Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



Artigo Original
Crises não epilépticas psicogênicas (CNEP): a justificativa reconciliatória entre neurologistas e psiquiatras
Psychogenic non-epileptic seizures PNES): a reconciliatory justification between neurologists and psychiatrists


Luciano de Paola
Diretor do Programa de Cirurgia de Epilepsia do HC-UFPR e do EPICENTRO - Centro de Atendimento de Epilepsia do Hospital XV em Curitiba - PR.
Endereço para correspondência: Luciano de Paola. Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Hospital das Clínicas de Curitiba. Rua General Carneiro, 181, 3º andar central - Serviço de Eletroencefalografia - Centro - CEP 80060-900 - Curitiba, PR - Brasil. Telefone: 55 (41) 3360-7867 - Fax: 55 (41) 3264-3606.

Para ler o artigo em PDF copie e cole o endereço abaixo no seu navegador:

http://www.cibersaude.com.br/include/cnep.pdf


Numeração de páginas na revista impressa: 55 à 64

RESUMO


Crises não epilépticas psicogênicas (CNEP) são eventos paroxísticos que se assemelham às crises epilépticas, mas não possuem substrato orgânico. Trata-se de uma condição heterogênea, relacionada a etiologias distintas, que a coloca como uma das condições médicas que transita com maior naturalidade entre a Psiquiatria e a Neurologia. Apesar de serem eventos comuns, na grande maioria das vezes são sub ou erradamente diagnosticados, apesar de poderem ser confirmadas com quase absoluta precisão a partir de documentação via videoeletroencefalografia (VEEG). Tais erros diagnósticos geram impactos físicos e sociais aos pacientes e financeiro à saúde pública. Sua freqüente natureza pós-traumática coloca as CNEP em íntima relação com transtornos de ansiedade, sendo os ataques de pânico e o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) os mais representativos. O tratamento das CNEP deve ser individualizado e uma abordagem terapêutica múltipla (medicamentosa, cognitiva, comportamental e familiar) é imprescindível. Em suma, as CNEP, por sua potencial gravidade, devem ser alvo constante da atenção de neurologistas, psiquiatras e médicos em salas de emergência. Estudos adicionais devem ainda ser conduzidos para um melhor entendimento da doença e, quanto mais estimulada for a comunidade médica pelas idiossincrasias deste assunto, maior será a demanda de pesquisas neste sentido.