Home Busca Avançada Normas de Publicação Assinaturas Fale Conosco
Contact Us
 
 

 

CopyRight
Moreira Jr Editora
Proibida a reprodução sem autorização expressa


 
sêlo de qualidade
Like page on Facebook



Breve Revisão
Hiperandrogenismo na síndrome dos ovários policísticos (SOP)*
Hyperandrogenism in polycistic ovary syndrome


Hans Wolfgang Halbe
Ângela Maggio da Fonseca
Laudelino de Oliveira Ramos
Professor associado de Ginecologia, FMUSP.
Carlos Roberto Izzo
Doutor em Medicina, FMUSP.
Sylvia A. Y. Hayashida
Médica-assistente doutora, FMUSP.
* Trabalho realizado no LIM 058, FMUSP.

Recebido para publicação em 03/2004. Aceito em 04/2004.

Unitermos: hiperandrogenismo, ovários policísticos.
Unterms: hyperandrogenism, polycystic ovary syndrome.

Numeração de páginas na revista impressa: 191 à 196

Resumo - A SOP afeta até 10% das mulheres na menacme. O hiperandrogenismo é um dos critérios diagnósticos fundamentais, mas deve ser separado daquele que ocorre em outras alterações, como, por exemplo, na hiperplasia supra-renal congênita. Apesar do hirsutismo ser considerado por muitos como fundamental, é um sinal relativamente subjetivo. A grande variabilidade das concentrações de andrógenos sangüíneos pode acarretar imprecisões diagnósticas. O hiperandrogenismo depende de alguns fatores cuja interação é responsável pelo polimorfismo da SOP: a resistência à insulina que acarreta hiperinsulinemia, o aumento do LH que pode determinar hiperandrogenemia, o aumento da população folicular que parece explicar o sucesso da cirurgia ovariana e o aumento da produção dos andrógenos supra-renais. A interação desses fatores parece dirigir o quadro clínico da SOP, motivo pelo qual o estudo do hiperandrogenismo é fundamental no esclarecimento da síndrome.

A SOP é uma síndrome causada por uma disfunção ovariana de etiologia ainda não inteiramente esclarecida que afeta 6% a 10% das mulheres em idade reprodutora. Em 2003, o Consenso de Rotterdam da European Society of Human Reproduction and Embriology (ESHRE) em conjunto com a American Society for Reproductive Medicine (AMRS), sem pretender um status definitivo, reavaliou os critérios diagnósticos da SOP (Tabela 1)(40). Embora possa não estar presente, o hiperandrogenismo clínico ou bioquímico é um dos três critérios diagnósticos fundamentais, sendo os outros os distúrbios da ovulação e ovários policísticos. Como muitos investigadores asseveram que os ovários de pacientes com SOP podem ser ecograficamente normais e que mulheres normais podem apresentar os critérios ecográficos de ovários policísticos, é correto distinguir entre alterações da morfologia ovariana e distúrbios endócrinos da SOP; assim, na ausência dos outros dois critérios, os ovários policísticos devem ser considerados como um sinal e não uma doença(39). É fundamental excluir distúrbios relacionados (hiperplasia supra-renal congênita, tumores secretantes de andrógenos, síndrome de Cushing) inclusive a hiperprolactinemia, apesar de muitas pacientes hiperandrogênicas serem portadoras de níveis sangüíneos de prolactina ao redor do limite superior da normalidade. No Consenso ficou evidente que a SOP deveria ter critérios muito mais abrangentes; inclusive englobar mulheres com ciclos menstruais regulares e hiperandrogenismo ou ovários policísticos(5).

Caracterização do hiperandrogenismo

Clinicamente, para muitos participantes do Consenso é fundamental a presença de hirsutismo. No entanto, deve-se ter em conta que:
1. Não existem dados que assegurem o que é uma pilosidade normal em grandes populações;
2. O estabelecimento do hirsutismo é relativamente subjetivo;
3. Poucos clínicos efetivamente utilizam escores padronizados;
4. Freqüentemente o hirsutismo é tratado antes da avaliação endócrina inicial;
5. O hirsutismo é menos prevalente em pacientes asiáticas hiperandrogênicas ou na adolescência.

A presença isolada de acne parece ser um marcador em potencial de hiperandrogenismo, apesar de ser controversa a prevalência de hiperandrogenismo nas pacientes(37).

A presença isolada de alopecia androgênica como indicador de hiperandrogenismo parece ser um marcador limitado de hiperandrogenismo exceto quando associado com oligovulação.

Bioquimicamente, a maioria das pacientes com SOP evidencia hiperandrogenemia que pode representar um marcador hereditário de excesso androgênico(20).

Por outro lado, muitas pacientes não têm hiperandrogenemia(19). As duas razões mais freqüentes desse fato parecem ser a variabilidade e a imprecisão da metodologia laboratorial utilizada(44):

1. Omissão de andrógenos alterados;
2. Grande variabilidade na população normal;
3. Limites normais imprecisos;
4. Desconsideração da idade e do índice de massa corporal no estabelecimento dos limites normais(4);
5. A avaliação da hiperandrogenemia realizada após tratamentos hormonais pode ser falha pela permanência de depressão residual após a descontinuação terapêutica.

Apesar dessas limitações, a dosagem da testosterona livre é um dos métodos mais sensíveis para estabelecer a existência da hiperandrogenemia(16). Essa dosagem pode ser feita através das medidas da testosterona total e da globulina ligadora de hormônios sexuais.

A dosagem isolada da testosterona total não é um marcador confiável da hiperandrogenemia(40). Algumas pacientes com SOP podem apresentar aumento isolado do sulfato de deidroepiandrosterona (SDHEA).

O valor da dosagem da androstenediona ainda é controverso para estabelecer a hiperandrogenemia, parecendo estar mais elevada em pacientes com déficit de 21-hidroxilase do que na SOP(19,40).



Fisiopatologia do hiperandrogenismo na SOP

O aumento dos andrógenos circulantes se deve a uma série de fatores que interagem quando presentes. O grau de interação entre esses fatores parece ser responsável pelo polimorfismo da SOP.
1. Resistência à insulina por menor sensibilidade à insulina e conseqüente hiperinsulinemia são mais acentuadas nas pacientes obesas com SOP porque nelas a resistência à insulina tem dois componentes, um específico da SOP e outro específico da obesidade. A queda de peso nas obesas diminui a resistência à insulina(34). Nem sempre as pacientes magras com SOP têm resistência à insulina(31). Calcula-se que aproximadamente metade das pacientes com SOP tenha resistência à insulina, cifra essa que depende da metodologia de rastreamento(14).

O mecanismo da resistência à insulina está relacionado a fosforilação excessiva da serina do receptor da insulina que inibe as ações do hormônio na célula-alvo(10). Esse distúrbio na ação da insulina - distúrbio denominado pós-receptor - está limitado ao metabolismo da glicose porque outras ações biológicas do hormônio, inclusive relacionadas a esteroidogênese, continuam ser observadas. A fosforilação da serina constitui um fator agravante da hiperandrogenemia porque estimula a enzima P450c17, presente nos ovários e nas glândulas supra-renais, aumentando a síntese androgênica(46). Assim, um segmento significativo da população de pacientes com SOP parece ter um excesso de fosforilação da serina que produz a resistência à insulina e a hiperandrogenemia (Figura 1). Um distúrbio similar existe na ação do IGF-1(1). Não parece haver uma anormalidade estrutural do receptor da insulina(38).


Figura 1 - Principais mecanismos da hiperandrogenemia na SOP.


Figura 2 - Biossíntese esteroidiana do ovário. Todas as células têm o equipamento enzimático para a biossíntese, mas os hormônios predominantes diferem entre os tipos celulares. Os fatores que determinam o esteróide a ser secretado pelos diferentes tipos celulares são: níveis de gonadotropinas e de respectivos receptores, a expressão das enzimas esteroidogênicas e biodisponibilidade do LDL-colesterol.
No folículo ovariano a via delta-5 é preferencial para a formação de andrógenos e estrógenos porque as células tecais metabolizam a 17OH-pregnenolona com maior eficiência do que a 17OH-progesterona. No corpo lúteo a via delta-4 é preferencial, envolvendo a conversão da pregnenolona para progesterona. 1) P450scc, enzima mitocondrial que rompe a cadeia lateral do colesterol, medeia a 20-hidroxilação, a 22-hidroxilação e a cisão da ligação C20-22. 2 e 3) P450c17, enzima do retículo endoplásmico, medeia a 17-hidroxilação e a cisão da ligação C17-20. 4) 3-beta-HSD, enzima do reticuloendoplásmico não relacionada ao citocromo P450, medeia as atividades da 3-beta-hidroxiesteróide-deidrogenase e da 5-4-isomerase; a isoforma tipo II está expressada tanto nos ovários como nas glândulas supra-renais. 5) 17-beta-hidroxiesteróide-deidrogenase, outra enzima do reticuloendoplásmico não relacionada ao citocromo P450, converte estrona em estradiol, androstenediona em testosterona e DHEA em androstenediol e vice-versa; nove isoformas foram clonadas até o presente. 6) P450arom, enzima do retículo endoplásmico não relacionada ao citocromo P450, medeia a aromatização do anela A do núcleo esteróide.


Existe uma correlação positiva entre os níveis basais de insulina e de andrógenos(21). A intensidade dos sintomas de hiperandrogenemia está relacionada ao nível de insulinemia(33). Embora em alguns casos a hiperandrogenemia possa agravar a resistência à insulina, ela não é determinante dessa resistência na SOP; o distúrbio na ação da insulina precede a hiperandrogenemia(11,24).

O aumento da produção androgênica pela insulina na SOP decorre da ação direta nos receptores ovarianos da insulina e do IGF-1, atuando em conjunto com o LH, e da ação indireta através da hipófise, onde incrementa a amplitude dos pulsos do LH(29,30). A insulina determina aumento da atividade do citocromo P450c17a tanto nos ovários como nas glândulas supra-renais(23,28) (Figura 2).
A insulina ainda contribui para a hiperandrogenemia da SOP inibindo a síntese hepática na globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG) e assim aumentando a biodisponibilidade dos andrógenos; e também inibindo a produção hepática de da proteína ligadora de IGF-1 (IGFBP-1) e aumentando a biodisponibilidade de IGF-1(1).

A relação inversa entre os níveis de insulina e SHBG é significativa. Assim, SHBG constitui um excelente marcador para a hiperinsulinemia decorrente da resistência à insulina e também um preditor do desenvolvimento do diabetes mellitus tipo 2(27).

O principal ganho clínico desses conhecimentos é o tratamento da hiperandrogenemia com medicamentos que aumentam a sensibilidade à insulina e reduzem a hiperinsulinemia. A metformina constitui o medicamento padrão para aumentar a sensibilidade à insulina, tendo-se demonstrado que a redução dos níveis de insulina sérica está associada com a redução da secreção ovariana de andrógenos(12).

Além de diminuir a insulina circulante, a metformina diminui os andrógenos, aumenta a SHBG, diminui o PAI-1 aumentando a capacidade fibrinolítica, diminui o LH, regulariza as menstruações e aumenta a sensibilidade ovariana aos medicamentos indutores da ovulação(43).
2. Aumento da secreção do LH, basal e em resposta ao GnRH, é outro mecanismo do excesso androgênico na SOP, no sentido de estimular a produção de andrógenos pela teca ovariana. A produção excessiva do LH ocorre em aproximadamente um terço das pacientes com SOP(2).

Esse aumento é devido à maior sensibilidade da hipófise ao GnRH e se manifesta principalmente pela maior amplitude dos pulsos do LH(15). Provavelmente, o aumento do LH decorre da maior atividade secretora no hipotálamo e na hipófise. De um lado, existe a possibilidade de que o aumento do LH seja devido à maior secreção do GnRH atribuída ao menor grau de inibição opióide hipotalâmica em virtude da ausência crônica de progesterona(7). De outro, há evidências de que o LH bioativo em pacientes com SOP está presente em maior proporção no LH imunoativo em nível normal(17).

A dinâmica da secreção de GnRH é importante tanto para a secreção esteroidiana como para a ovulação. O estímulo pulsátil é necessário para manter a síntese e secreção de gonadotropinas e a freqüência e a amplitude dos pulsos de GnRH determinam a expressão dos genes responsáveis pelas subunidades LH e FSH. Nos ciclos ovulatórios o aumento da freqüência ou amplitude do GnRH durante a fase folicular favorece o pico do LH, ao passo que após a ovulação a progesterona reduz os pulsos de GnRH em favor da síntese do FSH. Na SOP, os pulsos de GnRH favorecem a síntese de LH, a hiperandrogenemia e a anovulação(9).

As evidências de que o gerador de pulsos do GnRH é menos sensível à inibição esteroidiana em pacientes com SOP parecem indicar que o aumento do LH na SOP não decorre somente da diminuição da progesterona mas reflete um estado do menor sensibilidade do gerador de pulsos hipotalâmico, talvez em virtude da hiperinsulinemia e hiperandrogenemia(22,32). Além disso, os níveis de LH decorrentes da indução da ovulação com GnRH em pacientes com SOP são maiores do em pacientes hipogonadotrópicas com ovários normais(36). Nesse caso, os distúrbios hipotálamo-hipofisários na SOP não seriam primários, mas secundários aos distúrbios da sinalização ovariana ou à hiperinsulinemia.
3. A produção excesso de andrógenos ovarianos primário mas gonadotropino-dependente tem seus adeptos(35) (Figura 2). Acredita-se que IGF-1 estimula a mitose celular, inibe a apoptose e aumenta a esteroidogênese ovariana, principalmente aumentando a atividade enzimática P450scc e cooperando com o LH no aumento de produção da enzima P450c17(6). Haveria na SOP uma regulação enzimática anormal levando ao aumento da produção de 17alfa-hidroxiprogesterona e androstenediona em resposta ao LH(3). A anormalidade seria intrínseca da teca(26). Essa anormalidade envolve predominante, mas não exclusivamente, a enzima P450c17(12). Essa enzima determina a 17-alfa-hidroxilação e a função 17,20-liase nos ovários e nas supra-renais, podendo a sua alteração manifestar-se como uma disfunção isolada ou associada nesses órgãos. A alteração pode ser evidenciada pelo estímulo com GnRH ou ACTH.
4. A favor de um distúrbio ovariano primário está a descoberta de que ovários policísticos têm uma população folicular de duas a seis vezes maior do que os ovários normais(13,45). A redução da população folicular seguida da queda dos andrógenos ovarianos seria o mecanismo da normalização das funções menstrual e reprodutora pela cirurgia ovariana(18).
5. O aumento da produção de andrógenos supra-renais é encontrado em 25% das pacientes com SOP possivelmente como resultado de anormalidades genéticas ou secundárias à hiperandrogenemia ovariana(25,41).
6. Aumento do metabolismo periférico do cortisol pela 5-alfa-redutase e conseqüente inativação ou a menor atividade da 11beta-hidroxiesteróide-deidrogenase com menor produção do cortisol(8,34). Nesse caso, há aumento compensador do ACTH necessário para a manutenção do nível normal de cortisol concomitante ao excesso de andrógenos supra-renais (Figura 3). O mecanismo da anormalidade enzimática é controverso. A obesidade poderia ser um fator importante porque 50% das pacientes com SOP têm sobrepeso. Finalmente, a resistência à insulina também poderia estar envolvida no metabolismo anormal do cortisol(39).


Figura 3 - Aumento do metabolismo periférico do cortisol com aumento do ACTH; 11-beta-HSD = 11-beta-hidroxiesteróide-deidrogenase.




Bibliografia
1. Bach LA. The insulin-like growth factor system: basic and clinical aspects. Austral N Zealand J Med 1999; 29: 355-361.
2. Balen AH, Conway GS, Kaltsas G, Techatrasak K, Manning PJ, West C, Jacobs HS. Polycystic ovary syndrome: the spectrum of the disorder in 1741 patients. Hum Repr 1995; 10: 2107-2111.
3. Barnes RB, Rosenfield RL, Ehrmann DA, Cara JF, Cuttler L, Levitsky LL, Rosenthal IM. Ovarian hyperandrogenism as a result of congenital adrenal virilizing disorders: evidence for perinatal masculinization of neuroendocrine function in women. J Clin Endocrinol Metab 1994; 79: 1328-1333.
4. Bili H, Laven J, Imani B, Eijkemans MJ, Fauser BC. Age related differences in features associated with PCOS in normogonadotrophic oligoamenorrheic infertile women of reproductive years. Eur J Endocrinol 2001; 145:749-755.
5. Carmina E, Lobo RA. Polycystic ovaries in hirsute women with normal menses. Am J Med 2001; 111:602-606.
6. Cataldo NA, Giudice LC. Follicular fluid insulin-like growth factor binding protein profiles in polycystic ovary syndrome. J Clin Endocrinol Metab 1992; 74: 695-697.
7. Cheung, AP, Lu JK, Chang RJ. Pulsatile gonadotrophin secretion in women with polycystic ovary syndrome after gonadotrophin releasing hormone agonist treatment. Hum Repr 1997; 12: 1156-1164.
8. Chin D, Shackleton C, Prasad VK, Kohn B, David R, Imperato-McGinley J, Cohen H, McMahon DJ, Oberfield SE. Increased 5alpha-reductase and normal 11beta-hydroxysteroid dehydrogenase metabolism of C19 and C21 steroids in a young population with polycystic ovarian syndrome. J Ped Endocrinol Metab 2000; 13: 253-259.
9. Christman GM, Randolph JF, Kelch RP, Marshall JC. Reduction of gonadotropin-releasing hormone pulse frequency is associated with subsequent selective follicle-stimulating hormone secretion in women with polycystic ovarian disease. J Clin Endocrinol Metab 1991; 72: 1278-1285.
10. Dunaif, A. Insulin resistance and the polycystic ovary syndrome: mechanism and implications for pathogenesis. Endocrine Reviews 1997; 18: 774-800.
11. Dunaif A, Segal KR, Shelley DR, Green G, Dobrjansky A. Licholai T. Evidence for distinctive and intrinsic defects in insulin action in polycystic ovary syndrome. Diabetes 1992; 41: 1257-1266.
12. Ehrmann DA, Cavaghan MK, Imperial J, Sturis J, Rosenfield RL, Polonsky KS. Effects of metformin on insulin secretion, insulin action, and ovarian steroidogenesis in women with polycystic ovary syndrome. J Clin Endocrinol Metab 1997; 82: 524-530.
13. Fonseca AM, Halbe HW, Bagnoli VR, Pinotti JA. Ovários policísticos: patrimônio folicular e fisiopatologia. Rev Ginecol Obstet 2003; 14:178-181.
14. Hayashida SAY, Halbe HW, Normando APC, Lopes CMC, Marcondes JA, Gonçalves MA, Dolce RB, Fonseca AM. Comparação entre diferentes índices de avaliação da sensibilidade à insulina em pacientes portadoras da síndrome dos ovários policísticos. In Anais do Simpósio Internacional de Ginecologia Endócrina e Climatério, 2003, São Paulo, 1:5.
15. Hayes FJ, Taylor AE, Martin KA, Hall JE. Use of a gonadotropin-releasing hormone antagonist as a physiologic probe in polycystic ovary syndrome: assessment of neuroendocrine and androgen dynamics. J Clin Endocrinol Metab 1998; 83 :2343-2349.
16. Imani B, Eijkemans MJ, de Jong FH, Payne NN, Bouchard P, Giudice LC and Fauser BC Free androgen index and leptin are the most prominent endocrine predictors of ovarian response during clomiphene citrate induction of ovulation in normogonadotropic oligoamenorrheic infertility. J Clin Endocrinol Metab 2000; 85:676-682.
17. Imse V, Holzapfel G, Hinney B, Kuhn W, Wuttke W. Comparison of luteinizing hormone pulsatility in the serum of women suffering from polycystic ovarian disease using a bioassay and five different immunoassays. J Clin Endocrinol Metab 1992; 74: 1053-1061.
18. Izzo CR, Halbe HW, Pinotti JA. Eletrocauterização laparoscópica ovariana bilateral no tratamento de mulheres inférteis com síndrome dos ovários policísticos. Rev Ginecol Obstet 2003; 14:136-140.
19. Laven JS, Imani B, Eijkemans MJ, Fauser BC. New approaches to PCOS and other forms of anovulation. Obstet Gynecol Surv 2002; 57:755-767.
20. Legro RS, Driscoll D, Strauss JF 3rd, Fox J, Dunaif A. Evidence for a genetic basis for hyperandrogenemia in polycystic ovary syndrome. Proc Natl Acad Sci USA 1998; 95:14956-14960.
21. Lobo RA, Granger LR, Paul WL, Goebelsmann U, Mishell DR Jr. Psychological stress and increases in urinary norepinephrine metabolites, platelet serotonin, and adrenal androgens in women with polycystic ovary syndrome. Am J Obstet Gynecol 1983; 145: 496-503.
22. Marshall JC, Eagleson CA. Neuroendocrine aspects of polycystic ovary syndrome. Endocrinol Metab Clin N Am 1999; 28:295-324.
23. Moghetti P, Castello R, Negri C, Tosi F, Spiazzi GG, Brun E, Balducci R, Toscano V, Muggeo M. Insulin infusion amplifies 17alpha-hydroxycorticosteroid intermediates response to adrenocorticotropin in hyperandrogenic women: apparent relative impairment of 17,20-lyase activity. J Clin Endocrinol Metab 1996; 81: 881-886.
24. Moghetti P, Tosi F, Castello R, Magnani CM, Negri C, Brun E, Furlani L, Caputo M, Muggeo M. The insulin resistance in women with hyperandrogenism is partially reversed by antiandrogen treatment: evidence that androgens impair insulin action in women. J Clin Endocrinol Metab 1996; 81: 952-960.
25. Moran C, Azziz R. The role of the adrenal cortex in polycystic ovary syndrome.
Obstet Gynecol Clin N Am 2001; 28: 63-75.
26. Nelson VL, Qin KN, Rosenfield RL, Wood JR, Penning TM, Legro RS, Strauss IIIrd JF, McAllister JM. The biochemical basis for increased testosterone production in theca cells propagated from patients with polycystic ovary syndrome. J Clin Endocrinol Metab 2001; 86: 5925-5933.
27. Nestler JE. Sex hormone-binding globulin: a marker for hyperinsulinemia and/or insulin resistance? J Clin Endocrinol Metab 1993; 76: 273-274.
28. Nestler JE, Jakubowicz DJ. Decreases in ovarian cytochrome P450c17 alpha activity and serum free testosterone after reduction of insulin secretion in polycystic ovary syndrome. N Engl J Med 1996; 335 : 617-623.
29. Nestler JE. Insulin regulation of human ovarian androgens. Hum Repr 1997; 12 (Suppl. 1): 53-62.
30. Nestler JE, Jakubowicz DJ, de Vargas AF, Brik C, Quintero N, Medina F. Insulin stimulates testosterone biosynthesis by human thecal cells from women with polycystic ovary syndrome by activating its own receptor and using inositolglycan mediators as the signal transduction system. J Clin Endocrinol Metab 1998a; 83: 2001-2005.
31. Ovesen P, Moller J, Ingerslev HJ, Jorgensen JO, Mengel A, Schmitz O, Alberti KG, Moller N. Normal basal and insulin-stimulated fuel metabolism in lean women with the polycystic ovary syndrome. J Clin Endocrinol Metab 1993; 77: 1636-1640.
32. Pastor CL, Griffin-Korf ML, Aloi JA, Evans WS, Marshall JC. Polycystic ovary syndrome: evidence for reduced sensitivity of the gonadotropin-releasing hormone pulse generator to inhibition by estradiol and progesterone. J Clin Endocrinol Metab 1998; 83: 582-590.
33. Robinson S, Kiddy D, Gelding SV, Willis D, Niththyananthan R, Bush A, Johnston DG, Franks S. The relationship of insulin insensitivity to menstrual pattern in women with hyperandrogenism and polycystic ovaries. Clin Endocrinol 1993; 39: 351-355.
34. Rodin A, Thakkar H, Taylor N, Clayton R. Hyperandrogenism in polycystic ovary syndrome. Evidence of dysregulation of 11 betahydroxysteroid dehydrogenase. N Engl J Med 1994; 330: 460-465.
35. Rosenfield RL. Barnes RB, Ehrmann DA. Studies of the nature of 17-hydroxyprogesterone hyperresponsiveness to gonadotropin releasing hormone agonist challenge in functional ovarian hyperandrogenism. J Clin Endocrinol Metab 1994; 79: 1686-1692.
36. Schachter M, Balen AH, Patel A, Jacobs HS. Hypogonadotropic patients with ultrasonographically detected polycystic ovaries: endocrine response to pulsatile gonadotropin-releasing hormone. Gynecol Endocrinol 1996; 10: 327-335.
37. Slayden SM, Moran C, Sams WM Jr, Boots LR, Azziz R. Hyperandrogenemia in patients presenting with acne. Fertil Steril 2001; 75: 889-92.
38. Talbot JA, Bicknell EJ, Rajkhowa M, Krook A, O'Rahilly S, Clayton RN. Molecular scanning of the insulin receptor gene in women with polycystic ovarian syndrome. J Clin Endocrinol Metab 1996; 81: 1979-1983.
39. Tsilchorozidou T, Overton C, Conway GS. The pathophysiology of polycystic ovary syndrome. Clin Endocrinol 2004; 60: 1-17.
40. The Rotterdam ESHRE/ASRM-sponsored PCOS consensus workshop group. Revised 2003 consensus on diagnostic criteria and long term health risks related to polycystic ovary syndrome (PCOS). Hum Repr 2004; 19: 41-47.
41. Turner EI, Watson MJ, Perry LA, White MC. Investigation of adrenal function in women with oligomenorrhoea and hirsutismo (clinical PCOS) from the north-east of England using an adrenal stimulation test. Clin Endocrinol 1992; 36: 389-397.
42. Unger JW, Livingston JN, Moss AM. Insulin receptors in the central nervous system: localization, signaling mechanisms and functional aspects. Progr Neurobiol 1991; 36: 343-362.
43. Vandermolen DT, Ratts VS, Evans WS, Stovall DW, Kauma SW, Nestler JE. Metformin increases the ovulatory rate and pregnancy rate from clomiphene citrate in patients with polycystic ovary syndrome who are resistant to clomiphene citrate alone. Fertil Steril 2001; 75: 310-315.
44. Vermeulen A, Verdonck L, Kaufman JM. A critical evaluation of simple methods for the estimation of free testosterone in serum. J Clin Endocrinol Metab 1999; 84:366-372.
45. Webber LI, Stubbs S, Stark J, Trew GH, Margara R, Hardy K, Franks S. Formation and early development of follicles in the polycystic ovary. Lancet 2003; 362:1017-1021.
46. Zhang LH, Rodriguez H, Ohno S, Miller WL. Serine phosphorylation of human P450c17 increases 17,20-lyase activity: implications for adrenarche and the polycystic ovary syndrome. Proc Natl Acad Sc United States Am 1995; 92: 10619-10623.