Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



Comunicação
Queratose seborréica - sinal de Leser-Trélat
Seborrheic keratosis - Leser-Trélar sign


Lorivaldo Minelli
Professor associado-doutor da Disciplina de Dermatologia de Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual de Londrina - PR.
Leandro Neme
Marcelo Marcondes
Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual de Londrina - PR.
Recebido para publicação em 03/2004. Aceito em 10/2004

Unitermos: ceratose seborréica, verruga seborréica, verruga senil, sinal de Leser-Trélat.
Unterms: seborrheic keratosis, seborrheic wart, senile wart, Leser-Trélat sign.

Numeração de páginas na revista impressa: 57 à 58

RESUMO


O presente artigo revisa os principais aspectos clínicos e cirúrgicos da queratose seborréica e descreve um sinal extremamente importante relacionado à entidade - sinal de Leser-Trélat.

INTRODUÇÃO

A queratose seborréica, verruga seborréica ou senil é um tumor nevóide, de herança autossômica dominante, caracterizada por lesões verrucosas, às vezes únicas, porém geralmente múltiplas, localizadas freqüentemente em tronco, couro cabeludo, face, pescoço e membros. As regiões palm-plantares são poupadas. As lesões consistem em pápulas circunscritas, ligeiramente elevadas, acastanhadas, friáveis à manipulação e de diâmetro que varia de poucos milímetros a 3 centímetros. Raramente são pruriginosas. São recobertas por escama aderente, córnea e graxenta, que quando removida mostra base cruenta úmida. Podem aumentar em número quando o paciente está ganhando peso e quando localizadas em áreas intertriginosas, pode haver infecção secundária, com maceração e mau odor. Surgem em torno da quarta década de vida, sendo raras em melanodérmicos.
O aparecimento súbito de múltiplas lesões pode ser indicativo de neoplasia (manisfestação paraneoplásica) de pulmão, próstata, cólon, reto(1,2,9), mama, adenocarcinomas gátrico e nasal(8), linfomas do sistema nervoso central, síndrome de Sezary10, carcinoma de células renais(14) e micose fungóide. O mais freqüente é o adenocarcinoma de estômago, perfazendo 60% dos casos. Na maioria das vezes, a dermatose começa aproximadamente ao mesmo tempo do desenvolvimento do câncer. É o chamado sinal de Leser-Trélat(5,13). Porém, o aparecimento de múltiplas lesões, não representa, obrigatoriamente, sinal de malignidade.
Histopatologicamente(3,4,12) é uma hiperplasia epidérmica e se caracteriza por proliferação exofítica de células basalióides uniformes, contendo cistos de queratina e grande quantidade de melanócitos.


Figura 1 - Lesão verrucosa e enegrecida, típica de ceratose seborréica, em tronco posterior.

Como diagnóstico diferencial devem ser levados em consideração nevo melanocítico, epitelioma basocelular pigmentado, melanoma e ceratose actínica. Outra consideração a fazer é que embora o aparecimento súbito de múltiplas lesões seja correlacionado a malignidades, há relatos envolvendo casos de eritrodermia esfoliativa, sem relação com qualquer neoplasia maligna(7).


Figuras 2 e 3 - Múltiplas lesões de ceratose seborréica em tronco posterior. Quadro associado a neoplasias, representando o sinal de Léser-Trélat.

O tratamento pode ser realizado através de curetagem e eletrocoagulação, cauterização química, crioterapia com nitrogênio líquido e laser de Alexandrita e CO2(6,11). Não há justificativa para cirurgia com sutura, pois se trata de lesão superficial, com bons resultados estéticos se utilizadas técnicas menos invasivas.




Bibliografia
1. Barth M, Basten O, Ruschoff J, Rompel R. Clinical and histopathological characteristics of early Leser-Trelat syndrome. Hautarzt 2001 Jul; 52(7):649-52.
2. Betti R, Inselvini E, Vergani R, Moneghini L, Crosti C. Sebaceoma arising in association with seborrheic keratosis. Am J Dermatopathol 2001 Feb; 23(1):58-61.
3. Betti R, Munni S, Cerri A, Vergani R, Crosti C. Seborrheic keratosis with compound nevus junctional nevus and basal cell carcinoma in the same lesion. Dermatology 2001; 203(3):265-7.
4. Bouraoni S, Haounet S, Bellil K, Feniche S, Chedly Delbiche A, M Zitoume M, Mzabi Regaya S. Basal cell carcinoma arising in a seborrheic keratosis: a case report. Tunis Med 2001 Dec; 79 (12):703-5.
5. Ceylan C, Alper S, Kilina I. Leser-Trelat sign. Int J Dermatol 2002 Oct; 41(10):687-8.
6. Fitzpatrick RE, Goldman MP, Ruiz-Espanza J. Clinical advantage of the CO2 laser superpulsed mode treatment of verruca vulgaris, seborrheic keratoses, lentigines and actinic cheilitis. Dermatol. Surg Oncol 1994 Jul; 20(7):449-56.
7. Flugman SL, McClaim SA, Clark RA. Transient eruptive keratoses associated with erytrodermic psoriasis and erytrodermic drug eruption: report of a two cases. J Am Acad Dermatol 2001 Dec; 45(6suppl):S212-4.
8. Furue M, Kohda F, Duan H, Uchi H, Kato Y, Diryu H, Koja T. Spontaneous regression of multiple seborrheic keratoses associated with nasal carcinoma. Clin Exp Dermatol 2001 Nov, 26(8):705-9.
9. Ginarte M, Sanchez-Aguilar D, Toribio J. Sign of Leser-Trelat associated with adenocarcinoma of the rectum. Eur J Dermatol 2001 May-Jun; 11(3):251-3.
10. Ikari Y, Ohkura M, Morita M, Seki K, Kubota Y, Mizoguchi M. Leser-Trelat sign associated with Sezary syndrome. J Dermatol 1995 Jan; 22(1):62-7.
11. Mehrabi D, Brodell RT. Use of the alexandrite laser for treatment of seborrheic keratoses. Dermatol Surg 2002 May; 28(5): 437-9.
12. Rodriguez RA, Festa Neto C. Multiple fibroepithelial basal cell carcinoma of Pinkus associated with seborrheic keratosis in a nevoid distribution. J Dermat 2000 May, 27(5):341-5.
13. Schwartz RA. Sign of Leser-Trelat. J Am Acad Dermatol 1996 Jul; 35(1):88-95. Review.
14. Vielhauer V, Herzinger T, Korting HC. The sign of Leser-Trelat: a paraneoplastic cutaneous syndrome that facilitates early diagnosis of occult cancer. Eur J Med Res 2000 Dec 29; 5(12):512-6.