Assinaturas Março 2014
21 de Abril de 2014
 » Busca     Avançada
 » Revistas
 » Livros
 » Expediente
 » Conheça a     Editora
 » Dados das     Publicações
 » Agenda
 » Cápsulas
 » Serviços
 » Links

Normas de Publicação da RBM Revista Brasileira de Medicina



Artigo Original
Diagnóstico mamográfico de microcalcificações suspeitas para malignidade e sua correlação com os achados
Mammographic diagnosis of malignant-appearing microcalcifications and its correlation with pathological findings


Gisele Alborghetti Nai
Professora assistente do Departamento de Patologia - Faculdade de Medicina - Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) - Presidente Prudente - SP.
Adriana Fleury
Maria Fernanda F. B. Jacob
Edilaine Gonçalves A. Silva
Faculdade de Medicina - Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) - Presidente Prudente - SP.
Ricardo Luís Barbosa
Professor assistente do Departamento de Saúde Coletiva - Faculdade de Medicina - Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) -Presidente Prudente - SP
Endereço para correspondência: Gisele Alborghetti Nai - Laboratório de Anatomia Patológica e Citopatologia - Unoeste - Rua José Bongiovani, 700 - CEP 19050-900 - Presidente Prudente - SP - Tel.: (18) 3229-1059 - Fax: (18) 3229-1194 - E-mail: patologia@unoeste.br

Recebido para publicação em 02/2006. Aceito em 05/2006.

Unitermos: mamografia, microcalcificações, câncer de mama, achados anatomopatológicos.
Unterms: Mammography, microcalcifications, breast cancer, pathological findings.

Numeração de páginas na revista impressa: 134 à 138

RESUMO


Na história natural dos carcinomas de mama, o diagnóstico pré-clínico pode produzir efeitos muito positivos no tempo de sobrevida. Microcalcificações constituem uma parte importante das lesões não palpáveis da mama e podem ser o primeiro sinal de um carcinoma mamário. Objetivo e métodos: Revisamos os resultados dos exames anatomopatológicos de 85 pacientes com lesões não palpáveis da mama, cujo diagnóstico mamográfico foi de microcalcificações suspeitas para malignidade, para avaliar a correlação entre os dois métodos. Resultados: Dos exames, 28,4% tratavam-se de alterações benignas do tecido mamário, 36,3% de lesões pré-malignas e 35,2% de carcinomas. Houve um predomínio dos carcinomas "in situ" (54,8%) e carcinomas do tipo ductal (58,6%). Discussão e conclusão: Na literatura, a correlação entre a mamografia e o exame histopatológico varia entre 68% e 98%, sendo que em nosso trabalho esta foi de 71,5% (kappa = 0,7). A grande variação da correlação entre estes dois exames pode ser estreitada pelo uso combinado da classificação de BI-RADS e de Le Gal na avaliação dos exames mamográficos. Microcalcificações à mamografia não são patognomônicas de carcinoma, mas representam uma área de alto risco no tecido mamário e requerem uma biópsia para exame histológico.

INTRODUÇÃO

O diagnóstico precoce do câncer de mama tem importância fundamental para o tratamento e prognóstico da doença.
Cânceres de mama não palpáveis são aqueles detectados, exclusivamente, por mamografia e ultra-som, o que não necessariamente implica num câncer precoce ou mínimo.

A mamografia é, atualmente, a única ferramenta que pode detectar lesões pré-malignas e um câncer na sua fase pré-invasiva, quando a possibilidade de cura é próxima a 100%. A detecção precoce é baseada na presença de microcalcificações(7,19).

O significado das microcalcificações na mama tem sido reconhecido desde sua descrição inicial, em 1951, por Leborgne e pode ocorrer em lesões malignas ou benignas(4).

Para melhor estimar o risco de malignidade e guiar o manejo das pacientes com lesões não palpáveis da mama, o Colégio Americano de Radiologistas criou a classificação de BI-RADS (Breast Imaging Reporting And Data System), a qual categorizou as lesões de 0 a 6. Para classificar as microcalcificações de acordo com a sua morfologia, adotou-se a classificação de Le Gal, que varia de 1 a 5(13). A combinação dos dois critérios de avaliação dos exames mamográficos é recomendada, visando estreitar o diagnóstico de malignidade(8).

Na tentativa de aprimorar o diagnóstico das lesões malignas da mama, estudos têm comparado as características radiológicas das microcalcificações (como padrão dos grupamentos e número, forma e tamanho das calcificações) com os achados anatomopatológicos das peças cirúrgicas(2,4,5,7,8,10,19) e têm avaliado o valor preditivo da classificação de BI-RADS(1,8,15).

Em nosso estudo, revisamos os resultados dos exames anatomopatológicos de pacientes com lesões não palpáveis da mama, cujo diagnóstico mamográfico foi de microcalcificações suspeitas para malignidade, para avaliar a correlação entre os dois métodos.


Gráfico 1 - Distribuição das pacientes, segundo a faixa etária (n=85). NR = idade não referida.


Gráfico 2 - Diagnóstico anatomopatológico dos espécimes biopsiados por presença de microcalcificações mamárias suspeitas de malignidade (n=88).


Gráfico 3 - Distribuição dos carcinomas invasivos associados a microcalcificações mamárias suspeitas de malignidade, segundo o tipo histológico (n=14).

MATERIAIS E MÉTODOS

Foi realizado levantamento retrospectivo de todos os laudos histopatológicos de biópsias de mama de pacientes sem lesões palpáveis e cujo exame mamográfico detectou microcalcificações suspeitas para malignidade, no período de janeiro de 1993 a dezembro de 2003, e diagnosticadas pelo Laboratório de Anatomia Patológica e Citopatologia da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste), perfazendo um total de 85 pacientes e 88 biópsias.

Foram coletados dos laudos histopatológicos, os seguintes dados: idade da paciente, localização da lesão (mama e quadrante) e resultado histopatológico.

O resultado histopatológico foi dividido em alterações benignas (mastopatia fibrocística, focos de adenose, fibrose pura e focos de processo inflamatório), lesões pré-malignas (adenose esclerosante e hiperplasia ductal com e sem atipias) e carcinomas (in situ e invasivo, os quais foram subdivididos em tipos).

Na análise estatística foi utilizado o teste Quiquadrado para amostras independentes e análise de concordância pelo teste Kappa.

Os autores do presente estudo não tiveram acesso aos filmes ou laudos dos exames mamográficos das pacientes.

RESULTADOS

Do total das pacientes, 59% tinham entre 40 e 59 anos, porém em 21,2% dos casos a idade não foi informada (Gráfico 1).

Três pacientes apresentaram focos de microcalcificações suspeitas para malignidade nas duas mamas, perfazendo um total de 88 biópsias mamárias.

Houve um predomínio de achados na mama esquerda (53,4% dos casos) e nos quadrantes superiores (27,2%), mais especificamente no quadrante externo (66,6%).

Tratavam-se de alterações benignas do tecido mamário 28,4% (Figura 1), 36,3% de lesões pré-malignas e 35,2% de carcinomas (Figura 2 e Gráfico 2), existindo uma associação entre lesões malignas e pré-malignas e microcalcificações suspeitas para malignidade (p < 0,001 e kappa = 0,7).

Das lesões pré-malignas (n=32), a maioria se tratava de adenose esclerosante (56,2%). Nenhum caso de hiperplasia ductal com atipias foi diagnosticado.


Figura 1 - A esquerda, radiografia da peça cirúrgica da mama mostrando foco de microcalcificações irregulares e agrupadas (seta). A direita, fotomicrografia da área mostrando microcalcificações (setas) associadas a ductos dilatados (Hematoxilina-eosina, 250x).


Figura 2 - A esquerda, radiografia da peça cirúrgica da mama mostrando foco de microcalcificações irregulares e agrupadas. A direita, fotomicrografia da área mostrando microcalcificações (setas) associadas a carcinoma ductal invasivo (Hematoxilina-eosina, 250x).

Com relação aos carcinomas (n=31), 54,8% dos casos eram in situ e 45,2% invasivos, havendo um predomínio do tipo ductal, tanto para os casos in situ (82,3%), quanto para os invasivos (71,4%) (Gráfico 3).

DISCUSSÃO

Foram previstos serem diagnosticados 402.190 novos casos de câncer no Brasil, em 2003, destes 41.610 eram previstos que fossem de mama, com cerca de 9.335 óbitos(22).

A detecção precoce é o fator mais importante para melhorar a taxa de sobrevida das pacientes com câncer de mama, e estudos têm sido realizados na tentativa de aprimorar a correlação entre os dados clínicos, radiológicos e anatomopatológicos das lesões da mama(18), porém poucos na atualidade.

A mamografia, o exame disponível, com maior acurácia para detecção de pequenos carcinomas da mama, tem a habilidade de mostrar até mesmo lesões pré-malignas.

A possibilidade de diagnóstico precoce à mamografia se deve a detecção de microcalcificações em lesões não palpáveis, mesmo em paciente com mamas densas(1).

Albert Salomon, um cirurgião de Berlim, descobriu, em 1913, em filmes de RX, que calcificações estavam associadas com câncer de mama, porém, somente nos anos 30, surgiram relatos do uso clínico das mamografias e, em 1951, Leborgne, um radiologista de Montevidéu, descreveu a técnica radiológica que permitiu visualizar diminutas microcalcificações(21).

As microcalcificações contêm hidroxiapatita de cálcio ou trifosfato de cálcio e são consideradas resultantes de um aumento da atividade secretória celular no complexo lobulo-ductal, mais do que o resultado da mineralização de debris celulares necróticos, o que justificaria sua presença em lesões benignas da mama, como ectasia ductal, adenose, papilomas, entre outras(2,21).

A aparência das microcalcificações variam em tipo, tamanho, densidade, número e distribuição e, de acordo com estes dados, o nível de suspeita para malignidade pode aumentar ou diminuir(12,13).

A dificuldade de se estabelecer as características das microcalcificações em lesões malignas e benignas da mama foi tema de vários artigos(2-6,9,16).

São consideradas microcalcificações suspeitas para malignidade aquelas agrupadas com aspecto irregular ou linear(5,12,13,19). O tamanho dos grupamentos e o número de microcalcificações por grupamento relacionados a presença de carcinoma é muito variável na literatura, porém a maioria dos autores associa aos carcinomas os grupamentos maiores de 3 mm e presença de mais de 9 microcalcificações por grupamento(4,6,9,17,19), porém o risco de invasão em grupamentos a partir de 10mm é controverso(14,20). Alguns trabalhos avaliaram a morfologia das microcalcificações e o grau de malignidade dos carcinomas ductais in situ, porém não obtiveram correlação entre estes achados(6,9). Em nosso trabalho, não tivemos acesso aos dados de mamografia com relação ao tamanho dos grupamentos ou morfologia das microcalcificações.

A literatura mostra que a detecção das microcalcificações ocorre mais em mulheres com menos de 60 anos(7), assim como em nosso trabalho onde a maioria das pacientes estavam na faixa etária entre 40 e 49 anos (33%), seguidas por aquelas entre 50 e 59 anos (26%). A explicação para esta associação seria que pacientes abaixo de 50 anos apresentam a mama mais densa, o que dificulta a detecção de nódulos, mas não de microcalcificações, e devido ao fato destas estarem mais associadas com a presença de lesões in situ, as quais são mais freqüentes em mulheres mais jovens(7).

A correlação entre a mamografia e o diagnóstico histopatológico tem sido relatada, na literatura, entre 68% e 98%(19). Em nosso trabalho, a correlação foi de 71,5%, somados os casos diagnosticados como lesões pré-malignas e malignas, existindo uma substancial concordância entre os dois exames (kappa = 0,7).

Nossos dados concordam com os da literatura, mostrando predomínio de carcinomas in situ com relação aos invasivos, e que as microcalcificações são mais comumente encontradas em carcinomas ductais in situ do que nos lobulares in situ (21).

O carcinoma ductal invasivo é o tipo histológico mais comum e o de pior prognóstico, por isso o mais, freqüentemente, associado a microcalcificações, como em nosso estudo.

Microcalcificações mamárias suspeitas para malignidade representam não apenas um achado diagnóstico, mas também prognóstico e terapêutico, como têm mostrado alguns estudos, em que foi observada importante associação entre presença de receptores hormonais e de c-erbB2 (produto de oncogene) nos carcinomas e microcalcificações suspeitas para malignidade(11).

Microcalcificações à mamografia não são patognomônicas de carcinoma, mesmo quando apresentam um padrão morfológico suspeito para tal, mas representam uma área de alto risco no tecido mamário e requerem uma biópsia para exame histológico e diagnóstico definitivo. Talvez, um estreitamento maior entre as classificações de BI-RADS e Le Gal e seu uso conjunto diminua as biópsias realizadas em lesões benignas.




Bibliografia
1. ____. Positive Predictive value of BI-RADS categorization in an Asian Population. Asian J. Surg. 2004; 27(3):186-191.
2. Colbassini Jr., H.J., Feller, W.F., Cigtay, O.S., Chun, B. Mammographic and pathologic correlation of microcalcification in disease of the breast. Surg. Ginecol. Obstet 1982; 155:689-696.
3. Cox, D., Bradley, S., England, D. The significance of mammotome core biopsy specimens without radiographically identifiable microcalcification and their influence on surgical management - A retrospective review with histological correlation. Breast 2005; 1.
4. Davis, R., Stacey, A.J. The detection and significance of calcifications in the breast: a radiological and pathological study. The British Journal of Radiology 1976; 49:12-26.
5. de Paredes, E.S., Abbitt, P.L., Tabbarah, S., Bickers, M.A., Smith, D.C. Mammografic and histologic correlations of microcalcifications. Radiografics 1990; 10(4):577-589.
6. Dinkel, H.P., Gassel, A.M., Tschammler, A. Is the appearance of the microcalcifications useful in predicting histological grade of malignancy in ductal cancer in situ? The British Journal of Radiology 2000; 73:938-944.
7. Ferranti, C., Coopmans de Yold, G., Bigazoli, E., Bergonzi, S., Mariani, L., Scaperrotta, G., Marchesini, M. Relationships between age, mammographic features and pathological tumor characteristics in non-palpable breast cancer. The British Journal of Radiology 2000; 73:698-705.
8. Gulsun, M., Deirkazik, F.B., Ariyuek, M. evaluation of breast microcalcifications according to Breast Imaging Reporting and Data System criteria and Le Gall's classification. Eur. J. Radiol. 2003; 47(3):227-31.
9. Holland, R., Hendriks, J.H.C.L. Microcalcifications associated with ductal carcinoma in situ: mammographic-pathologic correlation. Seminars in Diagnostic Pathology 1994; 11(3):181-192.
10. Ishida, T., Izuo, M., Iino, Y., Ogawa, T. Yokoe, T, Kawai,T. Clinic-pathological studies of non-palpable breast lesion with mammographically detected microcalcification. Gan No Rinsho, 1985; Suppl (May):131-142.
11. Karamousis, M.V., Likaki-Karatza, E., Ravazoula, P. et al. Non-palpable breast carcinomas: correlation of mammographically detected malignant-appearing microcalcifications and molecular prognostic factors. Int. J. Cancer 2002; 102(1):86-90.
12. Kettritz, U. Morack, G., Decker, T. Stereotatic vaccum-assisted breast biopsies in 500 women with microcalcifications: radiological and pathological correlations. Eur J Radiol 2005; 55(2):270-6.
13. Le Gal, M., Chavanne, G., Pellier, D. Diagnostic value of clustered microcalcifications discovered by mammography (apropos of 227 cases with histological verification and without a palpable breast tumour). Bull Cancer 1984; 17(1):57-64.
14. Nishimura, S., Takahashi, K., Gomi, N. et al. What is the predictor for invasion in non-palpable breast cancer with microcalcifications? Breast Cancer 2004; 11(1):49-54.
15. Orel, S.G., Kay, N., Reynolds, C., Sullivan, D.C. BI-RADS categorization as a predictor of malignancy. Radiology 1999; 211(3): 845-50.
16. Podhola, M., Urminska, H. Combined radiologic and microscopic examination of nonpalpable brest lesions with microcalcification. Cesk Pathol 2004; 40(1):12-7.
17. Seror, J.Y., Antoine, M., Scetbon, F., Chopier, J., Sananes, S, Ghenassia, C, Uzan, S. Use of stereotaxic aspiration macrobiopsies in managing breast microcalcifications: first series of 115 prospective cases. Gynecol Obstet Fertil 2000; 28 (11):806-19.
18. Souza, A.Z., Hegg, R., Shu, S. B.T. Correlação entre o diagnóstico clínico, mamográfico e anatomopatológico em patologia mamária: análise de 1251 casos. J. Bras. Ginecol. 1985; 95(10):459-61.
19. Stamp, G.W.H., Whitehouse, G.H., McDicken, I.W., Leinster, S.J., George, D. Mammographic and pathological correlations in breast screening program. Clinical Radiology 1983; 34:529-542.
20. Stomper,, P.C., Geradts, J., Edge, S.B., Levine, E.G. Mammographic predictors of the presence and size of invasive carcinomas associated with malignant microcalcification lesions without a mass. AJR Am J Roentgenol 2003; 18(6)1679-84.
21. Tinnemans, J.G.M., Wobbes, T., Lubbers, E-J. C., van der Sluis, R.F., Boer, H.H.M. The significance of microcalcifications without palpable mass in the diagnosis of breast cancer. Surgery 1986; 99(6):652-657.
22. http://www.inca.gov.br - acessado em 15 de outubro de 2005.