Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



Editorial
Editorial
Thelma Prado Moraes
Editora Científica
RBM Especial Clínica Geral - Ago. 2010 V 67

Algumas enfermidades são sazonais, outras têm preferência por determinadas raças, outras por certas profissões. As dores de coluna vertebral, entretanto, nunca saem de pauta porque acometem a todos indistintamente e estão sempre a merecer atenção da classe médica. Assim, dores na região lombossacra muito frequentes na prática clínica, serão objeto do tema central deste suplemento da Revista Brasileira de Medicina.

A prevalência dessa incômoda queixa excede a 70% da população durante o decorrer da vida, na maioria das nações industrializadas. É, portanto, considerada um problema de saúde pública com prejuízo da qualidade de vida e elevados custos econômicos para os sistemas de saúde. As mulheres são, em geral, mais acometidas do que os homens, a incidência iniciando-se na segunda década, com aumento na quinta década da vida. As lombalgias podem ser localizadas ou apresentar irradiações para um ou ambos os membros inferiores, tal como ocorre nas lombociatalgias. A depender da duração, podem ser agudas ou crônicas. Seu tratamento é feito em primeira linha com anti-inflamatórios não hormonais e fisioterapia.

Ao contrário das lombociatalgias, a caquexia reumatóide, que é uma manifestação extra-articular incapacitante da artrite reumatóide, é pouco diagnosticada na prática clínica. Acomete os pacientes de forma mais ou menos grave, com perda da massa magra da musculatura esquelética, vísceras e sistema imune. Uma cuidadosa revisão sobre o tema é apresentada na presente edição por sua importância, merecendo, certamente, a atenção dos colegas.
A constipação intestinal funcional tem prevalência três vezes maior em mulheres e ocorre mais frequentemente na faixa etária acima dos 40 anos. Embora seja considerada essencialmente como um problema de diminuição da frequência das evacuações, a sintomatologia é um pouco mais complicada e subjetiva. As manifestações podem incluir dificuldade em evacuar, sensação de evacuação incompleta, distensão abdominal, desconforto e mal estar geral. O primeiro ponto para o tratamento é a exclusão de causa primária, quando for possível caracterizá-la. A seguir, o tratamento envolve importantes medidas comportamentais e tratamento farmacológico propriamente dito. Nesse caso são incluídos os incrementadores de bolo, lubrificantes, agentes osmóticos, laxantes. Este é mais um dos relevantes temas que faz parte da clínica diária, escolhido para atualização dos leitores.

Thelma Prado Moraes