Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



Controvérsias & Interfaces
Polipose nasossinusal: diagnóstico e tratamento
Nasal polyposis: diagnosis and treatment


Rodrigo de Paula Santos
Mestre e doutor do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Chefe do Setor de Rinologia da Unifesp-EPM.
Leonardo Higa Nakao
Fellow do Setor de Rinologia do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Unifesp-EPM.
Eduardo Macoto Kosugi
Mestrando do Setor de Rinologia e preceptor dos residentes do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Unifesp-EPM.
Correspondência: Rua Prof. João de Oliveira Torres, 416 - Jd. Anália Franco - São Paulo - SP - Tel: (11) 2671-5883 - E-mail: leonardo_nakao@terra.com.br

Unitermos: polipose nasossinusal, rinossinusite crônica, tratamento.
Unterms: nasal polyps, chronic rhinosinusitis, treatment.

Numeração de páginas na revista impressa: 71 à 77

Resumo


A polipose nasossinusal (PN) é um processo inflamatório crônico da mucosa nasal. A etiologia da formação dos pólipos nasais é ainda muito debatida, é mais provável que a PN não represente uma doença única, mas seja a manifestação nasal de diferentes doenças. Além da etiologia, outros tópicos são controversos na PN, como o tratamento mais adequado(1).

O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão a respeito do diagnóstico e tratamento da polipose nasossinusal.




Introdução

A polipose nasossinusal (PN) é um processo inflamatório crônico da mucosa nasal que leva ao desenvolvimento de formações não neoplásicas e edematosas conhecidas como pólipos. Habitualmente os pólipos apresentam consistência amolecida, superfície lisa e brilhante de cor acinzentada ou rosada, estão presos à mucosa nasal através de um fino pedículo ou de uma base larga. Os locais mais freqüentes de origem referidos na literatura são a concha média, bulla etmoidal, processo uncinado e óstio dos seios maxilares ou etmoidais(1,2).

A PN é uma doença de acometimento bilateral, com presença de pólipos em ambos os meatos médios. Os pólipos podem crescer em direção à cavidade nasal, rinofaringe, seios paranasais e narinas. Os sintomas mais freqüentes são obstrução nasal bilateral, secreção e hiposmia ou anosmia(3).

A etiologia da formação dos pólipos nasais é ainda muito debatida e é mais provável que a PN não reprerepresente uma doença única, mas seja a manifestação nasal de diferentes doenças. Além da etiologia, outros tópicos são controversos na PN, como o tratamento mais adequado, a relação com a alergia.

A PN se apresenta como um verdadeiro desafio ao otorrinolaringologista, pois em pleno século XXI, com as mais recentes tecnologias – aplicadas ao campo da microbiologia, imunologia e das cirurgias endonasais – à nossa disposição, ainda existem muitos pontos obscuros a serem esclarecidos nesta doença(4).

Epidemiologia

A polipose incide em 1% a 4% da população geral, aproximadamente na mesma proporção entre homens e mulheres. Sabe-se que 0,5% a 4,5% dos pacientes com rinite alérgica apresentam PN e que 25% dos pacientes com PN são alérgicos. Em relação à asma, 7% dos pacientes com asma possuem PN e 26% dos pacientes com PN apresentam asma e que em 69% dos pacientes com asma e PN, a asma precedeu o quadro, enquanto os pólipos surgiram 9 a 13 anos depois. Outro fato importante é a relação com a intolerância a aspirina (AAS) sendo que 36% a 96% dos pacientes com intolerância a AAS apresentam PN(5) (Quadro 1).

Etiopatogenia

A patogênese da PN é motivo de controvérsia e existem inúmeras teorias sobre o assunto descritas na literatura. Tos (1990)(6) analisa diferentes teorias, refuta a maioria delas com argumentos obtidos em seus próprios estudos e destaca alguns pontos de discussão:

1. Inflamação e infecção crônica e recorrente nasossinusal produzem edema, entretanto, nem sempre produzem polipose. Existe edema de mucosa nasossinusal em várias doenças locais ou sistêmicas, mas só em algumas a PN está associada
2. Respostas vasomotoras anormais e hipersensibilidade do leito vascular (como na intolerância a salicilatos) produzem edema. No entanto esta resposta ocorre também na rinite medicamentosa, sem contudo haver produção de pólipos e edema da mucosa nasal acontece em muitas doenças locais ou sistêmicas, sem associação com PN
3. Existe bloqueio da corrente aérea no local de origem dos pólipos, como no meato médio, corneto superior etc. (alguns estudos em animais reproduzem a formação de pólipos em cavidade sinusal e do ouvido médio, após obliteração do óstio de drenagem). Mas a hiperplasia polipóide ou papilar também pode ocorrer na cauda do corneto inferior, que é uma região bem aerada.


Adaptado de Settipane GA. Epidemiology of nasal polyps. Allergy Asthma Proc, 17:5, 231-6, 1996.

Histopatologia

A análise histológica do pólipo nasal revela dano epitelial, presença de membrana basal espessa, estroma contendo fibroblastos e células inflamatórias, dentre estas se destacam os eosinófilos, os quais estão presentes em 80% dos pólipos nasais linfócitos e neutrófilos os quais são mais freqüentes na fibrose cística(7).
Baseado nos achados histopatológicos, os pólipos podem ser classificados em quatro tipos(8):

· Pólipo edematoso eosinofílico. É o mais comum dos pólipos e ocorre em 86% dos casos. É caracterizado por edema do estroma, epitélio respiratório, hiperplasia de células caliciformes, espessamento da membrana basal e numerosos leucócitos, predominantemente eosinófilos
· Pólipo inflamatório crônico ou fibroinflamatório corresponde a 10% dos pólipos. Seu epitélio apresenta freqüentemente metaplasia escamosa e cubóide, ausência de hipertrofia de células caliciformes, o infiltrado inflamatório é sempre intenso, mas com predomínio de linfócitos
· Pólipo com hiperplasia de glândulas mucosas. Mais raro, confunde-se com o pólipo eosinofílico
Pólipo com estroma atípico. Também é raro e pode ser confundido facilmente com neoplasia, necessitando um exame minucioso.

Eosinofilia e mediadores inflamatórios
A eosinofilia, encontrada em 80% a 90% dos casos, é a característica principal da PN. É intensamente estimulada pela presença de IL-3, IL-5 e GM-CSF. Sabe-se que moléculas de adesão como a P-ina e o VCAM-1, presentes nos pólipos nasais, estimulam a migração transendotelial dos eosinófilos(1,15). Além disso, a intensa eosinofilia pode ser explicada em grande parte pela apoptose (morte celular programada) tardia dos eosinófilos encontrada na PN estudos em culturas de células de pólipos nasais mostraram que a apoptose não ocorreu antes de 12 dias, enquanto que em controles ela ocorreu após três dias, período similar ao tempo de sobrevivência destas células na circulação periférica(1). O fenômeno da apoptose tardia dos eosinófilos tem sido atribuído principalmente aos fatores IL-5, IL-3 e GM-CSF.

Voegels e Pádua (2005)(10) encontraram diminuição nos níveis de IL-3, IL-4 e IL-5 no pós-operatório de FESS em pacientes com PN, quando comparado com os níveis pré-operatório.

Mais recentemente, foi sugerida a hipótese de que a rinossinusite crônica, com ou sem PN, seria secundária à presença de fungos na cavidade nasal e seios paranasais, que desencadeariam uma reação imunológica não alérgica (não mediada por IgE), causando a intensa eosinofilia encontrada nos pólipos e no muco destes pacientes(11).

Outro fator seria a colonização da cavidade nasal pelo Staphylococcus aureus e a produção de toxinas com atividade superantigênica. Estes superantígenos (SAEs) são dez mil vezes mais potentes do que os antígenos convencionais e estimulam intensamente as células T (20% a 25% da população de células T através de uma via não específica quando comparado com uma estimulação de 0,1% através da via alérgica convencional), as quais sintetizam IL-4, IL-5, IL-13 aumentando a eosinofilia e a produção local de IgE(12,13). Na PN há uma maior taxa de colonização da cavidade nasal e meato médio pelo Staphylococcus aureus e maior número de IgE contra os SAEs, quando comparados com indivíduos sem PN(12,13).

Os quimioatraentes RANTES e eotaxinas aumentam a adesão dos eosinófilos a células endoteliais e aumentam a liberação de ECP (proteína catiônica eosinofílica), que promove dano epitelial(14,16).

Outros estudos observaram uma baixa concentração de proteína TGF-b nos pólipos nasais e uma alta concentração de IL-5 nos mesmos, sugerindo que IL-5 e TGF-b sejam citocinas de atividades contrabalanceadas(7,17).

Predisposição genética
Os pólipos nasais são encontrados em constituintes da mesma família, sugerindo uma hereditariedade. Diversos estudos demonstram correlação entre HLA e PN. Molnar-Gabor et al. (2000)(18) demonstraram que indivíduos com HLA-DR7-DQA1*0201 e HLA-DR7-DQB1*0202 possuem de duas a três vezes mais chances de desenvolver PN.

Estudos futuros são necessários para identificar os principais genes relacionados à formação dos pólipos nasais(19).


Figura 1 - Tomografia corte coronal demonstrando polipose nasossinusal acometendo seios maxilares e etmoidais bilateralmente.


Figura 2 - Tomografia corte axial demonstrando polipose nasossinusal acometendo seios etmoidais anteriores, posteriores e seios esfenoidais bilateralmente.

Polipose nasossinusal e doenças sistêmicas

Os pólipos nasais são o resultado final de um processo inflamatório crônico relacionado a várias doenças e isso significa uma multiplicidade de etiologias. Entre estas doenças encontramos: asma no adulto (principalmente a não alérgica), intolerância a salicilatos, rinossinusite crônica, rinite eosinofílica não alérgica, rinossinusite fúngica alérgica ou eosinofílica e algumas doenças ou síndromes geneticamente transmitidas, como a fibrose cística, síndrome de Kartagener (bronquiectasia, rinossinusite, situs inversus e discinesia ciliar), síndrome de Churg-Strauss (vasculite, asma grave, intensa eosinofilia) e síndrome de Young (doença sinopulmonar e azoospermia)(1).

Diagnóstico

Anamnese

A principal queixa dos pacientes com PN é a obstrução nasal constante. Secreção nasal anterior e posterior são referidas em muitos casos, assim como a perda parcial ou total do olfato. Cefaléia e dor facial não são freqüentes, apesar da obstrução dos seios paranasais.

Exame físico
Em alguns casos pode observar-se alargamento da pirâmide nasal o qual é indicativo de PN extensa.

Na rinoscopia anterior/endoscopia nasal se observam tumores com consistência amolecida, superfície lisa e brilhante, de cor acinzentada ou rosada. Os locais mais freqüentes de origem referidos na literatura são a concha média, bulla etmoidal, processo uncinado e óstio dos seios maxilares ou das células etmoidais.

A PN é praticamente sempre bilateral. Quando unilateral, devemos estar atentos aos possíveis diagnósticos diferenciais, por exemplo, papilomas invertidos e neoplasias malignas(6).

Os pólipos nasais podem ser classificados de acordo com Johansen et al. (1993)(20) da seguinte forma:

· Grau 1 - Pólipos pequenos, restritos ao meato médio, que não atingem a borda inferior da concha média
· Grau 2 - Pólipos que ultrapassam a borda inferior da concha média, mas não atingem a borda inferior da concha inferior
· Grau 3 - Pólipos que ultrapassam a borda inferior da concha inferior, causando obstrução total ou quase total da passagem de ar.

Exame de imagem
A tomografia computadorizada é o exame de imagem de escolha, auxiliando na avaliação da extensão da doença e da anatomia(19). Os achados mais característicos são a presença de conteúdo de densidade de partes moles em cavidades nasais, seios paranasais e dificuldade de visualização do trabeculado ósseo dos seios etmoidais. O sistema Lund-Mackay se utiliza de uma pontuação dependente da opacificação (ausente, parcial, total) dos seios paranasais e complexo óstio-meatal e ,segundo Smith et al. (2005)(21), as pontuações da TC e da endoscopia apresentam boa correlação.

Outros exames
Raios X ou TC de tórax nos casos de pacientes asmáticos. RAST e dosagem de IgE nos pacientes com rinite alérgica. Espermograma na suspeita de síndrome de Young e a pesquisa de cloro e sódio no suor nos casos de fibrose cística.Nos pacientes asmáticos é recomendável solicitar o PPD, devido a incidência aumentada de tuberculose. O teste de provocação nasal com aspirina apresenta sensibilidade de 73% e especificidade de 94% e pode ser utilizado nos casos de suspeita de intolerância ao AAS.

Diagnóstico diferencial

Na presença de lesão polipóide unilateral, diversos tumores epiteliais e mesenquimais, além de anormalidades anatômicas nasossinusais devem ser consideradas como diagnóstico diferencial. Concha média bolhosa pode produzir uma grande tumoração na cavidade nasal, que ao exame pode ser confundida com um pólipo nasal.

Papiloma invertido é um tumor benigno e geralmente é impossível diferenciá-lo de um pólipo nasal macroscopicamente, e existe um potencial de transformação maligna. Portanto, é importante que se estabeleça o diagnóstico histológico dos pólipos nasais.

Angiofibroma juvenil ocorre quase que exclusivamente em crianças ou adolescentes do sexo masculino, que apresentam epistaxe e obstrução nasal.

O diagnóstico diferencial deve incluir ainda tumores epiteliais (papiloma, adenoma pleomórfico), tumores mesenquimais benignos (fibroma, hemangioma, Schwannoma, meningeoma, leiomioma, angioleiomioma), doenças granulomatosas (sarcoidose, granulomatose de Wegener), lesões malignas em adultos (adenocarcinoma, carcinoma de células escamosas). Em crianças o diagnóstico diferencial das tumorações unilaterais inclui as lesões congênitas (encefalocele, glioma, cisto dermóide, cisto do ducto nasolacrimal) e neoplasias (hemangioma, neurofibroma, rabdomiossarcoma)(6).

Tratamento

Os objetivos do tratamento da PN, como definidos por Mygind e Lildhodt (1997)(22), são eliminação ou redução considerável do tamanho dos pólipos nasais, melhora ou restabelecimento da respiração nasal, melhora dos sintomas da rinite e melhora do olfato.

Nenhum tipo de tratamento disponível atinge a todos objetivos ideais, eliminando os sintomas completamente em longo prazo e prevenindo totalmente as recorrências, mas podem diminuir significativamente os sintomas e se aproximar dos objetivos propostos. Na maioria dos pacientes, o tratamento é clínico-cirúrgico.

O tratamento com corticóides tópicos intranasais é o tipo de tratamento mais bem documentado para PN na literatura, diminuem o tamanho dos pólipos, melhoram a respiração nasal, mas não são eficazes na melhora do olfato e das rinossinusites. Existe um alto nível de evidência(Ia) para o efeito no tamanho dos pólipos e nos sintomas nasais associados a PN(19). Hamilos et al. (1999 )(23) encontraram redução no número de eosinófilos, da expressão da P-ina e de IL-4 e IL-13 com o uso da fluticasona.

Corticóides sistêmicos atuam melhor sobre o olfato, são eficazes na diminuição dos pólipos, mas causam graves e conhecidos efeitos colaterais se usados por longos períodos. Administrados em altas doses por curto período produzem o que se descreve na literatura como “polipectomia medicamentosa”.

Hissaria et al. (2006)(24) demonstraram que o uso de 50 mg de prednisolona oral durante 14 dias promoveu redução no tamanho do pólipo nasal avaliados por endoscopia nasal e ressonância magnética e melhora dos sintomas nasais.
Não há estudos que mostram a eficácia da injeção de corticosteróide no pólipo nasal além do risco de amaurose ou necrose gordurosa no local da infiltração(9).

De acordo com as Diretrizes Brasileiras de Rinossinusites, não há estudos que analisem especificamente o uso de antibióticos na rinossinusite crônica com polipose nasal.

O uso de descongestionante nasal atua apenas na concha inferior, não apresentando efeito sobre o pólipo nasal(9). O mesmo pode ser dito a respeito do uso de anti-histamínicos, sendo o seu efeito apenas na melhora dos sintomas relacionados à rinite alérgica, sem efeito sobre a dimensão dos pólipos nasais.

A respeito do uso de anfotericina B, Ebbens et al. (2006)(25) demonstraram que a administração tópica de anfotericina B apresentou resultados semelhantes à administração de placebo, tanto no tamanho dos pólipos quanto nos sintomas nasais.

Não há estudos clínicos que correlacionem o uso de imunomoduladores ou lisado bacteriano no tratamento da polipose nasal.

A furosemida tópica pode promover redução no tamanho do pólipo nasal, podendo ser utilizada no pré-operatório a fim de reduzir o edema. Porém, não se encontra estudo placebo controlado com o uso deste medicamento(9). A capsaicina é a substância ativa da pimenta vermelha e é uma neurotoxina que depleta a substância P sabe-se que o uso tópico desta promove redução dos sintomas nasais nos pacientes atópicos. Essas duas substâncias apresentam nível de evidência B(19).

Os antileucotrienos melhoram os sintomas quando associados ao tratamento habitual da polipose nasossinusal, porém faltam estudos controlados na literatura e apresenta nível de evidência C(19).

A dessenssibilização à aspirina geralmente é feita com o uso de AAS(ácido acetilsalicílico) em doses elevadas (> 600 mg/d) e é indicada nos casos de polipose nasossinusal associada à intolerância ao AAS, porém também pode ser utilizada em pacientes com asma associada à polipose nasossinusal refratária ao tratamento clínico e cirúrgico. Outra forma seria o uso tópico de lysina-aspirina(9).

Relatos recentes na literatura trazem esperanças quanto a novas terapias com anticorpos anti-IL-5 de aplicação tópica nasal e anticorpos contra receptores de IL-3, IL-5 e GM-CSF(26).
O tratamento cirúrgico apresenta as seguintes indicações: quando após o uso de corticosteróides o paciente manteve queixa de obstrução nasal se houver efeitos adversos ao tratamento clínico baixa adesão ao tratamento medicamentoso presença de sintomas persistentes em vias aéreas inferiores (sem melhora com tratamento medicamentoso)(9).

Pode-se utilizar corticosteróide sistêmico e antibioticoterapia no pré-operatório com o intuito de diminuir o processo inflamatório intra-operatório.

O objetivo da cirurgia é restaurar as propriedades fisiológicas nasais, removendo os pólipos e restabelecendo a drenagem e ventilação dos seios paranasais. A principal via de acesso é a via endoscópica nasal. O uso de microdebridador diminui o tempo cirúrgico, sangramento intra-operatório e crostas pós-operatórias(9). Porém, deve ser com cautela e preferencialmente por cirurgiões experientes, devido ao risco de complicações.

É importante lembrar que a cirurgia não trata o componente inflamatório da mucosa, portanto o tratamento clínico complementar é sempre necessário. A taxa de sucesso varia de 60% a 95%(19).
Pacientes com asma apresentaram, após a cirurgia endoscópica nasal, melhora significativa da função pulmonar e uma redução no uso de corticosteróide sistêmico(19).

A recorrência pode acontecer em 60% dos pacientes em dois anos de pós-operatório(9). Pacientes com atopia ou intolerância ao AAS apresentam maior chance de recidiva.

Concluindo, deve-se individualizar o tratamento para cada paciente, usando-se corticosteróides tópicos, sistêmicos e cirurgia na combinação que se fizer necessária.




Bibliografia
1. Santos RP Voegels RL. Polipose Nasossinusal. In: Costa SS, Cruz OLM, Oliveira JAA. Otorrinolaringologia Princípios e Prática. São Paulo: Artmed 2006. p.680-691
2. Settipane GA, Chafee FH. Nasal polyps in asthma and rhinitis: a review of 6.037 patients. J Allergy Clin Immunol 1977 59:17-21.
3. Masaki M, Tanaka Y. Nasal polyps in the olfactory cleft. Laryngoscope 1998 108(8)Pt 1: 1243-1246.
4. Miyake MAM. Polipose Nasossinisal: Diagnóstico e Tratamento. Rev Bras Otorrinolaringol 1998 64(3)Pt2:11-21.
5. Settipane GA. Epidemiology of nasal polyps. Allergy Asthma Proc 1996 17(5):231-236.
6. Tos M. The pathogenic theories on formation of nasal polyps. Am J Rhinol 1990 4:51-56.
7. Bachert C, Gevaert P, Holtappels G, Cuvelier C, van Cauwenberge PI. Nasal polyposis: from cytokines to growth. Am J Rhinol 2000 14(5): 279-290.
8. Hellquist HB. Histopatology of nasal polyps. In: Settipane, GA Lund VJ Bernstein, JM Tos, M. (eds) Nasal polyps: epidemiology, pathogenesis and treatment. Rhode Island, Oceanside Publications, 1997, p 31-39.
9. Diretrizes Brasileiras de Rinossinusites. Rev Bras Otorrinolaringol 2008 vol.74(2) Mar./Abr.:1-59.
10. Voegels RL, Padua FGM. Expression of interleukins in patients with nasal polyposis. Otolaryngol Head Neck Surgery 2005 132(4):613-619.
11. Ponikau JU et al. The Diagnosis and incidence of allergic fungal sinusitis. Mayo Clin Proc 1999 74:877-884.
12. Patou J, Gevaert P,Van Zele T, Holtappels G, Cauwenberge P, Bachert C. Staphylococcus aureus enterotoxin B, protein A, and lipoteichoic acid stimulations in nasal polyps. J Allery Clin Immunol 2008 121:110-5.
13. Tripahti A, Conley DB, Grammer LC, Ditto AM, Lowery MM, Seiberling KA, Yarnold PA, Zeifer B, Kern RC. Immunoglobulin E to Staphylococcal and Streptococcal toxins in patients with chronic sinusitis/nasal polyposis. Laryngoscope 2004 114:1822-1826.
14. Pawankar R. Nasal polyposis: an . Curr Opin Allergy Clin Immunol 2003 3:1-6.
15. Voegels, R.L. Nasal Polyposis And Allergy: Is A Correlation? Am J Rhinology 2001 15(1):9-14.
16. Figueiredo CR, Silva IDCG, Weckx LLM. Inflammatory genes in nasal polyposis. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg 2008 16:18-21.
17. Figueiredo CR, Santos RP, Silva ID, Weckx LL. Microarray cDNA to identify inflammatory genes in nasal polyposis. Am J Rhinol 2007 21(2):231-5.
18. Molnar-Gabor E, Endreffy E, Rozsazi A. HLA-DRB1, -DQA1, and –DQB1 genotypes in patients with nasal polyps. Laryngoscope 2000 110(3 pt 1):422-5.
19. Fokkens WJ, Lund VJ, Mullol J, et al. European Position Paper on Nasal Polyps. Rhinology 2007 45(suppl 20):1-139.
20. Johansen LV et al. The effect of budesonide (Rhinocort) in the treatment of small and medium-sized nasal polyps. Clin Otolaryngol 1993 18:524-527.
21. Smith TL, Batra PS, Seiden AM, Hanley M. Evidence supporting endoscopic sinus surgery in the management of adult chronic rhinosinusitis: a systematic review. Am J Rhinol 2005 19(6): 537-543.
22. Mygind N, Lildholdt T. Treatment: medical management. In: Settipane GA, Lund V, Berstein JM, Tos M. (eds) Nasal polyps: epidemiology, pathogenesis and treatment. Rhode Island, Oceanside Publications, 1997, p 40-56.
23. Hamilos DL, Thawley SE, Kramper MA, Kamil A, Hamid QA. Effect of intranasal fluticasone on cellular infiltration, endothelial adhesion molecule expression, and proiflammatory cytokine mRNA in nasal polyp disease. J Allery Clin Imunol 1999 103(1): 79-87.
24. Hissaria P, Smith W, Wormald PJ, Taylor J, Vadas M, Gillis D, Kette F. Short course of systemic corticosteroids in sinonasal polyposis: A double-blind, randomized, placebo-controlled trial with evaluation of outcome measures. J Allergy Clin Imunol 2006 18(1): 128-133.
25. Ebbens FA, Scadding GK, Badia L, Heelings PW, Jorissen M, Mulol J, Cardsin A, Bachert C, Van Zele PJ, Dijkgraaf MG, Lund V, Fokkens WJ. Amphotericin B nasal lavages: Not a solution for patients with chronic rhinosinusitis. J Allergy Clin Immunol 2006 18(5):1149-1156.
26. Danzig M, Cuss F. Inhibition of interleukin-5 with a monoclonal antibody attenuates allergic inflammation. Allergy 1997 52:787-794.