo triglicerídeos de cadeia média. Resultados: No período de estudo, 19 pacientes diagnosticados com câncer fizeram uso de NPT. Destes, 58% eram do sexo masculino e 42% do sexo feminino. A média do período de utilização foi de 7,6 dias, 74% dos pacientes utilizaram NPT por no máximo sete dias. Os diagnósticos mais associados ao uso de NPT foram câncer do sistema digestório (53%), ginecológico (26%), esôfago (10,5%) e outros tumores (10,5%). Como desfecho do tratamento, 58% apresentaram melhora do quadro clínico. Em 37% dos casos os pacientes evoluíram a óbito em razão de complicações da doença de base, e em 5% não houve alteração do estado clínico. Com relação à infusão, 100% dos pacientes receberam a NPT por via central. Durante a utilização da NPT, 74% dos pacientes receberam juntamente a terapia anti-infecciosa. Conclusão: A necessidade da caracterização do perfil dos pacientes usuários de NPT em cada instituição é importante a fim de identificar doenças e/ou procedimentos que tornam os pacientes mais vulneráveis e debilitados. Sendo que a identificação do perfil destes constitui uma ferramenta para caracterizar fatores de risco relacionados a terapia, prevendo complicações e obtendo a resposta terapêutica adequada. Unitermos: nutrição parenteral total, câncer, hospital oncológico.

PC017 - PREVALÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO E DOR EM PACIENTES ADMITIDOS PELO SERVIÇO DE TRIAGEM EM HOSPITAL ONCOLÓGICO

Instituição: Hospital Erasto Gaertner, Curitiba
Autores: Silva PB; Trindade LCT; Gallucci MC; Albertos CM.

Objetivos: Avaliar como a presença de dor interfere na ingestão alimentar e no estado nutricional de pacientes encaminhados ao serviço de triagem, avaliar o estado nutricional, perda de peso e índice de massa corporal dos pacientes, quantificar a dor atual e no último mês, relacionar o tipo de dor a temperatura ambiente e a ingestão alimentar, relacionar o tipo de dor ao distúrbio do sono. Materiais e Métodos: Estudo clínico, transversal, realizado com os pacientes encaminhados ao serviço de triagem do Hospital Erasto Gaertner, durante o mês de abril de 2012. Incluídos apenas pacientes que após a triagem realizada por um médico da instituição, foram admitidos pelo hospital, ou seja, que possuíam neoplasia maligna e necessitavam de tratamento. Os pacientes, após consentimento, foram submetidos à aferição de peso e estatura, responderam a um questionário contendo perguntas relacionadas à ingestão alimentar, consistência da dieta utilizada, presença e quantificação de dor no dia e no último mês, presença de distúrbio do sono associado à dor. Esta, quando relatada, foi classificada em nociceptiva, neuropática e mista. Valores da temperatura ambiente, máxima e mínima, no dia foram coletados com auxílio do Instituto Meteorológico do Paraná. Resultados: Foram avaliados 142 pacientes, 78 mulheres e 64 homens, com idade média de 56,7 variando de 20 a 87 anos, sendo que 50% dos avaliados estavam acima de 60 anos. Os motivos mais frequentes foram tumor de mama (21,8%), pele (14,1%), cabeça e pescoço (12%), próstata (10,6%), intestino (7%). Os demais corresponderam a 34,5%. O diagnóstico nutricional de eutrofia foi prevalente para adultos (33%) e idosos (41%). Desnutrição foi identificada em 19% dos adultos e 7% dos idosos, a porcentagem de idosos que referiu perda ponderal no último mês foi maior (52,1%) do que a de adultos (32,4%). Queixa de dor no último mês foi relatada por 67,6% dos pacientes, e destes, 46% apresentou redução da ingestão alimentar. Presença de dor no dia da triagem foi relatada por 35% dos idosos e 31% dos adultos, com predomínio de dor nociceptiva nos dois grupos, 58% e 52%, respectivamente. Intensidade de dor leve no dia da avaliação foi relatada por 74% dos pacientes, com uma temperatura média máxima e mínima de 27,5o e 14,8o. Distúrbio do sono associado à dor foi encontrado em 35,2% de todos os pacientes. Conclusão: A identificação e o controle da dor são de relevante importância no início do tratamento oncológico, pois este sintoma interfere diretamente na ingestão alimentar do paciente. A perda ponderal decorrente da dor mal controlada traz consequências em relação ao estado nutricional do indivíduo, impactando de forma negativa no tratamento oncológico a ser estabelecido. Unitermos: desnutrição, dor, hospital oncológico, temperatura.

PC018 - INGESTÃO DIETÉTICA DE MULHERES COM DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA EM TRATAMENTO ADJUVANTE COM TAMOXIFENO

Instituição: Universidade de Itaúna, Itaúna
Autores: Lagares EB; Santos KF; Anastácio LR; Mendes RC; Moreira FA.

Objetivos: Avaliar a ingestão dietética de pacientes com diagnóstico de câncer de mama em tratamento adjuvante com tamoxifeno. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo analítico, descritivo e transversal realizado na Universidade de Itaúna - MG. Mulheres com diagnóstico de câncer de mama que receberam ou estão submetidas à hormonioterapia com Tamoxifeno, foram avaliadas quanto à ingestão dietética de calorias, macro e micronutrientes. Dados dietéticos foram coletados por meio de recordatório de 24 horas e registro alimentar de 72 horas. Comparou-se a ingestão de macronutrientes à proposta da World Health Organization juntamente com a Food and Agricultural Organization (2003). A ingestão de micronutrientes (vitaminas e minerais) foi analisada de acordo com as recomendações da Dietary Reference Intakes (DRI´s) propostas pelo Food and Nutrition Board do Institute of Medicine (IOM) em 2002. Utilizou-se o Estimated Average Requeriments (EAR), e para os nutrientes sem EAR, o Adequate Intake (AI). Os dados dietéticos foram transformados em valores de energias e nutrientes com auxilio do software Diet Win Professional versão 2008. Resultados: Foram avaliadas 24 pacientes entre a faixa etária de 36 a 73 anos, com tempo médio de uso do Tamoxifeno de 16,6 meses (variando de 4 a 60 meses). A ingestão calórica média foi de 1542,7±665,5 kcal, 75% (n=18) das mulheres avaliadas tiveram ingestão inferior a 90% das necessidades calóricas. Considerando-se a ingestão de macronutrientes, 87,5% (n=21) ingeriram carboidratos na quantidade recomendada (média de ingestão: 54,1 ± 12,8%), 83,3% (n=20) atenderam a recomendação de proteínas (média de ingestão: 16,9 ± 6,5%), e 20,8% (n=5) das pacientes consumiram o recomendado de lipídeos (média de ingestão: 28,4 ± 8%). O consumo de fibras foi adequado em 29,2% (n=7) das pacientes (média de ingestão: 17,7 ± 10,4 g). A respeito da ingestão de micronutrientes, nenhuma das pacientes atingiu a recomendação de cálcio (média de ingestão: 427,3 ± 254,3 mg), e pelo menos 40% das mulheres atingiram as recomendações nutricionais de ferro (média de ingestão: 6,9 ± 2,6 mg), piridoxina (média de ingestão: 0,7 ± 0,4 mg) e vitamina C (média de ingestão: 105,6 ± 101,8 mg). Conclusão: A maioria das pacientes em hormonioterapia com tamoxifeno relata ingestão dietética inadequada em calorias, macronutrientes e micronutrientes. Tais resultados evidenciam a importância da educação nutricional na promoção da alimentação saudável. Unitermos: ingestão dietética, tamoxifeno, câncer de mama, hormonioterapia.

PC019 - NUTRIGENÔMICA DO CÂNCER

Instituição: Faculdade Municipal Professor Franco Montoro, Mogi Guaçu
Autores: Sakai JL; Ribeiro KAR.

Objetivos: Esta pesquisa tem por objetivo demonstrar os avanços científicos e clínicos obtidos através do desenvolvimento de pesquisas nas áreas de nutrigenômica e nutrigenética aplicados ao estudo da promoção/prevenção do câncer, destacando a forma através da quais determinados nutrientes atuam inibindo ou estimulando a expressão dos protooncogenes e dos genes supressores de tumor. Materiais e Métodos: Através de uma extensa pesquisa de revisão bibliográfica nas bases de dados do Pubmed, Lilacs, Medline e Scielo, foram selecionados 24 artigos científicos indexados de relevância na área de estudo da nutrigenômica e/ou nutrigenética aplicada ao Câncer, publicados a partir do ano de 2000. A fim de complementar os artigos, também foram utilizados livros específicos das áreas de Genética, Biologia Molecular e Nutrição. Resultados: Diversos estudos têm comprovado a interação dos nutrientes e compostos bioativos ingeridos na dieta com o genoma humano e a influência que terão sobre um indivíduo depende da herança genética que ele carrega. Alguns destes nutrientes são capazes de alterar a expressão de proto-oncogenes e supressores de tumor. Exemplos desta modulação são visualizados nas deficiências de acido fólico, B6 e B12 que estimulam respectivamente quebras cromossômicas; incorporação de uracila ao DNA e diminuição da metilação, aumentando a susceptibilidade de desenvolvimento do câncer. As fibras apresentam ação antitumoral por reduzirem a expressão do estrógeno bioativo. Ácido linoleico conjugado, o ômega-3 e selênio promovem à inibição do crescimento de células neoplásicas. Cálcio, vitamina C e vitamina D, apresentam efeito anticarcinogênico por ativarem genes que induzem a apoptose de células cancerígenas. A vitamina E ativa genes de proteção à membrana, redução dos EROs e reparação de danos ao DNA e algumas pesquisas já demonstraram que a vitamina A pode bloquear a fase inicial da tumorigênese. Conclusão: A nutrigenômica representa uma evolução da nutrição aplicada ao câncer por promover a compreensão da influência da dieta no genoma. A elucidação dos mecanismos de expressão e modulação que os nutrientes promovem nos genes reguladores da gênese do tumor, acarretará o desenvolvimento personalizado de dietas ao nível do DNA capazes de agir como coadjuvantes na prevenção e/ou tratamento de tumores. Unitermos: nutrigenômica, nutrigenética, câncer.

PC020 - REAÇÕES ADVERSAS MEDICAMENTOSAS NO DOENTE ONCOLÓGICO COM CAQUEXIA

Instituição: Deloitte Touche Tohmatsu, São Paulo
Autores: Carvalho CN; Bittencourt AF; Souza VK.

Objetivos: Demonstrar a atuação do Farmacêutico Clínico no cuidado ao paciente oncológico e em cuidado paliativo, com enfoque na análise de sua farmacoterapêutica e amenizando qualquer tipo de evento adverso que acometa sua condição clínica. Materiais e Métodos: Trabalho prospectivo, observacional e descritivo. Foram avaliados através dos documentos de prontuário 100% dos pacientes oncológicos do Hospital Bandeirantes, no período de junho a setembro de 2011. Resultados: Dos 90 pacientes avaliados, 57 pacientes foram acometidos por RAMs relacionadas à caquexia. Foram encontrados 49 casos de anemia, 10 casos de diarreia, 3 casos de hiporexia, 26 casos de náusea e 7 casos de vômito, reações quais expõem o paciente diretamente a um possível desenvolvimento do quadro caquético. Conclusão: Sendo a segurança do paciente o foco da Assistência Farmacêutica, cabe a esse profissional garanti-la através da compreensão de seu quadro clínico e evitando eventos adversos - como RAMs. O uso de fármacos para tratamento de inapetência - progestágenos, corticoides, AINH, anti-TNF-a; antieméticos e estimulantes de crescimento hematopoiético são os principais aliados na reversão do quadro. Unitermos: assistência farmacêutica, oncologia, caquexia.

PC021 - INGESTÃO ALIMENTAR VERSUS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE SAÚDE DE SÃO LUÍS, MARANHÃO

Instituição: Faculdade Santa Terezinha - CEST, São Luís
Autores: Santos AL; Vasconcelos MIL; Sousa RML; Lima MTMA; Oliveira AL; Lira LLF.

Objetivos: Deseja-se estimar o consumo alimentar habitual calórico e de macronutrientes de pacientes oncológicos ambulatoriais e confrontá-lo com as recomendações dietéticas da literatura. Materiais e Métodos: Estudo descritivo, transversal e analítico, realizado com pacientes oncológicos em regime de acompanhamento ambulatorial. Para estimativa do consumo alimentar habitual utilizou-se o recordatório das 24 horas. Resultados: Foram avaliados 24 pacientes com idade média de 45,04 ± 12,24 anos, sendo 91,67% (22) mulheres. A escolaridade mostrou que 45,83% (11) cursavam até o ensino fundamental. O tempo de diagnóstico do agravo apresentou 58,33% (14) da amostra com diagnóstico inferior a um ano, foram mais prevalentes os cânceres de útero/ovário e o de mama com 33,33 % (8) ambos. O peso médio dos avaliados foi de 59,82 ± 10,25 kg. O comparativo entre a recomendação nutricional versus a ingestão alimentar dos pacientes oncológicos avaliados, mostrou déficit calórico de - 773,63 cal/dia. A recomendação glicídica foi de 294,03 ± 25,90 g/dia contra a ingestão de 210,67 ± 68,32 g/dia. A oferta proteica de 66,39 ± 18,82 g/dia (1,14 g/kg/dia) contra 65,81 ± 11,28 g/dia (1,10 g/kg/dia) consumidas. Os lipídeos foram consumidos em uma proporção de 31,35 ± 15,92 g/dia versus 77,67±6,19 g/dia de recomendação. Conclusão: Portanto, a ingestão calórico-proteica avaliada se encontrava deficiente. A oferta de lipídeos mostrou-se insuficiente, quanto a recomendação nutricional e, portanto, requer-se maior atenção no aconselhamento dietéticos dos pacientes oncológicos em regime ambulatorial afim de otimizar o consumo quantitativo, e principalmente qualitativo de gorduras. Unitermos: câncer, terapia nutricional, desnutrição.

PC022 - COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL SUBJETIVA EM PACIENTES ONCOLÓGICOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL PRIVADO

Instituição: Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, Porto Alegre
Autores: Decó ME; Loss SH; Marchese CB; Perez MP; Zaffari D.

Objetivos: Comparar os resultados obtidos a partir da aplicação das duas avaliações subjetivas e determinar o melhor instrumento de identificação do risco nutricional em pacientes oncológicos internados em um hospital privado de Porto Alegre. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo observacional e transversal, com abordagem descritiva e analítica. A coleta de dados foi feita através da aplicação das Avaliações Subjetiva Global e Produzida pelo Próprio Paciente em indivíduos internados na Unidade de Oncologia de um hospital privado. Os dados foram analisados com o coeficiente de correlação Kappa. Resultados: Dos 60 pacientes que participaram do estudo, 44 foram classificados como gravemente desnutridos e 14 como moderadamente desnutridos pela Avaliação Produzida pelo Próprio Paciente enquanto que pela Subjetiva Global, 14 indivíduos foram classificados como gravemente desnutridos e 39 como moderadamente desnutridos. Os resultados demonstraram que não houve concordância entre as duas avaliações (Kappa = 0,134; p> 0,05). Conclusão: Os resultados demonstram que não houve concordância entre as avaliações, sugerindo uma maior sensibilidade da Avaliação Subjetiva Global Produzida pelo Paciente em detectar os pacientes oncológicos desnutridos. Unitermos: avaliação nutricional subjetiva, estado nutricional, oncologia, desnutrição.

PC023 - AVALIAÇÃO DA ACEITAÇÃO DA TERAPIA NUTRICIONAL POR VIA ORAL EM PACIENTES ONCOLÓGICOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL GERAL DE SÃO LUÍS

Instituição: Hospital São Domingos, São Luís
Autores: Sobrinho RS; Câmara TAV; Castelo Branco EB.

Objetivos: Este trabalho teve como objetivo verificar a aceitabilidade da dieta na 1ª avaliação e na alta da terapia oral dos pacientes oncológicos, internados em um hospital geral de São Luís. Materiais e Métodos: Foi utilizado o banco de dados de um hospital geral de São Luís, tendo como amostra os pacientes oncológicos acima de 18 e abaixo de 90 anos de ambos os sexos admitidos no hospital em dieta oral oferecido pelo serviço de nutrição e dietética do hospital, no período de janeiro a fevereiro de 2012. Para a obtenção dos resultados foram coletados os dados das fichas de aceitação das dietas da 1ª avaliação e a última que precedeu a alta da terapia oral dos pacientes. a avaliação da aceitabilidade da dieta foi classificada em boa e ruim, sendo considerada como boa aceitação o consumo acima de 50% das refeições e ruim quando consumido menos de 50% das mesmas. Baseada na classificação boa e ruim da aceitação verificou-se as seguintes relações: 1ª avaliação e na alta: boa; 1ª avaliação e alta: ruim; 1ª avaliação: ruim, e alta: boa; 1ª avaliação: boa, e alta: ruim. Resultados: Foram avaliados 29 pacientes, 48,28% (14) do sexo masculino e 51,72% (15) do sexo feminino. Destes, 72,41% (21) tiveram boa aceitação na 1ª avaliação e na alta, e 17,24% (5) tiveram aceitação ruim tanto na 1ª avaliação e na alta e 10,35% (3) tiveram uma aceitação ruim na 1ª avaliação e boa na alta hospitalar. Não obteve resultado na relação boa aceitação na 1ª avaliação e ruim na alta. Conclusão: Observou-se que a terapia nutricional oral dos pacientes oncológicos internados no hospital do estudo possui boa aceitabilidade, visto que a maioria dos pacientes teve uma boa aceitação na 1ª avaliação bem como na alta, haja vista que nesse grupo de pacientes é muito frequente a inapetência. Unitermos: terapia nutricional; dieta hospitalar; consumo alimentar.

PC024 - RELAÇÃO ENTRE O PERFIL NUTRICIONAL E O TEMPO DE HOSPITALIZAÇÃO DE PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Instituição: Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre
Autores: Flores PF; Paes LS; Annes MLF; El-kik RM; Dias RL.

Objetivos: Identificar a relação entre o perfil nutricional e o tempo de hospitalização de pacientes internados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em um hospital universitário e privado do sul do país. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal descritivo com pacientes oncológicos adultos e idosos, atendidos pelo SUS no mês de Setembro de 2011. Foram coletados dados sócio-demográficos (sexo e idade), condição geral do paciente, avaliação nutricional e tempo médio de internação, a partir de informações do serviço de nutrição assistencial e do prontuário. O perfil nutricional foi identificado a partir de variáveis como: peso, altura, Índice de Massa Corporal (IMC), segundo Organização Mundial da Saúde, 1998 para os adultos e Lipschitz, 1994 para os idosos e classificação da Avaliação Subjetiva Global (ASG), segundo Destky, 1987. A coleta de dados teve início após a aprovação do projeto pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Resultados: Participaram do estudo 100 pacientes, 51% (51) homens e 49% (49) mulheres, com prevalência de 57% (57) adultos e 43% (43) idosos. De acordo com a ASG, 10,1% dos pacientes encontravam-se bem nutridos e 89,9% encontravam-se desnutridos. O tempo médio de permanência hospitalar foi de 11,8 dias. Os pacientes classificados como bem nutridos, tiveram um tempo médio de 8,1 dias, os moderadamente desnutridos ou gravemente desnutridos 14,3 dias. Em relação ao IMC, a média encontrada para os pacientes adultos foi de 22,3 kg/m2 indicando eutrofia e a média dos pacientes idosos foi de 20,2 kg/m2, indicando baixo peso. Conclusão: A prevalência de desnutrição identificada entre os pacientes oncológicos foi alta e está diretamente relacionada ao tempo de hospitalização. Mesmo considerando o grande avanço tecnológico da medicina, ainda é possível identificar uma alta taxa de desnutrição no meio hospitalar, contribuindo para o aumento do tempo de hospitalização. Unitermos: desnutrição, estado nutricional, tempo de internação, câncer.

PC025 - COMPLICAÇÕES NA CAVIDADE BUCAL E COMPROMETIMENTO NUTRICIONAL: REPERCUSSÕES NA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES ONCOLÓGICOS

Instituição: Clínica de Oncologia de Porto Alegre, Porto Alegre
Autores: Bueno CC; Munaretto JC; Levandowski M.

Objetivos: Avaliar se as alterações intrabucais e nutricionais referentes ao tratamento oncológico repercutem na QV do paciente, bem como em seus domínios sociais e emocionais. Materiais e Métodos: 135 pacientes foram avaliados na Clínica de Oncologia de Porto Alegre, estes pacientes representam estatisticamente nossa população clínica.Deste montante a média de idade foi 57 anos (± 13,8). Destes avaliados 63,5% são do sexo feminino e 36,5% do sexo masculino, ainda, 44,3% completaram ensino superior e 44,8% completaram o ensino médio. Em termos de diagnósticos, obtivemos da nossa amostra 34% de câncer gastrointestinal, 27,4% mama, 10,2% pulmão, 7,6% hematológicas e 20,8% de outras neoplasias. O IMC (indice de massa corporal) apresentou uma amplitude de variação entre 15,6 e 45,1 kg/m², com média de 25,3 (±4,6) kg/m². Instrumentos utilizados: Ficha sociodemográfica, QLQ C-30 da EORTC, Escala Visual Analógica de Dor (EVA). Análise estatística: os dados foram analisados através do software SPSS v.17 onde, para critérios de decisão foi adotado o nível de significância () de 5%. Foi realizada a análise estatística descritiva utilizando as medidas de tendência central e de variabilidade. Resultados: Sobre os resultados relativos às alterações na boca, pouco mais da metade dos investigados apresentaram alterações, 56,3% (n=76). Sobre este grupo, as alterações mais prevalentes foram feridas na boca, 64,5% (n=49). A consulta ao dentista foi confirmada por 44,4% (n=60) dos pacientes. Metade da amostra, 50,4% (n=68) relatou apresentar xerostomia. Considerando a disgeusia, esta foi observada em 48,9% (n=66) dos casos. Sobre a característica referente a xerostomia quando comparada a QV, as diferenças significativas ocorreram nos subitens de desempenhos físico (p<0,05), cansaço (p<0,01) e náusea/vômito (p<0,05). Os resultados apontaram que o grupo que não apresentou esta característica mostrou escores que implicaram em uma melhor QV, quando comparados ao grupo com xerostomia. Considerando a disgeusia nas últimas semanas as diferenças significativas concentraram-se na escala de sintomas nos subitens de perda de apetite (p<0,001) e náusea/vômito (p<0,05), indicando que, o grupo sem disgeusia apresentou escores médios menores que o grupo com disgeusia. Conclusão: Esta pesquisa revelou a importância de uma atuação interprofissional no tratamento do paciente oncológico, que através de protocolos de atendimento e prevenção pode-se melhorar a qualidade de vida antes, durante e após as terapias antineolpásicas. Unitermos: qualidade de vida.

PC026 - CLASSIFICAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DO TECIDO ADIPOSO E DA MUSCULATURA ESQUELÉTICA DE PACIENTE ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO AMBULATORIAL QUIMIOTERÁPICO E RADIOTERÁPICO

Instituição: Universidade Federal do Pará, Belém
Autores: Menezes de Souza MA; Aires CN; Costa GNR; Silva SCM; Miranda TV; Chen LVRD.

Objetivos: Analisar antropometricamente o tecido adiposo subcutâneo e a musculatura esquelética de pacientes oncológicos em tratamento ambulatorial quimioterápico e radioterápico em um hospital de referência no município de Belém-PA. Materiais e Métodos: Foi realizado estudo transversal descritivo com 61 pacientes, portadores de câncer em tratamento ambulatorial no Hospital Ophir Loyola no período de Agosto a Dezembro de 2011. Os pacientes foram selecionados aleatoriamente e avaliados no ambulatório de nutrição oncológica através do índice de massa corpórea (IMC), circunferência do braço (CB), prega cutânea tricipital (PCT) e circunferência muscular do braço (CMB). Resultados: A amostra é composta por 61 pacientes, com idade média de 50,31 anos (±15,92). Realizavam tratamento adjuvante 53,33% (n=32), 71,67% (n=43) realizavam apenas tratamento quimioterápico. Os tipos de câncer mais frequentes foram os de mama, colo do útero e gástrico, sendo representados por 16,67% (n=10), 15% (n=9) e 8,33% (n=6), respectivamente. Na avaliação nutricional, através do IMC, verificou-se prevalência de 50% de eutrofia (n=30), 40% eram eutróficos através da verificação da CB (n=24) (p (yates) = 0,0987), 75% (n=45) apresentavam-se eutróficos segundo a CMB (p (yates) = 0,0003), 40% (n=24) revelavam-se eutróficos de acordo com a PCT (p (yates) = 0,0987). Conclusão: Constatou-se prevalência de eutrofia através do IMC em metade da amostra, a CB corrobora eutrofia em 40% dos casos. Dos pacientes, 75% encontravam-se dentro dos padrões de normalidade no que tange as reservas de tecido muscular esquelético e, por fim, observa-se equilíbrio nas reservas de tecido adiposo subcutâneo em 40% da amostra. Unitermos: câncer, estado nutricional, quimioterapia, radioterapia.

PC027 - CARACTERIZAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DO TECIDO ADIPOSO E DA MUSCULATURA ESQUELÉTICA DE PACIENTE COM CÂNCER GINECOLÓGICO EM TRATAMENTO AMBULATORIAL QUIMIOTERÁPICO E RADIOTERÁPICO

Instituição: Universidade Federal do Pará, Belém
Autores: Menezes de Souza MA; Aires CN; Costa GNR; Silva SCM; Miranda TV; Chen LVRD.

Objetivos: Analisar antropometricamente o tecido adiposo subcutâneo e a musculatura esquelética de pacientes portadores de neoplasias do sistema ginecológico em tratamento ambulatorial quimioterápico e radioterápico em um hospital de referência no município de Belém - PA. Materiais e Métodos: Foi realizado estudo transversal descritivo com 16 pacientes, portadores de neoplasias do sistema ginecológico em tratamento ambulatorial no Hospital Ophir Loyola no período de Agosto a Dezembro de 2011. Os pacientes foram selecionados aleatoriamente e avaliados no ambulatório de nutrição oncológica através do índice de massa corpórea (IMC), circunferência do braço (CB), prega cutânea tricipital (PCT) e circunferência muscular do braço (CMB). Resultados: A faixa etária mais frequente foi de 18 a 38 anos com 37,5% (n=6). Realizavam tratamento adjuvante 62,5% (n=10), 50% (n=8) realizavam apenas tratamento quimioterápico. A localização mais frequente foi colo do útero com 50% (n=8), seguidas por útero, ovário e vagina com 25% (n=4), 18,7% (n=3) e 6,25% (n=1) respectivamente. Na avaliação nutricional, através do IMC e CB verificou-se em ambos a prevalência de 43,75% de eutrofia (n=7) (p<0,8026), segundo a CMB 87,5% apresentavam-se eutróficos (n=14) (p=0,006), 37,5% revelavam-se obesidade de acordo com a PCT (n=6) (p=0,475). Conclusão: Nos casos avaliados, a eutrofia se fez presente no IMC e na CB, chegando a representar pouco menos de 44% da amostra. As reservas adiposas subcutâneas, segundo a PCT, e musculares esqueléticas, segundo a CMB, estiveram dentro dos padrões de eutrofia em 37,5% e 87,5% dos casos, respectivamente. Unitermos: câncer, estado nutricional, ginecológico, quimioterapia, radioterapia.

PC028 - ÂNGULO DE FASE COMO PARÂMETRO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NO CÂNCER

Instituição: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Autores: Oliveira KCC; Peres WAF.

Objetivos: O presente estudo tem como objetivo principal revisar os dados da literatura científica sobre a utilização do ângulo de fase como parâmetro de avaliação do estado nutricional e índice prognóstico no câncer. Materiais e Métodos: Este trabalho utiliza como metodologia de pesquisa a revisão de literatura, que consiste em de levantamento de informações sobre um determinado tema, com objetivo de detectar opiniões similares ou diferentes sobre o tema ou de aspectos relacionados ao mesmo ou ao problema de pesquisa. Desse modo, foi realizado um levantamento bibliográfico de publicações científicas dos últimos 25 anos, utilizando as bases de dados Pubmed e Scielo. Para busca foram empregados os descritores: bioimpedância elétrica/bioelectrical impedance, ângulo de fase/phase angle, indicador prognóstico/prognostic indicator, sobrevida/survival e estado nutricional/nutritional status, utilizadas isoladamente ou em combinação. Dos resultados obtidos pela busca foram selecionados artigos na íntegra indexados online. Após seleção do material foi realizada a leitura criteriosa do acervo para síntese do conteúdo e posteriormente descrever a discussão e conclusão dos mesmos. Resultados: Embora seu significado biológico não esteja totalmente compreendido, os estudos avaliados destacam o ÂF como um método eficaz para avaliação do estado nutricional devido a sua relevância para a detecção precoce de risco nutricional em pacientes com câncer e comprometimento da capacidade funcional. A desnutrição é caracterizada por alteração no balanço de fluidos intra e extracelular e mudanças na integridade da membrana celular e o ÂF é capaz de refletir mudança no balanço de fluidos, podendo ser interpretado como indicador da integridade da membrana celular e preditor de massa celular corporal. Baixos valores de ÂF estão relacionados com perda da permeabilidade seletiva da membrana celular ou morte celular e pode ser considerado fator preditivo de sobrevida. Trabalhos realizados com indivíduos portadores de neoplasias malignas demonstraram diferença estaticamente significante na sobrevivência em relação ao valor do ÂF, dessa forma, indivíduos com valores de ÂF mais baixos apresentaram menor tempo de sobrevida (GUPTA et al., 2008; GUPTA et al., 2009; SANTARPIA et al., 2009). Conclusão: Dada as inúmeras evidências científicas, o ÂF pode ser considerado um método de avaliação do estado nutricional capaz de predizer a sobrevida e o fator prognóstico de pacientes com câncer, representando uma ferramenta útil para auxiliar na conduta e acompanhamento da terapêutica nutricional. Entretanto, a falta de valores de referência para o ÂF limita sua utilização em algumas situações clínicas. Unitermos: bioimpedância elétrica, ângulo de fase, indicador prognóstico, sobrevida, estado nutricional.

PC029 - NUTRIÇÃO ENTERAL VIA SONDA NASOENTERICA E GASTROSTOMIA NA PREVENÇÃO DA DESNUTRIÇÃO EM PACIENTES PORTADORES DE LESÕES NEOPLÁSICAS DE OROFARINGE

Instituição: Marinha Do Brasil - Hospital Naval Marcílio Dias, Rio de Janeiro
Autores: Cincinatus R; Pombo R; Passos PP; Castelpoggi JP; Furtado RP.

Objetivos: Identificar a necessidade de nutrição enteral via sonda nasoenterica e/ou gastrostomia de forma a prevenir e/ou tratar a desnutrição em pacientes oncológicos portadores de lesões neoplásicas de orofaringe. Materiais e Métodos: Estudo de revisão da literatura, aonde foram consultadas bases de dados nacionais (Scielo, Bireme) e internacionais (PubMed, Lilacs) utilizando as palavras-chave: nutrição enteral via sonda nasoentérica e/ou gastrostomia, desnutrição e câncer, prevenção desnutrição e nutrição enteral via sonda nasoenterica e/ou gastrostomia, lesões neoplásicas de orofaringe. O período da busca compreendeu os últimos 10 anos. Foram incluídos estudos em português e inglês. Foram excluídos estudos experimentais, in vitro, em Pediatria, com resultados inconclusivos e publicados em outros idiomas. Resultados: Foram revisados 30 artigos sobre o tema e os estudos mostraram que, a maioria dos pacientes portadores de neoplasias, que comprometem a orofaringe, apresentam algum grau de disfagia, mesmo na ausência de sintomas e um pequeno percentual apresenta deglutição dentro dos limites da normalidade. A nutrição enteral seja via sonda nasoenteral ou por gastrostomia está indicada nesse grupo de pacientes, a fim de minimizar os efeitos decorrentes das principais alterações encontradas, o que acaba interferindo diretamente no estado nutricional e na resposta aos tratamentos antineoplásicos. Conclusão: A intervenção nutricional precoce pode melhorar a tolerância ao tratamento oncológico, uma vez que a frequência de toxicidade é maior nos pacientes com piores indicadores de estado nutricional já que a maioria evolui com odinofagia e disfagia importante, desconforto retroesternal, dor epigástrica, xerostomia e anorexia interferindo diretamente na redução da ingestão alimentar... Unitermos: terapia nutricional, desnutrição, câncer, neoplasia de orofaringe

PC030 - INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM PACIENTE APRESENTANDO HEPATOCARCINOMA EM QUADRO DE ENCEFALOPÁTIA HEPÁTICA: RELATO DE CASO

Instituição: Universidade, Maceió
Autores: Perciano BFS; Moura FA.

Objetivos: Descrever a intervenção nutricional em paciente portadora de hepatocarcinoma em quadro de encefalopatia. Materiais e Métodos: Relato de caso com paciente do sexo feminino, 69 anos, portadora de hepatocarcinoma com quadro de encefalopátia hepática. a paciente apresentava ainda diabetes e ascite. Foram coletados diariamente o peso e semanalmente PCT, CB e AJ. Foi realizado, ainda, avaliação física bem como acompanhamento clínico através de dados bioquímicos. Resultados: A paciente recebeu diagnóstico nutricional de desnutrição grave, (adequações da CMB: de 87,15% - desnutrição leve; e PCT:24% - desnutrição grave) bem como pela presença de sinais evidentes de desnutrição grave. Os exames bioquimicos demonstraram sinais de anemia, insuficiência renal aguda e alterações nas enzimas objetivo do cuidado nutricional e características gerais das prescrições. Conclusão: A intervenção nutricional individualizada se mostrou um aliado forte na manutenção da qualidade de vida da paciente, mesmo em cuidados paliativos. Unitermos: não informado.

PC031 - O EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DE GLUTAMINA E ARGININA EM PACIENTES COM CÂNCER

Instituição: Faculdade Santo Agostinho, Teresina
Autores: Sá OMS; Santos AFL; Borges E; Santos JR.

Objetivos: Tem como objetivo realizar análise crítica das pesquisas sobre a relação complexa entre câncer e estado nutricional. Materiais e Métodos: Pesquisou-se em periódicos indexados nas bases de dados Medline, Scielo e Lilacs nos últimos cinco anos com os seguintes unitermos: câncer, glutamina, arginina, suplementação nutricional. Resultados: A arginina tem demostrado papel fundamental na reabilitação metabólica e imunológica de seres humanos aumentando a proliferação de linfócitos e inibição do crescimento de tumores. Enquanto a glutamina tem se apresentado como aminoácido essencial em situações catabólicas, como trauma, sepse, apresentando também função protetora em alguns órgãos como o intestino. Conclusão: Os efeitos da suplementação com arginina e glutamina em alguns estudos experimentais têm sido promissores, porém as investigações clínicas são insuficientes e controversas para se afirmar seus benefícios, fazendo-se necessários mais estudos clínicos e de experimentação para demonstração dos reais efeitos deste suporte nutricional no tratamento do câncer. Unitermos: câncer, glutamina, arginina, suplementação nutricional.

PC032 - ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES ONCOLÓGICOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL PRIVADO NO SUL DO PAÍS

Instituição: Universidade Corporativa do Hospital Mãe de Deus, Porto Alegre
Autores: Perez MP; Deco ME; Kuhmmer R; Zaffari D; Marchese CB.

Objetivos: Os objetivos deste trabalho foram conhecer e descrever o estado nutricional dos pacientes oncológicos internados em um hospital privado de Porto Alegre, detectando de maneira qualificada e precoce o risco nutricional, para que a melhor conduta dietoterápica fosse tomada. Materiais e Métodos: Este estudo transversal observacional teve como principal instrumento a aplicação da Avaliação Subjetiva Global Produzida pelo Próprio Paciente (ASG-PPP), e ainda, a coleta de registros complementares, obtidos em formulário específico e no prontuário. Foram avaliados indivíduos adultos, de ambos os sexos, internados para tratamento quimioterápico, radioterápico ou cirúrgico, na Unidade de Oncologia da instituição. Todas as avaliações foram feitas nas primeiras 48 horas de internação do paciente.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da instituição. As características clínicas e laboratoriais dos pacientes foram avaliadas e descritas, e para analisar a correspondência de algumas variáveis com o diagnóstico nutricional obtido na ASG-PPP utilizou-se o teste Quiquadrado. Os resultados foram expressos em mediana ou média e desvio padrão, a menos que indicados de outra maneira. Os valores de P <0.05 foram considerados estatisticamente significativos. Resultados: O risco nutricional foi avaliado em 60 pacientes, onde 73,3% foram classificados como gravemente desnutridos e 23,3% como moderadamente desnutridos. A média de perda de peso entre os pacientes nos últimos 6 meses foi de 3,5 kg. O índice de massa corporal (IMC) médio encontrado foi 24,1 kg/m² (± 5,2), classificando 58,3% dos pacientes como eutróficos, 21,7% como baixo peso; 15,0% como sobrepeso e 5,0% como obesos. Os diagnósticos pela ASG-PPP não apresentaram relação com métodos objetivos como o IMC (p=0,010). A administração da dieta foi analisada, sendo a via oral, a utilizada pela maioria dos pacientes (n=53), e, assim, também foi verificado que um total de 43,3% dos pacientes estava recebendo suplementação oral no momento da realização da avaliação. O desfecho deste grupo estudado foi a alta hospitalar em 90% dos indivíduos, e, 10% foram à óbito. Conclusão: Os resultados em nosso grupo demonstram que a prevalência de desnutrição em pacientes hospitalizados é alta, e com isso, a utilização de instrumentos para detectar risco nutricional, principalmente aqueles desenvolvidos para pacientes oncológicos, se faz necessária. Unitermos: neoplasias, avaliação nutricional, desnutrição.

PC033 - ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES COM CÂNCER DE PESCOÇO EM TRATAMENTO CLÍNICO

Instituição: Hospital AC Camargo, São Paulo
Autores: Santiago RA; Sampaio AP; Lima Verde SMM; Vartanian JG.

Objetivos: Caracterizar o estado nutricional de pacientes com câncer de cabeça e pescoço, que realizaram quimioterapia e radioterapia. Materiais e Métodos: Estudo quantitativo e retrospectivo. Foram avaliados pacientes atendidos no Hospital AC Camargo, no período de Janeiro de 2000 à Dezembro de 2009. Foi coletado peso habitual (PH), peso atual (PA) e índice massa corporal (IMC), nos tempos T0 (antes do diagnóstico) e T1 (durante o tratamento antineoplásico). Resultados: Os resultados mostraram que no T0 os pacientes pesavam em média de 68,2 kg (15,2), enquanto que o peso médio durante o tratamento (T1) foi de 62,8 kg (13,3). Antes do diagnóstico o IMC médio da população foi de 24,3 kg/m² (4,6), no entanto a média obtida durante o tratamento foi de 22,4 kg/m² (4,1). Com isso os pacientes foram classificados quanto ao estado nutricional, onde, 6,4% dos pacientes encontravam-se desnutridos no tempo T0, enquanto que no tempo T1 esse percentual subiu para 14,6%. O percentual dos pacientes eutróficos apresentou-se maior no T1 (62,6%) quando comparado com o T0 (53,8%). No momento T0 27,5% encontrava-se com sobrepeso, já no T1, esse percentual caiu para 19,9%. No momento T0 o percentual de pacientes obesos era de 12,3%, já no T1, esse percentual caiu para 2,9%. Conclusão: Podemos afirmar que o tratamento antineoplásico promove mudança de peso e de estado nutricional desses pacientes, devido à agressividade do mesmo. Diante disso torna-se necessária a orientação nutricional desde o diagnóstico dessa neoplasia. Unitermos: neoplasia de cabeça e pescoço, estado nutricional, quimioterapia, radioterapia, terapia nutricional.

PC034 - PERFIL DE PACIENTES ATENDIDOS EM UM NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA PARA PESSOAS COM CÂNCER SOB CUIDADOS PALIATIVOS EM SALVADOR, BAHIA

Instituição: NASPEC- Núcleo de Atendimento a Pessoas com Câncer, Salvador
Autores: Goldemberg CMP; Luna JAOG; Mesquita AF; Fonseca CS.

Objetivos: Caracterizar o perfil sócio-demográfico, hábitos de vida e estado nutricional da população sob Cuidados Paliativos no Núcleo de Atendimento a Pessoas com Câncer - NASPEC, associação civil e filantrópica, situado em Salvador, Bahia, que atende pessoas carentes do interior do estado. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal analítico e descritivo, conduzido no NASPEC na cidade de Salvador, com amostra composta de 40 pacientes de ambos os sexos, sem limite de faixa etária e que se encontravam institucionalizados no período de outubro de 2011 a março de 2012. Os dados relacionados a história clinica foram obtidos nos prontuários de cada paciente. Todos responderam a um questionário semiestruturado onde constavam informações sociodemográficos, hábitos de vida, localização do tumor, tratamento realizado, comorbidades, fracionamento e estimativa de frequência alimentar semanal. Foi realizada avaliação antropométrica, através de peso e estatura, nos pacientes de acordo com o preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), através do indicador de Índice de Massa Corporal (IMC). Todos os dados foram tabulados no Microsoft Excel for mac 2011, versão 14.2.0. Resultados: Dos 40 pacientes analisados, 35% eram do sexo masculino e 65% do feminino. A idade da maioria, era superior á 65 anos (35%). A renda familiar foi de até dois salários mínimos (87,5%). Quanto à escolaridade, 67,50% eram alfabetizados. O etilismo e o tabagismo estavam presentes em 27,5% e 42,5% respectivamente. A comorbidade mais encontrada foi a hipertensão arterial sistêmica, com 67,50%. Os sítios oncológicos predominantes no sexo masculino foram cabeça e pescoço (42,86%) e no feminino, mama (34,62%). As terapias antineoplásicas mais utilizadas foram quimioterapia 37,50% e radioterapia 70,0%. Os resultados do IMC 35,0% de eutrofia, 25,0% sobrepeso, e 25,0%, apresentavam algum grau de obesidade. Quanto ao fracionamento, somente 35,0% consumiam as seis refeições diárias. A estimativa de frequência alimentar semanal mostrou que 5% não consumiu nenhuma fruta e 10% nenhuma hortaliça. As carnes e leguminosas foram consumidas quatro ou mais vezes na semana em 85% e 90%, respectivamente. Conclusão: Concluiu-se que a ingestão de frutas e hortaliças, fontes de antioxidantes protetores, e o fracionamento diário das refeições eram inadequado. Com base nos resultados obtidos, foi possível traçar o perfil sócio-demográfico e nutricional desta população em Cuidados Paliativos, estabelecendo rotinas padronizadas de atendimento e suporte nutricional, priorizando qualidade de vida. Unitermos: perfil de saúde; neoplasias; nutrição e câncer.

PC035 - CARATERIZAÇÃO DE UMA AMOSTRA DE DOENTES ONCOLÓGICOS SUBMETIDOS À COLOCAÇÃO DE PRÓTESE ESOFÁGICA: ESTUDO RETROSPETIVO

Instituição: Escola Superior de Biotecnologia - Universidade Católica Portuguesa, Porto - Portugal
Autores: Torres CSF; Alves MPCF; Pinto ECB.

Objetivos: Caraterizar, retrospetivamente, a evolução nutricional em termos de ingestão alimentar, sintomatologia relacionada e evolução antropométrica, dos doentes submetidos à colocação de prótese esofágica no Instituto Português de Oncologia do Porto Francisco Gentil, Entidade Pública Empresarial do distrito do Porto - Portugal, no período de 1 de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2010. Materiais e Métodos: Este trabalho consistiu num estudo observacional descritivo de 98 doentes. Avaliaram-se os processos clínicos e registos alimentares dos doentes oncológicos que colocaram prótese esofágica, cujo diagnóstico principal era cancro do esôfago e do estômago. Foi elaborado um protocolo para a obtenção dos dados relativos à caraterização sociodemográfica, situação clínica, evolução antropométrica e nutricional. Registou-se o tipo de prótese aplicada e o motivo da sua aplicação, a duração do internamento após a colocação e o tipo de alimentação praticada aquando do internamento. A sobrevida foi estimada pela diferença entre as datas de diagnóstico e óbito, e a sobrevida após a colocação da prótese foi determinada pelo tempo decorrido entre a colocação da prótese e o óbito. Obtiveram-se dados relativos à estatura, peso habitual enquanto saudável e peso prévio ao diagnóstico. Recolheram-se, ainda, os registos de peso aferidos nas Consultas de Nutrição subsequentes à colocação da prótese. Resultados: A maioria (75%) dos indivíduos era do sexo masculino e 57,1% tinham idades superiores a 60 anos, sendo as mulheres significativamente mais velhas (p=0,001). A maioria dos doentes (76,5%) apresentava neoplasia esofágica como diagnóstico principal. Relativamente aos doentes com informação disponível sobre metastização (n=71), verificou-se que 62,0% tinham metástases. Relativamente à sintomatologia nutricional prévia à colocação da prótese, praticamente todos os doentes (n=90) apresentavam disfagia para sólidos. Quanto ao tipo de próteses, 63,3% dos doentes colocaram próteses autoexpansíveis metálicas não cobertas e 36,7% próteses autoexpansíveis metálicas cobertas. O tempo mediano entre o diagnóstico e o óbito foi de 354,0 dias; o tempo mediano entre a colocação da primeira prótese e o óbito foi de 124,5 dias. Comparando o peso habitual com a primeira avaliação do peso após colocação da prótese, a mediana de perda de peso correspondeu a 16 kg (P25;P75: 12,5;24). Conclusão: Estes cancros estão associados a perdas de peso, podendo ser contrariadas pela colocação da prótese permitindo uma melhoria da qualidade de vida, traduzida numa ingestão de alimentos com consistências praticamente normais. Contudo, atendendo as avaliações do estado nutricional após a sua colocação, não foi possível medir objetivamente o benefício na recuperação ou manutenção do estado nutricional. Unitermos: doente oncológico, cancro do esôfago, cancro do estômago, prótese esofágica, disfagia, sobrevida.

PC036 - SUPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS EM HOSPITAL REFERÊNCIA EM VITÓRIA - ES

Instituição: Hospital Santa Rita de Cassia, Vitoria
Autores: Cézar LL; Batista EA.

Objetivos: O objetivo foi mostrar a importância da suplementação nutricional antes e durante o tratamento oncológico, sabendo que a suplementação é capaz de recuperar ou manter o estado nutricional, reduzindo as complicações do tratamento; Minimizando o hipercatabolismo; Melhorando a qualidade de vida do paciente. Materiais e Métodos: Estudo tipo transversal, realizado com 223 pacientes portadores de Câncer, em tratamento no Hospital em Referência Oncológica na cidade de Vitória/ES. Realizado no período de Janeiro à Dezembro de 2011. No qual foi avaliado a tolerância alimentar, Recordatório 24 horas, Coletado dados como Peso Habitual, Aferido Peso Atual, Altura, IMC, GET (Gasto Energético Total), Necessidade Proteica e %PPP (Percentual de perda de peso) e o tempo. Foi utilizado o suplemento hiperproteico, com prebióticos, EPA, indicados para pessoas com câncer e/ou perda severa de peso. Resultados: Foram avaliados 223 pacientes; Sendo 74% do sexo masculino e 26% do sexo feminino; 49% com idade entre 30-60 anos, 48% > 60 anos e 3% <30 anos. Desses pacientes, 132 (60%) foram admitidos ao tratamento já com Desnutrição Moderada e, 41 (20%) com Desnutrição Grave. O resultado obtido foi que 26% dos pacientes durante o tratamento foram a óbito, 6% tiveram alta e 68% dos pacientes ainda permanecem em acompanhamento. Conclusão: De acordo com os dados, pode-se confirmar a importância da suplementação para pacientes oncológicos, sabendo do risco nutricional em que esses pacientes estão expostos, devido à duração de sintomas gastrointestinais, como anorexia e vômitos. Sendo necessário o suporte nutricional para atingir as necessidades calóricas; evitando a perda acelerada e até a caquexia. Unitermos: câncer, suplementação alimentar, caquexia

PC037 - RELAÇÃO ENTRE PERFIL NUTRICIONAL E TEMPO DE HOSPITALIZAÇÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS DE UMA UNIDADE PRIVATIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Instituição: PUCRSs, Porto Alegre
Autores: Freitas RDS; De Borba CS; El-kik RM; Marchi DSM; Caron-lienert RS; Dias RL.

Objetivos: Este estudo tem como objetivo relacionar o perfil nutricional com o tempo de hospitalização em pacientes oncológicos de uma unidade privativa de um hospital universitário. Materiais e Métodos: Estudo prospectivo, transversal, descritivo e analítico, realizado com pacientes oncológicos internados no Hospital São Lucas da PUCRS, Porto Alegre/RS durante os meses de setembro e outubro de 2011. Os dados coletados foram: sexo, idade, peso, altura, classificação da avaliação subjetiva global, índice de massa corporal, desfecho (alta, óbito ou permaneceu no leito ao final do estudo) e tempo de internação. A ASG classifica os pacientes em bem nutrido (A), moderadamente (ou em risco de ser) desnutrido (B) ou gravemente desnutrido (C). Para a classificação do IMC, foi utilizada a Organização Mundial da Saúde (OMS, 1998) para os adultos e Lipschitz para os idosos. Foram utilizadas tabelas de frequência simples e cruzadas para análise estatística dos dados. A coleta de dados teve início após a aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da PUCRS. Resultados: Foram incluídos 11 participantes, sendo 4 (36,4%) mulheres e 7(63,6%) homens. Destes, 6 (54,5%) eram adultos e 5 (45,5%) eram idosos (³60 anos). Dos adultos, 2 (33,3%) tiveram seu IMC classificado como magreza grau III, apenas 1 (16,7%) como magreza grau I e 3 (50%) como eutróficos. Dentre os 5 idosos, todos tiveram seu IMC<22 kg/m² (magreza). Quando relacionada a idade com a ASG, 5 (83%) dos adultos foram classificados como B e 1 (16,7%) como C. Nos idosos, 1 (20%) foi classificado B e 4 (80%) como C. A média de tempo de internação geral do estudo foi de 11,8 dias. Relacionando a classificação da ASG ao tempo de internação, dos 6 pacientes classificados como bem nutridos, a média de tempo de internação foi de 11,3 dias, e dos 5 gravemente desnutridos, a média foi de 12,4 dias. Conclusão: Foi alta a prevalência de desnutrição identificada entre os pacientes oncológicos e quanto maior a idade do paciente, maior o grau de desnutrição. Unitermos: avaliação nutricional, avaliação subjetiva global, desnutrição, índice de massa corporal, Oncologia.

PC038 - RELATO DE EXPERIÊNCIA: INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM PACIENTES PORTADORES DE CÂNCER DE PRÓSTATA SUBMETIDOS À RADIOTERAPIA

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo
Autores: Tanaka M; Barrére APN; Santos AS; Weltan E; Piovacari SMF; Silva OSN.

Objetivos: Relatar a importância de orientações nutricionais aos pacientes portadores de câncer de próstata submetidos à radioterapia. Materiais e Métodos: Trata-se de relato de experiência de acompanhamento de 02 pacientes em tratamento de radioterapia de próstata. Os pacientes em acompanhamento nutricional realizaram avaliação inicial, três consultas de monitoramento e receberam orientação sobre a dieta de acordo com o funcionamento intestinal e antifermentativa. Resultados: Foram acompanhados 02 pacientes portadores de câncer de próstata (L.S., 84 anos e W.T., 71 anos) submetidos à radioterapia. Para realizarem a simulação, receberam orientações prévias em seguir dieta antifermentativa, apresentarem-se em condições de bexiga plena e reto vazio. Além disso, durante o tratamento, deveriam manter estas mesmas orientações para melhor reprodutibilidade do planejamento de tratamento. No início do tratamento, ambos os pacientes não aderiram às orientações o que não reproduziu o posicionamento dos órgãos internos ao CBCT, sendo reorientados sobre a necessidade e a importância da adesão às recomendações dietoterápicas. O paciente W.T. executou corretamente todas as informações o que resultou em melhor reprodutibilidade e boa tolerância. Já o paciente L.S. não aderiu às informações, sendo necessário refazer o plano de tratamento adaptado as condições fisiológicas do paciente, já que o mesmo não conseguiu manter as condições aceitáveis. Conclusão: Está bem evidenciada a importância do acompanhamento e orientação nutricional durante a radioterapia, pois beneficiam o paciente na prevenção dos eventos adversos. Também revela a importância de implantação de protocolo institucional de orientação a estes pacientes, pois, verificou-se que estas ações podem contribuir não só ao paciente, mas no trabalho da equipe multiprofissional. Unitermos: câncer de próstata, radioterapia, dieta.

PC039 - MINHA DIETA, MINHA HISTÓRIA - LEVANTAMENTO DA DIETA PREGRESSA DE PACIENTES COM CÂNCER

Instituição: Instituto Nacional de Câncer (INCA), Rio de Janeiro
Autores: Carvalho IS; Braga DA.

Objetivos: O objetivo do estudo "Minha Dieta, Minha História - Levantamento da Dieta Pregressa de Pacientes com Câncer" é investigar e analisar a dieta pregressa de longa data de pacientes com diagnóstico recente de câncer internados no Instituto Nacional de Câncer (INCA) para identificar a presença e a ausência tanto de fatores alimentares de proteção como de risco para o desenvolvimento do câncer. Materiais e Métodos: Entre agosto de 2013 e dezembro de 2014, serão avaliados os relatos dietéticos pregressos de longa data de pacientes com diagnóstico recente de câncer encaminhados à Coordenação da Capacitação de Doadores do Banco Nacional de Tumores do INCA. Após a aplicação de um questionário epidemiológico por uma enfermeira, será administrado por uma nutricionista um questionário de frequência alimentar qualitativo com listas de alimentos acompanhadas de categorias de consumo organizadas segundo uma escala de Likert oferecendo cinco opções: diariamente, semanalmente, mensalmente, anualmente e nunca. Resultados: Temendo o viés da memória, a maioria dos estudos nacionais e internacionais utiliza o relato dietético recente, de no máximo um ano atrás, para estimar a dieta de toda a vida. A presente proposta de pesquisa, por sua vez, considerando a volubilidade dos hábitos alimentares ao longo do tempo, opta por uma metodologia que busca a alimentação vigente nas fases de iniciação e promoção do câncer, procurando contornar a dificuldade de lembrar não quantificando porções alimentares e estabelecendo categorias de consumo caracterizadas por frequências que variam entre diariamente e nunca, posto que os extremos são recordados com maior acurácia. Conclusão: Conhecer a dieta pregressa de longa data de indivíduos com câncer significa usufruir da oportunidade de corroborar ou refutar informações sobre o efeito protetor ou promotor dos alimentos sobre a carcinogênese difundidas pela literatura mundial. Unitermos: questionário de frequência alimentar, dieta pregressa, alimentação, câncer.

PC040 - VARIÁVEIS CLÍNICAS E NUTRICIONAIS DE PACIENTES SUBMETIDOS À NUTRIÇÃO PARENTERAL

Instituição: Hospital das Clínicas de Pernambuco (HC-UFPE), Recife
Autores: Lima DSC; Morais GQ; Silva BNS; Araújo ILSB; Queiroz PMA; Oliveira SG.

Objetivos: Avaliar variáveis clínicas e nutricionais de pacientes submetidos à nutrição parenteral (NP) em um hospital universitário. Materiais e Métodos: Estudo retrospectivo descritivo, com coleta de dados através de levantamento em prontuários e fichas de avaliação nutricional de pacientes internados no Hospital das Clínicas de Pernambuco, que receberam NP de janeiro de 2011 a abril de 2012. As variáveis analisadas foram: sexo, idade, índice de massa corpórea (IMC), percentual de perda de peso (%PP), tempo de internamento, diagnóstico, cirurgias realizadas, indicações da NP e desfecho clínico. Os dados foram avaliados através do software SPSS versão 13. Resultados: Total de 36 pacientes, sendo 55,6% do sexo masculino, com idade média de 52,14 ± 15,73 anos e IMC médio 22,13 ± 4,51 Kg/m2. A perda de peso foi verificada em 17 pacientes, com média de %PP de 16,73 ± 10,04 e tempo de internamento de 26,03 ± 22,09 dias. As neoplasias gástricas (16,7%) e pancreáticas (16,7%) foram os diagnósticos mais frequentes, seguido das neoplasias intestinais (13,9%) e fístulas enterocutâneas (11,1%). Do total da amostra, 77,8% foram submetidos à cirurgia e 61,1% utilizaram NP após o procedimento. A impossibilidade de uso do TGI foi responsável por 41,7% das indicações. Quanto à evolução clínica, 52,8% dos pacientes foram de alta domiciliar. Não houve correlação significativa entre o %PP com o tempo de internamento, nem associação dessa perda com o desfecho clínico dos pacientes. Conclusão: O desfecho clínico favorável foi evidenciado, confirmando o benefício potencial da NP quando cuidadosamente avaliada e indicada. Mesmo quando a NP é a principal modalidade de terapia nutricional, é recomendável, quando possível, associá-la a nutrição oral e/ou enteral mínima para a manutenção do trofismo gastrointestinal. Unitermos: nutrição parenteral, terapia nutricional, perda de peso.

PC041 - CASO CLÍNICO: ACOMPANHAMENTO NUTRICIONAL DE PÓS-OPERATÓRIO DE GASTRECTOMIA EM ADENOCARCINOMA GÁSTRICO RECIDIVADO

Instituição: Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, São Paulo
Autores: Rolim SS; Cardenas TC; Almeida MMFA; Lima SCTC.

Objetivos: Tendo em vista o potencial benefício da Terapia Nutricional (TN) em melhores desfechos clínicos de pacientes em pós-operatório (PO), este estudo de caso clínico visa analisar o papel da Avaliação Nutricional e da TN na Gastrectomia Total em paciente portador de tumor gástrico recidivado. Materiais e Métodos: Foram levantados dados de uma paciente do sexo feminino, 36 anos, diagnosticada com recidiva de adenocarcinoma gástrico e submetida a uma degastrectomia eletiva. O caso foi acompanhado durante 51 dias de internação da paciente na enfermaria cirúrgica do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP). Foi realizada análise do prontuário eletrônico (Sistema de Gestão em Saúde- Tasy®), exames bioquímicos e avaliação do estado nutricional por meio de Bioimpedância Elétrica (BIA), antropometria e aplicação das ferramentas Nutritional Risk Screening 2002 (NRS-2002) para triagem nutricional e Avaliação Subjetiva Global (ASG) para determinação do estado nutricional após identificação da presença de risco. Para cálculo das necessidades nutricionais da paciente foi utilizada calorimetria indireta. Resultados: Paciente internou para cirurgia eletiva após Gastrectomia Parcial e Quimioterapia Neoadjuvante. Apresentou risco nutricional e desnutrição moderada logo na admissão, com 43,5 kg, dobras cutâneas abaixo do P10, IMC de 17,0 kg/m2 e perda de peso de 12 kg (22,2%) em 6 meses. Foi submetida à Degastrectomia + esplenectomia + pancreatectomia corpo-caudal + hepatectomia no 2º dia de internação. Não houve tempo para realização de TN pré-operatória. Recebeu terapia nutricional parenteral do 4º ao 11º PO, iniciando terapia enteral para transição no 7º PO e dieta via oral com complemento alimentar no 11º PO. Houve necessidade de cirurgia de urgência por deiscência total da aponeurose no 12º PO. A ingestão calórica manteve-se acima das necessidades nutricionais calculadas pela calorimetria (1350 kcal/dia) em 85% dos dias. Durante a internação houve decréscimo de 0,9 kg, porém, com ganho de 1,7 kg de massa magra e normalização da distribuição de água extracelular. Apresentou leucocitose associado à anemia, níveis diminuídos de K e Cr e elevados de PCR e alteração da função hepática. Conclusão: A perda ponderal prévia à cirurgia justificaria o acompanhamento nutricional precoce para garantia da recuperação nutricional no perioperatório. A adequada TN no PO beneficiou a manutenção do peso e melhora da composição corporal. A análise de exames bioquímicos, acompanhamento da tolerância da dieta e a comunicação interprofissional foram essenciais para o impacto positivo ao tratamento proposto. Unitermos: adenocarcinoma gástrico, gastrectomia total, terapia nutricional, avaliação nutricional.

PC042 - ESTUDO DE CASO: EFEITO DO USO DE GLUTAMINA NA MUCOSITE DE UMA PACIENTE SUBMETIDA À QUIMIOTERAPIA NA UNIDADE DE QUIMIOTERAPIA DE ALTO RISCO DO HOSPITAL DE CLÍNICAS - UFPR

Instituição: Universidade Federal do Paraná, Curitiba
Autores: Cury P. Lima MP; Dergham AP; Vilela RM.

Objetivos: O objetivo do trabalho foi verificar o efeito do uso de glutamina sob forma de bochecho na mucosite de uma paciente submetida à quimioterapia na unidade de quimioterapia de alto risco do Hospital de Clinicas-UFPR. Materiais e Métodos: O material utilizado foi fornecido pelo Hospital de Clínicas, sob forma de doação. Sendo a glutamina do laboratório Support, embaladas em envelopes de 10g cada; e o módulo de proteína do laboratório Prodiet, com embalagem original de 150 g. Método: O presente estudo é caracterizado como um estudo clínico randomizado, duplo-cego, rotacional (cross-over). Diariamente a médica colaboradora e a pesquisadora coletavam dados da paciente, para minimizar possíveis erros na coleta de dados. A avaliação mucosite oral foi realizada através da classificação proposta pela OMS, Escala de Toxicidade Oral, a qual é baseada em sinais objetivos (vermelhidão ou eritema, desenvolvimentos de úlceras) e subjetivos (habilidade de deglutir, sensibilidade da mucosa) e também foram realizadas avaliação dietética e clínica da paciente. Resultados: Conforme a avaliação da mucosite segundo OMS, realizada pela médica colaboradora, observou-se que no 10º, 11º e 12º dia, presença de eritema e edema leve, do 14º ao 18º dia, observou-se apenas presença de eritema leve, nenhum sintoma no 19º e 20º dia, no 21º e 23º dia observou-se apenas eritema leve, nos demais dias, até o 30º dia não houve. E conforme a avaliação realizada por questionários pode-se observar que na primeira etapa (10 dias) a paciente referiu inchaço apenas no primeiro dia e não teve alteração na ingestão alimentar. Na segunda etapa, intervalo de 10 dias, não teve nenhum sintoma na cavidade oral, referiu apenas diminuição do apetite, isso ocorreu no oitavo dia da segunda fase, na terceira e última fase, a paciente não apresentou nenhum sintoma e ingeriu alimentos normalmente. Conclusão: O estudo de caso apenas quis demonstrar a possibilidade da utilização da glutamina para minimizar o efeito da mucosite. Embora existam muitos estudos que abordem o tratamento da mucosite, poucos foram os estudos duplo-cegos e que utilizaram placebo, sendo necessários estudos controlados para poder validar o seu uso. Unitermos: mucosite, glutamina, quimioterapia

PC043 - APLICABILIDADE DO SULFORAFANO NA QUIMIOPREVENÇÃO DE NEOPLASIAS COM ÊNFASE NAS DOSAGENS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Instituição: Universidade Gama Filho (Curso de Pós-Graduação), Salvador
Autores: Rangel AJ; Coutinho VF; Oliveira RB.

Objetivos: O objetivo desta revisão sistemática foi apontar de forma simplificada os principais efeitos do sulforafano e tentar determinar qual a dosagem de SFN seria a ideal para promover o efeito quimioprotetor em tumores neoplásicos e seus possíveis efeitos tóxicos ao organismo. Materiais e Métodos: Foram analisados os estudos mais relevantes já publicados sobre o fotoquímico sulforafano feitos nos últimos cinco anos (de 2007 a 2011), tendo como referência as bases de dados MEDLINE (National Library of Medicine) e o Google Acadêmico. Objetivei selecionar para construção do meu estudo somente outros artigos publicados que evidenciassem a atuação positiva do sulforafano (SFN) na prevenção ou tratamento do câncer e as dosagens usadas desse fitoquímicos nas pesquisas. Foram preferencialmente selecionados ensaios clínicos controlados e randomizados (ECCR), incluindo também outras revisões sistemáticas. A estratégia de busca utilizou as seguintes palavras-chave: sulforaphane, câncer. Resultados: Foram encontrados 405 a partir da palavra chave sulforaphano e cancer, a partir dos critérios de exclusão previamente definidos nos métodos, restaram 155 que foram disponibilizados na íntegra pelos bancos de dados, porém apenas 20 tiveram relevância científica para realização deste estudo, desses vintes estudos somente 10 expuseram de forma clara as dosagens utilizadas para obtenção dos resultados positivos do fitoquímico SFN (contém tabelas demonstrativas). Conclusão: Esta revisão pôde evidenciar os efeitos benéficos do isotiacianato sulforafano na quimioprevenção e tratamento do câncer, porém não existe ainda um consenso sobre qual a quantidade de brócolis deveria ser consumida a fim de se obter a dosagem de sulforafano necessária para se obter todos esses efeitos já citados em estudo... Unitermos: Não informado.

PC044 - IMPORTÂNCIA DA TERAPIA NUTRICIONAL NO PERÍODO PERIOPERATÓRIO EM PACIENTES SUBMETIDOS À GASTRECTOMIA TOTAL

Instituição: Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - UNIRIO, Rio de Janeiro
Autores: Armentano TC; Oliveira ANF; Aredes MA.

Objetivos: Descrever a importância da terapia nutricional perioperatória em pacientes submetidos à gastrectomia total, através de um relato de caso em uma clínica cirúrgica. Materiais e Métodos: Paciente E.R.V., sexo feminino, 75 anos, admitida em uma enfermaria cirúrgica do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, localizado na cidade do Rio de Janeiro em fevereiro de 2012, devido ao tumor de cárdia, com progressão para o estômago. Relato de anorexia, perda de peso, disfagia para sólidos e vômitos pós-prandiais. Apresentava cirurgias prévias de hemicolectomia esquerda e ooforectomia bilateral em 2006 devido ao quadro de neoplasias. Após diagnóstico, indicada a gastrectomia total, sem realização de tratamento neoadjuvantes. A avaliação nutricional pré-operatória foi realizado nas primeiras 24 horas de internação e solicitado parecer para Comissão de Terapia Nutricional. O diagnóstico nutricional foi obtido a partir de Avaliação Subjetiva Global e avaliação antropométrica como peso, estatura, Índice de Massa Corporal (IMC) e porcentagem de perda de peso. A reavaliação nutricional aconteceu antes da cirurgia e anterior a alta hospitalar. Resultados: No período pré-operatório a ASG evidenciou desnutrição grave, com perda de peso de 18% em 4 meses. A avaliação antropométrica aferiu peso atual: 57,3 kg, estatura: 1,58 m e IMC: 22,95 kg/m² (eutrofia, segundo Lipschitz 1994). Iniciada nutrição enteral pré-operatória com dieta polimérica durante oito dias, associada à dieta via oral líquida completa. Paciente apresentou ganho ponderal de aproximadamente dois quilos anterior ao procedimento cirúrgico. Realizada a cirurgia de gastrectomia total com reconstrução em Y de Roux sem intercorrências e passado catéter nasoentérico na cirurgia como via de alimentação precoce. Reiniciada após 24 horas do procedimento, dieta enteral com baixo volume (240ml), evoluída progressivamente até 1.000 ml/dia. No sexto dia de pós-operatório liberada dieta via oral líquida de prova. Paciente evoluiu com boa aceitação das dietas enteral e oral, sendo esta última evoluída até a consistência pastosa. Efetuada paralelamente desmame da nutrição enteral e retirado CNE no 11º dia de pós-operatório. Paciente recebeu alta hospitalar após 21 dias de internação. Conclusão: O estado nutricional prévio à operação influencia diretamente na morbimortalidade pós-operatória. A desnutrição pré-operatória é um fator de risco independente, sendo, portanto, a terapia nutricional perioperatória indicada para o paciente cirúrgico, como nas gastrectomias totais, com o objetivo de prevenir a desnutrição, minimizar seus efeitos e proporcionar melhor qualidade de vida ao paciente. Unitermos: terapia nutricional, dieta enteral, gastrectomia total, câncer.

PC045 - EVOLUÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM TRATAMENTO ONCOLÓGICO ATENDIDOS NA CASA TIA RUTH DE APOIO A CRIANÇA COM CÂNCER / AVOSOS - PROJETO NUTRINDO A VIDA

Instituição: AVOSOS - Associação dos Voluntários a Serviço da Oncologia em Sergipe, Aracaju
Autores: Melo MWL; Amorim DMMC.

Objetivos: Mostrar a evolução nutricional dos pacientes oncológicos pediátricos em tratamento inseridos no Projeto Nutrindo a Vida, assistidos pela Casa Tia Ruth de Apoio a Criança com Câncer / AVOSOS, em Aracaju-SE. Materiais e Métodos: Foram analisadas 20 crianças entre 4 e 15 anos portadoras de algum tipo de câncer, que estavam em tratamento antineoplásico, num intervalo de 6 meses. O Projeto ofereceu: orientação nutricional individual, adequação no cardápio, entrega de suplemento oral (hipercalórico e hiperproteico, 200 ml, uma vez ao dia, até adequação do peso corporal) e realização de atividades educativas. A AN foi mensal, com avaliação da ingestão diária do suplemento alimentar oral, onde o acompanhante marcava o horário e o volume ingerido, e mensuração de peso e estatura, classificados segundo Organização Mundial de Saúde (OMS, 2007). Resultados: No primeiro mês, 65% das crianças foram avaliadas e classificadas como Magreza e 35% como Baixo Peso. No total das crianças avaliadas, 80% tiveram boa aceitação do suplemento alimentar, com baixíssimo volume de resto-ingesta (<10%), sendo considerado satisfatório para o Projeto. Apenas 20% tiveram pouca aceitação, porém receberam orientação de mudar o sabor e/ou fracionar o volume, passando a aceitar a TN. Gradativamente houve adequação do EN, resultando em 17 crianças (85%) com estado nutricional adequado (Eutrofia). Apenas 2 crianças (10%) não conseguiram adequar seu estado nutricional dentro dos 6 meses do Projeto, porém houve melhora no seu EN, passando de Magreza para Baixo Peso. No 4º mês, 1 paciente (5%) desistiu do Projeto. Conclusão: O Projeto demonstrou contribuir favoravelmente para uma melhor qualidade de vida durante o tratamento, recuperando o EN de 17 crianças. Com a oferta do suplemento nutricional e adequação do cardápio diário do paciente, além de ações que visem uma educação nutricional, permitindo que o mesmo aprenda sobre suas escolhas alimentares, foram de grande importância para o sucesso do Projeto. Unitermos: terapia nutricional, avaliação nutricional.

PC046 - ADENOCARCINOMA DE ESÔFAGO EM ESTÁGIO AVANÇADO E NUTRIÇÃO: RELATO DE CASO

Instituição: Universidade Federal de Alagoas, Maceió
Autores: Perciano BFSP; Moura FAM.

Objetivos: Objetivou descrever a intervenção nutricional de paciente portador de adenocarcinoma de esôfago. Materiais e Métodos: Paciente sexo masculino, 69 anos, diagnosticado com adenocarcinoma de esôfago, admitido para realização de quimioterapia. foram coletados diariamente o peso e semanalmente PCT, CB e AJ. Foi realizado ainda avaliação físcia bem como acompanhamento clínico através de dados bioquímicos. Resultados: A paciente recebeu diagnóstico nutricional de desnutriçao grave, (adequações da cmb: de 76,45% - desnutrição moderada - e pct: 72,72% desnutrição moderada) bem como pela presença de sinais evidentes de desnutrição grave. os exames bioquimicos demonstraram sinais de anemia, verificado pelos baixos níves de hemoglobina, associado com sinais fisicos caracteristicos sendo um dos objetivos do cuidado nutricional e características gerais das prescrições. Conclusão: A intervenção nutricional foi fundamental para que o paciente tive-se boa aceitação da dieta, evitando dessa forma, maior desgaste no seu estado nutricional oferendo ao mesmo qualidade de vida. Unitermos: não informado.

PC047 - AVALIAÇÃO DO ESTADO E EVOLUÇÃO NUTRICIONAL EM PACIENTE DIAGNOSTICADOS COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO E DE CABEÇA E PESCOÇO INTERNADOS EM UMA CLÍNICA ONCOLÓGICA DE UM HOSPITAL GERAL

Instituição: Não informado
Autores: Roncoleta F; Souza UMSN.

Objetivos: Avaliar e comparar o tempo de internação de acordo com cada diagnóstico de câncer; avaliar e comparar a evolução do índice de massa corporal (IMC) de acordo com cada diagnóstico de câncer; correlacionar o IMC aferido na admissão o tempo de internação hospitalar. Materiais e Métodos: O estudo descritivo foi realizado na ala oncológica de um hospital geral. A amostra se constituiu de pacientes diagnosticados com câncer de cabeça e pescoço (CA-CP) e do aparelho digestivo (CA-AD) de ambos os sexos, acima de 18 anos de idade, internados entre agosto/2011 e fevereiro/2012. Foram excluídos do estudo indivíduos edemaciados, acamados e sem diagnóstico clínico confirmado. Para traçar o perfil nutricional da amostra, foram utilizados a avaliação nutricional subjetiva global no momento da internação e o índice de massa corporal. Durante todo o período de internação, os pacientes tiveram revisão antropométrica a cada três dias. As informações foram coletadas através de um banco de dados abastecido pela equipe de nutrição do Hospital Santa Casa. Os dados relacionados ao diagnóstico clínico foram obtidos através de relatórios emitidos pela equipe de enfermagem. As informações foram tabuladas em planilha Excel®, e analisados com software estatístico PRISM GraphPad Versão 3.0. Resultados: O grupo CA-CP apresentou maior porcentagem de desnutridos na admissão de acordo com a ANSG e maior porcentagem de óbitos em relação ao grupo CA-AD, porém sem apresentar diferença estatística.Não foram observadas diferenças estatísticas (p > 0,05) entre o tempo internação e evolução do índice de massa corporal dos grupos CA-CP e CA-AD (27,69 ± 3,19 e 27,31 ± 4,38) e (22,31 ± 0,92 e 19,36 ± 0,92) respectivamente.O IMC aferido na admissão não apresentou correlação com o tempo de internação hospitalar em nenhum dos dois grupos estudados: (r= - 0,181 e p = 0,18) e (r= - 0,112 e p=0,51) para os grupos CA-AD e CA-CP, respectivamente. Conclusão: Apesar do grupo CA-CP apresentar maior porcentagem de desnutridos na admissão (ANSG) e maior porcentagem de óbitos, não foi observada diferença estatística entre os grupos portadores de câncer de aparelho digestivo e câncer de cabeça e pescoço com relação ao tempo de internação e IMC. Não se observou correlação entre o tempo de internação hospitalar e o IMC admissional em nenhum dos dois grupos. Unitermos: câncer, evolução nutricional, ANSG, IMC.

PC048 - ESTUDO QUANTITATIVO DO CONSUMO DE PROTEÍNA, SÓDIO E POTÁSSIO EM INQUÉRITOS DIETÉTICOS E SUAS POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS NA FUNÇÃO RENAL DE PACIENTES ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE SALVADOR - BA


Instituição: Centro Universitário Estácio da Bahia - Estácio/FIB, Salvador
Autores: Carvalho RVO; Costa CG; Alencar RL.

Objetivos: Verificar, quantitativamente o consumo de proteínas, sódio e potássio existentes em inquéritos dietéticos de pacientes atendidos em uma clínica escola em Salvador - BA. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo descritivo em uma pesquisa documental, no qual foram utilizados dados secundários de 200 anamneses já aplicadas em pacientes atendidos em uma clínica escola de uma instituição de ensino superior localizada na cidade de Salvador, Bahia. Resultados: O consumo de proteína mostrou-se elevado em 53,5% dos inquéritos estudados. Na população estudada tanto homens quanto mulheres apresentaram consumo de sódio adequado 52,17% e 58,33% respectivamente. Quanto ao potássio, ambos os sexos apresentaram-se adequados 100% comparados com as DRI’s. Conclusão: Pode-se perceber que a dieta habitual estudada, juntamente com as patologias atuais e históricos familiares, podem desencadear uma disfunção renal futura. Unitermos: consumo de proteína; inquéritos nutricionais; disfunção renal.

PC049 - INDICADORES DE QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS

Instituição: Hospital do Coração de Mato Grosso do Sul - Clínica Campo Grande, Campo Grande
Autores: Santos CP; Santos ER; Salamoni RM.

Objetivos: O objetivo do trabalho foi monitorar a implantação de indicadores de qualidade na assistência nutricional de pacientes hospitalizados. Materiais e Métodos: O trabalho foi realizado em uma instituição caracterizada como hospital geral de médio porte, privado, situado no município de Campo Grande/MS. A coleta de dados foi no período entre os dias 01 de junho a 31 de outubro de 2011, excetuando finais de semana e feriados. O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo Seres Humanos (CEP) da Universidade Anhanguera - Uniderp, com número de protocolo 116/2011 e aprovado pela direção do hospital em estudo. Como método teórico de abordagem foi utilizado a pesquisa qualiquantitativa descritiva e a coleta de dados foi de forma quantitativa, por meio de registro em planilhas. Os indicadores monitorados foram: Percentual de pacientes triados, Percentual de pacientes avaliados dentro do nível de assistência, percentual de evoluções diárias e percentual de avaliação nutricional subsequente. Os resultados foram obtidos por fórmulas matemáticas. Resultados: Nos resultados obtidos no trabalho pode-se observar uma alteração progressiva dos resultados. No percentual de pacientes triados, no mês inicial de coleta tivemos 39% e no mês final 62% sendo um resultado significativo de acordo com a realidade da instituição, onde são realizados trabalhos de assistência nutricional e de gestão da nutrição clínica. No percentual de pacientes avaliados dentro do nível de assistência o percentual teve aumento gradativo ao longo dos meses, sendo o maior percentual nos meses finais de coleta para os pacientes de nível terciário isso se deve ao fato de se dar prioridade para avaliação desses pacientes. O percentual de evoluções diárias também apresentou aumento ao longo dos meses, no mês final de coleta 87% dos pacientes internados receberam evolução nutricional. O percentual de avaliação nutricional subsequente teve um resultado não significativo, devido ao fato do número de integrantes da equipe ser reduzido fazendo necessário otimizar melhor o tempo dos profissionais, definindo os pacientes com prioridade para realização da avaliação subsequente. Conclusão: A monitoração dos indicadores de qualidade possibilita o acompanhamento regular das atividades desenvolvidas no processo da assistência nutricional, promovendo melhorias e gerando benefícios para o profissional, para a empresa e principalmente para o paciente que é o usuário da assistência. Unitermos: indicadores; qualidade; assistência nutricional.

PC050 - DIAGNÓSTICO DE PACIENTES COM SOBREPESO E OBESIDADE ATENDIDOS EM CLÍNICA ESCOLA, SALVADOR - BA

Instituição: Centro Universitário Estácio da Bahia - Estácio/FIB, Salvador
Autores: Carvalho RVO; Neves FHP; Júnior FBS.

Objetivos: Identificar os pacientes com sobrepeso e obesidade atendidos em uma clínica escola em Salvador - BA, por acreditar que pela situação atual de transformação epidemiológica da população brasileira, o maior contingente de pacientes de um consultório dietético seja de portadores de sobrepeso e obesidade. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, com amostra total de 134 pacientes. Foram utilizados dados secundários de anamneses já aplicadas em pacientes atendidos em uma clínica escola de uma instituição de ensino superior localizada na cidade de Salvador, Bahia. Resultados: Observou-se que o IMC médio para indivíduos do gênero masculino (27,02 kg/m²) foi menor em relação ao IMC médio do gênero feminino (27,80 kg/m²), com CC apresentando alta prevalência do risco elevado para doenças cardiovasculares para ambos os gêneros, (86,76 cm para mulheres e 92,48 para homens), resultado que diverge da média da RCQ, classificados como ginoide para mulheres (0,83 cm) e homens (0,92 cm), respectivamente. A relação entre situação conjugal e CC mostra aumento do risco para doenças cardiovasculares na mudança de classificação quanto ao estado civil de solteiro para casado. Conclusão: As variáveis antropométricas adotadas demonstraram prevalência do excesso de peso na população assistida e risco elevado para doenças cardiovasculares. Unitermos: obesidade; sobrepeso; antropometria.

PC051 - IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLO DE CONDUTA NUTRICIONAL EM ÚLCERA POR PRESSÃO (UP) EM PACIENTES HOSPITALIZADOS

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo
Autores: Moraes JR; Santos KFF; Piovacari SMF; Silva ODN; Oliveira RMC.

Objetivos: Garantir qualidade e segurança na assistência de pacientes com risco ou presença de UP em hospital privado, através da implantação de protocolo de conduta nutricional institucionalmente reconhecido como parte do cuidado multidisciplinar integrado. Orientar a equipe de Enfermagem sobre a importância da intervenção nutricional especializada na prevenção ou tratamento deste tipo de complicação. Materiais e Métodos: Com a atualização do protocolo institucional de UP, que incluiu alteração da escala de avaliação e maior valorização da atuação interdisciplinar, elaborou-se, através de extensa revisão bibliográfica, um novo protocolo de conduta nutricional o qual foi amplamente divulgado para a equipe de Enfermagem e Nutrição. Resultados: Foram implantadas melhorias, incluindo a adequação da ferramenta de identificação do risco nutricional que passou a detectar mais efetivamente o risco ou presença da UP. Isto permitiu uma atuação rápida da equipe de Nutrição, instituindo condutas nutricionais específicas para a prevenção ou tratamento de UP, tais como avaliar o paciente com melhores informações à respeito das características da ferida (quantidade, localização, extensão e tipo de tratamento) devido à uma comunicação mais efetiva com a Enfermagem acerca das intervenções realizadas e do estado clínico do paciente. O protocolo de conduta nutricional em UP detalhou a avaliação das necessidades nutricionais e especialmente possíveis deficiências vitamínicas e minerais comumente encontradas neste tipo de complicação. A comunicação mais efetiva entre as disciplinas permitiu melhor monitoramento do paciente devido à troca de informações essenciais para o sucesso da prevenção ou tratamento; e o monitoramento nutricional foi incluído nas auditorias de avaliação do seguimento do protocolo. Conclusão: A implantação do protocolo, como parte de um protocolo institucional e não apenas exclusivo do departamento Nutrição, permitiu maior segurança na prevenção e tratamento de pacientes com risco ou presença UP, houve maior integração entre equipes Enfermagem e Nutrição. Garantiu melhor qualidade da assistência por padronizar recomendações nutricionais. Unitermos: terapia nutricional, pacientes hospitalizados, úlceras por pressão.

PC052 - TRIAGEM NUTRICIONAL ATRAVÉS DA NRS-2002 DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL MUNICIPAL DE ITABORAÍ - RJ

Instituição: NUTREX, Rio de Janeiro
Autores: Couto BP; Silva ABA; Fernandes JFR; Mattos JP; Wady MTB; Filho PEP.

Objetivos: A desnutrição é comum em pacientes hospitalizados e está associada com maior índice de morbi-mortalidade e tempo de internação. Parte destes pacientes já apresenta subnutrição na internação, e outros desenvolvem a desnutrição durante a estadia hospitalar. O objetivo deste estudo foi avaliar o risco nutricional através da NRS-2002 de pacientes internados em um hospital municipal de taboraí - RJ. Materiais e Métodos: Estudo transversal realizado com pacientes internados em um hospital municipal de Itaboraí em setembro de 2001. Foram incluídos pacientes adultos e idosos de ambos os sexos. Foram realizadas avaliações nutricionais e aplicado o protocolo de Triagem de Risco Nutricional 2002 - Nutritional Risk Screening 2002 (NRS 2002) em todos os pacientes internados. Os pacientes foram submetidos à avaliação antropométrica, com aferição de peso em balança digital e a estatura através de estadiômetro. Nos pacientes que não foi possível realizar tais medidas devido a alguma restrição ao leito, a estatura foi estimada através de altura do joelho ou hemichanfradura, ou ainda através da coleta da estatura diretamente com pacientes (se esses fossem lúcidos) e/ou acompanhantes; e o peso através estimativas para peso ideal, peso seco, peso estimado ou peso ajustado. O diagnóstico nutricional dos pacientes foi definido pelo Índice de Massa Corporal (IMC) de acordo com os critérios da OMS 2004. Resultados: Foram avaliados 73 pacientes com idade média de 64+16,44 anos, sendo 56,2% do sexo masculino. Os diagnósticos de internação mais frequentes foram: acidente vascular cerebral (21,92%) e fratura de fêmur (13,69%). O tempo médio de internação doi 19,66 + 19,15 dias. Em relação à avaliação do risco nutricional através da NRS-2002, foi observado que 68% da população avaliada apresentam risco nutricional, necessitando de algum tipo de terapia nutricional - oral, enteral ou parenteral. Além disso, 28% dos pacientes necessitam de uma monitorização e reavaliação nutricional semanal. E apenas 4% dos pacientes não apresentaram nenhum tipo de risco nutricional. Conclusão: Os dados do presente estudo sugerem que pacientes hospitalizados apresentam elevado risco nutricional avaliados pela NRS-2002. Por isso, é fundamental acompanhamento do estado nutricional do paciente durante a internação hospitalar com o objetivo de minimizar os distúrbios nutricionais desenvolvidos durante a internação e seus efeitos na evolução clínica deste paciente. Unitermos: triagem nutricional; risco nutricional.

PC053 - TESTE DE ACEITABILIDADE DE RECEITAS ELABORADAS COM ALIMENTOS FONTES DE MICRONUTRIENTES EM UMA POPULAÇÃO HIV POSITIVA - UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL

Instituição: Instituto de Pesquisa Evandro Chagas - IPEC/FIOCRUZ, Rio de Janeiro
Autores: Ribeiro JN; Brito PD; Peres WAF.

Objetivos: O presente estudo foi uma proposta educativa para uma população de indivíduos HIV positivo, atendida em uma instituição de pesquisa, que teve como objetivo avaliar a aceitação de preparações ricas em alimentos fontes de vitaminas (A, C, D, E, e complexo B) e minerais (ferro, cálcio, selênio e magnésio) importantes para a imunidade. Materiais e Métodos: Foram testadas 5 preparações utilizando-se como instrumento de avaliação a escala hedônica variando de 1 a 9 pontos (1- "desgostei extremamente" e 9- "gostei extremamente"). Os dados foram digitados em uma planilha de Excel (Microsoft Corp., Estados Unidos) e posteriormente foram calculadas as médias das variáveis contínuas (idade e aceitação geral da preparação). Os resultados foram expressos em médias e percentuais. A amostra final do estudo constituiu-se de 12 homens com média de idade de 39,5 anos. Resultados: Todas as preparações obtiveram boa aceitação. A ordem de preferência das preparações, de acordo com a média de aceitação pela escala hedônica foi: bolo de banana (8,58); suco de maracujá com couve (8,25); vitamina de banana com açaí (8,0); creme de cenoura com gengibre ao perfume de laranja e torta salgada de sardinha e espinafre (7,92 para ambos). A opção "desgostei" não foi marcada para nenhuma receita, e apenas uma preparação teve a opção "indiferente" marcada. Todas as receitas foram fornecidas aos voluntários, além de folder explicativo sobre os micronutrientes. Conclusão: Hábitos alimentares inadequados estão ligados à deterioração da imunidade e estado nutricional em pacientes com HIV/AIDS, e as intervenções voltadas para a melhoraria das práticas alimentares são essenciais na prevenção da rápida progressão do HIV. Logo, a educação nutricional desde a fase assintomática da doença é imprescindível para melhora da qualidade de vida desse pacientes. Unitermos: Hiv, micronutrientes, educação nutricional.

PC054 - IMPACTO DE UMA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL INDIVIDUALIZADA NA EVOLUÇÃO DA CICATRIZAÇÃO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM PACIENTE EM PROCESSO DE DESNUTRIÇÃO COM COMPLICAÇÕES PÓS-CIRÚRGICAS

Instituição: Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Alagoas, Maceió
Autores: Guedes GS; Albuquerque ALI; Moura FA; Silva MAF.

Objetivos: Descrever a intervenção nutricional realizada por acadêmicas do curso de Nutrição da Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Alagoas na melhora da cicatrização de úlceras por pressão em paciente com desnutrição em pós-operatório tardio de transversectomia associada a gastrectomia parcial. Materiais e Métodos: Paciente do sexo feminino de 57 anos, portadora de hipertensão e diabetes, ex-tabagista de longa data com início de sintomatologia de incômodo e algia na região abdominal e sensação de esvaziamento incompleto ao defecar há um ano. Diagnóstico de adenocarcinoma de cólon transverso submetida à transversectomia com bolsa de colostomia mais gastrectomia parcial. Necessitou de cuidados intensivos durante 30 dias, desenvolvendo úlceras por pressão (UPP) grau 3 nas regiões sacral e occiptal. Os dados pessoais e clínicos foram coletados em entrevista e no prontuário da paciente após a admissão da mesma na Clínica Cirúrgica do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes (HUPAA) após alta da UTI. A avaliação do estado nutricional (EN) foi realizada através de antropometria, exame físico, dados bioquímicos e dietéticos. Resultados: Antropometria: perda ponderal de 24 kg em 1 ano, com IMC atual de 23,8 kg/m2, instabilidade ponderal com perda. Exame físico nutricional: mucosas hipocoradas (+/4+), flacidez tecidual na região dos braços e descamação da pele nas mãos, ausência de edemas, quadríceps e panturrilha depletados. Bioquímica: anemia leve e elevação nos níveis de ureia. Anamnese alimentar: apontou oferta e ingesta de energia, proteínas e demais nutrientes insuficiente. Exame clínico: UPP grau III em região sacral e occiptal. O diagnóstico nutricional e as necessidades estimadas foram estabelecidas, sendo oferecida dieta branda, hipercalórica, normoglicídica, hiperproteica, normolipídica, hipossódica, fracionada em 6 refeições e com suplementação específica para cicatrização (hiperproteica com arginina, zinco, selênio, vitaminas C, A e E), segundo posologia indicada. A paciente estabilizou a perda de peso e evoluiu com cicatrização das UPP com alta hospitalar. Conclusão: A intervenção nutricional individualizada identificou o risco e colaborou para a adequação da prescrição dietética às condições da paciente. Para a escolha da melhor conduta a ser seguida deve-se valorizar as necessidades energético-proteicas, hábito alimentar e hidratação a fim de garantir que os processos de cicatrização e de recuperação pós-operatória ocorram de maneira adequada e segura. Unitermos: úlcera por pressão; terapia nutricional; cicatrização.

PC055 - AVALIAÇÃO DE RISCO NUTRICIONAL DE PACIENTES PNEUMOPATAS EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM FORTALEZA

Instituição: Hospital de Messejana Dr Carlos Alberto Studart Gomes, Fortaleza
Autores: Rocha OEF; Carlos DMO; França FCQ; Cardoso MLB; Fontenele LM; Coelho GMP.

Objetivos: O objetivo deste estudo foi avaliar o risco nutricional de pacientes portadores de doenças pulmonares atendidos na emergência de um hospital de referência em Fortaleza. Materiais e Métodos: Estudo descritivo, transversal e quantitativo, realizado com 69 pacientes admitidos na emergência nos meses de setembro e outubro de 2011. Os pacientes foram solicitados a responder as informações demográficas (sexo, idade e procedência). Depois se procedeu consulta à lista de controle dos pacientes para confirmação do diagnóstico clínico correspondente. Foi aplicado o questionário de risco de desnutrição (MST), adotado como rotina na instituição pesquisada, para avaliação do risco nutricional dos pacientes. Além disso, foram aferidos o peso e a estatura para determinação do estado nutricional através do IMC. Os dados analisados foram descritos usando frequência percentual, média e desvio padrão e apresentados conforme o sexo. A estatística selecionada foi à análise correlacional por meio do coeficiente de Spearman. Resultados: Dos 69 pacientes avaliados 56,5% eram homens. A média de idade de 58,82 anos ± 18,15 anos para homens e 61,4 anos ± 14,26 anos para mulheres. Pelo MST observou-se uma prevalência equilibrada de pacientes com baixo risco 50,7% e médio/ alto risco 49,3%. Nas mulheres verificou-se maior prevalência de baixo risco 56,7% e nos homens de médio/ alto risco 53,9%. O IMC demonstrou maior prevalência de eutrofia 47,82%, embora o número de sobrepeso/obesidade 42% tenha se equiparado. Considerando o sexo, observou-se maior prevalência de eutrofia nos homens 53,8% e nas mulheres de sobrepeso/ obesidade 50,1%. A média do IMC dos homens (24 ± 7,35 kg/m2) foi dentro da faixa de normalidade e das mulheres (25,17 ± 6,27 kg/m2) de sobrepeso. Conclusão: Embora no estudo tenha sido equilibrado o número de pacientes com eutrofia e sobrepeso/ obesidade, ficou demonstrado pela análise correlacional que existe um relacionamento inverso entre as variáveis estudadas (MST e IMC). Isso equivale a dizer que à medida que o IMC reduz o risco nutricional aumenta, e à medida que o IMC aumenta o risco nutricional diminui. Unitermos: triagem nutricional; desnutrição; risco nutricional; doenças pulmonares.

PC056 - IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO PERÍODO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO DE HERNIOPLASTIA INCISIONAL VOLUMOSA

Instituição: Hospital Universitário Gaffreé e Guinle, Rio de Janeiro
Autores: Oliveira APF; Armentano TC; Aredes MA; Toste EL; Silva CSMC.

Objetivos: Relatar a experiência de uma equipe multiprofissional no período pré e pós-operatório em um caso de hernioplastia incisional volumosa com perda de domicílio, internado na clínica cirúrgica do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, localizado na cidade do Rio de Janeiro. Materiais e Métodos: Paciente M.S.M.L., 58 anos, com queixa principal de hérnia volumosa. Submetida a colecistectomia prévia há 12 anos, com surgimento de herniação pós-cirurgia. Após realização de hernioplastia a cerca de 7 anos, houve retorno da hérnia com volume ainda maior. Apresentava as seguintes comorbidades associadas: Hipertensão Arterial Sistêmica e Diabetes Mellitus tipo II. Optado pela realização de pneumoperitôneo pré-cirúrgico com duração de dez dias, com volume total insuflado de 5740 ml, como estratégia de conduta médica em hérnias com perda de domicílio. A avaliação nutricional foi realizada no período pré-operatório através das aferições de peso atual, estatura e cálculo do IMC, com intuito promover a perda de peso e maior sucesso do procedimento cirúrgico. A avaliação fisioterapêutica no pré-operatório teve como objetivo a prevenção de complicações respiratórias, perda de condicionamento cardiorrespiratório e otimizar o retorno nas atividades de vida diária. Resultados: A avaliação nutricional foi realizada evidenciando obesidade grau III (IMC igual 45 kg/m2). Realizado o cálculo da dieta via oral, hipocalórica, ofertando 1.900 Kcal/dia (18 kcal/kg/peso). Paciente apresentou perda de peso igual a 10,8 kg em um mês. Submetida a hernioplastia incisional convencional, evoluindo com aumento da pressão intra-abdominal e transferida para o CTI com Síndrome Compartimental. Após seis dias em jejum no pós-operatório, liberada dieta enteral oligomérica por catéter nasoentérico, porém ocorreu refluxo de dieta pela sonda de descompressão gástrica, sendo suspenso o suporte. A Equipe de Terapia Nutricional optou pela oferta de NPT sistema 3:1 exclusiva por sete dias, associado a alanil-glutamina venosa. Reiniciada dieta enteral e desmame de NPT. Alta para a enfermaria depois de 21 dias de internação no CTI e início de dieta via oral após avaliação e acompanhamento fonoaudiológico e progredido conforme tolerância. A equipe de fisioterapia acompanhou a paciente no CTI, evoluindo o desmame ventilatório e na enfermaria promovendo independência funcional. Conclusão: Após 51 dias de internação hospitalar, a paciente recebeu alta. Alguns dos cuidados pré-operatório desses pacientes que serão submetidos a hernioplastia incisional incluem a perda de peso e a fisioterapia respiratória. Portanto, é necessário a atuação multiprofissional com intuito de reduzir as complicações no pós-operatório, e consequentemente o tempo de permanência hospitalar. Unitermos: cirurgia, hérnia incisional, equipe multiprofissional, terapia nutricional, fisioterapia.

PC057 - PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ADMITIDOS NA CLÍNICA CIRÚRGICA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Instituição: Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Alagoas, Maceió
Autores: Silva MAF; Guedes GS; Moura FA; Gueiros CS; Santos MJ; Paulino WA.

Objetivos: Caracterizar o perfil nutricional de pacientes admitidos na Clínica Cirúrgica do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes HUPAA-UFAL através de método objetivo e subjetivo para identificação das situações que necessitam de terapia nutricional perioperatória. Materiais e Métodos: Foram avaliados todos os pacientes admitidos de setembro de 2011 a março de 2012 para cirurgia geral em até 72 horas após admissão. Como critérios de exclusão estão pacientes submetidos a cirurgia bariátrica e a procedimentos gineco-obstétricos e menores de 18 anos. A avaliação nutricional foi realizada pela Avaliação Nutricional Subjetiva Global (ANSG) e pela antropometria (peso, estatura e IMC), sendo excluídos desta última os pacientes com edema e ascite e classificados conforme padrão de normalidade/alteração para sua faixa etária (adultos e idosos). Os dados foram tabulados e avaliados através da estatística descritiva com auxílio do Microsoft Excell for Windows versão 2010. Resultados: Foram avaliados 255 pacientes, destes, 140 do sexo feminino e 115 do sexo masculino, sendo 166 adultos e 89 idosos. Dentre os pacientes avaliados, 54,5% obtiveram classificação de risco nutricional/desnutrição moderada ou de desnutrição grave pela ANSG. A antropometria foi o método de menor sensibilidade na identificação de desnutrição e também de maior perda de informações, foram avaliados 80 dos 166 adultos, sendo identificados 17,91% dos adultos com IMC abaixo de 18,5 kg/m2 e 31,37% com IMC acima de 24,9 kg/m2. Dos idosos avaliados 29,03% apresentaram IMC abaixo de 22kg/m2; dentre os demais 35,48% apresentaram-se eutróficos e 35,48% com sobrepeso e obesidade. Conclusão: A desnutrição na admissão hospitalar de pacientes em clínica cirúrgica é melhor identificada por métodos subjetivos como a ANSG, pois a antropometria rastreia apenas pacientes que já apresentam um grau de depleção adiposa e muscular evidente, impedindo um suporte nutricional a pacientes que se beneficiariam da terapia nutricional perioperatória. Unitermos: cirurgia, avaliação nutricional, avaliação nutricional subjetiva global.

PC058 - AVALIAÇÃO DE RISCO NUTRICIONAL: COMPARAÇÃO ENTRE A AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL E O QUESTIONÁRIO DE RISCO DE DESNUTRIÇÃO EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM FORTALEZA

Instituição: Hospital de Messejana Dr Carlos Alberto Studart Gomes, Fortaleza
Autores: Henrique TRO; Carlos DMO; França FCQ; Cavalcanti ACC; Morais VM; Coelho GMP.

Objetivos: O objetivo deste estudo foi comparar a avaliação subjetiva global (ASG) e o questionário de risco de desnutrição (MST) na avaliação de risco nutricional em pacientes cardíacos admitidos na emergência de um hospital de referência em Fortaleza. Materiais e Métodos: Pesquisa de caráter descritivo, transversal e quantitativo, desenvolvida com 50 pacientes nos meses de setembro e outubro de 2011. Os pacientes foram convidados a responder os dados demográficos (sexo, idade e procedência), foram coletadas as medidas antropométricas (peso, estatura e IMC) e aplicados dois instrumentos: ASG e MST para avaliação do risco nutricional. Os dados analisados foram descritos usando frequência percentual, média e desvio padrão e apresentados conforme o sexo. A estatística selecionada foi à análise correlacional por meio do coeficiente de Spearman. Resultados: Dos 50 pacientes avaliados 58% eram homens e a média de idade de 59,52± 15,47 anos para homens e 57,9±15,85 anos para mulheres. Pela ASG os pacientes apresentaram-se 100% bem nutridos e pelo MST houve uma maior prevalência de pacientes com baixo risco, tanto nos homens 82,8% como nas mulheres 81%. Considerando o IMC, houve maior prevalência de eutrofia nos homens 41,4% e nas mulheres 47,6%, embora o sobrepeso e a obesidade juntos tenham sido superiores: homens 55% e mulheres 52,3%. As doenças mais prevalentes foram as doenças coronarianas (65,5%; 47,6%) e a insuficiência cardíaca (17,2%; 23,8%), respectivamente em homens e mulheres. Conclusão: Houve uma maior prevalência de pacientes bem nutridos e de baixo risco pela ASG e MST, respectivamente. Pela análise correlacional foi constatado um relacionamento positivo, moderado e estatisticamente significativo entre os dois métodos estudados. Unitermos: avaliação subjetiva global, questionário de risco de desnutrição, avaliação de risco nutricional.

PC059 - TERAPIA NUTRICIONAL EM PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: O QUE TEMOS OFERTADO?

Instituição: HC-UFPE, Recife
Autores: Morais GQ; Silva BNS; Barbosa EA; Araújo ILSB; Queiroz PMA; Oliveira SG.

Objetivos: Caracterizar o suporte nutricional (SN) ofertado aos pacientes internados em um Hospital Universitário. Materiais e Métodos: Realizou-se estudo retrospectivo através do levantamento das prescrições dietoterápicas dos pacientes internados no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, no período de janeiro de 2011 a março de 2012. As variáveis analisadas foram sexo, diagnóstico clínico, tipo de fórmula, via de administração, tempo de uso do suporte nutricional e desfecho clínico. Os dados foram expressos em percentuais, média e desvio padrão. Resultados: Foram analisadas as prescrições dietoterápicas de 326 pacientes em uso de suporte nutricional, dos quais 54% eram do sexo masculino. Os diagnósticos clínicos mais encontrados foram: neoplasias que não envolvem o trato gastrointestinal (17,8%), neoplasias do trato gastrointestinal (16,5%), SIDA (15,1%), nefropatias (15,1%), hepatopatias (9,5%), doenças reumáticas (3,4%), doenças cardiovasculares (2,4%) e outros agravos (20,2%). Em relação ao tipo de fórmula: 55,8% receberam fórmulas padrão, 17,8% imunomoduladora, 15,7% específicas para nefropatias, 7,9% específicas para hepatopatias e 2,8% semi-elementar. Quanto à via de administração, 58,3% foram administradas por via oral e os demais (41,7%) por via enteral. O tempo de uso do suporte variou de 1 a 88 dias, com média de 10,03 ± 10,25 dias. Do total da amostra, 16% foram a óbito. Conclusão: A amostra apresentou-se homogênea em relação ao sexo. As neoplasias foram o diagnóstico mais prevalente, com grande destaque para as que envolvem o TGI. A via de administração mais utilizada foi a oral, sendo as fórmulas padrão prescritas com maior frequência para a terapia nutricional. Unitermos: suporte nutricional, enteral, dieta, patologia.

PC060 - FATORES DE CAUSAS E TRATAMENTO NUTRICIONAL NA DIARREIA EM PACIENTES IDOSOS

Instituição: Hospital São Camilo Ipiranga, São Paulo
Autores: Oliveira, FL; Montangnha MYI; Campagnolli VB.

Objetivos: Descrever os principais fatores de causa e tratamento da diarreia na terapia nutricional enteral em pacientes idosos. Materiais e Métodos: O estudo consiste em uma revisão bibliográfica com análise, discussão e conclusão, por meio da busca de revistas, periódicos, manuais, livros e em base de artigos e de dados eletrônicos (Lilacs, Medline, Scielo e PubMed). Resultados: Dentre as causas identificáveis ou contribuintes de diarreia nos pacientes internados em UTIs se destacam: medicações, infecções, obstipação, isquemia instestinal, septicemia, hipoalbuminemia, dentre outras. Similarmente, o uso indiscriminado dos antimicrobianos tem sido apontado como importante fator predisponente de diarreia, particularmente ao facilitar a colonização e infecção intestinal pelo Clostridium difficile. Tal suposição se aplica principalmente às UTIs, onde é comum a antibioticoterapia com múltiplos agentes e/ou por períodos prolongados. Existem ainda fatores relacionados à terapia nutricional enteral, nos quais a administração da dieta de forma intermitente aumenta o risco de desenvolver diarreia quando comparada à infusão continua e em relação à composição da dieta, apenas três fatores podem estar relacionados à diarreia: contaminação bacteriana, alta osmolaridade e ausência de fibras solúveis. O controle de qualidade na manipulação de dietas, o monitoramento dos fármacos e o uso prebioticos, probióticos e simbióticos tem um papel importante na microbiota intestinal humana. Conclusão: Os pacientes em Terapia Nutricional têm como principal complicação a diarreia, acentuando os idosos que possuem microbiota a intestinal comprometida, estudos recentes confirmam como benéfico tratamento a utilização das bactérias benéficas, que são vistos como promotoras de saúde e podem estar associadas à redução do risco de doenças crônico degenerativas. Unitermos: diarreia; terapia nutricional enteral; idosos; unidade de terapia intensiva.

PC061 - CUIDADOS NUTRICIONAIS NA CIRURGIA BARIÁTRICA

Instituição: Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo
Autores: Oliveira FL; Dieckmann EC.

Objetivos: Esta revisão literária tem o objetivo de estabelecer um protocolo de recomendações nutricionais para cada técnica cirúrgica empregada, incluindo a evolução da dieta, monitorização de carências nutricionais e suplementação necessária para garantir o estado nutricional do paciente. Materiais e Métodos: Através de um estudo literário, foram colhidas as mais recentes informações sobre as técnicas cirúrgicas e Cuidados Nutricionais com seus respectivos tratamentos na recuperação pré e pós-cirurgica. O estudo consiste em uma revisão bibliográfica com análise, discussão e conclusão, por meio da busca de revistas, periódicos, manuais, livros e em base de artigos e de dados eletrônicos (Lilacs, Medline, Scielo e PubMed). Resultados: Para que o sucesso do tratamento cirúrgico da obesidade seja duradouro e eficiente é necessário o acompanhamento criterioso pela equipe multidisciplinar para garantir a perda de peso evitando a depleção de macro e micro nutrientes. A redução da obesidade geralmente acompanha uma redução nos níveis da glicemia, colesterol e pressão melhorando a saúde em geral e muitas vezes reduzindo os sintomas da síndrome metabólica. A cirurgia bariátrica, portanto é uma medida radical para redução de peso favorecendo a saúde do indivíduo portador de obesidade mórbida. Deve-se lembrar que a cirurgia bariátrica não é a cura para obesidade mórbida e sim um caminho para que ele possa recuperar sua saúde e se habituar a uma alimentação saudável por toda vida. Conclusão: A cirurgia mostra que é um método eficaz no tratamento dos obesos mórbidos, sendo fundamental o seguimento pós-operatório para garantir o acompanhamento nutricional. Unitermos: cirurgia, obesidade, cirurgia bariátrica, terapia nutricional.

PC062 - TERAPIA ORAL, ENTERAL E PARENTERAL EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (SIDA) DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Instituição: Hospital das Clínicas de Pernambuco, Recife
Autores: Burgos MGPA; Araújo ILSB; Silva BNS; Barboza EA; Queiroz PMA; Oliveira SG.

Objetivos: Caracterizar os tipos de terapia nutricional ofertados aos pacientes portadores de SIDA. Materiais e Métodos: Realizou-se estudo retrospectivo através do levantamento das prescrições de terapia nutricional dos pacientes internados na Enfermaria de Doenças Infecto Parasitárias do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, no período de janeiro de 2011 a março de 2012. As variáveis analisadas foram sexo, tipo de terapia nutricional, tempo de uso e desfecho clínico. Os dados foram expressos em percentuais, médias e desvio padrão. Resultados: A amostra total foi composta de 76 prescrições. Observou-se que 69,8% dos pacientes eram do sexo masculino. Em relação ao tipo de terapia, 63,2% utilizaram o suporte oral, 31,5% enteral e 5,3% parenteral. O tempo médio de uso de terapia oral/enteral foi de 9,58 ± 10,79 dias, enquanto que nos pacientes em terapia parenteral esse tempo foi menor (3,25 ± 1,6 dias). Em relação ao tipo de fórmula ofertada por via oral/enteral, identificou-se que 27,7% usaram fórmula hipercalórica e hiperproteica, 21% semielementar, 18,4% imunomoduladora e 27,7% outros tipos de fórmulas. Analisando a terapia parenteral, 50% (n=2) dos pacientes utilizaram fórmula 3:1 e os demais, fórmula 2:1. Da amostra total, apenas 7,9% (n=6) foram a óbito no internamento, dos quais 2 se encontravam em terapia parenteral. Conclusão: Observou-se um maior percentual de uso de terapia nutricional oral, sendo a fórmula hipercalórica e hiperproteica a mais utilizada. Os resultados sugerem que a terapia oral/enteral relacionou-se com melhor prognóstico dos pacientes ao contrário do observado nos pacientes que fizeram uso de parenteral. Unitermos: Sida, suporte nutricional, oral, enteral, parenteral.

PC063 - ESTADO NUTRICIONAL, USO DE ÁLCOOL E EXERCÍCIO FÍSICO: UM ESTUDO EM IDOSAS DE DIFERENTES CLUBES SOCIAIS

Instituição: Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife
Autores: Burgos MGPA; Queiroz PMA; Bion FM; Silva BNS; Oliveira SG; Araújo ILSB.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional, o uso de bebidas alcoólicas e a prática de exercício físico em idosas participantes de clubes sociais da terceira idade. Materiais e Métodos: Estudo transversal, realizado com idosas de dois diferentes clubes da cidade do Recife, Pernambuco. O primeiro, localizado num bairro de elevado poder aquisitivo e, o segundo, de baixo poder aquisitivo. A avaliação antropométrica foi realizada pelo peso (kg), estatura (m), IMC (kg/m²), de acordo com Lipschitz (1994), dobra cutânea tricipital (DCT) (mm), circunferência do braço (CB) (cm), por Frisancho (1990) e circunferência da panturrilha (CP) (Organização Mundial de Saúde, 1995). As variáveis contínuas tiveram suas médias comparadas pelo teste "t" Student, com nível de significância de 5%. Aplicou-se um questionário, sobre aspectos socioeconômicos (idade, renda mensal) e estilo de vida (prática de exercício físico e o uso de bebidas alcoólicas). Resultados: A amostra foi composta por 81 idosas (47 do clube privado e 34 do público), com idade média de 73,47 anos. Nos clubes privado e público, o sobrepeso ocorreu em 57,45% e 44,12%, baixo peso 17,02% e 11,76% e eutrofia 25,53% e 44,12%, respectivamente. Ao avaliar DCT, CB e CP, encontrou-se valores para o grupo privado e público, sem diferença estatística, de 27,40 ± 9,07 e 26,73 ± 9,23 (p = 0,745), 30,95 ± 4,19 e 30,86 ± 4,46 (p = 0,926), e 36,47 ± 3,25 e 36,06 ± 4,06 (p = 0,616), respectivamente. A renda mensal < 1 salário mínimo foi encontrada em 14,89 % das idosas do clube privado e 44,11 % do público, e ≥ 1 salário mínimo foi 85,11 % e 55,89 %, respectivamente. Evidenciou-se prática de exercício físico em 48,94 % (privado) e 41,18 % (público) e uso de bebidas alcoólicas em 10,63 % (privado) e 11,76 % (público). Conclusão: A condição de nutrição é um aspecto importante, visto que os idosos apresentam peculiaridades que comprometem seu estado nutricional, por alterações fisiológicas, estilo de vida e situação socioeconômica. Unitermos: idosos, estado nutricional, exercício físico, álcool.

PC064 - PROTOCOLO DE PROGRESSÃO DE NUTRIÇÃO ENTERAL NO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA - ADULTOS

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo
Autores: Barricelli MN; Shima M; Freitas BJ; Zulim F; Santos CI; Ferraz LJR.

Objetivos: elaborar protocolo de progressão de Nutrição Enteral (NE) para pacientes do Centro de Terapia Intensiva - Adultos (CTI-A), como medida para aprimorar os resultados da meta estabelecida para os pacientes não submetidos à cirurgia do trato gastrointestinal, que ³70% pacientes em NE atinjam ³60% das necessidades calóricas no 3° dia (D3) após inicio da dieta. Materiais e Métodos: elaboração do protocolo para evolução do volume da enteral foi baseada e adaptada de acordo com as recomendações da American Society for Parenteral and Enteral Nutrition e Canadian Clinical Practice Guidalines, e análise dos dados a partir da implantação. O estudo foi observacional e retrospectivo, onde coletou se os dados de maio de 2011 a março de 2012. As necessidades nutricionais foram calculadas na admissão e para avaliar o indicador, coletou-se o volume total infundido e oferta calórica no D3, sendo expressa como percentual de adequação da meta programada. Resultados: o fluxo do protocolo consiste em: médico prescreve a NE, nutricionista realiza avaliação nutricional e estipula meta calórica, enfermeiro inicia NE com velocidade de infusão (VI) de 25 ml/h, se boa aceitação da NE, ou seja, ausência de distensão abdominal, regurgitação ou vômito, o enfermeiro deverá aumentar a VI em 5 ml a cada 8 horas até atingir meta calórica. Se o paciente apresentar distensão abdominal, regurgitação ou vômito, o enfermeiro deverá pausar a NE por duas horas e ao religar diminuir a VI em 10 ml. O percentual de adequação atingido do D3 em 2010 foi de 80%, onde foram analisados 353 pacientes. Após a implantação do protocolo de progressão de NE, a adequação aumentou para 88%, (n=402 pacientes). Em 2012 (até março, n=111 pacientes), a adequação foi de 92%, demonstrando a importância do protocolo na dietoterapia do paciente grave. Conclusão: os dados analisados demonstram que o Protocolo de Progressão de Nutrição Enteral foi importante para melhorar a oferta calórica no paciente, garantindo o aporte adequado de nutrientes e contribuindo para o tratamento. Demonstra a importância do trabalho da equipe multidisciplinar na terapia nutricional. Unitermos: paciente grave, terapia nutricional, protocolo de progressão de enteral.

PC065 - ANÁLISE DA INTRODUÇÃO ENTERAL PRECOCE EM PACIENTES CRÍTICOS DE UM HOSPITAL PARTICULAR DE CURITIBA

Instituição: Hospital Vita Batel, Curitiba
Autores: Santos D; Real DP; Corrêa LF; Pruner CC; Lino FO.

Objetivos: Este trabalho teve como objetivo avaliar a frequência de início de nutrição enteral precoce em pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva em um hospital particular em Curitiba. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo retrospectivo, em pacientes que foram admitidos em um hospital particular, diretamente em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), ente o período de agosto de 2011 a março de 2012. Para a coleta de dados, foram utilizadas as fichas de acompanhamento diário da terapia nutricional dos pacientes. Foram excluídos pacientes que evoluíram a óbito antes de 72 horas após admissão na UTI, pacientes que utilizaram Terapia Nutricional (TN) combinada (nutrição enteral via sonda associada à nutrição parenteral ou nutrição enteral via oral) e pacientes que foram admitidos em UTI com prescrição de dieta via oral e, posteriormente, tiveram indicação de início de Terapia Nutricional via sonda. Resultados: Para o estudo foram considerados 81 pacientes seguindo os critérios de inclusão e exclusão, sendo que destes, 44 (54,3%) eram do sexo feminino e 37 (45,7%) do sexo masculino. A idade média é de 77,8 anos, sendo o mais novo com 19 anos e o mais velho com 99 anos. O tempo entre a data de admissão do paciente até o início da terapia nutricional foi de até 24 horas em 59 pacientes (72,8%), de até 48 horas em 16 pacientes (19,8%) e de até 72 horas em 6 pacientes (7,4%). Entre os pacientes avaliados, 12 (14,8%) pacientes apresentaram estase gástrica e 15 pacientes (18,5%) apresentaram diarreia. A maioria dos pacientes (76,5%) iniciou a nutrição enteral via sonda nasoenteral, enquanto 16 (19,7%) pacientes foram via gastrostomia, 2 pacientes (2,5%) por jejunostomia e apenas 1 paciente (1,2%) iniciou por sonda orogástrica. Dos pacientes que iniciaram a terapia nutricional em até 48 horas após admissão na UTI (75 pacientes), 19 pacientes (25,3%) apresentaram diarreia e 11 pacientes (14,7%) apresentaram estase. Conclusão: A nutrição enteral precoce foi bem tolerada, com baixa incidência de intercorrências gastrintestinais (estase e diarreia) demonstrando os benefícios já descritos em literatura. Unitermos: nutrição enteral precoce, pacientes críticos.

PC066 - AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA ATENÇÃO DOMICILIAR

Instituição: PROCARE Saúde, Rio de Janeiro
Autores: Lima GMP; Alves VGF; Batista GB; Silva KA.

Objetivos: Observar a evolução do estado nutricional de pacientes em Atenção domiciliar, em terapia nutricional domiciliar (TND), recebendo dieta industrializada (DI), dieta artesanal (DA) e dieta artesanal suplementada (DAS). Materiais e Métodos: Avaliação retrospectiva de dados coletados prospectivamente, obtidos durante o acompanhamento de 81 pacientes em TND no período de setembro de 2011 a março de 2012. Foram avaliados os dados da admissão e com 6 meses de Atenção Domiciliar (AD). Todos os pacientes foram admitidos com indicação de TND após período de hospitalização. A primeira avaliação era feita na admissão ao domicílio e era mantido acompanhamento mensal pela nutricionista. Todos os pacientes recebiam avaliação antropométrica através das medidas antropométricas e da estimativa do Índice de Massa Corpórea (IMC), através de altura informada pelo paciente ou familiar e o peso estimado pela fórmula de Rabito. O tipo de TND era definido na primeira visita, de acordo com a indicação clínica do nutricionista avaliador. Resultados: Foram avaliados 81 pacientes com idade 75,74 ± 12,76, 52 (64,2%) sexo feminino, 29 sexo masculino. Doenças neurológicas predominavam.Todos os pacientes foram admitidos com (GTT). 25 (30,9%) eram desnutridos pelo IMC e 47 (69,1%) pela PCT na avaliação inicial. Considerando dados antropométricos, verificamos melhora do EN em 44 (54,3%) pacientes, manutenção do EN em 47 (58%) pacientes e 8 (9,8%) pacientes apresentaram piora evolutiva do EN. A dieta oferecida foi: 28 (34,5%) DA, 16 (19,7%) DI e 37 (45,6%) DAS. Dos 8 pacientes que apresentaram piora do EN, 3 (37,5%) faziam DA, 3(37,5%) faziam DAS e 2(25%) faziam DI. A oferta calórica era 1.560 ± 275 kcal/dia, oferta proteica de 1,2 ± 0,06 g/kg. Dos 81 pacientes admitidos, 34 tiveram UPP, sendo que 20 (58,8%) eram desnutridos, 6 (17,6%) eram obesos e 8 (4,3%) eram eutróficos pela PCT. Após 6 meses, 13 (38,2%) haviam cicatrizado suas UPP. Destes, 7 (53,8%) utilizavam DAS, 4 DA (30,7%) e 2 (15,3%) DI. 13 (38,2%) pacientes com melhora das UPP e apenas 8 (23,5%) permaneciam no mesmo estágio inicial. 4 desenvolveram UPP durante AD, sendo 3 estágio II e 1 estágio I, 2 em uso de DI e 2 uso de DAS. Conclusão: Concluímos que é possível a recuperação do EN e a cicatrização de feridas com os 3 tipos de TN, desde que a oferta calórica e proteica seja adequada ao paciente. Neste estudo, não identificamos diferença significativa do tipo de terapia nutricional instituída, diferente do estudo previamente realizado pelo mesmo grupo. Unitermos: internação domiciliar, terapia nutricional, úlceras por pressão, desnutrição.

PC067 - AVALIAÇÃO DA INGESTÃO ORAL DE PACIENTES E FATORES RELACIONADOS À ACEITAÇÃO DA DIETA EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA

Instituição: Não informado, Belo Horizonte
Autores: Roncoleta F; Rosmaninho Marques Vaz de Lima CG.

Objetivos: É conhecida a importância da terapia nutricional no paciente crítico, contudo a literatura atual mantém seu foco nos pacientes que recebem suporte nutricional por via enteral. Em média, cerca de 30% dos pacientes internados nestas unidades de um Hospital Geral em Belo Horizonte se alimentam pela via oral e percebe-se a necessidade de avaliar o quão satisfatória é a ingestão e o que a influencia. Materiais e Métodos: Durante 28 dias úteis foram coletados dados de todos os pacientes que iniciaram dieta por via oral, internados em quatro centros de terapia intensiva (CTI) de um Hospital Geral de Belo Horizonte. A ingestão oral foi quantificada, e aqueles pacientes com rejeição superior a 40% do ofertado foram submetidos a um questionário para avaliação das causas da não aceitação satisfatória da dieta. Resultados: 57 pacientes foram incluídos na análise, 36,84% do grupo foram representando por idosos, cuja afirmação de hiporexia foi identificada em 47,62%. Entre os adultos essa afirmação representou 41,67% do grupo. Entre os pacientes internados no CTI clínico, 63,63% afirmaram hiporexia, sendo que no CTI neurocirúrgico, pós-operatório geral e cardiovascular esses valores foram de 61,53%, 44,44% e 50%, respectivamente. Os sintomas mais associados à baixa aceitação da dieta foram alteração de humor (posso chamar de sintoma?), seguidos de dor, náuseas e dispneia, citados por 51,72%, 24,13%, 17,24% e 14,94% dos participantes, respectivamente. Entre os menos citados estão diarreia, xerostomia e mucosite. Entre as características associadas à dieta, aquelas mais associadas a pouca aceitação foram "sem sabor", "pouco sal" e "fria", citadas por 20,69%, 17,24% e 11,49% dos participantes, respectivamente. Conclusão: Os maiores colaboradores para a baixa aceitação foram associados ao próprio quadro clínico em que se encontra o paciente. No que concerne à dieta, observa-se que o sabor e tempero foram críticos para sua aceitação. Contudo, dietas restritivas em sódio e, consequentemente, menos palatáveis, são prescritas rotineiramente para estes doentes... Unitermos: dieta oral, aceitação, unidade de terapia intensiva.

PC068 - AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE HANSENIANOS ATENDIDOS EM UNIDADE DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADA EM REABILITAÇÃO FÍSICA E MOTORA

Instituição: Secretaria de Estado de Saúde Publica do Pará, Belém
Autores: Oliveira MP; Silva RVG; Moreira SH; Santos VRC; Quaresma JAS.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional de pacientes hansenianos por meio de parâmetros antropométricos. Materiais e Métodos: Estudo prospectivo com 75 adultos de ambos os gêneros atendidos na Unidade de Referência Especializada em Belém - Pará, entre dezembro de 2010 e Junho de 2011. Os dados coletados foram: gênero, idade, escolaridade e tipo de hanseníase segundo a classificação de Ridley e Jopling. Para avaliação antropométrica utilizou-se o Índice de Massa Corpórea (IMC) com classificação, segundo os critérios da OMS (2000), Prega Cutânea Triciptal (PCT) com interpretação dos resultados segundo Frisancho (1993) sendo comparados aos valores de referência de Blackburn & Thornton (1979) e a Circunferência Muscular do Braço (CMB) com interpretação segundo Frisancho (1981) e classificação através dos valores de referência adaptado de Blackburn & Thornton (1979). Foram excluídos do estudo os pacientes com edema corporal, insuficiência renal e hepática, estado reacional ou recidiva da doença. A análise dos resultados foi realizada por meio do Teste Quiquadrado de aderência (nível de significância p<5%). Resultados: Do total de hansenianos 64% eram do gênero masculino e 36% feminino (p=0,0209), a faixa etária observada com maior frequência (44%) foi de 50 a 60 anos (p=0,0001), o ensino fundamental incompleto predominou na amostra com 57% (p=0,0001). A forma clínica Wirchoviana foi diagnosticada em 59% dos pacientes (p=0,0001), seguida da forma clínica Intermediária Boderlaine-Boderlaine com 23% e a Tuberculoide com 19%. Quanto ao IMC 44% dos pacientes apresentaram sobrepeso (p=0,0001), 37% eutróficos, 17% obesos e 2% desnutridos. Na análise da PCT a obesidade predominou com 60% entre os hansenianos (p=0,0001), 20% estavam eutróficos, 17% desnutridos e 2% com sobrepeso. Na avaliação da CMB a perda de massa muscular atingiu 60% dos pacientes (p=0,0001), 37% estavam eutróficos e 3% obesos. Conclusão: Segundo o IMC a amostra estudada caracterizou-se por pacientes com sobrepeso, aumento de tecido adiposo de acordo com a PCT e redução de massa muscular evidenciada através da mensuração da CMB. Ressalta-se a importância do acompanhamento nutricional objetivando auxiliar na prevenção ou tratamento de comorbidades que podem atingir essa população. Unitermos: hanseníase, avaliação antropométrica, estado nutricional.

PC069 - USO DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) E DA CIRCUNFERÊNCIA BRAQUIAL (CB) NA ANÁLISE NUTRICIONAL DE PACIENTES INICIANDO DIETA POR VIA ORAL, EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA

Instituição: Não informado, Belo Horizonte
Autores: Rosmaninho Marques Vaz De Lima CG; Roncoleta F; Guimarães Santos JF.

Objetivos: Muitos pacientes em terapia intensiva necessitam de suporte nutricional enteral, entretanto há o grupo de pacientes que irão receber dieta por via oral. Poucos estudos têm avaliado a utilização dos parâmetros antropométricos, como o IMC e a CB, para o diagnóstico de desnutrição neste grupo de doentes. Avaliar a concordância entre o IMC e a CB no diagnóstico de desnutrição e a associação dos mesmos. Materiais e Métodos: No período de 1 a 31 de4 Março de 2012 foram coletados dados de todos os pacientes que iniciaram dieta por via oral, internados em 4 unidades de terapia intensiva (UTI) de um hospital Geral de Belo Horizonte. Foi feita uma análise nutricional logo que o paciente iniciava a dieta oral, onde se mediu os dados antropométricos e clínicos dos mesmos. Os pacientes foram seguidos até a alta ou óbito na UTI. Para diagnóstico de desnutrição utilizou-se os critérios do IMC (OMS, 2000), e da CB (FRISANCHO, 1990). Fez-se após este diagnóstico, uma análise da concordância entre as duas variáveis, e considerando-se a correlação entre as mesmas, buscaram-se pontos de corte que pudessem melhorar a precisão e concordância do diagnóstico. As variáveis categóricas foram comparadas com o quiquadrado ou o teste exato de Fisher, e as contínuas foram com o t-student ou o U Mann-Whitney, quando fosse o caso. Diferenças com p< 0,05 foram consideradas significativas (SPSS - 17.0). Resultados: 81 pacientes foram incluídos na análise, 42% de UTI coronariana, 23,5% de UTI pós-operatória, 18,5% de UTI neurocirúrgica e 16% de UTI clínica, com idade média de 54,4 ± 18,7 anos (34,6%> 65 anos), sendo 54,3% do sexo masculino. O IMC médio foi de 25,0 ± 5,5 e CB de 29,1 ± 5,0. Utilizando-se os critérios do IMC, 18,5% dos pacientes eram desnutridos, contra 32,1% utilizando a CB, entretanto, apesar de haver boa correlação entre as duas variáveis (r2=0,772), houve grande discordância no diagnóstico de desnutrição. Dos desnutridos pelo IMC, 66,7% eram desnutridos pela CB, enquanto que apenas 38,5% dos desnutridos pela CB eram desnutridos pelo IMC, com uma concordância de diagnóstico global entre os dois critérios (nutridos e desnutridos) em apenas 18,5% dos pacientes. Na busca por um ponto de corte simultâneo no valor das duas variáveis, que aumente a concordância do diagnóstico de desnutrição, encontramos que uma CB menor que 28, associada a um IMC menor que 20, aumentou a concordância do diagnóstico para 64,2%, sendo que 100% dos paciente eutróficos com uma CB=28 era ... Conclusão: Apesar de boa correlação existente entre o IMC e a CB, houve uma grande discordância no diagnóstico de desnutrição, comparando-se os critérios de desnutrição utilizando-se esta duas medidas antropométricas. Entretanto, houve uma melhora significativa da concordância quando se associou um IMC< 20 com uma CB< 28, apesar de não ter havido associação entre o diagnóstico de desnutrição... Unitermos: avaliação nutricional, dieta oral, unidade de terapia intensiva.

PC070 - AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL, NO MOMENTO DA ADMISSÃO, EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE NATAL - RN

Instituição: Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, Natal
Autores: Farias AKM; Araújo ACF; Silva ERB; Lima PSS; Borges TAM; Medeiros VPQ.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional de pacientes portadores de Insuficiência Renal no momento da admissão em um hospital público de Natal - RN. Materiais e Métodos: Vinte e nove pacientes portadores de insuficiência renal, em programa de hemodiálise ou submetidos a tratamento conservador, tiveram seu estado nutricional avaliado no momento da admissão em um hospital público de Natal-RN, no período de maio a outubro de 2011. A insuficiência renal, crônica ou aguda, não era necessariamente a patologia que levava à internação destes pacientes. Os critérios de inclusão foram idade igual ou superior a 18 anos, ambos os gêneros e qualquer raça, que estivessem deambulando e que apresentassem diagnóstico de insuficiência renal. Peso e altura foram aferidos em balança Filizola acoplada a estadiômetro. Foi considerado o peso seco dos pacientes. Em seguida o índice de massa corporal foi utilizado para a classificação do estado nutricional. Foi realizada análise descritiva das variáveis utilizando-se o programa Excel 12.0. Resultados: Do total da amostra, 69% (n=20) eram homens, com média de idade de 58 anos e 31% (n=9) mulheres, apresentando média de idade de 49 anos. Dentre as patologias registradas nos prontuários, identificou-se que os pacientes apresentavam até 3 doenças associadas. A insuficiência renal crônica foi a mais recorrente, estando presente em 31,7% dos pacientes, seguido de diabetes (16,7%), hipertensão (11,7%) e insuficiência cardíaca congestiva (6,7%). Em relação ao tipo de tratamento, 51,7% (n=15) estavam sendo submetidos à terapia dialítica e 48,3% (n=14) encontravam-se em tratamento conservador. No que diz respeito ao estado nutricional, segundo o IMC, observou-se nos pacientes que realizavam hemodiálise a prevalência de algum grau de magreza (Magreza graus I, II e III) em 53,3% (n=8) da amostra; eutrofia em 26,7% (n=4) dos pacientes; e algum grau de obesidade (Obesidade graus I, II e III) em 20% (n=3) dos avaliados. Daqueles submetidos a tratamento conservador, 7,1% (n=1) estavam na faixa de magreza, 28,6% (n=4) eutróficos e 64,3% (n=9) com obesidade. Conclusão: Após a avaliação nutricional observou-se que a desnutrição foi frequente nos pacientes que realizavam hemodiálise e a obesidade nos pacientes submetidos a tratamento conservador. Este estudo mostrou que pacientes em hemodiálise estão mais sujeitos a perda de peso e que o diagnóstico precoce da desnutrição é de extrema importância visto que repercute sobre a morbimortalidade desses pacientes. Unitermos: insuficiência renal, hemodiálise, tratamento conservador, obesidade, magreza, desnutrição.

PC071 - ATUAÇÃO DE NUTRICIONISTAS DA EQUIPE DE TERAPIA NUTRICIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO EM BELÉM - PA

Instituição: Hospital Saúde da Mulher - Hospital e Diagnóstico, Belém
Autores: Diniz NA; Failace ALR; Barros ASC; Oliveira KCS; Nogueira MG; Miranda TV.

Objetivos: Apresentar as diretrizes de protocolo de assistência nutricional da equipe de nutricionistas da terapia nutricional (TN) de um serviço de autogestão em um hospital privado em Belém - PA. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal descritivo, observacional do estado nutricional de pacientes internados no mês de junho de 2011 durante 30 dias prévios a implantação do serviço de autogestão de TN. O estudo foi baseado na associação do diagnóstico clínico e nutricional para seleção de pacientes com indicação de TN. A partir deste momento foi criado protocolo de assistência nutricional em TN descrito nos resultados a seguir. Resultados: O protocolo foi baseado na literatura e prática clínica sendo utilizado diariamente nas Unidades de Internação e UTI, com o seguinte fluxo: Solicitação de avaliação de TN pela equipe médica e/ou nutrição clínica; avaliação da indicação e via de administração de NE conforme quadro clínico; avaliação nutricional, antropométrica e bioquímica; prescrição nutricional, com evolução nutricional diária; monitorização diária realizada em 100% dos pacientes em TNE com preenchimento de formulário com os seguintes dados: tipo de dieta, volume prescrito e infundido, vazão, kcal, proteínas, %VET, diurese, evacuação, temperatura, balanço hídrico, glicemia e complicações da TN; reavaliação nutricional realizada a cada sete dias; solicitação da fonoaudiologia para avaliação e liberação de ingesta VO, de acordo com a evolução do paciente; inicio de desmame de TNE para VO quando indicado, sugestão de ostomias, se o paciente permanecer sem condições de ingesta VO por mais de 30 dias. Finalizando com orientação para TNED ou TNO se necessário. Conclusão: Com a implantação do protocolo de assistência nutricional, visualiza-se a uma eficácia maior da atuação do nutricionista em TN junto ao paciente internado para melhora do estado nutricional e geral, com possibilidades de minimizar complicações clínicas e cirúrgicas e redução do tempo de permanência hospitalar, dentre outros benefícios. Unitermos: terapia nutricional, protocolo de assistência nutricional, serviço de autogestão.

PC072 - PREPARO NUTRICIONAL PRÉ-OPERATÓRIO EM CASO DE MEGAESÔFAGO IDIOPÁTICO

Instituição: Faculdade de Nutrição. Universidade Federal de Alagoas, Maceió
Autores: Guedes GS; Melo ACC; Fortes JMS; Moura FA; Silva MAF.

Objetivos: Descrever suporte nutricional pré-operatório em paciente com magreza grau III portadora de megaesôfago idiopático. Materiais e Métodos: relato de caso de paciente do sexo feminino de 33 anos portadora de megaesôfago grau 4 associado a acalásia esofágica de etiologia idiopática. Submetida à intervenção nutricional individualizada em enfermaria da Clínica Cirúrgica do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes (HUPAA), por acadêmicas do curso de nutrição da Faculdade de Nutrição (FANUT) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Os dados pessoais e clínicos foram coletados em entrevista e no prontuário da paciente. A avaliação do estado nutricional (EN) foi realizada através de antropometria, exame físico, dados bioquímicos e dietéticos. Resultados: Diagnóstico nutricional de desnutrição grave inviabilizou cirurgia imediata. Antropometria: peso 34,2kg, IMC 14,8kg/m2; 80% adeq. CMB; 48% adeq.PCT. Exame físico: depleção de todos os grupamentos adiposos e musculares. Bioquímicos: anemia leve, ureia reduzida. Anamnese alimentar: baixa ingestão há um ano, com regurgitamento, engasgos pós-prandiais e disfagia em todas as consistências. O Rec. 24h foi de 400 kcal e 0,18 g/kg de proteína. Habitualmente não atingia 1.000 kcal. Exames clínicos: redução na pressão do EES, aperistalse e sem relaxamento do EEI, negativa para Chagas. Iniciado suporte oral líquido hipercalórico, hiperproteico, em nove refeições de 100-150 mL com 150% de adeq. das necessidades energéticas, enriquecida em micronutrientes visando preparo imunológico e nutricional. Após 18 dias submetida a esofagoplastia (Thal-Hatafuku) com êxito, mantida em dieta zero por dois dias. Com resposta satisfatória teve alta após cinco dias em dieta líquido-pastosa sendo entregues orientações para evolução de volume e consistência em domicílio. Após 21 dias retornou para avaliação em uso de dieta branda. Conclusão: O preparo nutricional pré-cirúrgico parece ter sido decisivo na resposta exitosa frente ao trauma cirúrgico, especialmente diante da ingestão alimentar anterior ao internamento. Sabe-se da importância do aporte de energia, proteínas e nutrientes voltados para a resposta imunológica e de cicatrização. Assim, mesmo indivíduos com bom EN devem ser submetidos a um preparo nutricional pré-cirúrgico. Unitermos: cirurgia, terapia nutricional, acalásia esofágica, desnutrição.

PC073 - SERVIÇO DE TERAPIA NUTRICIONAL AUTOGESTÃO EM UM HOSPITAL PRIVADO: UMA EVOLUÇÃO

Instituição: Hospital Saúde da Mulher - Hospital e Diagnóstico, Belém
Autores: Failace ALR; Barros ASC; Oliveira KCS; Nogueira MG; Diniz NA; Miranda TV.

Objetivos: Demonstrar o modelo de atendimento de Terapia Nutricional em serviço auto-gestão de um hospital privado de Belém - PA, ressaltando sua evolução. Materiais e Métodos: Foi realizado mapeamento no hospital composto por 181 leitos de internação e 59 de UTI, no período pré-autogestão, em maio de 2011, para identificar o perfil de pacientes, necessidades nutricionais, avaliação da ingesta VO e indicação de TNE. O serviço próprio foi instituído mediante elaboração de protocolos, procedimentos operacionais padronizados e padronização de fórmulas de dietas enterais. Resultados: No período anterior a implantação foi observado que apenas 58% dos 48 pacientes com indicação realizavam TNE. Dos pacientes assistidos 80,2% eram idosos com prevalência de neuropatologias (25,6%), recebendo dieta enteral em sistema aberto com fórmulas padrão ou hipercalóricas e hiperproteicas. Identificou-se média de 14,9 (± 11,6) dias de permanência em TNE. Após dois meses, a necessidade subiu de 48 para 91 pacientes, todos com assistência nutricional diária e média de 16 dias (DP ± 4,6), ofertando dietas em combinações de fórmulas. Durante este período, 9% evoluiu para dieta via oral, 29% a óbito, 22% à alta hospitalar e 50% permaneceram internados. Atualmente são atendidos 130 pacientes, mantendo 100% das indicações de TN. Houve mudança no perfil clínico com prevalência de patologias do trato respiratório (26,8%) neuropatias (28,9%), cardiopatias (10,2%) e neoplasias (7,9%); sendo 85% idosos. Atualmente utiliza-se também simbióticos para reabilitação intestinal. Entre estes pacientes, 28% evoluíram para VO, 12,5% para alta hospitalar, 34,1% permanecem internados e 25,4% a óbito. Conclusão: O levantamento realizado foi o pilar da transição da administração intermitente para contínua. A auto-gestão possibilitou a melhor adequação na assistência nutricional global, já que permitiu identificação e intervenção precoce de todos os pacientes com indicação de TN individualizando o atendimento, tornando o cuidado nutricional parte determinante da terapêutica hospitalar. Unitermos: terapia nutricional, nutrição enteral, assistência nutricional.

PC074 - INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS: RELATO DE CASO

Instituição: Hospital Ministro Costa Cavalcanti, Foz do Iguaçu
Autores: Duso PF; CagliarI ACG; Souza EL; Prim CR; Matos RS; Berté ERM.

Objetivos: Atualmente, as doenças cardiovasculares são a maior causa de mortalidade, contribuindo com aproximadamente 25% dos óbitos nos países desenvolvidos. Diversos estudos têm demonstrado após cirurgias cardíacas uma significativa taxa de complicações pós-cirúrgicas. Relatar a eficácia da suplementação hiperproteica e curativos especiais em feridas superficiais e profundas. Materiais e Métodos: Dados coletados do prontuário do paciente, e registro fotográfico da equipe. Resultados: Não informado. Conclusão: Há uma relevante incidência de complicações em cirurgias cardíacas, sendo uma delas a mediastinite. Porém, com o uso combinado de suplementação hiperproteica e curativos especiais, o processo de cicatrização é melhor observado, como foi possível observar neste presente trabalho. Unitermos: nutrição, mediastinite, revascularização miocárdica.

PC075 - ADEQUAÇÃO DO CONSUMO ENERGÉTICO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS

Instituição: Instituto de Infectologia "Emílio Ribas", São Paulo
Autores: Gaspar CLC; Melo DA.

Objetivos: A subnutrição é comum em adultos com HIV/AIDS, comprometendo o sistema imunológico e aumentando a morbimortalidade. Para o sucesso da intervenção nutricional, os pacientes precisam de acompanhamento, educação nutricional e muitas vezes inclusão de suplementos nutricionais. O objetivo do estudo foi verificar se o consumo energético de adultos com HIV/ AIDS atinge as recomendações da OMS (2003). Materiais e Métodos: O estudo foi constituído por adultos portadores do HIV/AIDS, acompanhados no ambulatório de um hospital especializado em doenças infecciosas e parasitárias, no período de outubro a dezembro de 2010. O recordatório alimentar de 24horas foi o método utilizado para avaliar o consumo calórico. Para avaliar a adequação do consumo energético, adotou-se as recomendações da OMS para pacientes HIV (2003). Os resultados da ingestão foram analisados no Software DietWin 2.2,24. Resultados: Participaram da pesquisa, 62 indivíduos, com média de idade de 44 anos, sendo 27 do gênero masculino e 35 do gênero feminino. A média do consumo de energia entre os pacientes foi de 1.601,21 calorias, representando um percentual de adequação de 56,87%. Vale ressaltar que entre 27 (43,53%) dos pacientes o consumo energético foi menor do que 50% da recomendação. Conclusão: O consumo calórico de pessoas vivendo com HIV/AIDS apresentou inadequação, sendo de extrema necessidade a implementação de práticas que permitam a melhora do padrão alimentar desses indivíduos. Unitermos: HIV/AIDS, necessidade calórica, adequação calórica.

PC076 - UTILIZAÇÃO DE SOLUÇÃO DE AMINOÁCIDO NAS PRIMEIRAS HORAS DE VIDA DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO COM BAIXO PESO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo
Autores: Potenza ALSP; Metzen M; Frangella VS; Piovacari MSF; Deutsch A; Rebello C.

Objetivos: realizar uma revisão bibliográfica para apresentar os conceitos relacionados à importância e quantidade da administração de AA e em especial da glutamina, nas primeiras horas de vida do RBPT de baixo peso (BP) e apresentar quantidades adequadas. Materiais e Métodos: revisão bibliográfica simples em que foi empregada a técnica boleana e selecionados artigos em português e inglês nos últimos seis anos, nas bases de dados: PubMed, UpToDate e SciELO. Com base nos artigos elaborou-se seus fichamentos em uma planilha-resumo, contemplando os principais pontos relatados. A elaboração da fundamentação teórica apresentada baseou-se nos consensos literários encontrados pela análise crítica. Resultados: A administração precoce da solução de AA traz diversos efeitos benéficos ao bebê. Não é possível defender a inclusão de glutamina no uso diário em dietas parenterais de RNPT, pois esta não trouxe benefícios significativos. Conclusão: A administração precoce de AA em RNPT apontou em 100% da bibliografia revisada efeitos benéficos, dentre os quais: favorece o balanço nitrogenado positivo, crescimento, desenvolvimento neurológico e desmame precoce da terapia parenteral (TP). Contrariamente, em relação à glutamina, 80% dos artigos analisados mostraram que não é possível indicar a sua inclusão na TP. Unitermos: neonato, aminoácidos, nutrição.

PC077 - NECESSIDADES NUTRICIONAIS DE RECÉM-NASCIDOS DE MÃES SUBMETIDAS À GASTROPLASTIA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo
Autores: Potenza ALS; Morbi GR; Frangella VS; Piovacari SMF; Silva OS; Deutsch A.

Objetivos: Identificar possíveis deficiências nutricionais que podem ocorrer em recém-nascidos de mães submetidas à gastroplastia, para contribuir com o conhecimento científico e fornecer recursos para a obtenção de recomendações apropriadas para o seguimento dessas gestações. Materiais e Métodos: Revisão literária científica, nacional e internacional, com busca nas bases de dados MD CONSULT, UPTODATE e PUBMED, empregando-se a técnica booleana e os seguintes descritores de saúde: bariatric surgery and pregnancy, gastroplasty and pregnancy e preterm labor. A elaboração da fundamentação teórica apresentada embasou-se nos consensos literários encontrados. Resultados: Após a gastroplastia há melhora da fertilidade. Apesar da perda ponderal obtida com a gastroplastia (30% a 40%), devido às mudanças fisiológicas ocorridas podem surgir deficiências nutricionais maternas relacionadas principalmente aos nutrientes ferro, cálcio, ácido fólico, vitaminas B12 e D, resultando em complicações para o feto como: baixo peso ao nascer, prematuridade, má formação fetal e defeitos no tubo neural. Conclusão: Há necessidade de realização de mais pesquisas que investiguem as possíveis deficiências nutricionais de recém-nascidos de mães pós-gastroplastia, para subsidiar a prevenção da morbimortalidade infantil sendo que os estudos atuais focam-se nas necessidades maternas e não dos recém-nascidos. Unitermos: gastroplastia, nutrição do lactente, neonato.

PC078 - AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E CONSUMO ALIMENTAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO PROJETO "CAMINHAR" DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO BETTINA FERRO DE SOUZA (HUBFS/UFPA)

Instituição: Universidade Federal do Pará - UFPA - Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza - HUBFS, Belém
Autores: Silva RVG; Amaral EC; Ribeiro GP; Natividade LCA; Araújo AS.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional e o consumo alimentar de crianças de 6 a 12 anos de idade, atendidas no "Projeto Caminhar" do HUBFS-UFPA. Materiais e Métodos: Estudo transversal com 27 crianças de ambos os gêneros, de 6 a12 anos, atendidas no serviço de nutrição do "Caminhar", de setembro a outubro/2011. O estado nutricional foi avaliado a partir dos índices (P/I), (E/I) e IMC/I. Adotou-se padrões da OMS (2007) para classificar o estado nutricional. Para aferir peso e altura utilizou-se balança antropométrica marca Filizola, capacidade de 150 kg e precisão de 100 g e régua com escala de 2,0m. A análise do consumo alimentar foi mediante a anamnese relatada pelos responsáveis das crianças. Os resultados comparados às recomendações da pirâmide alimentar proposta por PHILIPPI, et al, 1999. Os grupos foram quantificados em: Pães, cereais, raízes e tubérculos (5 a 9 porções); Hortaliças (4 a 5 porções); Frutas (3 a 5 porções); Carnes (1 a 2 porções); Leite e derivados (3 porções); Leguminosas (1 porção); Óleos e gorduras (1 a 2 porções); Açúcares e doces (1 a 2 porções). Os dados foram inseridos e avaliados no programa Microsoft Excel versão 2007. Resultados: Do total da amostra 77,8% pertenciam ao gênero feminino e 22,2% ao masculino. Quanto à faixa etária 40,7% de 6 a 9 anos e 59,3% e de 9 a 12 anos. Em relação ao estado nutricional 33,3% eram eutróficas, 26% desnutridos, 22,2% com obesidade, 11,1% com risco nutricional e 7,4% com sobrepeso. Ao avaliar o consumo alimentar, o grupo dos pães, cereais, raízes e tubérculos obtiveram consumo de 4,0 porções diárias, às hortaliças 0,5 porções e as frutas 1,3 porções diárias, estando estes grupos abaixo da recomendação. Enquanto que o consumo do grupo das carnes, peixes e ovos, o das leguminosas, dos óleos e gorduras e dos açucares e doces, encontravam-se superior ao recomendado, sendo os valores encontrados de 2,3, 1,4, 3,8 e 3,1 porções, respectivamente. Observou-se um desequilíbrio no consumo alimentar das crianças com maior consumo de óleos e gorduras, doces e açúcares, carnes, peixes e ovos, e consumo diminuído de leite e derivados, pães, hortaliças e frutas. Conclusão: Observou-se presença e/ou risco de desnutrição, o excesso de peso (sobrepeso e obesidade) foi expressivo. Registrou-se um elevado consumo de alimentos energéticos, enquanto as vitaminas e sais minerais estavam abaixo das recomendações diárias. Ressalta-se a importância da adequação na oferta das porções alimentares, de modo a alcançar uma dieta equilibrada qualitativa e quantitativamente. Unitermos: estado nutricional, antropometria, consumo alimentar, crianças.

PC079 - TERAPIA NUTRICIONAL NO MANEJO DE PACIENTE CRÍTICO - RELATO DE CASO

Instituição: Hospital Aviccena, São Paulo
Autores: Beringhs Bueno LA; Mithiguian G; Zanin R; Titoneli E.

Objetivos: Apresentar relato de caso e discutir a intervenção terapêutica nutricional com em paciente crítico. Materiais e Métodos: Relato de caso clínico. Resultados: Relato de Caso: E.F.C., masculino, 55 anos. Internação em 29/01/12, com febre e sudorese há 2 dias. Na emergência Ureia (U): 24 e Creatinina (Cr): 1,2. Rx tórax: infiltrado a direita. Admitido na UTI (01/02) com dispneia e tosse produtiva, tratado com ceftriaxona e claritromicina. 02/02- IOT +VM, início da TNE: Osmolite Plus 30 ml + glutamina 10 g. HD: Choque séptico, BCP, SARA, ITU. Em 07/02/12 U 206 e Cr 3,8 iniciada hemodiálise (HD) 1000ml, em 13/2 HD de 4.700 ml, divididos em 2 sessões por dia U 116 e Cr 3,5, avaliado pela Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional (EMTN) e iniciado suplementação nutricional especifica para renal dialítico (Nepro HP 1xdia). Em 22/2 HD 3.500 ml U122 e Cr 5,2 trocada a dieta para fibersource e optado por suplemento para renal não dialítico Replena 2x/dia. Em 13/03/12 interrompida HM U 83 e Cr 3,3, foi extubado e alta da UTI. Em 10/4/ alta hospitalar com níveis de U 45 e CR 1,2. Conclusão: A evolução da TN tem contribuído positivamente para o manejo de paciente críticos como podemos ver no caso descrito. A desnutrição, por sua vez, significa risco para infecção e prejuízo da resposta imune. A integridade terapêutica envolve o manejo de diversas condições associadas à sepse, choque séptico e insuficiência renal aguda sendo importante a ação de EMTN no acompanhamento de pacientes. Unitermos: paciente critico, terapia nutricional

PC080 - AVALIAÇÃO DO RISCO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HANSENIANOS ATENDIDOS NA UNIDADE DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADA DEMÉTRIO MEDRADO NO MUNICÍPIO DE BELÉM - PARÁ

Instituição: Universidade Federal do Pará - UFPA, Belém
Autores: Silva RVG; Silva LRVG; Gomes ACS; Oliveira MP; Amaral EC; Quaresma JAS.

Objetivos: Identificar risco para doenças cardiovasculares (DCV) em pacientes hansenianos de ambos os gêneros a partir da avaliação de valores de circunferência da cintura (CC) e índice de massa corporal (IMC). Materiais e Métodos: A amostra foi constituída por 84 pacientes adultos, de ambos os gêneros, com diagnóstico de hanseníase, atendidos na URE Demétrio Medrado no município de Belém. A coleta de dados foi realizada no período janeiro a julho de 2011, através da avaliação antropométrica (circunferência da cintura e IMC). A CC foi medida com uma fita métrica inelástica e flexível com extensão de 150 cm e divisão com escala em centímetros, posicionada no ponto médio, entre a última costela e a borda superior da crista ilíaca. Os pontos de corte adotados para diagnóstico de risco de comorbidades, que diferem segundo o gênero, seguem o National Cholesterol Education Program's Adult Treatment Panel III (NCEP-ATP III). Foi mensurado o peso e altura para determinação IMC. A classificação do estado nutricional adotada foi de acordo com os critérios recomendados pela WORLD HEALTH ORGANIZATION (2000).Para análise estatística utilizou-se o Teste do Quiquadrado e Teste U de Mann-Whitney (nível de significância p<5%). Resultados: Da amostra formada por 84 pacientes, sendo 55 do gênero masculino e 29 do feminino, 41,67% encontravam-se eutróficos (IMC >18,5 < 25 kg/m2), 39,29% com sobrepeso (IMC ³25 £29,9 kg/m2) e 16,67% com obesidade (IMC ³30 kg/m2) e apenas 2,38% com desnutrição (IMC <18,5 kg/m2) p=0,3261. A medida da circunferência da cintura de acordo com o gênero mostrou que 60% dos homens, não apresentaram risco para doenças cardiovasculares (DCV) e 40% apresentaram risco elevado para DCV (CC =102 cm). Entre os pacientes do gênero feminino, 24,13% encontram-se dentro do padrão de normalidade e 75,86% apresentam risco elevado para DCV (CC =88 cm). O risco de DCV foi significativamente maior em ambos os gêneros (p<0,0001) quando comparados aos indivíduos que apresentaram valores normais de CC. Conclusão: Pode-se concluir que a maioria da amostra apresentou sobrepeso ou obesidade. As mulheres mostraram maior risco para o desenvolvimento de DCV, estando 75,86% com valores de CC acima do preconizado. Ressalta-se a importância da intervenção nutricional para controle ponderal, prevenção e/ou tratamento das complicações cardiovasculares e melhora na qualidade de vida dessa população. Unitermos: hanseníase, circunferência da cintura, índice de massa corporal, doenças cardiovasculares.

PC081 - SUPLEMENTAÇÃO DE GLUTAMINA EM PACIENTE NEUROLÓGICO - RELATO DE CASO

Instituição: Hospital Aviccena, São Paulo
Autores: Beringhs-bueno LA; Mithiguian G; Zanin R; Paixão CH; Santol L.

Objetivos: Apresentar relato de caso e discutir a intervenção terapêutica nutricional com suplementação de Glutamina para ganho de massa muscular em paciente neurológico crônico. Mostrar complexidade dos fatores envolvidos na terapia nutricional e como a formação de uma equipe multidisciplinar de terapia nutricional (EMTN) pode ser fundamental para assegurar atenção adequada aos pacientes crônicos. Materiais e Métodos: Relato de caso clínico. Resultados: Relato do caso: K.S.A., feminino, 26 anos, admitida no Hospital Aviccena em agosto de 2011, com Trombose de Seio Sagital e PCR. Em IOT por 16 dias, extubada, reintubada e depois traqueostomizada. Apresentou sequelas neurologicas importantes com grau de força 05 (circunferência de braço 28 cm e de panturrilha 36 cm). Evoluiu com tetraplegia; mais tarde tetraparesia e perda significante da massa muscular - força muscular FM grau 2, ainda que a paciente apresentasse GCS 15. Após estabilização do quadro, desmame ventilatório que permitisse à paciente realizar exercícios sem que houvesse descompensação respiratória iniciou-se a reabilitação, com exercícios motores ativos e ativo assistidos, apresentou pequeno ganho de FM grau 3, houve interrupção no ganho de força. Em Fevereiro 2012, após institucionalizada a EMTN, feita avaliação nutricional e optado por uso de Glutamina 10 g 2x/dia após as sessões de Fisioterapia, em 30 dias ficou notória a melhora e o ganho de massa muscular, com aumento da circunferência de braço em 5 cm e panturrilha em 2 cm, ganho de FM grau 4 possiblitou deambulação. Conclusão: A suplementação enteral de GLU refletiu positivamente no desfecho deste paciente neurológico crônico, influenciando na melhora de sua massa magra, através de ganho muscular. Neste relato de caso se torna claro que a atuação da EMTN e o uso de GLU foi decisivo no sucesso terapêutico. O ganho da musculatura foi importante para melhor qualidade de vida do paciente neurológico. Unitermos: glutamina, equipe multidisciplinar de terapia nutricional, força muscular.

PC082 - INICIATIVAS DE NUTRIÇÃO COMO PARTE INTEGRANTE DA IMPLANTAÇÃO DA FILOSOFIA PLANETREE

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo
Autores: Barsanti De Paula P; Piovacari SMF; Sanches O; Uzelim L; Jardim SR; Tanaka M.

Objetivos: Elaborar um programa em nutrição que venha de encontro à filosofia Planetree. Materiais e Métodos: Em 2008 o Hospital Israelita Albert Einstein firmou uma parceria com o Planetree, sendo designado em dezembro 2011 como 1º. Hospital da América do Sul a implantar a filosofia, um modelo de assistência que favorece a recuperação dos pacientes em todos os níveis: físico, mental, emocional, social e espiritual. O modelo é baseado numa abordagem holística, com foco nas dimensões humanas, ambientais, educacionais e sociais. A intervenção nutricional é essencial para a recuperação do paciente sendo de fundamental importância a individualização da dieta, umas das principais ferramentas para atender a satisfação, assim, melhorando a aceitação alimentar e consequentemente o estado nutricional, minimizando o risco de desnutrição. Como proposta de melhoria contínua e preocupação em garantir um atendimento de qualidade nessas situações, a Gerência de Nutrição elaborou e implantou um programa em nutrição. Resultados: O programa de nutrição constituiu: 1) elaboração de um cardápio optativo para as dietas geral, hipossódica, diabetes, infantil, vegetariana e neutropenia. Os casos que não se enquadram ao cardápio optativo são individualizados; 2) Ampliação do cardápio para os pacientes de origem judaica que optarem por refeição Kasher; 3) Elaboração de um projeto de Lean Six Sigma com o Tema: "Melhoria do Processo para garantir a Temperatura das refeições (almoço/jantar) servidas aos pacientes e acompanhantes". 4) Revisão semestral dos cardápios com base nas preferências e escolhas dos clientes; 5) Desenvolvimento de utensílios visando à melhoria da apresentação dos pratos; 6) Contratação de um chefe de cozinha que atua na inovação das receitas e gastronomia; 7) Apresentação e cardápio personalizado para pediatria; 8) Implantação de copa Kasher. Conclusão: O projeto demonstra o aprimoramento constante da Gerência de Nutrição e implantação de melhorias visando o atendimento diferenciado aos pacientes, além da garantia da qualidade dos produtos oferecidos. Desenvolvimento da Confort Food e Gastronomia Hospitalar para que os clientes sintam em um ambiente mais acolhedor e assim auxiliando na recuperação, atendendo os princípios da filosofia Planetree. Unitermos: nutrição, cardápio, gastronomia, Planetree.

PC083 - O PAPEL DA GLUTAMINA E DOS SIMBIÓTICOS NO CONTROLE DA DIARREIA DE PACIENTE PORTADORA DE SÍNDORME DO INTESTINO IRRITÁVEL E COM SINAIS DA SÍNDROME DO INTESTINO CURTO

Instituição: Universidade Federal de Alagoas, Maceió
Autores: Moura FA.

Objetivos: Descrever o impacto da intervenção nutricional com imunonutrição (glutamina e simbiótico) no controle dos episódios de diarreia em paciente com síndrome do intestino irritável e com ressecção ileal + cecum (com anastomose de jejuno - cólon transverso) decorrente de neoplasia intestinal. Materiais e Métodos: Foi realizado acompanhamento nutricional ambulatorial de paciente com 40 anos, sexo feminino, através de avaliação clínica, bioquímica, antropométrica e dietética. Resultados: A paciente foi encaminhada por neurologista e gastroenterologista para acompanhamento nutricional devido a histórico de cirurgias no TGI (duas em intestino, devido a neoplasia; uma gastroplastia de antro decorrente da presença de metaplasia nessa região; uma esofagoplastia decorrente de RGE). A paciente apresentava ainda intolerância à lactose e ao glúten. Habitualmente apresentava de 6 a 7 episódios de evacuação líquida diariamente, com presença de muco e sangue. Apesar da história clínica de má-absorção, a paciente apresenta sobrepeso em virtude de quadro de hipotireoidismo (nódulos de Hashimoto), porém apresenta diversas deficiências de micronutrientes (ferro, B12, B6, D e Ca). Inicialmente foi realizada uma educação nutricional a cerca dos alimentos que contém lactose e glútem. Foi então prescrito um esquema com imunonutrião (20 g de glutamina + 10 g de simbiótico) por 10 dias, com redução de 7 para 4 episódios de diarreia com fezes mais formadas. Em seguida, reduziu-se para 10 g de glutamina + 5 g de simbiótico, com redução para 3 espisódios de evacuação. Conclusão: Os imunonutrientes utilizados, associados a restrição alimentar de lactose, sacarose, glúten e lipídeos) mostrou-se eficaz no controle do trânsito intestinal, melhorando significativamente a qualidade de vida e a saúde da paciente. Unitermos: síndorme do inestino irritável, síndrome do intestino curto, imunonutrição.

PC084 - INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM PACIENTE PORTADORA DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA E HIPOPARATIREOIDISMO

Instituição: Universidade Federal de Alagoas, Maceió
Autores: Moura FA; Fontes JMS.

Objetivos: Descrever a intervenção nutricional em paciente portadora de Insuficiência Cardíaca Crônica, Hipotireoidismo, Hipoparatireoidismo primário e Hipocalcemia. Materiais e Métodos: relato de caso de uma mulher, 44 anos, apresentado um quadro de insuficiência cardíaca crônica e apresentando as seguintes comorbidade, hipotireoidismo, hipoparatireoidismo e hipocalcemia. Resultados: O principal objetivo da terapêutica nutricional foi minimizar o comprometimento do estado nutricional reduzindo os efeitos deletérios ocasionados pela própria enfermidade além das comorbidades. Segundo o Recordatório 24 horas, a paciente realizava quatro refeições ao dia, pois referia redução do apetite e que não ingeria toda a refeição oferecida devido ao caráter hipossódico da dieta. Segundo as avaliações nutricionais realizadas (antropometria, bioquímica, exame físico, anamnese clínica e avaliação bioquímica), chegou-se ao diagnóstico nutricional de risco nutricional associado à anemia. As necessidades energéticas forma calculadas em 1800kcal. A dieta que apresentou melhor aceitação da paciente apresentava as seguintes características: Dieta VO, de consistência branda, fracionada em 6 refeições/dia, com 1.739 kcal, sendo 58% de CH, 1,5 g/kg de ptn e 21%de lipídio (com distribuição entre AGS, AGMI, AGP e colesterol adequada). A paciente recebeu orientação e dieta de alta, sendo então encaminhada para acompanhamento nutricional ambulatorial. Conclusão: Apesar das diversas mudanças de conduta para ajustar as necessidades nutricionais à aceitação da paciente, percebeu-se que o estado nutricional permaneceu inalterado, apesar do estresse provocado pela internação e diagnósticos clínicos. Sendo assim, a intervenção nutricional individualizada se mostrou um excelente aliado na manutenção de boas condições de saúde da paciente. Unitermos: insuficiência cardíaca, hipoparatireoidismo, intervenção nutricional.

PC085 - INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM PACIENTE NA FASE AGUDA DA COLITE ULCERATIVA

Instituição: Universidade Federal de Alagoas, Maceió
Autores: Moura FA; Padilha CC.

Objetivos: Descrever o resultado de uma intervenção nutricional individualizada em paciente portadora de colite ulcerativa. Materiais e Métodos: Trata-se de um relato de caso, da paciente R.S., do sexo feminino, 26 anos, procedente de Maceió, Alagoas. A intervenção nutricional objetivou auxiliar a melhora do quadro de diarreia, aliviar os sinais e sintomas da patologia, auxiliar na diminuição da atividade inflamatória da doença, favorecendo assim, a recuperação do apetite. Inicialmente implantou-se uma dieta de consistência branda isenta de sacarose e lactose e restrita em fibra insolúvel, porém, não foi observado sucesso. Sendo assim, implantou-se uma dieta líquida sem resíduo suplementada com glutamina. Resultados: O tratamento dietético individualizado associado ao tratamento clínico (antibioticoterapia + corticoterapia) reduziu significativamente o número de evacuações (de =20 para 8 - após 3 dias - e em seguida para 3 - após 7 dias). No 13º DIN foi Implantada nova dieta para teste de tolerância a lactose, com aumento de fibra insolúvel. Fracionado em seis refeições/dia. Continuava isenta de sacarose, pois seus níveis de glicemia estavam bastante elevados, haja vista que a paciente não tinha diagnostico clinico de diabetes, esses níveis alterados poderiam ser decorrentes do uso contínuo do corticoide. Conclusão: A intervenção nutricional precoce, juntamente com a terapia medicamentosa, permitiu uma abordagem adequada desta complicação, a fim de evitar a má evolução da desnutrição, reduzindo as intercorrências associadas as DII, minimizando o tempo de internação e consequentemente o custo com a terapêutica clínica implantada. Unitermos: colite ulcerativa, intervenção nutricional, corticoterapia.

PC086 - PERFIL CLÍNICO E NUTRICIONAL DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO PARENTERAL TOTAL: A EVOLUÇÃO CLÍNICA ESTÁ ASSOCIADA COM O ESTADO NUTRICIONAL?

Instituição: NUTREX, Rio de Janeiro
Autores: Silva ABA; Couto BP; Cardoso NS; Oliveira MMO; Széliga A; Fernandes JFR.

Objetivos: A nutrição parenteral total (NPT) oferece a possibilidade de assegurar a ingestão de nutrientes em pacientes quando a nutrição enteral não é possível, é contra-indicada ou não tolerada. O objetivo do nosso estudo foi descrever o perfil clínico e nutricional de pacientes com NPT e avaliar a associação do estado nutricional com o desfecho clínico desses pacientes. Materiais e Métodos: Estudo retrospectivo de 32 pacientes que receberam NPT de janeiro a dezembro 2011, com 61,8 ± 19,3 anos em hospital particular do Rio de Janeiro. A estatura foi estimada pela fórmula de Chumlea (1995) e peso estimado pelo índice de massa corporal (IMC) (WHO, 2000). Sexo, idade, peso e estatura estimados, tempo de uso de NPT, indicações e complicações da NPT foram obtidos dos prontuários. Para a análise estatística foi utilizado o programa SPSS 17.0 com nível de significância p<0,05. Resultados: A prevalência de baixo peso foi de 12,5%, eutróficas 50%, sobrepeso 12,5% e obesidade 25%. A média do IMC foi 26,06 ± 8,3 kg/m². O tempo médio de uso de NPT foi de 16,4 ± 11,5 dias. O tumor do reto foi o mais comum diagnóstico (12,5%), as complicações mais frequentes que levaram à indicação de NPT foram obstrução intestinal com 33%e fístula com 12,5%. Entre os pacientes que receberam NPT, 59,4% tiveram complicações cirúrgicas, as mais frequentes foram fístula com 21% e obstrução intestinal com 26,3%. De todos os pacientes incluídos neste estudo, 43,8% evoluíram para nutrição oral, 31,3% faleceram e 25% evoluíram para nutrição enteral. O estado nutricional avaliado pelo o IMC e o procedimento cirúrgico não foram significativamente correlacionados com a evolução clínica dos pacintes. Conclusão: As indicações mais comuns para NPT foram obstrução intestinal e fístula. O estado nutricional e procedimentos cirúrgicos não foram significativamente correlacionados com a evolução clínica. Unitermos: nutrição parenteral total, estado nutricional.

PC087 - OFICINA DE NUTRIÇÃO PARA OS PACIENTES E FAMILIARES EM TRATAMENTO ONCOLÓGICO

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo
Autores: Tanaka M; Barrére APN; Picalomini BP; Piovacari SMF; Cardoso RM; Paula PB.

Objetivos: Ministrar palestras práticas, para os familiares e pacientes em tratamento oncológico, sobre alimentação saudável. E desenvolver materiais didáticos com receitas e informações nutricionais de acordo com as necessidades dos pacientes oncológicos. Materiais e Métodos: Devido às particularidades e necessidades individuais dos pacientes com câncer, e também as suas solicitações (pacientes e familiares), houve a necessidade do desenvolvimento de receitas pelas nutricionistas e chefe de cozinha. Posteriormente, os pacientes participaram de aulas expositivas sobre as receitas desenvolvidas, sobre a sua importância nutricional, de acordo com os sintomas, auxiliando na manutenção ou recuperação do estado nutricional. Para finalizar a apresentação, todos degustaram as receitas apresentadas. Resultados: Ações: foram realizadas através de aulas práticas com degustação de preparações, de explicações sobre a importância nutricional dos ingredientes utilizados. Os temas apresentados foram: Sucos funcionais (anti-inflamatório, antioxidante e para náuseas); Lanches saudáveis; Suchás; Suplementos Artesanais; Como utilizar Ervas e Especiarias; Sopas Nutritivas; O papel dos óleos vegetais na dieta; Como nutrir o seu verão. Todos os participantes receberam apostilas com conteúdo da aula, informações sobre o tema e as receitas. Conclusão: Este projeto demonstra a importância do trabalho e integração da equipe multidisciplinar na implementação de melhorias para o atendimento diferenciado aos pacientes com câncer, e promove: acolhimento de pacientes, familiares e cuidadores; estabelece a melhoria contínua no plano educacional neste grupo e consolida o vínculo entre paciente e equipe de nutrição. Unitermos: câncer, nutrição, Planetree, receitas.

PC088 - DIETA VIA ORAL EM PACIENTE EM VENTILAÇÃO MECÂNICA

Instituição: Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, Campo Grande
Autores: Arakaki DG; Rodrigues AS; Arruda ECF; Rosa TCA; Barbosa MRP.

Objetivos: Avaliar e adaptar a dieta via oral (VO) de pacientes submetidos à Ventilação Mecânica (VM) e sua capacidade de deglutição. Materiais e Métodos: Descrição de caso clínico com dados prospectivos de acompanhamento de paciente admitido em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de hospital universitário. Resultados: Paciente, sexo masculino, 40 anos, apresentando à admissão escara sacral infectada, desnutrição classe C pela Avaliação Subjetiva Global, em uso de VM, com perda ponderal de 24,9% de peso. Evoluiu à sepse, foi submetido a desbridamento cirúrgico e traqueostomia (TQT). Iniciou-se dieta por sonda nasoenteral (SNE) até atingir as necessidades. Segundo a fonoaudiologia, a deglutição era segura, sendo a VO associada à SNE, mesmo em uso de VM e cuff insuflado. Associou-se dieta VO semilíquida espessada. O paciente apresentou boa tolerância e evoluiu progressivamente. Após desmame da VM, o paciente retirou a sonda e passou por outra avaliação fonoaudiológica, partindo-se para dieta VO exclusiva, primeiramente em consistência pastosa, com evolução até a consistência normal. Embora o desmame da SNE não tenha ocorrido conforme planejado, o paciente adaptou-se à alimentação exclusiva VO, alcançando plenamente as necessidades nutricionais assim que a consistência da dieta foi evoluída. Antes da alta hospitalar, retirou-se a TQT, com recuperação da capacidade de fonação e deglutição. Conclusão: A introdução da dieta por VO em paciente utilizando VM pode ser um procedimento seguro, desde que avaliada por equipe multiprofissional capacitada e que cada caso seja tratado individualmente. A melhora do paciente foi favorecida por ações multiprofissionais que proporcionaram maior qualidade ao atendimento prestado durante a hospitalização. Unitermos: intubação intratraqueal, traqueostomia, ingestão de alimentos.

PC089 - AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES PARTICIPANTES DE COMPETIÇÃO ESPORTIVA

Instituição: Prefeitura Municipal de Alvorada, Alvorada
Autores: Lucho CLC; Siqueira RCDL.

Objetivos: Determinar o perfil antropométrico de escolares participantes evento esportivo no município de Alvorada. Como objetivos específicos apresentamos: verificar o percentual de adesão dos escolares à alimentação escolar, determinar a frequência da execução de atividade física; e determinar a frequência do consumo de guloseimas e alimentos gordurosos. Materiais e Métodos: Delineamento quantitativo, transversal e observacional, 457 alunos (n=374 masculinos e n=83 femininos) de escolas públicas, participantes de atividade esportiva, em Alvorada, modalidade futebol de salão, em junho de 2011. Variáveis: peso corporal (kg), idade (anos), altura (cm), circunferência do braço (CB) em cm, e prega cutânea triciptal (PCT) em mm, índice de massa corporal (IMC) em kg/m2 para idade e circunferência muscular do braço (CMB) em cm. Aplicado questionário com informações de frequência semanal: atividade física, consumo alimentação escolar, consumo guloseimas e alimentos gordurosos, sexo (masculino e feminino) e idade. Avaliados por Frisancho (1981), Frisancho (1990), OMS (2007) e SISVAN (2008). Os educandos foram pesados e medidos com o mínimo de roupa, descalços, em pé, com posição ereta. Os dados foram coletados e avaliados em programa Excel, Windows. Coletados por nutricionistas e estagiárias da Secretaria Municipal de Educação. Resultados: Encontramos 81,84% sexo masculino e 18,16% sexo feminino. A maioria praticava no mínimo 3 vezes por semana, tanto meninos (71,38%), quanto meninas (66,39%). Os meninos (53,62%) consumiam alimentação escolar no mínimo 2 vezes por semana, enquanto as meninas (51,92%) não consumiam nenhuma vez na semana. O consumo de doces e salgadinhos distribuiu-se diferentemente entre os sexos. A maioria das meninas (58,3%) consumiam entre 4 a 5 dias da semana, em comparação com os meninos (65,07%) que consumiam entre 1 a 3 vezes por semana. Classificação do estado nutricional: IMC (OMS, 2007) mostrou para meninos e meninos, respectivamente, 75,85% e 70,13% eutróficos, 2,68% e 3,55% com baixo peso, 15,06% e 14,51% com sobrepeso, 6,4% e 11,79% com obesidade; CMB (FRISANCHO, 1990): para meninos e meninas, respectivamente, 78,79% e 79,81% eutróficos, 12,48% e 5,97% baixo peso, 6,58% e 9,38% sobrepeso, 2,14 e 4,84% obesidade; PCT (FRISANCHO 1990): meninos e meninas, respectivamente, 78,16% e 76,90% eutróficos, 1,04% e 2,52% baixo peso, 17,02% e 14,39% sobrepeso, 3,77% e 6,16% obesidade. Conclusão: Essa amostra mostrou-se como a maioria eutrófica, entretanto, com prevalência consideravelmente preocupante de sobrepeso e obesidade. Fatores relacionados: consumo alimentar e atividade física. Essa amostra é diferenciada, pois tinha o vínculo dos alunos estarem participando de atividade esportiva, podendo a coleta de dados de alunos diretamente das escolas apresentarem outros resultados. Unitermos: avaliação nutricional, escolares, atividade física.

PC090 - AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES MATRICULADOS EM ESCOLA DE TURNO INTEGRAL

Instituição: Prefeitura Municipal de Alvorada, Alvorada
Autores: Lucho CLC; Siqueira RCDL.

Objetivos: Determinar o perfil nutricional de escolares matriculados em escola de turno integral, através da coleta de medidas antropométricas. Materiais e Métodos: Delineamento quantitativo, transversal e observacional, 96 escolares (n=48 masculinos e n=48 femininos) de escola pública (turno integral) de Alvorada, RS, novembro de 2011. Variáveis: peso corporal (kg), idade (anos), altura (cm), índice de massa corporal (IMC) em kg/m2. Avaliados por OMS (2007) e SISVAN (2008), considerando-se os percentis: <3 (baixo peso), =3 e >85 (eutrófico), =85 e >95 (sobrepeso), >95 (obesidade). Equipamentos utilizados: 1 balança digital, marca Plenna, capacidade máxima de 180 kg, precisão em 100 g, 1 fita métrica em aço, marca Sanny, inelástica, precisão em 1 mm, 1 plicômetro científico, marca Cescorf, com relógio para leitura e precisão em 1 mm e 1 estadiômetro, marca Sanny, com régua em alumínio, base móvel, com precisão em 1 mm. Foram pesados e medidos com o mínimo de roupa, descalços, em pé, com posição ereta. Uso do programa Excel, Windows. Os dados coletados por nutricionistas e estagiárias da Secretaria Municipal de Educação (SMED). Resultados: A distribuição de crianças pelo sexo obteve resultados que mostraram sua homogeneidade, pois encontramos 50% para masculino e feminino. A idade média dos meninos foi de 9 anos e 5 meses, e das meninas foi de 8 anos e 6 meses. A faixa etária foi de 4 a 16 anos. Todos os alunos estavam matriculados na escola de turno integral, entre as séries de 1º ano até o 5º ano do ensino fundamental. A classificação do estado nutricional através do IMC (OMS, 2007) mostrou para meninos e meninos, respectivamente, 77,08% e 72,91% eutróficos, 8,33% e 6,25% com baixo peso, 10,41% e 12,5% com sobrepeso, 4,16% e 8,33% com obesidade. A classificação geral considerando ambos os sexos foi 75% eutróficos, 7,29% com baixo peso, 11,45% com sobrepeso e 6,25% com obesidade. Conclusão: Os dados antropométricos nos mostram que os índices de obesidade e sobrepeso estão presentes, em valores aproximados aos de outros estudos. Os dados de eutrofia representaram cerca de 2/3 da amostra analisada. Instituir programas de educação nutricional visando mudança de hábitos alimentares, e redução das morbidades relacionadas, é de suma importância para possibilitar outro cenário no futuro. Unitermos: avaliação nutricional, escolares, escola turno integral.

PC091 - USO DO ÔMEGA-3 EM PACIENTES COM AIDS DURANTE TRATAMENTO ANTIRRETROVIRAL: ALTERAÇÕES NO PADRÃO LIPÍDICO

Instituição: Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá
Autores: Ramos Leones K; Leones JR; Pegoraro VA; Caporossi C.

Objetivos: Trata-se de uma revisão de literatura, que tem por objetivo descrever os prováveis benefícios da suplementação com ômega-3 sob os efeitos colaterais presentes nas alterações dos parâmetros lipídicos em pacientes com AIDS em uso de terapia antirretroviral. Materiais e Métodos: Este estudo constitui de uma revisão da literatura realizada no mês de abril de 2012, no qual se realizou uma consulta por artigos científicos selecionados através de busca no banco de dados da PUBMED. A busca nos bancos de dados baseou-se nas terminologias cadastradas nos Descritores em Ciências da Saúde na Biblioteca Virtual. As palavras-chave utilizadas na busca foram: HIV, ômega-3, hipertrigliceridemia e lipídios. Foram incluídos no estudo artigos publicados a partir de 2007 com abordagem referente ao tema e com resultados que refletem os efeitos da suplementação com ômega-3 em paciente portadores da AIDS em tratamento antirretroviral. Foram excluídos do estudo pesquisas que não fazem referência ao tema e que foram publicadas num período anterior a 2007. A revisão poderá contribuir com dados que possam ser utilizados para a melhoria no tratamento dos pacientes que portadores da AIDS, assim como a comprovação, através de evidência científica, de novas opções para melhorar a saúde. Resultados: Peters et al. (2012) em um estudo randomizado placebo-controlado com o objetivo de investigar o efeito dos ácidos graxos poli-insaturados durante 12 semanas em pacientes com AIDS em uso de terapia antirretroviral e com hipertrigliceridemia pós-medicação (n=48 pacientes). Relataram que o grupo que recebeu suplementação com ômega-3 mostrou redução de triglicérides (de 1,75 mmol/L versus um 0,41 mmol/L para o grupo do placebo, p=0,019). Woods et al. (2009) também avaliaram o efeito de uma intervenção dietética com suplementação com ômega 3 nos valores de triglicerídeos (n= 54). Os resultados obtidos foram que os triglicérides no grupo de intervenção diminuiu de uma média de 180 mg/dL a 114 mg/dL, enquanto que eles mantiveram-se estáveis no grupo controle (p=0,003). Oliveira e Rondó (2011) em sua meta-análise, na qual foram inclusos 33 artigos, concluíram que diferentes doses de ômega-3 reduzem significativamente as concentrações de triglicérides, confirmando o potencial de aplicação desse nutriente sobre a hipertrigliceridemia em pacientes infectados pelo HIV em uso de antirretroviral. Conclusão: O uso de Ácidos Graxos Poli-insaturados Ômega-3 possui evidência satisfatória para apoiar a sua segurança e eficácia no uso em pacientes com AIDS com Hipertrigliceridemia associada ao uso de Terapia Antiretroviral. Unitermos: ômega-3, HIV, dislipidemia.

PC092 - O PERFIL NUTRICIONAL DOS PACIENTES PORTADORES DE ÚLCERA POR PRESSÃO EM HOSPITAL DE GRANDE PORTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Instituição: Hospital de Caridade Dr. Astrogildo de Azevedo, Santa Maria
Autores: Marcuzzo ML; Crossetti CR; Doeler S; Marques LS; Mozzaquatro NF; Smidt L.

Objetivos: Esta pesquisa teve o objetivo identificar as principais caracteristicas dos clientes com UP internados na Instituição, no período de 1º de Março a 1º de Abril de 2012, estabelecendo, principalmente um paralelo entre as UP e o estado nutricional dos pacientes internados neste período. Materiais e Métodos: Foi realizada uma pesquisa exploratória, com análise dos prontuários dos pacientes internados e visitas realizadas durante a avaliação da EMTN e do GELP. Resultados: Foram obtidos os seguintes resultados: 23 pacientes do sexo masculino e 20 pacientes do sexo feminino. Destes pacientes: 17 estão internados há menos de um mês, 22 estão internados de 1 a 6 meses e 4 estão internados de 6 meses a um ano. 5 pacientes têm menos de 50 anos, 12 deles têm entre 50 e 70 anos e 26 têm mais de 70 anos. Na ASG foi encontrado: 1 paciente com desnutrição severa, 8 pacientes com desnutrição moderada, 25 pacientes com desnutrição leve, 6 pacientes eutróficos, 2 pacientes obesos. Nove pacientes estão em uso de dieta via oral, 05 em uso de nutrição mista - via oral e dieta enteral ou NPT e dieta enteral e 29 em uso de nutrição enteral. As lesões são localizadas em áreas coccígeas e trocantéricas em sua maioria. Conclusão: Verificamos a importância da atuação de uma equipe multidisciplinar, reiterando a importância da avaliação nutricional e das adequações da EMTN para a melhora e resolução dos casos de UP. Unitermos: úlcera por pressão, nutrição, hospital, perfil nutricional.

PC093 - PREVALÊNCIA DE OBESIDADE EM MORADORAS DE UMA CASA DE BENEFICÊNCIA E AMPARO A IDOSOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA - RS

Instituição: Associação Amparo Providencia Lar Das Vovozinhas, Santa Maria
Autores: Marcuzzo ML; Crossetti CR; Doeler S; Mozzaquatro NF; Ribeiro P; Smidt L.

Objetivos: Avaliar a prevalência de obesidade de moradoras de uma casa de beneficência e amparo a idosos, no município de Santa Maria - RS. Materiais e Métodos: Este estudo possui caráter descritivo, em que foram avaliadas 155 idosas, do sexo feminino, residentes em uma instituição geriátrica. As variáveis antropométricas utilizadas foram peso e altura, o peso foi verificado em balança Filizola® com capacidade para 150 quilos, estas idosas estavam com o mínimo de roupa possível e descalças. A fita métrica inelástica foi anexada em local plano, na parede sem rodapé, onde as avaliadas eram medidas descalças. O índice de massa corporal foi calculado através de peso e altura, sendo classificado de acordo com o IMC do idoso (LIPSCHITZ, 1994). Foram incluídas na amostra idosas não acamadas, com 60 anos ou mais que aceitaram participar da avaliação nutricional, perfazendo um total de 155 avaliadas das 203 asiladas. Resultados: Os dados estão apresentados na forma de porcentagem simples. Resultados: A média de idade das idosas é de 71,8 ± 8,14, anos. De acordo com o IMC para idosos, 42,6% das idosas apresentaram sobrepeso, 32,2% eutrofia e 25,2% estado de magreza. Conclusão: A prevalência de obesidade entre as avaliadas foi significativa, considerando que 42,6% das idosas avaliadas apresentam-se sobrepeso. Estas alterações do estado nutricional estão relacionadas com sérios agravos para a saúde, o que ressalta a importância de intervenções dietoterápicas com este grupo populacional. Unitermos: obesidade, idosos, saúde, dietoterapia.

PC094 - PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSAS INSTITUCIONALIZADAS DE UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DO RIO GRANDE DO SUL

Instituição: Associação Amparo Providência Lar das Vovozinhas, Santa Maria
Autores: Mozzaquatro NF; Crossetti CR; Doeler S; Ribeiro PO; Smidt LRA; Marcuzzo M.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional de idosas asiladas em uma instituição de longa permanência de caráter filantrópico de um município do interior do Rio Grande do Sul. Materiais e Métodos: Foram utilizados peso es altura como parâmetro para determinação do estado nutricional. O peso foi aferido em balança Filizola® com capacidade para 150 quilos, com as idosas descalças e com o mínimo de roupa possível. A fita métrica inelástica foi anexada em local plano, na parede sem rodapé, onde as avaliadas eram medidas descalças. O índice de massa corporal foi calculado através de peso e altura, sendo classificado de acordo com o IMC do idoso (LIPSCHITZ, 1994). Foram incluídas na amostra idosas que deambulam, com 60 anos ou mais que aceitaram participar da avaliação nutricional, perfazendo um total de 155 avaliadas das 203 asiladas. Resultados: A média de idade das idosas é de 74,34 ± 10,26 anos. De acordo com o IMC para idosos, cerca de 38% destas apresentaram sobrepeso, 36% eutrofia e 26 % estado de magreza. Conclusão: A prevalência do estado nutricional inadequado foi significativa, considerando que 64% das idosas avaliadas apresentam-se em risco nutricional, tanto pelo excesso de peso como pela magreza. Estas alterações do estado nutricional estão relacionadas com sérios agravos para a saúde, o que ressalta a importância de intervenções dietoterápicas com este grupo populacional. Unitermos: perfil nutricional, idosas, institucionalizadas.

PC095 - CARACTERIZAÇÃO DA OFERTA DIETÉTICA E DO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS APÓS ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ISQUÊMICO (AVCI)

Instituição: Instituto Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. São Paulo
Autores: Pontilho PM; Oliveira NS; Barbosa BS; Salimon CS; Evazian D.

Objetivos: O objetivo do presente estudo foi caracterizar os pacientes internados após Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVCi) quanto aos aspectos demográficos e relacionados ao estado nutricional, oferta dietética, parâmetros bioquímicos e fatores de risco para a doença. Materiais e Métodos: Tratou-se de um estudo observacional e prospectivo realizado na Neuroclínica de um hospital escola da cidade de São Paulo (SP), com coleta de dados entre setembro de 2011 e fevereiro de 2012. Coletou-se dados de prontuário (idade, sexo, comorbidades, antecedentes pessoais, prescrição dietética, tempo de internação, avaliação pelo fonoaudiólogo) no momento da admissão e durante a internação. Foram avaliadas: via de administração, consistência e progressão da dieta. A caracterização do estado nutricional foi feita pela Avaliação Subjetiva Global (ASG), realizada com o paciente ou seu responsável, além de medidas antropométricas. Peso e altura foram aferidos com uso de balança e estadiômetro, ou estimados por meio da coleta de medidas da altura do joelho e da circunferência do braço, utilizando as equações de Chumlea et al. (1987). O Índice de Massa Corporal (IMC) foi calculado e classificado utilizando-se referências para idosos (OPAS, 2001) e adultos (OMS, 1997). Resultados: Foram incluídos 20 pacientes (55% sexo masculino), com média de tempo de internação de 16 dias, idade de 64,9 anos e IMC de 26,06 kg/m2. Todos foram classificados como bem nutridos pela ASG. A prevalência de excesso de peso entre idosos foi de 38,5% e, entre adultos, de 85,7%. As prevalências das patologias foram: hipertensão (75%), diabetes (10%), dislipidemia (60%), tabagismo (70%) e etilismo (10 %). Verificou-se antecedente de infarto agudo do miocárdio (IAM) em 30% da amostra. Quanto à via de administração 60 % receberam dieta por via oral; 30% receberam dieta enteral exclusiva e em 10% foram combinadas as vias enteral e oral. Valores médios de albumina foram de 4,03 g/dL e de proteína C-reativa (PCR) de 24,79 mg/dL. Dos pacientes com dieta via oral 40% recebiam consistência geral. Em 25% dos casos foi possível realizar a progressão da dieta oral até a consistência de papa, com base no acompanhamento pelo fonoaudiólogo; 20% receberam alta sob nutrição enteral exclusiva. Conclusão: Observou-se alta prevalência de excesso de peso, hipertensão, dislipidemia e tabagismo, além de elevada concentração média de PCR, indicador de inflamação. A oferta dietética foi realizada predominantemente pela via oral, porém alguns pacientes não recuperaram a ingestão oral até o momento da alta hospitalar, configurando situação de risco nutricional. Unitermos: acidente vascular cerebral, estado nutricional, dietoterapia, Equipe de Assistência ao Paciente.

PC096 - RISCO NUTRICIONAL DE IDOSOS HOSPITALIZADOS POR DIFERENTES TRIAGENS

Instituição: Hospital Guilherme Álvaro, Santos
Autores: Campos ACF; Bueno GT; Pastrelo MM.

Objetivos: Traçar o risco nutricional de idosos em um hospital estadual por diferentes tipos de triagens. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal em que foram analisados os pacientes com 60 anos ou mais de ambos os sexos e com um período de institucionalização de até 48 horas. Foram aplicadas as miniavaliações/triagens: Avaliação Subjetiva Global (ASG), Nutrition Risk Screening (NRS-2002) e Mini-Avaliação Nutricional (MAN). Resultados: A maior parte dos internados era do sexo masculino (55%). Quanto a faixa etária, 49% tinham idade igual ou inferior a 69 anos e o restante 70 anos ou mais. Quanto aos diagnósticos de admissão, foi observada uma maior prevalência em procedimentos cirúrgicos (30%), seguido de diagnósticos que não definidos (18%) e câncer (10%) e Tumores (9%). O predomínio da via de alimentação no momento da internação foi a via oral (97%). Do total de pacientes avaliados, a maioria apresentou-se bem nutrido (38%) e nutrido (43%), com um total de 19 pacientes apresentando desnutrição pela ASG. Pela NRS-2002, 66% dos pacientes apresentaram - se como fora de risco nutricional ou normais e 34 pacientes estavam em risco nutricional. Pela MAN o que pode ser visualizado é que 58% do pacientes estavam fora de risco nutricional ou normais e 42% apresentarem risco nutricional ou desnutrição. Conclusão: A análise da associação das avaliações e triagens aplicadas deu-se, de modo que, não houve divergência significativa entre os resultados, não havendo diferença entre os métodos utilizados. Unitermos: idosos, hospitalização, triagem nutricional, avaliação nutricional.

PC097 - MÉTODO DE CLASSIFICAÇÃO DA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL PARA PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL GERAL DE BELO HORIZONTE

Instituição: Hospital Semper, Belo Horizonte
Autores: Sousa-e-Silva MM; Sousa-e-Silva MK; Rêgo LO; Passos YD.

Objetivos: A desnutrição é um dos fatores determinantes no tempo de permanência de pacientes em ambiente hospitalar, por isto é importante a atuação da equipe de suporte nutricional na identificação e tratamento destes pacientes. O nosso objetivo foi readaptar a classificação proposta por Gerson Peltz (2002) para suporte nutricional em pacientes com câncer para pacientes gerais. Materiais e Métodos: Os pacientes de um hospital geral de Belo Horizonte eram classificados de acordo com a Avaliação Subjetiva Global em: Nutrido (A), Desnutrido Moderado ou Suspeita (B), Desnutrido Grave (C). Uma segunda avaliação classificava o tipo de tratamento clínico do paciente: Tratamento Curativo (1), Tratamento potencial curativo para doença avançada (2), Tratamento paliativo para doença avançada (3), Tratamento paliativo terminal (4). Resultados: A Comissão de Suporte Nutricional do hospital geral citado estabeleceu condutas padronizadas de acordo com a classificação dos pacientes acompanhados: A1 - Acompanhamento da evolução clínica/orientações nutricionais; A2, A3 - Acompanhamento nutricional diário com suplementação calórica; A4, B4 - Acompanhamento nutricional paliativo, estímulo alimentar para conforto; B1,B2,B3 - Acompanhamento nutricional diário com suplementação calórico-proteica e estímulo do apetite em pacientes com alimentação oral; C1,C2 - Acompanhamento nutricional diário com terapia nutricional (nutrição enteral ou parenteral); C3 - Acompanhamento nutricional diário com terapia nutricional oferta basal; C4 - Medicação para conforto e soro, sem indicação de tratamento nutricional. Durante todo o ano de 2011, as condutas da equipe foram definidas de acordo com a classificação dos pacientes acompanhados. Esta classificação era discutida em duas reuniões semanais da equipe de suporte nutricional. Conclusão: A classificação dos serviços e a padronização das condutas facilitam o trabalho em equipe e sua postura perante as outras clínicas médicas e aos pacientes e familiares. Unitermos: avaliação subjetiva global, terapia nutricional, suporte nutricional, Equipe de Suporte Nutricional.

PC098 - IMPACTO DO DIAGNÓSTICO CLÍNICO SOBRE O ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS

Instituição: Universidade Federal de Alagoas, Maceió
Autores: Perciano BFS; Moura FA; Firmino MA; Lins ILL; Reis KRS; Telles TB.

Objetivos: Determinar o impacto do diagnóstico clínico (DC) sobre o estado nutricional (EN) de pacientes hospitalizados. Materiais e Métodos: Estudo com pacientes adultos e idosos hospitalizados. foi coletado peso habitual (peso antes do diagnóstico clínico) e altura. O EN habitual foi diagnosticado segundo o IMC para adultos (OMS, 1995) e idosos (LIPSCHITZ, 1994). A prevalência de déficit nutricional habitual foi então comparada com a atual, diagnosticada pela avaliação subjetiva global (ASG). Resultados: Foram avaliados 238 pacientes, sendo 78 idosos (32,8%). As doenças mais prevalentes foram: neoplasias (26,5%) e hepatopatias (15,1%). Antes do diagnóstico 17,8% dos idosos e 4,0% dos adultos tinham desnutrição energético-proteica (DEP). Já o sobrepeso/obesidade atingia 42,2% dos idosos e 45,6% dos adultos. Após o diagnóstico a prevalência de DEP subiu significativamente entre os adultos (37,8%) e os idosos (60%). Conclusão: Sobrepeso e obesidade são uma realidade entre os pacientes antes do dc. após a instalação da doença, há um comprometimento no EN elevando a prevalência de DEP de 9,5 e 3,4 vezes entre os adultos e idosos, respectivamente. Unitermos: não informado.

PC099 - HÁBITOS ALIMENTARES E ESTILO DE VIDA COMO FATORES DE RISCO PARA A OBESIDADE EM UMA UNIDADE DA POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS

Instituição: Faculdade de Medicina de Itajubá, Itajubá
Autores: Ferreira G; Machado TO; Souza LLN; Sandi SF.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional e hábitos alimentares de Policiais Militares do 5º BPM de Itajubá, Minas Gerais, uma vez que esses profissionais trabalham para garantir a segurança pública da população e, por isso, espera-se que tenham um bom condicionamento físico e alimentação adequada, a fim de exercer seu trabalho de forma satisfatória. Materiais e Métodos: trabalho foi realizado na Unidade de Saúde da 5ª Cia. Independente da Polícia Militar de Itajubá, com um grupo de 212 policiais militares, sadios, do sexo masculino, maiores de 18 anos. Foi utilizado o Método Recordatório de 24 horas para análise dos hábitos alimentares. Para avaliação antropométrica, os dados coletados foram: idade, peso, altura, circunferência da cintura (CC), circunferência do quadril (CQ), pregas cutâneas e cálculo do índice de massa corporal (IMC). O percentual de gordura corporal de cada um dos policiais militares foi avaliado de acordo com a classificação de Pollock & Wilmore, 1993. Para análise estatística dos resultados foi feito o Teste de Hipóteses Quiquadrado, para verificar se houve ou não influência de uma alimentação inadequada no estado nutricional do indivíduo, através da classificação por IMC e gordura corporal. Resultados: Quanto ao IMC, verificou-se que 51,8% dos policiais encontram-se com sobrepeso; 16,5% apresentam-se com obesidade grau I; 1,4%, grau II; 0,6% com obesidade grau III e apenas 16,5% encontram-se na faixa de eutrofia. Em relação ao percentual de gordura corporal, 3,3% ficaram classificados como excelente, 13,4% como bom, 13,2% acima da média, 20,2% dentro da média, 29,7% abaixo da média, 14,1% classificado como ruim e 6,1% como muito ruim, prevalecendo então, os classificados como abaixo da média. Quanto ao índice cintura-quadril, o grupo apresentou valores médios considerados satisfatórios para a saúde, com 93% dos avaliados apresentando baixo risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. O recordatório 24 horas mostrou um grande consumo de alimentos industrializados, frituras e alimentos ricos em carboidratos simples, se alimentando poucas vezes ao dia e com má qualidade, ingerindo calorias acima da necessidade recomendada pela OMS, que limita-se a 25-30 Kcal/kg de peso/dia. Conclusão: Observou-se um alto consumo de gorduras saturadas, oriundas de alimentos industrializados e frituras, além do alto consumo de carboidrato simples, associado a um baixo consumo de frutas, verduras e legumes com fracionamento inadequado durante o dia, podendo justificar o elevado índice de sobrepeso e obesidade encontrado na população estudada. Unitermos: hábitos alimentares, estilo de vida, obesidade, policial militar.

PC100 - DIVERSIDADE DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS SEM GLÚTEN E SEM LACTOSE EM SUPERMERCADOS E CASAS DE PRODUTOS NATURAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA - CE

Instituição: UECE, Fortaleza
Autores: Damasceno GM.

Objetivos: Avaliar a Diversidade de Produtos Industrializados sem Glúten e Lactose em Supermercados e Casas de Produtos naturais da Região metropolitana de Fortaleza - CE. Materiais e Métodos: Estudo de caráter observacional nos principais supermercados e casas de produtos naturais de fortaleza, onde foram observados os seguintes itens: 1) variedade de produtos isentos de glúten e lactose; 2) custos dos produtos; 3) apresentação das embalagens quanto ao rotulo e informações sobre contem ou não contem; 4) facilidade de acesso nas prateleiras. Resultados: Pudemos observar uma pequena variedade de produtos isentos de glúten e uma porcentagem maior de produtos isentos a lactose. A dificuldade de acesso a esses produtos nos supermercados foram altíssimos, a falta de sessões específicas, o elevado custo dos alimentos e a pouco variedade podem contribuir para dificultar o acesso a alimentação adequada, afetando diretamente a vida social e a monotonia da dieta. Em relação aos rótulos notamos que há certa clareza na identificação ao item contém e não contém. Conclusão: podemos notar uma total ausência de produtos industrializados isentos de glúten e lactose nas prateleiras. É importante que as rede de supermercados e casas de produtos naturais disponibilizem mais produtos industrializados sem glúten e lactose, para poder facilitar a vida dessas pessoas tanto na variedade como no custo beneficio. Com isso poderemos estimulá-las a seguirem corretamente a dieta. Unitermos: doença celíaca, lactose, intolerância.

PC101 - CONSUMO DE CONDIMENTOS DE UMA POPULAÇÃO ATENDIDA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

Instituição: Universidade de Taubaté, Taubaté
Autores: Pimentel HACP; Furlan MRF.

Objetivos: Verificar em uma população atendida em unidade básica de saúde do município de São José dos Campos/SP, com relação aos condimentos de origem vegetal, os hábitos de consumo, as preferências, as formas de preparo, o local de aquisição e o conhecimento da comunidade sobre as propriedades medicinais e/ou nutricionais destes produtos. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal realizado em uma unidade básica de saúde. Os dados foram coletados por meio de um questionário, o qual forneceu as variáveis socioeconômicas: gênero, idade, escolaridade e naturalidade, e as seguintes variáveis sobre o consumo de condimentos: se consomem condimentos in natura ou industrializados, locais de aquisição dos condimentos, formas de preparo e de utilização na culinária, conhecimento sobre as propriedades medicinais destes produtos. Foram realizadas 115 entrevistas, com indivíduos de ambos os sexos e com idade acima de 18 anos. Os participantes foram escolhidos aleatoriamente, durante o expediente da unidade e em dias alternados, no período de maio a outubro de 2010. Os resultados foram representados com a estatística descritiva, utilizando como parâmetros a média aritmética e o desvio padrão. O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade de Taubaté, conforme o protocolo nº 013/10. Resultados: Entre os entrevistados, 88% eram mulheres e 12% homens, e com idade média de 41 anos. O consumo de temperos caseiros a base de vegetais foi citado por todos os entrevistados. No entanto, 25% utilizavam somente condimentos de origem vegetal no preparo de temperos, enquanto 75% também utilizavam tempero industrializado. Entre os que afirmaram também consumir temperos industrializados, 48% declararam consumir diariamente e 52% consumiam semanalmente. O alho foi o ingrediente mais citado (100%) como base para tempero, e as formas de preparo com ele foram, segundo a ordem decrescente de citações, socado, picado, liquidificado, triturado, adquirido pronto e disponível no comércio, espremido, ralado e centrifugado. Sobre as propriedades medicinais, 77% afirmaram conhecer alguma propriedade e 23% desconhecem qualquer informação sobre o assunto. Novamente, o alho foi o mais citado (100%) com propriedades medicinais. Quanto a local de aquisição dos temperos, as porcentagens de citações foram: supermercados com 74%; quitandas 15%; horta caseira 4%; feira-livre 4% e 3% entrega em domicílio. Conclusão: Como conclusões, se verificou que, apesar de ampla utilização de condimentos de origem vegetal, também ocorre significativo consumo de tempero industrializado; e que, embora a maioria afirme conhecer propriedades medicinais de plantas condimentares, não as consumiam com esta finalidade. Também se observou pequena diversidade de plantas que são usadas como condimentos ou no preparo de temperos. Unitermos: condimentos vegetais, industrializados, plantas medicinais, hábitos alimentares.

PC102 - ADEQUAÇÃO CALÓRICO-PROTEICA EM PACIENTES EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Instituição: Universidade Federal de Pernambuco, Recife
Autores: Silva TH; Petribú MMV.

Objetivos: Avaliar a adequação calórico-proteica em pacientes em terapia nutricional enteral internados em unidade de terapia intensiva. Materiais e Métodos: Estudo de caráter retrospectivo observacional desenvolvido a partir de dados secundários de pacientes admitidos entre maio e setembro de 2011. Foram estudados 30 pacientes, os quais atendiam aos critérios de inclusão, perfazendo assim, a amostra do estudo. A coleta dos dados foi realizada em formulário elaborado pela autora e os outros dados foram obtidos a partir do mapa de acompanhamento nutricional, dos prontuários, bem como das fichas de controle diário dos pacientes. Para a análise descritiva foi utilizado o programa EpiInfo versão 3.5.1., onde os resultados foram apresentados em números absolutos e frequência, bem como em média e desvio-padrão. Para a comparação das médias foi realizado o teste "t" de Student para amostras pareadas através do programa SPSS versão 10.0 adotando como significante p<0,05. Resultados: Foi observada 85±12% de adequação dos volumes e cotas calórico-proteicas infundidas em relação às prescritas, com diferença estatisticamente significativa quando comparadas as médias de volume, caloria e proteína prescritas e infundidas (p<0,001). Conclusão: A assistência nutricional na terapia nutricional enteral revelou valores que estão de acordo com as metas propostas pelos indicadores de qualidade aplicados, sendo a utilização destes uma nova perspectiva de avaliação permitindo a monitorização da qualidade da assistência prestada. Unitermos: unidades de terapia intensiva, cuidados críticos, terapia nutricional, nutrição enteral.

PC103 - A EFICÁCIA DO SUPORTE NUTRICIONAL NO HOME CARE:DIETA ENTERAL INDUSTRIALIZADA X DIETA ARTESANAL SUPLEMENTADA

Instituição: Intensive Care Serviços Médicos Hospitalares LTDA, Rio de Janeiro
Autores: Neuberger IH; Abreu CC; Granja JL.

Objetivos: Comparar a eficácia do suporte nutricional (SN), enteral industrializada (NE IND) e enteral artesanal suplementada (NE ART SUPL) nos pacientes em ID/AD em Home Care (HC) no ano de 2011, com o objetivo de ganho de peso e regeneração tecidual. Materiais e Métodos: Analisou-se um total de 31 PCTES em HC com TNE, sendo 12 (38,7%) do sexo masculino e 19 (61,3%) do sexo feminino, com idades entre 25 e 96 anos ± 74,4. O DN foi definido a partir da avaliação antropométrica e do índice de massa corporal (IMC) específicos para cada faixa etária, de acordo com fórmulas referenciadas na literatura. O SN dos PCTES foi definido de acordo com a patologia e as necessidades nutricionais, em consenso com a equipe, sendo reavaliada mensalmente, visando adequação do estado nutricional. Resultados: Dos 17 (54,8%) PCTES com DN de BP, 12 receberam NE IND. Desses, 9 apresentaram ganho de peso, 2 não foi possível comparar resultados e 1 apresentou perda de peso. Dos 5 que receberam NE ART SUPL, 01 apresentou ganho de peso, 1 não foi possível comparar resultados e 3 apresentaram perda de peso. Dos 13 (41,9%) PCTES eutróficos, 12 receberam NE IND. Desses 5 apresentaram ganho de peso, 1 não recebeu mais de uma avaliação para comparação de resultados, 3 mantiveram o peso e 03 apresentaram perda de peso. Apenas 1 PCTE eutrófico utilizou NE ART SUPL e apresentou perda de peso.Havia apenas 1 (3,2%) PCTE sobrepeso, o qual recebeu SN hipocalórico através de NE IND e apresentou perda de peso intencional. Dos 10 (35,4%) PCTES que apresentavam UPP, 8 utilizaram NE IND, sendo que 2 obtiveram cicatrização, 5 apresentaram melhora significativa da UPP e 1 não foi possível realizar comparação de resultados. 2 PCTES utilizaram NE ART SUPL, 1 não recebeu mais de uma avaliação para comparação de resultados e 1 não foi possível avaliar melhora significativa. Conclusão: NE ART SUPL possuem desvantagens em relação às NE IND, principalmente quanto à composição nutricional, visto que o cálculo é limitado, pois são obtidos a partir das tabelas de composição nutricional, que não oferecem dados precisos e completos no Brasil. Além disso, os procedimento e técnicas de preparo dos alimentos adotados causam perdas de nutrientes, influenciando na resposta nutricional. Unitermos: suporte nutricional, dieta enteral industrializada, dieta enteral artesanal suplementada.

PC104 - ANEMIAS CARENCIAIS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI, RJ

Instituição: Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Autores: Simões PP; Almeida RMVR; Castelpoggi JP; Chagas CB; Cincinatus R.

Objetivos: Verificar prevalência de anemias carenciais (ferro, folato e vitamina B12) em pacientes de um ambulatório de hematologia de um hospital público do município de Niterói, RJ; identificar os sinais/sintomas mais prevalentes; realizar diagnóstico nutricional pelo método antropométrico. Materiais e Métodos: Coletadas 95 variáveis com informações clínicas, demográficas, dietéticas, bioquímicas e hematológicas de 106 pacientes, entre outubro/2001 a abril/2002, no Hospital Universitário Antônio Pedro, Niterói, RJ. Diagnóstico nutricional baseou-se no Ministério da Saúde (2004, 2006 e 2007). O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do hospital. Resultados: Encontrados 106 pacientes com anemias carenciais. Onze foram excluídos, pois apresentavam anemia decorrente de outros processos patológicos (ex.: câncer). Possuíam idade entre 1 e 88 anos, 90,5% (n=86) eram adultos (18 a 59 anos), 58% de cor branca e 78% mulheres. A ferropriva constituía 56,8%, a megaloblástica 35,8%, os dois tipos de anemias constituíam 7,4%. Entre os 59 (62%) avaliados antropometricamente, 34 (57,6%) correspondiam à eutrofia, 16,9% baixo peso e 11,9% sobrepeso e 13,5% à obesidade. Os sinais e sintomas mais comuns foram astenia, cansaço ou adnamismo (n=68, 71,6%). Palidez e sangramento menstrual volumoso foram observados em 70,5% e 36,8% dos pacientes, respectivamente, presença de pele seca em 17,9%, cefaleia em 17,9%, alimentação pobre em folato em 16,8%, lipotimia em 17,9%, queda de cabelo em 14, 7% e historia familiar de anemia em 10,5%. Em relação à ferropriva, a maioria apresentou níveis baixos de ferro sérico e ferritina (n=49 (51,6%) e 39 (41%), respectivamente) e aumento do TIBC (n=21, 22,1%). Na megaloblástica, percebeu-se níveis baixos de ácido fólico em... Conclusão: As anemias carenciais são ainda um problema de saúde pública comum em nosso meio, sendo necessárias medidas de promoção à saúde para sua miminização, uma vez que podem levar ao aumento da morbimortalidade. Porém há a necessidade de estudos que utilizem amostras representativas da população para estimar sua real magnitude. Unitermos: anemia ferropriva, avaliação nutricional.

PC105 - AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL EM CRIANÇAS DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI - RJ

Instituição: UNIPLI, Rio de Janeiro
Autores: Silva POF; Simões PP; Chagas CB; Castelpoggi JP; Cincinatus R.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional, hábitos alimentares, aleitamento materno e atividade física em alunos de 7 a 10 anos incompletos da rede pública e privada de ensino de Niterói, Rio de Janeiro. Materiais e Métodos: Estudo transversal, de março a abril de 2008. Todos os princípios éticos foram respeitados, segundo CNS 196/1996. A coleta de dados deu-se através de questionário específico dirigido aos responsáveis para avaliar histórico alimentar, atividade física, escolaridade dos pais e amamentação. Foi realizada antropometria (MS, 2006, 2007) das crianças de 7 a 10 anos incompletos, de ambos os sexos, em uma unidade pública e outra privada de ensino de Niterói, Rio de Janeiro. Resultados: Avaliou-se 61 alunos, sendo 50,8% (31) da rede pública e 49,2% (30) da rede privada de ensino. Da faixa etária na unidade pública: ≥ 7 e < 8 anos foram 22,6% (16) e de > 9 e < 10 anos 38,7% (15), na unidade privada foram 22% (18) e 33,3% (12), respectivamente. Sobre o estado nutricional, 59% de crianças com sobrepeso, 39,3% de crianças eutróficas e 1,6% com risco nutricional. Destas, 61,3% com sobrepeso ou com risco para sobrepeso na rede pública, e na rede privada 56,6%. Sendo, 81,8% de meninas da rede pública e 77% da rede privada e respectivamente 11,1% e 41,1% de meninos. Apenas 26,2% praticam atividade física com prevalência do sexo feminino. 57,2% (35) foram amamentadas ao seio por um período superior a 6 meses, sendo 41% (25) do ensino público e da rede privada 16,2% (10). Sobre a escolaridade dos pais, 36,6% de nível superior na escola particular e 16,1% na escola pública; 36,6% na particular e 38,7% na pública em nível de ensino médio; 3,3% na particular e 22,6% para o ensino fundamental. Sobre o hábito alimentar das crianças, 41% para consumo de carboidratos refinados... Conclusão: Os hábitos alimentares inadequados, a falta de instrução dos pais, o desmame precoce e o sedentarismo são fatores contribuintes para epidemia da obesidade. Ressalta-se que outros estudos com um maior número amostral são necessários para melhor compreensão deste achado. Unitermos: avaliação nutricional, hábitos alimentares, aleitamento materno, atividade física.

PC106 - AVALIAÇÃO DO PESO CORPORAL E GLICEMIA DOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO

Instituição: Hospital Ferreira Machado, Campos dos Goytacazes
Autores: Souza CGSV; Melo AIC; Peixoto COS; Andrade FARM; Barcelos MC; Martins RCF.

Objetivos: Avaliar, como parte da atuação do setor de Nutrição e da Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional (EMTN) do Hospital Ferreira Machado (HFM), na cidade de Campos dos Goytacazes - RJ, o peso e glicemia dos funcionários nos diversos setores do hospital, com o objetivo de atuar com medidas preventivas contra o absenteísmo. Materiais e Métodos: Foram incluídos no estudo funcionários do HFM submetidos à avaliação do peso, altura, e glicemia capilar durante a comemoração do dia da nutricionista. Foram registrados também idade, sexo, local de trabalho e IMC. Resultados: Foram avaliados 133 funcionários (39 homens e 94 mulheres), média de idade de 44,7 anos, que trabalhavam nos diversos setores do Hospital, onde encontramos 01 funcionário com magreza (IMC =18,4), 26 funcionários eutróficos (IMC entre 18,5 e 24,9), 43 funcionários com sobrepeso (IMC entre 25 e 29,9) e 63 funcionários apresentavam obesidade (IMC = 30). Em relação à glicemia capilar, dos 133 funcionários avaliados 74 se submeteram ao exame e não estavam em jejum. Encontramos 58 funcionários com glicemia capilar < 140 mg/dl e 16 funcionários com glicemia capilar > 140 mg/dl. Conclusão: 79,6% dos funcionários não apresentavam peso recomendado e 21,6% tinham glicemia capilar alterada. Acreditamos que, medidas devem ser adotadas para conscientizar os funcionários da importância do peso e glicemias normais para promoção de saúde, uma vez que, obesidade e o diabetes mellitus estão envolvidos no desenvolvimento das doenças cardiovasculares, principal causa de mortalidade no mundo. Unitermos: nutrição clínica, doença cardiovascular, absenteísmo.

PC107 - A OBESIDADE NA ADOLESCÊNCIA: SUAS CAUSAS, FATORES DE RISCO, TRATAMENTO

Instituição: Não informado, Rio de Janeiro
Autores: Braga KS; Andrade MC.

Objetivos: Este trabalho tem o objetivo de contribuir para o conhecimento sobre a obesidade na fase da adolescência. Visto que através de estudos observa-se a alta prevalência nesta faixa etária, que apresenta rápido crescimento nas últimas décadas, sendo caracterizado epidemia mundial. Materiais e Métodos: O estudo foi realizado através da revisão bibliográfica, com busca sistemática da literatura, abrangendo banco de dado eletrônico Scielo (Scientific Electronic Library Online), Revistas científicas Nutrição em Pauta e Nutrição Brasil e Diretrizes de entidades da área, tais como: Associação Brasileira para o estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) e Organização Mundial da Saúde (OMS). Resultados: Resultados apresentados por diversos autores quando afirmam que o consumo alimentar e a ingestão de nutrientes na adolescência são determinados não só pela escolha de alimentos, mas também por fatores sociais, econômicos e comportamentais (SILVA et al., 2009). A obesidade é considerada atualmente uma epidemia global pela OMS. Este fato merece atenção das autoridades de saúde por que crianças e adolescentes apresentam cada vez mais sobrepeso ou obesidade, podendo ocorrer patologias como hipertensão arterial, resistência à insulina, apneia do sono, alterações das taxas de gordura no sangue dentre outros. Observa-se, que a obesidade está crescente inclusive nas regiões mais carentes do Brasil, principalmente em faixas etárias mais baixas. Os fatores ambientais são de grande relevância na gênese da obesidade incluindo hábitos alimentares da criança e da família como também o tipo de alimentação instituída no primeiro ano de vida. O tratamento convencional se baseia na redução da ingestão calórica, aumento do gasto energético e a modificação comportamental envolvendo a família. Conclusão: Observa-se que, na faixa etária da adolescência a obesidade tem crescido significativamente. É preocupante para os profissionais de saúde verificar esta estatística; pois os adolescentes obesos têm grande propensão de tornarem-se adultos obesos. É fundamental que pais acompanhem os adolescentes ao tratamento juntamente ao profissional de saúde que irá encaminhar para uma equipe multiprofissional. Unitermos: adolescência, obesidade, epidemia, fatores de risco, prevenção.

PC108 - PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER

Instituição: Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Guarapuava
Autores: Goes VF; Magro M; Pich PC; Bonini JS.

Objetivos: O objetivo do estudo foi verificar a prática de atividade física leve (AFL) em pacientes com Doença de Alzheimer (DA). Materiais e Métodos: O estudo transversal foi conduzido de agosto a outubro de 2011, com 30 pacientes portadores da DA registrados no "Programa de Dispensação de Medicamento em casos excepcionais" na cidade de Guarapuava, Paraná. Visitas domiciliares foram feitas aos pacientes e cuidadores que responderam a um questionário sobre a saúde e atividades desenvolvidas pelos pacientes. Foi administrada a escala Clinical Dementia Rating para estadiamento da DA e o estado nutricional foi avaliado por antropometria: altura, peso e índice de Massa Corporal (IMC). A prática de AFL foi verificada por meio de um questionário fechado. Para os pacientes que apresentavam problemas de equilíbrio ou acamados a altura e o peso foram estimados por equações. Foi utilizado o teste estatístico de Kruskal Wallis e o Exato de Fisher para comparar os estágios da DA em relação ao IMC e a prática de AFL, respectivamente. O nível de significância foi P < 0,05. Todas as análises foram conduzidas com o SPSS 19. Resultados: A amostra foi composta por 60% (18) do gênero feminino e 40% (12) do gênero masculino, com média de idade de 77±9,3 anos. Destes, 33,3% (10) estavam no estágio leve da doença, 26,6% (8) no estágio moderado e 40% (12) no estágio grave. A AFL que os pacientes conseguiam desenvolver era a caminhada. No estágio leve da doença 70% (7) dos pacientes faziam AFL. No estágio moderado da doença 50% (5) praticavam AFL. No estágio grave da doença 41,6% (5) dos pacientes estavam acamados e 16,6% (2) praticavam AFL. Houve diferença significativa entre a prática de AFL e os estágios da doença (p=0,003). A média do IMC diminuiu conforme progressão da doença, ou seja, o estágio leve obteve uma média de 26,8 ± 4,6 kg/m2, o estágio moderado 24,6± 6,5 kg/m2 e o estágio grave 22,8 ± 3,5 kg/m2, não havendo diferença significativa entre os estágios da doença (p=0,101). Conclusão: A maioria dos pacientes que praticavam AFL estava no estágio leve ou moderado da DA e apresentaram menor perda de IMC. Com isso, pode-se concluir que a prática de atividade física pode ter uma influencia positiva no peso/IMC dos pacientes, visto que a atividade física é uma forma de manter e estimular a massa magra e a imobilidade pode causar a perda desta, além de prejudicar a saúde do paciente. Unitermos: doença de Alzheimer, atividade física, índice de massa corporal.

PC109 - COMORBIDADES APRESENTADAS POR PACIENTES DESNUTRIDOS OU EM RISCO DE DESNUTRIÇÃO COM DOENÇA DE ALZHEIMER

Instituição: Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Guarapuava
Autores: Goes VF; Almeida JC; Fermino BL; Almeida AP; Bonini JS.

Objetivos: Verificar as comorbidades presentes nos pacientes desnutridos ou em risco de desnutrição portadores da Doença de Alzheimer (DA) na cidade de Guarapuava, Paraná. Materiais e Métodos: O estudo transversal foi conduzido nos meses de agosto a outubro de 2011, com portadores da DA de acordo com o critério do Ministério da Saúde, registrados no "Programa de Dispensação de Medicamento em casos excepcionais" da saúde pública na cidade de Guarapuava, Paraná. A amostra foi constituída de 25 pacientes desnutridos ou em risco de desnutrição, de acordo com a Mini-Avaliação Nutricional (MAN), com provável DA de acordo com o National Institute of Neurologic and Communicative Disorders and Stroke and the Alzheimer Disease and Related Disorders Association. Visitas domiciliares foram feitas aos pacientes e cuidadores que responderam a um questionário, e foi administrada a escala Clinical Dementia Rating (CDR) para verificar o estágio da DA. A presença das comorbidades foram averiguadas através do relato dos cuidadores e verificação da medicação utilizada pelos pacientes. Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética da Universidade Estadual do Centro-Oeste (protocolo 026/2011). Resultados: A amostra estudada foi composta por 60% (18) do gênero feminino e 40% (12) do gênero masculino, com média de idade de 77 anos. Destes pacientes 36% (9) estavam no estágio leve, 20% (5) no estágio moderado e 44% (11) no estágio grave. Segundo a MAN, 36% (9) dos pacientes estavam desnutridos e 64% (16) estavam em risco de desnutrição. A Hipertensão Arterial (HA) foi a comorbidade mais frequente entre os pacientes, 68% (17). A hipercolesterolemia esteve presente em 40% (10) e o Diabetes Melitus (DM) em 36% (9). A doença de Parkinson e o câncer apresentaram uma prevalência de 24% (6), e o AVC de 36% (9). No estágio leve da DA 55,5% (5) dos pacientes apresentavam hipercolesterolemia, 44,4% (n=4) DM e AVC, 55,5% (5) HAS e 22,2% (2) possuíam câncer (intestino e garganta). No estágio moderado da doença a HA acometia 80% (4) dos pacientes, 20% (1) apresentavam DM e AVC, hipercolesterolemia e doença de Parkinson. No estágio grave da doença 63,6% (7) dos pacientes tinham HA, 36,3% (4) hipercolesterolemia, AVC, doença de Parkinson e câncer (pele e próstata) e 27,2% (3) apresentavam DM. Conclusão: A presença destas comorbidades pode ter gerado maiores complicações no quadro de saúde dos pacientes e ter ocasionado a desnutrição. Por outro lado, a desnutrição também pode ter predisposto o desenvolvimento destas comorbidades nos pacientes com DA. Por isso, é essencial que ocorra um acompanhamento do estado nutricional e reeducação alimentar em pacientes portadores da DA. Unitermos: doença de Alzheimer, desnutrição, risco de desnutrição, comorbidades.

PC110 - ALTERAÇÕES GASTROINTESTINAIS DE PACIENTES EM USO DE TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Instituição: Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal
Autores: Araújo CRB; Amorim NCM; Campos RMM.

Objetivos: Avaliar a prevalência de complicações gastrointestinais de pacientes em uso de terapia nutricional enteral em uma unidade de terapia intensiva. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo com pacientes internados em UTI no período de outubro de 2011 a fevereiro de 2012. Participaram da amostra pacientes maiores de 18 anos que receberam dieta via enteral exclusiva. Foram coletados e registrados das fichas de acompanhamento nutricional desses pacientes, dados relacionados à função intestinal (se era regular ou se apresentou constipação), bem como os eventos gastrointestinais presentes (distensão abdominal, diarreia, vômitos e/ou melena). Resultados: Participaram da pesquisa 37 pacientes em uso de dieta enteral, 54% do sexo masculino e 46% do sexo feminino. A constipação intestinal esteve presente na maior parte dos pacientes (70%) e apenas 30% apresentou função intestinal regular. Do total dos participantes, 46% apresentaram alguma alteração do trato gastrointestinal, sendo a distensão abdominal (39%) o evento mais prevalente, seguido de diarreia (23%), vômito (14%) e melena (11%). Conclusão: Apesar da presença de alterações gastrointestinais, as condutas e decisões multiprofissionais, precoces e padronizadas frente a tais complicações podem otimizar a administração da TNE, possibilitando o melhor fornecimento dos nutrientes aos pacientes graves. Unitermos: nutrição enteral, alterações gastrointestinais, paciente grave, UTI.

PC111 - AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Instituição: Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal
Autores: Amorim NCM; Campos RMM; Araújo CRB.

Objetivos: O presente estudo tem como objetivo principal avaliar a adequação da terapia nutricional enteral em pacientes internados em uma UTI. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo com pacientes internados em UTI no período de outubro de 2011 a fevereiro de 2012. Participaram da amostra pacientes maiores de 18 anos que receberam dieta via enteral exclusiva por, no mínimo, 72 horas. Observou-se o tempo levado para início da terapia nutricional enteral, os valores percentuais médios de adequação das necessidades estimadas desses pacientes bem como o tempo para atingi-las. Resultados: Participaram do estudo 31 pacientes, sendo 58% do sexo masculino e 42% do sexo feminino. O início da terapia nutricional enteral exclusiva ocorreu em 84% dos pacientes em até 48 horas e em 16% em mais que 48 horas após o internamento, sendo que 55% receberam por um período maior que 7 dias e 45% receberam pelo período de 4 a 7 dias. 55% dos pacientes chegaram a receber 100% de suas necessidades calóricas estimadas, 29% receberam entre 90 e 99%, 10% receberam entre 50 e 59%, 3% receberam entre 50 e 59% e 3% receberam entre 80 e 89% dessas necessidades. 26% dos pacientes receberam 100% de suas necessidades estimadas e o fizeram em 4 dias, 13% atingiram esse valor em 3 dias, 7% em 5 dias, 6% em 6 dias e 10% em 7 dias. Dos pacientes que receberam 100% de suas necessidades estimadas, 94% iniciaram esse suporte de forma precoce (menos de 48 horas). Conclusão: Apesar da maior parte dos pacientes ter recebido 100% de suas necessidades calóricas, ainda é alta a prevalência dos pacientes que não as atingem. Portanto, ressalta-se a importância do monitoramento adequado da terapia nutricional enteral. Unitermos: nutrição enteral, necessidades nutricionais, monitoramento nutricional, paciente grave, UTI.

PC112 - SUPORTE NUTRICIONAL NO IDOSO EM HOME CARE

Instituição: Intensive Care Serviços Médico Hospitalares LTDA, Rio de Janeiro
Autores: Abreu CC; Neuberger IH; Granja JL.

Objetivos: Identificar os PCTES ID em HC que apresentam risco nutricional e avaliar a resposta à terapêutica nutricional estabelecida, associando a recuperação do estado nutricional e o processo de cicatrização da UPP, no ano de 2011. Materiais e Métodos: No ano de 2011, de janeiro à dezembro, analisou-se um total de 49 PCTES ID em HC, sendo 19 (39%) do sexo masculino e 30 (61%) do feminino, com idades entre 60 e 109 anos ± 78,6. Na visita nutricional, com frequência quinzenal ou mensal, realizou-se a coleta de dados referentes à história clínica e avaliação antropométrica para definição do diagnóstico nutricional (DN), através do índice de massa corpórea (IMC) e circunferência da panturrilha (CP), específicos para ID, de acordo com a literatura.Foram considerados PCTES com BP, aqueles com IMC < 22 kg/ m2 e CP < 31 cm.Identificou-se os PCTES BP com UPP. Foi definido o suporte nutricional (SN) dos PCTES, associando-se a patologia, a via de alimentação (TNO ou TNE) e as necessidades nutricionais. A conduta nutricional foi validada em consenso médico e reavaliada através de visitas nutricionais.Foi definido o uso de dietas hiperproteicas e hipercalóricas, em TNE ou TNO, com acréscimo de suplemento ou módulos nutricionais. Resultados: Na 1ª AN, 24 (49%) PCTES apresentavam DN de BP e destes 07 (29%) apresentavam UPP. O SN adotado para todos os pacientes foi dieta hipercalórica e hiperproteica, conforme descrito: 9 pacientes em TNO, dos quais 5 pacientes receberam suplementação; 16 pacientes em TNE, dos quais 12 com nutrição enteral (NE) industrializada e 4 com NE artesanal suplementada. Avaliando a resposta nutricional, observou-se que: 16 (64%) pacientes apresentaram ganho de peso pelo IMC. Destes, 14 (28%) apresentaram ganho de CP; 4 (16%) não foram avaliados, por 2 óbitos e 2 admissões no último mês de análise; 6 (25%) pacientes apresentaram perda de peso (IMC+CP), sendo que destes, 2 receberam NE artesanal e 2 NE industrializada; 1 paciente apresentou complicações clínicas e 1, apesar de clinicamente estável, não apresentou resposta ao SN. Não foram reavaliados 2 pacientes por óbito. Dos pacientes com UPP, observou-se recuperação tecidual em apenas 3 (43%), pois 2 evoluíram com óbito, 1 com alta do HC e 1 permaneceu com UPP, porém com ótima evolução. Conclusão: Evidenciou-se que as NE industrializadas e os suplementos nutricionais em TNO foram essenciais para o sucesso do resultado. É fundamental um adequado SN, com plano terapêutico específico, associado à condição clínica, assim como a importância de reavaliações contínuas, visando atingir as metas estabelecidas, como recuperação do estado nutricional e auxiliar no processo de regeneração tecidual. Unitermos: suporte nutricional, idoso, Home Care.

PC113 - PREVALÊNCIA DE BAIXO PESO E PESO ELEVADO EM POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA RESIDENTE NO BAIRRO ALTO CAIÇARA EM GUANAMBI - BA

Instituição: Faculdade Guanambi, Guanambi
Autores: Silveira GM; De Jesus SM; De Oliveira LF; Souza SKL; Dos Santos CT; Fernandes CP.

Objetivos: Pesquisar a prevalência de baixo peso e peso elevado em população de baixa renda do bairro Alto Caiçara em Guanambi/BA. Materiais e Métodos: A pesquisa foi desenvolvida no bairro Alto Caiçara na cidade de Guanambi-BA, no período de 20 de setembro a 05 de novembro de 2011. O estudo foi do tipo transversal, descritivo e correlacional. Os dados foram coletados por meio de um questionário, preenchido no ato da abordagem nos domicílios dos participantes da pesquisa. A amostra final foi composta por 230 participantes, 67 (29,13%) pessoas do sexo masculino e 163 (70,87%) do sexo feminino. Os critérios de inclusão adotados foram os seguintes: habitantes do bairro Alto Caiçara da cidade de Guanambi - BA, ambos os sexos, com faixa etária entre 18 a 60 anos. Ao se iniciar a pesquisa, foi informado aos participantes da mesma o motivo do estudo, bem como a identidade das pesquisadoras. Tal procedimento foi adotado para que fosse possível a troca de informação sem qualquer aborrecimento ou desconfiança. Além disso, por uma questão ética da pesquisa, todos assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. Resultados: A amostra estudada foi constituída por 230 participantes, com faixa etária entre 18 e 60 anos de idade. Das pessoas ouvidas, 49,02% eram casadas, 70,87% da população estudada eram mulheres, com predomínio de pessoas de cor negra (55,22%). O número prevalente de mulheres em relação aos homens pode ser explicado pelo fato da pesquisa ter sido realizada em horário comercial e o número de pessoas do sexo masculino, disponível para responder ao questionário, foi escasso devido à rotina de trabalho fora do domicílio e, no caso da população feminina do bairro, grande parte afirmou ser dona de casa. Já em relação à cor negra, superior em números na presente pesquisa, segundo alguns estudos, está intimamente ligada à pobreza no Brasil que, consequentemente, concentra-se em bairros pobres das cidades. Na amostra estudada, em todos os estados nutricionais, nota-se uma prevalência de pessoas que não praticam exercícios físicos, com ênfase para população com sobrepeso e obesidade, isto representa 71,43 e 87,50%, respectivamente. Conclusão: Os resultados revelam que o excesso de peso em população de baixa renda se sobrepõe à desnutrição e isto indica um relevante paradoxo no que diz respeito ao estado nutricional e à renda familiar. Enquanto o baixo peso, a cada dia, sofre redução, o excesso de peso ganha contornos epidêmicos. Unitermos: baixo peso, obesidade, transição nutricional.

PC114 - TRABALHO CANCELADO

PC115 - AVALIAÇÃO DA INGESTÃO ALIMENTAR DE ADOLESCENTES DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE TERESINA, PIAUÍ

Instituição: Faculdade Santo Agostinho, Teresina
Autores: Farias MM; Sousa LA; SÁ OM.

Objetivos: Avaliar a ingestão alimentar de adolescentes da rede pública estadual de Teresina, Piauí. Materiais e Métodos: Estudo de delineamento transversal, foi avaliada a ingestão alimentar por meio do questionário frequência alimentar, preconizado pelo Ministério de Saúde, Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN), considerando os alimentos como saudáveis e não saudáveis em cinco dias ou mais na semana. Foram avaliados 400 adolescentes das escolas da rede púbica estadual,nos horários das aulas de educação física, os dados encontrados foram estatisticamente significantes apresentado (p< 0,005). Resultados: A ingestão alimentar dos adolescentes encontram-se com elevado consumo de alimentos considerados saudáveis, no entanto apresenta baixo consumo de frutas e verduras, prevalecendo uma ingestão dos alimentos considerados não saudáveis, entre eles os refrigerantes e biscoitos ou salgadinhos de pacotes. Conclusão: Os adolescentes das escolas públicas de Teresina se encontram com consumo elevado de fontes alimentícias que são considerados marcadores não saudáveis. Unitermos: adolescentes, ingestão alimentar, nutrição.

PC116 - TRABALHO CANCELADO

PC117 - INFLUÊNCIA DO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO COMO TRATAMENTO ADJUVANTE EM PACIENTES OBESOS, SOBREPESOS E DOENÇAS ASSOCIADAS EM CONVÊNIO DE SAÚDE DE REDE PRIVADA

Instituição: Santa Helena Assistência Médica, São Bernardo do Campo
Autores: Belentani C; Mendes IF.

Objetivos: Esse estudo tem como objetivo mostrar a influencia do ambulatório de nutrição como tratamento adjuvante na perda de peso e melhora de doenças associadas como diabetes e hipertensão.
Materiais e Métodos: Foram analisados 1060 pacientes onde 23% do sexo masculino e 77% do sexo feminino, com idade de 25 a 80 anos, que passaram em consulta no ambulatório de nutrição encaminhados pelos médicos do convênio no período de setembro de 2010 a novembro de 2011. Consultas com duração de 20 minutos e em média 7 retornos. Esses pacientes foram divididos por encaminhamentos de especialidades médicas Endocrinologia e Cardiologia. Resultados: Da especialidade de Endocrinologia foram encaminhados 959 pacientes, com 71% de adesão. A média de peso inicial foi de 90k g e o final de 78 kg, a média de IMC inicial foi de 31,5 kg/m2 e a final de 29 kg/m2. Destes paciente 35% eram diabéticos, onde foi analisada a hemoglobina glicosilada, onde a média inicial era 8,4% e final 6,9%. Da especialidade de cardiologia foram encaminhados 101 pacientes, com 80% de adesão. A média de peso inicial foi de 85 kg e o final 79 kg, a média de IMC inicial foi de 31,7 kg/m2 e a final 30 kg/m2. Conclusão: Os resultados do trabalho comprovam a eficácia do acompanhamento nutricional como tratamento adjuvante de pacientes obesos, sobre pesos e com doenças associadas. Unitermos: não informado.

PC118 - EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL (EMTN) COMO MELHORIA DE QUALIDADE EM SAÚDE NO HOSPITAL MUNICIPAL MOYSÉS DEUTCH - SÃO PAULO

Instituição: Hopital Municipal Moysés Deutch (HMMD), São Paulo
Autores: Beringhs-Bueno LA; Magalhães CP; Giannetto L; Borgatto LS; Santos SAE.

Objetivos: Descrever o processo de formação da Equipe Multiprofissional de terapia Nutricional (EMTN) no Hospital Municipal Moysés Deutch (HMMD) entre dezembro 2010 a dezembro 2011. Relatar os resultados iniciais obtidos pela EMTN a partir de sua implantação do ponto de vista de melhora de qualidade assistencial ao paciente. Discutir a importância da atuação da EMTN como melhoria de qualidade assistencial. Materiais e Métodos: Relato descritivo e quantitativo inicial do processo de implantação da Equipe Multiprofissional de terapia Nutricional (EMTN) no Hospital Municipal Moysés Deutch (M´boi Mirim) entre dezembro 2010 a dezembro 2011. Resultados: A EMTN foi estabelecida no HMMD a partir Dezembro 2010, com o propósito de apoio nutricional aos pacientes em TN através de ações como formatação e execução de protocolos, e da introdução de conceitos de melhoria de qualidade em saúde. O Indicador de Qualidade: Volume prescrito X Volume infundido, durantes os primeiro meses apresentou melhora de 78% para 97%, entre novembro de 2010 e setembro 2011. Durante o mesmo periodo houve redução de custos. O numero de não conformidades em TN no pronto socorro diminuiu em 62%. Conclusão: TN é responsabilidade de equipe multidisciplinar, a somatória de esforços é absolutamente essencial. Durante seu primeiro ano de implantação da EMTN no HMMD demonstrou bons resultados. A implantação da EMTN levou a maior qualidade de serviço no atendimento dos pacientes do HMMD com concomitante diminuição de custos. Unitermos: equipe multiprofissional terapia nutricional, melhoria de qualidade assistencial, terapia nutricional.

PC119 - AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE UM HOSPITAL PARTICULAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Instituição: Sodexo do Brasil, São Paulo
Autores: Colhado ASRC; Lessi FRL; Martins NGGM; Silva MGS; Moreira MRSM.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional dos colaboradores do hospital; Analisar a relação da circunferência abdominal com o aparecimento de doenças cardiovasculares. Materiais e Métodos: 198 colaboradores, adultos e de ambos os sexos; Período da coleta: 30 e 31 de agosto de 2011; Materiais: balança digital e fitra métrica; Coleta de dados: peso (kg), altura (m) e circunferência abdominal (cm); Análise do estado nutricional: IMC (kg/m2) e circunferência abdominal (cm). Resultados: 61% dos colaboradores avaliados eram do sexo feminino e 39% do sexo masculino; A maioria dos colaboradores avaliados estava eutrófica (48%), 44% estavam com sobrepeso, 1% com desnutrição e 7% com obesidade; 53% dos colaboradores do sexo masculino estavam com sobrepeso, 36% estavam eutróficos e 11% estavam com obesidade. Em relação a circunferência abdominal, 39% dos colaboradores tinham risco cardiovascular e 61% estavam dentro da faixa de normalidade; 58% dos colaboradores do sexo feminino estavam eutróficos, 36% estavam com sobrepeso, 2% com desnutrição e 4% estavam com obesidade. Em relação à circunferência abdominal, 53% dos colaboradores tinham risco cardiovascular e 47% estavam dentro da faixa de normalidade. Conclusão: Os resultados indicam que há uma maior prevalência de eutrofia e sobrepeso nos colaboradores avaliados e uma baixa prevalência de obesidade e desnutrição. Apesar da maioria dos colaboradores avaliados estarem dentro da faixa de normalidade, segundo o IMC, uma parte deles apresentavam risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, segundo circunferência abdominal. Unitermos: avaliação nutricional, estado nutricional, IMC, circunferência abdominal.

PC120 - CAUSAS DE INTERRUPÇÃO E VOLUME TOTAL DA DIETA ENTERAL EM UM HOSPITAL

Instituição: Universidade São Francisco, Bragança Paulista
Autores: Silva ML; Nassif KP; Mota JF.

Objetivos: Identificar se o volume e as calorias prescritos em 24 horas foram totalmente infundidos e as principais causas de interrupção da dieta enteral. Materiais e Métodos: Foram estudados 20 pacientes maiores de 18 anos com uso de dieta enteral por sistema fechado exclusivo por mais 72 horas internados nas clínicas médica, cirúrgica e UTI. Os dados foram obtidos do prontuário médico e por meio dos protocolos de evolução e conduta nutricional. Resultados: A média de idade do grupo foi de 57,4 anos, sendo acidente vascular cerebral o principal diagnóstico. O período médio de dias com terapia nutricional foi de 3,3 ± 45,96. A relação entre o volume prescrito e administrado representou em média 73,45% e entre caloria prescrita e administrada foi de 74,76%. As principais causas de interrupção foram sonda sacada pelo próprio paciente e jejum paraprocedimentos. A evolução dos pacientes foi alta com permanência de dieta enteral. Conclusão: O aporte calórico dos pacientes foi considerado insatisfatório e associou-seao ato do próprio paciente sacar a sonda e ao jejum frequente para procedimentos médicos. Cabe a equipe multiprofissional de terapia nutricional se atentar aos fatores para melhor evolução clínica dos pacientes. Unitermos: nutrição enteral, terapia nutricional, desnutrição hospitalar.

PC121 - PERFIL HIGIÊNICO-SANITÁRIO EM UMA FEIRA-LIVRE DE FORTALEZA E AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DE SEUS USUÁRIOS

Instituição: UECE, Fortaleza
Autores: Damasceno GM.

Objetivos: descrever o controle da qualidade higiênico-sanitária das feiras-livres no município de Fortaleza. Foram pesquisadas 3 feiras-livres localizadas em bairros aleatórios no município de Fortaleza - CE, no período de fevereiro a março de 2011. Materiais e Métodos: Foram pesquisados três feiras-livres localizados em bairros selecionado no município de Fortaleza, no período de fevereiro a março de 2011. Para o estudo foi elaborada uma lista de verificação adaptada à realidade do espaço, e baseada nas recomendações da Resolução RDC nº 216/2004. Através desses dados foi identificada a real condição higiênico-sanitária das feiras-livres de Fortaleza. Resultados: As analises dos dados e as observações possibilitaram constatar que 100% dos estabelecimentos se apresentaram insatisfatórios para exercerem as atividades nesse ramo. Os resultados obtidos revelaram que as feiras tiveram média de não conformidade de 41,73% (manipuladores), 33,3% no (controle da qualidade do ponto de venda, 41,66% de (equipamentos, móveis e utensílios), 35.90% na (produção/processamento de alimentos) obtendo uma média geral de conformidade menor que 50% dos itens atendidos, revelando a precária condição higiênico-sanitária das feiras. 90% estão infatisfeitos com as condições fisicas das feiras 10% acham que estão boas. Sendo assim as três feiras foram enquadradas no Grupo 3, considerado ruim, de acordo com os padrões estabelecidos pela RDC nº 216/04. Conclusão: Constatou-se que as possibilidades de contaminações são comuns a todas as três feiras, pela precariedade do ambiente, dos equipamentos, móveis e utensílios,controle da qualidade do ponto de venda e a falta de higiene dos manipuladores. Mediante o quadro, torna-se essencial à adoção de medidas de caráter público, que contribuam para a aplicação da legislação pertinente a fim de manter a sanidade do local. Unitermos: feira-livre, higiene,alimentos, RDC 216/04.

PC122 - PERFIL NUTRICIONAL DOS RESIDENTES DA CASA DE REPOUSO MADRE MARIA SÃO MIGUEL

Instituição: Universidade Presidente Antonio Carlos, Juiz de Fora
Autores: Mendonça EG; Pereira UCA; Delgado FEF; Mello MAV; Domingues AP.

Objetivos: Identificar e traçar o perfil nutricional, segundo a MAN (Mini Avaliação Nutricional), de idosos institucionalizados em uma casa de repouso particular no município de Juiz de Fora - MG. Materiais e Métodos: Estudo transversal, no qual a população em estudo foi composta por 27 idosos, residentes em uma instituição geriátrica particular no município de Juiz de Fora - MG. Foram excluídos os idosos com problemas como: surdez, mudez, acamados, hospitalizados, pelo fato de não atenderem às necessidades da Avaliação. Foram coletados os dados nos prontuários de identificação, história da patologia atual e pregressa dos idosos participantes. Estes foram submetidos ao exame antropométrico realizado pela pesquisadora, aferindo altura, peso, circunferência da panturrilha e adequação da circunferência muscular do braço para as institucionalizadas que foram submetidas ao questionário aplicado. Para a coleta dos dados dos prontuários, foi utilizada uma ficha de identificação nutricional do idoso. Aplicou-se o questionário completo nas residentes avaliadas que apresentaram risco nutricional na primeira etapa da avaliação. Os dados são apresentados sob a forma de distribuição percentual e desvio padrão. Resultados: A amostra constitui-se de 27 idosos, todas do sexo feminino. Em relação à classificação da pontuação obtida pela primeira etapa da avaliação, 11 pacientes (40,7%) foram classificados em estado nutricional normais, 13 pacientes (48,1%) estavam sob risco nutricional e 3 pacientes (11,1%) eram desnutridos. De acordo com a segunda etapa da avaliação, 75% (12 pacientes) sob risco de desnutrição, 2 pacientes (12,5%) foram classificados como desnutridos e 2 pacientes (12,5%) apresentaram estado nutricional normal. Conclusão: Os resultados encontrados indicaram a prevalência de 87,5% da amostra com estado nutricional inadequado e/ou desnutridos, evidenciando a necessidade de medidas de promoção ou reabilitação da saúde dos idosos. Unitermos: mini-avaliação nutricional (MAN), estado nutricional, idoso.

PC123 - PREVALÊNCIA DE MORTALIDADE POR DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM UMA CIDADE DO SUL DE MINAS GERAIS NOS ANOS DE 1999 A 2008

Instituição: Faculdade de Medicina de Itajubá, Itajubá
Autores: Ferreira AIS; Ferreira G.

Objetivos: Sabendo que as doenças cardiovasculares ocupam lugar de destaque na morbimortalidade no Brasil, aparecendo em primeiro lugar entre as causas de morte e representando quase um terço dos óbitos totais no país, este trabalho teve como objetivo analisar os principais fatores de risco para mortalidade por doenças cardiovasculares em uma cidade do sul de Minas Gerais, entre os anos de 1999 a 2008. Materiais e Métodos: O trabalho foi realizado com base nos dados de mortalidade coletados nos atestados de óbitos arquivados na Secretaria de Saúde da cidade de Pedralva (MG), no período de janeiro de 1999 a setembro de 2008. O estudo foi iniciado após aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina de Itajubá, sob a inscrição número 072/2008. Foram analisados os óbitos por doenças cardiovasculares, destacando-se o Infarto Agudo do Miocárdio e Acidente Vascular Cerebral, em adultos acima de 30 anos. Os dados foram separados por faixa etária, sexo, escolaridade, e doenças associadas. Para tabulação e análise dos dados obtidos, foi realizada a descrição estatística dos resultados, a partir de frequências absolutas, relativas, tabelas de frequências e gráficos. Também foi efetuada análise comparativa das prevalências de mortalidade por doenças cardiovasculares encontradas no município de Pedralva/MG com outros municípios e regiões, utilizando-se o teste de Gauss. Resultados: A amostra incluiu 720 atestados de óbitos, sendo 167 casos devidos a doenças cardiovasculares (DCV), indicando prevalência média de 23,2%. Analisando a frequência absoluta de óbitos geral nos últimos 10 anos, observou-se maior incidência em 2001 (95 óbitos), e menor, em 2007 (57 óbitos). A frequência absoluta de óbitos por doenças cardiovasculares não acompanhou essa distribuição, já que o maior número de casos foi em 2004 (23 casos), e o menor número, em 2001 (12 casos). Quanto à prevalência de óbitos por DCV, o maior índice aconteceu em 2007 (36,8%), e o menor, em 2001 (17,1%), sendo 53,9% (90 pessoas) do sexo masculino e 46,1% (77 pessoas), do sexo feminino. Quanto à faixa etária, a média de idade foi de 70,2 anos. Entre os sujeitos portadores de DCV, 27,5% era analfabeto, mas 40,7% dos casos, a escolaridade foi ignorada. Em relação às causas, 50,3% dos óbitos foi ocasionado por Acidente Vascular Cerebral e 49,7% por Insuficiência Aguda do Miocárdio e a hipertensão arterial foi à doença mais associada aos óbitos (82,1%), comparada ao diabetes (17,9%). Conclusão: Embora continue sendo a primeira causa de óbito, as DCV vêm apresentando um declínio importante, com consequente redução na taxa mortalidade no município de Pedralva. A incidência de mortalidade foi maior para a população acima de 50 anos, atingindo principalmente o sexo masculino e pessoas com baixo nível de escolaridade, tendo a hipertensão arterial e o diabetes, como doenças associadas. Unitermos: doenças cardiovasculares, fatores de risco, mortalidade.

PC124 - ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES PORTADORES DE NEFROPATIA DIABÉTICA EM HEMODIÁLISE NUM CENTRO DE DOENCAS RENAIS NO AMAZONAS

Instituição: Universidade Nilton Lins, Manaus
Autores: Formiga DCVP; Paz AS.

Objetivos: Estudar o estado nutricional de 50 pacientes com Nefropatia Diabética em Hemodiálise. Materiais e Métodos: O estado nutricional dos 50 pacientes foi estudado por meio de parâmetros bioquímicos, ingestão de proteínas e registro do consumo alimentar, o recordatórios de 24 horas. Resultados: Os resultados dos valores de IMC, média de IMC, média de Linfócitos e de albumina sérica, demonstraram estar adequados, sendo que houve uma variação na PCT no P5, onde 50 % dos pacientes apresentaram PCT abaixo do percentil 5, evidenciando uma perda de gordura corporal em ambos os sexos. Observou-se também que o consumo médio de Kcal/kg de peso e de proteínas/kg de peso, foram 30,0 kcal e 1,24 g, respectivamente, demonstrando assim uma baixa ingestão proteico-calorica. O somatório de dobras evidenciou normalidade na maioria dos casos, sendo que 8,3% dos homens apresentaram desnutrição e 78,57 das mulheres apresentaram obesidade. Conclusão: A hemodiálise "per si" é um evento catabólico, capaz de aumentar a desnutrição no grupo estudado, o reduzido consumo calórico-proteico podem agravar mais o estado e diminuir a sobrevida desses pacientes. Um efetivo controle glicêmico deve ser aplicado para melhor controle das lesões nefróticas. Unitermos: estado nutricional, nefropatia diabética, hemodiálise.

PC125 - CUIDADOS PALIATIVOS EM DEMÊNCIA: ASPECTOS NUTRICIONAIS

Instituição: Hospital Albert Einstein, São Paulo
Autores: Scacchetti T; Bitar SC; Piovacari SMF; Sanches O.

Objetivos: Realizar uma revisão bibliográfica sobre a terapia nutricional mais indicada em paciente com demência em cuidados paliativos. Verificar as principais condutas dietoterápicas empregadas em cuidado paliativo em idosos demenciados. Materiais e Métodos: A metodologia consistiu na análise de artigos de periódicos, livros, manuais no período compreendido entre 1999 e 2010, encontrados nas seguintes bases de dados: Bireme (Centro Latino-Americano e do Caribe Informação em Ciências da Saúde, Brasil), Pub Med. Os seguintes termos foram cruzados nos idiomas português e inglês: cuidados paliativos, terapia nutricional, demência, dieta, nutrição. Resultados: O profissional nutricionista auxilia na decisão de qual melhor terapia deve ser indicada, favorecendo o conforto emocional, diminuição da ansiedade, aumento da autoestima e autonomia do paciente. Os pacientes demenciados sob cuidados paliativos possuem menor apetite e sede, consomem alimentos em menor quantidade, muitas vezes recusando a alimentação, sofrem perda de paladar, dificuldade de deglutição, digestão, absorção, e excreção. O objetivo da terapia nutricional vai variar justamente de acordo com a fase de progressão da doença. Na fase inicial o objetivo é manter ou recuperar o estado nutricional e evitar a progressão da doença, já na fase terminal é promover sensação de bem estar e conforto, qualidade de vida e alívio dos sintomas. Nesta perspectiva o nutricionista tem um foco principal que é melhorar a qualidade de vida, através do controle das dificuldades associados ao consumo de alimentos, adiando a perda de autonomia. Conclusão: Em cuidados paliativos a atuação do nutricionista ajuda a favorecer o esclarecimento aos pacientes e seus familiares sobre a terapia melhor indicada, pois se observou que não existe um padrão ouro para um suporte nutricional em demência avançada em cuidados paliativos. Independente de qualquer conduta dietoterápica a ser realizada, respeitar a vontade do paciente é essencial. Unitermos: cuidados paliativos, terapia nutricional, demência, dieta, nutrição.

PC126 - PERFIL CLÍNICO E NUTRICIONAL DE PACIENTES ATENDIDOS PELO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO DO MUNICÍPIO DE JIJOCA DE JERICOACOARA - CEARÁ

Instituição: Secretaria Municipal de Saúde de Jijoca de Jericoacoara, Jijoca de Jericoacoara
Autores: Muniz LQ; Almeida MTO.

Objetivos: É notável a crescente procura pelo atendimento nutricional, explicada pelo aumento das patologias associadas à alimentação e à grande incidência de obesidade. Portanto, o presente estudo teve por objetivo identificar o perfil nutricional de pacientes atendidos no município de Jijoca de Jericoacoara, no ano de 2011. Materiais e Métodos: Pesquisa de caráter transversal retrospectivo descritivo. Foram avaliados 64 pacientes atendidos pelo serviço de nutrição no município de Jijoca de Jericoacoara, no ano de 2011. As informações foram coletadas nos prontuários de cada paciente atendido no ambulatório. As variáveis consideradas foram idade, sexo, peso, altura, Índice de Massa Corporal (IMC), motivo de procura pelo atendimento e existência ou não de patologias associadas. Foram excluídos do estudo prontuários com dados incompletos. Resultados: Entre os pesquisados, 86% eram do sexo feminino. Foi constatado que 78% da população atendida estavam na faixa etária de 20 a 60 anos. A avaliação realizada com o IMC mostrou a presença de 63% de obesidade e menor proporção de eutrofia (14%). Foi constatado que 47% dos pacientes procuraram o atendimento com a finalidade de reeducar seus hábitos alimentares e 30% procuraram o serviço por indicação médica. Foi verificado que 52% apresentavam patologias associadas à alimentação, sendo o diabetes mellitus, a patologia mais prevalente (67%). Conclusão: São pacientes predominantemente de faixa etária adulta entre 20 e 60 anos, maioria do sexo feminino, apresentando o peso acima do ideal. Existe, em sua maioria, patologia associada e o principal motivo pela procura foi a reeducação alimentar. Outro fator relevante a ser observado é que existe um número expressivo de indicações médicas, fortalecendo a importância da equipe multidisciplinar. Unitermos: estado nutricional, nutrição, obesidade.

PC127 - OCORRÊNCIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA E RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE EM PRAIA GRANDE, SÃO PAULO

Instituição: Universidade Metropolitana de Santos, Santos
Autores: Giraud VO; Ferraz LF.

Objetivos: Obter o número de pacientes portadores de HAS e estratificar o risco cardiovascular destes através do cálculo da escala de Framingham um uma Unidade Básica de Saúde (UBS) no município de Praia Grande, São Paulo. Materiais e Métodos: Foi realizada através de revisão de prontuários médicos. Foram incluídos os pacientes portadores de HAS e que estavam sendo acompanhados na UBS por pelo menos 6 meses. Resultados: Foram revistos 812 prontuários, onde 57 atendiam ao critério proposto, sendo 71% do gênero feminino e os restantes 17% do masculino. Quanto à faixa etária, observamos que apenas 9% dos individuos tinham idade inferior a 40 anos, 54% entre 41 e 60 e 37% acima de 61. Em relação ao risco relativo de desenvolver eventos cardiovasculares em 10 anos, de acordo com a escala de Framingham, 45% da população analisada se classificou como baixo risco, 39% como moderado e 16% como alto. Conclusão: Mais da metade dos estudados (52%) apresentaram risco moderado ou alto de apresentarem futuramente DCV. Os profissionais da área da saúde devem buscar estratégias para melhorar a adesão dos hipertensos ao tratamento. O Programa Saúde da Família pode ser útil, pois, pode ajudar os hipertensos a obterem o controle da doença e, consequentemente, diminuírem o risco de DCV no contexto da família. Unitermos: hipertensão arterial sistêmica, risco cardiovascular, saúde pública.

PC128 - AVALIAÇÃO DO PADRÃO ALIMENTAR E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES DE UM MUNICÍPIO DO SUL DE MINAS GERAIS

Instituição: Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre
Autores: Gouvea SF; Tiengo A.

Objetivos: Comparar o padrão alimentar e a composição corporal dos Policiais Militares do 20º Batalhão de Polícia Militar e dos Bombeiros Militares pertencentes ao 9° BBM/3º CIA BM da cidade de Pouso Alegre - MG. Materiais e Métodos: A população do estudo foi composta por 41 policiais militares e 32 bombeiros militares, de ambos os gêneros, com idades entre 20 e 59 anos, que foram voluntários ao estudo. Para caracterização da amostra foi aplicado um questionário sócio-econômico para obtenção de dados como escolaridade, renda, prática de atividade física, hábitos pessoais entre outros. Na avaliação antropométrica foram aferidos peso e estatura para cálculo de IMC, além das dobras cutâneas bicipital, tricipital, subescapular e suprailíaca para avaliação da composição corporal. O consumo alimentar foi determinado a partir do recordatório 24 horas. Para a análise dos resultados foram aplicados os testes (Quiquadrado (x²)) e (Mann-Whitney (P)) com nível de significância de 5%. Resultados: No grupo dos Policiais foram avaliados 41 militares, sendo 26,8% do gênero feminino e 73,2% masculino. Entre os Bombeiros foram avaliados 32 militares, sendo todos do gênero masculino. Em relação à prática de atividade física, a maioria dos militares possuía esse hábito, observando-se prevalência de 70,7% entre os policiais e 93,8% entre os Bombeiros (p=0,02). A partir da análise dos dados observou-se que o IMC médio dos policiais foi semelhante ao dos Bombeiros, sendo 27,6 ± 4,1 kg/m² e 27,1 ± 3,6 kg/m² respectivamente (p=0,87). Ambos os grupos encontram-se com o IMC acima da normalidade, sendo que a maioria possuía diagnóstico de sobrepeso e obesidade. Em relação à % gordura corporal (GC), a média encontrada entre os Policiais foi de 23,2% e entre os Bombeiros de 19,6%, com diferença significativa (p=0,003). Para a ingestão alimentar encontrou-se uma média de 2484,3 Kcal/dia para os Policiais e 2.800 Kcal/dia para os Bombeiros. Esses valores encontram-se abaixo do recomendado segundo gênero e faixa etária, porém a distribuição de macronutrientes estava dentro do recomendado. Conclusão: Ambos precisam melhorar sua composição corporal, pois não podem se apresentar inaptos fisicamente ou com excesso de peso para as ações exigidas. São necessários hábitos saudáveis como prática de atividade física e dieta equilibrada. Sugere-se realização de novos estudos relacionando composição corporal, alimentação e prática de atividade física destes profissionais pela escassez de estudos na área. Unitermos: consumo de alimentos, composição corporal, militares.

PC129 - ABORDAGEM NUTRICIONAL EM PACIENTE COM ASCITE QUILOSA: RELATO DE CASO

Instituição: Hospital Universitário Walter Cantídio, Fortaleza
Autores: Pinheiro DD; Meireles AV.

Objetivos: Descrever a terapia nutricional em paciente diagnosticada com ascite quilosa. Materiais e Métodos: Paciente A.J.S.M., 46 anos, sexo feminino, hipertensa, diabética, internada devido o aparecimento da ascite quilosa, decorrente de neoplasia gástrica. Após a avaliação subjetiva global constatou-se desnutrição energética proteica moderada para a maioria dos índices antropométricos (Adequação da CB, PCT, CMB e AGB). Os exames bioquímicos (hematócrito e hemoglobina) demonstraram que a mesma encontrava-se com anemia, hipoalbuminemia (2,1g/dl) e hipertrigliceridemia (1.581 mg/dl). Após a avaliação completa da paciente iniciou-se a modificação da abordagem terapêutica nutricional, com utilização de 30 kcal/kg para o cálculo de suas necessidades energéticas, com aumento do aporte proteico, visando a recuperação nutricional. Foi implementada uma dieta geral sem sal (hipossódica), hiperproteica, normoglicêmica e normolipídica rica em triglicerídeo de cadeia média, com objetivo de evitar a degradação proteica, síndromes má-absortiva e garantir uma oferta lipídica necessária para a sua recuperação. Resultados: Através da obtenção dos resultados após a intervenção nutricional observou-se uma redução significativa dos triglicerídes (-470 mg/dl ± 29,7%), aumento da albumina sérica (+1,2 mg/dl ±36,3%) hematócrito (+2,8%) e hemoglobina (+2,4g/dl ±57,1%). A média de ingestão calórica ficou em torno de 1.951,54 kcal (83,17 % ± 329,04 Kcal), distribuidas em 49,08% de CHO, 1,95 g/kg de PTN e 25,41% de LIP. Conclusão: A terapia nutricional empregada em conjunto com a medicamentosa é extremamente necessária para evitar os agravos metabólicos e nutricionais proporcionados pela doença. Após a intervenção os exames bioquímicos demonstraram progressiva recuperação em todos os parâmetros (albumina, triglicerídeos, hematócrito e hemoglobina), demonstrando a importância da atuação em equipe na recupeção do paciente. Unitermos: lipidios, carboidratos, proteínas.

PC130 - PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE PACIENTES ANTES E APÓS GASTROPLASTIA REDUTORA COM BYPASS GÁSTRICO EM Y DE ROUX

Instituição: Universidade Paulista, Campus Brasília - DF, Brasília.
Autores: Queiroz IL; Fortes RC; Milhomem PD; Arruda SLM.

Objetivos: Analisar o perfil antropométrico de pacientes antes e após gastroplastia redutora com bypass gástrico em Y de Roux. Materiais e Métodos: Estudo retrospectivo analítico realizado em uma clínica particular especializada em cirurgia de obesidade, Brasília-DF. Analisou-se 50 prontuários de pacientes submetidos à Gastroplastia Redutora com Derivação de Y de Roux entre janeiro de 2009 e julho de 2011. Os seguintes dados antropométricos pré e pós-operatório foram analisados: peso, estatura, índice de massa corporal, dobras cutâneas e circunferências. A análise estatística foi realizada por meio dos Testes T pareado e Quiquadrado, utilizando os programas Graphpad Instat e Excel 2007, com significância estatística de 5%. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da Universidade Paulista. Resultados: Ao analisar os 50 prontuários, evidenciou-se que 80% de mulheres, com média de idade de 39 anos. A média de peso no pré-operatório foi de 111,07±19,20kg, sendo que, no pós-operatório, houve uma redução para 86,81±15,24 kg, p=0,10. A média de IMC no pré-operatório de 40,43±4,34 kg/m2 e, no pós-operatório, constatou-se uma redução para 31,71±3,78 kg/m2, p=0,0001. Observou-se uma redução não significativa das dobras cutâneas tricipital (de 41,6 ± 7,06 mm para 27,11 ± 6,34 mm, p=0,40) e supra-ilíaca (de 53,2±7,28mm para 37,14± 8,72 mm, p=0,20) e significativa de dobra cutânea bicipital (de 26 ± 7,07 mm para 15,88 ± 4,64 mm, p=0,03) dobra cutânea subescapular (de 53,62 ± 6,70 mm para 42,12 ± 9,21 mm, p=0,02) comparado aos valores no pós-operatório. Constatou-se redução da circunferência do pescoço (de 37,99±3,72 cm para 34,81±2,91cm, p=0,08), do braço (de 39,46 ± 3,75 cm para 33,78 ± 3,50 cm, p=0,63) da cintura (de 106,92 ± 11,07 cm para 90,53 ± 12,41 cm, p=0,42), umbilical (de 120,6 ± 11,78 cm para 101,55 ± 14,06 cm, p=0,21), e do quadril (de 126,22 ± 11,29 cm para 111,57 ± 10,26 cm, p=0,50), porém essas alterações não foram significativas. Conclusão: Os resultados sugerem que a gastroplastia redutora com bypass gástrico em Y de Roux é capaz de promover redução significativa dos parâmetros antropométricos de indivíduos obesos. Unitermos: cirurgia bariátrica, obesidade mórbida, dieta, alimentação, estilo de vida.

PC131 - PERFIL NUTRICIONAL E COMPORTAMENTO ALIMENTAR DOS ALUNOS DA CASA DO MENINO - UNESC

Instituição: Centro Universitário do Espírito Santo, Colatina
Autores: Scaldaferro GM; Oliveira LRPN.

Objetivos: O objetivo do presente trabalho é traçar o perfil nutricional e analisar o consumo de macro e micronutrientes, relacionados ao crescimento e desenvolvimento do grupo. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal realizado no ano de 2011, envolvendo 45 indivíduos com idade de 7 à 15 anos, os quais fazem parte do grupo da Casa do Menino de Colatina, que realiza suas atividades nas dependências do Centro Universitário do Espírito Santo - UNESC.Para avaliação do consumo alimentar, o método utilizado foi o Recordatório 24 horas. O critério adotado para seleção dos nutrientes foi à relação com o crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes. Para análise de prevalência da ingestão de nutrientes, foram utilizadas as recomendações do Institute of Medicine (IOM), denominadas DRI’s (Dietary Reference Intake). Os macronutrientes foram avaliados através da Recomendação Dietética para Indivíduos (RDA e AI), já os micronutrientes foram pela Recomendação Dietética para Indivíduos (RDA e AI) e Ingestão máxima tolerada (UL). Na avaliação antropométrica os dados coletados foram: peso (kg) e estatura (cm), sendo avaliados de acordo com os pontos de corte. Resultados: A população estudada encontra-se majoritariamente com o estado nutricionaldentro dos padrões de normalidade. A alimentação é caracterizada por aporte demicronutrientes tais como o cálcio, ferro, vitamina A, vitamina C e zinco, com umgrau de insuficiência em grande parte dos indivíduos e de macronutrientes emquantidades significativamente adequadas de acordo com as recomendações. Conclusão: Tal realidade evidencia a importância da qualidade da dieta, promovendo uma atitude de prevenção. É importante ressaltar que a maioria dos indivíduos tendo a obtenção de um diagnóstico favorável do ponto de vista do seu estado nutricional, deve refletir das ações voltadas para esta população, que fazem refeições na instituição onde são programadas por uma nutricionista. Unitermos: perfil nutricional, comportamento alimentar, crianças, adolescentes.

PC132 - CONHECIMENTO DE MERENDEIRAS EM ESCOLAS PUBLICAS E PARTICULARES DE FORTALEZA/CE ACERCA DA DOENÇA CELÍACA

Instituição: UECE, Fortaleza
Autores: Damasceno GM.

Objetivos: Investigar o conhecimento das merendeiras em escolas públicas e particulares de Fortaleza/CE acerca da doença. Materiais e Métodos: Estudo transversal quantitativo e qualitativo desenvolvido atrás da aplicação de um questionário com questões fechadas. A coleta ocorreu no período de julho a setembro de 2010, tendo sido entrevistado 30 merendeiras na cidade de Fortaleza/CE. Resultados: Os indivíduos avaliados 40% apresentavam faixa etária de 30 a 45 anos, 100% representada por indivíduos do sexo feminino. 50% apresentavam o Ensino Médio completo, 67% trabalham há mais de 5 anos nas escolas. De todas as escolas visitadas somente um possui Nutricionista, 30% responderam saber alguma coisa sobre a doença celíaca e 70% afirmaram que nunca ouviram falar Dos entrevistados que sabiam da doença,48% falaram que o trigo é o causador da doença, e 80% afirma não observar se "Contêm ou Não contêm Glúten". Conclusão: Verifica-se que há a necessidade de educar as merendeiras sobre a DC e seu tratamento, para que se possa reduzir as restrições sociais dos celíacos. Devido a aplicação deste questionário notou-se o interesse daqueles que desconheciam a doença. Para que haja uma melhora nestes locais se faz necessário a presença de nutricionistas para que haja um cardápio especifico para os celíacos. Unitermos: doença celiaca, gluten, escolas.

PC133 - UTILIZAÇÃO DE CASCAS DE VEGETAIS NA ELABORAÇÃO DE DIFERENTES PREPARAÇÕES COMO MELHOR APROVEITAMENTO INTEGRAL DOS ALIMENTOS E REDUÇÃO DE DESPERDÍCIO

Instituição: UNPB/FPB - Faculdade Unida da Paraíba, João Pessoa
Autores: Duarte FND; Oliveira MEG.

Objetivos: avaliar a composição nutricional de partes convencionais e não convencionais de vegetais, e de preparações obtidas a partir destas últimas, bem como a aceitação sensorial destas preparações, com vistas na promoção da conscientização para redução do desperdício de alimentos e incentivo para a prática do aproveitamento integral dos alimentos. Materiais e Métodos: Tratou-se de uma pesquisa de laboratório com intuito de determinar a composição centesimal de cascas de vegetais e preparações bem aceitas sensorialmente obtidas a partir destas, como forma de utilização na alimentação humana, reduzindo o desperdício de alimentos. Foram selecionadas 03 amostras de vegetais frequentemente consumidos pela população e que podem ser utilizados em preparações fazendo uso do aproveitamento integral dos alimentos. Os vegetais foram adquiridos na Empresa Paraibana de Abastecimentos e Serviços Agrícolas - EMPASA, localizada na cidade de João Pessoa/PB, os quais foram transportados em caixas isotérmicas contendo gelo até o Laboratório de Nutrição da Faculdade Unida da Paraíba e para o Laboratório de Bromatologia e Microbiologia de Alimentos da UFPB. Em seguida, foram higienizados e armazenados sob refrigeração até o momento do processamento. Resultados: Os resultados obtidos mostraram que a casca de abóbora apresentou maiores teores de cinzas (0,99%), proteínas (2,78%), carboidratos totais (4,33%), glicose (1,67%), sacarose (2,66%), fibras totais (4,88%) e calorias (30,81 Kcal/100 g), quando comparada a polpa de abóbora. Já com relação à banana, verificou-se maiores valores para casca no que diz respeito à umidade (87,07 %), cinzas (1,62%), sacarose (5,67%) e pH (7,26), quando comparada a polpa da fruta.Por fim, constatou-se que os teores de carboidratos totais (16,12%), glicose (4,45%), pH (5,18), fibras totais (15,20%) e calorias (72,22 kcal/100 g) foram maiores na casca da manga ao ser comparada a sua polpa. Quanto ao teor de umidade, é possível perceber que o suco de casca de manga apresentou o maior teor de umidade (85,43%), seguido do brigadeiro de casca de banana (26,8%) e por último, o bolo de casca de abóbora, com o menor teor de umidade (23,14%). Conclusão: A maioria das partes não convencionais dos vegetais apresentou teores de nutrientes superiores em relação às suas respectivas partes convencionais. Isso demonstra que essas partes, geralmente desperdiçadas por falta de conhecimento, podem ser incluídas na dieta habitual da população, como forma de melhorar a qualidade nutricional das preparações, redução do desperdício de alimentos. Unitermos: desperdício, vegetais, aproveitamento integral dos alimentos.

PC134 - O CAFÉ NO BRASIL: REPRESENTAÇÃO GASTRONÔMICA DE UM PRATO DO FINAL DO SÉCULO XIX E CRIAÇÃO ATUAL DE CONSUMO DIFUNDIDO; CHOCOLAT À LA CRÈME E CUPCAKE DE CAFÉ

Instituição: Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora, Juiz de Fora
Autores: Nascimento RP; Castor JT; Maia HAO; Paula ARV.

Objetivos: O objetivo do trabalho é unir e representar, através da Gastronomia, duas épocas distintas da história do Brasil: o final do século XIX e o momento atual, tendo como base dos pratos criados, o café, um dos produtos mais consumidos pelos brasileiros e de importante papel na história do Brasil. Utiliza-se dos principais ingredientes de Chocolat à la crème na produção do Cupcake de Café. Materiais e Métodos: Como metodologia do trabalho, fez-se utilização de fichas técnicas de preparo adaptadas e padronizadas para os pratos Chocolat à la crème do final do século XIX e Cupcake de café, de criação atual. Nas fichas técnicas de preparo estão representados: nome do prato, categoria, quantidade de porções, ingredientes e suas respectivas quantidades, modo de preparo e materiais culinários utilizados. Ingredientes de Chocolat à la crème: Chocolate meio amargo, Leite, Uísque, Creme de leite, Café forte, Açúcar, Gemas, Ovo. Ingredientes do Cupcake de Café: Farinha de Trigo, Açúcar refinado, Chocolate em Pó, Bicabornato de Sódio, Fermento em pó químico, Sal, Óleo de soja, Café Forte, Iogurte Natural, Extrato de Baunilha, Uísque, Ovos, Manteiga, Café solúvel. Foi avaliado o desenvolvimento das preparações de acordo com as tentativas realizadas para o preparo, e feito o cálculo energético dos pratos, bem como outras observações do ponto de vista nutricional. Resultados: O resultado da preparação de Chocolat à la crème, uma espécie de mousse, foi uma sobremesa de textura leve, com a parte superior ligeiramente mais escura e consistente que o restante do corpo, de sabor doce, porém balanceado pelo amargo do café. Na segunda tentativa de sua preparação, a única diferença se deu no inicio da preparação, onde o chocolate, o leite, o uísque e o café foram agregados ao mesmo tempo e a mistura tornou-se homogênea mais rapidamente. Para a releitura, feita na forma de cupcakes, foram utilizados os principais ingredientes do Chocolat à la crème, acrescidos apenas dos materiais restantes necessários para que se desse o resultado final. Na primeira tentativa, a cobertura do cupcake foi feita com creme de manteiga, açúcar e café, mas visto que, em sua totalidade, o prato havia se tornado excessivamente doce, na segunda tentativa abandonou-se a ideia do recheio, acrescentando-se mais café e uísque à massa. O VET de Chocolat à la crème foi calculado em cerca de 338 kcal (1 porção), enquanto o do Cupcake de Café, cerca de 460 kcal (1 unidade do cupcake). Conclusão: Pode-se chegar à conclusão que, Chocolat à la crème, mousse de origem francesa, e o Cupcake, pequeno bolo de origem americana, representam de forma singular as influências dos colonizadores através da história. Além disso, o café, produto extremamente popular, ganhou complexidade e passou a ser um produto gastronômico representativo dos hábitos alimentares brasileiros. Unitermos: não informado.


PC135 - TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL DOMICILIAR: UMA ABORDAGEM CLÍNICA E NUTRICIONAL EM FIBROCÍSTICOS

Instituição: Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Brasilia
Autores: Haack A; Novaes MRG.

Objetivos: Avaliar o perfil sócioeconômico e clínico nutricional de pacientes assistidos por um programa de Nutrição Enteral Domiciliar. Materiais e Métodos: Estudo transversal, analítico, realizado com 47 pacientes, 2-19 anos. As medidas antropométricas foram aferidas, a espirometria avaliada e foi considerado o ponto de corte de 80%. Foi conduzido um recordatório de 24 horas para analisar o consumo alimentar. A terapia de reposição de enzimas pancreática, a suplementação nutricional e de vitaminas lipossolúves foram registradas. Resultados: A idade do diagnóstico foi de 23.3 meses. Não foram achadas associações entre a renda familiar, uso de enzimas e a suplementação de vitaminas entre aqueles que apresentaram ou não déficit nutricional. Na espirometria foi verificado um valor de VEF1≥80% estatisticamente maior que VEF1<80% entre os pacientes "Sem Déficit Nutricional" de acordo com os Consensos Europeu e Americano (0,0459 e 0,0230, respectivamente).A porcentagem de pacientes "Sem Déficit Nutricional" é estatisticamente menor entre aqueles que fazem uso de suplementação do que entre aqueles que não fazem uso, quando considerados ambos os Consensos (p=0,0210 e 0,0098,respectivamente). Entre os pacientes com VEF1<80%, a proporção de pacientes com circunferência de braço 5 (p=0,0021). Conclusão: As associações entre o déficit nutricional e o alterado padrão de espirometria são situações comuns entre os fibrocísticos. Suplementos nutricionais e o acompanhamento em programas especializados podem contribuir para a alta demanda energética e auxiliar no prognóstico. Unitermos: fibrose cística, doença pulmonar, estado nutricional, espirometria.


PC136 - OBESIDADE INFANTIL COMO EFEITO TARDIO DA LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA

Instituição: Não informado, São Paulo
Autores: Oliveira MF; Maia PS.

Objetivos: O objetivo deste trabalho foi avaliar a incidência de obesidade como efeito tardio em pacientes sobreviventes de LLA. Materiais e Métodos: O presente trabalho trata-se de revisão bibliográfica descritiva, na qual foram selecionadas 401 referências para a confecção do mesmo. Resultados: Os efeitos tardios dessas terapias vêm sendo descritos pelos sobreviventes. Dentre esses efeitos destacam-se as doenças cardiovasculares, problemas no sistema renal, músculo-esquelético, tegumentar, SNC, oftálmico, imune, gastrintestinal, comprometimento do aprendizado e memória, problemas psicológicos, osteoporose, endocrinopatias e obesidade o qual se destaca com maior evidência. A hipótese é que a irradiação craniana acarrete danos nos centros cerebrais que controlam o apetite, o comportamento alimentar e a composição corporal. Especula-se ainda que o mecanismo de obesidade seja multifatorial, podendo incluir anormalidades do balanço energético, diminuição da atividade física, alterações hormonais e uso de corticoides. A terapia nutricional constitui uma arma terapêutica essencial sendo muito importante que seja instituído o acompanhamento nutricional individualizado tão logo seja diagnosticado o câncer, para que o paciente possa ser submetido ao tratamento clássico sem maiores complicações. Conclusão: Pacientes com diagnóstico de leucemia linfoide aguda, submetidos ao tratamento quimioterápico e radioterápico necessitam de suporte multidisciplinar e, sobretudo nutricional, de modo a minimizar os efeitos colaterais do tratamento, como o ganho de peso. Portanto torna-se fundamental a presença do profissional nutricionista a fim de garantir a recuperação e manutenção do estado nutricional. Unitermos: câncer, leucemia linfoide aguda, obesidade.

PC137 - PERFIL ANTROPOMÉTRICO E ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DO CONSUMO DIETÉTICO DE PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE DA CLÍNICA DE NEFROLOGIA DE IMPERATRIZ (CNI)

Instituição: Instituto de Ensino Superior do Maranhão - IESMA, Imperatriz
Autores: Milhomem NTA; Fernandes CN.

Objetivos: Analisar o consumo dietético e o estado nutricional de portadores de IRC em programa regular de hemodiálise, a fim de confrontar se essa ingestão estaria sendo adequada para suprir suas necessidades frente ao seu estado patológico e se o perfil antropométrico destes condiz com seu consumo alimentar, identificando os pacientes em risco nutricional. Materiais e Métodos: Selecionou-se 43 portadores de IRC em hemodiálise de acordo com a faixa etária adulta (20 a 59 anos). Aplicou-se questionário durante as sessões de hemodiálise contendo informações sociodemográficas e econômicas, antropométricas, frequência alimentar, alimentação habitual, avaliação subjetiva global, características clínicas e histórico pessoal. Os dados antropométricos foram coletados antes e após cada sessão de hemodiálise através de balança eletrônica, estadiômetro, adipômetro, fita métrica. A análise nutricional das dietas e a classificação nutricional antropométrica foram obtidas através do software de nutrição Dietwin. A classificação antropométrica incluiu IMC, CB, CMB, relação de risco da CC, relação %PA/PT. Os dados sociodemográficos, econômicos, clínicos e pessoais foram tabulados através do programa Epi Info. O consumo alimentar analisado foi qualificado por meio de adequação percentual e por meio dos limites de referencia da ingestão de nutrientes estipulados para pacientes em hemodiálise, incluindo energia, proteína, fibra, sódio, potássio, fósforo, ferro e cálcio. Resultados: A ocorrência de IRC em pacientes em hemodiálise foi maior entre os homens. A maior parte da população submete-se ao tratamento de 1 a 2 anos. A presença da IRC destacou-se nas idades mais avançadas, 40 a 60 anos. A população apresentou um baixo nível educacional e socioeconômico. A grande maioria foi representada por aposentados. A hipertensão arterial e diabetes mellitus foram as principais causas do surgimento da IRC e as comorbidades mais presentes. A média de ganho de peso interdialítico foi elevada, 3,4 kg. A prática de tabagismo e etilismo se mostrou pequena entre esta população. A recomendação de ingestão hídrica não era seguida pela maior parte dos pacientes. A maior parte da população apresentou-se eutrófica segundo a relação %PAxPT, IMC, CB, CMB e sem risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares segundo a CC. O parâmetro que avalia a PCT evidenciou depleção moderada em grande parte da população. A ASG apresentou em sua totalidade risco nutricional/desnutrição leve. A ingestão de cálcio e potássio encontra-se adequada; energia, fibra e ferro abaixo do recomendado; proteína, fósforo e sódio acima do preconizado para pacientes em hemodiálise. Conclusão: O consumo alimentar inadequado traduziu um grande risco nutricional não atendendo a todas as recomendações necessárias à pacientes em hemodiálise. A avaliação antropométrica caracterizou a maior parte desta população como eutrófica, porém, apontou um número significativo de indivíduos desnutridos. Unitermos: IRC, hemodiálise, avaliação nutricional.

PC138 - A IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE DURANTE A GRAVIDEZ

Instituição: Centro Universitário de Sete Lagoas, Sete Lagoas
Autores: Cruz AES; Souza IC; Silva RM; Teixeira RA; Soares RA.

Objetivos: O presente estudo teve como objetivo realizar a avaliação nutricional de uma gestante, considerando os aspectos relacionados ao estilo e condições de vida. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de caso desenvolvido com uma gestante que realizava o pré Natal na Equipe Saúde da Família (ESF). A coleta de dados foram obtidas por: aferição de medidas antropométricas, anamnese nutricional, questionário de frequência e consumo alimentar (QFCA), Recordatório de 24 horas e dados bioquímicos.Durante todas as etapas de coleta de dados realizou-se educação nutricional, com o fornecimento de orientações para gestante, quanto a alimentação saudável bem como de esclarecimentos de suas principais queixas na gestação e no ganho de peso gestacional. Resultados: A gestante foi classificada como obesa, apresentou inadequação na ingestão de micronutrientes, aumento do consumo de alimentos hipercalóricos e hábitos de vida não saudáveis. Conclusão: A relação entre a alimentação adequada e a gestação é fundamental para um melhor prognóstico. Desta forma, sugere-se o incentivo e o cuidado ao binômio mãe-bebê, com execução de ações preventivas contra a morbimortalidade infantil e materna por meio de educação nutricional com orientações dietéticas, que visem à qualidade de vida, e promovam saúde. Unitermos: nutrição, gestação, promoção da saúde.

PC139 - UTILIZAÇÃO DOS INDICADORES DE QUALIDADE EM TERAPIA NURICIONAL - ESTUDO PRELIMINAR DE APLICABILIDADE EM UTI DE HOSPITAL GERAL

Instituição: Hospital Federal dos Servidores do Estado /MS, Rio de Janeiro
Autores: Pontes MBBF; Tavares JM; Hissa M; Viana C; Canela A.

Objetivos: Mensuração da qualidade da TNE na UTI do Hospital Federal dos Servidores do Estado/MS, hospital de grande porte do RJ, nível terciário de complexidade, através da análise quantitativa de indicadores de qualidade. Materiais e Métodos: Análise de dados a partir das fichas de acompanhamento individual de 94 pacientes acompanhados pela equipe, internados na UTI, no período de janeiro de 2011 a março de 2012. Foram utilizados os seguintes indicadores de qualidade: percentual de pacientes em TNE com estimativa de gasto energético-proteico; percentual de frequência de reavaliação periódica em paciente com TNE; percentual de pacientes com volume de NE infundido maior que 70%; frequência de ocorrência de diarreia (caracterizada por mais de quatro episódios de evacuação/dia) e incidência de perda do CNE (saída inadvertida e/ou obstrução). Resultados: Número de pacientes = 94; Média de dias em TNE: 19,46 (2 - 130); Desvio Padrão: 22,43; Percentual de pacientes em TNE com estimativa de gasto energético-proteico = 100%; Percentual de frequência de reavaliação periódica em pacientes com TNE = 100%; Percentual de pacientes com volume de NE infundido maior que 70% = 74,4% (70 pacientes); Frequência de ocorrência de diarreia = 15,9% (15 pacientes); Incidência de perda do CNE (saída inadvertida/ obstrução) = 25,5% (24 pacientes). Conclusão: A EMTN iniciou em 2011 o programa de treinamento continuado para as equipes médica, de enfermagem e de nutrição do HFSE, com implementação dos protocolos de boas práticas assistenciais. Passamos a utilizar os indicadores de qualidade, inicialmente na UTI, para monitorização da TNE. Nosso objetivo foi realizar a análise qualitativa da assistência nutricional prestada pela EMTN, e a partir desse ponto, fazer reavaliações periódicas. Unitermos: indicadores de qualidade, EMTN (Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional), TNE (Terapia Nutricional Enteral).